Romance quebrado de uma era fraturada | Daniel Lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 4/12/2007
Romance quebrado de uma era fraturada
Daniel Lopes

+ de 3500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Tivesse Martín Kohan feito um romance da resistência à ditadura militar argentina, poderíamos até ter um bom livro, mas seria difícil diferenciá-lo do montante de bons romances sobre o período. A intenção com Duas vezes junho (Amauta, 2005, 148 págs.) não foi, no entanto, concorrer frontalmente com os infinitos, além de romances, filmes e estudos históricos sobre aquele que foi um dos mais sanguinários regimes políticos da América Latina. Nele, o autor se concentra em seguir vidas comuns despedaçadas pelo rolo da violência pura travestida de ideologia.

Há muitos pontos interessantes nesse romance de 2002, o quarto desse argentino nascido em 1967. Um deles é que, com a exceção de uma personagem, as figuras centrais do enredo estão todas do lado dos militares, e não do lado dos perseguidos pelo regime, como é mais comum. Não há nem mesmo qualquer referência à nomenclatura dos "inimigos da pátria", tais como vistos pelos "defensores da pátria" — "comunistas, "ateus", "subversivos", categorias nas quais entravam qualquer um que expressasse qualquer forma de oposição ao regime, por mais liberal e moderada que fosse.

Para ter uma idéia de como o livro acontece, vejamos como ele abre:

"O caderno de notas estava aberto, no meio da mesa. Havia uma só frase nessas duas páginas que estavam à vista. Dizia: 'A partir de que idade se pode começar a torturar uma criança?'"

Essas linhas já são o primeiro dos subcapítulos, que por sua vez formam dezenove capítulos em duas partes. Pulamos de uma cena a outra numa velocidade impressionante, e há vários flashbacks ao longo do caminho. Mas ainda assim, paradoxalmente, ficamos com a impressão de que nada muda e nada mudará.

A frase no caderno de notas foi vista pelo narrador, um jovem cujo nome não sabemos e que foi recém-incorporado ao Exército, onde serve como motorista do doutor Mesiano, de quem se torna grande amigo. Esse médico vive a lhe passar lições de moral sobre as coisas da vida e da caserna, e o motorista, que já ouvira pregações semelhantes do pai e ex-soldado, está genuinamente empenhado em ser um bom moço.

Logo saberemos que a mensagem que aparece no início do romance foi passada de um centro militar por um certo doutor Padilla, dirigia-se ao sargento Torres e requeria uma rápida apreciação e resposta. Esta, só quem poderia dar, por questões de hierarquia, seria o doutor Mesiano. Antes de procurá-lo, no entanto, Torres discute em seu escritório com o temeroso narrador a questão levantada por aquelas palavras no caderno de notas. Ele pondera que, se por um lado as crianças têm um imenso poder de fabulação, o que poderia atrapalhar a "busca" dos investigadores pela verdade, por outro têm muito menos resistência física que os adultos, o que poderia poupar o tempo dos mesmos investigadores.

Aí está outra interessante característica do romance, que se desenvolve de forma bem direta. Não há espaço para divagações, e é notável que nas passagens relacionadas à violência (seja a que ocorre naquele exato momento, ou a que está apenas sendo prevista ou imaginada) a linguagem seja telegráfica ou pouco mais que isso.

Pelo vai-e-vem da narrativa, já sabemos a que criança o doutor Padilla se refere na mensagem. É ao recém-nascido de uma mulher feita prisioneira, obrigada a dar à luz no cárcere, onde é constantemente espancada e violentada. As torturas são rigorosamente controladas por Padilla, que se esforça, numa fantástica inversão de significados proposta por Kohan, em "preservar a vida da detenta".

Essa detenta, cujo nome tampouco sabemos, age mais como uma sombra do que como uma personagem. Como um fantasma, é isso — ela serve mais para assombrar o leitor do que para resolver qualquer nó no romance. Ela está à beira da morte e já resistiu a toda sorte de violência sem delatar os nomes que seus algozes querem. Como estes continuam a insistir que ela fale, tramam torturar-lhe o filho para fazer chantagem.

O fato é que Padilla necessita ter sua dúvida esclarecida o mais rápido possível, pois a mãe da "criança", mesmo sem passar por novas torturas, parece que não viverá por muitas horas mais, e logicamente, depois que ela morrer, de nada adiantará infligir mal a seu filho. No entanto, Mesiano, sem prever que uma importante mensagem requerendo seu rápido parecer chegaria justamente naquela noite, já havia escapado sorrateiramente do quartel para assistir com o filho a um jogo de futebol no estádio. Estamos no ano de 1978 e a seleção argentina tem um importante compromisso. Seu motorista, o narrador, é encarregado de trazê-lo para o quartel o mais rápido possível.

Às vezes a narrativa é trespassada por detalhes técnicos do time argentino, ou por descrições de modelos de carro ou tipos de balança, o que parece ser um desafio ao leitor: terá ele capacidade para não deixar que essas passagens com explicações frias neutralizem o efeito das imagens de violência física e psicológica?

O momento central do livro é quando Mesiano, já encontrado pelo motorista (e depois de uma noite de borrachera), enfim vai ao centro militar em que Padilla está ansiosamente esperando. Os dois começam a discutir, em falas cheias de meandro, se o raquítico recém-nascido suportaria algum tipo de violência. O motorista de Mesiano, até então na presença dos dois, logo é dispensado, para que tão importante questão pudesse ser discutida mais livremente entre os superiores. A sós num corredor, exausto, ele senta-se no chão e encosta-se a uma porta, de onde saem dedos, por baixo, que lhe tocam. É a prisioneira, que passa a lhe pedir socorro em sussurros, o que não comoverá nosso amigo soldado.

Digo que esse é o momento central porque a obra carece de um final mais condizente com as expectativas que cria. Claro que o leitor perspicaz somará A com B ao final, compreendendo o tipo de relação que existia entre o nacionalista Mesiano, seu filho Sérgio e sua arredia esposa. Mas não devem ser poucos os que fecham o livro de alguma forma frustrados.

Onde Martín Kohan foi infinitamente feliz foi na criação desse narrador-personagem que não tem nome, mas tem número — o 640 que está em sua carteira de alistamento e será sorteado em programa transmitido pelo rádio, o que lhe obriga a ir se apresentar. Uma peça (ou um número) a mais na engrenagem da repressão, ele está a meio caminho entre a ingenuidade e a hipocrisia, e por precaução é bom acompanharmos sua saga com esses dois adjetivos em mente.

Nesse ponto, não há como deixar de lembrar aquele oficial nazista evocado por Primo Levi na espetacular crônica "Auschwitz, cidade tranqüila" (que traduzi em meu blog). Nela, Levi, judeu-italiano que sobreviveu a longos meses no famoso matadouro, relembra o comportamento pós-guerra de Mertens, como o chama, deprimido e sempre se isolando dos amigos. Em uma entrevista a um especialista no Holocausto, Mertens revelou que assumira o posto em Auschwitz para que um nazista não o fizesse, e que sempre procurara aliviar o sofrimento dos prisioneiros, tidos como "perigosos, bandidos e subversivos". Em uma carta a ele, no entanto, Levi não pega leve, e afirma que se Hitler subiu ao poder e devastou países foi por culpa de pessoas como ele, Mertens, que procuravam não ver o que ocorria de errado e, quando viam, calavam-se.

Refiro-me a essa crônica também para afirmar que o personagem de Kohan tem infinitamente menos capacidade de vasculhar a consciência do que o alemão da crônica de Levi, pois o soldado argentino, quatro anos depois dos acontecimentos da primeira parte de Duas vezes junho, ao invés de repensar seus atos e os de seus amigos e superiores, vai confraternizar em uma refeição na casa do ex-chefe saudoso dos "bons tempos". Um retrato fiel dos militares latino-americanos das aberturas e redemocratizações.

Para ir além






Daniel Lopes
Teresina, 4/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
02. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
03. Omissão de Ricardo de Mattos
04. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos
05. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo


Mais Daniel Lopes
Mais Acessadas de Daniel Lopes em 2007
01. Umas e outras sobre Franz Kafka - 27/8/2007
02. O romance espinhoso de Marco Lacerda - 11/7/2007
03. Bataille, o escritor do exagero - 23/10/2007
04. A dimensão da morte - 2/8/2007
05. Dando a Hawthorne seu real valor - 2/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/11/2007
00h00min
Excelente a resenha. Mas deixa claro pra mim que jamais lerei esse livro. Qual a intenção de Kohan, o autor? Violência (ou crueldade) não se combate com palavras. Todo escritor deveria saber disso: os violentos são surdos. E uma denúncia, ou um protesto, exige comprometimento afetivo, pessoal, da parte protestante. Se um autor se isenta de uma tomada de posição ao fazer um protesto, não é mais um protesto. É uma propaganda, no sentido em que as coisas que ele escreve se propagam. Tenho minhas suspeitas de que apenas apontar o mal, nomeá-lo, dar-lhe uma forma e não tomar uma posição, é uma maneira de invocá-lo. Ótima a resenha, mas essas coisas ainda me chocam.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
4/12/2007
10h51min
Concordo com o Guga. Esse é um livro que não leria, mesmo que perpasse pelo enredo um ar de protesto velado. Deve ser interessante, mas a minha aversão à tortura e à crueldade é mais forte que a curiosidade. Basta o que vivemos e ainda estamos por viver. Constatar o que o ser humano é capaz em relação à crueldade ainda me assusta e muito. Mas não deixa de ser uma resenha muito bem escrita.
[Leia outros Comentários de Adriana]
14/12/2007
07h14min
Alguns livros são registros factuais ou mesmo dos comportamentos em determinado momento. A violência é abjeta e a tortura covarde, logo não nos esqueçamos disto; se na Argentina não houve um acerto de contas entre a sociedade e o seu passado, no Brasil tampouco houve, não nos esqueçamos disto; dentre os horrores possíveis ou dentre os terrores admitidos há uma anistia de crimes cometidos em nome de alguma coisa que se perdeu em meio a mortandade e na covardia dos militares, os daqui e os de lá. O horror que nos causa tal relato é ainda a arma dos oficiais de uma ideologia tacanha que erigidos numa hierarquia absurda aniquilava parte do povo que juraram defender. A tortura existe, faz parte do processo de depuração da democracia sul-americana com o patrocínico do Tio Sam. Excelente a sua resenha atualíssima diante da Doutrina Carter. Hoje a América Latina vive uma democracia forjada na ausência de alguns e na indiferença de outros, não nos esqueçamos...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PENSADORES
MARIO VITOR SANTOS
REALEJO
(2015)
R$ 54,90



O FUTURO DO CAPITALISMO
LESTER C. THUROW
ROCCO
(1997)
R$ 10,00



O LIVRO ONTEM HOJE E AMANHÃ
GUILHERMO DÍAZ PLAJA
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



DELTORA QUEST 3 - A ILHA DOS MORTOS
EMILY RODDA
FUNDAMENTO
(2007)
R$ 10,00



AS VIAGENS DE MARCOS POLO
CARLOS HEITOR CONY E LENRIA ALCURE
EDIOURO PUBLISHING
(2005)
R$ 20,00
+ frete grátis



INTERPRETAÇÃO SINTÉTICA DO APOCALIPSE
CAIRBAR SCHUTEL
AMANTES DA POBREZA
(1977)
R$ 9,00



A QUINTA DISCIPLINA
PETER M. SENGE
BEST SELLER
(2013)
R$ 50,00



EXPRESSO DO ORIENTE
GRAHAM GREENE
ESTADÃO
(1997)
R$ 4,00



MAD MARIA
MARCIO SOUZA
CIRCULO DO LIVRO
R$ 10,00



COZINHA SABOROSA COM MENOS GORDURA E COLESTEROL
CHRISTINE FRANCE
MELHORAMENTOS
(1997)
R$ 10,00





busca | avançada
36970 visitas/dia
1,4 milhão/mês