Ausência de espírito: presença de corpo | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 22/11/2002
Ausência de espírito: presença de corpo
Julio Daio Borges

+ de 5500 Acessos
+ 10 Comentário(s)

"Pode-se dizer que o francês é o produto de uma arte particular de se exprimir, de se mover e de se vestir. Sua lei neste domínio é o 'gosto' - uma palavra tomada de empréstimo à mais baixa das funções sensoriais e aplicada aqui a uma tendência do espírito. Com este gosto ele se degusta a si mesmo, à maneira em que preparou, isto é, como um molho saboroso. Incontestavelmente, neste ponto, ele chegou à virtuosidade."
(Richard Wagner, Beethoven [L&PM, 1987, 97 págs.])

O espírito morreu e o corpo está mais vivo do que nunca. Nietzsche, que entendia a filosofia também como uma justificação para o corpo, se perderia num mundo em que, depois dos avanços da ciência, a metafísica foi enterrada, em definitivo. Se ontem o corpo só podia ser entendido como uma extensão do espírito, hoje o espírito é que só pode ser entendido como uma extensão do corpo. Cada indivíduo deve ser compreendido, apreendido, percebido, em sua dimensão física, aquela, a do corpo. Toda existência, também, se encerra... no corpo. Viver, nos dias de hoje, consiste em administrar o único patrimônio que efetivamente se tem: ou seja, o corpo.

Basta pensar: qual a maior forma de transcendência hoje? O sexo, não o amor - porque o primeiro pode ser racionalizado; o segundo, não. Sexo é "satisfação garantida ou o seu dinheiro de volta". É "bom mesmo quando é ruim". E o amor? Justo o contrário: ruim mesmo quando é bom. O amor dá trabalho, o amor cobra, o amor exige. O amor liga no dia seguinte. O amor vira ódio. O sexo, não! O sexo se basta a si próprio, o sexo se justifica, o sexo, bem, está "pronto pra outra", algumas horas depois. Quem ganha então, nessa disputa, o corpo ou o espírito? O corpo. [Um a zero em cima do espírito.]

Se o corpo do outro (e não o seu espírito) se tornou o nosso maior desafio, o nosso maior mistério, como vencer o enigma ("Devoro-te, devoro-te, devoro-te! Decifra-me, decifra-me, decifra-me!") da esfinge? Simples: usando "fogo contra fogo", corpo contra corpo, um corpo contra o outro - o meu corpo contra o seu corpo. Eis que a estética se converte em culto ao próprio corpo! A perfeição escultural, a erradicação do pecado - lipídico, polissacarídeo -, a erudição dos pesos e das medidas, a consagração da atividade física. A beleza que, se não for minha, se não estiver implantada em mim, se não puder ser espelhada de forma narcísica, eu não tenho como apreciar, eu não tenho como sentir, eu não tenho como ser feliz. Fora do corpo não existe vida! (Lembram-se disso?) [Dois a zero em cima do espírito.]

Assim, o prazer só ganha sentido quando parte do corpo e não quando parte do espírito. Audição, visão, tato, paladar e olfato. Sim, os cinco sentidos! A chave para o desfrute do corpo do outro. Um mundo de sensações, um universo de dimensões infinitas! Uma única sensibilidade a ser desenvolvida: a material, a concreta, a real, a do gosto. "Bom gosto" versus "mau gosto". A linguagem se escraviza aos humores do corpo (expressões proliferam para dar conta da morte do espírito): gostoso, delicioso, saboroso, apetitoso, irresistível! O hedonismo - busca incessante pelo prazer, fuga desesperada da dor - torna-se a única filosofia possível. E a ciência? Só se for a dos exercícios, a dos regimes! A psicologia...? Apenas uma muleta para a aceitação dos estados do corpo (e não do espírito) e das limitações (de novo, do corpo). [Três a zero em cima do espírito.]

Já a tecnologia merece todo um capítulo. Os computadores, por exemplo, não estão aí para armazenar informações de valor - mas, sim, para estender a memória (fraca) do corpo, para acelerar a velocidade de processamento (do sistema nervoso), para materializar-se em espírito (o mesmo que, desligado da tomada, desconectado, desplugado, deixa de existir! Tem fim! É finito!). E os telefones? Para falar mais perto e ouvir mais longe (o som do corpo). E a televisão? Meio de transporte! E o automóvel? Meio de locomoção! E os eletrodomésticos? Manutenção, consertos, reparos! E a internet? O id, o ego e o superego! E... o resto? Corpo! Corpo! Corpo! Corpo! Corpo, corpo, corpo, corpo! [Quatro a zero em cima do espírito.]

E por mais que se fale em "sociedade da informação", a civilização do espírito tende também a se extinguir. Tudo o que não for palpável, imediato, sensível cai na vala comum do misticismo. Toda abstração é condenável! Todo raciocínio, esquemático (senão merece a lata do lixo)! Toda ambição, ali na esquina (com a profundidade de um pires)! Discutir idéias (e não coisas ou pessoas) é falar grego (a língua dos alienígenas ["Em que mundo você vive?"]). Escrever, então, é tratar com fantasmas do tempo em que ainda se lia ("Quem lê tanta notícia?").

Enquanto isso, o corpo se estende, infinito. [Infinito a zero em cima do espírito.]

"Um mundo onde só o útil compensa, onde o belo só é vantajoso quando proporciona prazer e [onde] o sublime fica sem resposta."
(Richard Wagner, Beethoven [L&PM, 1987, 97 págs.])


Julio Daio Borges
São Paulo, 22/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Revolusséries de Luís Fernando Amâncio
02. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
03. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. Redes e protestos: paradoxos e incertezas de Guilherme Mendes Pereira
05. Lula, ardis do poder e destino de Humberto Pereira da Silva


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2002
01. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
02. Minha pátria é a língua portuguesa - 8/11/2002
03. A internet e os blogs - 4/10/2002
04. Lula: sem condições nenhuma* - 25/10/2002
05. Do Manhattan Connection ao Saia Justa - 17/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/11/2002
15h11min
Então, o que SOU para os outros na condição de poeta ? Uma alma penada? É isso? Ó maldita tragédia! Golpe certeiro feriu-me as entranhas...
[Leia outros Comentários de Diogo]
23/11/2002
17h28min
A pergunta é.. seria isso condenavel? De que nos adiantou 5.000 anos de metafisica? A era de Peixes Está morta, e já está começando a feder. Sentado na calçada, um hippie chora o fim do sonho da era de aquario
[Leia outros Comentários de Thiago]
23/11/2002
19h44min
Diogo (#1), depois que Einstein desmitificou o éter, os "etéreos" se transformaram em dinossauros. Bem-vindo ao clube. Thiago (#2), não sou hippie mas sou de aquário, serve? A metafísica foi boa enquanto durou. Acontece que de física, só, não se vive. (Eu, pelo menos, não vivo.) Abraços aos dois, obrigado pelos Comentários, voltem sempre, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
24/11/2002
03h02min
Implantes dentários, enxertos capilares; tintura de cabelo, silicone nas mamas, lipo-aspiração; botox na cara e lentes de contato; calcinhas que suspendem a bunda e cintas que apertam a barriga; cirurgias que tiram manchinhas do rosto, depilação definitiva e cosméticos mirabolantes que abrem e fecham os poros; unhas postiças e perucas; anabolizantes que "definem" o corpo e indefinem o caráter; desodorantes para axilas, pés, boca e genitália feminina, perfumes para a barba e o cangote. De que corpo é este que estamos falando?
[Leia outros Comentários de Augusto Reis]
24/11/2002
14h52min
Prezado Julio Entendi seu agudo artigo como uma constatação irônica do que o mundo vive hoje. Talvez isso explique o porquê de como vamos indo, não? A identificação só com o corpo é um dos males do homem, na minha humilde opinião. Você não é o "seu" corpo, que nem sequer é seu. Ele um dia será reciclado e devolvido ao reino mineral de onde foi emprestado. Abraços corporais ~sergio graciotti
[Leia outros Comentários de Sergio Graciotti]
25/11/2002
07h48min
Augusto (#4) e Sergio (#5), é bom ser compreendido de vez em quando. Pelo Augusto que enumerou todas as modernas extensões do "corpo" (ou o que restou dele). E pelo Sergio que usou expressões muito apropriadas em relação ao meu texto. De fato, o apego ao "corpo" é de um primarismo selvagem, embora nossa sociedade se considere hoje tão "evoluída". Abraços virtuais aos dois, escrevam sempre, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
25/11/2002
12h49min
Se pensarmos que todas as categorias metafísicas se desontologizaram, eis-nos diante de um belo dilema, embora nunca ampla e satisfatoriamente resolvido, que é esse dualismo cartesiano. Só um racionalista pode valorizar a ontologização do corpo, daí que tenha sempre à perna todos os defensores dos ideais. Por mais que se proclame a morte dos ideais, do amor, da própria estética, jamais se conseguirá isso. Lembro a frase de Cioran, em que ele diz: "Só um monstro consegue ver as coisas tais como elas são..." Mas não há nada, como o faz o próprio Cioran e, mesmo Benjamin, como o gesto de advertir e o seu artigo é uma "advertência", no pleno sentido da palavra. abraço Mjoão
[Leia outros Comentários de Maria João Cantinho]
26/11/2002
20h05min
Estimada Maria João (#7), obrigado por Cioran e Benjamin. Eu não mereço tanto. Um abraço especial, Julio
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]
5/12/2002
11h46min
Ai ... isso de Corpo e espírito é comigo mesmo , eles vivem em confronto , se o corpo está bem o espirito se eleva e se o espirito esta mal o corpo desfalece , mas as vezes o espírito está doente e só pra provar que o corpo é mais forte ele se revolta e causa uma revolução na aparencia , vai ver que é por isso que as mulheres fazem compras e mudam o cabelo quando querem sair do buraco, elevam o corpo, ai quando olham no espelho e se sentem satisfeitas elevam-se no espírito por consequencia, mas isso é muito relativo .
[Leia outros Comentários de Jenny]
22/5/2004
16h24min
Por um bom tempo, vivemos o que chamamos de "ditadura do espírito" ou, se quiserem, da razão. Os elementos sensíveis ou que emocionavam era coisa menor, a prevalência era do mundo das idéias platônico. A emoção era a vilã. Nos dias atuais, o que percebo é uma inversão dos papéis. Na ordem do dia prevalecem os discursos sobre (e para) o corpo. A racionalidade? Essa virou a vilã. E, neste mar de fragmentação, prefiro ficar com o pensamento totalizante de Adélia Prado: sem o corpo a alma não goza!!! (Ponto para o corpo?)
[Leia outros Comentários de Welington]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANDANDO EM CÍRCULOS
RICARDO MENDES
AXCEL BOOKS
(2004)
R$ 10,00



EL LIBRO DE URANTIA
URANTIA FOUNDATION
URANTIA FOUNDATION
(1996)
R$ 170,00



APRENDIZAGEM TOTALIZANTE
ELCIE F. SALZANO MASINI
MEMMON
(1999)
R$ 10,00



A DIVINA COMÉDIA - PURGATÓRIO
DANTE ALIGHIERI
34
(2008)
R$ 25,00



PÚBLICOS DA CIÊNCIA EM PORTUGAL
ANTÓNIO FIRMINO DA COSTA E PATRÍCIA ÁVILA S
GRADIVA
(2002)
R$ 22,33



PONTO DE PSICOLOGIA GERAL
CÉLIA SILVA GUIMARÃES BARROS
ED. ÁTICA
(1993)
R$ 15,00



CRÉDITO NO VAREJO PARA PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS
SÉRGIO KAZUO TSURU E SÉRGIO ALEXANDRE CENTA
IBPEX
(2007)
R$ 5,00



MANUAL DE APLICAÇÕES FINANCEIRAS - HP - C - 7674
JOSE DUTRA VIEIRA SOBRINHO
ATLAS
(1995)
R$ 18,00



O PROCESSO DA COMUNICAÇÃO
DAVID K. BERLO
FUNDO DE CULTURA
(1972)
R$ 12,00



DIARIO DE UM BANANA: MARE DE AZAR - VOL. 8 
JEFF KINNEY
V&R
(2014)
R$ 18,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês