Educando as velhas gerações | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
47718 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo teatral “Odila” chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
>>> Fernanda Porto lança música e videoclipe em homenagem a Gal Costa
>>> 75% dos líderes de marketing veem a IA generativa como ferramenta criativa essencial
>>> Printed Editions Online Print Fair
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
>>> Ira! no Perdidos na Noite (1988)
>>> Legião Urbana no Perdidos na Noite (1988)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Flip 2005
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Arte sem limites
>>> BBB, 1984 e FEBEAPÁ
>>> Costume Bárbaro
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Era uma vez um inverno
>>> A Auto-desajuda de Nietzsche
Mais Recentes
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2008)
>>> The Landmark Dictionary - para estudantes brasileiros de inglês de Richmond pela Richmond (2008)
>>> Sherlock Holmes: Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Sherlock Holmes: O Signo dos Quatro de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Bíblia Sagrada - Ed. de Promessas de Vários pela King's Cross
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela José Olympio (2016)
>>> A Casa 7ª edição. de Ronald Claver pela Ed Lê (1998)
>>> Oferenda Lírica - Gitanjali de Rabindranath Tagore pela Coordenada (1969)
>>> Glands Our Invisible Guardians de Glands Our Invisible Guardians M. W. Kapp pela a: Grand Lodge Amorc (1954)
>>> Death in the Afternoon de Ernest Hemingway pela Scribner (2003)
>>> Look at it This Way Capa dura de Justin Cartwright pela McMillan (1990)
>>> Banguê de José Lins do Rego pela José Olympio (2011)
>>> O Espantalho - coleção festa do livro de Luciana Maria Marinho Passos pela Scipione (1995)
>>> Borges em diálogo de Jorge Luis Borges; Osvaldo Ferrari pela Rocco (1986)
>>> Oréstia; Agamêmnon; Coéforas; Eumênides de Ésquilo pela Zahar (1991)
>>> Film Stars Don't Die in Liverpool de Peter Turner pela Penguin (1988)
>>> Théatre - Tango de Slawomir Mrozek pela Albin Michel (1966)
>>> O Cinema Americano dos Anos Cinquenta de Olivier-rené Veillon pela Martins Fontes (1993)
>>> O Cinema de Hollywood de Philippe Paraire pela Martins Fontes (1994)
>>> Cinema e Humanismo de Alberto Silva pela Pallas (1975)
>>> Estudo dirigido agtravés de metodos ativos - Geografia do Brasil de Celso Antunes pela Do Brasil
>>> Manifesto verde de Ignácio e Loyola Brandão pela Global (2014)
>>> Competência - Repertório de jurisprudência e doutrina de Arruda Alvim pela Revista dos Tribunais (1986)
>>> Regras oficiais de atletismo 1985-1988 de Confederação Brasileira de Atletismo pela Sprint (1985)
>>> A questão do indio de Fernando Portela pela Ática (1995)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/2/2013
Educando as velhas gerações
Carla Ceres
+ de 5100 Acessos

Há alguns anos circula pela internet um texto humorístico um tanto quanto cruel sobre a velhice feminina com conselhos do tipo "Coma menos, beba menos e fale menos. Velhas magras, sóbrias e contemplativas são menos doentes e chatas". Em pequenas doses, as vinte e poucas recomendações parecem uma forma irreverente de dar bons conselhos. Porém, com o acúmulo de observações depreciativas, a piada perde muito da graça. Ainda assim, o texto faz sucesso entre pessoas da terceira idade, que costumam enviá-lo por e-mail a amigos, parentes e inimigas veladas. Encontra-se também em vários sites e blogs, em geral, acompanhado de uma nota de apreço.

"Cuidado com a maquiagem. Já notou que velhas vão ficando parecidas com velhos e ambos com travestis? Maquiagem pesada só serve para reforçar a personagem". Talvez nossos idosos tenham uma autoestima invulnerável podendo receber, à queima roupa, um conselho como esse e sair rindo sem uma pitada de revolta ou mágoa. O mais provável, no entanto, é que tenham preconceito contra si mesmos e acabem por vestir a carapuça que o texto lhes atira, adotando uma caricatura da velhice como autoimagem. Apontar os próprios defeitos e rir de si mesmo antes que outros o façam é uma estratégia antiga. Serve para antecipar e enfraquecer um possível ataque. Mas será que os idosos brasileiros têm motivo para se sentir ameaçados? Infelizmente, sim.

A terceira idade ativa, festiva, namoradeira e passeante é novidade por aqui. Nosso modelo de "bom idoso" ainda é o vovozinho semi-inválido e caseiro que morria antes de dar muito trabalho ou a vovó-babá mais infantil que os netos. Não temos a tradição oriental de reverenciar a idade avançada como fonte de sabedoria. Modelos de velhos intelectuais, como a Dona Benta, do Sítio do Pica-Pau-Amarelo, até existem em nossos livros e são valorizados no mundo real, mas são minoria. Respeitamos o conhecimento acadêmico mesmo quando defasado e negamos valor à experiência de vida. Aqui, velho que não é doutor é mais bobo que criança e tem o direito de permanecer calado para não incomodar.

O Estatuto do Idoso afirma que "o envelhecimento é um direito personalíssimo". Acontece que, se fosse possível não exercer esse direito sem morrer, a humanidade preferiria. O Brasil trata mal seus velhos. Por isto criamos uma lei que afirma: "Nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência, crueldade ou opressão, e todo atentado aos seus direitos, por ação ou omissão, será punido". A lei é necessária porque os atentados ocorrem diariamente.

É bom saber que podemos processar os agressores. Melhor seria poder reduzir a probabilidade de essas agressões acontecerem. Todos os pais sabem que quem fizer mal a uma criança pode acabar preso. Nem por isso deixam de ensinar aos filhos estratégias de defesa. Os tradicionais "Não fale com estranhos" e "Comporte-se!" já salvaram muitas crianças não apenas de sequestro e morte, mas também de serem maltratadas por mau comportamento. Verdade seja dita: alguns idosos, na ânsia de parecer jovens, por desejo de autoafirmação ou por pura falta de educação mesmo, comportam-se de modo deplorável, atraindo a antipatia, a má vontade e até a hostilidade das pessoas com quem convivem. Antigamente isso não era um grande problema porque os velhos saíam pouco e cada família aturava seus tiranos ranzinzas. Hoje os idosos viajam e encontram pessoas que não lhes devem obrigações nem foram condicionadas a obedecê-los.

A lei também diz que "os filhos maiores têm o dever de ajudar e amparar os pais na velhice" e que "o idoso tem direito a educação, cultura, esporte, lazer, diversões"... Um velho grosseiro, sem dúvida, precisa de ajuda. Portanto, os filhos deveriam ter também o bom senso de pelo menos tentar educar os pais idosos no tocante à civilidade, à delicadeza e à cortesia antes de deixá-los à vontade pelo mundo real ou virtual.

Parece estranho que um filho possa educar quem o criou, mas somente se você entender o mundo como algo estático. Hoje vivemos aglomerados em cidades, temos pouco tempo e muito estresse. Até as formas de exercer autoridade e de se comunicar mudaram. Pessoas que gritam, dão ordens como senhores de escravos e tomam o tempo de quem está trabalhando eram aceitáveis antigamente, quando gritos eram necessários para falar com quem estava do outro lado do pasto e o tempo corria mais devagar. Qualquer adulto sensato sabe que essas atitudes são pura falta de educação nos dias de hoje e deve convencer seus pais disso. Se não conseguir, a vida ensina.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 28/2/2013

Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2013
01. Histórias de gatos - 4/4/2013
02. Um livro canibal - 9/5/2013
03. Em busca de cristãos e especiarias - 7/11/2013
04. Autodidatas e os copistas da vez - 7/2/2013
05. Brasileiros aprendendo em inglês - 17/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fundamentos de Nutricion En El Deporte
Marcia Onzari
Grupo Ilhsa Sa
(2004)



La Corza Blanca 289
Gustavo Adolfo Bécquer
Moderna



A Interpretação dos sonhos 1 e 2
Freud
Imago
(2023)



Normas da Abnt Comentadas para Trabalhos Cientìficos
Jamil Ibrahim Iskandar
Jurua
(2010)



Programa 5s
Reginaldo Pedreira Lapa
Qualitymark
(1997)



Pequena História do Mundo Contemporâneo
David Thomson
Zahar
(1971)



Repensar os Estados Unidos
Daniel Lins
Papirus
(2003)



Ariel Ou La Vie de Shelley
André Maurois
Calmann-levy
(1923)



Os Funerais da Mamãe Grande
Gabriel García Márquez
Record
(2014)



Terra Formars 2
Yu Sasuga
JBc
(2015)





busca | avançada
47718 visitas/dia
1,7 milhão/mês