Ler, escrever e fazer contas, só que hoje | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
26292 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Latitudes & Longitudes
>>> Renovação
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
>>> Mulher, ontem hoje e sempre
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Referências
>>> LONDON LONDRES
>>> Lembrando a Tribo
>>> A grama do vizinho
>>> Um raio-x da violência
>>> Sobre o som e a fúria
>>> Comic Riffs
>>> Picasso versus Duchamp e a crise da arte atual
>>> Meu assassino
>>> Circo Roda Brasil
Mais Recentes
>>> To The Lighthouse de Virgina Woolf pela Wordsworth Classics (2002)
>>> La Jeune Fille À La Perle de Tracy Chevalier pela Folio (2014)
>>> Le Petit Nicolas de Sempé-Goscinny pela Folio (2012)
>>> The Rise of The Islamic State de Patrick Cockburn pela Verso (2015)
>>> The Wonderful Wizard of Oz de L. Frank Baum pela Barnes & Noble (2005)
>>> Gaudy Night de Dorothy L. Sayers pela Bourbon St Books (2012)
>>> The Murder of Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Harper (2002)
>>> Dicionário de Sonhos de Zolar pela Nova Era (2009)
>>> PODEROSA - Diário de Uma Garota que Tinha O Mundo Na Mão de Sérgio Klein pela Fundamento (2006)
>>> Um Plano Simples de Scott Smith pela Companhia das Letras (1993)
>>> Ruth Rocha Conta a Odisséia de Ruth Rocha pela Companhia das Letrinhas (2006)
>>> Ruth Rocha Conta a Ilíada de Ruth Rocha pela Companhia das Letrinhas (2007)
>>> As Aventuras do Barão de Munchausen de Rudolf Erich Raspe pela Iluminuras (2010)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha de Pedro Bandeira pela FTD (1999)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> Mídia - Propaganda Política e Manipulação de Noam Chomsky pela Martins Fontes (2013)
>>> Reinações de Narizinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2001)
>>> Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2004)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> As Brumas de Avalon 4 - O Prisioneiro da Árvore de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 3 - O Gamo-Rei de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 2 - A Grande Rainha de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> As Brumas de Avalon 1 - A Senhora da Magia de Marion Zimmer Bradley pela Imago (2008)
>>> Política Para Não Ser Idiota de Mario Sergio Cortella, R. Janine Ribeiro pela Papirus (2007)
>>> Penelope de Marilyn Kaye pela Galera Record (2008)
>>> Memórias de Um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela BestBolso (2010)
>>> Eu Sou Malala de Malala Yousafzai pela Companhia das Letras (2013)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2010)
>>> Histórias Brasileiras de Verão de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2002)
>>> Minhas Memórias de Lobato de Luciana Sandroni pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Diários do Vampiro - O Confronto de L. J. Smith pela Galera Record (2012)
>>> Diários do Vampiro - O Despertar de L. J. Smith pela Galera Record (2009)
>>> Minha Luta 1 - A Morte do Pai de Karl Ove Knausgaard pela Relógio D'Água (2009)
>>> Viagem ao Centro da Terra de Júlio Verne pela L&PM POCKET (2006)
>>> A Volta ao Mundo em 80 Dias de Júlio Verne pela L&PM POCKET (2005)
>>> As Mil e Uma Noites (Adaptação) de Julieta de Godoy Ladeira pela Scipione (2000)
>>> A Biblioteca Mágica de Bibbi Bokken de Jostein Gaarder & Klaus Hagerup pela Companhia das Letras (2003)
>>> Doidinho de José Lins do Rego pela José Olympio (2007)
>>> Til de José de Alencar pela Martin Claret (2012)
>>> A Viuvinha de José de Alencar pela FTD (1999)
>>> Iracema de José de Alencar pela Árica (2009)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Companhia das Letras (2008)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2009)
>>> O Gênio do Crime de João Carlos Marinho pela Global (2005)
>>> Segredos da Minha Vida em Hollywood de Jen Calonita pela Galera Record (2007)
>>> O Apanhador no Campo de Centeio de J. D. Salinger pela Editora do Autor
>>> Ilusões Perdidas de Honoré Balzac pela Companhia das Letras (2002)
>>> Minha Vida de Menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2005)
>>> O Mistério das Bolas de Gude de Gilberto Dimenstein pela Papirus (2006)
>>> Pietr, O Letão de Georges Simenon pela Companhia das Letras (2014)
COLUNAS

Sexta-feira, 29/4/2011
Ler, escrever e fazer contas, só que hoje
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Faço um esforço grande e não me lembro das primeiras lições de leitura. Não tenho mais ideia de como foi meu trajeto em direção a ela (com compreensão). Sequer consigo me lembrar das aulas de letrinhas, sílabas e outras dificuldades. Nem posso dizer que tenham sido fáceis ou frustrantes, já que nem disso guardei memória. Se é assim, pode ser sinal de que não deixou cicatriz. Se tivesse sido sofrido, eu saberia, ao menos vagamente.

Lembro-me com vaguidão do nome da professora. Era Fátima. Lembro melhor da compleição do corpo do que do rosto, que era redondo. A mulher não me parecia dura, nem carrasca. Deve ter dado bons ensinamentos de caligrafia, embora eu os tivesse esquecido em seguida.

Naquela época (terrível esta expressão), aprendia-se a ler em cartilhas. A minha se chamava Acorda, dorminhoca, e só disso é que me lembro. Talvez da capa, meio laranja. E mais nada.

Aprendia-se a ler no pré-primário ou prezinho, como chamam até hoje. Eram oito os anos de ensino fundamental e a alfabetização no pré era privilégio. Estudávamos em jardins privados e tínhamos acesso ao mundo das letras, pelo menos ali, na portinha da entrada. Daí a entrar e passear, são outros quinhentos. Nadar de braçada, então... só pagando para ver.

A "tia" ensinou muitas coisas para a garotada. E me ensinou a ler. Não tenho qualquer memória das lições. Só me lembro de começar a ler outdoors e de pedir ao meu pai para dirigir mais devagar.

Saber decifrar as letras, as sílabas ou os textinhos, no entanto, não era tudo e não significava, de forma alguma, dominar a escrita. Esta foi galgada a passos curtos, letra a letra, em cadernos de pautas diferenciadas. Desenhar o A, o B, o C e o difícil O. Alcançar linhas de cima e de baixo. Não espelhar letras e números. Treinamento árduo. Consolidar uma caligrafia própria, a "minha letra", reconhecível pelos amigos, pelos pais, por mim mesma e pela perícia.

Ter letra, ter estilo, ter tom. Naquela era, completamente tomada pela cultura escrita impressa, o máximo do arranjo profissional era escrever a máquina, com letra "de imprensa".

Da letra manuscrita fartamente treinada, em todos os níveis escolares, até a primeira máquina passaram-se décadas. Ter uma Olivetti ou qualquer outra máquina para datilografar era coisa de quem se metia muito a escrever. Ninguém tinha uma dessas à toa. E minha primeira experiência foi com uma Hermes Baby, modelo portátil (com mala de mão), laranja, curiosamente, com letras que imitavam o manuscrito. Só mais tarde veio a portátil com letra de imprensa, em que eu adorava usar fita de duas cores. Ter uma máquina dessas em cima da mesa significava, de alguma forma, uma proximidade qualquer, íntima, com a escrita.

Mas eis que o computador chega perto (nos anos 1990, junto com o 486 e o Windows) e se mostra um jeito novo de escrever. Apesar das operações para ligar, abrir, arquivar e das novas mediações, todas metafóricas e virtuais, o PC tinha seu charme. A sedução da formatação fácil, quase profissional, transformava qualquer texto em uma obra de gráfico. A parte chata era dispensada, como separar sílabas e calcular, no olho, onde a linha deveria acabar para garantir o alinhamento da mancha. Mais sedutor ainda era poder desfazer, apagar, desistir, recortar e colar sem ter de escrever tudo de novo. Impressionante era só imprimir quando o texto chegava a bom termo (ainda que escapassem uns desacertos). Sem papel amassado e sem lixeira cheia, o escritório parecia sempre pouco sofrido.

A "tia" Fátima nem sonhava em nos ensinar a escrever no computador. Ela se esforçava por nos ensinar a fazer letras redondas, legíveis e a entender como separar palavras. E nós percebíamos que a língua e os textos serviam para fazer muitas coisas na vida.

Como se alfabetiza alguém hoje? Por que caminhos segue uma criança nascida na década dos tablets? Fôssemos nós nascidos dentro de computadores, certamente veríamos neles uma paisagem como qualquer outra. Isso precisa ficar claro e óbvio. Não se trata de que nasçam hoje seres mais espertos e inteligentes. Mas, de fato, nascem seres que têm contato com artefatos dos quais nos apropriamos.

Eu, um ser da década de 1970, nasci vendo TV e joguei videogame muito jovem. Tive alguma notícia do computador quando já era adolescente, mas ele nos parecia uma máquina lendária, intocável, para engenheiros trancafiados em laboratórios secretos. E fomos nos aproximando dessas máquinas (e elas de nós) muito lentamente, de acordo com as necessidades que o trabalho e a escola nos impunham.

As crianças que nascem hoje podem conhecer, bem cedo, as funções de um notebook, de um telefone celular ou de um tablet, normalizando, portanto, sua interação com esses objetos. Não significa, no entanto, que seus pais sejam leitores e escritores contumazes, mas pode ser que sim.

Em trabalhos científicos e mesmo na experiência empírica, é possível observar a beleza das crianças aprendendo a ler e a escrever neste mundo de mais possibilidades (de forma alguma quero dizer que sejam necessariamente melhores). Ao que parece, é bastante precoce aprender as letras no teclado e digitá-las na metáfora da folha que surge na tela. Aprender a deletar surte efeito curioso quando a criança percebe sua dificuldade de apagar em folhas de papel, substância onde as marcas ficam por baixo das outras, o palimpsesto, o gesto de ir e vir da escritura que tem genética.

Crianças gostam de digitar, acham gostoso ver letras bonitas na tela, ficam felizes por terem apenas o trabalho de apertar um botão para ter como recompensa uma letra inteirinha. Aos 5 ou 6 anos, traçar um A ou um O não é brincadeira. Por outro lado, é impossível dispensar o aprendizado da própria letra, do desenho das palavras, porque há situações cotidianas em que o texto precisa existir analogicamente.

Crianças aprendem letras de "imprensa" na tela, lidando com Times New Roman ou com Arial. Encantam-se com tipos mais divertidos e aprendem cedo a formatar. Essas operações tão múltiplas na linguagem, essa verdadeira educação visual para o texto, no entanto, não dispensa a consolidação de um jeito próprio de escrever, de uma letra, uma espécie de identidade.

Lá vai o garoto aprendendo o próprio nome, "fazendo a ficha", descobrindo suas vogais e consoantes, alinhando ao seu os nomes da mãe, do pai, dos avós. Lá vai a menina trocando as letras, refazendo a linha, pensando em como resolver problemas com acentos e nasais. E lá vão eles se indispondo com o computador ou com o lápis. O lápis, dizem eles, é mais rápido. Com ele, é só riscar um traço no papel e pronto. No computador, preciso catar as letras, já que não sou ágil em digitar.

De qualquer desses cenários decorre que é preciso aprender que o texto escrito (e lido) tem poder, função, regras, parâmetros, serventias, segredos. Independentemente da ferramenta usada, escrever bem, por exemplo, é um desafio infinito, que a muitos custa uma vida inteira (e que a maioria abandona bem cedo).

A quantidade dos modos de ler e escrever aumentou significativamente nas últimas décadas. A cultura escrita abriu espaço para diversas tecnologias e as pessoas, a intervalos cada vez menores, vão se apropriando e se seduzindo por esses modos de fazer. Não se engane, no entanto, quem pensa que é a ferramenta que faz o ferreiro. É preciso mais do que caneta ou iPad para ser escritor ou leitor, nas melhores acepções dos termos.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 29/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desbloqueie seu cartão, aumente seu pênis de Luís Fernando Amâncio
02. O africano e o taubateano de Ricardo de Mattos
03. Era uma vez... de Rafael Fernandes


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011
05. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/6/2011
21h21min
Lindo. "De qualquer desses cenários decorre que é preciso aprender que o texto escrito (e lido) tem poder, função, regras, parâmetros, serventias, segredos. Independentemente da ferramenta usada, escrever bem, por exemplo, é um desafio infinito, que a muitos custa uma vida inteira (e que a maioria abandona bem cedo)."
[Leia outros Comentários de Marcos Ordonha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A JANGADA - 800 LÉGUAS PELO AMAZONAS
JÚLIO VERNE
PLANETA
(2003)
R$ 25,55



BUILD YOUR OWN SMALL FARM
HERBERT LEAVY
COLES (TORONTO, CANADÁ)
(1980)
R$ 18,82



DESCONFORTO/DOR NO TRABALHO
TIAGO AUGUSTO ZAGO UND JOAO CARLOS PICCOLI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



DIÁRIOS DA DESCOBERTA DA AMÉRICA
CRISTÓVÃO COLOMBO
L&PM
(2000)
R$ 10,00



AS VALKÍRIAS
PAULO COELHO
ROCCO
(1992)
R$ 8,00



JOVENS CONTOS ERÓTICOS
VÁRIOS AUTORES
BRASILIENSE
(1987)
R$ 7,00



POLÍTICAS PÚBLICAS DE SANEAMENTO EM MAPAS TEMÁTICOS
KELLI CRISTINA DACOL
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O FUNDAMENTO DA MORAL
MARCEL CONCHE
MARTINS FONTES
(2006)
R$ 55,00



PARA CHEGARES AO QUE NÃO SABES -HISTÓRIA DE UMA ORGANIZAÇÃO BRASILEIRA
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
IPSIS GRÁFICA
(2010)
R$ 15,00



A CIDADELA (O ROMANCE DE UM MÉDICO)
A. J. CRONIN
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1939)
R$ 9,00





busca | avançada
26292 visitas/dia
1,1 milhão/mês