Por onde andam os homens bonitos? | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Led Zeppelin Vídeos
>>> Literatura na estrada (BH)
>>> Ser intelectual dói
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
Mais Recentes
>>> Feiticeiro do Norte - Rangers - Ordem dos Arqueiros 5 de John Flanagan pela Fundamento (2011)
>>> O Que é História 15ªed. -Coleção Primeiros Passos 17 de Vavy Pacheco Borges pela Brasiliense (1980)
>>> Estórias da Boca da Noite de Altimar Pimentel pela Thesaurus (1976)
>>> O Homem que calculava de Malba Tahan pela Record (2006)
>>> Só o Amor é Real - uma história de almas gêmeas que voltam a se unir de Brian L. Weiss pela Sextante (1996)
>>> Resgate de Erak - Rangers - Ordem dos Arqueiros 7 de John Flanagan pela Fundamento (2011)
>>> Cultura quilombola na Lagoa da Pedra, Arraias-TO de Wolfgang Teske pela Senado (2012)
>>> A Cartomante e outros Contos de Machado de Assis pela Moderna (2013)
>>> Constituições primeiras do arcebispado da Bahia de Arcebispo D. Sebastião Monteiro da Vide pela Senado (2007)
>>> Colônias imperiais na terra do café: camponeses trentinos (vênetos e lombardos) nas florestas brasileiras. Espírito Santo de Renzo Maria Grosselli pela Senado (2009)
>>> Reis de Clonmel - Rangers - Ordem dos Arqueiros 8 de John Flanagan pela Fundamento (2011)
>>> Caminhos do açúcar: engenhos e casas-grandes das Alagoas de Douglas Apratto Tenório e Cármen Lúcia Dantas pela Senado (2008)
>>> Cidades históricas - inventário e pesquisa: São Luís de Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN pela Senado (2007)
>>> Bandeiras nacional, históricas e estaduais de Derly Halfeld Alves pela Senado (2011)
>>> Halt em perigo - Rangers - Ordem dos Arqueiros 9 - de John Flanagan pela Fundamento (2011)
>>> Cidades históricas - inventário e pesquisa: Parati de Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN pela Senado (2007)
>>> Atualidade de Alberto Pasqualini de Pedro Simon pela Senado (2010)
>>> Grupo Galpão 15 Anos de Risco e Rito de Carlos Antonio Leite Brandão pela O Grupo (1999)
>>> As obras dos engenheiros militares Galluzzi e Sambuceti e do arquiteto Landi no Brasil colonial do século XVIII de Riccardo Fontana pela Senado (2005)
>>> Falando de Shakespeare de Barbara Eliodora pela Funarte Cultura Inglesa (1997)
>>> Um Minuto Para Morrer (Close-Up) de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1980)
>>> As constituições dos países da Comunidade de Língua Portuguesa comentadas de Fernando A. A. Mourão, Walter C. Porto e Thelmer M. Mantovanini pela Senado (2008)
>>> Candice Bergen de C. Bergen pela Francisco Alves (1987)
>>> Cidadania, sistema político e o Estado-juiz de Gabriel Portella Fagundes Neto e Glória Maria G. de Pádua Ribeiro Portella (organização) pela Senado (2017)
>>> Arte sacra de Alagoas: um tesouro da memória de Douglas Apratto Tenório, Leda Maria de Almeida, Cármen Lúcia Dantas pela Senado (2006)
>>> Os Fantoches de Deus de Morris West pela Record (1981)
>>> Apresentação de Afonso Arinos de Virgílio Costa pela Senado (2009)
>>> Grace Kelly - As Vidas Secretas da Princesa de James Spada pela Record (1987)
>>> Uma Longa Jornada de Nicholas Sparks pela Intrinseca (2013)
>>> A Paraíba e seus problemas de José Américo de Almeida pela Senado (2012)
>>> A noite das garrafadas de Chico Castro pela Senado (2012)
>>> Anotações de Vasconcelos de Drummond à sua biografia de Antonio de Meneses Vasconcelos de Drummond pela Senado (2012)
>>> À Primeira Vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Easy Guide to Multiplespeed Bicycling de Forest H. Beets pela Howard N. Sams (1974)
>>> A abolição de Osório Duque Estrada pela Senado (2005)
>>> De Eros a Gaia de Freeman Dyson pela Best Seller (1992)
>>> A presidência Campos Sales de Alcindo Guanabara pela Senado (2005)
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> A história dos símbolos nacionais de Milton Luz pela Senado (2005)
>>> O Capital e Manual de Economia Politica de Marta Harnecker e Lapidus e Ostrovitianov pela Global (1978)
>>> Formação histórica do Acre de Leandro Tocantins pela Senado (2001)
>>> A formação do capital e seu desenvolvimento de Leônidas de Resende pela Senado (2011)
>>> A Coluna Prestes no Piauí de Chico Castro pela Senado (2007)
>>> Amapá: a terra onde o Brasil começa de José Sarney e Pedro Costa pela Senado (2004)
>>> Diário de uma Paixão de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> O Guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Um Homem de Sorte de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/12/2007
Por onde andam os homens bonitos?
Verônica Mambrini

+ de 14000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Só faltou ele citar: "As feias que me desculpem, mas beleza é fundamental". Os homens - ok, não todos - têm um jeito específico de falar sobre as mulheres que beira a canalhice, mas flutua em encanto. O próprio Vinícius, de novo... "Uma mulher tem que ter qualquer coisa além da beleza, qualquer coisa de triste (...). Uma beleza que vem da tristeza de se saber mulher, feita apenas para amar, para sofrer pelo seu amor e para ser só perdão". De um machismo impressionante, mas fazer o quê? A sina das mulheres é se derreter por poetas. O Rubem Braga, nas crônicas, era outro especialista em dizer coisas terríveis de um jeito apaixonante.

Não que o Braga tratasse mal as moças nos seus textos, nada disso. Gentilhomme esparramando delicadezas pela imprensa por décadas, desde os anos 1930, vivia voltando para esse assunto, o que me leva a pensar que ele teria sido um mulherengo (adorável e irresistível comme il faut, mas ainda assim um mulherengo). Falava das mulheres aos pedacinhos, suavemente, e não consigo imaginar nenhuma delas feia. O truque é escolher um detalhe: em "Lembrança de um braço direito", o cronista devaneia na sensualidade velada e involuntária da mulher sentada ao lado, no avião, por breves reações dela e mais ainda pelo braço feminino ao lado dele, fetiche puro. Ou trama, no meio de diálogos, a flexibilidade e os movimentos elásticos e suaves do corpo de bailarina da moça que se espreguiçava em seu sofá jogando conversa fora, em "A Deus e ao Diabo também".

Quando fala, com raiva amarga de ciúme, da Joana, que àquela hora devia estar "no carro com aquele palhaço, toda aconchegada a ele, meio tonta de uísque, vai para o apartamento dele, um imbecil que não fala uma palavra de esperanto!", em "Sizenando, a vida é triste", a gente perdoa toda a canalhice do Braga. Ele trata as mulheres como uma coisa doce de se contemplar e amar, às vezes meio tontinhas. Mas é tanta ternura que a gente finge que nem percebeu o ar protetor e vagamente superior com que o Braga olha para nós. As feministas ressentidas que me perdoem: não consigo deixar de gostar desses textos. É que admiro a honestidade essencial dos homens que falam da beleza das mulheres. Porque, é claro, nem todo mundo é bonito. E relativizar a beleza é mais perigoso do que torná-la um critério absoluto de estética. Muitas obras-primas da pintura e da escultura, mesmo separadas por séculos, têm um fio invisível que liga o que vemos de belo nelas.

Gabriela não podia ser uma mulata desdentada e mal-cheirosa. Nem Anna Karenina deselegante. A exceção me vem com Capitu, que não é excepcionalmente bonita. Mas os olhos de ressaca têm a mesma virtude dos detalhes das mulheres de Rubem Braga: o mistério, o nunca conhecer o todo, o ser tragado por algo desconhecido e atraente. E do outro lado, as alegres mulheres de Mineo, tiradas da realidade dos álbuns do Orkut, das fotos de balada, da delícia de se mostrarem não pensantes, puras e concretas na carnalidade da existência como a poesia de Alberto Caieiro. Prontas para a praia, para a festa, como delicados papagaios coloridos e tropicais.

Os homens têm a enorme vantagem de não vestirem tanta fantasia para sair à rua. Tenho um conhecido que quase não fala. Enigmático, 20 e poucos, mas a idade não faz a menor diferença: é o menos menino dos homens que eu conheço. O que não quer dizer que pareça velho ou maduro; nada disso. Ele é a essência do que é um homem. Imaginava o moço paquerando uma menina com um tacape na mão. Outro dia, jantando com amigos, ele mesmo fez piada do tacape. Bingo! A questão é que, nos últimos tempos, andamos numa escassez de homens verdadeiramente bonitos. Os padrões de beleza andaram mudando bastante mas, graças a Deus, ainda tem salvação. Depois das hordas de metrossexuais roubando nossos cremes e esmaltes, o mundo caminha de volta à sanidade.

Não tem nada pior do que um rapaz que queira ser bonito. Porque, se ele for mesmo, vai dar um jeito de estragar tudo. Nada torna uma pessoa mais feia do que a afetação. É chato, é desinteressante; esteticamente, a afetação perverte a crueza do belo. O que completa a beleza espontaneamente, sem teatralidades ridículas, é o charme. A palavra é aparentada ao fetiche, em sentido. As duas vêm do francês e têm a idéia de coisa mágica, que enfeitiça e encanta. E o homem com charme pode ser um bruto, um poeta, um outsider ou um Adônis (moderno ou antigo, não importa). Mas, acima de tudo, ele dá a impressão de não estar nem aí. A beleza não pode ser perseguida.

Enquanto os mitos femininos de beleza explodem e vão e vêm em ondas e marés, andamos carentes de homens para ver e lembrar. As musas mais recentes parecem ter migrado do cinema para as muito mais rentáveis passarelas e ensaios fotográficos de moda. Paulo Zulu está aposentado e, nos últimos anos, não surgiu um modelinho sequer capaz de parecer menos igual do que os outros. Todos tão parecidos... um exército de beldades com gosto de canja de hospital. Nem me venham falar desses rapazes de novela da Globo. São feios ajeitadinhos e atuam muito mal. Irrita.

Consigo ver num Gael García Bernal (que arranca suspiros até sob chuva de canivete) os cânones modernos da beleza. Mas o Gael parece, não importa em que situação, que passou horas na frente do espelho desajeitando o cabelo. Quer coisa mais insuportável que um homem na frente do espelho? Sejamos poupadas de jantar com Narciso, por favor! Falta aquela coisa que um Jude Law tem, que é estar completamente arrumado e continuar mais interessado no mundo ao redor do que em si. Ou o jeito que Marlon Brando, Johnny Depp e George Clooney têm de magnetizar o olhar em qualquer situação. É o traço do rosto e do corpo, mas é a presença gigantesca sobre um raio enorme no ambiente. A beleza tem uma natureza ambígua de ser física e imaterial ao mesmo tempo.

Os feios (e os poetas) que me desculpem, mas beleza é fundamental.


Verônica Mambrini
São Paulo, 17/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
03. Um safra de documentários de poesia e poetas de Elisa Andrade Buzzo
04. Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte de Heloisa Pait
05. O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood de Marilia Mota Silva


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/11/2007
10h14min
Verônica, que ótimo pequeno ensaio. Os homens vaidosos (desconfio que todos nós, de uma forma ou de outra, puts!) têm muito o que aprender... Abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
10/12/2007
01h14min
Concordo como você Verônica, pois o que falta nos homens de hoje em dia, é charme, estilo próprio, que faz com que toda mulher admire este homem,não só tão somente pela beleza, mas algo mais que faz dele especial. No caso, Johnny Depp é um outsider por excelência, às vezes parece que está até sujo, mas consegue arrancar delírios de devaneios do público feminino e inveja do masculino. Ele é o cara!!!
[Leia outros Comentários de cristiane bordon]
14/12/2007
13h33min
Ótimo texto, Verônica! É como o Guga aí falou... temos muito o que aprender! Mas vejo também uma boa parte das mulheres exigindo uma beleza "padrão" no homem, isso acaba conosco! Poxa... que mal há em ter uns dentinhos tortos se o cara (tudo bem... eu!) tem uma boa higiene bucal, ou uma boa linha facial (tudo bem... aí já não é tanto comigo!)?! O negócio é sermos nós mesmos, sem frescuras.
[Leia outros Comentários de Leonardo]
18/12/2007
10h58min
Independente de ser "feministamente" correto, gosto de homens que tratam as mulheres com um certo grau de paternalismo e glamour. Os poetas mais sábios sabem disso e usam esse trunfo para conquistá-las. Vinícius era um expert nessa arte, mesmo que causasse ódio nas feministas. Mas quem não gostaria de ser a garota de Ipanema, para receber aquela canção de Tom e de Vinicius? Mas falando em homens bonitos, o Chico é o primeiro da lista, pelo seu charme, inteligência e por não saber que é tão lindo. É isso aí.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
18/1/2008
09h51min
Ótimo texto. Só espero não entrar na lista dos em extinção.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
18/1/2008
15h03min
Os homens bonitos estão em toda parte, quando nos dão a mão para subir, descer ou andar ao lado, quando nos ouvem, quando nos dão o ombro, quando sem jeito não sabem o que fazer diante de nossas lágrimas, quando esfomeados ficam beliscando tudo antes de serem servidos, quando estonteados de tesão, e sem liberdade para mais, apenas roçam devagarzinho a mão na nossa pele... O homem é lindo quando sorri e mais lindo ainda quando nos faz sorrir, quando ingenuamente conta suas façanhas que sabemos de cor. O melhor homem não é perfeito, mas é aquele que você olha e diz: este é meu.
[Leia outros Comentários de Eliana de Freitas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESPIANDO O MUNDO PELA FECHADURA
LAÉ DE SOUZA
ECO ARTE
(2008)
R$ 7,00



BLOGS DO ALÉM
VITOR KNIJNIK
REALEJO
(2011)
R$ 35,19



REVISTA CAROS AMIGOS Nº 25
SÉRGIO DE SOUZA (ED.)
CASA AMARELA
(1999)
R$ 20,00



REVOLTA DE COLONOS IMIGRANTES
ELIANE ROBERT MORAES
ÁTICA
(2000)
R$ 12,00



IT GIRL 2: UMA GAROTA ENTRE NÓS
CECILY VON ZIEGESAR
GALERA RECORD
(2006)
R$ 5,00



TÉCNICAS DE AUMENTO DA PRODUTIVIDADE
KEN SWANN
INTERCIÊNCIA (RJ)
(1977)
R$ 24,28



O PENSAMENTO VIVO DE HEITOR VILLA-LOBOS
JOÃO CARLOS RIBEIRO (ORG.)
MARTIN CLARET
R$ 20,00



SENHOR PRENDADO: UM HOMEM QUE SE DIVERTE NA COZINHA
JOÃO BAPTISTA DA COSTA AGUIAR
LEYA
(2011)
R$ 175,00



A CONQUISTA DE NÁPOLES
ALEXANDRE DUMAS
SARAIVA
(1967)
R$ 5,00



COLEÇÃO CONTA PRA MIM: BRANCA DE NEVE
IRMÃOS GRIMM
RIDEEL
(2000)
R$ 5,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês