Retrospectiva de cabeceira | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
37059 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2008

Segunda-feira, 22/12/2008
Retrospectiva de cabeceira
Pilar Fazito

+ de 3200 Acessos


Depois da correria do Natal, o Ano Novo. Ah, o réveillon! Tá aí uma data de que eu gosto. É aquele momento em que todo brasileiro, onde quer que esteja, renova as esperanças de que a translação seguinte será melhor do que a anterior. Por mais cético que seja, o cara passa a acreditar que bruxas e orixás existem e que se as simpatias não fazem bem, também não há mal algum em jogar flores ao mar, saltar ondas, usar roupas coloridas conforme o devido fim, comer uvas, fazer desejos e por aí vai.

Diferentemente de outros países em que a passagem de ano é apenas uma festa, no Brasil é um fenômeno de catarse coletiva. Aquela expectativa da contagem dos segundos finais, a explosão de fogos no céu e o júbilo (meu deuz, consegui usar esse termo!) de milhões de pessoas fazem com que o Ano Novo não seja apenas a virada de um período, mas um momento em que a gente se entrega à esperança mais pueril, ingênua e sincera. E mesmo que ela dure um segundo e não consiga acompanhar os outros 364 dias do ano, a sensação é rejuvenescedora e gratificante.

O mais engraçado é que, apesar de ser tão francês, o termo réveillon não é usado na França como aqui. Lá, o mais comum é dizer nouvel an, ou seja, ano novo. Não sei como a gente resolveu adotar essa chamada para que todos "acordem", como diz a tradução literal do termo, mas que o réveillon mais alegre e contagiante do mundo é o nosso, ah, isso é.

Com a proximidade da data, a mídia insiste em recorrer às retrospectivas. Ainda não entendo se isso tem a ver com um balanço dos fatos ou com uma reorganização interna, a fim de economizar trabalho ou tapar buracos na programação da TV e na pauta de jornais, já que todo mundo está com um pezinho nas férias de janeiro.

Confesso que tenho aversão a retrospectivas e prefiro pensar nos planos para o futuro, a enumeração de desejos, saltar ondas e olhar para frente. Ainda assim, atendendo à proposta do Especial de fim de ano do Digestivo, deixo a seguir uma lista de sugestões de leitura. São dez livros que passaram pela cabeceira da minha cama em 2008 e que, de alguma forma, achei que mereciam uma vaga neste hit parade literário. Então, vamos a eles. Que rufem os tambores porque aí vêm...

Os melhores de 2008
(por ordem)

1. Angela's ashes, de Frank McCourt (Pocket Books, 1997, 460 págs.) ― Sem dúvida, a melhor leitura do ano. Eu já havia visto a adaptação para o cinema, dirigida por Alan Parker e lançada em 1999, e encontrei uma dessas edições pocket por uma bagatela de dez reais, soterrada por uma montanha de best-sellers norte-americanos de capas medonhas e títulos fúteis. Não sou uma leitora exímia no inglês e por isso mesmo fiquei mais satisfeita ainda ao ver que compreendi bem a leitura da história, que conta com expressões irlandesas.



O enredo é triste, miserável e encantador. Trata-se das memórias de infância do autor Frank McCourt, que nasceu nos EUA, filho de imigrantes irlandeses paupérrimos, em plena crise de 1929. A família volta para a Irlanda com a ilusão de que a vida seria melhor, mas os problemas só se agravam. Como se não bastasse o pai alcoólatra ― discriminado por ser originário do norte ― e a mãe que está constantemente grávida, Frank ainda tem que lidar com a educação rígida da escola de Limerick, o bullying dos colegas, o preconceito por ter sotaque yankee, a repressão católica, a pobreza e a fome. Uma tragédia que só consegue ganhar contornos poéticos e beleza por ser contada sob o ponto de vista infantil, capaz de ver humor e bons momentos em meio a todo tipo de caos. Magnífico!

2. Bilhões e bilhões, de Carl Sagan (Companhia das Letras, 2008, 288 págs.) ― Bilhões e bilhões é uma seleção de artigos do memorável cientista e apresentador da série Cosmos, que fez parte da infância de muita gente. Aqui, Sagan brinca com a expressão que o imortalizou, embora ele mesmo saliente que nunca disse "bilhões e bilhões", uma grandeza incomensurável. E é assim que o livro começa: com um capítulo destinado às grandezas, capaz de fazer qualquer leigo ou cronista formada em Letras como eu entender o que matemática, física e química têm a ver com as estrelas, a vida no planeta, as emoções humanas e a existência ou inexistência de Deus e de extraterrestres.

Carl Sagan era uma dessas pessoas evoluídas, à frente do tempo. Ele conseguia conciliar todo o conhecimento científico com as questões existenciais e religiosas, além de saber transmitir suas idéias com uma linguagem extremamente simples e compreensível para qualquer um.

Bilhões e bilhões é uma viagem a dois em que ele leva o leitor a parar para refletir sobre o que estamos fazendo aqui, nesta bola de gude azul e cheia d'água. Sei lá... De repente, pagamento de contas e entrega de relatórios para a empresa passam a ter um significado tão estúpido...

3. Fazer um filme, de Frederico Fellini (Civilização Brasileira, 2000, 256 págs.) ― Outro gênio da emoção humana. Em Fazer um filme, Fellini fala mais sobre suas motivações, as lembranças de infância, a experiência como jornalista e as primeiras impressões com a CineCittà do que, propriamente, técnicas cinematográficas.

Ao fazer isso, ele não apenas oferece ao leitor a possibilidade de identificação como também mostra que o mais importante em qualquer criação artística são as emoções pessoais que construímos ao longo da vida.

Este não é um livro para quem procura um manual técnico de cinema e ao mesmo tempo é. Isso porque tem a capacidade de abrir os olhos de todo tipo de leitor para algo muito mais importante: a verdade pessoal que deve ser encontrada em qualquer área da vida.

4. Clarissa, de Erico Verissimo (Companhia das Letras, 2005, 216 págs.) ― Não me perdôo por não ter lido Clarissa antes. Ainda assim, o livro me chegou nas mãos em um bom momento. Este ano, por motivos profissionais, mergulhei em leituras de livros e de estudos densos sobre a Inquisição, a Ditadura, tortura etc. Em dado momento eu já estava pedindo água. Não agüentava mais tanta crueldade no mundo e procurei por algum livro leve, gostoso, simples e, sobretudo, que me mostrasse que a vida poderia ser bela. Clarissa conseguiu.

Este foi o primeiro livro escrito por Erico Verissimo, mas só foi fazer sucesso mesmo depois que ele estourou com Olhai os lírios do campo. Em Clarissa, o autor conta a história de uma menina de quatorze anos que mora com os tios, donos de uma pensão, enquanto estuda na cidade grande. Às voltas com as saudades dos pais e da vida na fazenda, Clarissa cresce, tentando entender os adultos a partir da observação dos personagens que habitam a pensão.

O mais bonito do livro é o olhar de Amaro sobre Clarissa. A despeito de uma insinuação pedófila reprimida, é o ponto de vista desse personagem que revela todo o esplendor da juventude da menina, mais do que a beleza física em si.

5. A história do pranto, de Alan Pauls (Cosac Naify, 2008, 88 págs.) ― Foi uma grata surpresa. Já escrevi sobre o livro, este ano aqui. Trata-se da visão de um menino sobre o mundo à sua volta em plena ditadura argentina. Continuo recomendando-o para aqueles que não se apavoram com um estilo lingüístico formado por longos períodos e incontáveis explicativas que se intercalam, exigindo a atenção constante do leitor. O exercício vale à pena.

6. Mulheres, de Eduardo Galeano (L&PM, 1997, 178 págs.) ― São textos curtos que versam sobre as mulheres ao longo da história da América Latina. Eduardo Galeano é um gentleman que consegue emocionar qualquer leitor. Leitoras, mais ainda. Não há nenhum outro escritor na atualidade que tenha mais cacife e entendimento sobre a história dos países da América Latina e seja tão hábil ao dispor o tema na forma literária.

7. O dia das moscas, de Nei Leandro de Castro (Jovens Escribas, 2008, 154 págs.) ― Uma leitura engraçada e irreverente. Nei Leandro de Castro é potiguar e autor de As pelejas de Ojuara. Também já falei dele aqui. O dia das moscas foi reeditado pelo selo literário Jovens Escribas e traz uma espécie de metáfora da genealogia nordestina. Do português que "champra" a índia Hosana, no primeiro capítulo, aos 26 filhos ― um para cada letra do alfabeto ― de Anunciada e Honório, o enredo conta a história de uma família numerosa e das disputas pela herança do patriarca, que ainda nem bem morreu: inválido, ele passa o tempo escrevendo garranchos aos quais ninguém dá atenção.

Depois de Jorge Amado, tá aí um bom material para a Globo investir em suas novelas e ajudar a recuperar o ibope.

8. O segundo sexo v.2, de Simone de Beauvoir (Nova Fronteira, 2001, 504 págs.) ― Também já falei deste livro aqui. A leitura não é fácil, é verdade, mas o segundo volume compensa bastante. Embora tenha sido escrito em 1949, continua atual, desfazendo mitos e mostrando que a ditadura da beleza e da perfeição como mãe, esposa e dona de casa continuam sendo nocivas à mulher e que sua emancipação em muitos casos tornou-se, na verdade, uma grande armadilha.

9. Confissões da Bahia, de Ronaldo Vainfas (Companhia das Letras, 1997, 366 págs.) ― Ok, apesar de se tratar de uma daquelas leituras densas sobre a Inquisição, merece ser lido por todos os brasileiros. O historiador Ronaldo Vainfas fez um trabalho excelente ao publicar esse material com uma atualização gramatical e ortográfica que permita a qualquer um entender melhor como era a vida no Brasil dos anos 1650. E, cá para nós, não era tão diferente dos dias de hoje.

O livro traz a transcrição das confissões dos moradores da capitania da Bahia diante do primeiro visitador da Inquisição que chegou ao nosso país. Sim, para quem não sabe, embora o Brasil não tenha presenciado queima de bruxas, hereges e judaizantes, tivemos visitações do Santo Ofício português. Os casos suspeitos de erros de fé eram enviados para os tribunais de Lisboa, onde muitos foram julgados e sentenciados ― alguns à morte na fogueira.

Ler essas confissões hoje é um exercício e tanto de compaixão e de identificação. Primeiro, a gente tem vontade de rir em muitas passagens, já que até os casos de sodomia são descritos em detalhes e a fofoca "rola solta", dando a entender que vida pública e privada não tinham muita distinção ali. Mas então a gente se lembra de que essas confissões eram feitas sob a pressão massacrante da culpa imposta pela Igreja Católica e, além da vergonha de se exporem, os confessores ainda tinham que lidar com a angústia da delação de amigos e parentes.

Em termos culturais, a gente vê que o tempo passa e os sentimentos humanos continuam os mesmos. Em termos históricos, entendemos de onde vieram os métodos de tortura que se repetem toda vez que um regime totalitário domina uma nação.

10. As boas mulheres da China, de Xinran (Companhia das Letras, 2007, 256 págs.) ― Xinran trabalhou como radialista na China antes, bem antes, de o país pensar em vender produtos para o Brasil e sediar uma olimpíada. Naquela época, o dragão do oriente vivia o auge de seu fechamento cultural e a censura era muito pior do que se comparada com a de hoje em dia.

O livro narra a experiência de Xinran com um programa de rádio voltado para as mulheres chinesas. Com a proposta de dar espaço para o relato das ouvintes e tentar estabelecer um diálogo com elas, Xinran acabou colhendo um vasto material para o livro, que, aliás, só pôde ser publicado depois que ela se mudou para a Inglaterra.

Em determinadas passagens, o tom dos relatos se torna exageradamente melodramático. Mesmo assim, a leitura vale a pena para a gente se dar conta de que existem realidades bem diferentes da nossa.

Voilà! Dez livros bons para todos os gostos. Divirtam-se, crianças, e tenham um excelente 2009, repleto de novidades literárias e culturais.


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 22/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
02. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
05. I-ching-poemas de Bruna Piantino de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2008
01. Como esquecer um grande amor - 28/7/2008
02. Então, você quer escrever um livro... - 7/1/2008
03. A verdade que as mulheres contam - 17/3/2008
04. Desligando o Cartoon Network - 11/2/2008
05. Os pontos de um crochê - 17/11/2008


Mais Especial Melhores de 2008
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SÃO CHARBEL 1828 - 1898
CHARBEL GRÁFICA
CHARBEL
R$ 23,00



FÍSICA 360º - BOX COMPLETO
CLAUDIO XAVIER / BENIGNO BARRETO
FTD
(2015)
R$ 70,00



A GRIPE AVIÁRIA
NEIL STEVENS
ISIS
(2005)
R$ 19,90
+ frete grátis



HITMAN Nº 6
GARTH ENNIS & JOHN MCCREA
BRAIN STORE
(2017)
R$ 15,00



HISTÓRIA DA ANTIGUIDADE ORIENTAL - 2ª EDIÇÃO
MÁRIO CURTIS GIORDANI
VOZES
(1969)
R$ 29,00



DICIONÁRIO DAS REVOLUÇÕES MODERNAS
EDWARD HYAMS
ARTENOVA
(1975)
R$ 15,00



REVISTA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA VOL. 7 FASC. 3
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
(1967)
R$ 16,75



O FENÔMENO URBANO
OTAVIO GUILHERME VELHO (ORG.)
GUANABARA
(1987)
R$ 25,11



O TEATRO PAULISTANO DE 1964 A 2014 - MEMÓRIAS DE UM ESPECTADOR
JOSÉ CETRA FILHO
GIOSTRI
(2015)
R$ 22,93



VENDEDOR DE SUSTOS
JOÃO AZANELLO CARRASCOZA ILUSTRAÇÃO JULIANA RUSSO
FTD
(2014)
R$ 22,00





busca | avançada
37059 visitas/dia
1,4 milhão/mês