Tiranos, de Antonio Ghirelli | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
74821 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/7/2004
Tiranos, de Antonio Ghirelli
Ricardo de Mattos

+ de 6500 Acessos

O livro Tiranos do escritor e jornalista italiano Antonio Ghirelli tanto pode ser uma introdução quanto uma síntese. Se o jovem leitor inicia-se na crónica política do século XX, encontra um companheiro e guia honesto. Ao contrário, não será surpreendido quem já enfrentou uma bibliografia significativa. Basta observar a desenvoltura do escritor, pressupondo de quem lê um conhecimento mínimo sobre os países, pessoas e regimes dos quais fala. O autor escolheu sete entre os vários ditadores do século XX e dedicou um ensaio para cada: Iosif Stalin, Benito Mussolini, Adolf Hitler, Francisco Franco, Mao Tse-tung, Augusto Pinochet e Saloth Sar, o "Pol Pot". A selecção, se padece pela obviedade - faltou o português Salazar, Fidel Castro, Saddan Hussein, os brasileiros, os africanos - tem méritos pela escrita, pois a exposição é completa inda que sucinta, trazendo os factos sem rodeios nem especulações, mas com o recuo no tempo que se fizer necessário para a boa compreensão. Ensaios jornalísticos escritos por um historiador político de escol.

Interpretar todas estas personalidades através de factos marcantes da infância ou das relações familiares é fácil demais e inexacto. Hitler manteve com o pai divergências quanto à escolha da carreira. Pouco sabe-se a respeito da meninice de Pol Pot e nada fala-se sobre a de Pinochet. Stálin teve o relacionamento filial mais tumultuado. Os movimentos imperfeitos do braço esquerdo decorreriam de uma lesão causada pelo pai ao espancá-lo, o pai contra o qual certo dia atirou uma faca: estamos no cenário d'Os Irmãos Karamazov. Francisco Franco y Bahamonde, o "galego" nasceu da união entre um libertino e uma carola. Sofria pela baixa estatura, tendência a engordar e também pela voz fina. Era aluno exemplar, o que muitas vezes significa ser alvo dos colegas: chamavam-no señorita. Na família Franco, o velho Nicolas não fez grande caso da carreira militar e política do filho. Constrangeu-o ao morrer n'um bordel no ano seguinte ao término da Guerra Civil e da tomada do poder. Ghirelli equilibra muito bem estes factos secundários com as informações políticas de primeiro plano.

A crueldade cometida pelos ditadores, muitas vezes pessoalmente, é um tema de infelizes novidades. Sempre há algo pior revelado por investigações ou depoimentos de sobreviventes. A vida, a integridade física e a moral, os direitos de família, a honra e a propriedade são os alvos principais. A propriedade é mais afetada nos regimes de esquerda, com os ideais de repartição do património. Salvador Allende, presidente de esquerda, promoveu a reforma agrária no Chile, descontentando os proprietários rurais. Coube a Pinochet restaurar os domínios particulares. Se um errou ao tomar, outro errou na forma como devolveu. Seus opositores eram lançados de aviões em pleno vôo, ou sobre o mar, ou sobre rochedos. Hitler confiscou a propriedade dos judeus, mas isso foi o de menos, ante as atrocidades contra cada um dos que enviou para o campo de concentração. O Führer, não o desculpando, mas mostrando as variáveis da Loucura, criou campos para extermínio de determinada raça. Pol Pot transformou o país inteiro n'um campo de martírio. Distinguia apenas entre aqueles que aderiram de imediato a sua revolução - Velhos - e aqueles que demoraram - os Novos. Para uns e outros, a ração diária de arroz equivalia a meia latinha de leite condensado. Com sua ferocidade, eliminou a oitava parte da população do Camboja. Uns queriam impor e manter o governo pessoal a todo custo e por todos os meios - Franco. Outros, além disso, pareciam sentir necessidade de transformar primeiro a pessoa em coisa, eliminar-lhe a individualidade, aniquilá-la, para só então destruí-la.

Constante n'esses regimes a fogueira de livros. Quer a fogueira selectiva nazista, quer a fogueira absoluta de Pol Pot, dando sempre lugar a novas Alexandrias. Se os próprios tiranos não eram pessoas destacadas pela cultura, imagine-se os executores de suas ordens. No Chile, tal era o ódio a Fidel Castro, que por via das dúvidas queimou-se, relata Ghirelli, um livro sobre "cubismo". Os amantes olhem à volta e imaginem seus livros sendo jogados da prateleira ao chão e rasgados. Da mesma maneira, não se podia esperar muito da Imprensa. Ou ela foi abolida - Camboja, sempre com os casos extremos -, ou foi censurada - um controle parcial -, ou mesmo posta sob controle estatal absoluto. A segunda opinião foi sempre clandestina. Benito Mussolini fugiu à regra porque possuía pendores jornalísticos e foi orador exibicionista. D'esta forma fundou e dirigiu jornais como A Luta de Classe, Avanti!, Il Popolo d'Itália e não impediu os primeiros passos do rádio. Não se deve esquecer que a censura não se manifestava apenas na exclusão do texto, mas também na aplicação de multa, suspensão ou prisão do redator, do editor, suspensão ou cassação da licença de funcionamento. Franco resgatou algo comum no tempo da Santa Inquisição, a autorização prévia obtida por uma espécie de auto-censura. O jornalista apresentava o texto á autoridade responsável e aguardava a concessão ou não do imprimatur. Já Mao queria impor a infalibilidade do seu Livro Vermelho, anteriormente conhecido como Citações do Presidente Mao.

Tiranos ajudou-me a descobrir algo. Anos atrás comprei Os Protocolos dos Sábios de Sião, um livro indecente e inútil, que sequer terminei de ler e joguei n'algum canto. Não sabia, contudo, de sua autoria e origem. Lendo o capítulo acerca de Hitler, descobri tratar-se de documento falso publicado como autêntico por Julius Streicher, um professor primário nazista sem ocupação maior que a de inventar boatos. Minha edição dos Protocolos ... não tem nome de autor, nem editora, nem introdução. Sabe-se lá quem está lendo esta tranqueira e de que modo.

Ghirelli não é muito bem sucedido ao apresentar Mussolini como uma exceção ao rol de ditadores. Praticamente afirma que o Duce cometeu seus desatinos influenciado pelas más companhias. Conforme o ensaísta, faltaram-lhe "a crueldade abstrata e sistemática, um prazer sádico em fazer o mal, a fantasia paranóica em inventar práticas das mais cruéis". É o mero recurso retórico de ceder em parte para conquistar ganhar o todo. Os motivos apresentados para justificar as decisões do ditador italiano podem ser utilizadas em favor do chileno e do espanhol. Tenha-se em mente que Franco recebeu auxílio militar alemão e italiano durante a Guerra Civil, mas depois fechou-se em seu reino. O galego assassinou milhares de opositores e não concedeu grande segurança aos partidários. Contudo, se Mussolini pode ter suas culpas atenuadas por "não ter ordenado massacres, nem de ter encarcerado os dissidentes em campos de concentração", Franco e Pinochet também o podem. Nos primeiros anos da ditadura chilena, o Estádio Nacional foi utilizado como uma grande prisão, e comparado aos campos de concentração mais pela semelhança física, do que pela destinação definitiva.

Dos sete tiranos retratados, apenas Augusto Pinochet ainda vive. Stálin morreu após uma dolorosa agonia. Hitler fez jus a sua personalidade suicidando-se, mas bem poderia ter poupado sua cadela Blondie. Mussolini linchado e, depois de morto, teve seu cadáver arrastado pelas ruas, espancado, urinado e enforcado. Mao e Franco deixaram o cargo e morreram anos depois, tendo o segundo tempo de preparar seu sucessor, o actual rei Juan Carlos. Pol Pot teve seu fim em meio as matas cambojanas, maltratado pela malária até o infarto final. Dizem os espíritas que após a morte os espíritos vão para o lugar que, através exclusivamente dos seus actos, fizeram por merecer. Deus tenha por estas almas a misericórdia que elas não tiveram.

Para ir além






Ricardo de Mattos
Taubaté, 15/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. It's evolution, baby de Luís Fernando Amâncio
02. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? de Gian Danton
03. Os Livros que me Fizeram Mal na Infância de Lisandro Gaertner
04. História da leitura (V): o livro na Era Digital de Marcelo Spalding
05. A Feira do Livro de Porto Alegre de Marcelo Spalding


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. O Livro Impresso e O Livro Virtual - 26/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIRA DOS VINTE ANOS
ÁLVARES DE AZEVEDO
GARNIER
(1994)
R$ 5,00



SURGERY
RICHARD WARREN
W B SAUNDERS
(1963)
R$ 23,52



ANJOS E DEMÔNIOS
DAN BROWN; MARIA LUIZA NEWLANDS
ARQUEIRO
(2004)
R$ 14,90



NOVO CÓDIGO CIVIL ALFATEMÁTICO
WILSON GIANULO
JURÍDICA BRASILEIRA
(2002)
R$ 100,00



UM ANJO CUIDA DE VOCE
EDDIE VAN FEU
ESCALA
(2020)
R$ 10,00



CUADERNOS DE PSICOTERAPIA
GENITOR
GENITOR
(1970)
R$ 14,00



A NAU DAS ILUSOES
LAURA SIMON
NOVA CULTURAL
(1986)
R$ 5,00



PINÓQUIO
NÃO MENCIONADO
ICA PRESS
(1982)
R$ 5,00



POR QUEM MORREU GETÚLIO VARGAS
WLADIMIR DE TOLEDO PIZA
AMPERSAND
(1998)
R$ 25,00



THE INCARNATIONS
SUSAM BARKER
TOUCHSTONE
(2015)
R$ 12,00





busca | avançada
74821 visitas/dia
1,8 milhão/mês