A crise dos novos autores | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Há um corpo estendido no chão
>>> A Viagem de Klimt
>>> Fazendo Amigos e Influenciando Pessoas
>>> A internet não é nada
>>> Hellbox
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> One Click, a História da Amazon, de Richard L. Brandt
>>> Anos Incríveis
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Filas
Mais Recentes
>>> Mulher Brasileira Em Primeiro Lugar de Ludenbergue Góes pela Ediouro (2007)
>>> O que a Bíblia realmente ensina? de Watch Tower Bible Society Of Pennsylvania pela Watch Tower Bible (2013)
>>> Branca de Neve e o Caçador de Lily Blake pela Novo Conceito (2012)
>>> Matéria dos Sonhos de Johannes Mario Simmel pela Círculo do Livro (1988)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Ática (1992)
>>> Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda pela Companhia das Letras (1999)
>>> Para Sempre de Alyson Noël pela Intrínseca (2009)
>>> Como Se Dar Bem Com as Pessoas de M. K. Rustomji pela Summus (1975)
>>> As Mentiras que os Homens Contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> Raiva e Paciência - Ensaios Sobre Literatura Política e Colonialismo de Hans Magnus Enzensberger pela Paz e Terra (1985)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Arqueiro (2012)
>>> Comunicar Para Liderar de Leny Kyrillos e Mílton Jung pela Contexto (2016)
>>> O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Brontë pela Círculo do Livro (1994)
>>> O Essencial no Amor: as diferentes faces da experiência amorosa de Catherine Bensaid e Jean-Yves Leloup pela Vozes (2006)
>>> Deus Castiga? de Helena Craveiro pela Petit (1998)
>>> Cine Odeon de Livia Garcia Roza pela Record (2001)
>>> O Silêncio dos Amantes de Lya Luft pela Record (2008)
>>> História Viva de um Ideal - uma Orquestra uma Família uma Profissão de Hélio Brandão pela Do Autor (1996)
>>> Álbum de Família de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> Tragédia o Mal de Todos os Tempos Como Suavizar a Voz Nesses Conflitos de Glorinha Beuttenmüller pela Instituto Montenegro Raman (2009)
>>> Educação corporativa fundamentos e praticas de Ana Paula Freitas Mundim/ Eleonora Jorge Ricardo pela Qualitymark (2004)
>>> Fontes para a educação infantil de Alex Criado pela Cortez (2003)
>>> Uma Mulher Inacabada de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Caim e Abel de Jeffrey Archer pela Difel (1983)
>>> Não enviem orquideas para miss blandish de James Hadley Chase pela Globo Rs (1967)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Quarta-feira, 31/5/2006
A crise dos novos autores
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Existem dois problemas que assolam a mente dos novos autores no que diz respeito à criação de novas e significativas obras literárias (ou mesmo de outras artes). Os dois monstros assustadores são: o problema da angústia da influência e a idéia ou necessidade de se criar algo novo.

Essa angústia que atinge a produção dos novos autores talvez seja real. Ter em mente autores tão potentes como Proust, Dostoiévski, Tolstoi, Kafka, Joyce, Flaubert, Rilke, Balzac, Thomas Mann, dentre outros, deve ser castrante para quem quer vir a ser escritor um dia. Ao menos se o novo autor tiver o mínimo de senso autocrítico (e se, ao menos, conhecer essa tradição, está claro). Como superar experiências artísticas tão significativas quanto a da tradição literária? Como superar mentes tão inteligentes, tão informadas dos sentimentos, idéias e problemas da existência social e estética de seu próprio tempo e que conseguiram transformar isso em verdadeiras obras de arte? Não foi isso o que fizeram nossos grandes mestres do passado?

Realmente não é para qualquer um encarar tarefa tão elevada. Afinal, quem hoje em dia está disposto a consagrar toda a sua existência ao mergulho cego num projeto de criação da obra de arte como da própria vida? É preciso ter fé na arte acima de qualquer coisa para se dar o próprio sangue por ela. E poucos nas atuais circunstâncias estão dispostos a tanto. Não foi (apenas) isso o que fizeram nossos gigantes do passado?

Uma coisa é querer ser famoso, rico, venerado pela sua própria arte, outra é ir ao encontro do desconhecido, por uma questão absolutamente existencial (da arte como necessidade vital para a própria existência), sem mediação de valores apenas circunstanciais, como o prestígio social tão sonhado por uma geração de narcísicos e apáticos boçais. Quando a busca pelo prestígio se torna mais importante que a criação, estamos diante da dupla face demoníaca da incompetência: a imitação (o que está na moda fazer?) e o prosaico (se minha vida é superficial, minha arte também o será). E em arte, como sabemos, a imitação e o prosaico são venenos sem cura.

O outro problema que mencionei é o da tentativa de superação das grandes obras do passado através da criação do novo. Sabemos que, nos anos 30, Ezra Pound impôs aos literatos de seu tempo um dos mais famosos imperativos da literatura moderna: a ordem de tornar novo. Trata-se da concepção de que as artes modernas têm a obrigação especial, o dever vanguardista, de ir à frente de sua época, dinamitando o passado e transformando a própria natureza da arte. A tábua rasa do passado foi lançada nas palavras de Tchekhov: "Há necessidade de novas formas, e, se não há como encontrá-las, melhor ficar sem nada". E também Nietzsche não deixou por menos: "Todo aquele que quiser ser criativo no bem e no mal deverá antes ser um aniquilador e destruidor de valores".

Falar é fácil. Depois de mentes que, sem sombra de dúvida, correspondiam a esses ditames, como Joyce, T.S. Eliot, Kafka e o próprio Ezra Pound, depois dessas mentes inventivas, o que sobrou? A genialidade parou nos anos 30? Pelo visto, sim. Afinal, arremedos de tudo isso não param de se colocar como se pertencessem a essa tradição do novo. Mas copiar uma tradição e/ou ruptura não seria apenas macaquear em regrinhas o que antes era genialidade e congelar o processo criador que deveria ser algo profundamente individual para ser inovador?

No Brasil, salvos dessa perversão estão, entre outros raros talentos, apenas Guimarães Rosa, Drummond, Clarice Lispector e Hilda Hilst. Mas... e depois dessas nobres almas?

O mesmo acontece nas artes plásticas. Uma coisa é rasgar a tela pela primeira vez, como fez Fontana, outra é ficar copiando esse gesto (essa arte?) insistentemente e imbecilmente apenas para não querer estar fora de moda (na cultura também existe o estar na moda ou fora dela). Uma coisa é colar uma cadeira em uma tela na Alemanha vanguardista dos anos 20, outra é repetir isso inconseqüentemente num país atrasado e vanguardeiro como o Brasil a partir dos anos 60 (e os artistas ainda querendo se passar como pioneiros de sei lá o quê).

Dito isso, e sendo um pouco radical (ser radical é ir à raiz do problema, como dizia o velho Marx) creio que estamos longe de poder apontar qualquer coisa relevante nos últimos tempos. Não que não existam artistas de alto calibre. Eles apenas, sugiro, não interessam ao gosto médio, menor e ralo de uma geração de leitores que não são tão bem informados da tradição. E as editoras e galerias precisam sobreviver e suprir essas inteligências anãs.

Será que nossos artistas estão realmente dispostos a serem artistas no sentido mais alto que esta palavra possa ter?

As palavras de Rilke, no seu livro Cartas a um Jovem Poeta, ressoam agora na minha mente para definir o que seria o artista. "Investigue o motivo que o manda escrever; examine se estende suas raízes pelos recantos mais profundos de sua alma; confesse a si mesmo: morreria, se lhe fosse proibido escrever? Basta sentir que se poderia viver sem escrever para não mais se ter o direito de fazê-lo".

Não estaremos numa época tão superficial que os artistas também se tornaram superficiais? Afinal, qual a profundidade, a inteligência e a sensibilidade da mente de um jovem artista hoje? A arte já foi algum dia outra coisa e os artistas também. Havia um peso nas obras de arte que superavam seu peso material. Hoje parece que a literatura é leve, tão leve quanto seus poucos gramas em duzentas e tantas páginas.

Talvez estejamos diante de uma geração de artistas que apenas quer ver seu brilho refletido no espelho. E o que vão ver satisfeitos é a sua própria vaidade vazia. E o reflexo disso será também a sua própria arte.

E a arte sempre foi e é outra coisa. Nasce de outras ambições. Termino então com Rilke: "Uma obra de arte é boa quando nasceu por necessidade. Nesse caráter de origem está o seu critério - o único existente". Porque não tem sido assim, não temos tido nada de tão grande valor. Amém!


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 31/5/2006


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2006
01. Guimarães Rosa: linguagem como invenção - 12/4/2006
02. Orkut, ame-o ou deixe-o - 27/1/2006
03. Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada - 24/11/2006
04. Renato Russo: arte e vida - 26/7/2006
05. Eleições: democracia como um falso slogan - 25/9/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/5/2006
15h11min
Caro Jardel, você esqueceu de dizer que um autor que pensa em ser "famoso, rico, venerado pela sua própria arte" neste país, é, no mínimo, um tolo. São pouquíssimos os casos de autores que conseguem viver da "da própria arte", quem dirá tornar-se rico.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




As Melhores Histórias de Reinos
Lidia Chaib
Publifolha
(2000)



Organizaciones Fronterizas Fronteras del Psicoanalisis
Hugo Lerner e Susana Sternbach
Lugar
(2007)



Fundamentos do Treinamento de Força Muscular
Steven J. Fleck, William J. Kraemer
Artmed
(1999)



Homens, Dinheiro e Chocolate
Menna Van Praag; Michele Gerhardt Macculloch
Fontanar
(2009)



A Crise do Mito Americano
Gerald Messadié
Ática
(1989)



Jüdisches Wien - Entdeckungsreisen
Christof Habres
Metroverlag
(2011)



Belle-É preciso coragem para perder a inocência.
Lesley Pearce
Novo Conceito
(2012)
+ frete grátis



Clavícula de Salomão: as Chaves da Magia Cerimonial - 1ª Edição
Irene Liber
Pallas
(2004)



Terminglês
E. P. Luna
Aduaneiras
(2002)



Dicionário Ediouro: Francês-português, Português-francês
Vários Autores
Ediouro





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês