Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
38130 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Roçando a poesia de Alberto Beuttenmüller
>>> A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner
>>> A Euforia Perpétua, de Pascal Bruckner
>>> As ligações perigosas
>>> Apresentação
>>> Micro-Twitter-Blogging
>>> Balanceando
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
Mais Recentes
>>> Sistema Manchester de Classificação de Risco na Urgência e Emergência de Kevin Mackway Jones Janet Marsden Jill Windle pela G. Brasileiro Classificação (2006)
>>> Elementos de Antropologia Jurídica de Thais Luzia Colaço pela Conceito (2008)
>>> São Bento no Passado - Bi Lingue de Josef Zipperer - pela Josef Zipperer - (1951)
>>> Avaliações de Politicas Nacionais de Educação Estado de Santa Catarina de Ocde pela Ocde (2010)
>>> Presente y Futuro del Sector Agrícola de José Antonio Ávila D. pela El Colégio del México (2008)
>>> Coaching DNA de Márcia Rizzi e Clarice Santana pela Literare Books International (2019)
>>> Comunicando Mensagens Bíblicas de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Comunicando Mensagens Bíblicas de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Guia de Interpretação de Diego Grando pela Leitura XXI (2015)
>>> Princípios e Métodos de Ensino - Curso 8 de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Princípios e Métodos de Ensino - Curso 8 de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Demolidor o Homem sem Medo Nº18 - Confronto Com a Yakuza de Marvel pela Panini (2005)
>>> Cidadania Pequena: Série Polêmicas do Nosso Tempo de Pedro Demo pela : Autores Associados (2001)
>>> Senhor, Faça de Minha Vida um Milagre! de Raymond C. Ortlund pela Mundo Cristão (1986)
>>> Prosperidade Profissional de Luiz Antonio Gasparetto pela Vida e Consciência (1996)
>>> Os Muçulmanos na Península Ibérica de Ruy Andrade Filho pela Contexto (1994)
>>> Monstro do Pântano Especial: a Morte Ronda o Homem-morcego de Bissette / Broderick / Randall / Barreto pela Vertigo/dc. Comics (1999)
>>> Microbiologia Clínica de Roberto A. de Almeida Moura pela Mc Will (1986)
>>> Diferencial Competitivo - o Segredo para Alcançar Nelhores Resultados. de John L. Nesheim pela : Best Seller (2007)
>>> O Direito Humano Fundamental ao Desenvolvimento Social: .. de Sabrina Morais pela Oab/sc (2007)
>>> O Direito Humano Fundamental ao Desenvolvimento Social: .. de Sabrina Morais pela Oab/sc (2007)
>>> O Direito Humano Fundamental ao Desenvolvimento Social: .. de Sabrina Morais pela Oab/sc (2007)
>>> Conhecendo Erval Velho - Dinâmicas e Perspectivas de Maurício A. dos Santos - Org. pela Modelo (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index - Basi (1997)
>>> Paixão por Cabelos: Instruções Passo a Passo para Criar 82 Penteados de Christina Butcher pela Sextante (2015)
>>> Conceitos Sobre Advocacia, Magistratura, Justiça e Direito de B. Calheiros Bomfim pela Oab (2006)
>>> Ouvidos Dominantes Vozes Silenciadas de Noeli Gemelli Reali pela Argos (2001)
>>> O Petróleo é Nosso - 1948/1953 - a Campanha no Paraná de Carlos Alfredo Gomes pela Cefuria (2005)
>>> Glossário de Oceanografia de Argeo Magliocca pela Nova Stella (1987)
>>> A Estratégia da Teia de Aranha de Amit S Mukherjee pela Campus (2009)
>>> Descomplicando a Vida de Christoph Schalk pela Esperança (2005)
>>> Ouvindo os Passos da Memória de Álvaro de Carvalho pela Do Autor
>>> Educar é Apontar Caminhos - Reflexões para o Desenvolvimento de José Zinder pela Autor (2000)
>>> Hipnotismo e Auto-hipnotismo de Indução Rápida de Ana Cristina Massa pela Biruta (2009)
>>> Caminhando para o Cárcere da Liberdade e Outros Escritos de Alexsandro Grola pela Literatura Brasileira (2013)
>>> Charlottes Web de E. B. White pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White pela Harper USA (1992)
>>> Fotoleitura de Paul R. Scheele pela Summus (1995)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 16/7/2004
Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições
Julio Daio Borges

+ de 17600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Se me contassem, eu não acreditaria. "Estou me sentindo uma rockstar", desabafou Rosa Montero, a autora espanhola de A louca da casa, depois de ser insistentemente abordada por crianças, jovens e adultos nas ruas de Parati - gente atrás de autógrafos, uma palavra amiga ou um mero afago gentil.

Chico BuarqueIsso não é comum entre escritores. Normalmente pensam como Chico Buarque, que, em Budapeste, declarou o óbvio: "A literatura não precisa se exibir". Depois teve de se corrigir, diante de Liz Calder, a idealizadora da Flip (Festa Literária Internacional de Parati): "Realmente, [essa declaração] talvez seja 'anti-Flip' (...) Pessoalmente, eu acho que o escritor tem de se mostrar, ir ao bar, sair por aí. Os escritores são bichos muito esquisitos".

São mesmo. E é impressionante que haja tanta gente interessada neles. Martin Amis, um dos mais conhecidos escritores ingleses das últimas décadas, tremia visivelmente diante da platéia - e, ao ler a si mesmo, enrolava a língua. Era evidente: fora do Brasil e fora da Flip, nunca tinha passado por aquilo. "Para Martin, o escritor é aquele sujeito que se sente mais vivo quando está sozinho", havia dito Isabel Fonseca, sua esposa, na noite imediatamente anterior.

Isabel FonsecaEu mesmo tive meu momento Quase Famosos e não me esqueci. Foi por causa de Caco Belmonte que, hospedado na mesma pousada, durante o café-da-manhã, cuspiu meu nome e meu sobrenome, tecendo inclusive loas ao Digestivo, quando eu apenas lhe informei que me chamava "Julio" e que vinha de "São Paulo Capital"...

Já o Angeli - que não é escritor, mas que em Parati era como se fosse - sorriu largamente e apertou minha mão, quando, passando-lhe meu cartão, contei que havia resenhado a nova edição de Wood & Stock. Mesmo o Verissimo, a celebridade mais evocada e mais reconhecível (e também a mais muda), demonstrou algum interesse e leu atentamente o nome do site, enquanto apalpava os relevos com dedos finos.

Rosa Montero"No início, havia as pessoas que gostavam de falar e as que não gostavam de falar. Nós, escritores, não gostávamos de falar, então optamos por escrever. Acontece que agora [com eventos assim] temos de voltar a falar, além de escrever", concluiu Rosa Montero, desconcertada mas, ao mesmo tempo, decidida.

"Eu acho que tem a ver com a explosão da mídia. De repente, o jornal de domingo, que era o mais 'grosso' da semana, virou o padrão. E os jornalistas - para preencher os espaços vazios - descobriram que têm de escrever até sobre nós... escritores", ponderou Martin Amis.

Ian McEwan"Não posso reclamar: viajo pelo mundo, conheço pessoas ótimas, hospedo-me em bons hotéis (...) No começo, eu me cansava de ter de explicar a mim e a minha obra. Até que, uma vez, escrevi um livro com prefácio - contendo todas as explicações. Não adiantou: as pessoas me pediam para explicar o prefácio; ou seja, me pediam para dar explicações sobre as explicações", arrematou Ian McEwan.

Então era essa a contradição mais flagrante da Flip: os escritores, por timidez ou por algum outro motivo, optaram pela escrita como profissão; não previam, porém, eventos literários e muito menos uma festa dessa magnitude, em que fossem - justamente ao contrário do que sempre foram - o centro das atenções.

"Virou um circo", confidenciou-me, à boca pequena, um certo editor de cultura. "Meu caro, você me perguntou se eu ia a Parati, mas eu não vou: não sou escritor", confidenciou-me, por e-mail, um outro. Os dois estavam lá. Mas tinham razão: havia, igualmente, à maneira de João Ubaldo Ribeiro, um certo constrangimento no ar...

Ian McEwan, Martin Amis e Michel Laub

Eu mesmo cutuquei Michel Laub que, de repente, para mim, surgiu entre um pipoqueiro e outro, na Praça da Matriz: "Michel, por que você não está lá [apontei para a Tenda dos Autores]? Você é mais escritor do que muitos 'escritores' por aí..." (Eu estava me referindo a Marcelino Freire, Joca Reiners Terron, João Paulo Cuenca e até a Adriana Lisboa.) Michel sorriu e se limitou a me informar que estaria mediando a mesa de Ian McEwan e Martin Amis. (Para qualquer pessoa minimamente esclarecida, a mesa mais importante da Flip...)

Escritores, embora evitem os holofotes, são seres extremamente vaidosos - e essa era a segunda contradição. "Muita gente se mete a escrever diários e a tomar anotações quando adolescente ou mesmo criança. Os escritores, também. A diferença é que as pessoas normais acabam superando essa fase; os escritores, não. Nesse sentido, eles são eternamente adolescentes - adolescentes que não conseguiram se livrar do diário" (Martin Amis, na coletiva).

Martin AmisOs escritores não são normalmente homenageados, muito menos valorizados de maneira espontânea, por seus leitores. Então quando o são, sempre surge alguém com uma lista de injustiças e de injustiçados. Eu tinha obviamente a minha: queria ver mais a "geração internet" (embora não aprecie os blogs); queria ver a Ana Elisa Ribeiro (embora ela estivesse dando a luz); queria ver o Fabrício Carpinejar; e queria que os jornalistas fossem considerados tão escritores quanto os "autores" da Flip.

É verdade que os escritores não têm geralmente sido prioridade nos mais variados meios. E é verdade, também, que essa "prioridade" precisa ser invertida de vez em quando. Mas, na Flip, os "autores" tinham - por vezes - uma ascendência desrespeitosa e uma desnecessária supremacia. Havia cadeiras reservadas para eles em todo lugar; e eu vi um sujeito entrando num restaurante aos berros porque uma suposta "mesa dos autores" havia sido inadvertidamente ocupada...

Paul AusterEnquanto isso, uma jornalista da revista Simples se aproximava de mim falando baixinho e perguntando se eu poderia escrever sobre seu livro. Ela era praticamente "autora", mas não tinha "acontecido" ainda - e não passava, portanto, de uma reles "jornalista", não desfrutando de nenhum privilégio especial por isso...

Era a terceira contradição da Flip. Se qualquer pessoa pode publicar um livro (ainda que pague por isso), por que os "autores" eram deuses na Flip e por que os "não-autores" eram cidadãos de segunda categoria? "Para escrever meu novo livro, eu me aproximei de um neurocirurgião muito cortês que me permitiu acompanhá-lo na sua rotina. Pude estar a seu lado inclusive nas cirurgias. Eu me paramentava, me vestia de branco e atravessava aqueles corredores longos onde os familiares se acumulam. Eles me olhavam e pensavam: 'Lá vai o doutor...' Então eu me sentia 'grande', eu me sentia 'maior'..." (Ian McEwan).

Colm TóibínA quarta contradição diz respeito ao público. Se o Brasil é costumeiramente lembrado como um "país de não-leitores", como explicar os ingressos esgotados, os auditórios abarrotados, o respeito reverente... a escritores! E eu não estou falando apenas de Chico Buarque (que foi apontado, pela organização, como um dos maiores "autores" contemporâneos, mas - que me perdoe a Flip - não é, não). Nem estou falando de Caetano Veloso, que pouca gente viu passar este ano. Estou falando de Paul Auster - que deu aulas de cordialidade, sendo acompanhado por olhares silenciosos, quando circundava a Praça com sua esposa (sem quaisquer esquemas de segurança).

Afinal, por mais que se despejem críticas à Flip, ela conseguiu deslocar mais de 10 mil pessoas até Parati, para 5 dias com escritores tão obscuros quanto Colm Tóibín, Margaret Artwood e Pierre Michon. E eu vi uma moça, de uns 25 anos, tentando encontrar passagens (lidas no telão) do Ulysses de Joyce; e eu ouvi uma discussão - cansativa, vá lá - entre um casal gay, onde um era "o crítico" e outro era "o artista"; e eu encontrei um casal de meia-idade - morando em São Paulo, mas de Recife - que embarcava em elogios desbragados aos escritores. E não eram do meio; e não escreviam uma linha. Eram leitores. Lei-to-res.

"Sim, eu vejo um bom momento para a literatura contemporânea. Na verdade, não sei se há muitas pessoas lendo, mas, certamente, há muitas escrevendo." (Paul Auster)

"Quando publiquei meu primeiro livro, literatura era coisa para uma pequena esfera. Então não me incomodo se, de repente, esse tempo voltar - e a literatura se restringir, novamente, a apenas algumas pessoas -, eu me sentiria confortável do mesmo modo." (Martin Amis)


Julio Daio Borges
São Paulo, 16/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor de Jardel Dias Cavalcanti
02. Guilherme Carvalhal de Guilherme Carvalhal
03. Eleanor Catton e seus luminares de Eugenia Zerbini
04. Figuras de linguagem e a escrita criativa de Marcelo Spalding
05. Herzog, Glauber e 'Cobra Verde' de Humberto Pereira da Silva


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2004
01. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições - 16/7/2004
02. Mens sana in corpore sano - 14/5/2004
03. Por que a crítica, hoje, não é bem-vinda - 25/6/2004
04. Ensaio de interpretação do Orkut - 20/8/2004
05. 1964-2004: Da televisão à internet – um balanço - 30/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/7/2004
17h16min
De um modo geral acho que o encontro esconde seus defeitos no nome, afinal é uma festa literária, não é um encontro acadêmico propriamente dito. Também fiz alguns comentários aqui.
[Leia outros Comentários de Arquimimo Novaes]
14/7/2004
23h29min
Sou um cara meio exigente. Só falei teu nome e comentei sobre o Digestivo porque realmente os acompanho. Leitura obrigatória.
[Leia outros Comentários de Caco Belmonte]
22/7/2004
09h23min
Daio, você conseguiu dar uma visão geral da FLIP. Também estive lá, assisti à maioria das mesas e acho que a festa foi extremamente positiva. Claro que alguns autores foram maravilhosos e outros, como você sitou, ninguém sabe porque estavam lá. Mas o que realmente me impressionou foi a quantidade de gente jovem nas palestras (sem falar na do Chico ou do Caetano). Isso é um ótimo sinal! Espero que a FLIP continue, pois mesmo com erros e acertos, me parece uma iniciativa muito corajosa em relação à literatura. Nos dias em que a Flip aconteceu, a cidade de Paraty estava num clima de palavras efervescentes!
[Leia outros Comentários de Vera Carvalho]
23/7/2004
23h12min
Julio, muito boa a tua "versão" da Flip. Acho a festa super válida, com seus erros e acertos. Qualquer coisa que estimule a leitura é positiva, e foi bom ver quanta gente jovem compareceu.
[Leia outros Comentários de Alice Sampaio]
11/8/2006
21h24min
Eu vejo a FLIP mais como um encontro anual de amigos. Muita gente vai a Parati para conhecer "chapas" virtuais, divulgar seus próprios projetos, aproveitar as noites festivas, do que realmente para ir às palestras e mesas. Bom, ao menos foi o que eu vi alguns escritores e conhecidos meus literatos dizerem, tempos atrás. Isso não tira a importância do evento, claro. Mas não se pode negar que a FLIP é quase um "Rock in Rio" literário. Quero muito poder ir ao festival, se não na próxima edição, na de 2008. Me arrependo de não ter me programado pra ir este ano. Justo o ano que o Hitchens veio e o Safran Foer, autores de dois dos melhores livros que li este ano.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ATRÁS DE TODAS AS PORTAS
STELA MARIS REZENDE
ATUAL
(1988)
R$ 4,00



LE CORBUSIER
STEPHEN GARDINER
CULTRIX; EDUSP
(1977)
R$ 36,00



EM BUSCA DA HUMANIZAÇÃO
DRAUZIO VIEGAS
WAK
(2010)
R$ 24,00



SEM - SISTEMA DE ESTRATÉGIA MINIMALISTA
RODRIGO ROCHA
ALTA BOOKS
(2018)
R$ 24,00



O DESENLACE DE UMA ANÁLISE
GERARD POMMIER
JORGE ZAHAR
(1990)
R$ 73,00



PARAÍSOS FISCAIS
DURVAL DE NORONHA GOYOS JR

R$ 190,00



O QUE A BÍBLIA REALMENTE ENSINA?
WATCHTOWER BIBLE AND TRACT SOCIETY OF NEW YORK
WATCHTOWER BIBLE
(2011)
R$ 5,00



A FORMAÇÃO DA CIÊNCIA ECONÓMICA
HENRI DENIS
LIVROS HORIZONTE
(1976)
R$ 24,57



MATEMÁTICA FINITA
SEYMOUR LIPSCHUTZ
MCGRAW-HILL DO BRASIL
(1972)
R$ 30,00



ENCICLOPÉDIA DO PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE - VOLUME 1 (GRÉCIA A CHIPRE)
JILENA CASTILLO (ED.)
ALTAYA
(1998)
R$ 8,00





busca | avançada
38130 visitas/dia
1,3 milhão/mês