Silêncio nas trevas | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
48679 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição sobre direito das mulheres à cidade ocupa o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
>>> A Quatro Vozes canta o Clube da Esquina em Guararema pela Caravana Sotaques do Brasil
>>> Série para TV retrata o trabalho da Pecuária brasileira
>>> Naamat promove espetáculo musical beneficente baseado em Aladdin
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Virada, de Stephen Greenblatt
>>> Práticas inconfessáveis de jornalismo
>>> Dom Quixote, matriz de releituras
>>> Peru com whisky
>>> Carandiru, do livro para as telas do cinema
>>> Jon Udells Interviews With Innovators
>>> Sim-me-drogo-sou-fútil-rica-e-escrevo-blogs
>>> Literatura de entretenimento e leitura no Brasil
>>> Querem proibir as palavras
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> A Construcao De Biomarcas Globais de Philip Kotler pela Bookman (2004)
>>> Jardim América de Silvia Ferreira Santos Wolff pela Edusp (2015)
>>> Ensaio sobre a lucidez de José Saramago pela Companhia das Letras (2004)
>>> Teoria Geral Do Processo Civil Contemporaneo de Humberto Dalla Bernardina De Pinho pela Lumen Juris (2009)
>>> Cuidados paliativos de Vera Anita Bifulco pela Manole (2015)
>>> Geração de Valor 2 de Flávio Augusto Da Silva pela Sextante (2015)
>>> Felicidade ou morte de Clóvis de Barros Filho pela Papirus 7 Mares (2016)
>>> Aborto Reflexoes sobre a vida de José de Oliveira pela Futurana (2017)
>>> Criando na Internet com Html 4 para Trainees de Alan Carvalho pela Expréss Book (2001)
>>> [email protected] de Telma Guimarães Castro Andrade pela Saraiva (2019)
>>> O Caminho do Guerreiro de Miyamoto Musashi pela Hunter Books (2017)
>>> A Bacia Das Almas de Paulo Brabo pela Mundo Cristão (2011)
>>> Hagakure de Yamamoto Tsunetomo pela Hunter Books (2014)
>>> Porsche de Rainer W. Schlegelmilch pela Ullmann (2009)
>>> A Nova Era e a Revolução Cultural de Olavo de Carvalho pela Vide (2006)
>>> Paris à la Découverte de la Plus Belle Ville du Monde !Les Guides Or) de Editora Bonechi pela Bonechi (2023)
>>> Plantas & Flores - 300 fotos Coloridas de Editora Europa pela Europa (1995)
>>> Prato do dia vegetariano de Tiça Magalhães pela Paz e Terra (2014)
>>> Explicando a Arte de Jô Oliveira e Lucília garcez pela Ediouro (2001)
>>> Organizando Seu Local de Trabalho de Odette Pollar pela Qualitymark (1998)
>>> A Coragem de Mudar de Júlio Emílio Braz pela Ftd (1999)
>>> A Coragem de Mudar de Júlio Emílio Braz pela Ftd (1999)
>>> Meditações Matinais - A Vida Eterna é Esta de Paulo C. Heubach pela Casa Publicadora Brasileira (1958)
>>> Meditações Matinais - Promessas de Deus de H. M. S. Richards pela Casa Publicadora Brasileira (1957)
>>> Escrituras Sagradas em Greco - Dos arquétipos divinos em Greco de Vários Autores pela Sociedade Bíblica Trinity (1986)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/5/2003
Silêncio nas trevas
Eduardo Carvalho
+ de 6900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Caspar David Friedrich, The Pilgrim above Mist, 1818

Estava pregado, dias atrás, no mural da Atlética da Escola de Administração em que estudo, o jornalzinho do DA, na página da minha coluna, com trechos grifados, e a seguinte recomendação, redigida em caneta grossa: "Edu, você perdeu uma ótima oportunidade para ficar quieto!" Rapidamente alguém retirou a sugestão. Nem eu, quando procurei, a encontrei; amigos me descreveram, palavra por palavra, a frase do cartaz: e estava assim, "Edu", insinuando uma intimidade que eu não tenho ou convidando para uma aproximação que, com gente assim, eu não pretendo ter. O cheiro deve ser desagradável.

Não pode ser outro: não é só o espírito que certas pessoas emprestam do porco. Inclusive, aliás, o mesmo mural em que estava estendido o meu artigo - protegido e trancado, diga-se de passagem, com uma porta de vidro -, exibe também, há algum tempo, outro protesto, contra a Guerra promovida por Bush. É muito compreensível que a mesma pessoa que pretenda calar a minha boca prefira que Saddam Hussein continuasse calando a de um país inteiro. E é natural também que, em chiliques compulsivos, a própria personalidade totalitária mantenha-se, diante de argumentos fortes e opiniões abertas, calada - a não ser por frases vazias e sentenças autoritárias. Ou seja: enquanto exigem o meu silêncio, recolhem-se eles mesmos ao obscuro e gelado ambiente em que trabalham os seus neurônios. E ficam quietos.

Roberto Campos

Luiz Carlos Bresser Pereira é inteligente e sensato, mas, na última aula de Interpretações Econômicas sobre o Brasil, que tenho com ele, demonstrou que - apesar de ter convivido pessoalmente com Roberto Campos - ainda não conseguiu entender integralmente o economista. O erro talvez seja, em parte, do próprio autor, que reconhece, em muitos casos, sua inabilidade retórica. Mas não apenas: uma coisa é Roberto Campos ter lutado ferozmente contra nacionalistas de manual; outra, quase oposta, é que ele quisesse o pior para o Brasil, quando, por exemplo, reconhece a importância de capital estrangeiro para o nosso desenvolvimento. Não se pode confundi-las.

Nem se pode espremer Roberto Campos, uma personalidade complexa, em etiquetas simples, como faz Bresser Pereira, classificando a interpretação do autor de A lanterna na popa de "liberal-autoritária". Porque ninguém, com índole totalitária, escreveria assim, como escreveu Roberto Campos no artigo "Sobre a imbecilidade dos slogans", publicado no livro A técnica e o riso:

"Há quem pretenda que o processo democrático é incompatível com o rápido desenvolvimento econômico. Faz-se necessária uma disciplina totalitária para reprimir o consumo e arregimentar mão-de-obra. Essa doutrina era pregada pelos nazistas e hoje o é pelos comunistas. (...) Donde, nem o socialismo nem o totalitarismo serem necessários para o desenvolvimento."

Como essa, espalham-se, pela obra de Roberto Campos, várias passagens em que a democracia é vigorosamente defendida. Não é o caso de Bresser Pereira, mas o que certas pessoas querem, parece, é que o seu senso prático, e sua repulsa a ideologias, sejam condenados, como se ele fosse obrigado a conviver, a vida inteira, com uma fórmula que aprendeu na adolescência. Acusá-lo de infiel a um pensamento coerente e constante é culpá-lo justamente por aquilo que de melhor ele poderia ensinar: como nos distanciarmos da mentalidade fechada e comum. Chamem-no de vendido. Que, lá de cima, se ouvirá: vendido àquilo que vocês jamais conseguirão comprar: uma inteligência honesta.

O preto e o branco

O debate sobre cotas em universidades para minorias desfavorecidas - leia-se negros - chegou atrasado, no Brasil. Nós acompanhamos melhor as inovações tecnológicas do que o ritmo dos debates internacionais. Isso significa o seguinte: não assimilamos idéias nem tecnologia porque temos um espírito aberto e inovador, mas porque engolimos tudo que nos oferecem. É muito positivo que, para acumular lucros, empresas estrangeiras entrem no mercado nacional, e nos ensinem a usar celular e Internet - e, para isso, elas chegam correndo. Mas idéias novas - que circulam livremente pelo mundo - levam décadas para aportar no Brasil, e, quando isso acontece, esteja certo: estão atrasadas e, muitas vezes, erradas.

O affirmative action americano, com a intenção de integrar social e economicamente negros e hispânicos, revelou-se um desastre. A intenção original era ampliar oportunidades para certas minorias, incluindo, além das cotas, outras iniciativas, mas converteu-se, no fim das contas, numa discriminação racial disfarçada e invertida. Não há mais ingenuidade, hoje em dia, que aceite um discurso bonito e supostamente racional que sustente a rejeição de um aluno porque é branco, e a aceitação de outro, porque é negro. E, se é para defender alguém, onde estão os amigos do pobres, que - desarticulados e deseducados - não conseguem exigir seus interesses?

É fácil elaborar teorias polidas quando se tem, ao seu lado, a Levi's, o Bank Boston, a Fundação Ford, e outras infinitas multinacionais e ONG's financiando a pesquisa e apoiando a divulgação. Não é, porém, por mais dinheiro que se invista, esse o caminho. Não só todo mundo deve ser tratado de forma exatamente igual para ingressar na faculdade como, depois, precisa ser respeitado e punido, também igualmente, no mercado de trabalho. É querer muito?

Se isso acontecesse, o New York Times estaria, hoje, enfrentando uma situação bem menos constrangedora. Jayson Blair, jornalista negro, passou, durante cinco anos, escrevendo mentiras e absurdos no jornal, sem que ninguém analisasse mais atentamente os seus textos, para puni-lo ou despedi-lo. E isso não sou eu que estou dizendo: os próprios editores e colunistas do jornal assumiram esta falha: não tiveram coragem de enfrentar o exército politicamente correto. Se ainda alguma coisa parecida não aconteceu no Brasil, aguarde, com paciência: daqui a umas duas décadas, garanto - isso vai acontecer.

Quando éramos gatos

Convivo, há dezoito anos, com um gato em casa. Hoje, a rigor, em um apartamento, mas foi casa, durante uns quatorze anos. E confesso: nunca imaginei que fosse apegado a ele. Mudei, nesses anos, três vezes, e ele cinco, porque não nasceu comigo e, por um período, não morou com a gente. Dizem que gato, se não morre, não desaparece. Não mesmo, e nem o meu. Quando, porém, nos mudamos pela primeira vez, ele sumiu, depois de seis meses. E, um dia, misteriosamente - depois de outros seis meses -, quando já o considerávamos morto, ele reapareceu, como se tivesse ressuscitado, miando na beira da janela, enquanto jantávamos. Isso foi há oito anos. Eu não tinha barba, e nem sequer tinha a mais remota idéia do curso em que iria me graduar.

Estou, hoje, coberto por pêlos e por responsabilidades. Do jardim em que o meu gato cresceu, na Rua Sampaio Vidal, ao apartamento em que agora moro, na Alameda Franca, minha vida virou de ponta cabeça, digamos, umas cinco vezes. Mudei de idéia, e muita coisa mudou, na minha vida. Tentei, mas não consegui me preservar imune ao tempo. O que me surpreende, agora, em retrospecto, é que, apesar de tudo - de absolutamente tudo que acontece no mundo -, a postura do meu gato permaneceu igual: nunca ele precisou ou pediu mais do que comida e carinho, e viveu, a seu modo, sempre satisfeito.

Enquanto digito esta coluna, meu gato está imóvel, estendido no sofá. Sofre, ao mesmo tempo, de câncer e de Aids. Restam-lhe algumas horas, ou minutos, até que, de repente, seus olhos fechem definitivamente. É triste; e confesso, de novo: nunca imaginei que fosse ser assim. Sinto, agora, que estou perdendo um amigo - e das melhores companhias, especialmente nos momentos difíceis. Que nunca se deixou abalar com preocupações inúteis, como, afinal, todas as nossas são. Como talvez esta minha também seja: é difícil conviver com a idéia de que nunca iremos nos encontrar novamente.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 19/5/2003

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Somos todos consumidores de Marta Barcellos
02. Brazilionaires de Marta Barcellos
03. Propostas para o nosso milênio (I) de Marcelo Spalding
04. É apenas rock and roll, mas eu gosto de Tatiana Cavalcanti
05. Aos assessores, divulgadores, amigos até, e afins de Julio Daio Borges


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/5/2003
19h55min
Eduardo, com certeza, se fossemos mais gatos e menos seres humanos seriamos melhores. seu trecho me lembra em muito o grande urso da ipanema. Talves seja isso que nos falte, um senso gato para viver a nossa boa vida. Parabénes pelo texto. Um abraço Otávio
[Leia outros Comentários de Otávio]
28/5/2003
00h56min
Edu, gostei bastante do novo modelo artigos sucintos, com muito conteúdo, abordando vários temas. Concordo plenamente com a sua opinião em relação a cotas de negros nas universidades. Mais uma vez, uma proposta ineficiente e ineficaz, que, além de não resolver quase nada, ainda corre-se o risco de gerar mais problemas, como você mesmo disse. É querer consertar o teto, sustendo por uma estrutura podre, fixada em uma sólida superfície de gelatina. É como propor arrancar galhos para quem está interessado em se livrar de árvores. Fazer o quê?!?!?! Grande abraço. Felipe
[Leia outros Comentários de Felipe Tavares]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Manon Lescaut
Abade Prévost
Abril Cultural
(1981)



Contabilidade Geral
Arievaldo Alves de Lima
Rio
(2005)



Sobremesas e Pães
Curso Prático de Microondas
Globo
(1985)



Coisas Que Todo Garoto Deve Saber
Antonio Carlos Vilela
Melhoramentos
(2000)



A ciência do bom viver
Ellen G. White
Casa Publicadora Brasileira
(1977)



Pescoço e Braço - Síndromes Dolorosos
Rene Cailliet
Manole
(1976)



O pensamento vivo de heitor villa-lobos
Heitor Villa-Lobos
Martin Claret



Nova York
Folha de São Paulo
Publifolha
(2012)



Urbanização e Desastres Naturais - Abrangência América do Sul
Lucí Hidalgo Nunes
Oficina de Textos
(2015)



O Que Voce Salvaria
Paulo Coelho
Caras
(1999)





busca | avançada
48679 visitas/dia
1,7 milhão/mês