A literatura, eu, você e a literatura | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Literatura

Quarta-feira, 21/11/2001
A literatura, eu, você e a literatura
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2500 Acessos

Daniela Mountain

Semana passada fiquei muito doente e não pude contribuir para o Especial de Literatura do modo que gostaria. Ainda bem, porque eu estava prestes a escrever uma “coluna de formação”, contando como a literatura entrou na minha vida, quando acabei caindo na cama. Nestes dias em que a febre tomava conta do meu corpo, tive muito tempo para pensar no que escrever. Tantas sinapses, contudo, não foram suficientes para me fazer escolher um nome que me satisfizesse. Cogitei, possivelmente graças a um delírio, escrever até sobre gibis, pois foi através de Pato Donald e Tio Patinhas que entrei no mundo das letras; depois passei pelos lugares-comuns da literatura: Machado de Assis, Lima Barreto, Rosa,..., e nada; na literatura universal o leque ficava grande demais, e à medida em que eu pensava num autor, descobria que não tinha nada de especial para falar sobre ele. Convinha, pois, o silêncio.

Saí da cama, tornei a ler e a conversar, mas a dúvida persistia. Há algumas horas, eu estava para escrever sobre Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez. Que tal? Não... É um livro delicioso, de se ler várias vezes, livro que é uma das minhas maiores influências nos meus modestos exercícios literários, mas não é um livro realmente representativo, digno de uma coluna inteira. O Estrangeiro, de Camus? Já escrevi muito sobre esse livro, que me causou comoção nas primeiras duas vezes que o li. Depois, Camus foi ficando chato e, ao folhear o livro, simplesmente fiquei imune às páginas finais que outrora me fizeram chorar. Por que será?

Aqui a coluna que escrevo foi se delineando. Fui repassando minha curta e tediosa vida e pensando na real importância que os livros tiveram. É aquela eterna questão que os jornalistas de primeira viagem sempre perguntam aos escritores, uns mais bocejantes que os outros: “qual a utilidade da literatura para a sociedade?”. Incrível como os escritores podem ser seres desinteressantes. A maioria deles responde sempre a mesma coisa, com aquele discurso mastigadinho que vocês devem conhecer.

Bem, aqui estou eu escrevendo sobre a importância da literatura, não para a sociedade, que é uma abstração horrorosa, sem cara nem alma nem nada; escrevo sobre a importância da literatura para o indivíduo. Aqui é preciso que se fale um pouco sobre ele, o indivíduo. A afirmação do ser humano como indivíduo, para mim, é a última grande barreira ideológica, por assim dizer, a ser vencida. Absolutamente tudo nos condiciona ao pensamento-comum; resistir a este Pensamento é a luta. Claro que não se trata de uma luta nos moldes dos idiotas dos anos sessenta e setenta, que acreditavam na paz a partir da luta armada, que acreditavam no romantismo da guerrilha, aquela coisa que a gente conhece bem; trata-se de uma luta silenciosa, que se faz diariamente, nas mínimas escolhas. A literatura, para falar a verdade, é uma das frentes mais fáceis de o indivíduo se impor. Sim, porque, apesar da pressão mercadológica das editoras para que se leia este ou aquele best-seller, a leitura ainda é um gesto solitário, individual. Claro que não sou ingênuo em pensar que o que resulta desta leitura seja, por excelência, uma conclusão individual. Um exemplo disso são os autores ditos obrigatórios. Já experimentou, no meio de uma aula do curso de Letras, dizer que simplesmente não gosta de Machado de Assis? O Ministério da Saúde alerta: nem tente.

É inegável, contudo, que a literatura tenha uma influência bastante própria sobre o indivíduo. Falei agora há pouco em Machado de Assis, que me remete a duas características que não são novidade para ninguém que tenha lido as Memórias Póstumas de Brás Cubas: a galhofa e a melancolia. Garanto que uma grande parcela da população que tenha acesso ao livro não veja o grande humor existente na obra de Machado de Assis. Não há mal algum nisso, dadas as condições em que o escritor nos é enfiado goela abaixo, durante o estudo fundamental. Machado de Assis pode ensinar várias coisas ao indivíduo, além da melancolia que é característica básica daqueles que o lêem. A este indivíduo que vos escreve, por exemplo, bombardeado por propagandas de igualdade in extremis entre os sexos, propaganda politicamente correta, Machado de Assis foi utilíssimo ao escrever simplesmente que Capitu, aquela, tinha olhos oblíquos. Só isso já desmentia que nós, homens e mulheres, vemos a vida e os relacionamentos de forma igual, e só isso bastava para destruir qualquer discurso de queima de sutiã (que jamais presenciei, ainda bem).

Citei Machado e corri um risco, porque os mais exaltados podem me acusar de sempre citar os mesmos autores. Tudo bem, que tal um pouco de “literatura do segundo escalão”? Na semana passada, li Veia Bailarina, de Ignácio de Loyola Brandão. Confesso que o autor não me atraía, ainda mais depois da leitura de Zero e Não Verás País Nenhum, livros-ícones de uma esquerda equivocada, na minha opinião nada modesta. O livro é surpreendente, não por sua qualidade literária intrínseca (eu não acredito que usei esta palavrinha maldita), mas por sentimentos que ele é capaz de suscitar, dada sua sinceridade. O livro não é um romance, propriamente dito; é, a meu ver, uma grande crônica, na qual o autor conta seu drama ao descobrir que tem um aneurisma. Só isso e mais nada. Ignácio de Loyola, contudo, escreve com uma arma da qual 90% dos escritores atuais não dispõem: honestidade. Simples e direto, fazendo uso de reminiscências peculiares, mas sem cair no saudosismo despropositado, Loyola acaba por criar um panorama em que a morte na sala de cirurgia (que, sabemos, não acontecerá) não parece tão ruim assim. Loyola me fez acreditar novamente, muitos anos depois de um mergulho no pessimismo suicida de Álvarez de Azevedo e Augusto dos Anjos, que a morte pode ser uma saída legal, orgulhosa mesmo, dessa empreitada que se chama vida. Isso, repito, sem cair no desespero depressivo.

Para encurtar a coluna, cito apenas mais um livro, antes de sugerir que vocês dêem uma lida no meu texto Fragilidade, teu nome é ser humano!, pouco lido, por sinal. O livro de que falo é Dia de Finados, de Cees Nooteboom. Não terminei de ler o livro ainda, porque o romance é destes que a gente lê uma ou duas páginas por dia, para não gastar. Eu jamais tinha lido um livro do escritor holandês porque ando meio avesso a livros de autores novos (Nooteboom tem quase 70 anos!), e mais uma vez o indivíduo cai diante da força das palavras. É bom que se diga que tanto Nooteboom quanto Loyola não são escritores do quilate de um Goethe ou Shakespeare, de ensinamentos longos e desconcertantes. Tampouco são donos daqueles axiomas que pontuam a literatura de auto-ajuda. Eles fazem parte, isso sim, de um seleto grupo de escritores que, percebe-se, ainda tem algo a nos dizer. Basta que escutemos com a parcimônia da contemporaneidade. Voltando ao Dia de Finados, que é um livro bastante frio, sem muita ação, mas com muita desta nossa filosofiazinha cotidiana, imune às citações de Hegel e Schoppenhauer. Ele me deu muitas pequenas epifanias, que são aqueles momentos (se você lê, já deve ter experimentado) em que você põe o livro de lado, respira fundo (ou dá uma tragada num cigarro) e desiste, por algum tempo, de qualquer ambição literária, porque tem a noção de sua pequenez diante dos verdadeiros escritores. Uma destas epifanias é de uma simplicidade que pode até provocar riso entre meus leitores (corro este risco). A certa altura, o autor, em conversa com uma amiga, discorre sobre sua timidez diante das mulheres. Ele afirma ser incapaz de aproximar-se de uma mulher e puxar conversa. Ao que ela diz, simples e afiada: “Isso é só vaidade”.

Vaidoso que sou, paro por aqui. Sugiro que vocês, para maiores informações sobre esta influência direta da literatura na nossa vida, dêem uma lida no texto Fragilidade, teu nome é ser humano!, que publiquei há algumas semanas. Se vocês chegaram até aqui, entenderão o porquê desta sugestão.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 21/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
03. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol
04. 10 coisas que a Mamãe me ensinou de Julio Daio Borges
05. O Subjuntivo Subiu no Telhado de Marilia Mota Silva


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




73 CIRCUITOS ELECTRÓNICOS PRÁTICOS
R. A. PENFOLD
PLÁTANO
(1992)
R$ 64,78



O GIGANTE DE BOTAS
OFELIA *NARBAL FONTES
ÁTICA
(1975)
R$ 9,00



CAÇANDO CHE
MITCH WEISS
RECORD
(2016)
R$ 25,00



NA TRILHA DO PASSADO
ROBERTO DE CARVALHO
ALIANÇA
(2008)
R$ 10,80



THE ART OF MALAN
STILL LIFE
STILL LIFE
R$ 12,00



GUSTON MODERN MASTERS
ROBERT STORR
ABBEVILLE PRESS
(1986)
R$ 200,00



MODERNA PLUS LITERATURA TEMPOS, LEITORES E LEITURAS UNICO ALUNO
MARIA LUIZA M. ABAURRE
MODERNA
(2011)
R$ 19,90



BHAGAVAD GITA - COMO ELE É
SUA DIVIDA GRAÇA A.C. BHAKTIVEDANTA SWAMI PRABHUPADA
THE BHAKTIVEDANTA BOOK TRUST
(2015)
R$ 25,00



ASPECTOS POLÍTICOS DA TEORIA ECONÔMICA
GUNNAR MYRDAL
ZAHAR
(1962)
R$ 7,90



A TORRE DO ORGULHO - UM RETRATO DO MUNDO ANTES DA GRANDE GUERRA
BABARA W. TUCHMAN
PAZ E TERRA
(1990)
R$ 35,00





busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês