O Candomblé de Verger e Bastide | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
54332 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Inspirado nas Living Dolls, espetáculo de Dan Nakagawa tem Helena Ignez como atriz convidada
>>> As Caracutás apresentam temporada online de Tecendo Diálogos com bate-papo e oficina
>>> Obra de referência em nutrição de plantas ganha segunda edição revista e ampliada
>>> FAAP promove bate-papo com as atrizes Djin Sganzerla, Zezita Matos e com o diretor Allan Deberton
>>> Elísio Lopes Jr comanda oficina gratuita de dramaturgia nesta sexta-feira (27)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
Colunistas
Últimos Posts
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um tweet que virou charge
>>> Lugar de mulher é...
>>> 27 de Março #digestivo10anos
>>> Remix Narrativo
>>> Asia de volta ao mapa
>>> A Era do Gelo
>>> As cartas de Dostoiévski
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> 9 de Abril #digestivo10anos
>>> Solidão Moderna
Mais Recentes
>>> More - Os Pensadores de Thomas More pela Nova Cultural (2004)
>>> Aprendendo coreano (segundo tradução do Google) de Diversos AutoresKo pela Korean (1994)
>>> Bons Fluidos 23 - Abril 2001 - Dia de Festa: celebrar aniversários de Alda Palma pela Abril (2001)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Harlan Coben (1990)
>>> Coronelismo, enxada e votos. O município e o regime representativo no Brasil de Victor Nunes Leal pela Nova Fronteira (1997)
>>> Coronelismo, enxada e votos. O município e o regime representativo no Brasil de Victor Nunes Leal pela Nova Fronteira (1997)
>>> Coronelismo, enxada e votos. O município e o regime representativo no Brasil de Victor Nunes Leal pela Nova Fronteira (1997)
>>> Jogos de Cintura de Fernanda de M. S. Macruz e Outros Autores pela Vozes (2000)
>>> Direito Penal - Parte Geral Esquematizado - Volume 1 de Cleber Masson pela Método (2020)
>>> O teatro dos vícios. Transgressão e transigência na sociedade urbana colonial de Emanuel Araújo pela José Olympio (1993)
>>> Mulheres Inteligentes Jogam Para Ganhar de Ivanka Trump pela Lua de Papel (2010)
>>> O Fascínio do Stress de Rodrigo Pires do Rio pela Del Rey (1995)
>>> A história da família de James Casey pela Ática (1992)
>>> O Sucesso Não Ocorre Por Acaso de Dr. Lair Ribeiro pela Rosa dos Tempos (1992)
>>> De Onde vêm os Bebês de Andrew C. Andry e Steven Schepp pela José Olympio (2013)
>>> Água Mole Em Pedra Dura Tanto Bate Até Que... de Clóvis Tavares pela Gente (2001)
>>> seu Rubens - Histórias do Binho da Barra Funda e do Rubão de Maresia de José Rubens de Cenço pela Primavera (2010)
>>> ... e o Amor Continua de Francisco Candido Xavier / Divaldo Pereira Franco pela Livraria Espirita Alvorada (1983)
>>> ... quando Florescem os Ipês. de Ganymédes José pela Brasiliense (1984)
>>> ... Quando Florescem os Ipês. de Ganymédes José pela Brasiliense (1981)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1987)
>>> ...E as Vozes Falaram de Fernando do Ó pela Feb (1984)
>>> ...E Se Falta a Palavra, Qual Comunicação, Qual Linguagem? de Tania Maria Tupy / Don Giancarlo Pravettoni (orgs) pela Menmon (1999)
>>> ...Homem Novo - Tomo 1/ Vol. 2 de Escola de Aprendizes do Evangelho pela Feesp (1981)
>>> ...Longe da Terra - 4ª Ed. de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos (1969)
>>> ´novo´ Paisagens do Brasil de Instituto Brasileiro de Geografia pela Fundacao Ibge: Rio de Janeiro (1972)
>>> 0 de Nelly Martins Ferreira Candeias pela Escrituras (2013)
>>> 10 Conselhos para Quem Tem uma Chefe Mulher de Gabrielle Rolland pela Scipione (1994)
>>> 10 Mandamentos para Fracassar nos Negócios de Donald R. Keough pela Sextante (2010)
>>> 10 Razões para Ser Espírita de José Carlos Leal pela Novo Ser (2014)
>>> 100 Anos da Doença de Alzheimer de Paulo Caramelli / Angela H. Viel pela Segmento Farma (2006)
>>> 100 Anos de Amor de Francisco Candido Xavier / Autores Diversos pela Grupo Espírita da Prece de Fr (2010)
>>> 100 Anos de Amor - Homenagem a Chico Xavier de Grupo de Ideal Espírita André Luiz pela Ideal (2010)
>>> 100 Anos de Amor - Homenagem a Chico Xavier de Grupo de Ideal Espírita André Luiz pela Ideal (2010)
>>> 100 Coisas de Fernando Bonassi pela Angra (2000)
>>> 100 Crônicas de Mario Prata pela Cartaz (1997)
>>> 100 Crônicas de Mario Prata pela Cartaz (1997)
>>> 100 Crônicas de Mario Prata pela Cartaz (1997)
>>> 100 Crônicas Escolhidas de Rubem Braga pela José Olympio (1958)
>>> 100 Jogos de Bolso - Número 1 de Autor Girassol pela Girassol
>>> 100 Piores Ideias da História de Michael N. Smith / Eric Kasum pela Valentina (2016)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> 1000 Erros de Português da Atualidade de Luiz Antonio Sacconi pela Nossa (1990)
>>> 1000 Perguntas: Direito do Menor de Alyrio Cavallieri pela Rio (1983)
>>> 101 Bichanos - por Amor aos Gatos de Rachael Hale pela Alles Trade (2005)
>>> 101 Segredos dos Casais Felizes de Anna Saslow pela Original (2003)
>>> 108 Jogos para Jardim de Infância de Ethel Bauzer Medeiros / Edvete R. da Cruz Machado pela Agir (1960)
>>> 12 Postais D Iracema de Sérgio Pinheiro pela Fundação Demócrito Rocha
>>> 123 Atitudes Positivas Em Vendas de Robert F. Taylor pela Nobel (1991)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/10/2003
O Candomblé de Verger e Bastide
Ricardo de Mattos

+ de 11900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Pierre Verger foi daquelas personalidades ditas "cosmopolitas". A Paris de 1.902 e a Salvador de 1.996 são dois termos d'uma existência nómade adequada a sua imensa curiosidade em conhecer os povos do planeta. Contava trinta anos quando aprendeu a fotografar profissionalmente, ofício aperfeiçoado em catorze anos de andanças. Apesar de no ano de 1.946 fixar sua base em Salvador, sempre manteve o gosto de permanecer em trânsito. N'esta cidade, sua atenção recaiu sobre os negros e seus ritos avoengos, impulsionando-o a estudá-los melhor, fazer pesquisas mais profundas. O interesse pelo candomblé levou-o a envolver-se com as práticas, e o envolvimento permitiu-lhe promover o intercâmbio entre algumas nações do oeste africano - Benin, Nigéria - e os residentes na Bahia a elas ligados por hereditariedade e tradição. Escreveu os livros Os Libertos. Sete Caminhos na Liberdade de Escravos da Bahia no Século XIX e Notas Sobre o Culto dos Orixás e Voduns na Bahia de Todos os Santos, No Brasil e Na Antiga Costa de Escravos, Na África, além de muitos artigos para periódicos especializados ou não.

Roger Bastide (1.898/1.974) ligou-se ao magistério e ao ensaísmo desde o início de sua carreira. Foi professor secundário e universitário. Em 1.938 aportou no Brasil para substituir Lévy-Strauss na cadeira de sociologia, participando assim da famosa equipe de professores estrangeiros com a qual foi fundada em 1.934 a Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo. Aponta-se Florestan Fernandes entre seus alunos. Aqui permaneceu até 1.954, ano de sua volta para a França com a finalidade de assumira cátedra de Etnologia Social e Religiosa da Sobornne. São de sua autoria, além de artigos e ensaios e entre outros, os livros Imagens do Nordeste Místico Em Branco e Preto, Brasil: Terra de Contrastes e O Candomblé da Bahia, este o mais importante e recentemente re-editado.

Como dito, Verger chegou ao Brasil em 1.946, no dia dezassete de Abril, logo travando relações com Bastide. Este encontro permitiu que duas pessoas de farto conhecimento acerca de determinado assunto - ritos africanos - partilhassem e complementassem suas informações, abrissem uma a outra portas para novas pesquisas e, futuramente no elaborar projectos de maior fôlego, encontrassem no outro um conselheiro verdadeiramente apto. Eles souberam aproveitar este encontro e a amizade dele derivada.

O livro Verger/Bastide - Dimensões de uma Amizade traz catorze textos a bem ilustrar esta comunhão de interesses. Entretanto, o excepcional volume não serve apenas para isso. Dá ao leitor informações tão respeitosas quão úteis sobre os rituais africanos que se costuma reunir sob a denominação comum de "candomblé". Conhecendo-se melhor uma religião - qualquer religião - respeita-se-lhe melhor e aprende-se a distinguir as mistificações. Os textos foram destinados inicialmente ao jornal O Cruzeiro e outras publicações técnicas e são surpreendentes na clareza e na legibilidade. O leitor deixa o livro apto a distinguir entre o honesto e o engodo. Há textos escritos a quatro mãos e outros apenas por um dos estudiosos. As fotografias todas são de Verger, porém é ingrato observar a discrepância das legendas, significando que nem todas as imagens foram publicadas. Um texto, o terceiro, traz onze fotografias e legendas para 24.

O candomblé é o local onde realizam-se os cultos africanos. Quem olha de fora não sabe a diferença entre um ritual e outro - festa de Oxum, iniciação das filhas de Nagô - e generaliza falando em "religião de candomblé" e logo em "Candomblé". São vários os cerimoniais e várias as entidades, alguns equivalentes a deuses, outros a semi-deuses, isto é, aqueles nascidos homens mas alçados à divindade. Aponto um paralelo com a tradicional mitologia greco-romana. Febo é o mensageiro dos deuses olímpicos, intermediário entre eles e os homens, e tem por equivalente latino o deus Mercúrio. Entre as entidades mencionadas por Bastide, encontrei Exu com a mesma função. Apesar desta tarefa específica o vulgo, por influência da quimbanda, costuma tê-lo como espécie de demónio promotor de obras malévolas. A mesma equivalência pode ser encontrada entre Ares, Marte e Ogum.

Além da confusão popular, há a acção de charlatões misturando candomblé, umbanda, quimbanda, macumba, voduismo e até o kardecismo. Umbanda é o candomblé de caboclo, aquele que sofreu influências dos cultos índios e tem como fundamentos lições dos chamados "pretos-velhos" e "caboclos". A quimbanda seria a versão negra da umbanda, esta dispondo-se a auxiliar espíritos e pessoas, aquela utilizada apenas para causar malefícios através de sua prática, a macumba. São cenas de macumba as descritas por Paulo Lins no livro Cidade de Deus. O voduismo é tido por versão antilhana do candomblé. Todavia este é transmitido pelos autores como portador de certa pureza ritual e aquele já adquire caracteres sincréticos, mormente elementos do catolicismo. É popularmente conhecido pelos seus bonecos, vendidos até pela Internet por trinta reais a unidade. Já o kardecismo é o espiritismo segundo a doutrina sistematizada por Allan Kardec no século XIX e não deve ser confundido com espiritualismo, termo simplesmente antónimo de materialismo. Quando alguém quer referir-se de modo pejorativo a qualquer destas religiões apelida-as simplesmente de macumba.

Deve ser apontada a questão do sincretismo. O candomblé, se visto como religião única, não é sincretista assim como não o é, v.g., o catolicismo. Já a umbanda e o voduismo são, pois trazem elementos das duas anteriores e mais algumas. No candomblé busca-se distinguir e manter distintas as seitas, como a Nagô e a Jêje, verifica-se a manutenção de uma pureza étnica. Os descendentes de uma determinada nação praticam as venerações que lhe são típicas.

O quinto texto do livro, intitulado Os Mistérios dos Bronzes de Ifé e do Benin narra a descoberta pelo explorador Leo Frobenius de alguns bustos de cobre lavrados com uma técnica naturalista incomum em relação ao que se costumava ver na arte africana. Tal a perfeição das máscaras que se imaginou ser trabalho de algum artista estrangeiro, ou ainda, um negro aluno de alguma academia grega ou romana. Declara Bastide: "Assim, a arte de Ifé, apesar de ser naturalista - o que decorre talvez de uma influência exterior -, não é menos autenticamente africana, se for julgada por estas cabeças tal como aparecem nos museus, desprovidas de seus ornamentos barrocos, mas em seu contexto natural" (pág. 87).

Encontra-se na National Geographic - Brasil de outubro de 2.001 a reportagem sobre a descoberta do exército chinês de terracota. Verifiquei algo análogo no estudo destas peças artísticas - termo aqui aplicado em generalização superficial - recentemente encontradas. Traz a matéria: "'Ninguém acreditaria que eram chineses se não soubéssemos de onde vêm', diz Wang Tao, da Escola de Estudos Orientais e Africanos, na Universidade de Londres. Ele compara o estilo das estátuas ao dos antigos gregos - e talvez essas figuras reflitam de fato intercâmbios culturais entre os Qin e os povos não chineses. Antes da unificação da China, o reinado Qin localizava-se no limite ocidental do território que seria abrangido pelo império, e os antepassados de Qin Shi Huang Di mantinham contato com várias tribos estrangeiras, cuja arte pode ter sido influenciada por trocas com a antiga Grécia" (pág. 40).

Ainda que para este último caso realmente haja o intercâmbio comercial a considerar, não deixo de julgar pretensioso o lugar comum de atestar a excelência das artes africana e chinesa tendo por critério - único, parece-me - a semelhança d'estas com a produzida no molde da helénica clássica. Bastide inclusive qualifica como "barrocos" os complementos de expressão artística d'um povo que ou não vivenciou esta fase, ou a vivência não se deu da mesma forma que os europeus e europeizados dos séculos XVII e XVIII. Como se a arte independente destes povos só fosse bela porque se aproxima dos padrões ocidentais. E por aproximar-se, pode não ser deles. Se não foi esta a intenção, primeiro de Bastide e segundo do professor Wang Tao, foi o que se transmitiu quando afirmaram que obras tão perfeitas têm possível vínculo com o mundo ocidental. Soa como negada ao artista nativo e alheio à academia a capacidade de produzir arte de valor.

Há no Brasil músicos inspirados em temas africanos. Já tive oportunidade de ouvir peças de Osvaldo Lacerda (1.927), Marlos Nobre de Almeida (1.939), Assis Republicano (1.897/1.960) e Valdemar Henrique da Costa Pereira (1.905/1.995). Todavia, afiguram-se homenagens aos negros e sua contribuição à formação do país, não assimilação profunda de sua cultura. No Uruguai encontramos o "candombe", uma dança dramático-religiosa - cujo nome revela a origem - antes limitada aos escravos e seus descendentes e hoje popularizada. Equivale ao samba e foi retractada várias vezes pelo pintor Pedro Figari (1.861/1.938).

O tema dos textos Fretown, Os Creóles Parecem Sair de Uma Gravura da Época da Rainha Vitória, e A "Burrinha" de Uidá é o comportamento dos negros de retorno à África após a alforria ou abolição da escravatura no país para o qual foram levados. Levaram daqui, por exemplo, festas como o Bumba-Meu-Boi - lá chamado de Burrinha - e no geral os costumes apreendidos dos antigos senhores. Na excelente biografia Tarsila - Sua Vida e Sua Obra escrita por Aracy A. do Amaral, há um testemunho da pintora referente ao príncipe Tovalú: "Lembro-me do príncipe negro Tovalú, apresentado por Cendrars. Tovalú era um fetiche disputado em todos os meios artísticos de vanguarda. Bem negro, com traços corretos da raça ariana, muito perfumado, vestia-se com elegância parisiense. Contou-nos que no Daomé, onde reinava seu pai, havia um bairro chamado Blesi, corruptela de Brasil, onde moravam os descendentes dos antigos escravos libertos que para lá voltaram levando a civilização (!), conservando os nomes de seus senhores, os Almeidas, Barros, Camargos e outros" (pág. 137).

Para ir além





Ricardo de Mattos
Taubaté, 16/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A verdade somente a verdade? de Adriane Pasa
02. O direito autoral vai sobreviver à internet? de Marta Barcellos
03. Dez obras da literatura latino-americana de Marília Almeida
04. Matinê sem limite de idade de Rennata Airoldi
05. Vidas Paralelas de Rafael Azevedo


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner - 5/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/8/2004
17h55min
Dá vontade de conhecer o livro. Li outras obras dos autores citados e acho também acertada a colocação sobre a intenção de valor negada ao artista nativo.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DICIONÁRIO ESCOLAR - INGLÊS PORTUGUÊS - PORTUGUÊS INGLÊS
EDITORA MARTINS FONTES
MARTINS FONTES
(2005)
R$ 18,75



A MÁQUINA DE LAMA
ROBERTO SAVIANO
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 20,00



EU SOU A FONTE DA CONSCIÊNCIA CÓSMICA
RODRIGO ROMO
MADRAS
(1999)
R$ 220,00



BRINCANDO COM O PERIGO
LAÍS CARR RIBEIRO
MODERNA
(1994)
R$ 16,50



O JORNAL DE ONTEM
HENRIQUE NICOLINI
PH
(2006)
R$ 12,00



SYMPOSIUMCIBA TOMO 11 Nª 2
CIBA
CIBA
(1963)
R$ 11,22



OS KAMA SUTRA DE VATSYAYANA
TRADUÇAO DE MARCOS SANTARRITA
BRASILIA
(1974)
R$ 20,00



MERCADO DE CAPITAIS
LAMEIRA
FORENSE UNIVERSITÁRIA
(2003)
R$ 199,00



UM DOMINGO PARA SEMPRE
SÉBASTIEN JAPRISOT
RELUME DUMARÁ
(2005)
R$ 5,00



O JOGO DA TRANSIÇÃO
MARIÁ GIULIESE
ÉVORA
(2011)
R$ 39,00





busca | avançada
54332 visitas/dia
2,0 milhões/mês