Por onde andam os homens bonitos? | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Babbitt de Sinclair Lewis pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 261 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Ana Karênina de Tolstói pela Nova Cultural (2002)
>>> Havia Gigantes Na Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 260 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
>>> A Divina Comédia de Dante pela Nova Cultural (2002)
>>> Xeque E Mate - Xadrez Sem Mistério E Com Muito Suspense de Gilberto Milos Júnior & Davy D'Israel pela Adonis (2000)
>>> Rock Jazz Bossa Poética de João Dutra pela Do Autor (2014)
>>> Os Melhores Poemas de Mário de Andrade de Gilda de Mello e Souza pela Globo (1993)
>>> Revista Internacional de Espiritismo - RIE, Ano LXXV, Número 07, Agosto de Vários Colaboradores pela O Clarim (2000)
>>> Antes Que a Saudade Chegue de Sady Figueira pela Evangraf (2001)
>>> A Gata do Rio Nilo de Lia Neiva pela José Olympio (1999)
>>> Convergente de Veronica Roth pela Rocco (2014)
>>> III Prêmio Proex/UFPA de Literatura - Antologia Poesias, Crônicas e Contos de Vários Autores pela Ufpa (2013)
>>> Revista Galileu, Ano 12, Número 154, Maio de Vários Colaboradores pela Globo (2004)
>>> Quinze Anos (A Juventude Como Ela É) de Carlos Heitor Cony pela Tecno Print (1973)
>>> Fazendo meu filme 3 - Roteiro Inesperado de Fani de Paula Pimenta pela Gutenberg (2013)
>>> Revista Força Aérea Nº 05 de Diversos Autores pela Action (1996)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Nova Cultural (2003)
>>> Revista Força Aérea Nº 03 de Diversos Autores pela Action (1996)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Nova Cultural (2003)
>>> Decamerão de Boccaccio pela NOVA Culltural (2003)
>>> Historia Da Filosofia- Os Pensadores de Bernadette Siqueira abrão pela Nova cultural (2004)
>>> Revista Força Aérea Nº 49 de Diversos Autores pela Action (2007)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultural (2002)
>>> Os Pensadores Husserl de Abril Cultural pela Abril Cultural (1980)
>>> Revista Força Aérea Nº 45 de Diversos Autores pela Action (2006)
>>> A Mulher de Trinta Anos de Balzac pela Nova Cultural (2003)
>>> Transformação Social da Humanidade de Samael Aun Weor pela Gnose (1986)
>>> Revista Força Aérea Nº Especial 01 de Diversos Autores pela Action (2003)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Último Czar: a Vida e a Morte de Nicolau II de Edvard Radzinsky pela Best Seller (1992)
>>> Arquipélago Gulag de Alexandre Soljenítsin pela Círculo do Livro (1975)
>>> Nova Enciclopédia Católica (12 volumes) de Vários Autores pela Renes (1969)
>>> Diário íntimo e outros escritos de piedade de João XXIII pela Livraria Morais (1964)
>>> Louis XVI and Marie Antoinette during the Revolution de Nesta H. Webster pela G. P. Putnam´s Sons (1938)
>>> Apontamentos de História Eclesiástica de Dom Jaime de Barros Câmara pela Vozes (1942)
>>> O Cardeal Newman de Pe. M. Teixeira Leite Penido pela Vozes (1946)
>>> Um pastor luterano foi ver Pio XII de Richard Baumann pela Mensafé (1957)
>>> História Geral das Civilizações (17 volumes) de Maurice Crouzet pela Difusão Europeia do Livro (1965)
>>> História das Américas (14 volumes) de Ricardo Levene (Dir); Pedro Calmon (Dir) pela W. M. Jackson (1964)
>>> Gestão Estratégica em Farmácia Hospitalar de Sonia Lucena Cipriano, Vanusa Barbosa Pinto e Cleuber Esteves Chaves pela Atheneu (2009)
>>> Prourgen – Ciclo 2 Módulo 4 de Vários Autores pela Artmed / Panamericana (2009)
>>> O Acaso e a Necessidade de Jacques Monod pela Vozes (1971)
>>> Técnicas Básicas em Biologia Molecular de Maristella de Oliveira Azevedo... (et al.)(Orgs.) pela Unb (2003)
>>> Claud Jacq – Coleção Pensamento Contemporâneo Nº 4 de Maria Andréa Loyola e Marilena Corrêa pela Uerj (2004)
>>> Ivanhoé de Walter Scott pela Nova Cultural (2003)
>>> National Geographic Brasil Nº 233 - Edição Especial de Diversos Autores pela National Geographic (2019)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Nova Cultural (2003)
COLUNAS

Segunda-feira, 17/12/2007
Por onde andam os homens bonitos?
Verônica Mambrini

+ de 14000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Só faltou ele citar: "As feias que me desculpem, mas beleza é fundamental". Os homens - ok, não todos - têm um jeito específico de falar sobre as mulheres que beira a canalhice, mas flutua em encanto. O próprio Vinícius, de novo... "Uma mulher tem que ter qualquer coisa além da beleza, qualquer coisa de triste (...). Uma beleza que vem da tristeza de se saber mulher, feita apenas para amar, para sofrer pelo seu amor e para ser só perdão". De um machismo impressionante, mas fazer o quê? A sina das mulheres é se derreter por poetas. O Rubem Braga, nas crônicas, era outro especialista em dizer coisas terríveis de um jeito apaixonante.

Não que o Braga tratasse mal as moças nos seus textos, nada disso. Gentilhomme esparramando delicadezas pela imprensa por décadas, desde os anos 1930, vivia voltando para esse assunto, o que me leva a pensar que ele teria sido um mulherengo (adorável e irresistível comme il faut, mas ainda assim um mulherengo). Falava das mulheres aos pedacinhos, suavemente, e não consigo imaginar nenhuma delas feia. O truque é escolher um detalhe: em "Lembrança de um braço direito", o cronista devaneia na sensualidade velada e involuntária da mulher sentada ao lado, no avião, por breves reações dela e mais ainda pelo braço feminino ao lado dele, fetiche puro. Ou trama, no meio de diálogos, a flexibilidade e os movimentos elásticos e suaves do corpo de bailarina da moça que se espreguiçava em seu sofá jogando conversa fora, em "A Deus e ao Diabo também".

Quando fala, com raiva amarga de ciúme, da Joana, que àquela hora devia estar "no carro com aquele palhaço, toda aconchegada a ele, meio tonta de uísque, vai para o apartamento dele, um imbecil que não fala uma palavra de esperanto!", em "Sizenando, a vida é triste", a gente perdoa toda a canalhice do Braga. Ele trata as mulheres como uma coisa doce de se contemplar e amar, às vezes meio tontinhas. Mas é tanta ternura que a gente finge que nem percebeu o ar protetor e vagamente superior com que o Braga olha para nós. As feministas ressentidas que me perdoem: não consigo deixar de gostar desses textos. É que admiro a honestidade essencial dos homens que falam da beleza das mulheres. Porque, é claro, nem todo mundo é bonito. E relativizar a beleza é mais perigoso do que torná-la um critério absoluto de estética. Muitas obras-primas da pintura e da escultura, mesmo separadas por séculos, têm um fio invisível que liga o que vemos de belo nelas.

Gabriela não podia ser uma mulata desdentada e mal-cheirosa. Nem Anna Karenina deselegante. A exceção me vem com Capitu, que não é excepcionalmente bonita. Mas os olhos de ressaca têm a mesma virtude dos detalhes das mulheres de Rubem Braga: o mistério, o nunca conhecer o todo, o ser tragado por algo desconhecido e atraente. E do outro lado, as alegres mulheres de Mineo, tiradas da realidade dos álbuns do Orkut, das fotos de balada, da delícia de se mostrarem não pensantes, puras e concretas na carnalidade da existência como a poesia de Alberto Caieiro. Prontas para a praia, para a festa, como delicados papagaios coloridos e tropicais.

Os homens têm a enorme vantagem de não vestirem tanta fantasia para sair à rua. Tenho um conhecido que quase não fala. Enigmático, 20 e poucos, mas a idade não faz a menor diferença: é o menos menino dos homens que eu conheço. O que não quer dizer que pareça velho ou maduro; nada disso. Ele é a essência do que é um homem. Imaginava o moço paquerando uma menina com um tacape na mão. Outro dia, jantando com amigos, ele mesmo fez piada do tacape. Bingo! A questão é que, nos últimos tempos, andamos numa escassez de homens verdadeiramente bonitos. Os padrões de beleza andaram mudando bastante mas, graças a Deus, ainda tem salvação. Depois das hordas de metrossexuais roubando nossos cremes e esmaltes, o mundo caminha de volta à sanidade.

Não tem nada pior do que um rapaz que queira ser bonito. Porque, se ele for mesmo, vai dar um jeito de estragar tudo. Nada torna uma pessoa mais feia do que a afetação. É chato, é desinteressante; esteticamente, a afetação perverte a crueza do belo. O que completa a beleza espontaneamente, sem teatralidades ridículas, é o charme. A palavra é aparentada ao fetiche, em sentido. As duas vêm do francês e têm a idéia de coisa mágica, que enfeitiça e encanta. E o homem com charme pode ser um bruto, um poeta, um outsider ou um Adônis (moderno ou antigo, não importa). Mas, acima de tudo, ele dá a impressão de não estar nem aí. A beleza não pode ser perseguida.

Enquanto os mitos femininos de beleza explodem e vão e vêm em ondas e marés, andamos carentes de homens para ver e lembrar. As musas mais recentes parecem ter migrado do cinema para as muito mais rentáveis passarelas e ensaios fotográficos de moda. Paulo Zulu está aposentado e, nos últimos anos, não surgiu um modelinho sequer capaz de parecer menos igual do que os outros. Todos tão parecidos... um exército de beldades com gosto de canja de hospital. Nem me venham falar desses rapazes de novela da Globo. São feios ajeitadinhos e atuam muito mal. Irrita.

Consigo ver num Gael García Bernal (que arranca suspiros até sob chuva de canivete) os cânones modernos da beleza. Mas o Gael parece, não importa em que situação, que passou horas na frente do espelho desajeitando o cabelo. Quer coisa mais insuportável que um homem na frente do espelho? Sejamos poupadas de jantar com Narciso, por favor! Falta aquela coisa que um Jude Law tem, que é estar completamente arrumado e continuar mais interessado no mundo ao redor do que em si. Ou o jeito que Marlon Brando, Johnny Depp e George Clooney têm de magnetizar o olhar em qualquer situação. É o traço do rosto e do corpo, mas é a presença gigantesca sobre um raio enorme no ambiente. A beleza tem uma natureza ambígua de ser física e imaterial ao mesmo tempo.

Os feios (e os poetas) que me desculpem, mas beleza é fundamental.


Verônica Mambrini
São Paulo, 17/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A brasileira de Elisa Andrade Buzzo
02. Apocalípticos, disléxicos e desarticulados de Julio Daio Borges
03. A garganta da reclamação de Eduardo Carvalho


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini em 2007
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
04. Insuportavelmente feliz - 17/9/2007
05. A Arte da Entrevista - 8/10/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/11/2007
10h14min
Verônica, que ótimo pequeno ensaio. Os homens vaidosos (desconfio que todos nós, de uma forma ou de outra, puts!) têm muito o que aprender... Abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
10/12/2007
01h14min
Concordo como você Verônica, pois o que falta nos homens de hoje em dia, é charme, estilo próprio, que faz com que toda mulher admire este homem,não só tão somente pela beleza, mas algo mais que faz dele especial. No caso, Johnny Depp é um outsider por excelência, às vezes parece que está até sujo, mas consegue arrancar delírios de devaneios do público feminino e inveja do masculino. Ele é o cara!!!
[Leia outros Comentários de cristiane bordon]
14/12/2007
13h33min
Ótimo texto, Verônica! É como o Guga aí falou... temos muito o que aprender! Mas vejo também uma boa parte das mulheres exigindo uma beleza "padrão" no homem, isso acaba conosco! Poxa... que mal há em ter uns dentinhos tortos se o cara (tudo bem... eu!) tem uma boa higiene bucal, ou uma boa linha facial (tudo bem... aí já não é tanto comigo!)?! O negócio é sermos nós mesmos, sem frescuras.
[Leia outros Comentários de Leonardo]
18/12/2007
10h58min
Independente de ser "feministamente" correto, gosto de homens que tratam as mulheres com um certo grau de paternalismo e glamour. Os poetas mais sábios sabem disso e usam esse trunfo para conquistá-las. Vinícius era um expert nessa arte, mesmo que causasse ódio nas feministas. Mas quem não gostaria de ser a garota de Ipanema, para receber aquela canção de Tom e de Vinicius? Mas falando em homens bonitos, o Chico é o primeiro da lista, pelo seu charme, inteligência e por não saber que é tão lindo. É isso aí.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
18/1/2008
09h51min
Ótimo texto. Só espero não entrar na lista dos em extinção.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
18/1/2008
15h03min
Os homens bonitos estão em toda parte, quando nos dão a mão para subir, descer ou andar ao lado, quando nos ouvem, quando nos dão o ombro, quando sem jeito não sabem o que fazer diante de nossas lágrimas, quando esfomeados ficam beliscando tudo antes de serem servidos, quando estonteados de tesão, e sem liberdade para mais, apenas roçam devagarzinho a mão na nossa pele... O homem é lindo quando sorri e mais lindo ainda quando nos faz sorrir, quando ingenuamente conta suas façanhas que sabemos de cor. O melhor homem não é perfeito, mas é aquele que você olha e diz: este é meu.
[Leia outros Comentários de Eliana de Freitas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANARQUISMO E ANARCOSSINDICALISMO
GIUSEPPINA SFERRA
ATICA
(1987)
R$ 22,12



NARUTO- VOLUME 12
MASASHI KISHIMOTO
PANINI COMICS
(1999)
R$ 20,00



PARA VIVER UM GRANDE AMOR
VINICIUS DE MORAES
FOLHA DE SÃO PAULO
(2008)
R$ 6,90



TABUAS DE ESTATISTICA E MATEMATICA.
BUSSAB E SEVERO.
BRASILIENSE.
(1974)
R$ 12,00



A PROSPERIDADE ESTÁ PRÓXIMA
HERMAN KAHN
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 5,00



DIÁRIO DE UM BANANA 5: A VERDADE NUA E CRUA
JEFF KINNEY
VERGARA E RIBA
(2016)
R$ 44,90



QUESTAO AGRARIA NO BRASIL
JOAO PEDRO STEDILE
ATUAL
(1997)
R$ 8,00



COMO FALAR COMO UM PROFISSIONAL
LEON FLETCHER
RECORD
(1983)
R$ 5,00



PSICANÁLISE: ONTEM E HOJE
REVISTA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE VOL 37 Nº 4
RBP
(2003)
R$ 19,28



PARTE GENERALE - CHIRURGIA DEL CAPO, DEL COLLO, DEL TORACE E DELLA COL
LUIGI WULLSTEIN MAX WILMS SCHLOFFER TILMA...
TORINENSE
(1914)
R$ 71,07





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês