Discurso de Amor em Fragmentos | Alessandro Garcia | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Two lost souls living in a fish bowl
>>> Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> A agonia das semanais nos EUA
>>> Entre a simulação e a brincadeira
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Iron Maiden com Clive Burr
Mais Recentes
>>> O mar, o Marujo de Mauro a. L. Hespanhol pela Chiado (2012)
>>> Os 4 pilares da lucratividade de Leslie H. Moeller; Edward C. Landry pela Campus (2010)
>>> A fuga de João Goulart de Hélio Silva pela Três (1998)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Deagostini (2004)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswald de Andrade pela José Olympio (1973)
>>> Noventa e Três de Victor Hugo pela Otto (1980)
>>> A Queda de Albert Camus pela Circulo do Livro (1986)
>>> Você - A idéia mais fantástica de Deus de Max Lucado pela Thomas Nilson (2007)
>>> The abolition of the Brazilian slave trade de Leslie Bethell pela Cambridge University Press (2009)
>>> O processo de Franz Kafka pela Globo (1997)
>>> A brincadeira de Milan Kundera pela Circulo do Livro (1967)
>>> Vôo Noturno de A. de Saint - Exupery pela Circulo do Livro (1985)
>>> A Segunda Dama de Irving Wallace pela Circulo do Livro (1980)
>>> O RETRATO DE dORIAN gray de Oscar Wilde pela Circulo do Livro (1975)
>>> Os Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Ufjf (2006)
>>> Imaginologia e radiologia odontológica - 4D de Plauto Watanabe pela GEN Guanabara Koogan (2013)
>>> Ten Cate Histologia oral - 4D de Antonio Nanci pela Elsevier (2013)
>>> sturdevant arte e ciência da dentística operatória - 4C de Harald pela Elsevier (2013)
>>> O Folclore da Caixa = Contos de Gil Gouvêa Macieira pela Dupligráfica (1984)
>>> Craig Materiais Dentários Restauradores - 3C de Ronald L. Powers, John M.^Sakaguchi pela Elsevier (2012)
>>> Curso de Folclore Musical Brasileiro de José Teixeira D'Assumpção pela Livraria Freitas Bastos (1967)
>>> Como Desenhar Mangá Método Profissional de Produção Nobu Chinen / Daniel de Rosa pela Escala (2009)
>>> Danças Folclóricas da Europa de Maria Amalia Corrêa Giffoni pela Melhoramentos (1974)
>>> A Linguagem Secreta dos Relacionamentos de Gary Goldschneider; Joost Elffers pela Elsevier (2000)
>>> Aquela Canção de Vários autores pela Publifolha (2005)
>>> Histologia veterinária de Dellmann - 3C de Jo Ann Eurell pela Manole (2012)
>>> Terapia assistida por animais - 3D de Marie Odile Monier Chelini pela Manole (2015)
>>> Manual Saunders Terapia Veterinaria - Pequenos E Grandes Animais - 6B de Mark G. Papich pela Elsevier (2012)
>>> Comportamento e bem-estar de animais domésticos - 6D de D. M. Broom pela Manole (2010)
>>> Cirurgia de Pequenos Animais - 7C de Theresa Theresa Fossum pela GEN Guanabara Koogan (2014)
>>> ...E Nossos Filhos Cantam as Mesmas Canções 8800 de Malcolm Montgomery pela Integrare (2008)
>>> ...E o Mundo Silenciou de Ben Abraham pela Wg Comunicações (1972)
>>> ...E Quem Quiser Que Conte Outra de Tatiana Belinky pela Imprensa Oficial (2007)
>>> ...Uma Proposta Irrecusável de Jill Manselll pela Novo Conceito (2011)
>>> 1, 2... Feijão Com Arroz - Educação Alimentar de Maria José Paes Leme & Maria da Luz F. Perim pela Mercado das Letras (1997)
>>> 1. 000 Perguntas e Respostas de Direito Internacional Público e Privad de José Cretella Júnior / José Cretella Neto pela Forense (2002)
>>> 1° Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro 2008 de Vários Autores pela Gráfica Minister (2008)
>>> 10 Minutos de Exercício por Dia - 10385 de Jacqueline Lysycia pela Texto Editores (2005)
>>> 10 Questões Sobre a Educação Inclusiva da Pessoa Com Deficiência de Cláudia Prioste / Darcy Raiça e Maria Luiza Gomes pela Avercamp (2006)
>>> 100 Anos de Arte na Alemanha 1885-1985 de Patrícia Rochard pela Boehringer Ingelheim (1985)
>>> 100 Anos de República de 1889 a 1989 - 10 Volumes de Diversos pela Nova Cultural (1989)
>>> 100 Comentários de Eduardo Palmerio (camarada Lorotoff) - 8902 pela José Olympio (1949)
>>> 100 Dicas Infalíveis para Emagrecer e Se Manter Em Forma de Dr. Fred A. Stutman pela Sextante (2010)
>>> 100 Escovadas Antes de Ir para a Cama de Melissa Panarello pela Objetiva (2004)
>>> 100 Músicas Inesquecíveis - Letras das Músicas de Vários Autores pela Europa (1997)
>>> 100 Problemas de Fé de P. C. Landucci pela Paulinas (1969)
>>> 1000 Faces do Homem Leitura das Linhas Faciais e da Estrutura Corporal de Ahron Lev Ari pela Maptone (1991)
>>> 1000 Maiores Esportistas do Século 20 - 6736 de Diversos pela Isto É
>>> 1000 Perguntas Direito das Coisas 3ª Edição de Laerson Mauro pela Forense Universitária (1992)
>>> 1000 Que Fizeram 100 Anos de Cinema - 5214 de Diversos pela Isto É
COLUNAS

Terça-feira, 1/7/2003
Discurso de Amor em Fragmentos
Alessandro Garcia

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A fragmentação dos dias atuais segue seu curso na mais recente realização do cinema brasileiro. Temos gosto por assim definir: um filme do cinema brasileiro. Pena que muitas vezes isso beire quase o preconceito. O velho ranço do cinema nacional que aos poucos vem se extinguindo. É bom que a produção atual contribua. A pergunta que pode vir é: O Homem que Copiava, de Jorge Furtado, poderia ser classificado como "mais que uma obra nacional"? E, afinal, as atuais produções encontraram alguma linguagem ou recorrência que as caracterize (como, por exemplo, aconteceu com as pornochanchadas)? As pessoas de má vontade poderiam ver este filme somente através da roupagem porto-alegrense presente na cinematografia de Furtado: seus tão esperados longas, depois do sucesso internacional do curta-metragem multipremiado Ilha das Flores, de 1989. A história, no entanto, de amor e de ambição, é universal e, desde já, considero pontos ganhos o fato de que a trama poderia ser situada em lugar parte do mundo.

Depois da espera - por demais demorada para os entusiastas do diretor e roteirista gaúcho, ansiosos para assistir à sua estréia em um longa cinematográfico após as suas constantes colaborações em especiais da Rede Globo (Agosto, A Invenção do Brasil, Os Normais, A Comédia da Vida Privada, etc), e a realização de outros curtas-metragens (Esta não é a sua vida, O Sanduíche...) -, quando Houve uma Vez dois Verões chegou às telas, a despretensão excessiva do mesmo só foi desculpada pelos comentários do próprio diretor (segundo ele, era assim que deveria ser). O que não impediu que se saísse bem, quando resolveu sacar uma câmera digital e filmar as aventuras e a iniciação sexual de dois moleques pelas praias gaúchas. Enfim, não há mais o que falar a respeito de Houve uma Vez dois Verões.

Corta para a pré-produção de O Homem que Copiava (este sim, o projeto maiúsculo do diretor, onde, do meio de uma densidade de informações, sabemos que haverá recursos de animação - malabarismos da Toscographics, estúdio de Allan Sieber, cartunista de Porto Alegre radicado no Rio de Janeiro). Cheiro de artifícios utilizados em Ilha das Flores? Talvez... Como em time que está ganhando não se mexe, realmente temos em O Homem que Copiava a demonstração do gosto de Jorge Furtado pelas colagens, que asseguram a mesma "roupagem pop" que remete ao curta (mas que aqui também se encaixam na trama do filme).

A primeira meia hora é desabonadora. Para uma apresentação que se estende demais, conhecemos o protagonista da história, André (Lázaro Ramos), um jovem operador de fotocopiadora em uma papelaria de um antigo bairro comercial da capital gaúcha. Nos presenteando com a modorra entediante de sua rotina (aprendemos como se opera uma máquina de cópias e como se convive com a monotonia de um trabalho assim ["Aqui você liga e desliga a máquina. Liga. Desliga. Liga. Desliga. Liga, desliga."]). Adentramos o universo do jovem que nos brinda com o convívio silencioso e monotemático de sua mãe; também seu universo fragmentado, composto por sua paixão pelos desenhos e por sua face voyeur, a espreitar a vizinha Sílvia (Leandra Leal). Tudo ocorre com uma lentidão que, se pode ser enaltecida para a criação do "clima", também pode ser extremamente enfadonha em um filme que se estenderá por mais de duas horas. (Bom é que, ao menos, a fita se redime em seguida.)

A paixão pela ilustração serve como justificativa para a colagem de desenhos animados que se inserem na obra sem muita necessidade (além daquela velha carinha "pop"). São instantes preciosos que acabam tornando ainda mais confuso o emaranhado de estilos do filme. Quando achamos que a vida dramaticamente chata de André, acrescida do abandono do pai (contado pelo protagonista), ditará o curso da história, nos surpreendemos com a sucessão de outros "climas" que se sobrepõem, gerando reviravoltas ágeis e boas sacadas em um roteiro que, apesar de minuciosamente desenvolvido, não conseguiu resistir a pequenas falhas. (Que, no fim, acabam passando ao largo, tal é a rapidez com que a trama ganha contornos de aventura policial. Pontos para a boa movimentação.)

A pretensão em retratar uma geração que se alimenta de fragmentos de suas diferentes influências é feliz, quando vemos que destes fragmentos é formada a vida de André. Com as sobras de erros de cópias (xérox), ele constrói personagens que são pedaços de figuras históricas. Sua posição como espectador em frente a televisão é a de quem zapeia, interessado somente no amontoado de imagens e não no significado das mesmas. Suas relações pessoais são tão fugazes quanto a rapidez com que precisa terminar as cópias, sem sobrar nenhum tempo para acabar a leitura do "Soneto Nº 12", de Shakespeare. E este é apenas um dos exemplos de como o diretor utilizou recursos diversos para traduzir essa inconstância de elementos, que, em uma colagem, talvez tracem um esboço mais ou menos acertado dos dias de hoje: Teixeirinha, Mozart, Creedence Clearwater Revival - até o emaranhado musical é utilizado para compor a rapidez e descontinuidade comportamental que envolvem o nosso tempo. (Fora a quantidade de outros recursos menos imperceptíveis à primeira vista, mas que, tal qual nos filmes do tipo cult, são enumerados em uma página do site da produtora gaúcha Casa de Cinema, em uma espécie de "trívia" que nos desafia a descobrir o calhamaço de referências.) Que isso gere confusão e falta de perspectivas na juventude é profundamente compreensível, e é disto também que nos fala o filme: o que temos são jovens sem profissão, sonhando com o dinheiro e o amor que podem trazer alguma mudança neste cenário estático.

Nestes jovens se incluem também Marinês, interpretada por Luana Piovani, uma coadjuvante de luxo que, juntamente com o personagem Cardoso, do ator Pedro Cardoso, comparece para dar uma leveza à obra que poderia soar por demais pesada, não fosse o tom de humor com que acabou envolvida. Pesada por que, em dado momento, estamos diante de jovens que têm a certeza de que tudo é justificável para o alcance de seus sonhos. E nisto se incluem assalto, falsificação e morte.

Traçando um vôo (que obviamente não se detém sobre a moralidade dos atos dos seus personagens), Jorge Furtado nos convida a uma investigação das ações humanas - motivadas por causas nobres ou não. Alguém aí gritou que é preciso ser muito inteligente para fazer isso? Talvez ter algum embasamento, como o gerado pelas citações que se somam no filme. Georges Perec, Xavier de Maistre, Daniel Boorstin... Todos estão à serviço da obra, para garantir a "leitura" que se pretende. Não, não é preciso ser um erudito para se chegar a uma conclusão. São apenas elementos envolvidos para tornar mais espessa a massa fragmentada que forma o universo que nos impulsiona a atos quase que injustificáveis.

No final das contas, o que nos resta? Ser salvos pelo amor que pode estar escondido na outra ponta do binóculo? Porque, ainda que ao término das perversidades que são cometidas em nome do amor, é sobre o amor que trata o filme. Sobre a descomunal necessidade que faz um jovem falsificar dinheiro, roubar e entrar em vias de morte para que as coisas fujam do seu rumo natural e, então, fragmentos de felicidade possam se fazer presentes. Mesmo que pareça ser para justificar cada ato - e devemos, sim, ter em conta a seriedade e gravidade dos seus atos -, o discurso que permeia as cenas é recheado de amabilidade - pode ser uma amabilidade quase esquizofrênica (instintiva, fria, desesperada, sexual). Mas continuam a ser tentativas de dar significado para os questionamentos que se colam à nossa mente e que querem nos afundar na confusão cotidiana.



Alessandro Garcia
Porto Alegre, 1/7/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pintura do caos, de Kate Manhães de Jardel Dias Cavalcanti
02. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
03. Em noite de lua azul de Elisa Andrade Buzzo
04. O testemunho de Bernanos de Celso A. Uequed Pitol
05. Dando conta de Minas de Marta Barcellos


Mais Alessandro Garcia
Mais Acessadas de Alessandro Garcia em 2003
01. Sob o domínio do Mal - 5/8/2003
02. A pobreza cultural nossa de cada dia - 17/6/2003
03. O mundo aos olhos de um pescador - 26/8/2003
04. A aventura de educar os filhos - 22/7/2003
05. A ranhetice da égüinha pocotó - 7/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/7/2003
19h22min
Uma pena este filme do Jorge, que são dois. Um, do início até o assalto ao carro forte, bom filme, outro daí em diante.O que Jorge nos entrega no segundo filme é aquele presente que vem dentro de uma caixa, que contém caixas menores, até a última, mínima. Quem presenteia desta forma pode divertir-se muito, mas para o presenteado cada caixa é uma chateação e uma convocação a desempenhar o papel coadjuvante do palhaço que leva as bordoadas, os tombos, as esguichadas d’água.Fosse há vinte anos, em vez da Piovani poderia ser a Xuxa, a quem ela copia, em vez do Cardoso poderia ser o Didi. Claro, lá os heróis não matavam os amigos por chamá-los de cagões e por dinheiro, não matavam o padrasto por espiar na fechadura e por dinheiro. Mas as artes têm que evoluir conforme os costumes, não é mesmo? Passados vinte anos ficamos mais sofisticados, em vez de trapalhões, somos normais.Jorge desta vez não foi inovador, copiou dos norte- americanos suas marcas registradas: roube um banco, mate um amigo e o sogro e vá ser feliz no Rio de Janeiro. Atualmente filme ianque / bul, quando consegue ter alguma coisa que preste, e nove entre dez não conseguem, é no primeiro tempo. É na apresentação do conflito, na circunstancialização, na construção da trama que eles conseguem ser bons. Os desenlaces, as soluções apresentadas, são de uma mesmice estúpida e intragável para quem não é viciado em dinheiro e violência, sexo e violência, sordidez e violência e violência e violência. Esqueci alguma coisa? Deixo a receita: olhe filmes ianque / buls e este Hq C até a metade e vá embora imaginando os desdobramentos das situações propostas antes que comece o tiroteio, os roubos e, ainda que por puro besteirol, os assassinatos e traições, ah, e as explicações. Em suma, saia antes da imbecilização de todos os personagens e do enredo, ao que, por ficar até o final, reajo em legítima defesa. Felizmente houve aquele primeiro tempo em que o Hq C jogou bem. Vi personificadas ali boas sínteses, ora leves e frugais, ora densas e emotivas, de jovens que conheço e as características de uma boa comédia de costumes. A primeira parte do Hq C vale o ingresso e compensa o que passamos depois. Mas para que arriscar? Vá assistir ! E saia na metade. É lucro 100% garantido.
[Leia outros Comentários de Jean Scharlau]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BIOQUIMICA
VALTER T. MOTTA
MEDBOOK
(2011)
R$ 80,00



O DIA QUE A GUERRA PASSOU POR CASA BRANCA
GANYMÉDES JOSÉ
FTD
(1985)
R$ 5,00



ARQUITETURA - DA TAIPA AO ARRANHA-CÉU
OSCAR PILAGALLO E PITRA DIWAN
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 14,80



AS MULHERES FRANCESAS NÃO ENGORDAM
MIREILLE GUILIANO
CAMPUS
(2010)
R$ 12,00



ICHEF - HISTORIAS E RECEITAS DE UM CHEF CONECTADO
BERTOLAZZI CARLOS
EDICOES TAPIOCA
(2014)
R$ 32,00



QUIMICA NA ABORDAGEM DO COTIDIANO VOLUME ÚNICO
TITO & CANTO
MODERNA
(1997)
R$ 25,00



HISTÓRIAS ÍNTIMAS SEXUALIDADE E EROTISMO NA HISTÓRIA DO BRASIL
MARY DEL PRIORE
PLANETA
(2011)
R$ 45,00



ESPIANDO O MUNDO PELA FECHADURA
LAÉ DE SOUZA
ECO ARTE
(2016)
R$ 7,00



GUIA PRÁTICO DE SÁUDE E BEM ESTAR PRIMEIROS SOCORROS - ACIDENTES
DRAUZIO VARELLA
GOLD
(2009)
R$ 6,90



L ART DE CONJUGUER DICTIONNAIRE A ARTE DE CONJUGAR
EDITORA ITATIAIA
ITATIAIA
(2010)
R$ 5,00





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês