Romance quebrado de uma era fraturada | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 4/12/2007
Romance quebrado de uma era fraturada
Daniel Lopes

+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Tivesse Martín Kohan feito um romance da resistência à ditadura militar argentina, poderíamos até ter um bom livro, mas seria difícil diferenciá-lo do montante de bons romances sobre o período. A intenção com Duas vezes junho (Amauta, 2005, 148 págs.) não foi, no entanto, concorrer frontalmente com os infinitos, além de romances, filmes e estudos históricos sobre aquele que foi um dos mais sanguinários regimes políticos da América Latina. Nele, o autor se concentra em seguir vidas comuns despedaçadas pelo rolo da violência pura travestida de ideologia.

Há muitos pontos interessantes nesse romance de 2002, o quarto desse argentino nascido em 1967. Um deles é que, com a exceção de uma personagem, as figuras centrais do enredo estão todas do lado dos militares, e não do lado dos perseguidos pelo regime, como é mais comum. Não há nem mesmo qualquer referência à nomenclatura dos "inimigos da pátria", tais como vistos pelos "defensores da pátria" — "comunistas, "ateus", "subversivos", categorias nas quais entravam qualquer um que expressasse qualquer forma de oposição ao regime, por mais liberal e moderada que fosse.

Para ter uma idéia de como o livro acontece, vejamos como ele abre:

"O caderno de notas estava aberto, no meio da mesa. Havia uma só frase nessas duas páginas que estavam à vista. Dizia: 'A partir de que idade se pode começar a torturar uma criança?'"

Essas linhas já são o primeiro dos subcapítulos, que por sua vez formam dezenove capítulos em duas partes. Pulamos de uma cena a outra numa velocidade impressionante, e há vários flashbacks ao longo do caminho. Mas ainda assim, paradoxalmente, ficamos com a impressão de que nada muda e nada mudará.

A frase no caderno de notas foi vista pelo narrador, um jovem cujo nome não sabemos e que foi recém-incorporado ao Exército, onde serve como motorista do doutor Mesiano, de quem se torna grande amigo. Esse médico vive a lhe passar lições de moral sobre as coisas da vida e da caserna, e o motorista, que já ouvira pregações semelhantes do pai e ex-soldado, está genuinamente empenhado em ser um bom moço.

Logo saberemos que a mensagem que aparece no início do romance foi passada de um centro militar por um certo doutor Padilla, dirigia-se ao sargento Torres e requeria uma rápida apreciação e resposta. Esta, só quem poderia dar, por questões de hierarquia, seria o doutor Mesiano. Antes de procurá-lo, no entanto, Torres discute em seu escritório com o temeroso narrador a questão levantada por aquelas palavras no caderno de notas. Ele pondera que, se por um lado as crianças têm um imenso poder de fabulação, o que poderia atrapalhar a "busca" dos investigadores pela verdade, por outro têm muito menos resistência física que os adultos, o que poderia poupar o tempo dos mesmos investigadores.

Aí está outra interessante característica do romance, que se desenvolve de forma bem direta. Não há espaço para divagações, e é notável que nas passagens relacionadas à violência (seja a que ocorre naquele exato momento, ou a que está apenas sendo prevista ou imaginada) a linguagem seja telegráfica ou pouco mais que isso.

Pelo vai-e-vem da narrativa, já sabemos a que criança o doutor Padilla se refere na mensagem. É ao recém-nascido de uma mulher feita prisioneira, obrigada a dar à luz no cárcere, onde é constantemente espancada e violentada. As torturas são rigorosamente controladas por Padilla, que se esforça, numa fantástica inversão de significados proposta por Kohan, em "preservar a vida da detenta".

Essa detenta, cujo nome tampouco sabemos, age mais como uma sombra do que como uma personagem. Como um fantasma, é isso — ela serve mais para assombrar o leitor do que para resolver qualquer nó no romance. Ela está à beira da morte e já resistiu a toda sorte de violência sem delatar os nomes que seus algozes querem. Como estes continuam a insistir que ela fale, tramam torturar-lhe o filho para fazer chantagem.

O fato é que Padilla necessita ter sua dúvida esclarecida o mais rápido possível, pois a mãe da "criança", mesmo sem passar por novas torturas, parece que não viverá por muitas horas mais, e logicamente, depois que ela morrer, de nada adiantará infligir mal a seu filho. No entanto, Mesiano, sem prever que uma importante mensagem requerendo seu rápido parecer chegaria justamente naquela noite, já havia escapado sorrateiramente do quartel para assistir com o filho a um jogo de futebol no estádio. Estamos no ano de 1978 e a seleção argentina tem um importante compromisso. Seu motorista, o narrador, é encarregado de trazê-lo para o quartel o mais rápido possível.

Às vezes a narrativa é trespassada por detalhes técnicos do time argentino, ou por descrições de modelos de carro ou tipos de balança, o que parece ser um desafio ao leitor: terá ele capacidade para não deixar que essas passagens com explicações frias neutralizem o efeito das imagens de violência física e psicológica?

O momento central do livro é quando Mesiano, já encontrado pelo motorista (e depois de uma noite de borrachera), enfim vai ao centro militar em que Padilla está ansiosamente esperando. Os dois começam a discutir, em falas cheias de meandro, se o raquítico recém-nascido suportaria algum tipo de violência. O motorista de Mesiano, até então na presença dos dois, logo é dispensado, para que tão importante questão pudesse ser discutida mais livremente entre os superiores. A sós num corredor, exausto, ele senta-se no chão e encosta-se a uma porta, de onde saem dedos, por baixo, que lhe tocam. É a prisioneira, que passa a lhe pedir socorro em sussurros, o que não comoverá nosso amigo soldado.

Digo que esse é o momento central porque a obra carece de um final mais condizente com as expectativas que cria. Claro que o leitor perspicaz somará A com B ao final, compreendendo o tipo de relação que existia entre o nacionalista Mesiano, seu filho Sérgio e sua arredia esposa. Mas não devem ser poucos os que fecham o livro de alguma forma frustrados.

Onde Martín Kohan foi infinitamente feliz foi na criação desse narrador-personagem que não tem nome, mas tem número — o 640 que está em sua carteira de alistamento e será sorteado em programa transmitido pelo rádio, o que lhe obriga a ir se apresentar. Uma peça (ou um número) a mais na engrenagem da repressão, ele está a meio caminho entre a ingenuidade e a hipocrisia, e por precaução é bom acompanharmos sua saga com esses dois adjetivos em mente.

Nesse ponto, não há como deixar de lembrar aquele oficial nazista evocado por Primo Levi na espetacular crônica "Auschwitz, cidade tranqüila" (que traduzi em meu blog). Nela, Levi, judeu-italiano que sobreviveu a longos meses no famoso matadouro, relembra o comportamento pós-guerra de Mertens, como o chama, deprimido e sempre se isolando dos amigos. Em uma entrevista a um especialista no Holocausto, Mertens revelou que assumira o posto em Auschwitz para que um nazista não o fizesse, e que sempre procurara aliviar o sofrimento dos prisioneiros, tidos como "perigosos, bandidos e subversivos". Em uma carta a ele, no entanto, Levi não pega leve, e afirma que se Hitler subiu ao poder e devastou países foi por culpa de pessoas como ele, Mertens, que procuravam não ver o que ocorria de errado e, quando viam, calavam-se.

Refiro-me a essa crônica também para afirmar que o personagem de Kohan tem infinitamente menos capacidade de vasculhar a consciência do que o alemão da crônica de Levi, pois o soldado argentino, quatro anos depois dos acontecimentos da primeira parte de Duas vezes junho, ao invés de repensar seus atos e os de seus amigos e superiores, vai confraternizar em uma refeição na casa do ex-chefe saudoso dos "bons tempos". Um retrato fiel dos militares latino-americanos das aberturas e redemocratizações.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 4/12/2007


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
02. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007
05. A dimensão da morte - 2/8/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/11/2007
00h00min
Excelente a resenha. Mas deixa claro pra mim que jamais lerei esse livro. Qual a intenção de Kohan, o autor? Violência (ou crueldade) não se combate com palavras. Todo escritor deveria saber disso: os violentos são surdos. E uma denúncia, ou um protesto, exige comprometimento afetivo, pessoal, da parte protestante. Se um autor se isenta de uma tomada de posição ao fazer um protesto, não é mais um protesto. É uma propaganda, no sentido em que as coisas que ele escreve se propagam. Tenho minhas suspeitas de que apenas apontar o mal, nomeá-lo, dar-lhe uma forma e não tomar uma posição, é uma maneira de invocá-lo. Ótima a resenha, mas essas coisas ainda me chocam.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
4/12/2007
10h51min
Concordo com o Guga. Esse é um livro que não leria, mesmo que perpasse pelo enredo um ar de protesto velado. Deve ser interessante, mas a minha aversão à tortura e à crueldade é mais forte que a curiosidade. Basta o que vivemos e ainda estamos por viver. Constatar o que o ser humano é capaz em relação à crueldade ainda me assusta e muito. Mas não deixa de ser uma resenha muito bem escrita.
[Leia outros Comentários de Adriana]
14/12/2007
07h14min
Alguns livros são registros factuais ou mesmo dos comportamentos em determinado momento. A violência é abjeta e a tortura covarde, logo não nos esqueçamos disto; se na Argentina não houve um acerto de contas entre a sociedade e o seu passado, no Brasil tampouco houve, não nos esqueçamos disto; dentre os horrores possíveis ou dentre os terrores admitidos há uma anistia de crimes cometidos em nome de alguma coisa que se perdeu em meio a mortandade e na covardia dos militares, os daqui e os de lá. O horror que nos causa tal relato é ainda a arma dos oficiais de uma ideologia tacanha que erigidos numa hierarquia absurda aniquilava parte do povo que juraram defender. A tortura existe, faz parte do processo de depuração da democracia sul-americana com o patrocínico do Tio Sam. Excelente a sua resenha atualíssima diante da Doutrina Carter. Hoje a América Latina vive uma democracia forjada na ausência de alguns e na indiferença de outros, não nos esqueçamos...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quarteto Fantástico - o Dia do Juízo Final
Stan Lee & Jack Kirby
Salvat
(2016)



The networking survival guide
Diane Darling
MCGraw Hill
(2003)



Coisas do Destino &outras Historias
Maria Helena Whately
Vermelho Marinho
(2015)



Novo Passaporte para Língua Portuguesa 7
Norma Discini e Lucia Teixeira
Do Brasil
(2009)



O Príncipe Feliz e Outros Contos
Oscar Wilde
Ediouro
(1970)



World Tax 2018
Vários Autores
Euromoney
(2017)



Monstros Em Crise
Alcides Goulart e Roney Bunn
Jovem
(2013)



Retórica do Silêncio - teoria e prática do texto literário - 2ª ed.
Gilberto Mendonça Teles
José Olympio
(1989)



Desperte o Milionário Que Há Em Você
Carlos Wizard Martins
Gente
(2012)



The International Review of Psycho-analysis Volume 19 Special
Vários Autores
David Tuckett
(1992)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês