A crise dos novos autores | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Autores novos

Quarta-feira, 31/5/2006
A crise dos novos autores
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Existem dois problemas que assolam a mente dos novos autores no que diz respeito à criação de novas e significativas obras literárias (ou mesmo de outras artes). Os dois monstros assustadores são: o problema da angústia da influência e a idéia ou necessidade de se criar algo novo.

Essa angústia que atinge a produção dos novos autores talvez seja real. Ter em mente autores tão potentes como Proust, Dostoiévski, Tolstoi, Kafka, Joyce, Flaubert, Rilke, Balzac, Thomas Mann, dentre outros, deve ser castrante para quem quer vir a ser escritor um dia. Ao menos se o novo autor tiver o mínimo de senso autocrítico (e se, ao menos, conhecer essa tradição, está claro). Como superar experiências artísticas tão significativas quanto a da tradição literária? Como superar mentes tão inteligentes, tão informadas dos sentimentos, idéias e problemas da existência social e estética de seu próprio tempo e que conseguiram transformar isso em verdadeiras obras de arte? Não foi isso o que fizeram nossos grandes mestres do passado?

Realmente não é para qualquer um encarar tarefa tão elevada. Afinal, quem hoje em dia está disposto a consagrar toda a sua existência ao mergulho cego num projeto de criação da obra de arte como da própria vida? É preciso ter fé na arte acima de qualquer coisa para se dar o próprio sangue por ela. E poucos nas atuais circunstâncias estão dispostos a tanto. Não foi (apenas) isso o que fizeram nossos gigantes do passado?

Uma coisa é querer ser famoso, rico, venerado pela sua própria arte, outra é ir ao encontro do desconhecido, por uma questão absolutamente existencial (da arte como necessidade vital para a própria existência), sem mediação de valores apenas circunstanciais, como o prestígio social tão sonhado por uma geração de narcísicos e apáticos boçais. Quando a busca pelo prestígio se torna mais importante que a criação, estamos diante da dupla face demoníaca da incompetência: a imitação (o que está na moda fazer?) e o prosaico (se minha vida é superficial, minha arte também o será). E em arte, como sabemos, a imitação e o prosaico são venenos sem cura.

O outro problema que mencionei é o da tentativa de superação das grandes obras do passado através da criação do novo. Sabemos que, nos anos 30, Ezra Pound impôs aos literatos de seu tempo um dos mais famosos imperativos da literatura moderna: a ordem de tornar novo. Trata-se da concepção de que as artes modernas têm a obrigação especial, o dever vanguardista, de ir à frente de sua época, dinamitando o passado e transformando a própria natureza da arte. A tábua rasa do passado foi lançada nas palavras de Tchekhov: "Há necessidade de novas formas, e, se não há como encontrá-las, melhor ficar sem nada". E também Nietzsche não deixou por menos: "Todo aquele que quiser ser criativo no bem e no mal deverá antes ser um aniquilador e destruidor de valores".

Falar é fácil. Depois de mentes que, sem sombra de dúvida, correspondiam a esses ditames, como Joyce, T.S. Eliot, Kafka e o próprio Ezra Pound, depois dessas mentes inventivas, o que sobrou? A genialidade parou nos anos 30? Pelo visto, sim. Afinal, arremedos de tudo isso não param de se colocar como se pertencessem a essa tradição do novo. Mas copiar uma tradição e/ou ruptura não seria apenas macaquear em regrinhas o que antes era genialidade e congelar o processo criador que deveria ser algo profundamente individual para ser inovador?

No Brasil, salvos dessa perversão estão, entre outros raros talentos, apenas Guimarães Rosa, Drummond, Clarice Lispector e Hilda Hilst. Mas... e depois dessas nobres almas?

O mesmo acontece nas artes plásticas. Uma coisa é rasgar a tela pela primeira vez, como fez Fontana, outra é ficar copiando esse gesto (essa arte?) insistentemente e imbecilmente apenas para não querer estar fora de moda (na cultura também existe o estar na moda ou fora dela). Uma coisa é colar uma cadeira em uma tela na Alemanha vanguardista dos anos 20, outra é repetir isso inconseqüentemente num país atrasado e vanguardeiro como o Brasil a partir dos anos 60 (e os artistas ainda querendo se passar como pioneiros de sei lá o quê).

Dito isso, e sendo um pouco radical (ser radical é ir à raiz do problema, como dizia o velho Marx) creio que estamos longe de poder apontar qualquer coisa relevante nos últimos tempos. Não que não existam artistas de alto calibre. Eles apenas, sugiro, não interessam ao gosto médio, menor e ralo de uma geração de leitores que não são tão bem informados da tradição. E as editoras e galerias precisam sobreviver e suprir essas inteligências anãs.

Será que nossos artistas estão realmente dispostos a serem artistas no sentido mais alto que esta palavra possa ter?

As palavras de Rilke, no seu livro Cartas a um Jovem Poeta, ressoam agora na minha mente para definir o que seria o artista. "Investigue o motivo que o manda escrever; examine se estende suas raízes pelos recantos mais profundos de sua alma; confesse a si mesmo: morreria, se lhe fosse proibido escrever? Basta sentir que se poderia viver sem escrever para não mais se ter o direito de fazê-lo".

Não estaremos numa época tão superficial que os artistas também se tornaram superficiais? Afinal, qual a profundidade, a inteligência e a sensibilidade da mente de um jovem artista hoje? A arte já foi algum dia outra coisa e os artistas também. Havia um peso nas obras de arte que superavam seu peso material. Hoje parece que a literatura é leve, tão leve quanto seus poucos gramas em duzentas e tantas páginas.

Talvez estejamos diante de uma geração de artistas que apenas quer ver seu brilho refletido no espelho. E o que vão ver satisfeitos é a sua própria vaidade vazia. E o reflexo disso será também a sua própria arte.

E a arte sempre foi e é outra coisa. Nasce de outras ambições. Termino então com Rilke: "Uma obra de arte é boa quando nasceu por necessidade. Nesse caráter de origem está o seu critério - o único existente". Porque não tem sido assim, não temos tido nada de tão grande valor. Amém!


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 31/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De tinta e fio é feito o homem de Elisa Andrade Buzzo
02. Millôr desde a escola, e pela vida afora de Fernando Lago
03. Memória insuficiente de Vicente Escudero
04. Networking para crianças? de Raquel Oguri Ribeiro
05. As janelas de Guilherme de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2006
01. Guimarães Rosa: linguagem como invenção - 12/4/2006
02. Orkut, ame-o ou deixe-o - 27/1/2006
03. Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada - 24/11/2006
04. Renato Russo: arte e vida - 26/7/2006
05. Eleições: democracia como um falso slogan - 25/9/2006


Mais Especial Autores novos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/5/2006
15h11min
Caro Jardel, você esqueceu de dizer que um autor que pensa em ser "famoso, rico, venerado pela sua própria arte" neste país, é, no mínimo, um tolo. São pouquíssimos os casos de autores que conseguem viver da "da própria arte", quem dirá tornar-se rico.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CAÇADORA DE ESTRELAS - STARGAZER
CLAUDIA GRAY
PLANETA
(2011)
R$ 14,00



ATORES AUTORES (AUTOGRAFADO POR JOANA FOMM) - 647
DOC COMPARATO (ORGANISADOR)
CLUBE DO LIVRO
(1987)
R$ 15,00



ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS
LEWIS CARROLL
COMPANHIA NACIONAL
(2008)
R$ 10,00



COMO REPARAR AVARIAS NA ESTRADA SEM SER UM ESPECIALISTA
MIGUEL DE CASTRO
PLATANO
(1994)
R$ 77,00



AR LIVRE
MAURICIO SALLES VASCONCELOS
CÓRREGO
(2017)
R$ 50,00



GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA VOL. 3 ENUM GUINE
DIVERSOS AUTORES
ZAIROL
(1998)
R$ 30,00



SENSO CRÍTICO
DAVID W. CARRAHER
PIONEIRA
(1999)
R$ 16,00



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA, VOLUME 1
SÍLVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,40



O ENSINO DE LINGUAS PARA A COMUNICAÇÃO
H. G. WIDDOWSON
PONTES
(1991)
R$ 20,00



ORGANIZAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA BRASILEIRA
DELGADO DE CARVALHO
RECORD
(1969)
R$ 12,00





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês