Tua melhor palavra ou teu melhor silêncio | Verônica Papoula Mendes | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/7/2011
Tua melhor palavra ou teu melhor silêncio
Verônica Papoula Mendes

+ de 5400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A Flip chega a sua 10º edição no próximo ano ainda no caminho do modernismo, o poeta Carlos Drummond de Andrade é o homenageado de 2012. Será que até lá ainda estaremos "No meio do caminho"?

De 2003 até agora a Flip mudou, cresceu, trouxe novos parceiros, gerou polêmicas de patrocínio, de escolha do homenageado ― como em 2010 ao escolher Gilberto Freire ― de privilegiar editoras, entre outros comentários de "corredor" de uma empresa, mas nada foi tão à público quanto a coletiva de imprensa final, o balanço da Flip deste ano.

Era para ser anunciado a escolha de Drummond e agradecer os jornalistas presentes na coletiva de imprensa, mas o curador da Flip 2011, Manuel da Costa Pinto, usou a palavra nazista ao tentar entender e explicar porquê, o escritor e documentarista francês, Claude Lanzmann, se recusou a responder as perguntas de Marcio Seligmann-Silva na mesa de sexta-feira, no último dia 8.

O balanço foi abalado. Na Flip modernista, a polêmica: bem no final. Teria Manuel da Costa Pinto excedido, subjulgado a importância da palavra? Confundido seu papel de crítico literário com o de curador? Ou defendido os acadêmicos? Teria ofendido Lanzmann? Agora o que me intriga é encontrar logo após a coletiva, no domingo (último dia 10), alguns jornalistas e não sentir nenhum clima diferente entre os que comentavam o assunto. A novidade era Drumonnd.

Ao chegar em casa, São Paulo, por volta das 21h30, e ver os posts sobre a polêmica gerada pelo curador da Flip 2011, de imediato, pensei: será que eles "comemoram bola", como dizemos no jornalismo? Não foi só o anúncio do nome de Drummond para 2012? Teve algo mais e eu não percebi?

Sim, na coletiva, Costa Pinto disse considerar "decepcionante que um autor do porte dele [Lanzmann], que foi um dos grandes intelectuais do século XX, e conviveu como figuras como Sartre, rejeitasse perguntas de natureza intelectual". E completou: "Essa postura que ele teve contra um debate intelectual foi uma coisa nazista. É grave isso. Ele rejeitou o debate em nome da espetacularização."

Mais o assunto só foi mesmo levado a sério pela imprensa após o editor de Claude Lanzmann pedir pronunciamento da organização da Flip e do curador. Houve mea-culpa, a Casa Azul diz que a opinião é de responsabilidade do Manuel da Costa Pinto, e ele diz que talvez tenha confundido os papéis de curador com o de jornalista.

Tanto que a coletiva acabou às 15 hs. e pouco e os posts sobre as polêmicas surgiram por volta das 17 hs. Os jornalistas haviam comentado, mas não haviam dado ênfase ao assunto.

Uma palavra quase calou os 5 dias de Flip, o mercado editorial agora é outro, uma hora a polêmica aconteceria? Se o curador quis defender a classe intelectual brasileira, ou se o editor quis defender seu autor não é problema nosso.

O importante é que existe uma festa, onde as ideias estão fervilhando, os ânimos quentes, a gagueira dos autores saíndo, o espaço para a criação, diálogo, o prazer da arte, das celebrações, que os modernistas sempre quiseram.

Falamos em coletivo, em união, e não em fatos isolados, temos de estar abertos a opiniões: seja do curador, do editor, do povo, do leitor!

Somos uma nação que quase a metade das pessoas não sabe ler, não tem acesso à informação, e não pode gastar 4 mil reais em cinco dias para, no final, tudo ser para o mercado... e não para o autores e suas ideias. Quase que os grandes nomes foram ofuscados pelos organizadores!

"Vamos de mãos dadas", diria Drummond, em seu poema! Somos poucos neste caminho...


Verônica Papoula Mendes
São Paulo, 14/7/2011


Mais Verônica Papoula Mendes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/7/2011
01h02min
Discordo totalmente de você, Verônica. A festa, as idéias fervilhando, os ânimos. Tudo isso precisa ter uma certa identidade. A atitude de Manuel da Costa Pinto denunciou a mudança de trajetória da Flip. As colocações de Manuel foram incompatíveis com alguém que se petende uma pessoa agregadora de artistas e leitores, uma falta de respeito, além de eu discordar de todas as suas colocações. Lanzmann pode ter sido desagradável, mal humorado e até agressivo, mas ninguém se perguntou quais seriam os motivos que o levaram a não querer falar de "Shoah". Talvez, digo talvez, ele quisesse apenas falar do seu livro, apenas. A falta de sensibilidade em relação a um documentário tão perturbador como "Shoah". Mais ainda: a atitude de Manuel da Costa Pinto dizer a um ARTISTA que ele deveria, como se fosse uma ordem, responder a questões de natureza intelectual, mostra o descohecimento do curador em relação a o que é um artista. É atitude de quem tem uma biblioteca na cabeça.
[Leia outros Comentários de JOSÉ SOLON]
14/7/2011
22h53min
Olá José, é seu direito discordar totalmente, mas concordamos que houve mudança na Flip, eu digo isso no meu texto (a Flip mudou, o mercado editorial é outro) e você no seu título... abraço!
[Leia outros Comentários de veronica]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Reflexões Estratégicas Repensando a Defesa Nacional
Mario Cesar Flores
Realizações
(2002)



Cartas a um jovem lider
Cesar Souza
canpus
(2010)



O Amante
Marguerite Duras
globo
(2003)



Revista Unifieo - Ano II - Número 4 - Janeiro de 2001
Vários
Desconhecida
(2001)



O Átomo Ou a Moderna Ciencia Atomica Tomo I
Jaime Maria del Barrio
Pax
(1946)



Renascer - Liberte-se de seu Passado
Deike Begg
jose olympio
(2001)



O Passado de Dolores
Miriam Valle Campos
eme
(2007)



Dicionario Globo - Portugues-espanhol / Espanhol-portugues
Globo
Globo



Gorda de Vida Fácil e Magra
Roberto Ribeiro de Andrade
Do Autor
(1988)



Histologia
Leeson / Leeson
Interamericana
(1977)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês