Por onde andam os homens bonitos? | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/12/2007
Por onde andam os homens bonitos?
Verônica Mambrini

+ de 13800 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Só faltou ele citar: "As feias que me desculpem, mas beleza é fundamental". Os homens - ok, não todos - têm um jeito específico de falar sobre as mulheres que beira a canalhice, mas flutua em encanto. O próprio Vinícius, de novo... "Uma mulher tem que ter qualquer coisa além da beleza, qualquer coisa de triste (...). Uma beleza que vem da tristeza de se saber mulher, feita apenas para amar, para sofrer pelo seu amor e para ser só perdão". De um machismo impressionante, mas fazer o quê? A sina das mulheres é se derreter por poetas. O Rubem Braga, nas crônicas, era outro especialista em dizer coisas terríveis de um jeito apaixonante.

Não que o Braga tratasse mal as moças nos seus textos, nada disso. Gentilhomme esparramando delicadezas pela imprensa por décadas, desde os anos 1930, vivia voltando para esse assunto, o que me leva a pensar que ele teria sido um mulherengo (adorável e irresistível comme il faut, mas ainda assim um mulherengo). Falava das mulheres aos pedacinhos, suavemente, e não consigo imaginar nenhuma delas feia. O truque é escolher um detalhe: em "Lembrança de um braço direito", o cronista devaneia na sensualidade velada e involuntária da mulher sentada ao lado, no avião, por breves reações dela e mais ainda pelo braço feminino ao lado dele, fetiche puro. Ou trama, no meio de diálogos, a flexibilidade e os movimentos elásticos e suaves do corpo de bailarina da moça que se espreguiçava em seu sofá jogando conversa fora, em "A Deus e ao Diabo também".

Quando fala, com raiva amarga de ciúme, da Joana, que àquela hora devia estar "no carro com aquele palhaço, toda aconchegada a ele, meio tonta de uísque, vai para o apartamento dele, um imbecil que não fala uma palavra de esperanto!", em "Sizenando, a vida é triste", a gente perdoa toda a canalhice do Braga. Ele trata as mulheres como uma coisa doce de se contemplar e amar, às vezes meio tontinhas. Mas é tanta ternura que a gente finge que nem percebeu o ar protetor e vagamente superior com que o Braga olha para nós. As feministas ressentidas que me perdoem: não consigo deixar de gostar desses textos. É que admiro a honestidade essencial dos homens que falam da beleza das mulheres. Porque, é claro, nem todo mundo é bonito. E relativizar a beleza é mais perigoso do que torná-la um critério absoluto de estética. Muitas obras-primas da pintura e da escultura, mesmo separadas por séculos, têm um fio invisível que liga o que vemos de belo nelas.

Gabriela não podia ser uma mulata desdentada e mal-cheirosa. Nem Anna Karenina deselegante. A exceção me vem com Capitu, que não é excepcionalmente bonita. Mas os olhos de ressaca têm a mesma virtude dos detalhes das mulheres de Rubem Braga: o mistério, o nunca conhecer o todo, o ser tragado por algo desconhecido e atraente. E do outro lado, as alegres mulheres de Mineo, tiradas da realidade dos álbuns do Orkut, das fotos de balada, da delícia de se mostrarem não pensantes, puras e concretas na carnalidade da existência como a poesia de Alberto Caieiro. Prontas para a praia, para a festa, como delicados papagaios coloridos e tropicais.

Os homens têm a enorme vantagem de não vestirem tanta fantasia para sair à rua. Tenho um conhecido que quase não fala. Enigmático, 20 e poucos, mas a idade não faz a menor diferença: é o menos menino dos homens que eu conheço. O que não quer dizer que pareça velho ou maduro; nada disso. Ele é a essência do que é um homem. Imaginava o moço paquerando uma menina com um tacape na mão. Outro dia, jantando com amigos, ele mesmo fez piada do tacape. Bingo! A questão é que, nos últimos tempos, andamos numa escassez de homens verdadeiramente bonitos. Os padrões de beleza andaram mudando bastante mas, graças a Deus, ainda tem salvação. Depois das hordas de metrossexuais roubando nossos cremes e esmaltes, o mundo caminha de volta à sanidade.

Não tem nada pior do que um rapaz que queira ser bonito. Porque, se ele for mesmo, vai dar um jeito de estragar tudo. Nada torna uma pessoa mais feia do que a afetação. É chato, é desinteressante; esteticamente, a afetação perverte a crueza do belo. O que completa a beleza espontaneamente, sem teatralidades ridículas, é o charme. A palavra é aparentada ao fetiche, em sentido. As duas vêm do francês e têm a idéia de coisa mágica, que enfeitiça e encanta. E o homem com charme pode ser um bruto, um poeta, um outsider ou um Adônis (moderno ou antigo, não importa). Mas, acima de tudo, ele dá a impressão de não estar nem aí. A beleza não pode ser perseguida.

Enquanto os mitos femininos de beleza explodem e vão e vêm em ondas e marés, andamos carentes de homens para ver e lembrar. As musas mais recentes parecem ter migrado do cinema para as muito mais rentáveis passarelas e ensaios fotográficos de moda. Paulo Zulu está aposentado e, nos últimos anos, não surgiu um modelinho sequer capaz de parecer menos igual do que os outros. Todos tão parecidos... um exército de beldades com gosto de canja de hospital. Nem me venham falar desses rapazes de novela da Globo. São feios ajeitadinhos e atuam muito mal. Irrita.

Consigo ver num Gael García Bernal (que arranca suspiros até sob chuva de canivete) os cânones modernos da beleza. Mas o Gael parece, não importa em que situação, que passou horas na frente do espelho desajeitando o cabelo. Quer coisa mais insuportável que um homem na frente do espelho? Sejamos poupadas de jantar com Narciso, por favor! Falta aquela coisa que um Jude Law tem, que é estar completamente arrumado e continuar mais interessado no mundo ao redor do que em si. Ou o jeito que Marlon Brando, Johnny Depp e George Clooney têm de magnetizar o olhar em qualquer situação. É o traço do rosto e do corpo, mas é a presença gigantesca sobre um raio enorme no ambiente. A beleza tem uma natureza ambígua de ser física e imaterial ao mesmo tempo.

Os feios (e os poetas) que me desculpem, mas beleza é fundamental.


Verônica Mambrini
São Paulo, 17/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
02. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
03. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
04. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
05. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/11/2007
10h14min
Verônica, que ótimo pequeno ensaio. Os homens vaidosos (desconfio que todos nós, de uma forma ou de outra, puts!) têm muito o que aprender... Abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
10/12/2007
01h14min
Concordo como você Verônica, pois o que falta nos homens de hoje em dia, é charme, estilo próprio, que faz com que toda mulher admire este homem,não só tão somente pela beleza, mas algo mais que faz dele especial. No caso, Johnny Depp é um outsider por excelência, às vezes parece que está até sujo, mas consegue arrancar delírios de devaneios do público feminino e inveja do masculino. Ele é o cara!!!
[Leia outros Comentários de cristiane bordon]
14/12/2007
13h33min
Ótimo texto, Verônica! É como o Guga aí falou... temos muito o que aprender! Mas vejo também uma boa parte das mulheres exigindo uma beleza "padrão" no homem, isso acaba conosco! Poxa... que mal há em ter uns dentinhos tortos se o cara (tudo bem... eu!) tem uma boa higiene bucal, ou uma boa linha facial (tudo bem... aí já não é tanto comigo!)?! O negócio é sermos nós mesmos, sem frescuras.
[Leia outros Comentários de Leonardo]
18/12/2007
10h58min
Independente de ser "feministamente" correto, gosto de homens que tratam as mulheres com um certo grau de paternalismo e glamour. Os poetas mais sábios sabem disso e usam esse trunfo para conquistá-las. Vinícius era um expert nessa arte, mesmo que causasse ódio nas feministas. Mas quem não gostaria de ser a garota de Ipanema, para receber aquela canção de Tom e de Vinicius? Mas falando em homens bonitos, o Chico é o primeiro da lista, pelo seu charme, inteligência e por não saber que é tão lindo. É isso aí.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
18/1/2008
09h51min
Ótimo texto. Só espero não entrar na lista dos em extinção.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
18/1/2008
15h03min
Os homens bonitos estão em toda parte, quando nos dão a mão para subir, descer ou andar ao lado, quando nos ouvem, quando nos dão o ombro, quando sem jeito não sabem o que fazer diante de nossas lágrimas, quando esfomeados ficam beliscando tudo antes de serem servidos, quando estonteados de tesão, e sem liberdade para mais, apenas roçam devagarzinho a mão na nossa pele... O homem é lindo quando sorri e mais lindo ainda quando nos faz sorrir, quando ingenuamente conta suas façanhas que sabemos de cor. O melhor homem não é perfeito, mas é aquele que você olha e diz: este é meu.
[Leia outros Comentários de Eliana de Freitas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês