Primórdios da exploração do tabuleiro | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
Mais Recentes
>>> Meu dia com Padre Gregório, scj de Padre Gregorio pela N/a
>>> O Primeiro Bilhão de Christopher Reich pela Best Seller (2004)
>>> Poderes do Pensamento de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (2018)
>>> Manual do Astrólogo de Landis Knigh Green pela Pensamento (1975)
>>> Noções de Symbologia Esoterica de Circulo Esotérico pela Circulo Esotérico (1941)
>>> Juventude e Revolução de Hermes Zaneti Junior pela Unb (2001)
>>> Dharma de Annie Besant pela Pensamento (2008)
>>> Fome do Cão de Táki Athanássios Cordás pela Maltese (1993)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Harper Usa (2000)
>>> Gandhi Autobiographie ou mês Expériences de Vérité (Francês) de Gadhi pela Puf (2010)
>>> Tábuas de Casa para o Hemisfério Sul de Carlos Alberto Boton pela Pensamento (1993)
>>> Tao Te King de Lao Tsé pela Attar (1988)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Jacira X Ronaldo de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1980)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Simone X Angela de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1979)
>>> Guia Prático de manobras de Eric Tabarly pela Edições marítimas (1983)
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Como Planejar sua Carreira de Varios Autores pela Povo (2003)
>>> Perguntas Bíblicas Extrovertidas de Tio Cornélio pela J&f Artes Gráficas (2004)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Macmillan Pub Co (1984)
>>> Gestão Financeira de Negócios de Aurélio Hess pela Cart-Impress (2005)
>>> Luz Emergente A Jornada de Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (2003)
>>> Jesus, um Profeta do Islão de Muhammad Áta Ur-rahim pela Al Furqán (1995)
>>> Buda O Mito e a Realidade de Hérodoto Barbeiro pela Madras (2005)
>>> Gandhi O Apóstolo da Não - Violência de Martin Claret pela Martin Claret (1983)
>>> Concentra-te em Ti Mesmo de Miguel Lucas pela Loyola (1987)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/8/2013
Primórdios da exploração do tabuleiro
Carla Ceres

+ de 3000 Acessos

Um dia, despertamos sobre um imenso tabuleiro de jogo. Percebemos que éramos muitos e estávamos perdidos sem saber de onde vínhamos ou para onde íamos.

Nem todos despertaram ao mesmo tempo. Na verdade, muitos dormem até hoje, enquanto se encarregam de sobreviver como os outros animais. A lida não lhes dá tempo para indagar sobre essências e transcendências. Várias palavras lhes faltam e, na ausência delas, a capacidade de raciocínio abstrato mal se desenvolveu. Sim, eles andam, falam, procriam, trabalham, sofrem e reagem sempre do mesmo jeito. Pensam sem refletir e prosseguem sonâmbulos.

A natureza nos programou para despertar e refletir sobre o mundo, logo que o jogo da vida nos desse uma folga. Por isso, talvez os primeiros a tentar entender as regras do tabuleiro tenham sido os humanos fisicamente mais fracos ou enfermiços, que ficavam à margem da luta cotidiana. Credito a eles as pequenas invenções que facilitam o dia a dia. Da mesma forma, uma certa hipersensibilidade emocional parece necessária aos artistas, cuja missão é alertar-nos sobre as complexidades do jogo e as dimensões ocultas do tabuleiro.

Somos primatas, vivemos em bando. As sábias palavras de um iluminado sozinho no meio da floresta não aprimoram em nada nossa sociedade. Até os sonâmbulos são mais úteis do que os egoístas despertos, que buscam a salvação individual. Por milênios, fomos todos sonâmbulos e, mesmo nesse estado, aprendemos muito. Descobrimos que animais de determinadas cores costumam ter peçonha; que certas plantas e suas semelhantes têm veneno; que quem nos fita com o cenho franzido está prestes a atacar. Esse tipo de conhecimento precedeu as palavras e agora faz parte de nossa programação básica, vem de fábrica. Bebês nascem com sistema de reconhecimento facial pronto para entrar em ação quando receberem estímulos suficientes. Sorria para eles, de preferência um sorriso bem exagerado, e eles sorrirão de volta. É automático e funciona nos dois sentidos. Um ser humano que não sorri de volta para um bebê tem algum problema. Olhar zangado e testa franzida produzem o efeito contrário, assustam bebês e geram apreensão em humanos adultos e cães. Sim, os cães, nossos companheiros de longa data, são mestres no reconhecimento de nossas expressões faciais. Aprenderam com a convivência.

Geopoeticamente falando, o primeiro conhecimento sobre nossa localização pode ter sido: Aqui é um lugar que muda à medida que se anda. Antes havia apenas a sensação de que ali é onde mora o outro e lá longe fica o desconhecido. Por temor ao desconhecido, precisamos conquistar o lá longe, transformá-lo em algo familiar. Assim começamos a mapear o tabuleiro. Procuramos suas bordas, descobrimos que era redondo. Continentes deixaram de ser lá longe. A Lua agora é logo ali. O espaço-tempo pode ser curvo e ir além das dimensões conhecidas.

Com tanto desconhecido à solta, fica difícil dormir. A cada dia, mais pessoas se dedicam a desbravar algum campo de conhecimento ou a exercer atividades beneficentes. O ideal de seres humanos vivendo em harmonia, sem fome ou sofrimento se expandiu e, para alguns de nós, deve incluir os animais. Se esse pensamento vingar, as formas de vida alienígena que encontrarmos terão muito a agradecer porque, depois que nossos cientistas as dissecarem, poderão ficar em paz. Isso se não mudarmos de ideia de repente e resolvermos demonizá-las.

Acontece que duas crenças perigosas nos acompanham desde a infância. A primeira é que, se fizermos tudo certo, a vida vai ser tranquila e o mundo, aconchegante como o colinho da mamãe. A segunda é que tudo de errado é nossa culpa ou, pior, culpa daquelas pessoas malignas que discordam de nós. Não conseguimos aceitar que coisas ruins acontecem aleatoriamente a qualquer um.

Quando eu tinha sete anos, um tio me ensinou a jogar xadrez. No mesmo dia, ensinei meu irmão mais novo e jogamos nossa primeira partida juntos. Aos quatro anos de idade, ele queria que o jogo se estendesse para fora do tabuleiro. Mais exatamente, queria que existisse um jogo paralelo dentro da caixa de papelão onde deixávamos as peças "mortas" na partida. Resolvi concordar porque, caso contrário, ele começava a roubar para manter suas peças "vivas".

É tentador e reconfortante acreditar que o jogo continua após a morte. Se o tabuleiro tem tantas dimensões, por que não mais essa? Que mal faz acreditar em uma vida melhor onde a justiça prevaleça? Na minha opinião, mal nenhum desde que isso não se transforme em uma canção de ninar e nos leve a passar pela vida como sonâmbulos.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 15/8/2013


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2013
01. Histórias de gatos - 4/4/2013
02. Um livro canibal - 9/5/2013
03. Em busca de cristãos e especiarias - 7/11/2013
04. Autodidatas e os copistas da vez - 7/2/2013
05. Brasileiros aprendendo em inglês - 17/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mediadas Provisórias
Leon Frejda Szklarowsky
Rt
(1991)



Moçambique Com os Mirage Sul Africanos a 4 Minutos
Licínio Azevedo
Global
(1980)



Entre La Guerre et La Paix: 1944-1949
Roger Céré
Presses Universitaires França
(1949)



Budismo
Dalai Lama
Universo dos Livros
(2005)



Coaching de carreira
Jaques Grinberg, Maurício Sita
Literare Books International
(2019)



A Mãe Judia, o Gênio Cibernético e Outras Histórias
Paulo Wainberg
Age
(2001)



De Pneuzinho a Tanquinho
C. W. Randolph e Genie James
Best Seller
(2011)



Como Não Ser Enganado Nas Eleições
Gilberto Dimenstein
Atica
(1994)



Manifesto do Nada na Terra do Nunca
Lobão
Nova Fronteira
(2013)



Em Defesa do Marxismo
Julio Magri
Outubro
(1992)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês