Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
>>> É Possível Salvar a Europa? de Thomas Piketty pela Intrínseca (2015)
>>> Pensão Riso da Noite de José Condé pela José Olympio / Civilização Brasileira / Três (1973)
>>> O Caminho Para O Céu: Livro II das Crônicas da Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Ioiô Pequeno da Várzea Nova de Mario Leônidas Casanova pela Clube do Livro (1979)
>>> O Papa e Mussolini. A Conexão Secreta Entre Pio XI e a Ascensão do Fascismo na Europa de David I. Kertzer pela Intrínseca (2017)
>>> Entrevero de Vários Autores pela L&PM / Mpm
>>> Pesquisa FAPESP Nº 265 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> O Longo Adeus a Pinochet de Ariel Dorfman pela Companhia das Letras (2003)
>>> Contos de Voltaire pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 263 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> Divina Comédia - Coleção A Obra-Prima de Cada Autor, Série Ouro de Dante Alighieri pela Martin Claret (2002)
COLUNAS >>> Especial Livro Eletrônico

Sexta-feira, 15/1/2010
Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não sei quando foi que aprendi, nem como, mas alguém deve ter me ensinado a folhear um livro. Em geral, essas coisas são aprendidas de duas maneiras: pela experiência direta ou pela experiência mediada. Em outras palavras: ou a gente pega e fuça; ou alguém mostra para a gente como é que faz.

Há mediadores mais pacientes, daqueles que são amigáveis, que pegam na mão, que dão orientações precisas, que esperam que a gente aprenda no nosso ritmo e até os que dão bombom no final, para recompensar. Há mediadores mais ansiosos, que xingam, que enunciam frases rudes, mas que deixam a gente aprender mais ou menos em paz. Há mediadores que perdem a paciência e começam a fazer por nós, correndo na frente para despachar logo o "aluno" impertinente. Nesse caso, é comum que a gente não aprenda nada. Isso exige o esforço de pedir um repeteco, de ficar sofregamente observando, por cima das mãos e dos ombros do "professor", para ver bem o que ele está fazendo ou mesmo de, discretamente, pedir ajuda a outra pessoa. Há ainda a possibilidade de que esse último instrutor (sem discussões filosóficas sobre esses termos, ok? Aqui, não!) faça tudo lentamente, e a gente acaba aprendendo tudo. Acho que foi assim que aprendi a operar videocassetes e videogames (lembrando que sou da geração Atari, cujo joystick só tinha um pauzinho e um botão vermelho). Há, ainda, o mediador que xinga todas as nossas gerações passadas, chama a gente de burro e outros bichos, além de nos deixar deprimidos. Isso acontece.

Dada a relativa oferta do artefato nos meus arredores, provavelmente aprendi a operar livros por experiência direta. Peguei, descobri que tinha "cabeça pra cima" e "cabeça pra baixo" (depois que aprendi que as letras do alfabeto têm isso), percebi que o negócio era pra ser aberto com movimento para a esquerda, vi folhas empilhadinhas, presas por um lado, vi números de página etc. Há um vídeo no YouTube bem legal sobre isso (uma brincadeira, mas com um fundão danado de verdade) e alguns autores importantes trabalham nessa linha, como o badalado historiador francês Roger Chartier.



Jornais, estes sim, aprendi pela experiência mediada. Meu pai, sem muito dizer, lia, religiosamente, o jornal na hora do almoço (ou no final da tarde ― houve um tempo em que a notícia continuava fresca por mais tempo). Eu e meus irmãos, na presença daquela cena diária, na falta do que conversar (e até para ter o que conversar) ou para acompanhar a mastigação do arroz com feijão, íamos pegando as sobras do jornal do meu pai. Enquanto ele dava uma superpanorâmica pelo periódico inteiro, meu irmão surrupiava, por baixo da página aberta, o caderno de esportes ou o de veículos, enquanto eu catava o "Caderno 2", cujo tema era cultura (na verdade, notícias de entretenimento, alguma rasa crítica de qualquer coisa e a programação da TV). Assim aprendemos a procurar, a escanear, a preferir, a ser fiéis a algum colunista (lembro sempre do sensacionalmente inteligente Eduardo Almeida Reis...), a folhear, a comentar.

Revistas também foram mediadas. Não cheguei a ganhar assinaturas da Turma da Mônica. Aliás, os quadrinhos são apenas um dos gêneros de texto que vamos aprendendo na lida com práticas sociais de leitura/escrita. É preciso aprender a ler quadrinhos. Até mesmo em alguns livros de Português há lições (formais) de como interpretar quadrinhos, os códigos dos balões etc. Não é assim? Mas essa não foi uma mediação ou uma oferta muito forte na minha casa nem na minha escola. As revistas que pintavam no doce lar eram outras. Meu pai assinou a Veja por ininterruptos muitos anos. Foi com ela que aprendemos um tanto de outras práticas desse tipo de leitura mais fragmentária ou, como gostam alguns teóricos, "mosaiquica". A revista tem um mapa mais denso do que o jornal, um pouquinho mais aprofundado também. As páginas amarelas, a leitura de entrevistas, o contato com um projeto gráfico mais elaborado e "navegável", padrões, consistência etc. Isso foi aprendido na interação com a revista. Muito embora não tivéssemos aulas de "como operar revistas", a mediação silenciosa do pai (ou de quem mais praticar essa leitura) nos fez aprender a ler.

Há outros jeitos de ler textos. Há inúmeros outros displays de material verbal por aí. É só olhar ao redor. Até criança analfabeta sabe que há uns desenhos espalhados para todo lado que servem para ser lidos.

O computador como display já é uma outra história. Ou não? De novo, minha primeira experiência foi mediada. Uma tia, um ex-namorado, um amigo. Todos envolvidos, mesmo meio sem saber, na minha aprendizagem das práticas de ler/escrever na máquina que se ligava na tomada. Diante daquela experiência intensa, fui descobrindo, pela experiência direta, outras coisas para fazer com o computador, ainda relacionadas ao mundo da escrita. Não tive aulas, não fui à escola aprender informática, nada disso. Eu me apropriei dessa prática de um jeito híbrido (entre a mediação e a objetividade), assim como fazemos (todos nós) com tudo o que aprendemos por aí. Já pensou se dependêssemos de escola para aprender as coisas todas que existem? Ou o currículo seria absurdamente extenso ou nós seríamos limitadíssimos (mais ainda) ao que alguém nos disse. O oferta de informação e conhecimento é mais intensa hoje, mas não é, graças a Deus, exclusividade de nossa época.

Ler no celular, ler no Kindle, ler no notebook... são práticas mais recentes, isso é certo. E como é que a gente aprende a fazer isso? Precisamos mesmo de aulas formais de como ler no celular? É preciso lembrar, no entanto, que cada objeto desses tem suas "affordances" (palavra meio sem tradução...), ou seja, você faz com o artefato o que ele propõe a você. Na verdade, a gente também propõe coisas a ele, às vezes algo que o projetista nem imaginou. Livros de papel fazem uma proposta específica ao leitor. Pegue, abra, folheie, busque da maneira X, feche, não deixe dando sopa em locais úmidos, nem no sol excessivo etc. O Kindle faz outra proposta, mais parecida com a dos displays de leitura que têm botões, tela, rolagem etc. E qual é o problema? Nenhum. Só que Kindle não é livro. Enquanto chamarmos uma coisa de outra coisa, teremos esse conflito engraçado de identidade. O leitor versátil deve ler textos em diversos displays. Não é bacana? Muito melhor do que se tivéssemos apenas um modo de ler e escrever. Por isso é que ser leitor é um jogo gostoso: a partida não acaba nunca, ou porque os displays se renovam ou porque nós podemos sempre aprender coisas novas (e não apenas no sentido operacional) em relação a essas práticas. E não digo isso no sentido evolutivo, como se uns modos fossem melhores do que os outros. Pensar isso é fundamental para se compreender a leitura e suas máquinas como um horizonte só, cheio de possibilidades.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 15/1/2010


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


Mais Especial Livro Eletrônico
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/1/2010
09h08min
Ninguém aprende por aprender, apenas aprendemos a ler um livro na certeza de descobrirmos a leitura... A partir do momento em que já dominamos o código da leitura e da escrita. E passamos exercer este domínio pra descobrir um novo mundo, que é o dos livros...
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESCOLA E CULTURA: AS BASES SOCIAIS E EPISTEMOLOGIAS DO CONHECIMEN
JEAN-CLAUDE FORQUIN
ARTES MÉDICAS
(1993)
R$ 130,28



QUEM TE VIU E QUEM TE VÊ!, RECORDANDO OS ANOS 60
CARMEN POSADAS
TEMAS DA ACTUALIDADE
(1991)
R$ 15,63



A CONSTRUÇÃO DO BRASIL FATOS, PESSOAS E IDÉIAS QUE FORMARAM A NAÇÃO
VÁRIOS AUTORES
ED. VERACRUZ
(2006)
R$ 18,90



PSICOLOGIA, REVISTA DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOLOGIA, PSICOTE...
LUÍS SOCZKA
AFRONTAMENTO
(1992)
R$ 16,75



INTO ÍNDIA
JOHN KEAY
RUPA
(1989)
R$ 42,28



BATTLE BOY: DIABO VERMELHO DERROTADO
CHARLIE CARTER
FUNDAMENTO
(2011)
R$ 8,00



PIPPI MEIA LONGA
ASTRID LINDGREN
COMPANHAIA DAS LETRINHAS
(2009)
R$ 50,00



A FESTA DE ANIVERSÁRIO
PANOS KARNEZIS
PLANETA DO BRASIL
(2010)
R$ 7,90



KISS ME LIKE THIS
BELLA ANDRE
DA AUTORA
(2014)
R$ 17,00



RESISTÊNCIA
AGNES HUMBERT
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 20,00





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês