Uma grata surpresa | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 15/6/2004
Uma grata surpresa
Luis Eduardo Matta

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A primeira impressão que um leitor mais rodado tem ao iniciar a leitura de A Idade Perfeita (tradução de Y.A. Figueiredo; Rocco; 157 páginas; 2003) é de um indisfarçável déjà-vu. Isso porque enredos sobre a reminiscência de intensos amores proibidos, perdidos nas brumas do passado, porém ainda perturbadoramente acesos na memória e no coração do narrador, já foram incansavelmente explorados em vários campos da ficção. A impressão, felizmente, é passageira e o que o avançar das páginas deste cativante romance, ambientado no interior da Sicília nos revela é a sensibilidade de um hábil escritor italiano, Roberto Cotroneo, ainda desconhecido no Brasil, que, pouco a pouco nos envolve numa teia de acontecimentos, centrados num sugestivo e sensual triângulo amoroso.

O protagonista do livro é um professor italiano, que imerge nas lembranças de uma paixão avassaladora vivida com duas jovens irmãs, Francesca e Nunzia Pirandello, paixão esta deflagrada pela leitura de trechos do Cântico dos cânticos, texto de Salomão presente no Velho Testamento. Os versos bíblicos, uma metáfora do amor a Deus, que enaltece a pureza e a inocência, transformam-se, no livro, numa poesia carregada de sensualidade, utilizada como uma espécie de código de comunicação entre o professor e suas duas amadas. Foi Francesca, a irmã mais velha, quem se valeu, primeiro, do artifício. Nessa época, ambos moravam na Alemanha; ele, lecionando italiano e ela, acompanhando a família e o pai, que dava aulas de filologia romana. Tempos mais tarde, o professor decide viajar à pequena cidade siciliana à procura de Francesca e é contratado por uma escola para ensinar latim e grego. Lá ele conhece Nunzia, de 16 anos, única aluna entre seis homens matriculados na classe. Quando, durante uma aula, ele declama o Cântico dos Cânticos, Nunzia assimila os versos como sendo uma mensagem para ela e o que surge daí é um ardoroso romance e uma obsessão irrefreável do professor pela jovem, que passa a ocupar todos os seus pensamentos, fazendo com que a paixão por Francesca, forte o bastante para haver motivado a sua vinda à Sicília, vá minguando até praticamente desaparecer.

Narrando na primeira pessoa, Cotroneo - escritor laureado em 1996 com o Selezione Campiello, um dos principais prêmios literários da Itália pelo seu romance Presto con Fuoco (tradução de Marco Lucchesi; Record; 240 páginas; 1999) - nos conduz pelos labirintos dos pensamentos do protagonista e consegue reproduzir os sons, cheiros e a atmosfera ao mesmo tempo singela e opressiva da pequena cidade siciliana, cuja população provinciana, em dado momento, descobre que o romance do professor com Nunzia teve origem na leitura de um texto sagrado e se revolta, julgando tratar-se de um ato demoníaco. O grande diferencial deste livro para outras narrativas do gênero, além da intensidade da história, é a presença de duas personagens "inanimadas", por assim dizer, mas que no livro ganham uma relevância tão grande quanto a dos próprios protagonistas, a ponto de se tornarem fundamentais: a primeira, os próprios versos bíblicos, cujo sentido, dependendo da mente que o interpreta, pode oscilar entre a pureza religiosa e a lascívia explícita. Um argumento bastante interessante nos dias que correm, quando textos sagrados como a Bíblia e o Corão, vêm sendo sistematicamente utilizados por governos, terroristas e oportunistas para manipular opiniões, arregimentar rebanhos de fanáticos simpatizantes e justificar ações injustificáveis. A segunda, é o exótico e vasto jardim interno erguido por um arquiteto alemão no antigo e decadente casarão barroco dos Pirandello, indevassável aos olhares da rua, cercado por muros inexpugnáveis e permeado por uma atmosfera encantatória de magia e mistério, onde Nunzia, para quem o Cântico se tornara "um breviário, um manual escandaloso para uso pessoal" conduz o professor até o abrigo de uma romãzeira e, inspirada pelos versos, lambuza a boca com o vermelho do néctar das romãs doces, ofertando-as a ele como se fosse um vinho.

Se há um problema neste livro, ele se encontra na estrutura um pouco confusa da narrativa, que evidencia um compromisso muito maior do autor com o lirismo do que com a clareza. Muitas vezes as frases se embolam, alterando o ritmo da história e fazendo-a se perder, temporariamente nela mesma até se reencontrar em seguida. São, contudo, pecados menores que estão longe de obscurecer o brilho deste lindo romance, que nos leva a uma idílica incursão por paisagens e sentimentos, embriagando o imaginário de todos nós com uma leitura atraente e enternecedora.

A Primeira Noite de Um Homem causa furor nos palcos do Rio

O circuito cultural carioca entrou em polvorosa com a estréia da versão teatral de A Primeira Noite de Um Homem, eternizada no cinema na pele de Dustin Hoffman e Anne Brancoft e, aqui, protagonizada por Vera Fischer, que no ensaio geral, realizado na segunda-feira, dia 7 de junho, entrou em cena usando um par de sapatos vermelhos e nada mais. Para quem não se lembra, A Primeira Noite de Um Homem, clássico da cinematografia dos anos 60, época de fortes contestações morais e sociais, narrava os conflitos do jovem Benjamin Braddock (Hoffman), que ao regressar à sua casa após se formar na universidade, era seduzido por uma amiga de meia-idade dos seus pais, a Sra. Robinson (Brancoft). Sua paixão, contudo, era a filha desta, Elaine (Katharine Ross). É interessante notar que, na vida real, a diferença de idade entre os dois protagonistas era de apenas seis anos (Hoffmann tinha 30, enquanto Brancoft tinha 36). A peça foi escrita há quatro anos por Terry Johnson e já foi estrelada, na Broadway, por ninguém menos do que Kathleen Turner.

Não sei como foi feita a adaptação teatral, dirigida por Miguel Falabella. Aliás, tenho ido ao teatro menos do que deveria e gostaria. Talvez porque, numa das últimas vezes, eu tenha sido levado involuntariamente ao palco para uma performance interativa, cujo patético resultado (que, por uma questão de bom-gosto, prefiro me reservar o direito de não descrever aqui), não me pareceu tão engraçado a ponto de justificar as intensas gargalhadas que se multiplicavam na platéia. No caso de A Primeira Noite..., imagino que haverá uma grande afluência de público, atraído principalmente pelos atributos físicos de Vera Fischer. Isso, para mim, é um pouco preocupante porque me passa a impressão cada vez mais nítida de que o teatro, enquanto veículo de expressão cultural e artística, está se vendo forçado a adotar recursos mais agressivos para conquistar uma platéia que dá mostras de estar constantemente prestes a debandar. É claro que é sempre agradável ver uma bela mulher nua ao vivo, ainda que seja no palco. Inclusive porque, a nudez de Vera Fischer, de certo modo, reforça a histórica vocação do teatro como um espaço livre, onde é possível ir até as últimas conseqüências em nome da liberdade criativa e de pensamento. Essa vocação deve ser mantida e enaltecida. Esperamos, apenas, que o público, cada vez mais culturalmente empobrecido e impaciente com textos mais complexos, que não satisfaçam sua necessidade imediatista de humor raso e, por vezes, grotesco, não se vicie com iniciativas como essa ou então, na próxima geração, o "grande teatro", tal qual conhecemos, poderá ser condenado a uma página mofada do passado e os palcos sobreviventes, terão se convertido numa acanhada sucursal dos modismos televisivos e dos caprichos do ibope.

* Para quem quiser conferir, A Primeira Noite de Um Homem, está em cartaz desde sexta-feira, dia 11 de junho, no Teatro Clara Nunes - Rua Marquês de São Vicente, 52 - Shopping da Gávea, Rio de Janeiro.


Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 15/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ourivesaria fantasista: Saramago nas alturas de Renato Alessandro dos Santos
02. Notas confessionais de um angustiado (Final) de Cassionei Niches Petry
03. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
04. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
05. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2004
01. Os desafios de publicar o primeiro livro - 23/3/2004
02. A difícil arte de viver em sociedade - 2/11/2004
03. Beirute: o renascimento da Paris do Oriente - 16/11/2004
04. A discreta crise criativa das novelas brasileiras - 17/2/2004
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 - 13/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2004
11h37min
Luis, que bom texto vc. tem! Degustarei pouco a pouco, lenta e gradualmente. Well, foi dada a partida, a bola é sua. Bjs, Rose Schlesinger.
[Leia outros Comentários de Rose Schlesinger]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUCESSOS DA COZINHA SAUDÁVEL
ELISA BIAZZI
NATUREZA
(1997)
R$ 7,00



A HERDEIRA
HENRY JAMES
CÍRCULO DO LIVRO
(1999)
R$ 8,90



CONTABILIDADE DE CUSTOS
MARCOS FREIRE GUIMARÃES
VESTCON
(2003)
R$ 5,00



A CORAGEM DA DESESPERANÇA LACRADO NOVO
SLAVOJ ZIZEK
ZAHAR
R$ 59,90



CASA DE PENSÃO - 3ª ED. - SÉRIE BOM LIVRO
ALUÍSIO AZEVEDO
ÁTICA
(1981)
R$ 7,00



DEMOGRAFIA BRASILEIRA
PAUL HUGON
ATLAS
(1973)
R$ 11,00



TEX EDIÇÃO HISTÓRICA 89 - FANTASMAS NO DESERTO
G. L. BONELLI
MYTHOS
(2014)
R$ 14,87



O DESAFIO DAS DROGAS E O DIREITO
MENNA BARRETO
RENES
(1971)
R$ 6,00



INTRODUCCION A LA EXPLORACION CLINICA EM PEDIATRIA
PROF. A. GALDÓ
QUESADA GRANADA
(1959)
R$ 15,00



OS ECONOMISTAS - TEORIA DA ECONOMIA POLÍTICA
JEVONS
NOVA CULTURAL
(1996)
R$ 6,90





busca | avançada
71132 visitas/dia
2,6 milhões/mês