Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
>>> O Dom de Sabedoria na mente ,vida e obra de Plinio Correa De Oliveira - 3 Vol - Ver Descrição de Mons. João Scognamiglio Cla Dias , Ep pela Vaticana (2016)
>>> Ana E O Gato de Gusmao Marta^Gusmao Tania pela Franco (2011)
>>> Uma história do mundo de David Coimbra pela L&Pm (2012)
>>> Figura na sombra de Luiz Antonio De Assis Brasil pela L&Pm (2012)
>>> O bem de Cristina Von pela Callis (2011)
>>> Drogas de Leslie Iversen pela L&Pm (2012)
>>> Peanuts: ninguém gosta de mim de Charles M. Schulz pela L&Pm (2013)
>>> Teatro Para A Juventude de Tatiana Belinky pela Companhia Nacional (2005)
>>> Pré-história de Cris Gosden pela L&Pm (2012)
>>> Razão e sentimento: de Jane Austen pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 2 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 1 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2654--ia dar um tiro nele e me suicidar de Abril pela Abril (2019)
>>> O cão da morte de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
COLUNAS >>> Especial Livro Eletrônico

Sexta-feira, 15/1/2010
Livros, revistas, jornais e displays eletrônicos
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não sei quando foi que aprendi, nem como, mas alguém deve ter me ensinado a folhear um livro. Em geral, essas coisas são aprendidas de duas maneiras: pela experiência direta ou pela experiência mediada. Em outras palavras: ou a gente pega e fuça; ou alguém mostra para a gente como é que faz.

Há mediadores mais pacientes, daqueles que são amigáveis, que pegam na mão, que dão orientações precisas, que esperam que a gente aprenda no nosso ritmo e até os que dão bombom no final, para recompensar. Há mediadores mais ansiosos, que xingam, que enunciam frases rudes, mas que deixam a gente aprender mais ou menos em paz. Há mediadores que perdem a paciência e começam a fazer por nós, correndo na frente para despachar logo o "aluno" impertinente. Nesse caso, é comum que a gente não aprenda nada. Isso exige o esforço de pedir um repeteco, de ficar sofregamente observando, por cima das mãos e dos ombros do "professor", para ver bem o que ele está fazendo ou mesmo de, discretamente, pedir ajuda a outra pessoa. Há ainda a possibilidade de que esse último instrutor (sem discussões filosóficas sobre esses termos, ok? Aqui, não!) faça tudo lentamente, e a gente acaba aprendendo tudo. Acho que foi assim que aprendi a operar videocassetes e videogames (lembrando que sou da geração Atari, cujo joystick só tinha um pauzinho e um botão vermelho). Há, ainda, o mediador que xinga todas as nossas gerações passadas, chama a gente de burro e outros bichos, além de nos deixar deprimidos. Isso acontece.

Dada a relativa oferta do artefato nos meus arredores, provavelmente aprendi a operar livros por experiência direta. Peguei, descobri que tinha "cabeça pra cima" e "cabeça pra baixo" (depois que aprendi que as letras do alfabeto têm isso), percebi que o negócio era pra ser aberto com movimento para a esquerda, vi folhas empilhadinhas, presas por um lado, vi números de página etc. Há um vídeo no YouTube bem legal sobre isso (uma brincadeira, mas com um fundão danado de verdade) e alguns autores importantes trabalham nessa linha, como o badalado historiador francês Roger Chartier.



Jornais, estes sim, aprendi pela experiência mediada. Meu pai, sem muito dizer, lia, religiosamente, o jornal na hora do almoço (ou no final da tarde ― houve um tempo em que a notícia continuava fresca por mais tempo). Eu e meus irmãos, na presença daquela cena diária, na falta do que conversar (e até para ter o que conversar) ou para acompanhar a mastigação do arroz com feijão, íamos pegando as sobras do jornal do meu pai. Enquanto ele dava uma superpanorâmica pelo periódico inteiro, meu irmão surrupiava, por baixo da página aberta, o caderno de esportes ou o de veículos, enquanto eu catava o "Caderno 2", cujo tema era cultura (na verdade, notícias de entretenimento, alguma rasa crítica de qualquer coisa e a programação da TV). Assim aprendemos a procurar, a escanear, a preferir, a ser fiéis a algum colunista (lembro sempre do sensacionalmente inteligente Eduardo Almeida Reis...), a folhear, a comentar.

Revistas também foram mediadas. Não cheguei a ganhar assinaturas da Turma da Mônica. Aliás, os quadrinhos são apenas um dos gêneros de texto que vamos aprendendo na lida com práticas sociais de leitura/escrita. É preciso aprender a ler quadrinhos. Até mesmo em alguns livros de Português há lições (formais) de como interpretar quadrinhos, os códigos dos balões etc. Não é assim? Mas essa não foi uma mediação ou uma oferta muito forte na minha casa nem na minha escola. As revistas que pintavam no doce lar eram outras. Meu pai assinou a Veja por ininterruptos muitos anos. Foi com ela que aprendemos um tanto de outras práticas desse tipo de leitura mais fragmentária ou, como gostam alguns teóricos, "mosaiquica". A revista tem um mapa mais denso do que o jornal, um pouquinho mais aprofundado também. As páginas amarelas, a leitura de entrevistas, o contato com um projeto gráfico mais elaborado e "navegável", padrões, consistência etc. Isso foi aprendido na interação com a revista. Muito embora não tivéssemos aulas de "como operar revistas", a mediação silenciosa do pai (ou de quem mais praticar essa leitura) nos fez aprender a ler.

Há outros jeitos de ler textos. Há inúmeros outros displays de material verbal por aí. É só olhar ao redor. Até criança analfabeta sabe que há uns desenhos espalhados para todo lado que servem para ser lidos.

O computador como display já é uma outra história. Ou não? De novo, minha primeira experiência foi mediada. Uma tia, um ex-namorado, um amigo. Todos envolvidos, mesmo meio sem saber, na minha aprendizagem das práticas de ler/escrever na máquina que se ligava na tomada. Diante daquela experiência intensa, fui descobrindo, pela experiência direta, outras coisas para fazer com o computador, ainda relacionadas ao mundo da escrita. Não tive aulas, não fui à escola aprender informática, nada disso. Eu me apropriei dessa prática de um jeito híbrido (entre a mediação e a objetividade), assim como fazemos (todos nós) com tudo o que aprendemos por aí. Já pensou se dependêssemos de escola para aprender as coisas todas que existem? Ou o currículo seria absurdamente extenso ou nós seríamos limitadíssimos (mais ainda) ao que alguém nos disse. O oferta de informação e conhecimento é mais intensa hoje, mas não é, graças a Deus, exclusividade de nossa época.

Ler no celular, ler no Kindle, ler no notebook... são práticas mais recentes, isso é certo. E como é que a gente aprende a fazer isso? Precisamos mesmo de aulas formais de como ler no celular? É preciso lembrar, no entanto, que cada objeto desses tem suas "affordances" (palavra meio sem tradução...), ou seja, você faz com o artefato o que ele propõe a você. Na verdade, a gente também propõe coisas a ele, às vezes algo que o projetista nem imaginou. Livros de papel fazem uma proposta específica ao leitor. Pegue, abra, folheie, busque da maneira X, feche, não deixe dando sopa em locais úmidos, nem no sol excessivo etc. O Kindle faz outra proposta, mais parecida com a dos displays de leitura que têm botões, tela, rolagem etc. E qual é o problema? Nenhum. Só que Kindle não é livro. Enquanto chamarmos uma coisa de outra coisa, teremos esse conflito engraçado de identidade. O leitor versátil deve ler textos em diversos displays. Não é bacana? Muito melhor do que se tivéssemos apenas um modo de ler e escrever. Por isso é que ser leitor é um jogo gostoso: a partida não acaba nunca, ou porque os displays se renovam ou porque nós podemos sempre aprender coisas novas (e não apenas no sentido operacional) em relação a essas práticas. E não digo isso no sentido evolutivo, como se uns modos fossem melhores do que os outros. Pensar isso é fundamental para se compreender a leitura e suas máquinas como um horizonte só, cheio de possibilidades.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 15/1/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Anotações de um amante das artes de Márwio Câmara
02. A Vida Acontece; ou: A Primeira Vista de Duanne Ribeiro
03. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 1 de Rafael Fernandes
04. Retrato 3X4 de um velho jornalismo de Guga Schultze
05. Um sopro de vida na literatura de Ram Rajagopal


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


Mais Especial Livro Eletrônico
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/1/2010
09h08min
Ninguém aprende por aprender, apenas aprendemos a ler um livro na certeza de descobrirmos a leitura... A partir do momento em que já dominamos o código da leitura e da escrita. E passamos exercer este domínio pra descobrir um novo mundo, que é o dos livros...
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grandes Romances Universais Vol 10: o Bôbo / o Arco de Santana
Alexandre Herculano e Almeida Garrett
W M Jackson
(1955)



O Controle de Inconstitucionalidade das Leis
Luiz Fabião Guasque
Freitas Bastos
(2004)



La Construcción de La Vida y de La Muerte
Dorothy Rowe
Fondo de Cultura Economica
(1989)



Les Invasions Barbares
Pierre Riché
Puf (paris)
(1953)



City of Gold
Len Deighton (capa Dura)
Harper Collins
(1992)



Receitas da Tia Marlu
Marlu Coimbra
Jácomo



O Terceiro Milênio
José Maria Domenecht
Círculo do Livro
(1974)



Bases da Uro-oncologia
Eric Roger Wroclowski e Sidney Glina
Soc Bras Urologia
(2007)



De La Revolucion Industrial a La Actualidad - Terceira Edicion
Valentin Vazquez de Prada (capa Dura)
Rialp
(1964)



Educação para Segurança do Trabalho
Luis Hiromitsu Sasaki
Corpus
(2007)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês