Quixote que nada | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim da inocêcia blogueira
>>> Allen Stewart Konigsberg
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse
>>> Escrevendo com o inimigo
>>> FLAP! Uma bofetada na indiferença*
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
Mais Recentes
>>> Livro Revista Jurídica De Jure VOL 12 nº 21 de Vários pela Del Rey / Ministério Público (2013)
>>> Livro Energia. As Razões Da Crise E Como Sair Dela de Ernesto Moreira Guedes Filho, Jose Marcio. Camargo, Juan Gabriel Perez Ferres pela Gente (2002)
>>> Livro Água Salobra de Bernadette Lyra pela Cousa (2017)
>>> Livro Sonata Ao Amor - Romance Esírita de Christina Nunes pelo Espírito Iohan pela Lumen (2012)
>>> Pra cima e pra baixo de Carla Irusta pela Palavras projetos (2021)
>>> Pelos olhos de minha mãe: Diários, memórias e outras lembranças de Laura Huzak Andreato pela Palavras projetos (2021)
>>> Para onde me levam os meus pés? de Cibele Lopresti Costa pela Palavras projetos (2021)
>>> Oswaldo Treinador Esportivo de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Oswaaaaaldo! de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Os pães de ouro da velhinha de Annamaria Gozzi pela Palavras projetos (2024)
>>> Ooobbaaaa! de pela Palavras projetos (2019)
>>> O Reciclador de Palavras de Barbara Parente pela Palavras projetos (2021)
>>> O gato que não parava de crescer de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> O dragão da Maldade e a Donzela Guerreira de Marco Haurélio pela Palavras projetos (2022)
>>> O almanaque de Lia de Luís Dill pela Palavras projetos (2022)
>>> No Museu de Susanna Mattiangeli pela Palavras projetos (2023)
>>> Nig-Nig de Andréia Vieira pela Palavras projetos (2023)
>>> Li M'in: uma criança de Chimel de Dante Rigoberta; Liano pela Palavras projetos (2018)
>>> Lábaro: O enigma da bandeira brasileira de Elifas Andreato pela Palavras projetos (2022)
>>> 80 Degraus de Luís Dill pela Palavras projetos (2018)
>>> Estamos Todas Bem de Ana Penyas pela Palavras projetos (2022)
>>> Duas asas de Cristina Bellemo pela Palavras projetos (2024)
>>> Divisão Azul: Um agente infiltrado de Fran Jaraba pela Palavras projetos (2021)
>>> Campos de concentração de Narcís Molins i Fábrega pela Palavras projetos (2023)
>>> Ave do Paraíso de Georgina martins pela Palavras projetos (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 16/5/2007
Quixote que nada
Guga Schultze
+ de 6200 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Cavaleiro da Triste Figura

Li o Quixote durante anos. Quero dizer: levei anos para ler o Dom Quixote e ainda não sei se a leitura foi completa, se ficou faltando alguma parte, algumas páginas ou mesmo algum capítulo.

Isso porque eu lia pedaços, sem respeitar a ordem da disposição original, simplesmente porque não me lembrava onde havia parado da última vez. E eu sempre parava, depois de cinco ou seis páginas, sob qualquer pretexto ou mesmo sem pretexto nenhum. E dez minutos depois já havia me esquecido de onde eu estava. Mesmo decorando o número da página (fiz isso muitas vezes) eu havia me perdido; mesmo colocando um marcador de páginas no exemplar que eu tinha em casa; os dias passavam sem que eu me animasse e retomasse a leitura; nesse meio tempo eu já tinha lido alguma outra parte, em algum outro lugar, fora de casa, ou seja, tinha me perdido de novo. Aquilo me incomodava muito. Eu estava provando para mim mesmo que eu não era o leitor que eu gostaria de ser.

Às vezes eu estava de pé, numa livraria e pegava o "ingenioso fidalgo" na estante - há muitas edições existentes - quem sabe agora eu embarcava, comprava o bilhete que me permitiria viajar pela Mancha, seguindo os dois cavaleiros, mas percebia que o Roncinante ia a passo e o burrico de Sancho seguia atrás, quer dizer, a marcha sobre a Mancha era lenta. Eu, a pé, ia mais rápido e, juro, estava mesmo tentando ir a pé, por respeito a uma das obras capitais da literatura ocidental.

Estava deixando meu Pégaso, que eu usei para seguir Ulisses na Odisséia e meu Náutilus (emprestado de Julio Verne), que usei para seguir o capitão Ahab através do Pacífico (algumas leituras dessa época em que resolvi, num ímpeto adolescente, encarar alguns volumes gordos, pesos pesados literais) e estava tentando o trote a pé, pelos campos da Mancha, já que eu não conseguia alimentar minha eguinha pocotó com a ração, a meu ver, mofada, de Cervantes.

Estava, talvez, sendo injusto com o velho espanhol, mas ele me causava o desconforto específico que eu evitava como um gato evita água, um misto de exasperação e aborrecimento contínuo desde o momento em que percebi que aquele ritmo triste era invariável ao longo de centenas de páginas. Não há nada de mais em se manter um ritmo, mas a canção, pelo menos, deve ter alguma das qualidades do canto das sereias. Deve encantar, de alguma forma.

Cervantes me soava como um orador profissional, ciente do seu público, ciente de seus próprios recursos retóricos e nunca como sereia, pitonisa, o Mágico de Oz (de quem você, depois, descobre o truque), Sherazade ou o Gato de Cheshire - há centenas de vozes que podem ser atribuídas a diversos autores e eu julgo que essas são das mais interessantes - e eu não conseguia me interessar pelo discurso desse pregador. Era como se eu estivesse numa platéia, sentado num desconfortável banco de madeira, um banco de igreja, onde muita gente chega a se ajoelhar durante o longo ofício. Os joelhos doem, a alma dói e eu alegremente me recuso a oferecer dor para qualquer divindade. Muito menos para um estropiado cavaleiro andante.

Li traduções variadas, versões e adaptações infanto-juvenis e, pelo menos, lidei com uma versão no original, em espanhol, e uma outra, uma tradução fiel ao original; um trabalho que me pareceu monstruosamente fiel.

Nunca soube e nem nunca vou saber se li o livro por inteiro; abandonei o Quixote em definitivo quando percebi que eu estava me tornando um leitor muito agressivo. Em outras palavras, o Quixote estava me envenenando.

Dom Quixote me cutucava as costelas com a ponta de sua lança e me afastava do caminho:

" - Estais certo de que vosso desejo é continuar, senhor? Consulte vosso coração e consciência e, feito isso, coloque-se à margem desse caminho onde, não poucas vezes, sofri os mais variados percalços e tropeções, perseguindo uma glória caprichosa que teima em de mim se esconder e que, por minha fé, hei de alcançar, ainda que nessa empresa deva eu me empenhar em árduas pelejas contra todo aquele que, como vós, oculta com enganosa aparência o vil propósito de mo impedir."

Em outras palavras, "cai fora, seu lugar não é aqui".

Comecei a recolher algumas observações de outros sujeitos que, como eu, não gostavam muito do Quixote. Fui achar Borges, cuja opinião displicente sobre o livro encerra algum cansaço; fui achar Nabokov, que apontou a crueldade de Cervantes - mas eram raros os meus comparsas.

A maior parte do que se escreveu sobre o Quixote é composta de elogios extremos. Então tive que buscar sozinho as palavras do meu descontentamento. E elas vieram.

Não gosto do Quixote porque é um livro cansativo. Bem, pelo menos para mim. A toada é a mesma e, uma página lida, você tem o livro inteiro. Não há variações na intensidade e é um livro para aquelas pessoas que não se cansam de rir da mesma coisa indefinidamente. No caso o riso é dirigido para a triste figura do "cavaleiro da triste figura". Um humor de corte medieval, onde o rei e seu círculo de cortesãos se riem interminavelmente do corcunda, bobo da corte, uma das profissões mais cruéis do planeta.

Não gosto do Quixote porque a retórica é carregada, as falas do cavaleiro seguem aquele padrão da retórica arcaica, cavalheiresca e cheia de salamaleques. Admiro sinceramente as pessoas que parecem se deleitar com esse tipo de conversa mole - é, literalmente, uma conversa mole - mas me sinto insensível. O que é quase um pleonasmo, mas meu coração se congela com discursos velados, articulados como um jogo de sombras.

Não gosto do Quixote porque é uma figura cristã, do mesmo naipe do nazareno, o azarado personagem central do cristianismo - o sujeito que está acossado o tempo todo pelo seu próprio destino. As pessoas praticamente não o compreendem ou o odeiam e o cara continua na mesma até morrer. Não é um bom destino, o exemplo é péssimo e a paz, ou glória, sei lá, não pode ser conseguida às custas de uma pessoa que é alvo da violência das demais; é uma coisa que não existe, só na cabeça do mártir. Porque sempre vai ter um sujeito pronto pra agredir ou bater e esse cara, o que bate, não pode ter um mártir à mão - é antiético, ou imoral, que um sujeito, um povo, um governo, tenha um saco de pancadas vivo para exercer sua crueldade. Cabe a todo mundo não se deixar transformar em saco de pancadas. Sacos de pancadas não têm graça nenhuma.

E finalmente não gosto do Quixote porque o citado cavalheiro é doido varrido. Não compartilho a idéia de que a loucura seja uma espécie de benção disfarçada. Não é. É um dos aspectos mais aterradores da miséria humana. Não existe charme na loucura e os loucos sofrem muito. Simples assim.

Eu me lembro de já ter sido recriminado (quando a gente é muito jovem ainda e pode ser recriminado) por não gostar tanto de autores antigos. Não é bem o caso. Cervantes é antigo, sem dúvida (séc. XVI), mas meu grande herói ocidental remonta a quase três mil anos; Ulisses, da Odisséia. Bem mais antigo. Atribuído a Homero, mas a discussão sobre sua real autoria não importa. O que importa é que Ulisses, Odisseu, é o pai de milhares de personagens da literatura ocidental, assim como o Quixote é pai de outros tantos. Entre esses dois pólos gravitam um sem número de criaturas e seus autores batem em teclas semelhantes. O assunto rende, mas fica para uma outra ocasião.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 16/5/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Esporte de risco de Luís Fernando Amâncio
02. Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara de Elisa Andrade Buzzo
03. Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça... de Elisa Andrade Buzzo
04. Uma alucinação chamada dezembro de Luís Fernando Amâncio
05. O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul de Elisa Andrade Buzzo


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/5/2007
11h19min
É interessante ler uma opinião de alguém que não gosta e não conseguiu ler uma obra que, para mim, é magnífica. Mas ainda bem que você falou que ele é um livro cansativo pelo menos pra você. Porque eu o li em um dia só, enquanto não cheguei ao final não consegui desgrudar. Talvez aquela loucura me fizesse enxergar a vida com outros olhos, ver que também nos comportamos assim, inocentes em certos aspectos enquanto outros querem comer o nosso fígado; fantasiando amores, quando estamos sós; encontrando um bobo para ser nosso escudeiro, a fim de termos com quem falar nesse deserto de vida; enxergarmos beleza e força, quando os outros só vêem um velho moinho de vento. Enfim, para mim foi arrebatador! Mas não há problemas, o dilema que você viveu tentando ler o Cavalheiro Andante, eu também vivi tentando ler Grande Sertão. Mas eu "vim, vi e venci", porque encarei como um desafio e depois de centenas de tentativas eu consegui lê-lo em alguns dias... e até que tirando as infinitas descrições.
[Leia outros Comentários de Fabíola Barreto]
15/5/2007
15h04min
É inegável a influência que o livro de Cervantes, publicado há mais de 400 anos, exerceu em todos as áreas da cultura - literatura, artes plásticas, música (sonhar mais um sonho impossível... vencer o inimigo invencível...), nas artes cênicas, no cinema, etc. O fato é que passado esse longo tempo, Dom Quixote ainda vive e pulsa, e continua a comover, a intrigar e a encantar milhões de pessoas em todo o mundo, com exceção de alguns poucos críticos, como Guga Schultze. Tudo bem, posso não concordar com uma só palavra sua, mas defenderei até a morte o direito de dizê-la. Agora, que o livro é magnífico, ah, isso é.
[Leia outros Comentários de Henrique Godoy]
15/5/2007
15h50min
Isso, isso, isso!
[Leia outros Comentários de andré henriques]
15/5/2007
17h21min
Algumas coisas fazem com que nos sintamos estranhos, diferentes. Experimentei sensação semelhante com Graciliano mas não sei se era o livro ou, quem sabe, eu. Acho que a figura do anti-herói tende a esta depressão e o ritmo não ajuda muito no caso de Cervantes. Sempre que penso no Quixote vem à tona a figura de Gandhi, uma potência sem agressividade, uma essência sem o juízo das mitologias ocidentais; exemplar único na força não belingerante um paradoxo e como tal sem par, sem referência analógica. Odisseu é em contra-partida a potência do mito, um arauto dos deuses; a ousadia do homem e sua vontade. Ao apontar um paralelo entre o Nazareno e Don Quixote talvez fique apontado na necessidade que alguns sentem de retirá-lo da cruz ou mostrar piedade pelo seu destino, quando de fato ele é refém do seu destino e a sua verdade se funda nisto; existir post-mortem e ad aeternum. A loucura em Don Quixote é paixão suspensa, a sua jornada é a de todos nós, desumanizados pelas nossas incoerências...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
15/5/2007
22h50min
Acho, Guga, que você já foi ao livro com um pé atrás (sabe-se lá por quê) e não soube apreciar um livro aclamado como o melhor romance já escrito. A linha geral da história pode parecer repetitiva, sim, porém as tramas paralelas são fantásticas, além do que amei, de paixão, o Sancho Pança. Sem falar dos recursos estilísticos infindos que cervantes nos ensina na obra. Recomendo.
[Leia outros Comentários de Danilo Zanirato]
16/5/2007
09h29min
Quase comprei um Dom Quixote de 1m2 só para ter um livro de 1m2 em casa, num pedestal e cheio de poeira. Mas foi só vontade, ainda não criei interesse para ler este livro. Talvez eu goste, já que dou risadas indefinidamente toda vez que assisto A revolta dos Nerds e Monty Phyton. Qualquer dia ainda tento. Abraços!
[Leia outros Comentários de Bloom]
17/5/2007
13h17min
Quando li Dom Qixote, precisava ler Dom Quixote. Precisava de um herói ou anti-herói do jeito que ele era. Precisava de alguém que lutasse contra monstros imaginários, como eu. E gostei desse cara. E gostei do livro e gostei de um tanto de coisa referente a ele. Dom Quixote. Um personagem que amei e continuo amando. É isso. Beijo. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
17/5/2007
18h33min
"Mesmo decorando o número da página (fiz isso muitas vezes) eu havia me perdido; mesmo colocando um marcador de páginas no exemplar que eu tinha em casa". Hmmm. Isso parece obra daquele feiticeiro de quem o Dom Quixote fala... brincadeira, Guga. Gostei muito do seu texto, embora eu seja do time que amou o Dom Quixote.
[Leia outros Comentários de Drica]
21/5/2007
14h44min
Comprei minha edição de "Dom Quixote" numa destas edições de capa dura de banca de jornal. A tradução é muito antiga e eu não consegui fluência na leitura. Aí arrumei uma adaptação do Orígenes Lessa para adolescentes (que soube da existência por um artigo do Daniel Piza) que me serviu como um bom resumo. Agora tem sido interessante abrir o livro em determinado trecho e ler sem pretensão. Mas é um livro difícil... Minha edição tem mais de 600 páginas de uma tradução bastante complicada.
[Leia outros Comentários de Juca Azevedo]
22/5/2007
10h44min
Guga, eu também tentei ler uma dessas edições vendidas em banca de revista e não consegui ir em frente. Até hoje não sei bem o motivo(tema, linguagem, trama...). Ainda penso em insistir e tentar outras vezes, talvez com outras edições. Mas também fico pensando que com tanto livro bom na estante, insistir em um mesmo, pode parecer estar cumprindo uma obrigação. O Daniel Pennac nos diz que entre o direitos do leitor, além de pular partes, ler capítulos à frente e voltar atrás, temos ainda o direito de "não ler" e encostar um livro que não nos agradou. Parabéns pelo seu texto e pela coragem do desabafo!
[Leia outros Comentários de Áurea Thomazi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Misterio do Gigante de Pedra
Giuseppe Di Paola
Minas
(2004)



Quando Tudo Falha
Rodolpho Belz
Casa Publicadora Brasileira
(2011)



Especial Evangélico para Guitarra e Violão - Hinos da Harpa e Cantor Cristão
Luiz Soares de Freitas
Edimarte
(1991)



Assassin's Creed - Irmandade
Oliver Bowden
Galera Record
(2012)



Literatura Estrangeira Resistência: A Historia De Uma Mulher Que Desafiou Hitler
Agnes Humbert
Nova Fronteira
(2008)



Realidades - Levando O Evangelho Aos Não Alcançados
Ken Katayama
Discipular



Inteligência Multifocal
Augusto Cury
Cultrix
(2006)



Cora Coralina: Raízes de Aninha
Clóvis Carvalho Britto; Rita Elisa Seda
Ideias e Letras
(2015)



Livro de Bolso Psicologia Conceitos da Psicanálise 6 Paranóia
David Bell
Relume Dumará
(2005)



Atos impulsivos
W. Stekel
Mestre Jou
(1968)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês