Ausência de espírito: presença de corpo | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Babbitt de Sinclair Lewis pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 261 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Ana Karênina de Tolstói pela Nova Cultural (2002)
>>> Havia Gigantes Na Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 260 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
>>> A Divina Comédia de Dante pela Nova Cultural (2002)
>>> Xeque E Mate - Xadrez Sem Mistério E Com Muito Suspense de Gilberto Milos Júnior & Davy D'Israel pela Adonis (2000)
>>> Rock Jazz Bossa Poética de João Dutra pela Do Autor (2014)
>>> Os Melhores Poemas de Mário de Andrade de Gilda de Mello e Souza pela Globo (1993)
>>> Revista Internacional de Espiritismo - RIE, Ano LXXV, Número 07, Agosto de Vários Colaboradores pela O Clarim (2000)
>>> Antes Que a Saudade Chegue de Sady Figueira pela Evangraf (2001)
>>> A Gata do Rio Nilo de Lia Neiva pela José Olympio (1999)
>>> Convergente de Veronica Roth pela Rocco (2014)
>>> III Prêmio Proex/UFPA de Literatura - Antologia Poesias, Crônicas e Contos de Vários Autores pela Ufpa (2013)
>>> Revista Galileu, Ano 12, Número 154, Maio de Vários Colaboradores pela Globo (2004)
>>> Quinze Anos (A Juventude Como Ela É) de Carlos Heitor Cony pela Tecno Print (1973)
>>> Fazendo meu filme 3 - Roteiro Inesperado de Fani de Paula Pimenta pela Gutenberg (2013)
>>> Revista Força Aérea Nº 05 de Diversos Autores pela Action (1996)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Nova Cultural (2003)
>>> Revista Força Aérea Nº 03 de Diversos Autores pela Action (1996)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Nova Cultural (2003)
>>> Decamerão de Boccaccio pela NOVA Culltural (2003)
>>> Historia Da Filosofia- Os Pensadores de Bernadette Siqueira abrão pela Nova cultural (2004)
>>> Revista Força Aérea Nº 49 de Diversos Autores pela Action (2007)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultural (2002)
>>> Os Pensadores Husserl de Abril Cultural pela Abril Cultural (1980)
>>> Revista Força Aérea Nº 45 de Diversos Autores pela Action (2006)
>>> A Mulher de Trinta Anos de Balzac pela Nova Cultural (2003)
>>> Transformação Social da Humanidade de Samael Aun Weor pela Gnose (1986)
>>> Revista Força Aérea Nº Especial 01 de Diversos Autores pela Action (2003)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Último Czar: a Vida e a Morte de Nicolau II de Edvard Radzinsky pela Best Seller (1992)
>>> Arquipélago Gulag de Alexandre Soljenítsin pela Círculo do Livro (1975)
>>> Nova Enciclopédia Católica (12 volumes) de Vários Autores pela Renes (1969)
>>> Diário íntimo e outros escritos de piedade de João XXIII pela Livraria Morais (1964)
>>> Louis XVI and Marie Antoinette during the Revolution de Nesta H. Webster pela G. P. Putnam´s Sons (1938)
>>> Apontamentos de História Eclesiástica de Dom Jaime de Barros Câmara pela Vozes (1942)
>>> O Cardeal Newman de Pe. M. Teixeira Leite Penido pela Vozes (1946)
>>> Um pastor luterano foi ver Pio XII de Richard Baumann pela Mensafé (1957)
>>> História Geral das Civilizações (17 volumes) de Maurice Crouzet pela Difusão Europeia do Livro (1965)
>>> História das Américas (14 volumes) de Ricardo Levene (Dir); Pedro Calmon (Dir) pela W. M. Jackson (1964)
>>> Gestão Estratégica em Farmácia Hospitalar de Sonia Lucena Cipriano, Vanusa Barbosa Pinto e Cleuber Esteves Chaves pela Atheneu (2009)
>>> Prourgen – Ciclo 2 Módulo 4 de Vários Autores pela Artmed / Panamericana (2009)
>>> O Acaso e a Necessidade de Jacques Monod pela Vozes (1971)
>>> Técnicas Básicas em Biologia Molecular de Maristella de Oliveira Azevedo... (et al.)(Orgs.) pela Unb (2003)
>>> Claud Jacq – Coleção Pensamento Contemporâneo Nº 4 de Maria Andréa Loyola e Marilena Corrêa pela Uerj (2004)
>>> Ivanhoé de Walter Scott pela Nova Cultural (2003)
>>> National Geographic Brasil Nº 233 - Edição Especial de Diversos Autores pela National Geographic (2019)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Nova Cultural (2003)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/11/2002
Ausência de espírito: presença de corpo
Julio Daio Borges

+ de 5800 Acessos
+ 10 Comentário(s)

"Pode-se dizer que o francês é o produto de uma arte particular de se exprimir, de se mover e de se vestir. Sua lei neste domínio é o 'gosto' - uma palavra tomada de empréstimo à mais baixa das funções sensoriais e aplicada aqui a uma tendência do espírito. Com este gosto ele se degusta a si mesmo, à maneira em que preparou, isto é, como um molho saboroso. Incontestavelmente, neste ponto, ele chegou à virtuosidade."
(Richard Wagner, Beethoven [L&PM, 1987, 97 págs.])

O espírito morreu e o corpo está mais vivo do que nunca. Nietzsche, que entendia a filosofia também como uma justificação para o corpo, se perderia num mundo em que, depois dos avanços da ciência, a metafísica foi enterrada, em definitivo. Se ontem o corpo só podia ser entendido como uma extensão do espírito, hoje o espírito é que só pode ser entendido como uma extensão do corpo. Cada indivíduo deve ser compreendido, apreendido, percebido, em sua dimensão física, aquela, a do corpo. Toda existência, também, se encerra... no corpo. Viver, nos dias de hoje, consiste em administrar o único patrimônio que efetivamente se tem: ou seja, o corpo.

Basta pensar: qual a maior forma de transcendência hoje? O sexo, não o amor - porque o primeiro pode ser racionalizado; o segundo, não. Sexo é "satisfação garantida ou o seu dinheiro de volta". É "bom mesmo quando é ruim". E o amor? Justo o contrário: ruim mesmo quando é bom. O amor dá trabalho, o amor cobra, o amor exige. O amor liga no dia seguinte. O amor vira ódio. O sexo, não! O sexo se basta a si próprio, o sexo se justifica, o sexo, bem, está "pronto pra outra", algumas horas depois. Quem ganha então, nessa disputa, o corpo ou o espírito? O corpo. [Um a zero em cima do espírito.]

Se o corpo do outro (e não o seu espírito) se tornou o nosso maior desafio, o nosso maior mistério, como vencer o enigma ("Devoro-te, devoro-te, devoro-te! Decifra-me, decifra-me, decifra-me!") da esfinge? Simples: usando "fogo contra fogo", corpo contra corpo, um corpo contra o outro - o meu corpo contra o seu corpo. Eis que a estética se converte em culto ao próprio corpo! A perfeição escultural, a erradicação do pecado - lipídico, polissacarídeo -, a erudição dos pesos e das medidas, a consagração da atividade física. A beleza que, se não for minha, se não estiver implantada em mim, se não puder ser espelhada de forma narcísica, eu não tenho como apreciar, eu não tenho como sentir, eu não tenho como ser feliz. Fora do corpo não existe vida! (Lembram-se disso?) [Dois a zero em cima do espírito.]

Assim, o prazer só ganha sentido quando parte do corpo e não quando parte do espírito. Audição, visão, tato, paladar e olfato. Sim, os cinco sentidos! A chave para o desfrute do corpo do outro. Um mundo de sensações, um universo de dimensões infinitas! Uma única sensibilidade a ser desenvolvida: a material, a concreta, a real, a do gosto. "Bom gosto" versus "mau gosto". A linguagem se escraviza aos humores do corpo (expressões proliferam para dar conta da morte do espírito): gostoso, delicioso, saboroso, apetitoso, irresistível! O hedonismo - busca incessante pelo prazer, fuga desesperada da dor - torna-se a única filosofia possível. E a ciência? Só se for a dos exercícios, a dos regimes! A psicologia...? Apenas uma muleta para a aceitação dos estados do corpo (e não do espírito) e das limitações (de novo, do corpo). [Três a zero em cima do espírito.]

Já a tecnologia merece todo um capítulo. Os computadores, por exemplo, não estão aí para armazenar informações de valor - mas, sim, para estender a memória (fraca) do corpo, para acelerar a velocidade de processamento (do sistema nervoso), para materializar-se em espírito (o mesmo que, desligado da tomada, desconectado, desplugado, deixa de existir! Tem fim! É finito!). E os telefones? Para falar mais perto e ouvir mais longe (o som do corpo). E a televisão? Meio de transporte! E o automóvel? Meio de locomoção! E os eletrodomésticos? Manutenção, consertos, reparos! E a internet? O id, o ego e o superego! E... o resto? Corpo! Corpo! Corpo! Corpo! Corpo, corpo, corpo, corpo! [Quatro a zero em cima do espírito.]

E por mais que se fale em "sociedade da informação", a civilização do espírito tende também a se extinguir. Tudo o que não for palpável, imediato, sensível cai na vala comum do misticismo. Toda abstração é condenável! Todo raciocínio, esquemático (senão merece a lata do lixo)! Toda ambição, ali na esquina (com a profundidade de um pires)! Discutir idéias (e não coisas ou pessoas) é falar grego (a língua dos alienígenas ["Em que mundo você vive?"]). Escrever, então, é tratar com fantasmas do tempo em que ainda se lia ("Quem lê tanta notícia?").

Enquanto isso, o corpo se estende, infinito. [Infinito a zero em cima do espírito.]

"Um mundo onde só o útil compensa, onde o belo só é vantajoso quando proporciona prazer e [onde] o sublime fica sem resposta."
(Richard Wagner, Beethoven [L&PM, 1987, 97 págs.])


Julio Daio Borges
São Paulo, 22/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol
02. Memória externalizada de Wellington Machado
03. Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade de Wellington Machado
04. 10 músicas: Michael Jackson de Rafael Fernandes
05. Batom, kichute e literatura de Pilar Fazito


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2002
01. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
02. Minha pátria é a língua portuguesa - 8/11/2002
03. A internet e os blogs - 4/10/2002
04. Lula: sem condições nenhuma* - 25/10/2002
05. Do Manhattan Connection ao Saia Justa - 17/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/11/2002
15h11min
Então, o que SOU para os outros na condição de poeta ? Uma alma penada? É isso? Ó maldita tragédia! Golpe certeiro feriu-me as entranhas...
[Leia outros Comentários de Diogo]
23/11/2002
17h28min
A pergunta é.. seria isso condenavel? De que nos adiantou 5.000 anos de metafisica? A era de Peixes Está morta, e já está começando a feder. Sentado na calçada, um hippie chora o fim do sonho da era de aquario
[Leia outros Comentários de Thiago]
23/11/2002
19h44min
Diogo (#1), depois que Einstein desmitificou o éter, os "etéreos" se transformaram em dinossauros. Bem-vindo ao clube. Thiago (#2), não sou hippie mas sou de aquário, serve? A metafísica foi boa enquanto durou. Acontece que de física, só, não se vive. (Eu, pelo menos, não vivo.) Abraços aos dois, obrigado pelos Comentários, voltem sempre, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
24/11/2002
03h02min
Implantes dentários, enxertos capilares; tintura de cabelo, silicone nas mamas, lipo-aspiração; botox na cara e lentes de contato; calcinhas que suspendem a bunda e cintas que apertam a barriga; cirurgias que tiram manchinhas do rosto, depilação definitiva e cosméticos mirabolantes que abrem e fecham os poros; unhas postiças e perucas; anabolizantes que "definem" o corpo e indefinem o caráter; desodorantes para axilas, pés, boca e genitália feminina, perfumes para a barba e o cangote. De que corpo é este que estamos falando?
[Leia outros Comentários de Augusto Reis]
24/11/2002
14h52min
Prezado Julio Entendi seu agudo artigo como uma constatação irônica do que o mundo vive hoje. Talvez isso explique o porquê de como vamos indo, não? A identificação só com o corpo é um dos males do homem, na minha humilde opinião. Você não é o "seu" corpo, que nem sequer é seu. Ele um dia será reciclado e devolvido ao reino mineral de onde foi emprestado. Abraços corporais ~sergio graciotti
[Leia outros Comentários de Sergio Graciotti]
25/11/2002
07h48min
Augusto (#4) e Sergio (#5), é bom ser compreendido de vez em quando. Pelo Augusto que enumerou todas as modernas extensões do "corpo" (ou o que restou dele). E pelo Sergio que usou expressões muito apropriadas em relação ao meu texto. De fato, o apego ao "corpo" é de um primarismo selvagem, embora nossa sociedade se considere hoje tão "evoluída". Abraços virtuais aos dois, escrevam sempre, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
25/11/2002
12h49min
Se pensarmos que todas as categorias metafísicas se desontologizaram, eis-nos diante de um belo dilema, embora nunca ampla e satisfatoriamente resolvido, que é esse dualismo cartesiano. Só um racionalista pode valorizar a ontologização do corpo, daí que tenha sempre à perna todos os defensores dos ideais. Por mais que se proclame a morte dos ideais, do amor, da própria estética, jamais se conseguirá isso. Lembro a frase de Cioran, em que ele diz: "Só um monstro consegue ver as coisas tais como elas são..." Mas não há nada, como o faz o próprio Cioran e, mesmo Benjamin, como o gesto de advertir e o seu artigo é uma "advertência", no pleno sentido da palavra. abraço Mjoão
[Leia outros Comentários de Maria João Cantinho]
26/11/2002
20h05min
Estimada Maria João (#7), obrigado por Cioran e Benjamin. Eu não mereço tanto. Um abraço especial, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
5/12/2002
11h46min
Ai ... isso de Corpo e espírito é comigo mesmo , eles vivem em confronto , se o corpo está bem o espirito se eleva e se o espirito esta mal o corpo desfalece , mas as vezes o espírito está doente e só pra provar que o corpo é mais forte ele se revolta e causa uma revolução na aparencia , vai ver que é por isso que as mulheres fazem compras e mudam o cabelo quando querem sair do buraco, elevam o corpo, ai quando olham no espelho e se sentem satisfeitas elevam-se no espírito por consequencia, mas isso é muito relativo .
[Leia outros Comentários de Jenny]
22/5/2004
16h24min
Por um bom tempo, vivemos o que chamamos de "ditadura do espírito" ou, se quiserem, da razão. Os elementos sensíveis ou que emocionavam era coisa menor, a prevalência era do mundo das idéias platônico. A emoção era a vilã. Nos dias atuais, o que percebo é uma inversão dos papéis. Na ordem do dia prevalecem os discursos sobre (e para) o corpo. A racionalidade? Essa virou a vilã. E, neste mar de fragmentação, prefiro ficar com o pensamento totalizante de Adélia Prado: sem o corpo a alma não goza!!! (Ponto para o corpo?)
[Leia outros Comentários de Welington]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANARQUISMO E ANARCOSSINDICALISMO
GIUSEPPINA SFERRA
ATICA
(1987)
R$ 22,12



NARUTO- VOLUME 12
MASASHI KISHIMOTO
PANINI COMICS
(1999)
R$ 20,00



PARA VIVER UM GRANDE AMOR
VINICIUS DE MORAES
FOLHA DE SÃO PAULO
(2008)
R$ 6,90



TABUAS DE ESTATISTICA E MATEMATICA.
BUSSAB E SEVERO.
BRASILIENSE.
(1974)
R$ 12,00



A PROSPERIDADE ESTÁ PRÓXIMA
HERMAN KAHN
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 5,00



DIÁRIO DE UM BANANA 5: A VERDADE NUA E CRUA
JEFF KINNEY
VERGARA E RIBA
(2016)
R$ 44,90



QUESTAO AGRARIA NO BRASIL
JOAO PEDRO STEDILE
ATUAL
(1997)
R$ 8,00



COMO FALAR COMO UM PROFISSIONAL
LEON FLETCHER
RECORD
(1983)
R$ 5,00



PSICANÁLISE: ONTEM E HOJE
REVISTA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE VOL 37 Nº 4
RBP
(2003)
R$ 19,28



PARTE GENERALE - CHIRURGIA DEL CAPO, DEL COLLO, DEL TORACE E DELLA COL
LUIGI WULLSTEIN MAX WILMS SCHLOFFER TILMA...
TORINENSE
(1914)
R$ 71,07





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês