Livro eletrônico? | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Publicar um livro pode ser uma encrenca
>>> O orvalho vem caindo
>>> Escândalo na cidade cinzenta
>>> Only the paranoid survive
>>> O belo e o escalafobético
>>> Guia para escrever bem ou Manual de milagres
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
Mais Recentes
>>> Introdução a Economia - 6ªedição de Paulo e v Viceconti e Silverio das Neves pela Frase (2000)
>>> Minhas Amigas:retratos Afetivos de Joaquim Ferreira dos Santos pela Objetiva (2012)
>>> Outsourcing de Ti - Impactos, Dilemas, Discussões e Casos Reais de Alberto Luiz Albertin/otavio Prospero Sanchez pela Fgv (2008)
>>> Feras Futebol Clube - Júlio a Muralha de Joachim Masannek / Jan Birck pela Vida e Consciencia (2010)
>>> Novo Código Civil Comparado de Procuradoria Geral do Estado pela Centro de Estudos (2002)
>>> As Quinze Leis de Filosofia de Lauro Salles Cunha pela Alfa Omega (2004)
>>> As Quinze Leis de Filosofia de Lauro Salles Cunha pela Alfa Omega (2004)
>>> Cirurgia Plastica:medicina e Arte de Antonio Carlos Bellini pela Antonio Bellini (2000)
>>> Terras Divisões e Demarcações - 4ªedição de F Whitaker pela O Estado de São Paulo (1924)
>>> La Somme Theologique Introduction Historique et Pratique de Saint Thomas D Aquin pela Nouvelle Nationale (1925)
>>> Centenario da Descoberta do Brazil de Augusto Cesar de Miranda Azevedo pela Casa Ecletica (1900)
>>> Curso de Derecho de Sociedades Anonimas Vol II de Jesus Rubio pela Editorial de Derecho Financeir (1974)
>>> Lo Permanente y Lo Mudable En El Derecho de Jorge a Frias pela Adsum (1941)
>>> Great Composers de Lulu Britz Gmoser pela Smith Mark (1997)
>>> Droit Civil Tomo IV de Léon Julliot de La Morandiere pela Dalloz (1967)
>>> Cutting Edge Advanced With Phrase Builder de Sarah Cunningham pela Longman (2003)
>>> Sua Face Ilegal de Peter Carey pela Record (2012)
>>> Vistor Raul Em El Tiempo 2 Tomos de Luis Alva Castro pela Qualigraf (1989)
>>> Art Nouveau and Art Deco Lighting de Alastair Duncan pela Thames and Hudson (1978)
>>> American Inspitation For Teens 5 - Students Book, Worbook Teachers Edi de Judy Garton-sprenger / Philip Prowse pela Macmillan (2008)
>>> Read and Think! a Reading Strategies Course - 3 de Ken Beaty pela Peasor Longman (2004)
>>> Michelangelo:artista, Pensatore, Scrittore de Charles de Tolnay e Outros pela Instituto Agostini Novara (1980)
>>> Les Filles Du Feu Preface de Jean Pául Clebert de Gerard de Nerval pela Broceliande (1959)
>>> Introdução á Eloquencia - 2 Volumes de Charles T Brown pela Fundo de Cultura (1961)
>>> La Mémoire de Lâme de Launier / Mcebius pela Stardom (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 2/9/2009
Livro eletrônico?
Rafael Fernandes

+ de 3600 Acessos

Acredito que, se acharem uma forma fácil, cômoda, confortável e barata para a leitura fora do papel, os livros como conhecemos virarão objetos para poucos ― como o jornais, revistas e CDs estão se tornando. Meu leitor eletrônico ideal traria as facilidades de compra através de um clique, sugestões certeiras de outros produtos, possibilidade de compartilhar trechos com quem eu quisesse e uma forma de selecionar, destacar e guardar as passagens que eu mais gostasse ― ligando-as a outros títulos. E que ainda fosse possível catalogar e acessar tudo de forma adequada. O problema é que isso ainda não apareceu. O livro continua sendo o objeto mais fácil, prático e simples de leitura, ainda que tenha problemas.

Muitos livros são muito grandes e difíceis de segurar com uma só ou até duas mãos; alguns são pesados e impraticáveis de ler deitado. Às vezes é necessário ler sentado numa mesa ― e mesmo assim ele insiste em ficar fechando. Tenho livros nos quais substituí o encadernamento normal por espirais. Se esteticamente perdeu um pouco de valor, ganhei na praticidade da leitura e no manuseio. Por isso facilitaria se eu pudesse ler em algo do tamanho de um papel e com peso mínimo, mudando as páginas com um toque, como parecem prometer alguns leitores digitais ― se não hoje, daqui alguns anos. Praticidade à parte, uma vantagem do livro está, claro, no seu charme.

O livro é um objeto que fascina e, como muitos, tenho a mania de cheirar todos os que adquiro. Tem, também, a questão de "ritual": faz com que tenhamos que levantar para pegá-lo, há o ato de folhear, o contato direto com as mãos dá uma sensação de "ligação"; assim, o momento da leitura se torna especial. Como acontece, por exemplo, com um vinil: o ato de olhar a capa, tirar o disco, levantar a tampa do tocador e sentar para ouvir uma bela obra musical. Essas ações nos colocam mais íntimos do que estamos fazendo, ficamos mais atentos ao que está acontecendo, sem pressa e podendo absorver mais a informação. Mas, repito, nada disso impede que os livros, como acontece com os outros produtos, possam ser substituídos em determinado momento se aparecer algo melhor.

Eu tenho uma espécie de "sonho" de ter meus bens culturais (música, vídeos, livros etc.) armazenados on-line, conectados por computador e celular (e, quem sabe, TV?), com fácil acesso e organização prática. Para que eu não precisasse, de forma alguma, guardar fisicamente, nem ter a possibilidade de perder os dados se deixasse só no meu HD. E que pudesse acessar de qualquer lugar e não apenas da minha casa. Colecionismo não me interessa, exceto por alguns itens em especial. E o depósito desses bens, num certo ponto, começa a virar um inferno, com problemas de capacidade, limpeza e organização ― pode se tornar uma coisa excessiva e impraticável. Sei que a maioria de leitores, ouvintes etc. vai achar uma blasfêmia, mas gostaria de me livrar de tudo isso se pudesse armazenar de modo mais simples e segura, sem precisar entulhar minha casa. Por isso me atrai, em princípio, a ideia de livro eletrônico.

Acho que não é possível comparar o Kindle, por exemplo, com o iPod. Nada tira o brilhantismo e a sacada da Apple no design, facilidade de uso e na associação ao iTunes. Mas é uma evolução do walkman/discman e até de tocadores portáteis de MP3 que existiam antes, mas não emplacaram. Ou seja, a adaptação de um produto conhecido e chancelado pelo público e o aproveitamento de um hábito já existente de ouvir música em qualquer lugar. Isso não ocorre com o livro, que há anos é o formato mais prático e já reconhecido de leitura. Outro ponto importante é que é perfeitamente possível ouvir música de fundo, fazendo outras milhares de coisas ao mesmo tempo, no computador ou andando na rua. Com o livro isso é bem mais difícil, embora não impossível de fazer junto com e-mail, MSN etc.

Os tocadores portáteis atuais vieram, também, do hábito de consumir o MP3 que, por sua vez, foi incentivado pela troca de arquivos, disparada via Napster e que hoje continua em programas diversos, de eMule a torrents. Essa distribuição desenfreada de músicas on-line já é fato há dez anos e continua forte. Ou seja, há todo um ambiente já criado e estabelecido de consumo e distribuição fluida de arquivos musicais. Isso ainda não aconteceu com os livros. Ainda que seja possível achá-los para download, não chega aos pés da oferta de música.

Outro motivo que dificulta a comparação com o mercado da música é que neste caso há constantes trocas de tecnologia. Se pensarmos só no último século, tivemos discos em diferentes formatos (cera, vinil), fita cassete, CD, DVD-áudio, Blu-ray, MP3, WMA, FLAC etc. Isso de certa forma acaba confundindo e até "enganado" o consumidor, que a cada X anos precisa trocar sua coleção e até seus aparelhos (e cada vez com um período menor de diferença). E não é de se estranhar que ele queira baixar de graça sem se preocupar em trocas futuras, já que um MP3 é de fácil armazenamento, não acumula pó e é eliminado com um comando simples. Já o livro continua firme e forte com o seu formato, não precisa de hardware nem software e, amarelamento e pó à parte, uma edição pode ser consumida por diversas gerações sem grandes problemas. Isso não ocorre com o 78 rpm do Lúcio Alves do seu avô.

A comparação com a música é muito mais óbvia em relação a jornais e revistas ― esses, sim, sofrem tanto quanto a indústria musical no quesito derrocada de um formato e perda de espaço para a internet. Tanto a música avulsa quanto a informação do dia a dia são engolidas por ela. Ambas são produtos "instantâneos", que podem ser consumidos em um período pequeno de tempo (pense numa música de três minutos e na leitura de um texto curto ou médio), são de fácil circulação (troca constante de arquivos e links de artigos) e tem oferta abundante em diferentes formas (torrents, sites, blogs, Twitter, Tumblr etc.). Nos dois casos, os formatos relativamente curtos aliados à fácil troca casam perfeitamente com a agilidade e dinamismo requeridos pela internet. Com o livro, isso ainda não aconteceu. E mais: a obrigatória e constante troca de tecnologias e formatos que um leitor eletrônico de livros exige pode ser um entrave para sua difusão em massa, ao menos inicialmente.

Imagino que o leitor eletrônico "dos meus sonhos" não acabaria com a ligação sentimental com boa parte dos livros, só substituiria algumas das minhas leituras. Em especial as de estudo, nas quais as anotações, consultas e ligações com outros títulos são necessárias e nem sempre práticas; nas quais o resultado em geral é uma confusão e um amontoado de livros. Mas da mesma forma que os celulares melhor desenvolvidos quando mais acessíveis tendem a substituir os MP3 players (afinal, para que carregar dois dispositivos semelhantes?), é preciso avaliar se o livro eletrônico vai "pegar" antes da chegada em massa da nova geração de notebooks (
tablets, por exemplo). A possibilidade de acessar num único lugar todas as ferramentas do PC mais as facilidades de um leitor eletrônico é atrativa e não faria sentido ter os dois produtos de tamanhos e funções similares se puderem ser integrados em apenas um.

Nota do Autor
Agradeço ao
Diogo Salles e ao LEM pelos "insights" sobre o assunto em nosso último encontro.


Rafael Fernandes
Sorocaba, 2/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. História dos espaços habitados de Ana Elisa Ribeiro


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cirurgia Estética
Talita Franco e Claudio Rebello
Atheneu
(1977)



Os Milagres de Jesus
James Harpur
Manole
(2000)



Utilização de Técnicas Expressivas Em Terapia
Tempo Psicanalítico, Nº 1, Vol Ix de 1986
Soc Psicanálise Iracy Doyle
(1982)



Cascatinha : Recuperação, Revitalização
Fundação para o Desenvolvimento Região Metropolita
Fundrem (rj)
(1986)



La Voie de LÉternité Comment Surent Mourir les Criminels de Guer
Shinsho Hanayama
Guy Le Prat (paris)
(1973)



Motivation - Selected Reading - Penguin Modern Psychology
Dalbir Bindra e Jane Stewart
Penguin
(1966)



Notas de Advocacia Gramatical
P. A. Pinto (capa Dura)
Typ Revista dos Tribunais
(1922)



Marília de Dirceu
Tomás Antônio Gonzaga
De Ouro



Ciclismo no Limite: Estados Unidos Ponta a Ponta Em 6 Dias E
Carlos Galvão e Outros
Olhares
(2013)



Matters of Life and Death: New American Stories
Tobias Wolff (editor)
Wampeter Pr
(1983)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês