Quando escrevo, tenho dito | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> Comportamento Organizacional - Criando Vantagem Competitiva 3° Edição de Wagner e Hollenbeck pela Saraiva (2010)
>>> Viver sem Temor de J. Krishnamurti pela J. Krishnamurti (1959)
>>> Casa do Pesadelo - a Sonâmbula de Diane Hoh pela Rocco (2000)
>>> Choro Duetos: Volume 2 de Pixinguinha e Outros pela Irmãos Vitale (2011)
>>> O Brasil na Virada do Seculo: o Debate Daion) de Marco Antonio Gonçalves; Glaucia Villas Bôas pela Relume Dumara (1995)
>>> Clínica Lacaniana: Publicação de Psicanálise da Biblioteca Freudiana B de Outros pela Bfb
>>> Revista Jurídica do Ministério Público Catarinense (atuação) de Prêmio Nilton Leite da Costa pela N/d (2007)
>>> Os Riscos do Saber: Obstáculos do Desenvolvimento à Aprendizagem Esc.. de Karen Zelan pela Artes Médicas
>>> Coração, Cabeça e Estômago de Camilo Castelo Branco pela Globus (2011)
>>> Rainha de Copas de Colleen Oakes pela Universo dos Livros (2014)
>>> Mamografia: Posicionamentos Radiológicos - Com Cd Incluso de Nancy de Oliveira Costa pela Corpus (2008)
>>> A Oração Que Jesus nos Ensinou de Michael H. Crosby pela Paulus
>>> Uma Palavra... Tantas Palavras de Regina Costa pela Paulinas (1998)
>>> Por Que os Homens Têm Tetas? de Mark e Goldenberg Leyner pela Planeta (2005)
>>> Postfix de Richard Blum pela Sams
>>> A Nova Civilização do Terceiro Milênio de Pietro Ubaldi pela Fundápu (1982)
>>> São Tomé e Príncipe, África - Desafios Socioambientais Volume 2 ... de Norma Valencio Jacy Braga Rodrigues (org.) pela Rima (2010)
>>> Pensar El Bicentenario de Andrea Lázaro pela La Comuna (2010)
>>> Ética Teológica de Pe. João A. Konzen pela Paulinas (2007)
>>> A Vida no Aquário de Nilson Araujo e Gastão Botelho pela Nobel (1984)
>>> Brincando Com Palitos e Adivinhações de Marcos Teodorico Pinheiro de Almeida pela Vozes (2007)
>>> Memória de Elefante de António Lobo Antunes pela Folha de São Paulo (2012)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo
>>> Você Pode Curar Sua Vida: Como Despertar Ideias Positivas, Superar... de Louise L. Hay pela Bestseller (1984)
>>> Conclusoes 10 de Ivaldo Lopes pela Do Autor
COLUNAS

Quarta-feira, 19/5/2004
Quando escrevo, tenho dito
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4100 Acessos

Quando eu escrevo, escrevo para sanar uma coisa que me acontece por dentro. Esse é o primeiro motivo, e é suficientemente forte. Apenas ele bastaria para justificar os poemas, os contos, as crônicas. Mas ele também justificaria diários e cartas de amor. Portanto, preciso de mais motivos para explicar por que razão publico os textos que escrevo.

Quando publico o que escrevo, penso em ficar na inteligência coletiva para além do meu corpo, para o tempo além do que depende de eu estar viva para que ouçam minha voz. Penso no mínimo que me poderia fazer pensar que sou infinita, talvez uma ninfa imortal, uma sacerdotisa poética. Esse mínimo é um poema. Um poema que, se lido hoje, amanhã ou séculos adiante, reverbera minha persona poetisa. Publico para entrar na ciranda das pessoas que se acharam injustiçadas por não serem retornáveis como as garrafas de vidro.

Quando percebo que lêem o que publico, fico acesa. Ficam meus sentidos móveis e percebo quando falam de mim. Ai de mim se falam bem. É uma pequena felicidade de segundos. Mas se não falam, constato meu domínio, meu limite, meu avesso, meu terreno grilado, a fronteira da minha terra cultivada com a fronteira estética do outro. E respeito. Mesmo se ele não me respeitar, eu o respeito.

Percebo que, ainda que o outro não tenha gostado do meu mínimo imortal, o livro exerceu sua função, que é a de ser lido. Chegou aos olhos ávidos d'alguém, só não obteve boa fama. E ainda isso será motivo de discussão, porque um outro alguém ávido terá lido e terá gostado do meu pouco exíguo chão de letras.

Quando alguém me diz que gosta e me pergunta o que foi que eu quis dizer, eu reivindico meu direito de querer ter dito exatamente aquilo que disse. Quando escrevo, não penso em levantar lírica, discussão, reflexão. Quando escrevo penso justo naquilo, e escrevo um cruzamento fértil de sentidos para que alguém desloque um pouco da linguagem que fala para o espaço da linguagem que sente.

Quando escrevo, penso nas palavras, mas elas me vêm hipertextuais. Vêm coligadas, plantam-se. Não penso no além delas. Penso nelas, na música, no ritmo e adoro uma rima. Não dou um poema por acabado enquanto ele não me cede a rima que tem, sempre tem. Quando não rima, ao menos uma vez, parece-me mutilado. E quando as sílabas podem ser lidas quase cantadas, aí é que me dou por satisfeita e me regalo.

Quando escrevo, penso por escrito. Não calculo, não domino, não limo, não burilo. Quando escrevo, tenho dito.

Conto
em outros tempos, ele havia sido meu amante preferido. era grosseiro, louro, louco, bebum e bélico. e o mais interessante: tinha uma noivinha. andava quase sempre com a aliança brilhante na mão esquerda, o que lhe caía muito bem. dizia que a noivinha também usava o anel com orgulho. e eu achava aquilo uma graça. quando ele ia se encontrar comigo em nosso hotelzinho de quinta, ele me dizia pra esperar, voltava do banheiro cheio de gotas d'água pelo corpo, cabelos molhados e sem a aliancinha. e eu, alegria, pedia pra ele colocar o anelzinho no dedo, que queria ver. ele ficava um tanto constrangido, mas atendia. ele sempre me atendia. quando eu pedia pra ir mais rápido, mais devagar, pra sair, pra entrar, pra rir, pra chorar. ficava um pouco corado quando eu pedia pra bater, mas acabava atendendo aos meus pedidos sussurrantes. mas naquele dia, ele teve qualquer acesso de fúria que não compreendi. foi quando pedi que, da próxima vez, ele trouxesse a noivinha. ele saiu de cima de mim num rompante, mudou da voz de tolo para a voz de macho, apontou em minha cara o dedo em riste e disse, quase sem categoria: "ela não. mantenha-a fora desta putaria". não entendi, mas confessei: "eu adoro o cheiro que fica em você, o da sua noivinha".

Esta é pra quem ainda não havia me visto assim...

Prenha, embuchada e grávida. Há quem ache bonita esta aparência meio cocoon, meio kinder ovo (com surpresa!). Há quem não goste muito e prefira aquela visual seco e sinuoso das mulheres em estado não-interessante. O fato é que Eduardo tem sido reverenciado por onde passa, alocado, apinhado e inquilinado aqui na minha barriga, preferencialmente alojado do lado direito de mim. Quando fui fazer prova no Exército, teve oficial vindo oferecer os serviços médicos, soldado acompanhando pra descer as escadas e interrupção do tráfego na faixa de pedestres pra a madame aqui passar sem riscos. Também a moça frentista do posto de gasolina já está íntima de Edu: "comé que tá o Dudu?". Além dela, todas as vendedoras de lojas dos mais variados produtos: "ai, que barriga linda! tá de quantos meses?". E quando respondo que são oito a galera derrete: "ah, mas tá quase! que grávida linda!". Então estamos conversados: mamãe e papai urso estão felizardos, montando casinha pro bebê, bercinho de madeira maciça, vovôs e vovós querendo mimar neném, mamãe peituda. E os amigos de bom astral estão todos convidados pro chá de fraldas virtual.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 19/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Mamãe falhei de Luís Fernando Amâncio
02. Faça você mesmo: a história de um livro de Luís Fernando Amâncio
03. Nos porões da ditadura de Luís Fernando Amâncio
04. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
05. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Para gostar de ler - 11/8/2004
04. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Evangelho por Dentro
Paulo Alves Godoy
Feesp
(2015)



Aumente o Poder do seu Cérebro
John Medina
sextante
(2010)



Dança Mistica
Angelis de Maria
livre expressão
(2003)



Livro - Os Grandes Líderes: Eisenhower
Peter Lars Sandberg
Nova Cultural
(1987)



O Menino no Espelho - Confira!
Fernando Sabino
Record
(1985)



Desenvolvendo a Cultura de Avaliação Em Organizações da Sociedade
Thomaz Chianca, E. Marino, Laura Schiesari
Global
(2001)



A Verdade de Nostradamus Edições da Mediunidade
L. Palhano Jr.
autograf
(1988)



Livro - Profundamente Sua - o Doce e Perigoso Limite da Obsessão...
Sylvia Day, Alexandre Boide
Paralela
(2012)



Coleção a Obra-prima de Cada Autor - Várias Histórias
Machado de Assis
Martin Claret
(2002)



Livro - O Guardião de Memórias
Kim Edwards
Sextante
(2007)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês