Saudade... | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL CORO NA QUARENTENA
>>> MAB FAAP estará fechado nos próximos dois finais de semana, devido ao Plano SP
>>> Exposição de Pietrina Checcaci é prolongada no Centro Cultural Correios
>>> Escritora Luci Collin participa de encontro virtual gratuito
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O dia em que Paulo Coelho chorou
>>> Ao Portal Galego da Língua
>>> Have a nice day
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Esboços de uma biografia precoce não autorizada
>>> A une passante
>>> 12 de Julho #digestivo10anos
>>> The Good Life
>>> A odisseia do homem tecnomediado
>>> A diferença entre baixa cultura e alta cultura
Mais Recentes
>>> Na Escola da Fenomenologia de Paul Ricoeur pela Vozes (2009)
>>> Iniciação à História da Filosofia de Danilo Marcondes pela Zahar (2010)
>>> A Conquista do Presente de Michel Mafessoli pela Rocco (1984)
>>> A Potência de Existir de Michel Onfray pela Martins Fontes (2010)
>>> Ética como Amor-próprio de Fernando Savater pela Martins Fontes (2000)
>>> O Visível e o Invisível de Merleau-Ponty pela Perspectiva (2000)
>>> Não Pise na Bola de Richard Simonetti pela Clarim (1997)
>>> A Consciência em Expansão: os caminhos da abordagem Transpessoal na edução, na clínica e nas organizações de Maria Cristina Monteiro de Barros pela EdiPUCRS (2008)
>>> Folha Explica - Guimarães Rosa de Walnice Nogueira Galvão pela Publifolha (2000)
>>> A Linguagem das Cem Flores de Regina Obata pela Círculo do Livro (1986)
>>> A partilha do Sensível de Jacques Rancière pela 34 (2009)
>>> Revista Caras Extra Nr 18 Álbum De Xuxa E Sasha de Vários Autores pela Caras (1998)
>>> Marco Polo e a Rota da Seda de Jean-Pierre Drège pela Objetiva (2021)
>>> Psicoterapia Reencarnacionista: A terapia da Reforma Íntima de Mauro Kwitko pela Besouro Box (2015)
>>> A pesquisa na psicologia social de Leon Festinger e Daniel Katz pela FGV (1974)
>>> Xuxa de Ana Lucia Neiva pela ArtMeios (2001)
>>> Poesia 1930 - 1962 (Edição Crítica) de Carlos Drummond de Andrade pela Cosac Naify (2012)
>>> Psicoterapia à luz da Apometria de Clecio Carlos Gomes pela Terceira Margem (2000)
>>> O prazer de Viver de Felipe Rodrigues pela Chiado (2016)
>>> Psicologia Integral de Ken Wilber pela Cultrix (2017)
>>> Leadership and the New Science: Discovering Order in a Chaotic World de Margaret J. Wheatley pela Berrett-Koehler (1999)
>>> Por que os Homens Amam as Mulheres Poderosas de Sherry Argov pela Sextante (2009)
>>> A Aura Humana de Walter J. Kilner a Aura Humana pela Pensamento (1989)
>>> Estudios Sobre Técnica Psicoanalitica de Heinrich Racker pela Editorial Paidos (1979)
>>> Learning to Be Me: My Twenty-three-year Battle With Bulimia de Jocelyn Golden pela Iuniverse (2007)
>>> Em Busca de Mim de Isabel Vieira pela Ftd (2000)
>>> Valiosa Vida de Felipe Quartero pela Livre Expressão (2011)
>>> O Cérebro Consciente de Steven Rose pela Alfa-omega (1984)
>>> Royal Botanic Gardens Kew de Souvenir Guide pela Royal Botanic Gardens (2000)
>>> As Dez Maiores Descobertas da Medicina de Meyer Friedman; Gerald W. Friedland pela Companhia das Letras (2000)
>>> A Arte de Curar no Budismo Tibetano de Terry Cliffford pela Pensamento (1987)
>>> And the Winner Is... os Bastidores do Oscar de Emanuel Levy pela Trajetória Editorial (1990)
>>> The Fate of Art - Aesthetic Alienation From Kant to Derrida and Adorno de J. M. Bernstein pela Penn State University Press (1992)
>>> Loterofilia - A arte de colecionar bilhetes de loteria de Sylvio Luongo pela Publicação independente (2014)
>>> Viva Bem Com a Coluna Que Você Tem. de José Knoplich pela Ibrasa (1979)
>>> O Sorriso Distante de Anita Brookner pela Bertrand (2000)
>>> O Eu e o Inconsciente - Vol. VII / 2 de Carl Gustav Jung pela Vozes (2008)
>>> Auras Humanas: Onde o Abstrato Se Cruza Com o Concreto de Colette Tiret pela Pensamento (1985)
>>> Samba na Cidade de São Paulo - 1900-1930: um Exercício de Resistência de Iêda Marques Britto pela Ffclusp (1981)
>>> Fotos e Faces do Brasil, Personae de Madalena Schwartz pela Funarte (1997)
>>> Semiologia e Comunicação Linguística de Eric Buyssens pela Cultrix
>>> Gangsta - Vol. 1 de Kohske pela Jbc (2015)
>>> Exercícios de Arte para Grupos de Marian Liebmann pela Summus Editorial (2000)
>>> Zetsuen no Tempest - Vol. 10 de Kyo Shirodaira Ren Saizaki e Arihide Sano pela Jbc (2015)
>>> Fernando e Humberto Campana de Carlos Eduardo Leite Perrone pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Relativizando Uma Introdução à Antropologia Social de Roberto da Matta pela Rocco (1987)
>>> Estudos Fotográficos, Thomaz Farkas de Thomas Farkas, Sergio Burgis e outros pela Instituto Olga Kos (2019)
>>> Curso de Direito Constitucional de Manoel Jorge e Silva Neto pela Lumen Juris (2009)
>>> Direito Constitucional de Leo van Holthe pela Podium (2007)
>>> Estratégias do Pensamento de Larry E. Wood pela Circulo do Livro (1986)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/11/2003
Saudade...
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6000 Acessos

Todo mundo já teve a experiência de uma dor-de-cabeça aviltante, daquelas que pulsam como astros celestes, fazem doer como se fossem implosões.

Uma dor dessas, dizem, serve para sinalizar algo de errado nos mecanismos do corpo. A experiência da dor que pulsa mais quando se pisa o chão também é comum. Subir escadas, dar passos em qualquer direção, correr: nem.

Foi nisso que eu pensei quando falava, dia desses, de saudade. Era um sentimento, talvez mais uma sensação, que queria ser mentira, mas não me deixava em paz. Uma ganância elegante duma pessoa que não estava, que eu nem sequer alcançava com uma chave de pernas. Alguém que eu queria ver, mas era mais que isso, porque quando fui checar as fotografias, não me satisfiz. Então era alguém que eu queria tocar, bem perto, mas aí tive a experiência da impotência. Amarguei momentos de tristeza fina, polida, quando pesquisava em minha memória e não acessava mais o rosto, o sorriso, o movimento. A memória não salva o mover.

Então quanto mais eu pensava, mais eu me lembrava. E quanto mais isso, mais um pulso de dor, uma coisa embolada que me dava uns carunchos por dentro. Ruim. Disseram simpatias: pra deixar santo antônio de cabeça para baixo, tomar chá de cogumelo com rosas cor-de-rosa, dormir do lado direito, não molhar a cabeça quando estivesse menstruada. Não fiz.

E a saudade pulsando. Fel Plus. Ferpa. Imodesta. Eloqüente. Abrasivamente colocada. Disseram que era bom sinal. Não vi. Não sei. Nos outros não dói quando a pimenta é no meu olho. Mas saudade é uma dor-de-cabeça que começa num efeito conquistado e termina vendo o ônibus sair na rodoviária. Aquela carinha mal-ajambrada retendo lágrima. Tem que ser forte, porque isso vai se repetir. Entre nós, um mapa. Coisa pequena perto de tanta desgraça do mundo. Há quem tenha até a morte entre os dois. E eu reclamando...

Olha a saudade aí, ribombando. Em paz comigo, digo ao santo antônio: tem dó. Arrisco um impropério. Vai que ele me pune. Então dou logo um beijinho nas saias do santinho. Era impulso. Mas meu "amigo" urge, lá na outra ponta do estado do Rio. Saudade me consome. Mas quando eu o vejo, suor frio: parece que a saudade deu metástase e fez casulos auto-reprodutivos duma coisa boa que explode no abraço de "Oi, como eu te queria!"...

Mesa e banheiro de mulher
Quando algumas mulheres se juntam numa mesa de bar, as conversas são muito calorosas e interessantes. No caso das mesas de bar em que estou com algumas mulheres, a coisa fica mais evidente. Talvez porque não sejamos mulheres "comuns", que procuram mesas de bares da moda ou que disparam olhares e decotes para todos os lados na intenção de "ficar" com alguém. As mulheres com quem saio e vou pro bar querem investir em si mesmas, querem falar de conquistas, querem falar de dinheiro e saldo, querem falar de boa música. Mas há um assunto que não falha: homem. Porém não falamos de rapazes que usam tênis da moda e nem de garotos metidos a bons cafajestes. Falamos de homens que pensam. E quando não pensam, também acusamos isso. O que é digno de nota. E hoje falávamos na falta de sensibilidade de um rapaz que não soube estar ao lado da namorada num momento difícil: a morte do pai dela. Mesmo durante o turbilhão de doença, morte, velório, cremação, missa de sétimo dia, tudo o que o moço sabia fazer era contar há quanto tempo não fazia sexo e cobrar da namorada uma atitude. Ao que ela respondeu com decepção e lágrimas nos olhos.

Outro assunto digno das mesas de bar é a troca. No prontuário dos candidatos a namorado há um item que avalia "por que tipo de coisa ou evento ele me troca". Unanimidade na maior perda de pontos é o futebol. Se ele me troca por futebol, seja um jogo na tevê, no estádio ou a famosa pelada de sábado, perde muitos pontos. A não ser que a moça resolva vestir a camisa, literalmente. Conheço moças que passaram pro time do cara, interessaram-se por futebol, tudo na tentativa de virarem companheiras do cara. E vão assistir às peladas e ficam torcendo para que o namorado faça o gol. E eles fazem e o dedicam a ela, na arquibancada. E ela, orgulhosa, olha pras outras namoradas como quem diz "Não é uma graça?!". Eu digo que não, não é. Conheço moças que vão tomar cerveja com o moço depois da pelada e tentam entrar no papo. E falam dos "pombos sem asa" e das "bicicletas" com quase nenhuma propriedade. E se o próximo namorado for lutador de sumô, elas subitamente passarão a adorar o esporte sexy. E se for degustador de vinhos, elas serão enólogas. Ou enófilas, no mínimo. E sei também que muitas vezes essas moças entram nas ondas dos caras para vigiá-los. Ou ninguém sabe que ir à pelada, ir ao estádio e beber cerveja junto pode ser uma ótima maneira de fiscalizar? E quando me sento na mesa de bar com meus amigos, ouço alguns reclamando: "Não agüento mais minha namorada indo em tudo. Tem hora que quero vir ao bar sozinho, bater papo com os amigos". Questão de espaço de manobra. Não é nem de sacanagem.

No meu prontuário, me trocar por pelada é fatal. Mas o engraçado é que me trocar por ensaio com a banda de rock não é. Eu até concordo, gosto e tenho que me cuidar pra não ir junto, pra não virar vocalista da banda. Tenho que me cuidar pra não ficar curiosa e acabo indo pro bar falar de literatura, outro assunto que me apetece horrores. Curiosamente, 80% dos namorados que tive tocavam guitarra. E bem. E eu adorava. E continuo achando que esse é um quesito importante. Outros tantos eram escritores, mas isso não me dava tanto tesão. Talvez porque falássemos coisas muito semelhantes e eu não me realizasse em outro setor. Eu me realizo como escritora, eu mesma. Já como musicista... não. Então gosto quando o cara me realiza por meio dele. Coisa de maluco.

Me trocar pela pelada de sábado me enche o saco porque sou egoísta. Não gosto de futebol e aquilo me aluga. Mas me trocar pelo ensaio com a banda me deixa até feliz porque prefiro ganhar um solo de guitarra do que um gol. E não viro fã de banda de axé só porque o namorado toca isso. Até porque se ele tocasse axé, não seria meu namorado. Já vou mesmo nos guitarristas de rock, de blues, de jazz... que sei que vou curtir. E nem preciso vigiar ou fazer manobras para conhecer tudo sobre rock. Não preciso vestir a camisa, porque sou fã de música boa desde criança. O que torna as coisas muito mais autênticas. Ou não é?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 19/11/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
02. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo
03. Carles Camps Mundó e a poética da desolação de Jardel Dias Cavalcanti
04. Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Um demente chamado J.G. Ballard de Luiz Rebinski Junior


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2003
01. Descobertas responsáveis - 18/12/2003
02. Saudade... - 19/11/2003
03. O que é um livro? - 5/11/2003
04. E cá já moiro por vós - 13/10/2003
05. Insatisfação - 10/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Enigma das Pirâmides
Alvarez Lopez
Hemus
(1978)
R$ 20,00



Ciências Naturais Dicionário Escolar
José Augusto Batista e Luís Carlos Santos
texto
(1993)
R$ 42,70



O conceito de psicopatologia
Carol Sonenreich / William Bassitt
Manole
(1979)
R$ 44,00



Sempre Viva
Antonio Callado
Circulo do Livro
(1981)
R$ 15,00



Louis Xiii et Richelieu
Jean Canu
Artheme Fayard
(1944)
R$ 39,80



Tdf Trabalho Dirigido de Filosofia
Mario Parisi e Gilberto Cotrim
Saraiva
(1983)
R$ 19,90



Violão & Guitarra
Vários
Imprima
R$ 18,00
+ frete grátis



Extrema Pobreza no Brasil a Situação do Direito à Alimentação
Jayme Benvenuto Lima Jr e Lena Zetterström Org
Loyola
(2002)
R$ 14,00



FORMIGAS - Liçoes da sociedade mais bem-sucedida da terra
William Douglas, Davi Lago
Mundo Cristao
(2016)
R$ 12,00



Como formar una discoteca
Jorge D'Urbano
Atlántida
(1970)
R$ 9,00





busca | avançada
72442 visitas/dia
2,4 milhões/mês