Tiranos, de Antonio Ghirelli | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/7/2004
Tiranos, de Antonio Ghirelli
Ricardo de Mattos

+ de 7000 Acessos

O livro Tiranos do escritor e jornalista italiano Antonio Ghirelli tanto pode ser uma introdução quanto uma síntese. Se o jovem leitor inicia-se na crónica política do século XX, encontra um companheiro e guia honesto. Ao contrário, não será surpreendido quem já enfrentou uma bibliografia significativa. Basta observar a desenvoltura do escritor, pressupondo de quem lê um conhecimento mínimo sobre os países, pessoas e regimes dos quais fala. O autor escolheu sete entre os vários ditadores do século XX e dedicou um ensaio para cada: Iosif Stalin, Benito Mussolini, Adolf Hitler, Francisco Franco, Mao Tse-tung, Augusto Pinochet e Saloth Sar, o "Pol Pot". A selecção, se padece pela obviedade - faltou o português Salazar, Fidel Castro, Saddan Hussein, os brasileiros, os africanos - tem méritos pela escrita, pois a exposição é completa inda que sucinta, trazendo os factos sem rodeios nem especulações, mas com o recuo no tempo que se fizer necessário para a boa compreensão. Ensaios jornalísticos escritos por um historiador político de escol.

Interpretar todas estas personalidades através de factos marcantes da infância ou das relações familiares é fácil demais e inexacto. Hitler manteve com o pai divergências quanto à escolha da carreira. Pouco sabe-se a respeito da meninice de Pol Pot e nada fala-se sobre a de Pinochet. Stálin teve o relacionamento filial mais tumultuado. Os movimentos imperfeitos do braço esquerdo decorreriam de uma lesão causada pelo pai ao espancá-lo, o pai contra o qual certo dia atirou uma faca: estamos no cenário d'Os Irmãos Karamazov. Francisco Franco y Bahamonde, o "galego" nasceu da união entre um libertino e uma carola. Sofria pela baixa estatura, tendência a engordar e também pela voz fina. Era aluno exemplar, o que muitas vezes significa ser alvo dos colegas: chamavam-no señorita. Na família Franco, o velho Nicolas não fez grande caso da carreira militar e política do filho. Constrangeu-o ao morrer n'um bordel no ano seguinte ao término da Guerra Civil e da tomada do poder. Ghirelli equilibra muito bem estes factos secundários com as informações políticas de primeiro plano.

A crueldade cometida pelos ditadores, muitas vezes pessoalmente, é um tema de infelizes novidades. Sempre há algo pior revelado por investigações ou depoimentos de sobreviventes. A vida, a integridade física e a moral, os direitos de família, a honra e a propriedade são os alvos principais. A propriedade é mais afetada nos regimes de esquerda, com os ideais de repartição do património. Salvador Allende, presidente de esquerda, promoveu a reforma agrária no Chile, descontentando os proprietários rurais. Coube a Pinochet restaurar os domínios particulares. Se um errou ao tomar, outro errou na forma como devolveu. Seus opositores eram lançados de aviões em pleno vôo, ou sobre o mar, ou sobre rochedos. Hitler confiscou a propriedade dos judeus, mas isso foi o de menos, ante as atrocidades contra cada um dos que enviou para o campo de concentração. O Führer, não o desculpando, mas mostrando as variáveis da Loucura, criou campos para extermínio de determinada raça. Pol Pot transformou o país inteiro n'um campo de martírio. Distinguia apenas entre aqueles que aderiram de imediato a sua revolução - Velhos - e aqueles que demoraram - os Novos. Para uns e outros, a ração diária de arroz equivalia a meia latinha de leite condensado. Com sua ferocidade, eliminou a oitava parte da população do Camboja. Uns queriam impor e manter o governo pessoal a todo custo e por todos os meios - Franco. Outros, além disso, pareciam sentir necessidade de transformar primeiro a pessoa em coisa, eliminar-lhe a individualidade, aniquilá-la, para só então destruí-la.

Constante n'esses regimes a fogueira de livros. Quer a fogueira selectiva nazista, quer a fogueira absoluta de Pol Pot, dando sempre lugar a novas Alexandrias. Se os próprios tiranos não eram pessoas destacadas pela cultura, imagine-se os executores de suas ordens. No Chile, tal era o ódio a Fidel Castro, que por via das dúvidas queimou-se, relata Ghirelli, um livro sobre "cubismo". Os amantes olhem à volta e imaginem seus livros sendo jogados da prateleira ao chão e rasgados. Da mesma maneira, não se podia esperar muito da Imprensa. Ou ela foi abolida - Camboja, sempre com os casos extremos -, ou foi censurada - um controle parcial -, ou mesmo posta sob controle estatal absoluto. A segunda opinião foi sempre clandestina. Benito Mussolini fugiu à regra porque possuía pendores jornalísticos e foi orador exibicionista. D'esta forma fundou e dirigiu jornais como A Luta de Classe, Avanti!, Il Popolo d'Itália e não impediu os primeiros passos do rádio. Não se deve esquecer que a censura não se manifestava apenas na exclusão do texto, mas também na aplicação de multa, suspensão ou prisão do redator, do editor, suspensão ou cassação da licença de funcionamento. Franco resgatou algo comum no tempo da Santa Inquisição, a autorização prévia obtida por uma espécie de auto-censura. O jornalista apresentava o texto á autoridade responsável e aguardava a concessão ou não do imprimatur. Já Mao queria impor a infalibilidade do seu Livro Vermelho, anteriormente conhecido como Citações do Presidente Mao.

Tiranos ajudou-me a descobrir algo. Anos atrás comprei Os Protocolos dos Sábios de Sião, um livro indecente e inútil, que sequer terminei de ler e joguei n'algum canto. Não sabia, contudo, de sua autoria e origem. Lendo o capítulo acerca de Hitler, descobri tratar-se de documento falso publicado como autêntico por Julius Streicher, um professor primário nazista sem ocupação maior que a de inventar boatos. Minha edição dos Protocolos ... não tem nome de autor, nem editora, nem introdução. Sabe-se lá quem está lendo esta tranqueira e de que modo.

Ghirelli não é muito bem sucedido ao apresentar Mussolini como uma exceção ao rol de ditadores. Praticamente afirma que o Duce cometeu seus desatinos influenciado pelas más companhias. Conforme o ensaísta, faltaram-lhe "a crueldade abstrata e sistemática, um prazer sádico em fazer o mal, a fantasia paranóica em inventar práticas das mais cruéis". É o mero recurso retórico de ceder em parte para conquistar ganhar o todo. Os motivos apresentados para justificar as decisões do ditador italiano podem ser utilizadas em favor do chileno e do espanhol. Tenha-se em mente que Franco recebeu auxílio militar alemão e italiano durante a Guerra Civil, mas depois fechou-se em seu reino. O galego assassinou milhares de opositores e não concedeu grande segurança aos partidários. Contudo, se Mussolini pode ter suas culpas atenuadas por "não ter ordenado massacres, nem de ter encarcerado os dissidentes em campos de concentração", Franco e Pinochet também o podem. Nos primeiros anos da ditadura chilena, o Estádio Nacional foi utilizado como uma grande prisão, e comparado aos campos de concentração mais pela semelhança física, do que pela destinação definitiva.

Dos sete tiranos retratados, apenas Augusto Pinochet ainda vive. Stálin morreu após uma dolorosa agonia. Hitler fez jus a sua personalidade suicidando-se, mas bem poderia ter poupado sua cadela Blondie. Mussolini linchado e, depois de morto, teve seu cadáver arrastado pelas ruas, espancado, urinado e enforcado. Mao e Franco deixaram o cargo e morreram anos depois, tendo o segundo tempo de preparar seu sucessor, o actual rei Juan Carlos. Pol Pot teve seu fim em meio as matas cambojanas, maltratado pela malária até o infarto final. Dizem os espíritas que após a morte os espíritos vão para o lugar que, através exclusivamente dos seus actos, fizeram por merecer. Deus tenha por estas almas a misericórdia que elas não tiveram.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 15/7/2004


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Colunáveis
Dominick Dunne
Record
(1994)



José e Maria - as Mais Famosas Histórias da Bíblia
Cedic
Cedic
(2013)



O Fluminense Me Domina!
Heitor Dalincourt
Leitura
(2009)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



The Uses of Science in the Age of Newton
John G. Burke (edited)
University of California Press
(1983)



Dialogue Avec Mon Psychanalyste
Simone Korff Sausse
Hachette
(2001)



Tiradentes o Herói Que Inventou a Pátria
Vários Autores
Lições de Minas



As Religiões na História: Judaísmo Dispersão e Unidade
Moacyr Scliar
Atica
(1994)



Brussels, Bruges, Ghent& Antwerp Eyewitness Top 10
Antony Mason
Dk Travel Guides
(2010)



Controle do Uso do Solo Urbano
Serfhau
Min Interior; Serfhau
(1974)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês