Quando escrevo, tenho dito | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O historiador das idéias
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
Mais Recentes
>>> Mistérios Divinos de Neil Gaiman e P. Craig Russel pela Devir (2006)
>>> HQ A Lenda do Batman - Batman e Filho de Bob Kane e Bill Finger pela Eaglemoss Collections (2017)
>>> Metade é Verdade, o Resto é Invenção de Pedro Antônio de Oliveira pela Formato (2007)
>>> HQ Os X-Men - Ameaça do Fanático! e A Origem do Professor X de Biblioteca Histórica Marvel vol. 2 pela Panini Books (2022)
>>> HQ O Espetacular Homem-Aranha - De Volta Ao lar de A Col. Oficial de Graphic Novels 21 pela Salvat (2013)
>>> Hq Homem-Aranha - O Nascimento de Venom de A Col. Definitiva Marvel 18 pela Salvat (2017)
>>> HQ Homem-Aranha - Inferno de A Col. Definitiva Marvel 28 pela Salvat (2018)
>>> HQ Os Novos Titãs - A Origem de Lilith de Marv Wolfman - José Luis pela Panini Comics (2019)
>>> HQ Homem-Aranha - O Rapto de Mary Jane de Col. Definitiva Marvel 24 pela Salvat (2018)
>>> HQ A Mulher Invisível - Os Heróis Mais Poderosos da Marvel 16 de Marvel comics pela Salvat (2015)
>>> Para Tão Longo Amor de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (2003)
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/5/2004
Quando escrevo, tenho dito
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos

Quando eu escrevo, escrevo para sanar uma coisa que me acontece por dentro. Esse é o primeiro motivo, e é suficientemente forte. Apenas ele bastaria para justificar os poemas, os contos, as crônicas. Mas ele também justificaria diários e cartas de amor. Portanto, preciso de mais motivos para explicar por que razão publico os textos que escrevo.

Quando publico o que escrevo, penso em ficar na inteligência coletiva para além do meu corpo, para o tempo além do que depende de eu estar viva para que ouçam minha voz. Penso no mínimo que me poderia fazer pensar que sou infinita, talvez uma ninfa imortal, uma sacerdotisa poética. Esse mínimo é um poema. Um poema que, se lido hoje, amanhã ou séculos adiante, reverbera minha persona poetisa. Publico para entrar na ciranda das pessoas que se acharam injustiçadas por não serem retornáveis como as garrafas de vidro.

Quando percebo que lêem o que publico, fico acesa. Ficam meus sentidos móveis e percebo quando falam de mim. Ai de mim se falam bem. É uma pequena felicidade de segundos. Mas se não falam, constato meu domínio, meu limite, meu avesso, meu terreno grilado, a fronteira da minha terra cultivada com a fronteira estética do outro. E respeito. Mesmo se ele não me respeitar, eu o respeito.

Percebo que, ainda que o outro não tenha gostado do meu mínimo imortal, o livro exerceu sua função, que é a de ser lido. Chegou aos olhos ávidos d'alguém, só não obteve boa fama. E ainda isso será motivo de discussão, porque um outro alguém ávido terá lido e terá gostado do meu pouco exíguo chão de letras.

Quando alguém me diz que gosta e me pergunta o que foi que eu quis dizer, eu reivindico meu direito de querer ter dito exatamente aquilo que disse. Quando escrevo, não penso em levantar lírica, discussão, reflexão. Quando escrevo penso justo naquilo, e escrevo um cruzamento fértil de sentidos para que alguém desloque um pouco da linguagem que fala para o espaço da linguagem que sente.

Quando escrevo, penso nas palavras, mas elas me vêm hipertextuais. Vêm coligadas, plantam-se. Não penso no além delas. Penso nelas, na música, no ritmo e adoro uma rima. Não dou um poema por acabado enquanto ele não me cede a rima que tem, sempre tem. Quando não rima, ao menos uma vez, parece-me mutilado. E quando as sílabas podem ser lidas quase cantadas, aí é que me dou por satisfeita e me regalo.

Quando escrevo, penso por escrito. Não calculo, não domino, não limo, não burilo. Quando escrevo, tenho dito.

Conto
em outros tempos, ele havia sido meu amante preferido. era grosseiro, louro, louco, bebum e bélico. e o mais interessante: tinha uma noivinha. andava quase sempre com a aliança brilhante na mão esquerda, o que lhe caía muito bem. dizia que a noivinha também usava o anel com orgulho. e eu achava aquilo uma graça. quando ele ia se encontrar comigo em nosso hotelzinho de quinta, ele me dizia pra esperar, voltava do banheiro cheio de gotas d'água pelo corpo, cabelos molhados e sem a aliancinha. e eu, alegria, pedia pra ele colocar o anelzinho no dedo, que queria ver. ele ficava um tanto constrangido, mas atendia. ele sempre me atendia. quando eu pedia pra ir mais rápido, mais devagar, pra sair, pra entrar, pra rir, pra chorar. ficava um pouco corado quando eu pedia pra bater, mas acabava atendendo aos meus pedidos sussurrantes. mas naquele dia, ele teve qualquer acesso de fúria que não compreendi. foi quando pedi que, da próxima vez, ele trouxesse a noivinha. ele saiu de cima de mim num rompante, mudou da voz de tolo para a voz de macho, apontou em minha cara o dedo em riste e disse, quase sem categoria: "ela não. mantenha-a fora desta putaria". não entendi, mas confessei: "eu adoro o cheiro que fica em você, o da sua noivinha".

Esta é pra quem ainda não havia me visto assim...

Prenha, embuchada e grávida. Há quem ache bonita esta aparência meio cocoon, meio kinder ovo (com surpresa!). Há quem não goste muito e prefira aquela visual seco e sinuoso das mulheres em estado não-interessante. O fato é que Eduardo tem sido reverenciado por onde passa, alocado, apinhado e inquilinado aqui na minha barriga, preferencialmente alojado do lado direito de mim. Quando fui fazer prova no Exército, teve oficial vindo oferecer os serviços médicos, soldado acompanhando pra descer as escadas e interrupção do tráfego na faixa de pedestres pra a madame aqui passar sem riscos. Também a moça frentista do posto de gasolina já está íntima de Edu: "comé que tá o Dudu?". Além dela, todas as vendedoras de lojas dos mais variados produtos: "ai, que barriga linda! tá de quantos meses?". E quando respondo que são oito a galera derrete: "ah, mas tá quase! que grávida linda!". Então estamos conversados: mamãe e papai urso estão felizardos, montando casinha pro bebê, bercinho de madeira maciça, vovôs e vovós querendo mimar neném, mamãe peituda. E os amigos de bom astral estão todos convidados pro chá de fraldas virtual.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 19/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
02. Os burocratas e a literatura de Celso A. Uequed Pitol
03. Mondrian: a aventura espiritual da pintura de Jardel Dias Cavalcanti
04. A origem da dança de Jardel Dias Cavalcanti
05. Em defesa dos roteiristas de quadrinhos de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
04. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004
05. Literatura como arte - 25/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Embaixador
Morris West
Record
(1965)



Paula de São Paulo 6ªedição (1997)
Mariângela Bueno, Sonia Dreyfruss
Callis
(1997)



Angel
Roberto Shinyashiki
Gente
(1993)



Eu Fico Loko 1
Christian Figueiredo de Caldas
Novas Paginas
(2015)



Manual de Tributos da Atividade Rural
Pedro Einstein dos Santos Anceles
Atlas
(2002)



O Homem Mais Rico da Babilônia
George S Clason
Harper Collins
(2019)



Ler, Viver e Amar
Jennifer Kaufman
Casa da Palavra
(2011)



O Corcunda de Notre-dame série Reencontro
Victor Hugo (adaptação José Angeli)
Scipione
(2002)



Desenvolvimento e Mudança Social: Formação da Sociedade(1978)
Juarez Rubens Brandão Lopes
Scielo - Centro Edelstein
(1978)



Dizimo e Oferta na Comunidade
Antoninho Tatto
O Recado
(1983)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês