Sidney Lumet, invisível | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 5/5/2011
Sidney Lumet, invisível
Vicente Escudero

+ de 2700 Acessos


Paul Newman, Sidney Lumet e Roxanne Hart no set de filmagens de O Veredicto

É no mínimo injusto considerar que um diretor de cinema como Sidney Lumet não tenha sua genialidade reconhecida por não ter criado um estilo próprio, capaz de identificá-lo. Não teria sido esta sua maior qualidade? Nesta época de diretores que prestam homenagens a filmes sem nenhum valor artístico ou moral, trabalham roteiros cada vez mais clichês e emprestam idéias sem o menor pudor, torna-se quase obrigatório valorizar um diretor que trabalhou para apresentar os conflitos de idealistas ordinários contra a realidade, muitas vezes perversa, do mundo. Neste sentido, é possível dizer que a arte de Sidney Lumet foi muito mais reveladora da condição humana do que estética criadora.

Segundo Paul Newman, em entrevista sobre os bastidores de O Veredicto (1982), Sidney Lumet exigia que todos atores ensaiassem livremente, incentivando as improvisações para aumentar a espontaneidade durante as gravações. Depois das preparações, as cenas eram gravadas, no máximo, em duas tomadas. Além da aprovação dos atores que não se sentiam perdidos dentro do roteiro e no set de filmagens, esta pequena exigência, aparentemente retrógrada e contrária a qualquer resultado espontâneo, acabava resultando no domínio das cenas através da economia nos diálogos e da valorização da linguagem corporal.

Paul Newman cita como exemplo a cena em que visita a vítima em coma no hospital e, após entrar no ambulatório onde ela está conectada a diversos equipamentos que a mantém viva, senta-se numa das camas e a fotografa por diversas vezes, mudando de expressão enquanto se aproxima da cama onde ela está e compreende sua situação frágil, entre a vida e a morte. Num silêncio que dura quase dois minutos, interrompido apenas por uma enfermeira que o questiona, do corredor, o advogado alcoólatra interpretado por Newman deixa toda a confiança que trazia desabar sobre os ombros, curvando-se, sentado, demonstrando perplexidade pelo sofrimento da vítima. Ele pressiona o colchão, levanta-se e começa a fotografá-la, hesitante, enquanto se aproxima apontando a câmera Polaroid, lentamente, cada vez mais.

O silêncio do personagem de Paul Newman é acompanhado apenas pelo barulho do respirador artificial, ligado ao pescoço da paciente, e sua expressão facial, cada vez mais tensa, acompanha cada sopro de vida inalado artificialmente por ela, mesmo quando assopra a foto para revelar a imagem. Em apenas dois minutos, as expressões e gestos do ator revelam todo o conflito moral entre o possível lucro que poderia ter com o encerramento antecipado do processo através de um acordo e sua esperança de levá-lo a julgamento, para tentar punir os causadores do erro médico.

Al Pacino, protagonista de outros dois grandes filmes dirigidos por Sidney Lumet, também incorporou a economia exigida pelo diretor na intepretação dos personagens. Em Um Dia de Cão (1975), como também em Sérpico (1973), sobram cenas longas e sem interrupções em que seus personagens revelam as personalidades esticando um elástico, lavando uma panela para dar água a um cachorro ou descansando, exaustos, num local qualquer.

Em Sérpico, dois momentos chamam a atenção. No primeiro, Sérpico (Al Pacino), está na banheira com a namorada, Leslie Lane, quando ela começa a insinuar a intenção de se casarem, dizendo que pretende mudar para o Texas com um homem que havia conhecido numa festa. As falas de Leslie se arrastam e não chegam ao clímax; Sérpico desarma suas intenções sem dizer nenhuma palavra, apenas passa a esfregar a esponja pelo corpo cada vez mais lentamente, fazendo com que Leslie mude o rumo da conversa até abrir o jogo, revelando que só permanecerão juntos se casarem.

No segundo exemplo da genialidade construtiva do diretor, Sérpico lidera um grupo de investigadores na captura de traficantes em um prédio nos subúrbios de Nova York, mesmo alertado de que poderia ser abandonado para morrer pelos novos parceiros, depois de ter delatado o esquema de corrupção dentro da polícia. Sérpico e outros três investigadores aguardam do lado de fora, dentro do carro, observando o sinal de um informante que sinalizaria aos policias quando deveriam começar a agir.

O diretor usa tomadas longas, aproveitando-se da tensão vivida pela relação entre os policiais dentro do carro. Sérpico não consegue disfarçar o constrangimento da situação, evita qualquer contato visual com os parceiros que o tratam com desdém e respondem suas perguntas com grunhidos.

Quando a ação policial começa, os policias chegam ao apartamento onde está o traficante, abrindo caminho para que Sérpico bata à porta. Num espanhol arrastado, ele consegue convencer o morador a abri-la. Seus parceiros se escondem no corredor enquanto Sérpico tenta entrar pela fresta aberta e vencer a resistência do traficante que já o identificou como policial. Sua mão segurando a arma fica presa, esmagada entre o batente e a porta. Nenhum dos policias o ajuda. Quando ele consegue se soltar, é atingido por um tiro no rosto, disparado pelo traficante de dentro do apartamento.

Caído no chão, seus parceiros o observam e atrasam a chamada da ambulância pelo maior tempo possível, esperando sua morte. Sem dizer uma palavra sequer, os policias trocam olhares incisivos entre si, sem piscar, esperando que alguém tome a iniciativa de matá-lo ou chamar o socorro. No cinema policial atual, toda esta ação não chegaria ao seu ápice sem um punhado de discussões inúteis, palavrões e alguns socos.

Sidney Lumet foi o diretor que não se rendeu à narrativa fragmentada da atualidade, nem aos excessos de significados. Foi o Balzac do cinema, levando todos os detalhes de interpretação dos atores ao extremo e revelando a condição humana de fracassos e sucessos através do realismo de personagens singulares. Seus homens e mulheres nunca deixaram de apresentar suas personalidades, reveladas com a ajuda do talento criativo do diretor. Vai fazer falta, afinal, é muito mais difícil representar a realidade humana do que criar um universo particular.


Vicente Escudero
Campinas, 5/5/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
02. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour de Jardel Dias Cavalcanti
03. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti
04. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
05. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FATHER FOR JASON
VADONNA JEAN LEAF
AUGSBURG
(1994)
R$ 13,00



O BRASIL DO CRUZADO: ANTECEDENTES E PERSPECTIVAS
JOSÉ PASCHOAL ROSSETTI 3398
IOB
(1986)
R$ 10,00



REVISTA DO INSTITUTO HISTORICO E GEOGRAPHICO DE SÃO PAULO VOLUME XI...
INSTITUTO HISTORICO E GEOGRAPHICO DE SÃO PAULO
DIARIO OFICIAL
(1908)
R$ 189,52



A ETIQUETA DE LIVROS NO BRASIL
MACHADO UBIRATAN
EDUSP
(2003)
R$ 70,00



AMOR DE PERDIÇÃO / AMOR DE SALVAÇÃO
CAMILO CASTELO BRANCO
SCIPIONE
(1990)
R$ 7,90



QUERIDO DIÁRIO OTÁRIO 2 - TEM UM FANTASMA NA MINHA CALÇA!
JIM BENTON
FUNDAMENTO
(2009)
R$ 8,90



FE Y RAZÓN
PYNCHAS BRENER
BOKER
(1995)
R$ 50,00



TRADICIONES QUE SOBREVIVEN EN EL ARTE FOLKLORICO AMERICANO
STACY HOLLANDER (CURADOR ASSISTENTE)
MUSEU ARTE FOLKLORICO (NOVA IO
(1991)
R$ 19,82



SCHEINIA - A HISTÓRIA DE SONIA
SONIA SWIRSKI
IMAGO
(2009)
R$ 26,82



LINGUAGEM PROVA E LOGICA 2 EDIÇAO
DAVE BARKER PLUMMER E OUTROS
ENSINART
(2014)
R$ 150,00





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês