Ler, escrever e fazer contas, só que hoje | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Drago, o novo álbum de Marcos Sacramento
>>> 'Festivalzinho', para pais e filhos, acontece neste domingo no CCBB/RJ
>>> O escritor Klaus K.S. faz tarde de autógrafos irreverente para sua obra Crônicas da Insônia
>>> Ensaios fora de circulação de Jacques Rancière ganham edição em português
>>> Terça Aberta no Kasulo reúne trabalhos com temática LGBTQ
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Casa de couro I
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> A dignidade da culpa, em Graciliano Ramos
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
Blogueiros
Mais Recentes
>>> No meio do caminho: 80 anos
>>> Piratas do Tietê no teatro
>>> Xilogravura na Graphias
>>> Caderno de caligrafia
>>> Ligações e contas perigosas
>>> Your mother should know
>>> 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo
>>> Man in the Arena testa o iPad
>>> Vá em paz, vó
>>> Ascensorista para o arranha-céu da literatura
Mais Recentes
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1995)
>>> O errante de Kahlil Gibran pela Claridade (2003)
>>> Histórias extraordinárias de Fernando Bonassi pela Conrad (2005)
>>> Histórias curtas de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Histórias de amor de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2012)
>>> Contos como eu conto de Jurema Waack pela Ônix (2008)
>>> Lucky Luke, volume 4: 1956-1957 de Morris & Goscinny pela Zarabatana Books (2014)
>>> O jogo das contas de vidro de Hermann Hesse pela Record (2003)
>>> Las mejores fábulas de Esopo, La Fontaine et al. pela Biblioteca Popular (1994)
>>> Paixões de Rosa Montero pela Ediouro (2005)
>>> Por um teatro do povo e da terra de Luiz Maurício Britto Carvalheira pela Fundarpe (1986)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Civilização Brasileira (1994)
>>> As aventuras sexuais de Luís Ensinada de Vinicius Vianna pela Record (2000)
>>> Uivo - Kaddish e outros poemas de Allen Ginsberg pela L&PM (1999)
>>> História concisa do teatro brasileiro de Décio de Almeida Prado pela Edusp (1999)
>>> História da música no Brasil de Vasco Mariz pela Nova Fronteira (2000)
>>> Burguesia e cinema: o caso Vera Cruz de Maria Rita Galvão pela Civilização Brasileira (1981)
>>> Amor Vale a Pena - Reflexões, Contos e Poemas de Fábio Salgueiro pela Bb (2016)
>>> Histórias de Atréfora de Ismael Artur/Layane Ventura pela Chiado (2014)
>>> O Mestre da Vida - Análise da Inteligência de Cristo de Augusto Cury pela Academia de Inteligencia (2002)
>>> Rua da alegria de Frances Parkinson Keyes pela Itatiaia (1969)
>>> A Fonte da Juventude - Os Segredos Seculares dos Monges Tibetanos para o Rejuvenescimento Perene de Peter Kelder pela Best Seller (1998)
>>> Da cova para o trono - a graça de Deus na vida de Jose de Jamê nobre pela Naos (2003)
>>> Travesía Español 1 de Amendola, Roberta pela Moderna (2017)
>>> O Ser Emocional de Valéria de Castro pela Ediouro (1998)
>>> Psicologia Geral e Infantil de Fernanda Barcellos pela Ediouro (1982)
>>> Ancestrais, Vida Intrauterina e Libertação do Homem de Maria Luiza Zanchetta pela Berthier (1982)
>>> Os Relaxamentos de Suzanne Masson pela Manole (1986)
>>> Elementos de Psicologia de Iva Waisberg Bonow pela Melhoramentos (1972)
>>> Feito Homem de Norah Vincent pela Planeta do Brasil (2006)
>>> Hospital Santa Catarina 1906 - 2006 de Textos e fotos; Claudio Pastro pela Grafa (2006)
>>> O Segredo das Crianças Felizes de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2003)
>>> Criando Meninos de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2002)
>>> Isto Não É Amor de Patrick J. Carnes pela Best Seller/ Círculo do Livro (1991)
>>> Vidas em Arco-Íris de Edith Modesto pela Record (2006)
>>> Guia de Orientação Sexual de Marta Suplicy et alii pela Casa do Psicólogo (1994)
>>> Sexualidade: A Difícil Arte do Encontro de Lidia Rosenberg Aratangy pela Ática (1996)
>>> Psicomotricidade: Da Educação Infantil à Gerontologia de Carlos Alberto Mattos Ferreira pela Lovise (2000)
>>> João do Rio - O dandi e a especulação de Raul Antelo pela Taurus (1989)
>>> O Português do Brasil - perspectivas da pesquisa atual de Wolf Dietrich e Volker Noll (orgs.) pela Vevuert /Iberoamericana (2004)
>>> Moderna Dramaturgia Brasileira de Sábato Magaldi pela Perspectiva (1998)
>>> Desafio aos Deuses de Peter L.Bernstein pela Campus/Elsevier (1997)
>>> Maus samaritanos- O mito do livre comércio e a história secreta do capitalismo de Chang,Ha-Joon pela Campus/Elsevier (2008)
>>> Os piores textos de washington olivetto de Editora planeta pela Planeta
>>> Tendencias contemporaneas de gestao de Jose meireles de sousa pela Pc editorial
>>> Transtornos bipolares,avances clinicos e terapeuticos. de E.vieta pela Novartis
>>> Estudos de politecnia e saude--4. de Mauricio monken pela Fio cruz
>>> Manual de gestao e programaçao financeira de pagamentos. de Carlos donato reis e jose vittorano neto. pela Edicta
>>> A cura e a saude pela natureza de Ernst schneider pela Casa
>>> Lexplication dans les sciences de la vie de Michel daune pela Centre national de la reicherche scientifique
COLUNAS

Sexta-feira, 29/4/2011
Ler, escrever e fazer contas, só que hoje
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Faço um esforço grande e não me lembro das primeiras lições de leitura. Não tenho mais ideia de como foi meu trajeto em direção a ela (com compreensão). Sequer consigo me lembrar das aulas de letrinhas, sílabas e outras dificuldades. Nem posso dizer que tenham sido fáceis ou frustrantes, já que nem disso guardei memória. Se é assim, pode ser sinal de que não deixou cicatriz. Se tivesse sido sofrido, eu saberia, ao menos vagamente.

Lembro-me com vaguidão do nome da professora. Era Fátima. Lembro melhor da compleição do corpo do que do rosto, que era redondo. A mulher não me parecia dura, nem carrasca. Deve ter dado bons ensinamentos de caligrafia, embora eu os tivesse esquecido em seguida.

Naquela época (terrível esta expressão), aprendia-se a ler em cartilhas. A minha se chamava Acorda, dorminhoca, e só disso é que me lembro. Talvez da capa, meio laranja. E mais nada.

Aprendia-se a ler no pré-primário ou prezinho, como chamam até hoje. Eram oito os anos de ensino fundamental e a alfabetização no pré era privilégio. Estudávamos em jardins privados e tínhamos acesso ao mundo das letras, pelo menos ali, na portinha da entrada. Daí a entrar e passear, são outros quinhentos. Nadar de braçada, então... só pagando para ver.

A "tia" ensinou muitas coisas para a garotada. E me ensinou a ler. Não tenho qualquer memória das lições. Só me lembro de começar a ler outdoors e de pedir ao meu pai para dirigir mais devagar.

Saber decifrar as letras, as sílabas ou os textinhos, no entanto, não era tudo e não significava, de forma alguma, dominar a escrita. Esta foi galgada a passos curtos, letra a letra, em cadernos de pautas diferenciadas. Desenhar o A, o B, o C e o difícil O. Alcançar linhas de cima e de baixo. Não espelhar letras e números. Treinamento árduo. Consolidar uma caligrafia própria, a "minha letra", reconhecível pelos amigos, pelos pais, por mim mesma e pela perícia.

Ter letra, ter estilo, ter tom. Naquela era, completamente tomada pela cultura escrita impressa, o máximo do arranjo profissional era escrever a máquina, com letra "de imprensa".

Da letra manuscrita fartamente treinada, em todos os níveis escolares, até a primeira máquina passaram-se décadas. Ter uma Olivetti ou qualquer outra máquina para datilografar era coisa de quem se metia muito a escrever. Ninguém tinha uma dessas à toa. E minha primeira experiência foi com uma Hermes Baby, modelo portátil (com mala de mão), laranja, curiosamente, com letras que imitavam o manuscrito. Só mais tarde veio a portátil com letra de imprensa, em que eu adorava usar fita de duas cores. Ter uma máquina dessas em cima da mesa significava, de alguma forma, uma proximidade qualquer, íntima, com a escrita.

Mas eis que o computador chega perto (nos anos 1990, junto com o 486 e o Windows) e se mostra um jeito novo de escrever. Apesar das operações para ligar, abrir, arquivar e das novas mediações, todas metafóricas e virtuais, o PC tinha seu charme. A sedução da formatação fácil, quase profissional, transformava qualquer texto em uma obra de gráfico. A parte chata era dispensada, como separar sílabas e calcular, no olho, onde a linha deveria acabar para garantir o alinhamento da mancha. Mais sedutor ainda era poder desfazer, apagar, desistir, recortar e colar sem ter de escrever tudo de novo. Impressionante era só imprimir quando o texto chegava a bom termo (ainda que escapassem uns desacertos). Sem papel amassado e sem lixeira cheia, o escritório parecia sempre pouco sofrido.

A "tia" Fátima nem sonhava em nos ensinar a escrever no computador. Ela se esforçava por nos ensinar a fazer letras redondas, legíveis e a entender como separar palavras. E nós percebíamos que a língua e os textos serviam para fazer muitas coisas na vida.

Como se alfabetiza alguém hoje? Por que caminhos segue uma criança nascida na década dos tablets? Fôssemos nós nascidos dentro de computadores, certamente veríamos neles uma paisagem como qualquer outra. Isso precisa ficar claro e óbvio. Não se trata de que nasçam hoje seres mais espertos e inteligentes. Mas, de fato, nascem seres que têm contato com artefatos dos quais nos apropriamos.

Eu, um ser da década de 1970, nasci vendo TV e joguei videogame muito jovem. Tive alguma notícia do computador quando já era adolescente, mas ele nos parecia uma máquina lendária, intocável, para engenheiros trancafiados em laboratórios secretos. E fomos nos aproximando dessas máquinas (e elas de nós) muito lentamente, de acordo com as necessidades que o trabalho e a escola nos impunham.

As crianças que nascem hoje podem conhecer, bem cedo, as funções de um notebook, de um telefone celular ou de um tablet, normalizando, portanto, sua interação com esses objetos. Não significa, no entanto, que seus pais sejam leitores e escritores contumazes, mas pode ser que sim.

Em trabalhos científicos e mesmo na experiência empírica, é possível observar a beleza das crianças aprendendo a ler e a escrever neste mundo de mais possibilidades (de forma alguma quero dizer que sejam necessariamente melhores). Ao que parece, é bastante precoce aprender as letras no teclado e digitá-las na metáfora da folha que surge na tela. Aprender a deletar surte efeito curioso quando a criança percebe sua dificuldade de apagar em folhas de papel, substância onde as marcas ficam por baixo das outras, o palimpsesto, o gesto de ir e vir da escritura que tem genética.

Crianças gostam de digitar, acham gostoso ver letras bonitas na tela, ficam felizes por terem apenas o trabalho de apertar um botão para ter como recompensa uma letra inteirinha. Aos 5 ou 6 anos, traçar um A ou um O não é brincadeira. Por outro lado, é impossível dispensar o aprendizado da própria letra, do desenho das palavras, porque há situações cotidianas em que o texto precisa existir analogicamente.

Crianças aprendem letras de "imprensa" na tela, lidando com Times New Roman ou com Arial. Encantam-se com tipos mais divertidos e aprendem cedo a formatar. Essas operações tão múltiplas na linguagem, essa verdadeira educação visual para o texto, no entanto, não dispensa a consolidação de um jeito próprio de escrever, de uma letra, uma espécie de identidade.

Lá vai o garoto aprendendo o próprio nome, "fazendo a ficha", descobrindo suas vogais e consoantes, alinhando ao seu os nomes da mãe, do pai, dos avós. Lá vai a menina trocando as letras, refazendo a linha, pensando em como resolver problemas com acentos e nasais. E lá vão eles se indispondo com o computador ou com o lápis. O lápis, dizem eles, é mais rápido. Com ele, é só riscar um traço no papel e pronto. No computador, preciso catar as letras, já que não sou ágil em digitar.

De qualquer desses cenários decorre que é preciso aprender que o texto escrito (e lido) tem poder, função, regras, parâmetros, serventias, segredos. Independentemente da ferramenta usada, escrever bem, por exemplo, é um desafio infinito, que a muitos custa uma vida inteira (e que a maioria abandona bem cedo).

A quantidade dos modos de ler e escrever aumentou significativamente nas últimas décadas. A cultura escrita abriu espaço para diversas tecnologias e as pessoas, a intervalos cada vez menores, vão se apropriando e se seduzindo por esses modos de fazer. Não se engane, no entanto, quem pensa que é a ferramenta que faz o ferreiro. É preciso mais do que caneta ou iPad para ser escritor ou leitor, nas melhores acepções dos termos.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 29/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
02. Have a nice day de Adriane Pasa
03. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry
04. O gueto dos ricos de Marta Barcellos
05. Nem Aos Domingos de Marilia Mota Silva


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011
05. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/6/2011
21h21min
Lindo. "De qualquer desses cenários decorre que é preciso aprender que o texto escrito (e lido) tem poder, função, regras, parâmetros, serventias, segredos. Independentemente da ferramenta usada, escrever bem, por exemplo, é um desafio infinito, que a muitos custa uma vida inteira (e que a maioria abandona bem cedo)."
[Leia outros Comentários de Marcos Ordonha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POLTERGEIST: ALGUMAS DE SUAS OCORRÊNCIAS NO BRASIL
HERNANI GUIMARÃES ANDRADE
PENSAMENTO
(1988)
R$ 19,90



UM PASTORZINHO PEREGRINO EM BUSCA DA PAZ COM DEUS
RUYTER LUCIANO SILVA
DO AUTOR
(2012)
R$ 35,00



A ESTÁTUA E A PEDRA
OSVALDO LITZ
JUERP
(1985)
R$ 87,00



PROBLEMAS DE LINGUÍSTICA DESCRITIVA
JOAQUIM MATTOSO CAMARA JR.
VOZES
(1969)
R$ 10,00



CONHECENDO E VIVENDO AS IGREJAS DO NOVO TESTAMENTO
WALTIR PEREIRA DA SILVA
DO AUTOR
(1995)
R$ 7,00



DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS E TEORIA DE CIRCUITOS
ROBERT BOYLESTAD E LOUIS NASHELSKY
PRENTICE HALL DO BRASIL
(1994)
R$ 25,00



NAS ARQUIBANCADAS
JOHN GRISHAM
ROCCO
(2004)
R$ 12,00



POLÍGONO AMOROSO - 2ª EDIÇÃO
JAYME BRAZ
SÃO PAULO
(1960)
R$ 9,66



GAGUEIRA - DO FATO PARA O FENÔMENO
ISIS MEIRA
CORTEZ
(1986)
R$ 12,00



AS PERNAS DE ÚRSULA E OUTRAS POSSIBILIDADES
CLAUDIA TAJES
AGIR
(2006)
R$ 15,00





busca | avançada
36804 visitas/dia
957 mil/mês