Sidney Lumet, invisível | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
>>> Campanhas Inesquecíveis - Propaganda Que Fez História no Brasil de Meio & Mensagem pela Meio & Mensagem
>>> História da Civilização de Will e Ariel Durant pela Companhia Editorial Nacional
>>> Vetor de Robin Cook pela Record
>>> Os Maias de Eça de Queiros pela L&pm
>>> Abc de las Naciones Unidas de Naciones Unidas pela Naciones Unidas
COLUNAS

Quinta-feira, 5/5/2011
Sidney Lumet, invisível
Vicente Escudero

+ de 3000 Acessos


Paul Newman, Sidney Lumet e Roxanne Hart no set de filmagens de O Veredicto

É no mínimo injusto considerar que um diretor de cinema como Sidney Lumet não tenha sua genialidade reconhecida por não ter criado um estilo próprio, capaz de identificá-lo. Não teria sido esta sua maior qualidade? Nesta época de diretores que prestam homenagens a filmes sem nenhum valor artístico ou moral, trabalham roteiros cada vez mais clichês e emprestam idéias sem o menor pudor, torna-se quase obrigatório valorizar um diretor que trabalhou para apresentar os conflitos de idealistas ordinários contra a realidade, muitas vezes perversa, do mundo. Neste sentido, é possível dizer que a arte de Sidney Lumet foi muito mais reveladora da condição humana do que estética criadora.

Segundo Paul Newman, em entrevista sobre os bastidores de O Veredicto (1982), Sidney Lumet exigia que todos atores ensaiassem livremente, incentivando as improvisações para aumentar a espontaneidade durante as gravações. Depois das preparações, as cenas eram gravadas, no máximo, em duas tomadas. Além da aprovação dos atores que não se sentiam perdidos dentro do roteiro e no set de filmagens, esta pequena exigência, aparentemente retrógrada e contrária a qualquer resultado espontâneo, acabava resultando no domínio das cenas através da economia nos diálogos e da valorização da linguagem corporal.

Paul Newman cita como exemplo a cena em que visita a vítima em coma no hospital e, após entrar no ambulatório onde ela está conectada a diversos equipamentos que a mantém viva, senta-se numa das camas e a fotografa por diversas vezes, mudando de expressão enquanto se aproxima da cama onde ela está e compreende sua situação frágil, entre a vida e a morte. Num silêncio que dura quase dois minutos, interrompido apenas por uma enfermeira que o questiona, do corredor, o advogado alcoólatra interpretado por Newman deixa toda a confiança que trazia desabar sobre os ombros, curvando-se, sentado, demonstrando perplexidade pelo sofrimento da vítima. Ele pressiona o colchão, levanta-se e começa a fotografá-la, hesitante, enquanto se aproxima apontando a câmera Polaroid, lentamente, cada vez mais.

O silêncio do personagem de Paul Newman é acompanhado apenas pelo barulho do respirador artificial, ligado ao pescoço da paciente, e sua expressão facial, cada vez mais tensa, acompanha cada sopro de vida inalado artificialmente por ela, mesmo quando assopra a foto para revelar a imagem. Em apenas dois minutos, as expressões e gestos do ator revelam todo o conflito moral entre o possível lucro que poderia ter com o encerramento antecipado do processo através de um acordo e sua esperança de levá-lo a julgamento, para tentar punir os causadores do erro médico.

Al Pacino, protagonista de outros dois grandes filmes dirigidos por Sidney Lumet, também incorporou a economia exigida pelo diretor na intepretação dos personagens. Em Um Dia de Cão (1975), como também em Sérpico (1973), sobram cenas longas e sem interrupções em que seus personagens revelam as personalidades esticando um elástico, lavando uma panela para dar água a um cachorro ou descansando, exaustos, num local qualquer.

Em Sérpico, dois momentos chamam a atenção. No primeiro, Sérpico (Al Pacino), está na banheira com a namorada, Leslie Lane, quando ela começa a insinuar a intenção de se casarem, dizendo que pretende mudar para o Texas com um homem que havia conhecido numa festa. As falas de Leslie se arrastam e não chegam ao clímax; Sérpico desarma suas intenções sem dizer nenhuma palavra, apenas passa a esfregar a esponja pelo corpo cada vez mais lentamente, fazendo com que Leslie mude o rumo da conversa até abrir o jogo, revelando que só permanecerão juntos se casarem.

No segundo exemplo da genialidade construtiva do diretor, Sérpico lidera um grupo de investigadores na captura de traficantes em um prédio nos subúrbios de Nova York, mesmo alertado de que poderia ser abandonado para morrer pelos novos parceiros, depois de ter delatado o esquema de corrupção dentro da polícia. Sérpico e outros três investigadores aguardam do lado de fora, dentro do carro, observando o sinal de um informante que sinalizaria aos policias quando deveriam começar a agir.

O diretor usa tomadas longas, aproveitando-se da tensão vivida pela relação entre os policiais dentro do carro. Sérpico não consegue disfarçar o constrangimento da situação, evita qualquer contato visual com os parceiros que o tratam com desdém e respondem suas perguntas com grunhidos.

Quando a ação policial começa, os policias chegam ao apartamento onde está o traficante, abrindo caminho para que Sérpico bata à porta. Num espanhol arrastado, ele consegue convencer o morador a abri-la. Seus parceiros se escondem no corredor enquanto Sérpico tenta entrar pela fresta aberta e vencer a resistência do traficante que já o identificou como policial. Sua mão segurando a arma fica presa, esmagada entre o batente e a porta. Nenhum dos policias o ajuda. Quando ele consegue se soltar, é atingido por um tiro no rosto, disparado pelo traficante de dentro do apartamento.

Caído no chão, seus parceiros o observam e atrasam a chamada da ambulância pelo maior tempo possível, esperando sua morte. Sem dizer uma palavra sequer, os policias trocam olhares incisivos entre si, sem piscar, esperando que alguém tome a iniciativa de matá-lo ou chamar o socorro. No cinema policial atual, toda esta ação não chegaria ao seu ápice sem um punhado de discussões inúteis, palavrões e alguns socos.

Sidney Lumet foi o diretor que não se rendeu à narrativa fragmentada da atualidade, nem aos excessos de significados. Foi o Balzac do cinema, levando todos os detalhes de interpretação dos atores ao extremo e revelando a condição humana de fracassos e sucessos através do realismo de personagens singulares. Seus homens e mulheres nunca deixaram de apresentar suas personalidades, reveladas com a ajuda do talento criativo do diretor. Vai fazer falta, afinal, é muito mais difícil representar a realidade humana do que criar um universo particular.


Vicente Escudero
Campinas, 5/5/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
02. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
03. As crianças do coração do Brasil de Elisa Andrade Buzzo
04. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes
05. Fui pra Cuba de Marta Barcellos


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉtait un Temps Déraisonnable: les Premiers Résistants Racontent
Georges Marc Benamou
Robert Laffont (paris)
(1999)



João Lobo 15
Thales Trigo Simonetta Persichetti
Senac Sp
(2008)



A Madrasta
Nancy Thayer
Círculo do Livro
(1987)



Parque Górki
Martin Cruz Smith
Círculo do Livro
(1984)



O Brasil na França
Ruy Pacheco de Azevedo Amaral
Fund Alexandre de Gusmão
(2008)



Recurso de Apelação e Novas Aplicações de Seu Efeito Devolutivo
Mauro Pedroso Gonçalves
Juruá
(2009)



Revista Brasileira de Filosofia Vol. Lvi Fasc 231
Fundação Nuce e Miguel Reale
Instituto Brasileiro Filosofia
(2008)



Preços de Produção, Métodos de Longo Prazo e Equilíbrio Geral: uma Crí
Marcos de Barros Lisboa
Bndes (rj)
(1993)



Ilha da Trindade: a Ocupação Britânica e o Reconhecimento da Sobe
Martin Normann Kämpf
Fundação Alexandre de Gusmão
(2016)



Estudos Jurídicos Criminais
Luciano Nascimento Silva
Juruá
(2008)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês