Deixa eu te manipular... | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Contratos e Atos Unilaterais vol. 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2012)
>>> Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia de Murilo Bastos da Cunha- Cordélia Robalinho Cavalcanti pela Briquet de Lemos (2008)
>>> A Year of Being Single de Fiona Collins pela Hq (2016)
>>> The Brightest Star in the Sky de Marian Keyes pela Penguin Books (2011)
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
>>> A Caçada Ao Lobo de Wall Street de Jordan Belfort pela Planeta (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito das Coisas vol 5 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2007)
>>> Diário do Chaves de Roberto Gomez Bolanos pela Suma (2006)
>>> O Aliciador - Ele está sempre um passo à Frente de Donato Carrisi pela Record (2019)
>>> Isaac Newton e Sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia. das Letras (2021)
>>> A riqueza da vida simples - Como escolhas mais inteligentes podem antecipar a conquista de seus sonhos de Gustavo Cerbasi pela Sextante (2019)
>>> Fênix: A Ilha - Livro 1 de John Diox pela Novo Conceito (2014)
>>> Direito do Trabalho 23 ª ed. de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2007)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/1/2002
Deixa eu te manipular...
Adriana Baggio

+ de 4000 Acessos

A propaganda manipula? Para muitas pessoas, a resposta é um veemente "sim!", seguido de um rosário de malefícios causados por ela, como o consumismo exacerbado, o materialismo, a perda da autenticidade nas relações pessoais. E tudo por culpa da propaganda, como se os consumidores fossem marionetes na mão de um bando de malvados que hipnotizam as massas e levam-nas a fazer e comprar o que não querem.

Das definições do verbo "manipular" que encontrei no Aurélio instalado no meu computador, algumas são mais aplicáveis à propaganda:

- Engendrar, forjar, maquinar.
- Fazer funcionar; pôr em movimento; acionar.
- Controlar; dominar.

A que mais se aplica à tese que vou defender aqui é a número 3. A propaganda manipula sim. Como vários outros tipos de discurso, o da propaganda tem por objetivo levar o receptor da mensagem a fazer.

Antes de continuar, gostaria de estabelecer uma diferença entre o termo "propaganda" e o termo "publicidade". É uma distinção teórica e não-oficial, que utilizo para melhor delimitar o campo do assunto a ser tratado. Neste contexto, publicidade é a forma de divulgação não remunerada de empresas, produtos, serviços, idéias. Por exemplo, uma matéria jornalística sobre a doação que uma empresa faz a uma entidade filantrópica é publicidade, porque (teoricamente) a empresa não pagou para que seu nome aparecesse no jornal. Já a propaganda refere-se à divulgação remunerada, como o espaço pago pelo anunciante para veicular um comercial na televisão.

Pois bem, existe uma discussão sobre qual o nível de manipulação que a propaganda emprega para convencer as pessoas a consumir determinado produto ou idéia. Em primeiro lugar, a propaganda não faz a gente querer alguma coisa do nada. Sempre existe um desejo latente, uma necessidade a ser satisfeita, e que muitas vezes o consumidor acredita que pode ser suprida através do consumo de algum produto. A propaganda apela para essas necessidades, que todos nós temos. Pela Teoria de Maslow, muito estudada quando se fala em psicologia e comportamento do consumidor, o ser humano tem suas necessidades elencadas em uma pirâmide. Na base da pirâmide estão necessidades básicas, como alimentação, segurança, aquecimento, abrigo, sexo. Depois vêm as necessidades afetivas, como o amor, o afeto familiar. Em seguida, as necessidades intelectuais, como conhecimento, instrução; e por último, as necessidades espirituais, como o auto-conhecimento e religiosidade. Para dar um exemplo bem simplista e didático, produtos como roupas poderiam fazer parte das necessidades mais básicas. Perfumes, ligados à sedução, poderiam atender as necessidades secundárias. Um curso de línguas poderia se enquadrar na terceira camada. No topo da pirâmide poderiam estar as sessões de terapia.

Segundo a Teoria de Maslow, enquanto as necessidades básicas não estão satisfeitas, as seguintes não são sentidas. Arriscando mais uma vez um exemplo bem rasteiro, se uma pessoa passa fome, ou seja, não tem uma necessidade básica atendida, dificilmente vai sentir falta de um curso superior. Com base nessa fundamentação, a propaganda oferece aos consumidores produtos que podem atender suas necessidades. Como muitas vezes elas não são racionais, a linguagem da propaganda também não é. É por isso que utilizam-se recursos estilísticos, figuras de linguagem, jogos de palavras - os mesmos recursos usados há séculos na literatura e no teatro - para fazer com que o produto anunciado ganhe a concorrência na mente do consumidor. Para vencer essa concorrência, a propaganda busca mostrar, de uma maneira emocional, como o produto poderá suprir as necessidades já existentes. Mais um exemplo: dificilmente alguém tem necessidade de cerveja. O que temos é desejo de amizade, da convivência em grupo, com pessoas queridas, que gostem de nós, que nos aprovem e que achem graça de nossas piadas. Por saber disso, a propaganda de cerveja apela para imagens com muita gente se divertindo, homens bem-sucedidos, mulherada, roda de amigos, etc.

Até agora, está estabelecida a manipulação da propaganda? Sim. Da mesma maneira como manipulam outros tipos de discurso, como o literário e o jornalístico. A intenção do autor, quando escreve, é levar o leitor a ter alguma atitude, como estabelecer juízo, sentir prazer ou sofrer. No entanto, nem por isso a literatura é condenada por manipulação. Com o jornalismo acontece a mesma coisa. Dependendo de como um texto é escrito, a partir das palavras escolhidas pelo jornalista, o leitor será levado para um ou outro lado. Em todos esses casos, inclusive com a propaganda, entra o livre-arbítrio. De acordo com nosso repertório, com nossos sentimentos e com nossas necessidades, vamos aceitar ou não o conteúdo transmitido.

Voltando à definição de manipular, a propaganda quer levar o consumidor a fazer algo, mas não tem o poder de levá-lo a fazer o que não quer. Tanto que, na hora de planejar uma campanha de propaganda, são levados em conta o segmento que o produto vai atender e o nicho a ser atingido. Por isso, um produto pode ser atraente - ter potencial para atender determinadas necessidades - para certo grupo de consumidores e não para outro.

Tanto quanto em outros segmentos, dentro da propaganda existe a atividade realizada com má fé, eticamente condenável. Existe o médico, o advogado, o jornalista, e também o publicitário mau- caráter. Assim como o paciente é mal-tratado por seu médico, explorado por seu advogado, também pode ser prejudicado pela propaganda enganosa ou por práticas como a propaganda subliminar, que, por via das dúvidas quanto aos seus efeitos, é proibida. Mas responsabilizar a propaganda por nossos comportamentos, por nossos desvarios no shopping center, é ingenuidade.

Clique, veja e compre:

Verdades, Mentiras e Propaganda

Verdades, Mentiras e Propaganda - Jon Steel - Editora Negócio

Tudo que você sempre quis saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Tudo que você sempre quis saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar - Julio Ribeiro - Editora Atlas

Comportamento do Consumidor

Comportamento do Consumidor - Eliane Karsaklian - Editora Atlas


Adriana Baggio
Curitiba, 17/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As cidades e os carros de Daniela Sandler


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. Querido, eu me rendo - 2/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O monopólio do sagrado
Francisco Catão & Magno Vilela
Best Seller
(1994)



O Cérebro Consciente
Steven Rose
Alfa-omega
(1984)



Dom Casmurro
Machado de Assis
Circulo do Livro
(1992)



John Lennon
Juacir Alves
Usina de Letras
(1905)



Ritos de Passagem de Nossa Infância e Adolescência: Antologia
Fanny Abramovich Org.
Summus
(1985)



Tolerância Zero Ou Nova Prevenção
Letícia Núñez Almeida
Lumen Juris
(2015)



Projeto Carol Buffara. Dicas de Bem-estar, Alimentação Saudável
Carol Buffara
Arte Ensaio
(2014)



Vidas sem Norte
Eduardo Maffei
Brasiliense
(1980)



The Meaning of de Glorius Koran
Mohammed Marmaduke Pickthall
Mentor



Como Trabalhar os Sentimentos
Miguel Lucas
Loyola
(1990)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês