No início, era o telex | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Disco - Clube da Esquina
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
>>> Tão Somente Meninos
>>> Festa junina no Teatro do Incêndio busca continuidade do projeto SOL.TE
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tecnologia de Minority Report
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Do Surrealismo
>>> Milagres não existem
>>> Valsinha
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> As drogas fazem você virar os seus pais
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
Mais Recentes
>>> Guia do Estressado de Rosana Ferrão pela Aeroplano
>>> A Arte da Guerra de James Clavel pela Record (2002)
>>> Poesia na Varanda de Sonia Junqueira; Flavio Fargas pela Autêntica (2012)
>>> A Falta Que Ela Me Faz de Fernando Sabino pela Record
>>> Quem Manda na Minha Boca Sou Eu! de Ruth Rocha pela Ática (2007)
>>> Propósito - a Coragem de Ser Quem Samos de Sri Prem Baba pela Sextante (2016)
>>> O Inglês; Tal Qual Se Fala no Presente sem Auxílio de Professor de M. Oliveira Malta pela Cia. Brasil (1960)
>>> Medicina Alternativa de A a Z de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> Administração Estratégica 2 Edição de Varios pela Pearson (2005)
>>> O Vaqueano de Apolinário Porto Alegre pela Três (1973)
>>> A Casa Iluminada de Alessandro Thomé pela Benvira (2012)
>>> Medicina Alternativa de a a Z - 6ª Edição de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> O Poder de Mau Humor de Ruy Castro pela Companhia das Letras (1993)
>>> O Amanha Começa Hoje de Alf Lohne; Charlote F. Lessa; Eduardo Olszewski pela Cpb Didaticos (2013)
>>> 21 Days to the Perfect Dog de Karen Wild pela Hamlyn (2014)
>>> Ligados. Com Ciencias - 3º Ano de Maira Rosa Carnevalle pela Saraiva Didáticos (2015)
>>> Depois Que Vim a Saber... de Elifas Alves pela Teatro Espírita (1983)
>>> Sherlock Holmes - O Vale do Medo de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Instalações Elétricas de Hélio Crede pela Ltc (1986)
>>> Mensagens do Vento de Aldo Saettone pela Clio (2008)
>>> O Gerente Que Veio do Céu de Floriano Serra pela Gente (2000)
>>> Gramática Texto Análise e Construção de Sentido Caderno de Estudo de Maria Luiza M. Abaurre pela Moderna (2011)
>>> O Sentido da Vida na Catequese de Isabel Cristina a Siqueira pela Paulus (2014)
>>> Quando é Preciso Ser Forte de De Rose pela Egrégora (2005)
>>> Flores de Kalocsa de Vários Autores pela GyÖrgyi (1984)
COLUNAS >>> Especial Internet 10 anos

Quarta-feira, 23/11/2005
No início, era o telex
Vitor Nuzzi

+ de 12300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Telex? Quem aí se lembra? Pois durante dois anos fui funcionário público - concursado, por favor - e meu cargo era agente legislativo de telecomunicações. O nome, bonito, disfarçava a função, que era a de operador de telex. Era uma máquina imensa, mais ou menos parecida com uma máquina de escrever, mas com teclado bem maior. Quando você escrevia, gravava uma fitinha perfurada, que ia se movimentando ao lado. Você podia também deixar textos gravados na tal fitinha, em caso de repetição de mensagens. Quando acaba de transmitir, apertava uma tecla que fazia soar um sininho no aparelho para onde você estava transmitindo. Era momento de escrever: "CRV CLG?". Traduzindo do telexês para o português, significava "como recebe você, colega?" Aí o colega operador dava o ok, a mensagem tinha sido bem recebida, a tarefa estava feita.

Toda essa longa introdução me pareceu necessária para dar conta da mudança de patamar em tão pouco tempo. Operei telex de 1987 a 1989. Menos de 20 anos atrás. Para ser aprovado no concurso tive de fazer prova de datilografia. O teste foi no Instituto Brasileiro de Mecanografia, no centro de São Paulo. Será que alguém lembra dessas coisas? Pois eu sempre gostei daquelas máquinas de teclado colorido. Ainda surgiriam as máquinas elétricas. A IBM elétrica, com aquela bolinha em cima, era qualquer coisa de sensacional.

Ainda fui reencontrar o telex em redação de jornal, também em 1989. O telex chegava, alguém tirava da máquina, o papel era colado na lauda - e da lauda, vocês lembram?, não é o ex-piloto Niki Lauda -, e aí outro alguém, com uma caneta, "penteava" o texto. Isto é, colocava acentuação e pontuação adequadas.

Depois passamos para o fax, que já era um absurdo de modernidade. E, agora, a internet. A evolução é impressionante. Dez anos. E 1995 foi um ano tão incrível que até o Botafogo ganhou o campeonato brasileiro.

Foi, também, o ano de consolidação do Real. O ano em que Hugh Grant e Divine Brown se conheceram, digamos assim, em uma rua nos Estados Unidos. A Mesbla pediu concordata. A Ferrari anunciou a contratação de um tal Michael Schumacher. Florestan Fernandes, um grande brasileiro, morreu, assim como um dos nossos melhores atores, Paulo Gracindo, nascido Pelópidas.

Tudo bem, em todos os anos alguém morre, alguém é contratado, acontecimentos estarrecedores chocam as pessoas. Mas, ao longo dos tempos - e tempo é uma palavra apropriada para essa situação -, os grandes avanços da humanidade estiveram relacionados à comunicação. Pouquíssimo tempo atrás, qualquer episódio ocorrido em um lugar distante do mundo levava dias para chegar ao nosso conhecimento. No início da História, as mensagens eram transmitidas durante semanas, meses.

Dois flashes vêm à memória, mas cada leitor há de ter o seu. Quando Jânio Quadros renunciou à presidência da República, em 1961, foi um deus-nos-acuda até localizarem o vice, João Goulart, que estava viajando pela Ásia. Foi outro deus-nos-acuda para ele tomar posse, mas isso já é outra história. E o outro momento? Ah, sim. O filme Doutor Fantástico (Mr. Strangelove), com o simpático subtítulo Como Parei de me Preocupar e Aprendi a Amar a Bomba. Grande sátira de Stanley Kubrick aos tempos de Guerra Fria, grandes atuações de Peter Sellers. Há uma cena em que o presidente dos Estados Unidos, um dos papéis de Sellers, conversa por telefone com o presidente da União Soviética. Mesmo com o famoso telefone vermelho, a comunicação era dureza. Você tinha de pedir ligação à telefonista, a ligação caía. É verdade que, hoje em dia, você xinga quando a conexão cai, quando o sistema não funciona. O mundo não é perfeito, definitivamente.

Não é preciso ir tão longe. Hoje em dia, é normal acontecer o intercâmbio entre escolas, alunos daqui que vão para o exterior, e vice-versa. Trinta anos atrás, contava-se nos dedos de uma só mão quem ia para fora. No tempo do regime militar, chegou a ser criado um depósito compulsório, em que o fulano tinha de pagar uma taxa para sair do Brasil. Quando alguém viajava, levava uma lista de encomendas de parentes e amigos. Até o início dos anos 90, éramos um país absolutamente fechado.

Começaram a aparecer os internautas. Eu assistia ao Programa do Jô e via, encantado, ele falar "chegou aqui um e-mail". A expressão soava tão bonita quanto desconhecida. Agora, a questão é saber se a vida na Terra ainda é possível sem o correio eletrônico. Acho que alguns arriscarão dizer que seria mais fácil viver sem árvores. E o Brasil é um dos países onde esse tipo de comunicação cresce de forma mais acelerada - as pessoas nem perguntam se você tem; perguntam qual é o seu e-mail. Colegas de trabalho já conversam dessa maneira, mesmo sentados a poucos metros uns dos outros. E à Justiça do Trabalho já chegaram processos em que funcionários são demitidos por uso considerado indevido do correio eletrônico interno da empresa. Também já é possível consultar o Diário Oficial pela internet. Tem gente que só namora assim. Pensando bem, nem tudo é possível. Desculpe, internet, não podemos viver sem você, mas isso também tem um limite.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 23/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal
02. Desbloqueie seu cartão, aumente seu pênis de Luís Fernando Amâncio
03. Nem tudo é pessoal de Marta Barcellos
04. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) de Diogo Salles
05. Brasil em novo tempo de cinema de Humberto Pereira da Silva


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi
01. Geraldo Vandré, 70 anos - 27/9/2005
02. No início, era o telex - 23/11/2005
03. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
04. Cantei parabéns para o Tom - 1/2/2007
05. Um imenso Big Brother - 6/2/2006


Mais Especial Internet 10 anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/5/2006
22h34min
Era noticiarista da Rádio Itatiaia, aqui nesta Belo Horizonte, quando o barulhento telex (enviador de notícias) foi substituído pelo computador. Meu espanto foi extamente o mesmo do tão bem elaborado texto que tive a oportunidade ler. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Rubem]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Vestido Perigoso
Julia Holden
Arx
(2007)



Guerreiros de Roma - Rei dos Reis - Vol 2
Harry Sidebottom
Record
(2016)



Talassoterapia Em Casa
Angelika Eder
Pensamento
(2010)



Resumo da Doutrina Cristã
Pe. Oswaldo Baldan
Franciscana
(1973)



El Alma y las Formas y La Teoría de La Novela
Georg Lukács
Grijalbo
(1975)



Como Fazer Inimigos e Alienar Pessoas
Toby Young
Record
(2004)



Paço Imperial - roteiro para visita histórica
Diversos colaboradores
Revista do Patrimônio histórico
(1995)



Friends Forever
Friends Forever (pvt) Ltd
Call & Service Center



El Bosque de Espadas
Eric Lustbader
Atlantida
(1994)



Os últimos lagídios
Helaine Coutinho Sabbadini
Boa Nova
(2006)





busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês