A Morte da Ficção? | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
58424 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/1/2004
A Morte da Ficção?
Daniel Aurelio

+ de 3500 Acessos

Há na literatura uma tendência atual, tão arriscada quanto salutar, de incorporar ao estudo de cunho sociológico certo ritmo ficcional. É um sincretismo fundamental nada predatório: o público passa a saborear conhecimento científico temperado com o talento do escriba de boa cepa; os editores de livros, com o sucesso do estilo, contam com caixa suficiente para novas investidas, às vezes bem experimentais; e a pomposa academia pouco a pouco se vê obrigada a despir-se da auto-indulgência, tão burra quanto o mais volúvel dos paladinos da mediocracia.

Em um mundo saturado de textos e superpovoado de informações banais, no qual a subjetivação artística perde espaço e força para a tal vida como ela é (seja lá como ela for), principalmente na literatura adulta e no cinema, este é um "novo gênero" a ser saudado. Sua produção tem como vértices principais a habilidade da palavra e o instinto investigativo, e atira às prateleiras uma certa descentralização que não preocupa. Ou não deveria preocupar, já que é apenas uma projeção natural da espécie. Não há mais a figura clássica do escritor. Entre o nauseante cenário penitenciário descrito por Drauzio Varela e as fanfarronices de Marcelo Mirisola, fico, sem piscar, com o primeiro.

Vamos lá, então: qual seria o grande contista ou romancista nacional?

Ainda são os mesmos, é verdade. Deuses repetindo fórmulas, desbotados: Sérgio Sant´Anna, Dalton Trevisan e Rubem Fonseca. Com exceção de Torero, Bonassi, Aquino, Bressane e meia dúzia de abnegados, a classe está aos pedaços. Desfragmentada - e na pior significação possível. Os últimos lançamentos de Bernardo Carvalho e Milton Hatoum, nossos melhores escritores contemporâneos, já namoram a vertente. E Simone Campos, a salvação precoce, aquela que poderia apontar um novo caminho para a ficção, evaporou-se junto com seu saudado e maravilhoso debute.

Como se sabe, literatura e sociedade caminham juntas desde o princípio. Na liturgia cristã, foi o Verbo quem desencadeou-nos. A Odisséia de Homero, como a Divina Comédia de Dante, é atemporal. Os românticos do séc. XIX (possivelmente o último dos grandes movimentos literários), Goethe, Zola e Balzac não escreviam paraísos infernais em prosa por outra razão. O modernismo veio para confundir e o pós qualquer coisa idem e ibidem. No começo dos anos 90, já não se sabia mais distinguir um romance de um livro histórico. A Internet os fuzilou.

Evolucionismo literário? Não, em absoluto. Mas eu é que não vou perder meu tempo com o efeito placebo de Mirisola. Uma obra-prima contemporânea é mais próxima do universo lírico-chocante de um Paulo Lins. É duro admitir: imaginar, no momento, é artigo de perfumaria. Recriar, reconstituir ou reportar o caos são as palavras de ordem. E não me peça um juízo a respeito. É muito cedo. Por ora, é uma constatação.

Claro, é preciso estabelecer um critério mínimo de qualidade, sob o risco de qualquer blog ser elevado a condição de arte. Afinal, quer maior realismo que as crises rasas, brigas conjugais, namoricos e (falta de) personalidade camuflada em patéticos pseudônimos? (Inacreditável séc. XXI: diários íntimos no ar, para todo o planeta, em época de extremado individualismo.) As reminiscências e impressões do José Luis Datena não podem, sob nenhum ângulo, serem comparadas à fineza de Estação Carandiru (1998), surpreendente comunhão entre público e crítica. Um alento: no final, continua a prevalecer o prodígio do texto. A temática não carcomerá jamais o seu núcleo.

É aqui que nasce, abençoada pelas águas do Rio São Francisco, a cearense Peregrina Cavalcante. Cientista Social, a catedrática é uma prosadora rica e nos premiou duas vezes: com uma pesquisa irrefutável e um livro brilhante, publicado pela editora "A Girafa", do festejado editor Pedro Paulo de Sena Madureira. Ironicamente, Madureira é um dos últimos publishers tradicionais, de veio erudito maior que o tino comercial. O ex-Siciliano, entretanto, acertou em cheio ao apostar em Como se fabrica um pistoleiro, tese de doutorado de Peregrina sobre a folclórica figura dos justiceiros nordestinos e narrada como um legítimo romance neo-regionalista, com dados estatísticos a servir de estofo para sua jornada delirante.

Veja que pouco importa a profissão do autor: do médico cancerologista-pop ao jornalista, do antropólogo ao músico, a poeira da realidade não pára de subir. Se o sensacionalismo, esse câncer televisivo, expõe o real como um tapa na cara irrefletido, torto e sem profundidade, ao transpor-se determinada "vida vivida" em papel, o resultado é nada menos que belo, como um velho romance: o tempo haverá de fazer-lhes justiça.

O fruto indireto desse gênero é de tal modo intenso, que alguns dos últimos lançamentos que mereceram destaque (pela originalidade) na imprensa não passam de seções de exorcismo e culpa meta-lingüística: O Prazer de Decepcionar, de Eduardo Fernandes, e O Cabotino, de Paulo Polzonoff Jr. são desencantados livros de não-romancistas, detectores de impostores e cretinos. Eduf e Polzonoff, dois dos autores mais promissores e antenados da geração cibernética, apresentam-se assim, como destruidores de mitos fajutos. É ou não é o tempo de se discutir papéis sociais, escalas hierárquicas, o celestial e o profano?

Como não pensar o que será da arte no final deste século, quando formos apenas pó e algum espólio? Ou seja: num futuro próximo, os maiores escritores serão os prosadores de si e seu meio, sem floreios?

(Tudo bem, o fato é irreversível e incontornável, a minha discussão é inócua por ineficaz, mas o livro de Peregrina é tão bom e agradável que me suscitou o desabafo proto-ensaístico).

Para ir além






Daniel Aurelio
São Paulo, 9/1/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pérola do cinema sul-americano de Guilherme Carvalhal
02. Jackie O., editora de Eugenia Zerbini
03. A universalidade de Anish Kapoor de Simone Oliveira
04. País do Carnaval II de Sergio Faria
05. Um urro de liberdade de Paulo Polzonoff Jr


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2004
01. Canto Infantil Nº 3: Série Vaga-lume - 30/1/2004
02. Max Weber desencantado - 2/4/2004
03. Aina: dos álbuns conceituais até a ópera-rock - 6/8/2004
04. Laymert politizando novas tecnologias - 12/3/2004
05. Romaria e prece em Guatapará - 20/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PINHO PINHEIRO PINHAO
L. MARQUES
MELHORAMENTOS
R$ 6,00



GONZO!
ARTHUR VERISSMO
REALEJO
(2014)
R$ 38,00



HISTÓRIA DA CIVILIZAÇÃO - ANTIGUIDADE
ANTÓNIO G. MATTOSO
SÁ DA COSTA
(1952)
R$ 14,98



OS MAIS BELOS CONTOS DE PERRAULT COLEÇÃO GRANDES ILUSTRADORES DA ES...
MICHAEL FIODOROV ILUSTRADOR
CIVILIZAÇÃO
(1993)
R$ 22,33



O OUTRO DESAFIO
JULIO LOBOS
JULIO LOBOS
(1987)
R$ 5,90



O DINHEIRO
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
(1975)
R$ 6,00



O CÉU JÁ TEM ANJOS DEMAIS
ROSANE FRERICHS
FTD
(1996)
R$ 5,00



ESCULTURA AVENTURA
KATIA CANTON
DIFUSÃO CULTURA DO LIVRO
(2009)
R$ 23,50



LIVING IN SIN? A BISHOP RETHINKS HUMAN SEXUALITY
JOHN SHELBY SPONG
HARPER AND ROW, PUBLISHERS
(1990)
R$ 30,00
+ frete grátis



MULHERES DO RIO
ANTÔNIO JOSÉ DE MOURA
GLOBAL
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
58424 visitas/dia
1,8 milhão/mês