No início, era o telex | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa da Itália em BH
>>> Comentaristas de Seriados
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
Mais Recentes
>>> Shakti Número 2 - Maio de 1992 de Sri Aurobindo e Outros pela Sociedade Sri Aurobindo Brasil
>>> Hansel and Gretel and the Other Stories By the Brothers Grimm de Brothers Grimm pela Omega (1985)
>>> Momentos de Reflexão ( Com Afirmações de Louise L. Hay) de John Columbus Taylor pela Best Seller
>>> Gonçalves Crespo Poesia de Rolando Morel Pinto pela Agir (1967)
>>> Poemas da Juventude de João Cirino dos Santos pela Do Autor
>>> Gradig-gorm de Martina Selway pela Sesam (1990)
>>> Gossip Girl - Because Im Worth It de Cecily Von Ziegesar pela Bloomsbury
>>> Geomorfologia de Antonio Christofoleti pela Usp (1974)
>>> Das Stranggiessen Von Stahl Von - Stahleisen-schriften de Jobst Thomas Wasmuht pela Stahleisen (1975)
>>> The Knot Little Books of Big Wedding Ideas de Carley Roney pela Potter Style (2014)
>>> Taxi Driver Wisdom de Risa Mickenberg pela Chronicle Books (1996)
>>> O Moderno Conto Brasileiro - Antologia Escolar de Vários Autores pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Drogas, Eu Venci! de Fredson Miranda pela Livre Expressão (2011)
>>> Vi Elsker Mere de Christian Kampmann pela Gyldendals Traneboger (1977)
>>> Reflexões Sobre o Exemplo de Nelson Savioli pela Qualitymark (2005)
>>> Unison: a Rede Social do Futuro de Andy Marino pela Jangada (2012)
>>> Caderno Seminal Nº 10 Ano 2001 de Darcilia Simões pela Digraf
>>> Erva Daninha 1 de Agnes Laury pela Edições Paulinas (1986)
>>> O Código Atlântico de Leonardo da Vinci de N/d pela Anubis
>>> Paisagismo e Jardinagem Edição 116 de N/d pela Casa Dois (2012)
>>> Princípios do Evangelho de Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias pela N/d
>>> O Noviço de Martins Pena pela Ediouro (2000)
>>> Solo de Clarineta - Memórias Primeiro Volume de Érico Veríssimo pela Globo (1973)
>>> Rich - the Life of Richard Burton de Melvyn Bragg pela Coronet (1988)
>>> Outras Palavras para o Amor de Lorraine Zago Rosenthal pela Galera Record (2013)
COLUNAS >>> Especial Internet 10 anos

Quarta-feira, 23/11/2005
No início, era o telex
Vitor Nuzzi

+ de 12000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Telex? Quem aí se lembra? Pois durante dois anos fui funcionário público - concursado, por favor - e meu cargo era agente legislativo de telecomunicações. O nome, bonito, disfarçava a função, que era a de operador de telex. Era uma máquina imensa, mais ou menos parecida com uma máquina de escrever, mas com teclado bem maior. Quando você escrevia, gravava uma fitinha perfurada, que ia se movimentando ao lado. Você podia também deixar textos gravados na tal fitinha, em caso de repetição de mensagens. Quando acaba de transmitir, apertava uma tecla que fazia soar um sininho no aparelho para onde você estava transmitindo. Era momento de escrever: "CRV CLG?". Traduzindo do telexês para o português, significava "como recebe você, colega?" Aí o colega operador dava o ok, a mensagem tinha sido bem recebida, a tarefa estava feita.

Toda essa longa introdução me pareceu necessária para dar conta da mudança de patamar em tão pouco tempo. Operei telex de 1987 a 1989. Menos de 20 anos atrás. Para ser aprovado no concurso tive de fazer prova de datilografia. O teste foi no Instituto Brasileiro de Mecanografia, no centro de São Paulo. Será que alguém lembra dessas coisas? Pois eu sempre gostei daquelas máquinas de teclado colorido. Ainda surgiriam as máquinas elétricas. A IBM elétrica, com aquela bolinha em cima, era qualquer coisa de sensacional.

Ainda fui reencontrar o telex em redação de jornal, também em 1989. O telex chegava, alguém tirava da máquina, o papel era colado na lauda - e da lauda, vocês lembram?, não é o ex-piloto Niki Lauda -, e aí outro alguém, com uma caneta, "penteava" o texto. Isto é, colocava acentuação e pontuação adequadas.

Depois passamos para o fax, que já era um absurdo de modernidade. E, agora, a internet. A evolução é impressionante. Dez anos. E 1995 foi um ano tão incrível que até o Botafogo ganhou o campeonato brasileiro.

Foi, também, o ano de consolidação do Real. O ano em que Hugh Grant e Divine Brown se conheceram, digamos assim, em uma rua nos Estados Unidos. A Mesbla pediu concordata. A Ferrari anunciou a contratação de um tal Michael Schumacher. Florestan Fernandes, um grande brasileiro, morreu, assim como um dos nossos melhores atores, Paulo Gracindo, nascido Pelópidas.

Tudo bem, em todos os anos alguém morre, alguém é contratado, acontecimentos estarrecedores chocam as pessoas. Mas, ao longo dos tempos - e tempo é uma palavra apropriada para essa situação -, os grandes avanços da humanidade estiveram relacionados à comunicação. Pouquíssimo tempo atrás, qualquer episódio ocorrido em um lugar distante do mundo levava dias para chegar ao nosso conhecimento. No início da História, as mensagens eram transmitidas durante semanas, meses.

Dois flashes vêm à memória, mas cada leitor há de ter o seu. Quando Jânio Quadros renunciou à presidência da República, em 1961, foi um deus-nos-acuda até localizarem o vice, João Goulart, que estava viajando pela Ásia. Foi outro deus-nos-acuda para ele tomar posse, mas isso já é outra história. E o outro momento? Ah, sim. O filme Doutor Fantástico (Mr. Strangelove), com o simpático subtítulo Como Parei de me Preocupar e Aprendi a Amar a Bomba. Grande sátira de Stanley Kubrick aos tempos de Guerra Fria, grandes atuações de Peter Sellers. Há uma cena em que o presidente dos Estados Unidos, um dos papéis de Sellers, conversa por telefone com o presidente da União Soviética. Mesmo com o famoso telefone vermelho, a comunicação era dureza. Você tinha de pedir ligação à telefonista, a ligação caía. É verdade que, hoje em dia, você xinga quando a conexão cai, quando o sistema não funciona. O mundo não é perfeito, definitivamente.

Não é preciso ir tão longe. Hoje em dia, é normal acontecer o intercâmbio entre escolas, alunos daqui que vão para o exterior, e vice-versa. Trinta anos atrás, contava-se nos dedos de uma só mão quem ia para fora. No tempo do regime militar, chegou a ser criado um depósito compulsório, em que o fulano tinha de pagar uma taxa para sair do Brasil. Quando alguém viajava, levava uma lista de encomendas de parentes e amigos. Até o início dos anos 90, éramos um país absolutamente fechado.

Começaram a aparecer os internautas. Eu assistia ao Programa do Jô e via, encantado, ele falar "chegou aqui um e-mail". A expressão soava tão bonita quanto desconhecida. Agora, a questão é saber se a vida na Terra ainda é possível sem o correio eletrônico. Acho que alguns arriscarão dizer que seria mais fácil viver sem árvores. E o Brasil é um dos países onde esse tipo de comunicação cresce de forma mais acelerada - as pessoas nem perguntam se você tem; perguntam qual é o seu e-mail. Colegas de trabalho já conversam dessa maneira, mesmo sentados a poucos metros uns dos outros. E à Justiça do Trabalho já chegaram processos em que funcionários são demitidos por uso considerado indevido do correio eletrônico interno da empresa. Também já é possível consultar o Diário Oficial pela internet. Tem gente que só namora assim. Pensando bem, nem tudo é possível. Desculpe, internet, não podemos viver sem você, mas isso também tem um limite.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 23/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
03. Minha biblioteca de sobrevivência de Julio Daio Borges
04. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs de Julio Daio Borges
05. A terra da bruma, de Arthur Conan Doyle de Ricardo de Mattos


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi
01. Geraldo Vandré, 70 anos - 27/9/2005
02. No início, era o telex - 23/11/2005
03. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
04. Cantei parabéns para o Tom - 1/2/2007
05. Um imenso Big Brother - 6/2/2006


Mais Especial Internet 10 anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2006
22h34min
Era noticiarista da Rádio Itatiaia, aqui nesta Belo Horizonte, quando o barulhento telex (enviador de notícias) foi substituído pelo computador. Meu espanto foi extamente o mesmo do tão bem elaborado texto que tive a oportunidade ler. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Rubem]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escritos Revolucionarios -Ciencias Politicas
Errico Malatesta
Novos Tempos
(1989)



The Case For Easter: a Journalist Investigates the Evidence
Lee Strobel
Zondervan
(2014)



Uma introdução ao Pert
Federal Eletronic Corporation
Pioneira
(1968)



Brida
Paulo Coelho
Klick
(1990)



Paulo, o Montanhês
Arnaldo Gama
Imprensa Nacional
(1981)



Tráfico de Anjos
Luiz Puntel
Ática
(1992)



Champanhe - edição de bolso
Adriano Aragão
Lge
(2007)



Cinco Dias de Sagração
Cunha de Leiradella
Record
(1993)



A Casa Torta
Agatha Christie
Círculo do Livro



Meu corpo minha casa
Planeta
Planeta
(2021)





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês