Telhado de vidro | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Quarta-feira, 26/9/2001
Telhado de vidro
Daniela Sandler

+ de 4900 Acessos

Anteontem estava vendo um programa na tevê pública norte-americana, a PBS - uma espécie de TV Cultura daqui. Era um documentário interessante sobre a Guerra Fria - começava na Segunda Guerra, quando os Estados Unidos e a União Soviética eram aliados, e terminava no governo Reagan e na Guerra nas Estrelas, passando, oportunamente, pela Guerra do Afeganistão (1980).

O programa mostrava, entre outras coisas, as técnicas de propaganda do governo soviético - a doutrinação ideológica por meio de aparatos culturais, meios de comunicação de massa e produtos artísticos e de entretenimento.

É bom notar que a palavra "propaganda", em inglês (escreve-se assim mesmo, como em português), não tem o sentido corriqueiro de anúncio comercial como no Brasil. "Propaganda", por aqui, permanece ancorada à sua conotação política: propagar idéias, difundir um programa político, fazê-lo permear a sociedade.

Falar em propaganda, aqui, é evocar doutrinação política de uma forma geral - e os governos totalitários em particular, em especial o estalinismo e o nazismo. As associações se desdobram em suas manifestações concretas: parcialidade na divulgação de notícias; mentiras históricas em jornais e em livros; fotomontagem; arte e literatura tendenciosas.

Yara Mitsuishi

O documentário mostrava exemplos da propaganda política soviética, em especial do antiamericanismo. As distorções e difamações eram tão absurdas que, segundo o documentário, no mais das vezes não surtiam seu efeito doutrinário. Russos davam depoimentos dizendo nunca haver acreditado na propaganda (sabiam, no entanto, que deviam ao menos fingir - a repressão política e a patrulha ideológica compensavam as falhas da doutrinação).

Um dos exemplos dizia respeito à Guerra do Afeganistão - segundo o documentário, o "Vietnã dos russos". A despeito das imagens oficiais, que mostravam as boas intenções dos russos levando o desenvolvimento ao Afeganistão, os depoentes eram unânimes: sabiam que o exército russo estava levando uma surra, voltando não apenas desmoralizado como física e emocionalmente destroçado. Como no Vietnã.

Identificação projetiva

Não pude deixar de pensar no que escrevi neste Digestivo na semana passada, quando falei sobre a parcialidade da cobertura televisiva norte-americana do ataque terrorista de 11 de setembro. Lembro-me de ter destacado o espanto de ver o maquinário ideológico em ação: a parcialidade, o exagero, as estratégias de seleção de notícias e imagens para provocar um determinado estado de ânimo - ligado, por sua vez, aos interesses políticos do governo norte-americano.

São fatos inegáveis, a despeito da postura de cada um de nós em relação à conveniência de uma guerra, que governo e tevês norte-americanas acertaram o compasso na promoção de uma empreitada bélica. Para isso, não basta motivar e encorajar o público - é preciso preparar o terreno, sedimentando uma versão específica dos fatos que justifique uma ação tão radical. Isso inclui, inclusive, minimizar as conseqüências e os custos materiais e sociais de uma guerra.

Que é tudo isso senão "propaganda" política? Pensei nisso enquanto ouvia o narrador do documentário, que falava dos soviéticos como se falasse de um planeta distante, de uma lógica estrangeira. Que nome dar à cobertura do ataque terrorista feita por canais comerciais como ABC, NBC, CBC e Fox? Não só isso. Que nome dar à decisão da rede PBS de colocar no ar um documentário sobre a Guerra Fria - documentário parcial, concentrado em desbancar a imagem do governo soviético sem dar um mínimo espaço para "o outro lado" - justamente quando se fala em uma nova grande guerra, longa e custosa?

A ilusão de que a propaganda política, a arte tendenciosa e a distorção dos fatos são praticadas apenas por regimes totalitários ou fanáticos religiosos só se sustenta se nós continuarmos caindo como patos na propaganda dos nossos próprios regimes. De certo modo, a propaganda soviética tinha uma vantagem: sua própria falta de sutileza, que tornava a mentira aparente.

Os regimes democráticos caem reféns da ilusão de imparcialidade, de verdade cristalina, de ausência de interesses na difusão de notícias, fatos e versões. O imediatismo "aqui-agora" do telejornalismo, as imagens mais-que-reais em closes microscópicos e tomadas panorâmicas, o registro instantâneo e "ao vivo", tudo isso constrói a impressão de contato direto com a realidade, sem intermediação de idéias ou tendências.

Tanto som e fúria nos distraem de seu propósito - talvez distraiam mesmo os próprios jornalistas e editores, presos em seu trabalho de escavar e jogar em nossa cara o "real".

Para mim, os meios de comunicação de massa - nos quais incluo o cinema de Hollywood, a música pop, o Wal-Mart, o mercado de automóveis - fazem tanta propaganda política quanto fazem anúncio comercial. Sua propaganda pode não ser tão exagerada ou maquiavélica quanto a soviética ou a fascista. Por outro lado, por ser tão convincente em sua "transparência", é muito mais insidiosa.

Neste caso, mais do que nunca, quem tem telhado de vidro que não jogue a primeira pedra.

Errata histórica

Para constar: propaganda política e arte tendenciosa nem sempre tiveram conotações negativas. Quando da Revolução Russa, os mais liberais e idealistas entre seus artistas e intelectuais conceberam a idéia de AgitProp - manifestações para esclarecer e educar, para mostrar as injustiças do regime antigo, para levar educação e cultura a pessoas destituídas. AgitProp não era lavagem cerebral, mas liberação política por meio da arte e dos meios de comunicação (de massa, inclusive). Gostaria de não precisar lembrar os leitores de que esses setores artísticos mais avançados foram posteriormente massacrados pelo estalinismo (infelizmente, juntar no mesmo saco todos os envolvidos na revolução - de idealistas a sanguinários - é mais um dos efeitos deletério da ignorância histórica, ou da doutrinação política).

E, por fim, para fazer justiça: não fui de modo algum a primeira a falar nos terrores internos à democracia. Para quem se interessa pelo assunto, recomendo Terror and Consensus: Vicissitudes of French Thought, editado por Jean-Joseph Goux e Philip R. Wood (Stanford: Stanford University Press, 1998).



Daniela Sandler
Rochester, 26/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
02. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
03. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
04. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
05. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRATÉGIA DE EMPRESA
FRANCISCO GOMES DE MATOS
MCGRAW-HILL
(1993)
R$ 10,00



COMO VIVER EM HARMONIA COM O CANCER - 1ª EDIÇÃO
CELSO MASSUMOTO
CULTRIX
(2012)
R$ 27,00



ROYAL MARINE COMMANDO 7 - FIQUE EM PERFEITA FORMA
SIMON COOK - TONY TOMS
HEMUS
(1982)
R$ 7,80



NUEVO LISTO - CUADERNO DE EXÁMENES - ESPAÑOL
ROBERTA AMENDOLA
MODERNA
(2012)
R$ 7,00



UMA NOVA VISÃO DO SETOR POSTAL BRASILEIRO
MARIA NEUENSCHWANDER ESCOSTEGUY CARNEIRO
LUMEN JURIS
(2006)
R$ 19,82



HOMEM-ARANHA #122 VIDAS EM RISCO!
MARVEL
PANINI COMICS
(2012)
R$ 15,00



PROJETO BURITI - CIÊNCIAS 5
VIRGINA AOKI
MODERNA
(2009)
R$ 30,00



SEGREDOS DE MULHER A DESCOBERTA DO SAGRADO FEMININO
MARIA SILVIA P ORLOVAS
MADRAS
(2010)
R$ 61,75



MIDAS E SADIM. TUDO O QUE VOCE PRECISA EVITAR PARA TER SUCESSO
RICARDO BELLINO
CAMPUS
(2006)
R$ 5,00



GESTAO DE MARKETING
SERGIO ROBERTO DIAS
SARAIVA
(2003)
R$ 12,00





busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês