Telhado de vidro | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Os caminhos de Mandela de Richard Stengel pela Principium (2013)
>>> Vencer a Crise - Lições para superar as dificuldades financeiras de Herbert Kimura pela Do Autor (2019)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das Letras (2009)
>>> Resistência de Agnes Humbert pela Nova fronteira (2008)
>>> Questões do Coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> Elimine a Sua Energia Negativa - Com Fé ou sem Fé, acreditando ou Não de Kika Miranda pela Corus (2006)
>>> O Mar de John Banville pela Nova Fronteira (2007)
>>> The golden of morocco--english edition--160 colour illustrations. de Bonechi pela Bonechi (1998)
>>> Pedraria e bijurerias extra--mais de 260 fotos. de Escala pela Escala
>>> Marley e Eu A vida e o amor ao lado do pior cão do mundo de John Grogan pela Prestígio (2006)
>>> Maria na terra de meus olhos de Oscar Araripe pela Rocco (1975)
>>> A Bruxa de Portobello de Paulo Coelho pela Planeta (2006)
>>> Descartes - Biblioteca de Filosofia de Pierre Guenancia pela Zahar (1991)
>>> A Fada e o Bruxo As Crônicas de Ivi de F Medina pela Hamelin (2012)
>>> Para Sempre Contigo de Evanice Maria Pereira pela Petit (2012)
>>> Globo Rural--Ele faz a terra dar de tudo de Editora globo pela Globo (1989)
>>> O Milagre da Manhã com Deus de Padre Reginaldo Manzotti pela Petra (2018)
>>> Globo rural--107--flores/especial--explosao no ar. de Editora globo pela Globo (1994)
>>> Cuidar & ser Cuidado de Lluis Segarra pela Cultor de Livros (2019)
>>> O Poder da Mulher que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2003)
>>> Pesquisa Princípio Científico e Educativo de Pedro Demo pela Cortez (1996)
>>> O Maravilhoso Mágico de Oz de L Frank Baum pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Peter Pan de James M Barrie pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Pinóquio de Carlo Collodi pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Globo rural--39--descoberto um tesouro:a mandioca. de Editora globo pela Globo (1989)
>>> Galerie des offices--guide officiel toutes les ceuvres. de Gloria fossi pela Giunti (2004)
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Quarta-feira, 26/9/2001
Telhado de vidro
Daniela Sandler

+ de 5100 Acessos

Anteontem estava vendo um programa na tevê pública norte-americana, a PBS - uma espécie de TV Cultura daqui. Era um documentário interessante sobre a Guerra Fria - começava na Segunda Guerra, quando os Estados Unidos e a União Soviética eram aliados, e terminava no governo Reagan e na Guerra nas Estrelas, passando, oportunamente, pela Guerra do Afeganistão (1980).

O programa mostrava, entre outras coisas, as técnicas de propaganda do governo soviético - a doutrinação ideológica por meio de aparatos culturais, meios de comunicação de massa e produtos artísticos e de entretenimento.

É bom notar que a palavra "propaganda", em inglês (escreve-se assim mesmo, como em português), não tem o sentido corriqueiro de anúncio comercial como no Brasil. "Propaganda", por aqui, permanece ancorada à sua conotação política: propagar idéias, difundir um programa político, fazê-lo permear a sociedade.

Falar em propaganda, aqui, é evocar doutrinação política de uma forma geral - e os governos totalitários em particular, em especial o estalinismo e o nazismo. As associações se desdobram em suas manifestações concretas: parcialidade na divulgação de notícias; mentiras históricas em jornais e em livros; fotomontagem; arte e literatura tendenciosas.

Yara Mitsuishi

O documentário mostrava exemplos da propaganda política soviética, em especial do antiamericanismo. As distorções e difamações eram tão absurdas que, segundo o documentário, no mais das vezes não surtiam seu efeito doutrinário. Russos davam depoimentos dizendo nunca haver acreditado na propaganda (sabiam, no entanto, que deviam ao menos fingir - a repressão política e a patrulha ideológica compensavam as falhas da doutrinação).

Um dos exemplos dizia respeito à Guerra do Afeganistão - segundo o documentário, o "Vietnã dos russos". A despeito das imagens oficiais, que mostravam as boas intenções dos russos levando o desenvolvimento ao Afeganistão, os depoentes eram unânimes: sabiam que o exército russo estava levando uma surra, voltando não apenas desmoralizado como física e emocionalmente destroçado. Como no Vietnã.

Identificação projetiva

Não pude deixar de pensar no que escrevi neste Digestivo na semana passada, quando falei sobre a parcialidade da cobertura televisiva norte-americana do ataque terrorista de 11 de setembro. Lembro-me de ter destacado o espanto de ver o maquinário ideológico em ação: a parcialidade, o exagero, as estratégias de seleção de notícias e imagens para provocar um determinado estado de ânimo - ligado, por sua vez, aos interesses políticos do governo norte-americano.

São fatos inegáveis, a despeito da postura de cada um de nós em relação à conveniência de uma guerra, que governo e tevês norte-americanas acertaram o compasso na promoção de uma empreitada bélica. Para isso, não basta motivar e encorajar o público - é preciso preparar o terreno, sedimentando uma versão específica dos fatos que justifique uma ação tão radical. Isso inclui, inclusive, minimizar as conseqüências e os custos materiais e sociais de uma guerra.

Que é tudo isso senão "propaganda" política? Pensei nisso enquanto ouvia o narrador do documentário, que falava dos soviéticos como se falasse de um planeta distante, de uma lógica estrangeira. Que nome dar à cobertura do ataque terrorista feita por canais comerciais como ABC, NBC, CBC e Fox? Não só isso. Que nome dar à decisão da rede PBS de colocar no ar um documentário sobre a Guerra Fria - documentário parcial, concentrado em desbancar a imagem do governo soviético sem dar um mínimo espaço para "o outro lado" - justamente quando se fala em uma nova grande guerra, longa e custosa?

A ilusão de que a propaganda política, a arte tendenciosa e a distorção dos fatos são praticadas apenas por regimes totalitários ou fanáticos religiosos só se sustenta se nós continuarmos caindo como patos na propaganda dos nossos próprios regimes. De certo modo, a propaganda soviética tinha uma vantagem: sua própria falta de sutileza, que tornava a mentira aparente.

Os regimes democráticos caem reféns da ilusão de imparcialidade, de verdade cristalina, de ausência de interesses na difusão de notícias, fatos e versões. O imediatismo "aqui-agora" do telejornalismo, as imagens mais-que-reais em closes microscópicos e tomadas panorâmicas, o registro instantâneo e "ao vivo", tudo isso constrói a impressão de contato direto com a realidade, sem intermediação de idéias ou tendências.

Tanto som e fúria nos distraem de seu propósito - talvez distraiam mesmo os próprios jornalistas e editores, presos em seu trabalho de escavar e jogar em nossa cara o "real".

Para mim, os meios de comunicação de massa - nos quais incluo o cinema de Hollywood, a música pop, o Wal-Mart, o mercado de automóveis - fazem tanta propaganda política quanto fazem anúncio comercial. Sua propaganda pode não ser tão exagerada ou maquiavélica quanto a soviética ou a fascista. Por outro lado, por ser tão convincente em sua "transparência", é muito mais insidiosa.

Neste caso, mais do que nunca, quem tem telhado de vidro que não jogue a primeira pedra.

Errata histórica

Para constar: propaganda política e arte tendenciosa nem sempre tiveram conotações negativas. Quando da Revolução Russa, os mais liberais e idealistas entre seus artistas e intelectuais conceberam a idéia de AgitProp - manifestações para esclarecer e educar, para mostrar as injustiças do regime antigo, para levar educação e cultura a pessoas destituídas. AgitProp não era lavagem cerebral, mas liberação política por meio da arte e dos meios de comunicação (de massa, inclusive). Gostaria de não precisar lembrar os leitores de que esses setores artísticos mais avançados foram posteriormente massacrados pelo estalinismo (infelizmente, juntar no mesmo saco todos os envolvidos na revolução - de idealistas a sanguinários - é mais um dos efeitos deletério da ignorância histórica, ou da doutrinação política).

E, por fim, para fazer justiça: não fui de modo algum a primeira a falar nos terrores internos à democracia. Para quem se interessa pelo assunto, recomendo Terror and Consensus: Vicissitudes of French Thought, editado por Jean-Joseph Goux e Philip R. Wood (Stanford: Stanford University Press, 1998).



Daniela Sandler
Riverside, 26/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que vai ser das minhas fotos? de Ana Elisa Ribeiro
02. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) de Julio Daio Borges
03. Quando as rodas param de Elisa Andrade Buzzo
04. American Horror Story: Asylum de Duanne Ribeiro
05. Baudelaire, um pária genial (parte III) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REINVENTANDO A SI MESMO LUIZ CALAINHO
LUIZ CALAINHO
AGIR
(2013)
R$ 12,00



AS GEORGICAS
CLAUDE SOMON
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 16,00
+ frete grátis



VOLTA ÀS AULAS!
COLIN THIBERT E VÉRONIQUE BOIRY
SCIPIONE
(1995)
R$ 6,99



GEOLOGIC STRUCTURES
BAILEY WILLIS E ROBIN WILLIS
MCGRAW-HILL
(1934)
R$ 49,16



ARMAS DA INFANTARIA 7
JOHN WEEKS
RENES
(1974)
R$ 6,90



A FILOSOFIA ATRAVÉS DOS TEXTOS
ALEXANDRE CABALLERO - VÁRIOS AUTORES
CULTRIX
R$ 6,50



UM CASO SECRETO DE AMOR
BARBARA TAYLOR BRADFORD
RECORD
(1997)
R$ 6,90



NAZISTAS ENTRE NÓS: A TRAJETÓRIA DOS OFICIAIS DE HITLER .. - 1ª EDIÇÃO
MARCOS GUTERMAN
CONTEXTO
(2016)
R$ 35,95



VEJA 2373 - OS SUPERPODERES DA LEITURA
VARIOS AUTORES
ABRIL
(2014)
R$ 8,00



A TRANSFIGURAÇÃO
YVES MABIN CHENNEVIÉRE
MANDARIM
(1997)
R$ 12,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês