No início, era o telex | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Sala de Visita” recebe Mauricio Virgulino para falar sobre Educomunicação e arte
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Que exemplo arrebatador a Colômbia dá ao mundo
>>> Um paralelepípedo
>>> Os bastidores de Psicose
>>> Contra reforma ortográfica
>>> Para pecar, vá de manga
>>> Público, massa e multidão
>>> Vida de Estagiário II
>>> Biocyberdrama: quadrinhos pós-humanos
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Suicídio on-line põe internet no banco dos réus
Mais Recentes
>>> Construindo a escrita Leitura e interpretação de textos de Carmen Silvia Carvalho - Maria da Graça Baraldi pela Ática (2000)
>>> Construindo a Escrita Gramática Ortografia de Carmen Silvia Carvalho - Maria da Graça Baraldi pela Ática (2000)
>>> O Vento - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Chuva - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Dia e Noite - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Que Medo ! - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Na Roça - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Tuca, Vovó e Guto - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> O Jogo e a Bola - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> O Trem - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> O Rabo do Gato - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> The Crucifixion of Mary Magdalene de Richard J. Hooper pela Sanctuary Publications (2005)
>>> Profiles of Jesus de Roy W. YHoover (ed.) pela Polebridge Press (2002)
>>> Introdução ao estudo do direito: Técnica, decisão, dominação de Tércio Sampaio Ferraz Júnior pela Atlas (2018)
>>> Múltiplas geografias -ensino-pesquisa-reflexão de Lucia helena batista gratão pela Humanidades (2008)
>>> Surpresas - Coleção Gato e Rato de Mary França - Eliardo França pela Ática (1987)
>>> Hermenêutica Constitucional - A Sociedade Aberta dos Intérpretes da Constituição de Peter Häberlë pela Sergio Fabris (2002)
>>> Os direitos fundamentais e a (in) certeza do direito de Menelick de Carvalho Netto , Guilherme Scotti pela Fórum (2012)
>>> Sobre a Brevidade da Vida de Sêneca pela L&PM Pocket (2011)
>>> Princípios Do Processo Civil de Rui Portanova pela Livraria do Advogado (2013)
>>> Constituição e Processo: a contribuição do processo ao constitucionalismo democrático brasileiro de Felipe Machado , Marcelo Cattoni pela Del Rey (2009)
>>> Fundamentos do Direito Processual Civi de Eduardo Couture pela Conceito (2008)
>>> Acesso À Justiça Democrático de Dierle Nunes e Ludmila Teixeira pela Gazeta Jurídica (2021)
>>> O Juiz e a Democracia de Antoine Garapon pela Renavan (2001)
>>> Uso e gestão dos recursos hídricos no brasil de Rodrigo constante martins pela Rima (2003)
COLUNAS >>> Especial Internet 10 anos

Quarta-feira, 23/11/2005
No início, era o telex
Vitor Nuzzi

+ de 11500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Telex? Quem aí se lembra? Pois durante dois anos fui funcionário público - concursado, por favor - e meu cargo era agente legislativo de telecomunicações. O nome, bonito, disfarçava a função, que era a de operador de telex. Era uma máquina imensa, mais ou menos parecida com uma máquina de escrever, mas com teclado bem maior. Quando você escrevia, gravava uma fitinha perfurada, que ia se movimentando ao lado. Você podia também deixar textos gravados na tal fitinha, em caso de repetição de mensagens. Quando acaba de transmitir, apertava uma tecla que fazia soar um sininho no aparelho para onde você estava transmitindo. Era momento de escrever: "CRV CLG?". Traduzindo do telexês para o português, significava "como recebe você, colega?" Aí o colega operador dava o ok, a mensagem tinha sido bem recebida, a tarefa estava feita.

Toda essa longa introdução me pareceu necessária para dar conta da mudança de patamar em tão pouco tempo. Operei telex de 1987 a 1989. Menos de 20 anos atrás. Para ser aprovado no concurso tive de fazer prova de datilografia. O teste foi no Instituto Brasileiro de Mecanografia, no centro de São Paulo. Será que alguém lembra dessas coisas? Pois eu sempre gostei daquelas máquinas de teclado colorido. Ainda surgiriam as máquinas elétricas. A IBM elétrica, com aquela bolinha em cima, era qualquer coisa de sensacional.

Ainda fui reencontrar o telex em redação de jornal, também em 1989. O telex chegava, alguém tirava da máquina, o papel era colado na lauda - e da lauda, vocês lembram?, não é o ex-piloto Niki Lauda -, e aí outro alguém, com uma caneta, "penteava" o texto. Isto é, colocava acentuação e pontuação adequadas.

Depois passamos para o fax, que já era um absurdo de modernidade. E, agora, a internet. A evolução é impressionante. Dez anos. E 1995 foi um ano tão incrível que até o Botafogo ganhou o campeonato brasileiro.

Foi, também, o ano de consolidação do Real. O ano em que Hugh Grant e Divine Brown se conheceram, digamos assim, em uma rua nos Estados Unidos. A Mesbla pediu concordata. A Ferrari anunciou a contratação de um tal Michael Schumacher. Florestan Fernandes, um grande brasileiro, morreu, assim como um dos nossos melhores atores, Paulo Gracindo, nascido Pelópidas.

Tudo bem, em todos os anos alguém morre, alguém é contratado, acontecimentos estarrecedores chocam as pessoas. Mas, ao longo dos tempos - e tempo é uma palavra apropriada para essa situação -, os grandes avanços da humanidade estiveram relacionados à comunicação. Pouquíssimo tempo atrás, qualquer episódio ocorrido em um lugar distante do mundo levava dias para chegar ao nosso conhecimento. No início da História, as mensagens eram transmitidas durante semanas, meses.

Dois flashes vêm à memória, mas cada leitor há de ter o seu. Quando Jânio Quadros renunciou à presidência da República, em 1961, foi um deus-nos-acuda até localizarem o vice, João Goulart, que estava viajando pela Ásia. Foi outro deus-nos-acuda para ele tomar posse, mas isso já é outra história. E o outro momento? Ah, sim. O filme Doutor Fantástico (Mr. Strangelove), com o simpático subtítulo Como Parei de me Preocupar e Aprendi a Amar a Bomba. Grande sátira de Stanley Kubrick aos tempos de Guerra Fria, grandes atuações de Peter Sellers. Há uma cena em que o presidente dos Estados Unidos, um dos papéis de Sellers, conversa por telefone com o presidente da União Soviética. Mesmo com o famoso telefone vermelho, a comunicação era dureza. Você tinha de pedir ligação à telefonista, a ligação caía. É verdade que, hoje em dia, você xinga quando a conexão cai, quando o sistema não funciona. O mundo não é perfeito, definitivamente.

Não é preciso ir tão longe. Hoje em dia, é normal acontecer o intercâmbio entre escolas, alunos daqui que vão para o exterior, e vice-versa. Trinta anos atrás, contava-se nos dedos de uma só mão quem ia para fora. No tempo do regime militar, chegou a ser criado um depósito compulsório, em que o fulano tinha de pagar uma taxa para sair do Brasil. Quando alguém viajava, levava uma lista de encomendas de parentes e amigos. Até o início dos anos 90, éramos um país absolutamente fechado.

Começaram a aparecer os internautas. Eu assistia ao Programa do Jô e via, encantado, ele falar "chegou aqui um e-mail". A expressão soava tão bonita quanto desconhecida. Agora, a questão é saber se a vida na Terra ainda é possível sem o correio eletrônico. Acho que alguns arriscarão dizer que seria mais fácil viver sem árvores. E o Brasil é um dos países onde esse tipo de comunicação cresce de forma mais acelerada - as pessoas nem perguntam se você tem; perguntam qual é o seu e-mail. Colegas de trabalho já conversam dessa maneira, mesmo sentados a poucos metros uns dos outros. E à Justiça do Trabalho já chegaram processos em que funcionários são demitidos por uso considerado indevido do correio eletrônico interno da empresa. Também já é possível consultar o Diário Oficial pela internet. Tem gente que só namora assim. Pensando bem, nem tudo é possível. Desculpe, internet, não podemos viver sem você, mas isso também tem um limite.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 23/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
02. Propostas para o nosso milênio (II) de Marcelo Spalding
03. A América de John Steinbeck de Jonas Lopes


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi
01. Geraldo Vandré, 70 anos - 27/9/2005
02. No início, era o telex - 23/11/2005
03. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
04. Cantei parabéns para o Tom - 1/2/2007
05. Um imenso Big Brother - 6/2/2006


Mais Especial Internet 10 anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2006
22h34min
Era noticiarista da Rádio Itatiaia, aqui nesta Belo Horizonte, quando o barulhento telex (enviador de notícias) foi substituído pelo computador. Meu espanto foi extamente o mesmo do tão bem elaborado texto que tive a oportunidade ler. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Rubem]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Total Fitness: Força, Resistência, Flexibilidade
Mauro Guiselini - 2ª Edição
Phorte
(2001)
R$ 31,82



Discinesia Tardia
Débora Pastore Bassitt/mario Rodrigues Louzã Neto
Casa do Psicologo
(1999)
R$ 5,87



Organic Chemistry
F. Degering Outros
Barns & Noble
(1959)
R$ 58,36



Mentiras Que Parecem Verdades
Marisa Bonazzi / Umberto Eco
Summus
(1980)
R$ 19,00



Redencao
Tariq Ali
Record
(2005)
R$ 16,68



Le Cinéma
Dominique Auzel
Es Essentiels Milan
(1995)
R$ 27,88



O Som do Amor
Jojo Moyes
Intrinseca
(2017)
R$ 13,00



Português Curso Colegial Literatura Gramática Antologia
Automar Oehlmeyer Geraldo José de Sousa
Nacional
(1950)
R$ 9,90



O exército de um homem só
Moacyr Scliar
Expressão e cultura
(1937)
R$ 20,00



Legislação de Direito Internacional - 5ªedição
Saraiva Editora
Saraiva
(2012)
R$ 7,56





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês