Cinema brasileiro agora é notícia. Por quê? | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/6/2003
Cinema brasileiro agora é notícia. Por quê?
Lucas Rodrigues Pires

+ de 5900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Sim, esta é a nova onda do jornalismo brasileiro. Descobriram que existe cinema feito no Brasil. Nas últimas semanas circularam diversas matérias na imprensa verde e amarela falando sobre uma certa "reaparição", ou redescoberta, do cinema nacional. Tais reportagens soam aos meus olhos como se dissessem "Agora sim podemos dizer que existe um cinema nacional!!".

Foi a CartaCapital com mil confetes para Babenco e seu Carandiru, que já passou dos 4 milhões de espectadores; recentemente a EXAME surgiu com a fórmula para transformar o cinema nacional num negócio de verdade; a Monet, revista da TV a cabo NET que circula em bancas e entre assinantes, estampa na capa "Os Eleitos", a saber: Hector "Carandiru" Babenco, Fernando "Cidade de Deus" Meirelles e Cacá "Deus É Brasileiro" Diegues... No último domingo foi a vez do Estadão festejar nosso cinema com uma reportagem mostrando como o cinema nacional inverteu a ordem e hoje é ele quem fornece à televisão atores, diretores e roteiristas. Nunca se viu tanta repercussão de um cinema até outro dia ignorado pela mídia. Por que isso agora?

A pergunta invoca várias alternativas de resposta, mas uma delas se sobressai: há uma tentativa consciente e inconsciente de se mercantilizar o cinema brasileiro, passo importante para a efetivação de uma indústria cinematográfica. Com a repercussão na mídia desses filmes de sucesso, tentam transformá-los na fórmula salvadora do cinema brasileiro (leia-se: na fórmula possível de se criar a tal indústria sonhada por todos - coisa que Adhemar Gonzaga já idealizava na década de 20 e 30 -, desde produtores e cineastas até dirigentes da Ancine e outros órgãos ligados a cinema). O sucesso de Cidade de Deus e Carandiru já até levantou a idéia de que filme brasileiro, para se fazer público, tem de abordar a realidade (o que quer que isso queira dizer, porque existem diversas realidades no Brasil, desde a miséria e a violência de Cidade de Deus e Carandiru até as paisagens idílicas e gente bonita de Mulheres Apaixonadas). Cacá Diegues disse isso na matéria da Monet. "...começamos a fazer filmes sobre assuntos que o público quer ver. O cinema nacional sempre se saiu melhor quando abordou a realidade brasileira e não quando tentava imitar nada". Será verdade?

Formatar o cinema ao gosto do público é algo extremamente duvidoso, se compararmos com o coeficiente qualidade e audiência na televisão, negligente com a função artística do cinema. Os lixos televisivos aos quais assistimos hoje estão voltados para captar anunciantes e satisfazer a fome de vendas destes via altos índices de audiência. O cinema, como é feito hoje, atua com mais liberdade porque o filme já está pago e não há a contrapartida financeira. Por um lado, isso gera certo sentimento de "irresponsabilidade de público" (o filme, já estando pago, não sofre pressão para ser exibido e recuperar o investimento), mas, por outro, libera o agente para fazer o que achar melhor em termos de criação, sem ceder em pontos importantes no quesito mercadológico.

Anatol Rosenfeld, em Cinema: Arte & Indústria, destaca que a importância da liberdade artística costuma ser, até certo ponto, exagerada e questiona se a liberdade artística absoluta não seria uma ficção, uma utopia no cinema. Conclui que não há uma história do cinema sem a indústria ("uma história do cinema deve tomar em consideração que o seu objeto é, essencialmente, uma Indústria do Entretenimento") e não há produção cinematográfica possível sem dois de seus alicerces - a organização industrial e o investimento de considerável capital.

A Ancine chegou para apimentar ainda mais o cenário e dar rumos à atividade audiovisual. Num primeiro instante, ela surge com desejos intensos de criar a tão almejada indústria cinematográfica, com idéia e intenção de fomentar filmes voltados às massas. Gustavo Dahl, presidente da Ancine, deixa claro nas páginas de EXAME o foco da agência. "Se queremos criar uma indústria do cinema [e como querem isso], temos de dar mais atenção ao cinema voltado para as grandes massas".

Há unanimidade de como se atingir tal objetivo. EXAME aponta alguns pontos necessários à auto-suficiência do setor: produção em alta escala, maior número de salas e popularização dessas mesmas salas e tratar o setor como indústria e negócio, o que envolveria correr riscos financeiros e desvinculá-lo do Estado. Percebam que os argumentos e soluções são os mesmos colocados por Rosenfeld na década de 50 e que são reciclados a cada geração, passando por Jean-Claude Bernardet, em 1978, com Cinema Brasileiro: Propostas para uma História, em que discutia os problemas enfrentados pelo cinema brasileiro em seu próprio país, até chegar aos pensadores do cinema de hoje, basicamente jornalistas da área e homens ligados ao setor. Como os problemas e anseios se mantêm os mesmos, Rosenfeld e Bernardet continuam autores atuais, o que os torna pertinente para uma releitura.

Já para Babenco, na mesma Monet, o problema é que faltava produto porque o público sempre existiu. Talvez ele quisesse dizer que faltava produto como Carandiru, produto de preço próximo a R$ 12 milhões, com atores conhecidos do público, com mais de R$ 3 milhões investidos em marketing e uma distribuição que chegou a 300 salas do país. Sim, Babenco, falta produto como esse seu no cinema brasileiro, mas não é todo mundo que pode dispor do que o senhor dispôs para fazer um filme.

É, no mínimo, estranho um cineasta autoral como Babenco tratar o filme como produto. Nessa nomeação está embutida a filosofia do mercado que ele, como a maioria da mídia e dos próprios realizadores, parece ter interiorizado. Sim, porque ultimamente soa piegas e ultrapassado (diriam na política neobobos, ou dinossauros) defender o cinema também como arte e não apenas como produto. O que essas reportagens citadas acima fazem é justamente destacar, tomando o sucesso isolado de dois filmes, que o cinema brasileiro tem jeito, pode ser uma indústria, pode ser lucrativo como o cinema americano é. Oras, não percebem que com isso tampam o sol com a peneira, pois descontextualizam todo um cenário cinematográfico, pinçando o que vai bem e ignorando todo o resto.

O cinema brasileiro sempre foi tratado como exceção dentro de seu próprio país. Os menos de 10% de ocupação do mercado atingidos nos últimos anos não condizem com o tamanho da dominação estrangeira sobre o mercado exibidor nacional. A mídia festejar dois ou três filmes é saudável quando abre a discussão e não a encerra. O sistema nunca deve ser fechado numa solução fácil. Mas, como fazem, ou seja, partir disso para afirmar que o cinema brasileiro está "muito bem, obrigado" ou querer com esses exemplos ditar o caminho para a implantação de uma indústria, é falácia liberal. O discurso da maior parte da imprensa e de diretores/produtores está inserido nesse contexto de mercantilização do cinema, de homogeneização de um cinema que nos últimos anos se destacou pela pluralidade de linguagem, estéticas, temáticas e estilos.

O perigo reside justamente na total abstração desse jogo liberal que poderá levar cineastas originais e autorais a se adaptar ao esquema e deixar de lado suas convicções ou simplesmente não mais filmar por não se enquadrar ao jogo. Não esqueçamos que a utopia faz parte da arte e, conseqüentemente, do cinema. E olha que nem falamos da presença atuante do Estado no setor (via leis de incentivo), coisa que a indústria pretende abolir (já viram algum país ter um cinema sustentável sem a utilização de verbas públicas? Só não me respondam Estados Unidos e Índia, por favor), e na ocupação de 90% do nosso mercado pelo cinema americano.

Parece que a verdadeira utopia é exatamente viabilizar uma indústria de cinema no Brasil auto-suficiente e desvinculada do Estado...


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 12/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
02. Retrato do jovem quando artista no século XXI de Julio Daio Borges


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2003
01. Babenco traz sua visão do país Carandiru - 17/4/2003
02. O cinema brasileiro em 2002 - 16/1/2003
03. A normalidade sedutora d'Os Normais - 3/12/2003
04. Top 10 da literatura - 16/10/2003
05. O lado A e o lado B de Durval Discos - 3/4/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/7/2003
02h23min
Não há problema algum em formatar o cinema ao gosto do público. Há público e público, que escolhe, desloca-se e paga. É diferente da tv. Citar sucessos como exemplo é perfeitamente adequado. Enumeremos exemplos bem-sucedidos para todos os públicos. Problemática para o cinema brasileiro é a mentalidade jecaprovinciana, que vê em todo sujeito que consegue meter-se atrás de uma câmara, um iluminado, a quem deve-se render o sacrifício de engolir a sua panacéia, tenha que gosto tiver. Há muito superamos isto na literatura. No cinema grassa esta excrescência estupidificante. Para que as câmaras produzam arte são necessários sim incentivos públicos e iniciativas privadas, principalmente à (utópica?) democratização do acesso à operação desta máquina surrealista e também ao seu produto.
[Leia outros Comentários de Jean Scharlau]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




QUEM FICA COM FELIPE ?
ILSA LIMA MONTEIRO
FTD
(1994)
R$ 5,00



LIBERTINAGEM & ESTRELA DA MANHÃ
MANUEL BANDEIRA
MEDIAFASHION
(2008)
R$ 22,00



ALICE NO PAIS DAS MARAVILHAS
LEWIS CARROLL - CONTADA POR RUY CASTRO
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(1992)
R$ 34,00



CONTROLE REMOTO
RAFAEL CARDOSO
RECORD
(2002)
R$ 19,90
+ frete grátis



SONHOS DOURO
JOSÉ DE ALENCAR
EDIGRAF
R$ 8,00



MINI COZINHA - BOLOS RÁPIDOS
EDITORA MELHORAMENTOS
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 8,38



A BICICLETA AZUL
REGINE DEFORGES
BEST SELLER
(1985)
R$ 8,00



MEMORIA INVENTADA UM ROMANCE DE MÃES E FILHAS
ERICA JONG
RECORD
(1997)
R$ 8,00



A SEMENTE DA VITÓRIA
NUNO COBRA
SENAC
(2003)
R$ 19,90



COMO SE FAZ A INDÚSTRIA DO VESTIBULAR
SÔNIA GUIMARÃES
VOZES
(1984)
R$ 5,00





busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês