Quem destruiu Anita Malfatti? | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
Mais Recentes
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai-Lama pela Sextante (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1999)
>>> Mais que Amigos de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2002)
>>> T. N. T. Nossa Força Interior de Claude M. Bristol e Harold Sherman pela Ibrasa (1980)
>>> Ana Karênina de Leão Tolstói pela Abril Cultural (1971)
>>> O Senhor do Mundo de Julio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Klick
>>> Diário de Giovanni Papini pela Nacional (1966)
>>> O Estoicismo Romano - Sêneca, Epicteto, Marco Aurélio de Reinholdo Aloysio Ullmann pela Edipucrs (1996)
>>> Complexo de Cinderela de Colette Dowling pela Melhoramentos (1995)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Abril Cultural (1981)
COLUNAS

Terça-feira, 16/9/2008
Quem destruiu Anita Malfatti?
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 11900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Eu desconfio do meu passado.
(Mário de Andrade)

O modernismo brasileiro não passou de um aborto. E Anita Malfatti, a menina prodígio que era a única manifestação real de arte moderna no nosso país, e que estava sendo gerada no útero do provincianismo paulista de início de século XX, foi destruída tão logo colocou suas primeiras asinhas avançadas de fora. Perdemos a única chance de realmente sermos modernistas. O que sobrou foi apenas a arte programática-ideológica-nacionalista, envernizada com um pseudomodernismo de artistas medianos, se não medíocres, como Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral e Portinari.

A exposição de Anita Malfatti, realizada no final de 1917 (ano da Revolução Russa, registre-se de passagem), caiu sobre a cidade de São Paulo como uma bomba. Com cerca de 50 telas "expressionistas", de uma modernidade desconcertante para os padrões artísticos da época, a artista oferecia às nossas paragens o que havia de mais radical em termos de experiência plástica: uma pintura que se pretendia uma experiência da linguagem (da forma e da cor) e não mais uma narrativa mimética do mundo.

A pintura era para ela um problema que se resolvia sob os auspícios da autonomia do artista e da arte, livre de qualquer mediação que não fosse o próprio fato/fazer artístico em si mesmo. Neste sentido, e só neste, pode-se falar em modernidade da arte. Vindo de uma experiência internacional onde conheceu a arte fauve e o expressionismo alemão, além do modernismo nos Estados Unidos, Anita se identificou imediatamente com a força de uma pintura de caráter experimental, forjada numa prática em que a autonomia do fato plástico era o princípio criador.

Anita cumpria corajosamente com suas telas essa premissa básica da arte moderna. Deu a cara à tapa ao expor seus trabalhos num Brasil caipira... e foi violentamente estapeada. Inicialmente pelo conservadorismo de Monteiro Lobato, depois pelo agenciamento ideológico-nacionalista de artistas como Mário de Andrade, Tarsila do Amaral, Di Cavalcanti e Oswald de Andrade, tão culpados quanto Lobato pela adesão da artista a uma arte mais convencional e programática.

Monteiro Lobato passou erradamente para a história como o único responsável pela decadência da obra de Anita, fruto do ataque que fez num artigo enfurecido chamando aquelas obras e todo o modernismo de "paranóia ou mistificação", apelando para uma crítica muito parecida com a dos nazistas que classificavam a arte expressionista de arte degenerada, de loucos, praticada por artistas que não passavam de doentes mentais. O resultado do artigo do autor de Idéias de Jeca Tatu foi a devolução de quadros já vendidos na exposição, a perda de alunos pela artista e seus constrangimento artístico-social.

Mas pior do que o ataque de Lobato, que a confrontava claramente, foi o contato da artista com os modernistas, que envolvendo-a numa suposta proteção a cooptaram para seus interesses ideológico-políticos de criar uma suposta arte verdadeiramente brasileira, menos radical, como veremos abaixo.

A exposição de 1917 foi visitada também por Mário de Andrade, que foi repreendido pela própria artista que o encontrou rindo de suas obras. Foi o primeiro encontro entre as duas personalidades que se tornariam grandes amigos depois. Para o parnasiano Mário de Andrade daquela época, a exposição de Anita era uma aberração. Sentindo-se culpado pelo acesso de riso incontido diante da artista e de suas obras, e sob o efeito da repreensão de Anita, Mário se desculpou enviando a ela um poema parnasiano. Como se pode ver, Mário nada entendeu da sofisticação e revolução artística de Malfatti.

Posteriormente, Mário iria defender a artista e agregá-la ao grupo modernista, inclusive convidando-a a expor suas obras na Semana de 22. Aliás, as únicas obras realmente modernistas da exposição. Essa amizade e apoio vão se converter numa espécie de constrangimento ideológico ao qual Anita se sentirá obrigada a se submeter diante do nacionalismo social do ambiente sob o qual nosso pseudomodernismo estava se desenvolvendo.

É sintomático, nesse sentido, uma carta de Mário endereçada a Anita no qual qualifica a obra de Tarsila como "as melhores pinturas modernistas que conheço", dizendo que a artista havia encontrado o caminho de uma arte genuinamente brasileira, "brasileira mas brasileira de verdade", "com tipos e santos nacionais" e com "um gosto forte de manacá e abacaxi". Realmente, essas pinturas de Tarsila não passam disso, verdadeiros abacaxis ideológicos. E esta carta de Mário tem como objetivo tentar indicar, indiretamente, um rumo para a pintura de Anita: tornar-se ela também esse abacaxi. Como podemos ver em quadros como Baianas e As bem-aventuranças, ou nos retratos que ela pintou posteriormente, por exemplo, o fato se deu.

Não resta dúvida de que Mário de Andrade tenha defendido Anita. Defesa esta que não pressupõe entendimento da arte de Malfatti como a responsável pela revolução que se iniciara na arte brasileira, mas como anotou Marta Rossetti Batista, a biógrafa de Anita, Mário "encontrava dificuldades para compreender a estranha e masculina liberdade com que Anita Malfatti jogava na tela, espontânea e violentamente, formas e cores". Mário de Andrade "nunca aceitaria completamente as deformações mais gritantes e os maiores exageros de proporções, portanto, os aspectos mais abstratizantes, interpretativos e desligados do 'real', dos trabalhos expressionistas de Anita Malfatti".

Outro fato importante na regressão de Anita foi seu contato com o professor de pintura de Tarsila e amigo de Lobato, o acadêmico Pedro Alexandrino, que representava a negação de tudo o que Anita "aprendera, acreditara e produzira". Eis o conselho que Lobato dava aos jovens artistas e que Anita acabou acatando: "freqüentai Pedro Alexandrino, tomai como norma de vida mental seu ódio a tudo o que é falso, charlatanesco, burlesco, idiota, cúbico ou futurístico".

A amizade com Tarsila, dentro do grupo modernista, também garantiu aspectos conservadores à obra de Anita, que no fim da vida parecia estar copiando os péssimos trabalhos da viajada caipira do interior paulista. Tarsila nunca foi moderna, desde o início de sua carreira abominou as novidades da arte européia de vanguarda e mesmo odiou e desqualificou o poema modernista "Paulicéia desvairada", de seu amigo Mário de Andrade, quando ele o lera para ela no seu atelier.

Tarsila disse que naquela época voltou de Paris num navio de luxo "trazendo uma caixa de pintura com muitas tintas bonitas, muitos vestidos elegantes e pouca informação artística". Isso é notório em sua obra. Por isso passou a vida a pintar seu Brasil interiorano e rural, com procissões religiosas, árvores, bichos e pedras numa adesão à crença num Brasil exótico ou pintando as chaminés, viadutos e trilhos de uma São Paulo em processo de industrialização, mas que em suas melancólicas telas não lembram minimamente a potência do futurismo europeu.

Quando Tarsila mete-se a artista social, pinta o programático, simplório e insuportável quadro Os operários, em 1933, dando ouvido aos clamores de Di Cavalcanti que proclamava que "o artista é um proletário, deve, portanto, compreender o proletariado, aderir a seus objetivos sociais e políticos e a realidade social impõe à visão artística um maior conhecimento do país e de seu povo".

Quanto ao suposto modernismo de Portinari, deixo a palavra com Tadeu Chiarelli: "tanto quanto Almeida Jr. e Di Cavalcanti, Candido Portinari foi um artista preocupado em representar a realidade exterior de seu universo circundante, fiel à etnia de seus personagens, sua condição social, enfim, à realidade física e humana do país. Um artista de extração fundamentalmente naturalista/realista, apesar de certas distorções expressivas presentes em seu trabalho". Ou seja, outro conservador... envernizado de modernista.

É basicamente dentro desse quadro de referências artístico-ideológicas marcadas pelo desejo de construir uma arte de temática social, preocupada com a afirmação de uma certa particularidade nacional, buscando a superação de um estado colonial, que redundaria num projeto de envernizamento modernista (disfarçado de antropofagia), que Anita tentará manter-se como artista. Mas as pressões do ambiente são tão grandes que respirar por conta própria torna-se um problema.

Quem sobreviveria com um projeto artístico autônomo, preocupado com questões de interesse apenas estéticos, num ambiente tão ideológico como esse da primeira metade do século XX brasileiro? Não seria Anita a sobreviver. E com ela naufragou a possibilidade de se criar no Brasil uma arte realmente modernista como a que existiu na Europa, nas formas revolucionárias do expressionismo, dadaísmo, surrealismo, futurismo, cubismo, suprematismo e construtivismo.

Somente um artista do peso de Lasar Segall, vindo da Rússia e passando pela Alemanha, naturalizando-se depois brasileiro, conseguiu manter-se no seu próprio rumo, mesmo em certo momento sendo contaminado pelos colegas modernistas, chegando a tingir de verde suas telas, retratando bananeiras e desqualificados sociais, mas retomando em seguida sua pintura universal e preocupada com os destroços da alma humana de uma forma nada provinciana.

Apesar de Oswald de Andrade ter voltado da Europa com o Manifesto Futurista debaixo do braço, não tivemos modernismo no Brasil e aqueles a que chamamos modernistas foram os principais culpados pela destruição da obra de Anita, a pequena, mas maravilhosa estrela cadente moderna que incendiou num rápido lampejo o ambiente artístico da recém-industrializada e culturalmente caipira cidade de São Paulo.

O legado modernista ao Brasil foi uma faca de dois gumes. Como disse Jorge Coli, "os modernistas nos deixaram óculos nacionais". Ao casar arte e ideologia nacionalista, acabou por nos forçar a ter uma tradição que não consegue pensar a arte por si mesma, descuidando de seu aspecto principal em nome de uma participação política e de um entendimento da nossa realidade nacional. O resultado pode ser visto, por exemplo, no Cinema Novo, rico em idéias e pobre em estética, e toda a nossa sucessão de fracassos artísticos, vangloriados aqui por serem produtos internos (brutos), mas indiferentes ao resto do mundo.

O brado de Schiller, de que "na verdadeira obra de arte a forma mata o conteúdo", não se ouviu por aqui. Ou se ouviu, e se criticou tanto, no Concretismo, única arte brasileira que atingiu um caráter universal. Mas isso é assunto para um próximo papo, entre você e eu, caro leitor. Por enquanto, choremos sobre as cinzas brilhantes de Anita Malfatti.

Para ir além
Anita Malfatti no tempo e no espaço, de Marta Rosseti Batista.
Um jeca nos vernissages, de Tadeu Chiarelli.
A querela do Brasil, de Carlos Zilio.
Modernidade e modernismo no Brasil, de Annateresa Fabris.
― "Ficou antigo ser moderno?", por Jorge Coli (Revista Bravo de março de 2008).


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 16/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
02. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti
03. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
04. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
05. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2008
01. Quem destruiu Anita Malfatti? - 16/9/2008
02. Escrevo deus com letra minúscula - 5/3/2008
03. Arthur Bispo do Rosário, Rei dos Reis - 11/11/2008
04. Evidências do Nada: a poesia de Paulo Ferraz - 1/1/2008
05. Jogos olímpicos na China - 2/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/9/2008
21h30min
Prezado Jardel D. Cavalcanti, o seu artigo é bastante atraente, creio que ponto de partida para futuros estudos e pesquisas. Eu sempre apostei em Monteito Lobato como o destruidor de Anita. Contudo, os seus argumentos despertaram-me o desejo de aprofundamento com respeito ao tema. Quando Anita foi combatida por Lobato em "Paranóia ou mistificação", de imediato ela foi defendida por Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Di Cavalcanti e outros (sim, isso você mencionou, todavia lançando desconfianças em minhas certezas). Contudo, as datas são preocupantes: 1917, 1922, 1933 — datas nas quais estavam sendo geradas as mais poderosas idelologias do século XX: do totalitarismo nazista ao bolchevique; um tempo obscuro, no qual, penso eu, era extremamente difícil discernir o óbvio do obtuso. Enfim, este tema merece maior atenção, porém, "devagar com o andor", pra não jogar a criança junto com a água do banho.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
22/9/2008
12h28min
Jardel, é realmente esclarecedora sua reflexão sobre a mais "notória" artista da famosa ruptura brasileira. Ela, que trouxe as influências de Cézanne e Van Gogh para o país, e conseguiu ser autêntica até se deixar destruir por fatores extrínsecos à sua arte. Aí é que eu acho que ela pecou, afinal, o artista deve seguir apenas às criticas da sua alma, ou, como nas palavras de Muggeridge: "Não se esqueça de que apenas os peixes mortos nadam a favor da corrente."
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
23/9/2008
10h59min
É um texto a ser pesquisado, repensado, que causa uma certa agitação, principalmente quando temos que lidar com isso em sala de aula e quando sabemos que os alunos do Ensino Médio não têm uma dimensão do que foi o Modernismo no Brasil. Coloca-se tudo em um mesmo barco e nomes como Anita Malfatti se misturam a Tarsilas e Andrades. Não há como se aprofundar nesse turbilhão em classe. É uma lástima.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
26/9/2008
00h51min
Registre-se, neste espaço, a reação perplexa de quem se defronta com a desconstrução de personalidades até então admiradas. Difícil contestar as afirmações de quem apresenta seus argumentos com a aparente segurança do "esclarecido". Essa "pressão externa" não será a mesma que atinge a qualquer um relativamente integrado a alguma coletividade? A genialidade não consiste no rompimento com as demandas contrárias à espontaneidade?
[Leia outros Comentários de Waldir Santana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GEOGRAFIA: O MUNDO EM TRANSIÇÃO - VOLUME ÚNICO - ENSINO MÉDIO
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
ÁTICA
(2014)
R$ 39,91



O SONHO DE EVA
CHICO ANES
NOVO CONCEITO JOVEM
(2012)
R$ 23,28



O VAMPIRO LESTAT
ANNE RICE
ROCCO
(1999)
R$ 17,90



O MONGE E O EXECUTIVO
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE/ GMT
(2018)
R$ 32,00
+ frete grátis



A NOITE DA MEMÓRIA
PÉRICLES EUGÊNIO DA SILVA RAMOS
ART
(1988)
R$ 30,00



O ENCONTRO DE LAMPIÃO COM SATURNINO NO INFERNO
LUIZ GONZAGA DE LIMA
LUZEIRO LTDA
(2016)
R$ 7,00



STRESS - VOCÊ PODE SER O PRÓXIMO - PREVINA-SE
JOÃO VILAS BOAS
PARADIGMA
(2010)
R$ 6,90



ENCONTROS, DESENCONTROS & REENCONTROS
MARIA HELENA MATARAZZO
GENTE
(1996)
R$ 25,00



LUZ E SOMBRAS
LUDWING WITTGWNATEIN
MARTINS FONTES - MARTINS
(2018)
R$ 15,00



A SELEÇÃO
KIERA CASS
SEGUINTE
(2014)
R$ 29,13





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês