A literatura, eu, você e a literatura | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nuvem Negra*
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
Mais Recentes
>>> Princípios de Finanças Corporativas de Brealey/ Myers/ Allen pela Mcgraw - Hill/ Bookman (2018)
>>> Livro - O Divino Jogo do Ser - Uma nova visão para o despertar espiritual de Roberto Saul pela Alaúde (2005)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Circulo do Livro
>>> Todo Mundo Tem um Anjo da Guarda de Pedro Siqueira pela Sextante (2016)
>>> Livro - A Literatura Inglesa de Anthony Burgess pela Ática (1999)
>>> Cidade dos Ossos 1 de Cassandra Clare pela Galera Record (2014)
>>> Livro - As Valkírias - Coleção Paulo Coelho de Paulo Coelho pela Rocco (1992)
>>> Brasil/ Brazil - Lugares e Histórias/ Places and History de Beppe Ceccato pela Manole (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro de Robert L. Wolke pela Jorge Zahar (2003)
>>> Cidade de Vidro 3 de Cassandra Clare pela Galera Record (2011)
>>> A Menina Que Descobriu o Brasil (6ª Edição) de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (1999)
>>> Clínica do Social de Célio Garcia pela Projeto
>>> Livro - O Crisântemo e a Espada de Ruth Benedict pela Perspectiva (1972)
>>> Processo de Execução e Cautelar de Marcus Vinícius Rios Gonçalves pela Saraiva (2005)
>>> O Silêncio Que Eu Perdi de Roque Schneider pela Paulinas (1981)
>>> As Irmãs Penderwick de Jeanne Birdsall pela Pavio (2009)
>>> Convite para um Homicídio de Agatha Christie pela Record (1950)
>>> Imagens da arte brasileira de Cecília Jucá de Hollanda pela Fundação Cesgranrio (2005)
>>> À Imagem e Semelhança de Deus: uma Analogia Entre o Corpo Humano E... de Philip Yancey e Outros pela Vida (2003)
>>> Livro - O Orgulho de Hannah de Janet Dailey pela Record (1987)
>>> Ventilação Pulmonar Mecânica Em Neonatologia e Pediatria de Werther B. de Carvalho e Outros pela Lovise
>>> Cidade das Cinzas 2 de Cassandra Clare pela Galera Record (2017)
>>> Identificação dos Mortos? uma Sensacional Polêmica de Oscar González- Quevedo pela Loyola (2001)
>>> Livro - Minha Vida Com Boris - Coleção Folha - Mulheres na Literatura #20 de Thays Martinez pela Folha de São Paulo (2017)
>>> O Azulejo em Portugal no século XX de Edições Inapa pela Inapa (2000)
COLUNAS >>> Especial Literatura

Quarta-feira, 21/11/2001
A literatura, eu, você e a literatura
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3000 Acessos

Daniela Mountain

Semana passada fiquei muito doente e não pude contribuir para o Especial de Literatura do modo que gostaria. Ainda bem, porque eu estava prestes a escrever uma “coluna de formação”, contando como a literatura entrou na minha vida, quando acabei caindo na cama. Nestes dias em que a febre tomava conta do meu corpo, tive muito tempo para pensar no que escrever. Tantas sinapses, contudo, não foram suficientes para me fazer escolher um nome que me satisfizesse. Cogitei, possivelmente graças a um delírio, escrever até sobre gibis, pois foi através de Pato Donald e Tio Patinhas que entrei no mundo das letras; depois passei pelos lugares-comuns da literatura: Machado de Assis, Lima Barreto, Rosa,..., e nada; na literatura universal o leque ficava grande demais, e à medida em que eu pensava num autor, descobria que não tinha nada de especial para falar sobre ele. Convinha, pois, o silêncio.

Saí da cama, tornei a ler e a conversar, mas a dúvida persistia. Há algumas horas, eu estava para escrever sobre Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez. Que tal? Não... É um livro delicioso, de se ler várias vezes, livro que é uma das minhas maiores influências nos meus modestos exercícios literários, mas não é um livro realmente representativo, digno de uma coluna inteira. O Estrangeiro, de Camus? Já escrevi muito sobre esse livro, que me causou comoção nas primeiras duas vezes que o li. Depois, Camus foi ficando chato e, ao folhear o livro, simplesmente fiquei imune às páginas finais que outrora me fizeram chorar. Por que será?

Aqui a coluna que escrevo foi se delineando. Fui repassando minha curta e tediosa vida e pensando na real importância que os livros tiveram. É aquela eterna questão que os jornalistas de primeira viagem sempre perguntam aos escritores, uns mais bocejantes que os outros: “qual a utilidade da literatura para a sociedade?”. Incrível como os escritores podem ser seres desinteressantes. A maioria deles responde sempre a mesma coisa, com aquele discurso mastigadinho que vocês devem conhecer.

Bem, aqui estou eu escrevendo sobre a importância da literatura, não para a sociedade, que é uma abstração horrorosa, sem cara nem alma nem nada; escrevo sobre a importância da literatura para o indivíduo. Aqui é preciso que se fale um pouco sobre ele, o indivíduo. A afirmação do ser humano como indivíduo, para mim, é a última grande barreira ideológica, por assim dizer, a ser vencida. Absolutamente tudo nos condiciona ao pensamento-comum; resistir a este Pensamento é a luta. Claro que não se trata de uma luta nos moldes dos idiotas dos anos sessenta e setenta, que acreditavam na paz a partir da luta armada, que acreditavam no romantismo da guerrilha, aquela coisa que a gente conhece bem; trata-se de uma luta silenciosa, que se faz diariamente, nas mínimas escolhas. A literatura, para falar a verdade, é uma das frentes mais fáceis de o indivíduo se impor. Sim, porque, apesar da pressão mercadológica das editoras para que se leia este ou aquele best-seller, a leitura ainda é um gesto solitário, individual. Claro que não sou ingênuo em pensar que o que resulta desta leitura seja, por excelência, uma conclusão individual. Um exemplo disso são os autores ditos obrigatórios. Já experimentou, no meio de uma aula do curso de Letras, dizer que simplesmente não gosta de Machado de Assis? O Ministério da Saúde alerta: nem tente.

É inegável, contudo, que a literatura tenha uma influência bastante própria sobre o indivíduo. Falei agora há pouco em Machado de Assis, que me remete a duas características que não são novidade para ninguém que tenha lido as Memórias Póstumas de Brás Cubas: a galhofa e a melancolia. Garanto que uma grande parcela da população que tenha acesso ao livro não veja o grande humor existente na obra de Machado de Assis. Não há mal algum nisso, dadas as condições em que o escritor nos é enfiado goela abaixo, durante o estudo fundamental. Machado de Assis pode ensinar várias coisas ao indivíduo, além da melancolia que é característica básica daqueles que o lêem. A este indivíduo que vos escreve, por exemplo, bombardeado por propagandas de igualdade in extremis entre os sexos, propaganda politicamente correta, Machado de Assis foi utilíssimo ao escrever simplesmente que Capitu, aquela, tinha olhos oblíquos. Só isso já desmentia que nós, homens e mulheres, vemos a vida e os relacionamentos de forma igual, e só isso bastava para destruir qualquer discurso de queima de sutiã (que jamais presenciei, ainda bem).

Citei Machado e corri um risco, porque os mais exaltados podem me acusar de sempre citar os mesmos autores. Tudo bem, que tal um pouco de “literatura do segundo escalão”? Na semana passada, li Veia Bailarina, de Ignácio de Loyola Brandão. Confesso que o autor não me atraía, ainda mais depois da leitura de Zero e Não Verás País Nenhum, livros-ícones de uma esquerda equivocada, na minha opinião nada modesta. O livro é surpreendente, não por sua qualidade literária intrínseca (eu não acredito que usei esta palavrinha maldita), mas por sentimentos que ele é capaz de suscitar, dada sua sinceridade. O livro não é um romance, propriamente dito; é, a meu ver, uma grande crônica, na qual o autor conta seu drama ao descobrir que tem um aneurisma. Só isso e mais nada. Ignácio de Loyola, contudo, escreve com uma arma da qual 90% dos escritores atuais não dispõem: honestidade. Simples e direto, fazendo uso de reminiscências peculiares, mas sem cair no saudosismo despropositado, Loyola acaba por criar um panorama em que a morte na sala de cirurgia (que, sabemos, não acontecerá) não parece tão ruim assim. Loyola me fez acreditar novamente, muitos anos depois de um mergulho no pessimismo suicida de Álvarez de Azevedo e Augusto dos Anjos, que a morte pode ser uma saída legal, orgulhosa mesmo, dessa empreitada que se chama vida. Isso, repito, sem cair no desespero depressivo.

Para encurtar a coluna, cito apenas mais um livro, antes de sugerir que vocês dêem uma lida no meu texto Fragilidade, teu nome é ser humano!, pouco lido, por sinal. O livro de que falo é Dia de Finados, de Cees Nooteboom. Não terminei de ler o livro ainda, porque o romance é destes que a gente lê uma ou duas páginas por dia, para não gastar. Eu jamais tinha lido um livro do escritor holandês porque ando meio avesso a livros de autores novos (Nooteboom tem quase 70 anos!), e mais uma vez o indivíduo cai diante da força das palavras. É bom que se diga que tanto Nooteboom quanto Loyola não são escritores do quilate de um Goethe ou Shakespeare, de ensinamentos longos e desconcertantes. Tampouco são donos daqueles axiomas que pontuam a literatura de auto-ajuda. Eles fazem parte, isso sim, de um seleto grupo de escritores que, percebe-se, ainda tem algo a nos dizer. Basta que escutemos com a parcimônia da contemporaneidade. Voltando ao Dia de Finados, que é um livro bastante frio, sem muita ação, mas com muita desta nossa filosofiazinha cotidiana, imune às citações de Hegel e Schoppenhauer. Ele me deu muitas pequenas epifanias, que são aqueles momentos (se você lê, já deve ter experimentado) em que você põe o livro de lado, respira fundo (ou dá uma tragada num cigarro) e desiste, por algum tempo, de qualquer ambição literária, porque tem a noção de sua pequenez diante dos verdadeiros escritores. Uma destas epifanias é de uma simplicidade que pode até provocar riso entre meus leitores (corro este risco). A certa altura, o autor, em conversa com uma amiga, discorre sobre sua timidez diante das mulheres. Ele afirma ser incapaz de aproximar-se de uma mulher e puxar conversa. Ao que ela diz, simples e afiada: “Isso é só vaidade”.

Vaidoso que sou, paro por aqui. Sugiro que vocês, para maiores informações sobre esta influência direta da literatura na nossa vida, dêem uma lida no texto Fragilidade, teu nome é ser humano!, que publiquei há algumas semanas. Se vocês chegaram até aqui, entenderão o porquê desta sugestão.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 21/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O chamado de Cthulhu de Gian Danton
02. A feira ao longe de Elisa Andrade Buzzo
03. Quem eu sou, e não o que eu fiz de Verônica Mambrini
04. Sobre as retrospectivas históricas de Daniela Sandler


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mangá Blade 29
Hiroaki Samura
Conrad
(2004)



Mentes Milionarias - Desvende os Segredos de Quem Ficou Rico
Teresa Aubele
Universo dos Livros
(2021)



Pubis Angelical - 4ª Edição
Manuel Puig
Codecri
(1981)



Exercícios de Matemática Vol 2: Funções e Logaritmos
Manoel Benedito
Policarpo
(1994)



Livro Físico - Palavras Quebrarão Cimento// a Paixão de Pussy Riot
Masha Gessen
Martins Fontes
(2016)



Cidade Dos Ossos - Os Instrumentos Mortais - Vol. 1
Clare,Cassandra
Galera
(2013)



Conversa Sobre o Tempo
Luis Fernando Veríssimo e Zuenir Ventura
agir
(2010)



Azul e Vermelho no Ceu do Caribe
Sergio Roberto Queiroz
Rio Fundo
(1990)



Contos Bruxólicos
Inês Carmelita Lohn
Pistis
(2014)



A Quem de Direito
Martín Caparrós
Companhia das Letras
(2011)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês