Quixote que nada | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/5/2007
Quixote que nada
Guga Schultze

+ de 4300 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Cavaleiro da Triste Figura

Li o Quixote durante anos. Quero dizer: levei anos para ler o Dom Quixote e ainda não sei se a leitura foi completa, se ficou faltando alguma parte, algumas páginas ou mesmo algum capítulo.

Isso porque eu lia pedaços, sem respeitar a ordem da disposição original, simplesmente porque não me lembrava onde havia parado da última vez. E eu sempre parava, depois de cinco ou seis páginas, sob qualquer pretexto ou mesmo sem pretexto nenhum. E dez minutos depois já havia me esquecido de onde eu estava. Mesmo decorando o número da página (fiz isso muitas vezes) eu havia me perdido; mesmo colocando um marcador de páginas no exemplar que eu tinha em casa; os dias passavam sem que eu me animasse e retomasse a leitura; nesse meio tempo eu já tinha lido alguma outra parte, em algum outro lugar, fora de casa, ou seja, tinha me perdido de novo. Aquilo me incomodava muito. Eu estava provando para mim mesmo que eu não era o leitor que eu gostaria de ser.

Às vezes eu estava de pé, numa livraria e pegava o "ingenioso fidalgo" na estante - há muitas edições existentes - quem sabe agora eu embarcava, comprava o bilhete que me permitiria viajar pela Mancha, seguindo os dois cavaleiros, mas percebia que o Roncinante ia a passo e o burrico de Sancho seguia atrás, quer dizer, a marcha sobre a Mancha era lenta. Eu, a pé, ia mais rápido e, juro, estava mesmo tentando ir a pé, por respeito a uma das obras capitais da literatura ocidental.

Estava deixando meu Pégaso, que eu usei para seguir Ulisses na Odisséia e meu Náutilus (emprestado de Julio Verne), que usei para seguir o capitão Ahab através do Pacífico (algumas leituras dessa época em que resolvi, num ímpeto adolescente, encarar alguns volumes gordos, pesos pesados literais) e estava tentando o trote a pé, pelos campos da Mancha, já que eu não conseguia alimentar minha eguinha pocotó com a ração, a meu ver, mofada, de Cervantes.

Estava, talvez, sendo injusto com o velho espanhol, mas ele me causava o desconforto específico que eu evitava como um gato evita água, um misto de exasperação e aborrecimento contínuo desde o momento em que percebi que aquele ritmo triste era invariável ao longo de centenas de páginas. Não há nada de mais em se manter um ritmo, mas a canção, pelo menos, deve ter alguma das qualidades do canto das sereias. Deve encantar, de alguma forma.

Cervantes me soava como um orador profissional, ciente do seu público, ciente de seus próprios recursos retóricos e nunca como sereia, pitonisa, o Mágico de Oz (de quem você, depois, descobre o truque), Sherazade ou o Gato de Cheshire - há centenas de vozes que podem ser atribuídas a diversos autores e eu julgo que essas são das mais interessantes - e eu não conseguia me interessar pelo discurso desse pregador. Era como se eu estivesse numa platéia, sentado num desconfortável banco de madeira, um banco de igreja, onde muita gente chega a se ajoelhar durante o longo ofício. Os joelhos doem, a alma dói e eu alegremente me recuso a oferecer dor para qualquer divindade. Muito menos para um estropiado cavaleiro andante.

Li traduções variadas, versões e adaptações infanto-juvenis e, pelo menos, lidei com uma versão no original, em espanhol, e uma outra, uma tradução fiel ao original; um trabalho que me pareceu monstruosamente fiel.

Nunca soube e nem nunca vou saber se li o livro por inteiro; abandonei o Quixote em definitivo quando percebi que eu estava me tornando um leitor muito agressivo. Em outras palavras, o Quixote estava me envenenando.

Dom Quixote me cutucava as costelas com a ponta de sua lança e me afastava do caminho:

" - Estais certo de que vosso desejo é continuar, senhor? Consulte vosso coração e consciência e, feito isso, coloque-se à margem desse caminho onde, não poucas vezes, sofri os mais variados percalços e tropeções, perseguindo uma glória caprichosa que teima em de mim se esconder e que, por minha fé, hei de alcançar, ainda que nessa empresa deva eu me empenhar em árduas pelejas contra todo aquele que, como vós, oculta com enganosa aparência o vil propósito de mo impedir."

Em outras palavras, "cai fora, seu lugar não é aqui".

Comecei a recolher algumas observações de outros sujeitos que, como eu, não gostavam muito do Quixote. Fui achar Borges, cuja opinião displicente sobre o livro encerra algum cansaço; fui achar Nabokov, que apontou a crueldade de Cervantes - mas eram raros os meus comparsas.

A maior parte do que se escreveu sobre o Quixote é composta de elogios extremos. Então tive que buscar sozinho as palavras do meu descontentamento. E elas vieram.

Não gosto do Quixote porque é um livro cansativo. Bem, pelo menos para mim. A toada é a mesma e, uma página lida, você tem o livro inteiro. Não há variações na intensidade e é um livro para aquelas pessoas que não se cansam de rir da mesma coisa indefinidamente. No caso o riso é dirigido para a triste figura do "cavaleiro da triste figura". Um humor de corte medieval, onde o rei e seu círculo de cortesãos se riem interminavelmente do corcunda, bobo da corte, uma das profissões mais cruéis do planeta.

Não gosto do Quixote porque a retórica é carregada, as falas do cavaleiro seguem aquele padrão da retórica arcaica, cavalheiresca e cheia de salamaleques. Admiro sinceramente as pessoas que parecem se deleitar com esse tipo de conversa mole - é, literalmente, uma conversa mole - mas me sinto insensível. O que é quase um pleonasmo, mas meu coração se congela com discursos velados, articulados como um jogo de sombras.

Não gosto do Quixote porque é uma figura cristã, do mesmo naipe do nazareno, o azarado personagem central do cristianismo - o sujeito que está acossado o tempo todo pelo seu próprio destino. As pessoas praticamente não o compreendem ou o odeiam e o cara continua na mesma até morrer. Não é um bom destino, o exemplo é péssimo e a paz, ou glória, sei lá, não pode ser conseguida às custas de uma pessoa que é alvo da violência das demais; é uma coisa que não existe, só na cabeça do mártir. Porque sempre vai ter um sujeito pronto pra agredir ou bater e esse cara, o que bate, não pode ter um mártir à mão - é antiético, ou imoral, que um sujeito, um povo, um governo, tenha um saco de pancadas vivo para exercer sua crueldade. Cabe a todo mundo não se deixar transformar em saco de pancadas. Sacos de pancadas não têm graça nenhuma.

E finalmente não gosto do Quixote porque o citado cavalheiro é doido varrido. Não compartilho a idéia de que a loucura seja uma espécie de benção disfarçada. Não é. É um dos aspectos mais aterradores da miséria humana. Não existe charme na loucura e os loucos sofrem muito. Simples assim.

Eu me lembro de já ter sido recriminado (quando a gente é muito jovem ainda e pode ser recriminado) por não gostar tanto de autores antigos. Não é bem o caso. Cervantes é antigo, sem dúvida (séc. XVI), mas meu grande herói ocidental remonta a quase três mil anos; Ulisses, da Odisséia. Bem mais antigo. Atribuído a Homero, mas a discussão sobre sua real autoria não importa. O que importa é que Ulisses, Odisseu, é o pai de milhares de personagens da literatura ocidental, assim como o Quixote é pai de outros tantos. Entre esses dois pólos gravitam um sem número de criaturas e seus autores batem em teclas semelhantes. O assunto rende, mas fica para uma outra ocasião.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 16/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
02. Notas confessionais de um angustiado (V) de Cassionei Niches Petry
03. A polícia militar e o atentado à democracia de Gian Danton
04. Um Oscar para Christopher Nolan de Rafael Rodrigues
05. A interpretação dos chatos de Daniel Bushatsky


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Tropikaos - 19/12/2007
04. Barba e bigode - 4/7/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/5/2007
11h19min
É interessante ler uma opinião de alguém que não gosta e não conseguiu ler uma obra que, para mim, é magnífica. Mas ainda bem que você falou que ele é um livro cansativo pelo menos pra você. Porque eu o li em um dia só, enquanto não cheguei ao final não consegui desgrudar. Talvez aquela loucura me fizesse enxergar a vida com outros olhos, ver que também nos comportamos assim, inocentes em certos aspectos enquanto outros querem comer o nosso fígado; fantasiando amores, quando estamos sós; encontrando um bobo para ser nosso escudeiro, a fim de termos com quem falar nesse deserto de vida; enxergarmos beleza e força, quando os outros só vêem um velho moinho de vento. Enfim, para mim foi arrebatador! Mas não há problemas, o dilema que você viveu tentando ler o Cavalheiro Andante, eu também vivi tentando ler Grande Sertão. Mas eu "vim, vi e venci", porque encarei como um desafio e depois de centenas de tentativas eu consegui lê-lo em alguns dias... e até que tirando as infinitas descrições.
[Leia outros Comentários de Fabíola Barreto]
15/5/2007
15h04min
É inegável a influência que o livro de Cervantes, publicado há mais de 400 anos, exerceu em todos as áreas da cultura - literatura, artes plásticas, música (sonhar mais um sonho impossível... vencer o inimigo invencível...), nas artes cênicas, no cinema, etc. O fato é que passado esse longo tempo, Dom Quixote ainda vive e pulsa, e continua a comover, a intrigar e a encantar milhões de pessoas em todo o mundo, com exceção de alguns poucos críticos, como Guga Schultze. Tudo bem, posso não concordar com uma só palavra sua, mas defenderei até a morte o direito de dizê-la. Agora, que o livro é magnífico, ah, isso é.
[Leia outros Comentários de Henrique Godoy]
15/5/2007
15h50min
Isso, isso, isso!
[Leia outros Comentários de andré henriques]
15/5/2007
17h21min
Algumas coisas fazem com que nos sintamos estranhos, diferentes. Experimentei sensação semelhante com Graciliano mas não sei se era o livro ou, quem sabe, eu. Acho que a figura do anti-herói tende a esta depressão e o ritmo não ajuda muito no caso de Cervantes. Sempre que penso no Quixote vem à tona a figura de Gandhi, uma potência sem agressividade, uma essência sem o juízo das mitologias ocidentais; exemplar único na força não belingerante um paradoxo e como tal sem par, sem referência analógica. Odisseu é em contra-partida a potência do mito, um arauto dos deuses; a ousadia do homem e sua vontade. Ao apontar um paralelo entre o Nazareno e Don Quixote talvez fique apontado na necessidade que alguns sentem de retirá-lo da cruz ou mostrar piedade pelo seu destino, quando de fato ele é refém do seu destino e a sua verdade se funda nisto; existir post-mortem e ad aeternum. A loucura em Don Quixote é paixão suspensa, a sua jornada é a de todos nós, desumanizados pelas nossas incoerências...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
15/5/2007
22h50min
Acho, Guga, que você já foi ao livro com um pé atrás (sabe-se lá por quê) e não soube apreciar um livro aclamado como o melhor romance já escrito. A linha geral da história pode parecer repetitiva, sim, porém as tramas paralelas são fantásticas, além do que amei, de paixão, o Sancho Pança. Sem falar dos recursos estilísticos infindos que cervantes nos ensina na obra. Recomendo.
[Leia outros Comentários de Danilo Zanirato]
16/5/2007
09h29min
Quase comprei um Dom Quixote de 1m2 só para ter um livro de 1m2 em casa, num pedestal e cheio de poeira. Mas foi só vontade, ainda não criei interesse para ler este livro. Talvez eu goste, já que dou risadas indefinidamente toda vez que assisto A revolta dos Nerds e Monty Phyton. Qualquer dia ainda tento. Abraços!
[Leia outros Comentários de Bloom]
17/5/2007
13h17min
Quando li Dom Qixote, precisava ler Dom Quixote. Precisava de um herói ou anti-herói do jeito que ele era. Precisava de alguém que lutasse contra monstros imaginários, como eu. E gostei desse cara. E gostei do livro e gostei de um tanto de coisa referente a ele. Dom Quixote. Um personagem que amei e continuo amando. É isso. Beijo. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
17/5/2007
18h33min
"Mesmo decorando o número da página (fiz isso muitas vezes) eu havia me perdido; mesmo colocando um marcador de páginas no exemplar que eu tinha em casa". Hmmm. Isso parece obra daquele feiticeiro de quem o Dom Quixote fala... brincadeira, Guga. Gostei muito do seu texto, embora eu seja do time que amou o Dom Quixote.
[Leia outros Comentários de Drica]
21/5/2007
14h44min
Comprei minha edição de "Dom Quixote" numa destas edições de capa dura de banca de jornal. A tradução é muito antiga e eu não consegui fluência na leitura. Aí arrumei uma adaptação do Orígenes Lessa para adolescentes (que soube da existência por um artigo do Daniel Piza) que me serviu como um bom resumo. Agora tem sido interessante abrir o livro em determinado trecho e ler sem pretensão. Mas é um livro difícil... Minha edição tem mais de 600 páginas de uma tradução bastante complicada.
[Leia outros Comentários de Juca Azevedo]
22/5/2007
10h44min
Guga, eu também tentei ler uma dessas edições vendidas em banca de revista e não consegui ir em frente. Até hoje não sei bem o motivo(tema, linguagem, trama...). Ainda penso em insistir e tentar outras vezes, talvez com outras edições. Mas também fico pensando que com tanto livro bom na estante, insistir em um mesmo, pode parecer estar cumprindo uma obrigação. O Daniel Pennac nos diz que entre o direitos do leitor, além de pular partes, ler capítulos à frente e voltar atrás, temos ainda o direito de "não ler" e encostar um livro que não nos agradou. Parabéns pelo seu texto e pela coragem do desabafo!
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HOTEL - CAPA DURA - 1ª EDIÇÃO BRASILEIRA
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 7,00



GOLDMINES PRICE GUIDE TO COLLECTIBLE JAZZ ALBUMS 1949-1969
NEAL UMPHRED
KRAUSE PUBLICATIONS
(1994)
R$ 130,00



DECIFRANDO O GENOMA
KEVIN DAVIES
CIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 75,00



O MUNDO CONHECIDO
EDWARD P. JONES
JOSÉ OLYMPIO
(2009)
R$ 63,00



TURISMO, HOTELARIA E LAZER - 4
BEATRIZ HELENA GELAS LAGE (ORG.)
NÚCLEO DE TURISMO USP
R$ 14,00



GUIA DE PRONTO SOCORRO
JOHNSON JOHNSON
JOHNSON JOHNSON
R$ 15,00



ALEISTER CROWLEY
CHRISTIAN BOUCHET
HUGIN
(2000)
R$ 139,00



COELHOS INSTALAÇÕES E ACESSÓRIOS
MÁRCIO INFANTE VIEIRA
NOBEL
(1973)
R$ 12,00



NOSSA VIDA NOS SONHOS
TRIGUEIRINHO
PENSAMENTO
(1987)
R$ 15,00



VIVA COM ESPERANÇA
MARK FINLEY- PETER LANDLESS
CASA PUBLICADORA
(2014)
R$ 9,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês