Têm sido tempos difíceis... | Daniela Castilho | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> A comunicação com além de Rubens B. Figueiredo pela Fase (1982)
>>> Darkness at Noon de Arthur Koestler pela The Macmillan Company (1946)
>>> Cartas Esotericas de Vandeto pela Pensamento
>>> Le Langage Secret des Symboles de David Fontana pela Solar (1993)
>>> From Bethlehem to Calvary de Alice A. Bailey pela Lucis Publishing (1937)
>>> Methodologies of Hypnosis de Peter W. Sheehan pela Lea (1976)
>>> La vida Interna de C.W. Leadbeater pela Glem (1958)
>>> Madru o filho das Estrelas de Frederik Hetmann pela Circulo do Livro (1984)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> História das Religiões de Charles Francis Potter pela Universitária (1944)
>>> Faca sem Ponta, Galinha sem Pé de Ruth Rocha pela Nova Fronteira (1983)
>>> Diccionario de Astrologia de Nicolás de Vore pela Argos S.A. (1951)
>>> Ramsés - o Filho da Luz de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Reino dos Deuses de Geoffrey Hoddson pela Feeu (1967)
>>> Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego de William Carey Taylor pela Juerp (1966)
>>> São José de Anchieta de Gabriel Romeiro e Guilherme Cunha Pinto pela Círculo do Livro S.A. (1978)
>>> Na terra da Grande Imagem de Mauricio Collis pela Civilização - Porto (1944)
>>> Oito Syntheses Doutrinarias de Vários pela Roland Rohe (1929)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> Vietnam a Guerrilha Vista por Dentro de Wilfred G. Burchett pela Record (1968)
>>> O Papa e o Concílio de Janus pela Elos
>>> Cristianismo Rosacruz ( Em 02 volumes) de Max Heindel pela Kier (1913)
>>> A Grande pirâmide revela seu segredo de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1972)
>>> Obras Interpretação Sintética do Apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1943)
>>> Poesias Completas de Mário de Andrade pela Martins (1974)
>>> As Cruzadas - Livro 1 - a Caminho de Jerusalém de Jan Guillou pela Berttrand Brasil (2006)
>>> O Romance da Astrologia ( Em 03 volumes) de Omar Cardoso pela Iracema
>>> A Grande Caçada de Robert Jordan pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr de Millôr Fernandes pela Nordica (1974)
>>> Outra Você de Newton Tornaghi pela Rio de Janeiro (1977)
>>> Emagreça Comendo de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva (1993)
>>> Rosa e Lotus Invocações Espirituais de Molinero Yogakrisnanda pela Mandala
>>> Fim dos Tempos de Omar Cardoso pela Artenova (1975)
>>> magia y Sacrificio en la historia de las Religiones de H. Hubert y M. Mauss pela Lautaro (1946)
>>> Apenas uma Sombra de Mulher de Fernando do Ó pela Federação Espírita Brasileira (1950)
>>> Quando tudo falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> O Capataz de Salema / Antônio Conselheiro / Marechal, Boi de Carro de Joaquim Cardozo pela Agir/MEC (1975)
>>> La Isla Magia de W.B. Seabrook pela Cenit S.A. (1930)
>>> Un Nuevo Modelo Del Universo de Pedro Ouspensky pela Sol (1950)
>>> La Puerta ( Egipto) de Vários pela Obelisco (1990)
>>> Arpas Eternas (Em 03 volumes) de Hilarion de Monte Nebo pela Fraternidad Cristiana (1952)
>>> Muitas vidas muitos Mestres de Brian L. Weiss M.D. pela Salamandra (1991)
>>> O Sentido da Vida de Valfredo Tepe pela Mensageiro da Fé Ltda (1971)
>>> A aurora cósmica de Eric Chaisson pela Francisco Alves (1984)
>>> Deus Fala a seus Filhos de Elenore Beck pela Verbo Divino (1993)
>>> Encontro com a Alma Gêmea de Paulo Kronemberger pela Novo Milênio (1993)
>>> The Reincarnation Workbook de J.H. Brennan pela The Aquarian Press (1989)
>>> A Granja do Silêncio de Paul Bodier pela Federação Espírita Brasileira
>>> Os Astros Governam nossa Vida de Perpétuo Horário pela Pensamento
>>> La vida de Buda de A. Ferdinand Herold pela Lautaro (1944)
COLUNAS >>> Especial Mensalão

Terça-feira, 6/9/2005
Têm sido tempos difíceis...
Daniela Castilho

+ de 5000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Recebo um e-mail de convocação do Julio, Editor deste Digestivo, para escrever sobre o mensalão e toda essa confusão política que tem acontecido no Brasil. Vocês que nos lêem não sabem, mas o Julio, quando nos convida a escrever sobre um determinado assunto, geralmente manda um texto escrito por ele na frente, para estimular os Colunistas a abrirem a verborragia. Normalmente, eu não preciso disso; tirando o excesso de coisas que tomam meu tempo, escrevo com satisfação. Mas nesse caso, sobre esse assunto, o empurrão do Julio foi importante. Leio o texto dele e suspiro. Suspiro porque sei exatamente do que é que ele está falando, porque ainda sou um pouco mais velha que ele, muito mais cínica e sarcástica que ele, e, com certeza, de muito mais mau humor.

Já sei, quem toma chá comigo lá no meu blog vai rir - "imagine, Dani, só te leio lá no chá de bom humor, no máximo triste de vez em quando". Não, meus amigos, eu tenho um mau humor crônico há alguns anos. Um dos problemas talvez seja ser filha de velho comunista. Esse ano faz exatamente 20 anos que meu pai morreu. Fui criada, ao contrário da imagem dos atuais desencantados comunistas pós-muro ou dos comunistas comedores de criancinha pós-Guerra Fria, com um conceito de comunismo que não se ouve falar há muito tempo: o tal do marxismo utópico. Eram baldes e baldes de ideologia. Eram pessoas que acreditavam que podiam mudar o mundo e que, para isso, bastava, acima de tudo, ter fé, como se os livros do senhor Carlos Marx fossem uma espécie de Bíblia política: acredite, tenha fé e tudo mudará.

Quando eu tinha uns 14 anos de idade, os grêmios estudantis e a UNE eram proibidos. Meu pai, aquele velho senhor músico e comunista, teve que vir para São Paulo fugindo da famosa "Redentora" ou o Golpe Militar de 1964. Hoje em dia, a razão principal que ocasionou a vinda dele para São Paulo deve parecer muito curiosa aos olhos de quem tenha menos de vinte anos de idade e, principalmente, de quem não tem pais comunistas: meu pai era do CPC da UNE. Pois é. Aquele moço que virou prefeito em Nova Iguaçu foi da UNE e ninguém nunca pensou em levar ele preso nem proibi-lo de fazer passeatas ou coisas assim. Mas quando eu tinha meus 14 anos de idade, fazer eleição da UNE dava cadeia, e fazer passeata dava cadeia com direito a polícia jogando bombas de efeito moral.

O que isso tem a ver com o atual mar de lama que afoga o PT? Tudo.

O PT nasceu de dissidências. Aliás, o PSDB também nasceu de dissidências. Nos tempos da ditadura, tinha uma curiosa lei chamada Lei Falcão e mais um monte de leis que transformaram o horário eleitoral em mera apresentação estilo powerpoint com fotos, os números de candidatos, seus nomes e os partidos. E só existiam dois partidos: a Arena e o MDB. Basicamente, era um jogo maniqueísta, bem ao gosto do brasileiro, que adora um maniqueísmo: a Arena era formada por reacionários, os direitistas, os militares, os ditadores. Já o MDB era dos esquerdistas, os civis, os democratas. Nada como um mundo maniqueistamente simples para simplificar o raciocínio. Um eram os caras maus e o outro eram os caras bons. Só que com a tal abertura para a democracia em 1984 - dá-lhe senhor Orwell - ficou confuso ter só dois partidos. Foi liberada a criação de legendas e então começamos a ter essa coleção de siglas - PL, PFL, PSD, PSDB, PTB, PT e sei lá mais o quê. O PSDB e o PT eram as dissidências. Gente do PC que se desentendeu com o PC do B foi para um ou para outro. O mesmo aconteceu com pessoas do antigo MDB e agora PMDB, etc. Ficou complicado ser maniqueísta em um mar de legendas.

O problema é que o brasileiro passou centenas de anos sendo maniqueísta. Dá-lhe índios versus portugueses, escravos versus senhores, militares versus civis, nordestinos versus sulistas, palmeirenses versus corintianos, mocinhas da novela das oito versus peruas jararacas. O brasileiro não apenas adora maniqueísmo, mas em sua preguiça mental adota rapidinho um bom maniqueísmo porque é mais simples, e dá uma preguiça, porque amanhã vai dar praia, depois tem churrasco na casa da sogra, tem final de campeonato de futebol, etc.

Confesso que desde os meus 18 anos eu sou tucana. Votei com orgulho no saudoso Mario Covas duas vezes, votei em Fernando Henrique para presidente - e votaria nele novamente sem pestanejar -, votei no Alckmin, votei no Serra. Votei também na Marta, do PT, basicamente porque não queria ver Maluf de prefeito de novo, ainda mais depois da infeliz seqüência dele e do Pitta na prefeitura de São Paulo, apesar de ter me arrependido disso muito rapidamente. Votei no senador Suplicy duas vezes - na minha opinião, um dos melhores senadores que esse país já teve. Também votei na Erundina, uma das melhores prefeitas que São Paulo já teve, e ela era do PT na época. Nunca tive nada contra o PT em particular, entendem o que eu quero dizer? Para mim, era um partido radical demais e por isso não gostava dele, mas também não achei que fossem se revelar um bando de corruptos e corruptores.

Sabem, eu não sou maniqueísta. Nunca fui. Talvez porque tenha tido um pai comunista, porque tive um avô materno anarquista, porque vi o PT nascer recheado de sindicalistas, MR-8 e outras criaturas curiosas da política nacional, porque lembro bem do Brizola e do Jânio. Nunca enxerguei política como se fosse um jogo de futebol. Sempre fui tucana, agüentei quieta as pessoas que votaram em FHC depois se virarem contra ele, num movimento que, na minha opinião, foi muito mais orquestrado pela mídia do que outra coisa. Acho curioso como as pessoas simplesmente esqueceram de que se não temos mais inflação de 40% ao mês e o dólar está estável há uma década é graças ao PSDB e ao Fernando Henrique Cardoso. Dizem que brasileiro não tem memória, né?

Faz dois anos que estou quieta. Estou quieta porque, assim que o PT assumiu o governo, a galera que trata política como futebol começou a me jogar pedras, mandando eu ficar quieta porque sou tucana. Tenho alguns petistas na família e tive que escutar agressões verbais absurdas deles só porque não sou petista.

Teve gente até que me chamou de direitista. Simplesmente parei de falar com essas pessoas. Se elas querem ser politicamente maniqueístas, então, não vou gastar meu tempo com elas, porque, que me desculpem, mas todo maniqueísmo é burro.

Vejo esse mar de lama afogando o governo do Lula e não falo nada. Não, eu não sou de direita, nunca fui. Sempre fui a favor do bom senso, assim como sempre fui a favor da ética, da liberdade de pensamento e de opinião, de viver bem e à vontade, podendo falar as coisas que penso. Infelizmente eu não nasci num mundo assim, eu apenas sonho com ele.

Assim como falar o que se pensava durante os anos da "Redentora" significavam cadeia, tortura e morte, nesses anos petistas falar o que se pensa significou, para mim, ser patrulhada ideologicamente, sofrer ameaças de sanções, de perder trabalhos, porque, afinal, todo mundo é petista, né? Brasileiro gosta de torcer para time que está ganhando e odeia time perdedor. É tão difícil ser tucana em tempos petistas quanto ser corintiano em final de campeonato que está dando São Paulo e Palmeiras na final. Você corre o risco de apanhar no estádio. Mas deixa pra lá. Estou ficando cada dia mais velha e mais mal-humorada.

A minha vida piorou incrivelmente nos últimos anos. Perdi muito dinheiro, perdi clientes, tive que mudar de área de novo, apesar de continuar a ser diretora de arte, tive que caçar emprego, suportar muita gente prepotente que me ameaçou com violência... Têm sido tempos difíceis.

E vai ver a culpa é mesmo do PSDB, aqueles tucanos bicudos de direita traidores da pátria, porque, afinal de contas, não tem mar de lama nenhum, o PT é inocente, o Lula vai terminar o mandato, o Duda Mendonça vai fazer a próxima campanha do PT, o Marcos Valério vai pagar todo mundo direitinho, o Fome Zero finalmente vai decolar, a Marta vai fazer outra plástica e concorrer ao governo de São Paulo, os impostos talvez sejam aumentados para 60% para pagar essa festa toda e tudo vai acabar em pizza.

Nota do Editor
Daniela Castilho é designer, diretora de arte e assina o blog MadTeaParty.


Daniela Castilho
São Paulo, 6/9/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tapa na pantera e a casa do lago de Marcelo Miranda
02. A novela América e o sensacionalismo de Oprah de Marcelo Maroldi
03. Sobre Os Clássicos de Ricardo de Mattos
04. Política de incentivo à leitura de Marcelo Maroldi


Mais Daniela Castilho
Mais Acessadas de Daniela Castilho em 2005
01. Sobre blogs e blogueiros - 27/5/2005
02. Cinema brasileiro em debate - 7/6/2005
03. Todos os amores acabam - 3/8/2005
04. Causos e coisas da internet - 11/11/2005
05. Diploma ou não diploma... não é esta a questão - 28/4/2005


Mais Especial Mensalão
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/9/2005
09h36min
A matéria demonstra um fundo de verdade ao tratar dos erros do PT. Mas passa uma imagem muito possitiva do PSDB...
[Leia outros Comentários de Roberto Guerra]
6/9/2005
17h54min
Qual é a doferença entre petista e tucano? Amancebaram-se no neoliberalismo.
[Leia outros Comentários de Alceu Aristides Sper]
7/9/2005
09h51min
Você merece inteiro respeito. É filha de comunista, neta de anarquista e convive (ou melhor, coexiste) com petistas. Isso tudo é o melhor laboratório. Fala, portanto, de cátedra, sobre tão delicado assunto. Sua forma equilibrada de abordagem revela bem sua grande segurança a cada detalhe. E fala, muito acertadamente, dos males que causa à sociedade, o maniqueismo. Parabéns. E, muito obrigado pela oportunidade da leitura. Abraços.
[Leia outros Comentários de José Pereira]
7/9/2005
11h31min
O texto de Daiela Castilho lavou minha alma porque tem sido difícil para mim vivenciar a ilusão dos 53 milhões de brasileiros que elegeram o vendedor de ilusões. A ironia é que o que está sustentando o (des)governo petista é exatamente a política econômica do FHC, tão combatida pelo PT antes de chegar ao governo. Engraçado é que tudo o que era errado e nocivo para a nação quando estavam na oposição, agora no governo é corretíssimo. Quanta falácia, hipocrisia e irresponsabilidade. Obrigada, Daniela Castilho, você é consciente!
[Leia outros Comentários de Mirtes Oliveira]
7/9/2005
11h33min
Roberto Guerra: eu afirmo no artigo que sou tucana desde os 18 anos. E, sim, tenho uma imagem positiva do PSDB. A pergunta que deixo é: não posso ter uma imagem positiva do PSDB? Sou obrigada a acompanhar a moda de falar mal do PSDB? Posso ter uma opinião diferente dessa moda?

Alceu: defina neoliberalismo, por favor, e depois explique se ser "neoliberalista" é bom ou ruim na sua opinião.

José: Obrigada pelo comentário. Acredite, foi com muita preocupação e apreensão que eu escrevi esse artigo. Obrigada pelo feedback.

Senhores, a idéia do artigo é expor pensamentos e fazer as pessoas questionarem e pensarem. Como eu disse, não sou maniqueísta. E não sendo, não pretendo também ser proprietária de nenhuma verdade absoluta.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
8/9/2005
10h27min
Muito antes do "Lula paz e amor" e do PT cor-de-rosa para consumo da classe média, eu sempre votei no PT (e eventualmente no PSDB... grande Covas). Também fui patrulhado, agredido verbalmente, ridicularizado. Por aí se percebe que maniqueísmo e ignorância não são exclusividade de nenhuma facção, eles estão distribuídos igualitariamente. Parece que é nossa sina vivermos em um eterno FlaxFlu. Triste.
[Leia outros Comentários de Claudio]
8/9/2005
12h02min
Até para mim que fui ludibriada pela verborragia, considerei o texto procedente... já que credora de um partido dos trabalhadores que "pintava muro", "tinha posicionamento".
[Leia outros Comentários de Ana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL-VOL. 3
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
LUMENJURIS
(2002)
R$ 41,31
+ frete grátis



CANÇÃO PARA DÉBORA
LUCI GUIMARÃES WATANABE
FTD
(1990)
R$ 8,00



A CALDEIRA DO DIABO
GRACE METALIOUS
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 4,10



DISCURSO DO MÉTODO - SÉRIE L&PM CLÁSSICOS
DESCARTES
L&PM
(2013)
R$ 18,82



LUZIA HOMEM
DOMINGOS OLIMPIO
ATICA
(1978)
R$ 6,00



NAS PROFUNDEZAS DO MAR SEM FIM
JACQUELYN MITCHARD
ROCCO
(1998)
R$ 9,90



CONSENSO E CONFLITO: EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA 2ª EDIÇÃO
VITOR MARINHO
SHAPE (RJ)
(2005)
R$ 28,82



ENQUANTO A CHUVA CAÍA
CHRISTINE M (M)
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 17,00



A HOLANDA NO TEMPO DE REMBRANDT
PAUL ZUMTHOR
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 15,00



PROJETO ÁPIS : LÍNGUA PORTUGUESA 5
VARIOS
ATICA
(2017)
R$ 154,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês