O Candomblé de Verger e Bastide | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/10/2003
O Candomblé de Verger e Bastide
Ricardo de Mattos

+ de 11700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Pierre Verger foi daquelas personalidades ditas "cosmopolitas". A Paris de 1.902 e a Salvador de 1.996 são dois termos d'uma existência nómade adequada a sua imensa curiosidade em conhecer os povos do planeta. Contava trinta anos quando aprendeu a fotografar profissionalmente, ofício aperfeiçoado em catorze anos de andanças. Apesar de no ano de 1.946 fixar sua base em Salvador, sempre manteve o gosto de permanecer em trânsito. N'esta cidade, sua atenção recaiu sobre os negros e seus ritos avoengos, impulsionando-o a estudá-los melhor, fazer pesquisas mais profundas. O interesse pelo candomblé levou-o a envolver-se com as práticas, e o envolvimento permitiu-lhe promover o intercâmbio entre algumas nações do oeste africano - Benin, Nigéria - e os residentes na Bahia a elas ligados por hereditariedade e tradição. Escreveu os livros Os Libertos. Sete Caminhos na Liberdade de Escravos da Bahia no Século XIX e Notas Sobre o Culto dos Orixás e Voduns na Bahia de Todos os Santos, No Brasil e Na Antiga Costa de Escravos, Na África, além de muitos artigos para periódicos especializados ou não.

Roger Bastide (1.898/1.974) ligou-se ao magistério e ao ensaísmo desde o início de sua carreira. Foi professor secundário e universitário. Em 1.938 aportou no Brasil para substituir Lévy-Strauss na cadeira de sociologia, participando assim da famosa equipe de professores estrangeiros com a qual foi fundada em 1.934 a Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo. Aponta-se Florestan Fernandes entre seus alunos. Aqui permaneceu até 1.954, ano de sua volta para a França com a finalidade de assumira cátedra de Etnologia Social e Religiosa da Sobornne. São de sua autoria, além de artigos e ensaios e entre outros, os livros Imagens do Nordeste Místico Em Branco e Preto, Brasil: Terra de Contrastes e O Candomblé da Bahia, este o mais importante e recentemente re-editado.

Como dito, Verger chegou ao Brasil em 1.946, no dia dezassete de Abril, logo travando relações com Bastide. Este encontro permitiu que duas pessoas de farto conhecimento acerca de determinado assunto - ritos africanos - partilhassem e complementassem suas informações, abrissem uma a outra portas para novas pesquisas e, futuramente no elaborar projectos de maior fôlego, encontrassem no outro um conselheiro verdadeiramente apto. Eles souberam aproveitar este encontro e a amizade dele derivada.

O livro Verger/Bastide - Dimensões de uma Amizade traz catorze textos a bem ilustrar esta comunhão de interesses. Entretanto, o excepcional volume não serve apenas para isso. Dá ao leitor informações tão respeitosas quão úteis sobre os rituais africanos que se costuma reunir sob a denominação comum de "candomblé". Conhecendo-se melhor uma religião - qualquer religião - respeita-se-lhe melhor e aprende-se a distinguir as mistificações. Os textos foram destinados inicialmente ao jornal O Cruzeiro e outras publicações técnicas e são surpreendentes na clareza e na legibilidade. O leitor deixa o livro apto a distinguir entre o honesto e o engodo. Há textos escritos a quatro mãos e outros apenas por um dos estudiosos. As fotografias todas são de Verger, porém é ingrato observar a discrepância das legendas, significando que nem todas as imagens foram publicadas. Um texto, o terceiro, traz onze fotografias e legendas para 24.

O candomblé é o local onde realizam-se os cultos africanos. Quem olha de fora não sabe a diferença entre um ritual e outro - festa de Oxum, iniciação das filhas de Nagô - e generaliza falando em "religião de candomblé" e logo em "Candomblé". São vários os cerimoniais e várias as entidades, alguns equivalentes a deuses, outros a semi-deuses, isto é, aqueles nascidos homens mas alçados à divindade. Aponto um paralelo com a tradicional mitologia greco-romana. Febo é o mensageiro dos deuses olímpicos, intermediário entre eles e os homens, e tem por equivalente latino o deus Mercúrio. Entre as entidades mencionadas por Bastide, encontrei Exu com a mesma função. Apesar desta tarefa específica o vulgo, por influência da quimbanda, costuma tê-lo como espécie de demónio promotor de obras malévolas. A mesma equivalência pode ser encontrada entre Ares, Marte e Ogum.

Além da confusão popular, há a acção de charlatões misturando candomblé, umbanda, quimbanda, macumba, voduismo e até o kardecismo. Umbanda é o candomblé de caboclo, aquele que sofreu influências dos cultos índios e tem como fundamentos lições dos chamados "pretos-velhos" e "caboclos". A quimbanda seria a versão negra da umbanda, esta dispondo-se a auxiliar espíritos e pessoas, aquela utilizada apenas para causar malefícios através de sua prática, a macumba. São cenas de macumba as descritas por Paulo Lins no livro Cidade de Deus. O voduismo é tido por versão antilhana do candomblé. Todavia este é transmitido pelos autores como portador de certa pureza ritual e aquele já adquire caracteres sincréticos, mormente elementos do catolicismo. É popularmente conhecido pelos seus bonecos, vendidos até pela Internet por trinta reais a unidade. Já o kardecismo é o espiritismo segundo a doutrina sistematizada por Allan Kardec no século XIX e não deve ser confundido com espiritualismo, termo simplesmente antónimo de materialismo. Quando alguém quer referir-se de modo pejorativo a qualquer destas religiões apelida-as simplesmente de macumba.

Deve ser apontada a questão do sincretismo. O candomblé, se visto como religião única, não é sincretista assim como não o é, v.g., o catolicismo. Já a umbanda e o voduismo são, pois trazem elementos das duas anteriores e mais algumas. No candomblé busca-se distinguir e manter distintas as seitas, como a Nagô e a Jêje, verifica-se a manutenção de uma pureza étnica. Os descendentes de uma determinada nação praticam as venerações que lhe são típicas.

O quinto texto do livro, intitulado Os Mistérios dos Bronzes de Ifé e do Benin narra a descoberta pelo explorador Leo Frobenius de alguns bustos de cobre lavrados com uma técnica naturalista incomum em relação ao que se costumava ver na arte africana. Tal a perfeição das máscaras que se imaginou ser trabalho de algum artista estrangeiro, ou ainda, um negro aluno de alguma academia grega ou romana. Declara Bastide: "Assim, a arte de Ifé, apesar de ser naturalista - o que decorre talvez de uma influência exterior -, não é menos autenticamente africana, se for julgada por estas cabeças tal como aparecem nos museus, desprovidas de seus ornamentos barrocos, mas em seu contexto natural" (pág. 87).

Encontra-se na National Geographic - Brasil de outubro de 2.001 a reportagem sobre a descoberta do exército chinês de terracota. Verifiquei algo análogo no estudo destas peças artísticas - termo aqui aplicado em generalização superficial - recentemente encontradas. Traz a matéria: "'Ninguém acreditaria que eram chineses se não soubéssemos de onde vêm', diz Wang Tao, da Escola de Estudos Orientais e Africanos, na Universidade de Londres. Ele compara o estilo das estátuas ao dos antigos gregos - e talvez essas figuras reflitam de fato intercâmbios culturais entre os Qin e os povos não chineses. Antes da unificação da China, o reinado Qin localizava-se no limite ocidental do território que seria abrangido pelo império, e os antepassados de Qin Shi Huang Di mantinham contato com várias tribos estrangeiras, cuja arte pode ter sido influenciada por trocas com a antiga Grécia" (pág. 40).

Ainda que para este último caso realmente haja o intercâmbio comercial a considerar, não deixo de julgar pretensioso o lugar comum de atestar a excelência das artes africana e chinesa tendo por critério - único, parece-me - a semelhança d'estas com a produzida no molde da helénica clássica. Bastide inclusive qualifica como "barrocos" os complementos de expressão artística d'um povo que ou não vivenciou esta fase, ou a vivência não se deu da mesma forma que os europeus e europeizados dos séculos XVII e XVIII. Como se a arte independente destes povos só fosse bela porque se aproxima dos padrões ocidentais. E por aproximar-se, pode não ser deles. Se não foi esta a intenção, primeiro de Bastide e segundo do professor Wang Tao, foi o que se transmitiu quando afirmaram que obras tão perfeitas têm possível vínculo com o mundo ocidental. Soa como negada ao artista nativo e alheio à academia a capacidade de produzir arte de valor.

Há no Brasil músicos inspirados em temas africanos. Já tive oportunidade de ouvir peças de Osvaldo Lacerda (1.927), Marlos Nobre de Almeida (1.939), Assis Republicano (1.897/1.960) e Valdemar Henrique da Costa Pereira (1.905/1.995). Todavia, afiguram-se homenagens aos negros e sua contribuição à formação do país, não assimilação profunda de sua cultura. No Uruguai encontramos o "candombe", uma dança dramático-religiosa - cujo nome revela a origem - antes limitada aos escravos e seus descendentes e hoje popularizada. Equivale ao samba e foi retractada várias vezes pelo pintor Pedro Figari (1.861/1.938).

O tema dos textos Fretown, Os Creóles Parecem Sair de Uma Gravura da Época da Rainha Vitória, e A "Burrinha" de Uidá é o comportamento dos negros de retorno à África após a alforria ou abolição da escravatura no país para o qual foram levados. Levaram daqui, por exemplo, festas como o Bumba-Meu-Boi - lá chamado de Burrinha - e no geral os costumes apreendidos dos antigos senhores. Na excelente biografia Tarsila - Sua Vida e Sua Obra escrita por Aracy A. do Amaral, há um testemunho da pintora referente ao príncipe Tovalú: "Lembro-me do príncipe negro Tovalú, apresentado por Cendrars. Tovalú era um fetiche disputado em todos os meios artísticos de vanguarda. Bem negro, com traços corretos da raça ariana, muito perfumado, vestia-se com elegância parisiense. Contou-nos que no Daomé, onde reinava seu pai, havia um bairro chamado Blesi, corruptela de Brasil, onde moravam os descendentes dos antigos escravos libertos que para lá voltaram levando a civilização (!), conservando os nomes de seus senhores, os Almeidas, Barros, Camargos e outros" (pág. 137).

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 16/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
02. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
03. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
04. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
05. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/8/2004
17h55min
Dá vontade de conhecer o livro. Li outras obras dos autores citados e acho também acertada a colocação sobre a intenção de valor negada ao artista nativo.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PARA PROFISSIONAIS E ESTUDANTES DE ADMINISTRAÇÃO
JOÃO BAPTISTA HERKENHOFF
FUNDO DE CULTURA
(2006)
R$ 45,00



NOVA ESCOLA Nº 216 EFEITO DOMINÓ
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2008)
R$ 5,90



E-MAIL - A COMÉDIA DOS SEM-CARÁCTER...
MATT BEAUMONT
BERTRAND BRASIL
(2005)
R$ 10,00



LAÇOS DE AMOR
ANDREIE BAKRI
MADRAS
(2001)
R$ 20,00



CENTURION
SIMON SCARROW
HEADLINE
(2007)
R$ 20,00



PARTIDO REPUBLICANO FEDERAL 1893-1897
JOSÉ S. WITTER
BRASILIENSE
(1987)
R$ 7,00



100 SEGREDOS DAS PESSOAS DE SUCESSO
DAVID NIVEN
SEXTANTE
(2002)
R$ 10,00



O MANUAL DA FELICIDADE O SERMAO DA MONTANHA
PE ALBERTO LUIZ GAMBARINI
LOYOLA
R$ 6,00



O VERDE VIOLENTOU O MURO
IGNÁCIO LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(1984)
R$ 4,00



CADERNO PEDAGÓGICO 3º TEMA GERADOR: O SENTIDO DA VIDA
PROJETO PARA O ENSINO RELIGIOSO ESCOLAS PÚBLICAS
PAULUS (SP)
(1995)
R$ 31,28





busca | avançada
37543 visitas/dia
1,2 milhão/mês