Wayne Shorter: o melhor do ano | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Sexta-feira, 6/1/2006
Wayne Shorter: o melhor do ano
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2800 Acessos

"O pássaro voa não porque tem asas, mas ele tem asas porque voa".
Wayne Shorter

O Brasil pode se orgulhar por ter recebido, na edição de 2005 do Tim Festival, uma das mais significativas figuras da história do jazz: Wayne Shorter. Acontecimento desta dimensão deveria ser louvado, decretando-se feriado nacional, e exibindo-se o show deste gênio ao vivo e em rede nacional. Mas isso não acontece, porque, como dizia Schoenberg, "a verdadeira arte é para poucos, se fosse para muitos não seria a verdadeira arte".

Louvar Wayne Shorter apenas por sua presença na história do jazz seria ainda importante. Mas não é apenas esse o caso. Ele deve ser louvado pelo que consegue realizar aqui e agora, diante de nossos olhos comovidos e nossos ouvidos maravilhados. O que o músico nos trás é algo que dificilmente poderemos traduzir em palavras. Mas como somos dados a falatórios e nossa emoção e entendimento desejam ardentemente se expressar, tentamos dar conta de um fenômeno da ordem do inefável: a música.

Vamos aos fatos. Como dizia Goethe, a verdadeira sabedoria é entender que o fato é a verdadeira teoria. O que aconteceu efetivamente no show brasileiro de Shorter? Antes de responder, permita-me, leitor, algumas elocubrações. Às vezes ao ouvirmos algum disco mais antigo de jazz, temos a impressão de que "aquela" música não existe mais, que aquela sonoridade se perdeu no tempo, não fazendo parte do registro da sensibilidade dos músicos atuais. Pior do que isso: hierarquizamos, dizendo a nós mesmos que música igual àquela que acabamos de ouvir, com uma qualidade semelhante a ela, não se pratica mais. Alguma coisa preciosa se perdeu no tempo. E essa impressão ocorre a muitas pessoas. O mesmo deve ocorrer com ouvintes apaixonados por ópera, que sentem a força de um cantor antigo, dotado de uma qualidade tão inebriante que sabe que não a encontrará mais nesta vida.

Pois bem, por alguma razão que desconhecemos, e isso rararamente ocorre, temos o prazer de experimentar, ao vivo e a cores, ao renascer dessa força vibratória antiga, podendo provar um bocado dessa delícia divina... Aqui no Brasil. Foi o caso da apresentação de Wayne Shorter.

Shorter surgiu acompanhado de três músicos também geniais, o pianista panamenho Danilo Perez, o baixista John Patitucci e o baterista Brian Blade. Instalado este quarteto, irmanados pelo encontro entre uma competência inquestionável e uma sensibilidade profunda, deu-se o fenômeno acima comentado. Uma música que parecia impossível de existir, que parecia fadada ao museu dos discos de música, que guardaria para a posteridade o exemplo de uma genialidade (como existe o Louvre e o Prado, por exemplo, para a pintura), esta música poderosa, surge, de repente, nos nossos ouvidos no momento presente.

Para que ela surja é necessário que exista a comunhão entre os quatro músicos, que eles vibrem em uníssono, mas com um ingrediente inusitado, porém vital: a força de cada um, a diferença e a individualidade criativa de cada músico tem que ser preservada. E fato como esse só acontece entre grandes espíritos. Foi o que ocorreu no show do quarteto de Shorter.

O princípio básico do jazz, o improviso, se impôs preponderantemente, imperativamente. Os instrumentistas gozaram da maior força que o jazz sempre teve a seu favor, criando a cada minuto seqüências inusitadas de sons que levaram o público ao êxtase. Algumas pessoas comentaram depois do show que ele deveria ter sido assistido de joelho. Por isso a palavra êxtase se aplica aqui neste momento. Se Wynton Marsalis, por exemplo, é clássico, o quarteto de Shorter foi barroco, sendo ao mesmo tempo moderno. E agora podemos falar na vertigem do jazz, como se os pintores Tintoreto e Picasso e o baterista Art Blakey estivessem juntos dentro do sax de Shorter, produzindo uma música que a cada momento soava inusitada, inesperada, variando do meditativo ao tempestivo.

O resultado sonoro do sax de Shorter, enlaçado ao baixo de Patitucci, sobrevoado pelo piano de Perez e sacudido pela bateria de Blade fizeram do show um acontecimento ímpar. Todos esses movimentos se alternavam, hora o baixo fazendo a corte ao piano, ora se distanciando para que a bateria sobrevoasse a cena, ora o sax lançando rajadas entrecortantes sobre a bateria e ora todos irmanados numa febril vibração que se ampliava a cada momento quando, então, já divinizados pela vertigem, encontrassem uma comunhão meditativa, solene, espiritual.

Wayne Shorter não chegou a isso do nada. Tem uma história. A frase popular "diga-me com quem tu andas e direi-te quem és" tem sentido aqui. Saxofonista nascido em 1933, surgiu do Jazz Messengers de Art Blakey, onde tocou de 1959 a 1963. Foi inevitavelmente tocado pela profusão criativa de Blakey nesse período. Em 1969, participa de In a Silent Way, gravado com o quinteto de Miles Davis, com quem trabalhou tocando sax tenor de 1963 a 1970. Em 1970, emprestou, ao lado de Herbie Hancock, uma sonoridade expressiva ao álbum Britches Brew, de Miles Davis. Logo após, como um dos inovadores musicais do jazz dos anos 70, participou junto com Joe Zawinul da criação do grupo Wheater Report, um dos mais bem sucedidos grupos de fusion (fusão entre rock e jazz). Nesta época conviveu em um ambiente musical extremamente experimental onde circulavam nada menos que Chick Corea, Keith Jarret, John MacLaughlin e Joe Zawinul, entre outros.

Agora, como fruto de uma experiência vital com o jazz tradicional e o experimental, Shorter encontra-se novamente em um lugar onde poucos músicos chegaram, um lugar próprio, maduro, reservado aos gênios como John Coltrane, Miles Davis, Charlie Parker, Thelonious Monk, Charles Mingus, Lester Young e outros, um lugar onde a música soa atemporal, num caminho irreversível para a eternidade. E nós podermos apreciar este momento é uma dádiva.

Pena que o público do jazz não é a massa, que faz os discos idiotas de ouro que andam por aí, mas uma pequena minoria, como aquela que aprecia a ópera e a música clássica. Por isso, ainda Wayne Shorter é para poucos, tal qual os divinos manjares e os melhores vinhos, que necessitam de um aprendizado contínuo para serem saboreados em seu significado profundo. Precisam da elevação do espírito, como as doutrinas que Shorter abraça, uma de hoje, o zen-budismo, e uma de sempre, o jazz.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 6/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
02. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
03. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
04. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol
05. Nos tempos de Street Fighter II de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2006
01. Guimarães Rosa: linguagem como invenção - 12/4/2006
02. Orkut, ame-o ou deixe-o - 27/1/2006
03. Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada - 24/11/2006
04. Renato Russo: arte e vida - 26/7/2006
05. Eleições: democracia como um falso slogan - 25/9/2006


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIVA MAIS - VENÇA E PREVINA A DEPRESSÃO
IZAIAS CLARO
SOLIDUM
(2012)
R$ 8,90



ADVERTÊNCIAS ESPIRITUAIS - O CONSELHO PLANETÁRIO
FRANCISCO EDERALDO KORNALEWSKI
MADRAS
(2000)
R$ 12,89



LINGUAGEM LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO
HEITOR MEGALE & MARILENA MATSUOKA
FTD
R$ 10,00



A 600º CELSIUS
STANLEY WILLIAMS / FEN MONTAIGNE
OBJETIVA
(2002)
R$ 11,00



VICENTE FERRER: LA REVOLUCION SILENCIOSA
ALBERTO OLIVERAS
PLANETA
(2000)
R$ 52,28



NEANDERTAL
JOHN DARNTON
PRESENÇA
(1996)
R$ 27,50



A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS - OS GRANDES CLÁSSICOS DA LITERATURA
JULIO VERNE
NOVO HORIZONTE
(1983)
R$ 10,00



O TELEJORNAL E O SERVIÇO PÚBLICO
FELIZBELA LOPES
MINERVA
(1999)
R$ 39,08



O GARANHÃO - 11ª EDIÇÃO
HAROLD ROBBINS
RECORD
(1971)
R$ 7,00



DO MEU AO TEU CORAÇÃO
PE. PAULO H. MOURA
ED. LOYOLA
R$ 5,00





busca | avançada
36466 visitas/dia
1,2 milhão/mês