O irmão alemão, de Chico Buarque | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
42788 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Te cuida, rapaz
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Aperte o play
>>> Sr. Google, não perca essa chance
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> O cristianismo para Nietzsche
>>> Conversa de pai e filha
>>> Psicodelia para Principiantes
Mais Recentes
>>> Aves do Jardim Botânico do Rio de Janeiro- Guia de campo de Lena Trindade, Henrique Rajão e Plínio Senna pela Hólos Cultores associados (2011)
>>> Uma garota chamada Júlio de Milena Milani pela Record
>>> Flash & Lanterna Verde: De Volta à era de Prata de DC Comics pela Mythos (2004)
>>> Cinquenta anos depois de Francisco Cândido Xavier pelo espírito Emmnuel pela Feb
>>> Dark Heroes: Com Uma Crise nas Mãos! de Steve Vance pela Brain Store (2002)
>>> Jonathan Strange e Mr. Norrell de Sussana Clarke pela Companhia das letras (2005)
>>> O Homem-Aranha - Minissérie Tormento em Duas Edições de Todd McFarlane pela Abril (1992)
>>> A história da umbanda de Alexandre Cumino pela Madras (2019)
>>> Homem-Aranha - O Outro Evolução Ou Morte 4 volumes. de Marvel Comics pela Panini Comics (2005)
>>> O fim da ansiedade de Max Lucado pela Thomas Nelson
>>> Wolverine SNIKT! Parte 1 e 2 de Marvel Comics pela Panini Comics (2004)
>>> A hora e o lugar de Sergio Burgi e Samuel Titan Jr. pela Desconhecido
>>> Naquele dia de Dennis Lehane pela Companhia das letras
>>> Homem-Aranha Ed. Especial: Rei do Crime até a Morte de Marvel Comics pela Abril (1998)
>>> As 5 vidas de Paraguassú de Maria do Carmo pela Casa senhora do Carmo
>>> Homem-Aranha: A Última Caçada de Kraven - Minissérie em 3 Edições de Marvel Comics pela Abril (1990)
>>> Comer com sabedoria de Ana Beatriz Vieira Pinheiro pela Nova Era
>>> Professor Milionário! (como novo) de Domingos Pellegrini pela Ftd (2009)
>>> Didática de Jaime Cordeiro pela Contexto (2009)
>>> Impacto negro de Izabelle Valladares e Raime Paixão pela Literarte (2019)
>>> O Homem-Aranha & Motoqueiro Fantasma - Ed. Especial de Marvel Comics pela Abril (1993)
>>> O Tesouro da Montanha de Pedra (como novo) de Vários Autores pela Ftd (2008)
>>> O Homem-Aranha Vingança Minissérie em duas edições completa de Marvel Comics pela Abril (1995)
>>> Édipo Rei de Sófocles de Trajano Vieira pela Perspectiva (2009)
>>> 53 Vols. Os Imortais da Literatura Universal (Completa) de Vários Autores pela Abril (1973)
COLUNAS

Terça-feira, 25/11/2014
O irmão alemão, de Chico Buarque
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 3700 Acessos

Desde Estorvo, seu primeiro romance, Chico Buarque vem mesclando fantasia e realidade nas suas criações literárias. Também aspectos biográficos (ligados ao eu do artista ou à sua inserção na história do Brasil) compõem grande parte do que ele escreve (e mesmo no âmbito de suas canções pressentimos o mesmo tipo de presença). Não é diferente agora em seu novo romance, denominado O irmão alemão, que a Companhia das Letras acaba de lançar.

O novo livro parte da ideia da existência de um irmão de Chico Buarque, concebido por seu pai, o grande historiador Sergio Buarque de Hollanda, no período de sua juventude vivida na Alemanha, antes de se casar com a mãe do escritor. Além do irmão alemão, o autor decide explorar a relação que tem com o próprio pai, um escritor preso à sua biblioteca, ausente de contatos amistosos com o filho, mas para quem ele é uma figura central e, principalmente, misteriosa.

Não só dos elementos acima citados vive o romance, onde aparecem vários fatos ligados à história pessoal do próprio autor, suas aventuras afetivo-sexuais, suas preferências literárias, sua relação com o aparecimento da ditadura militar e a morte do pai. Chico Buarque, em sua escrita sempre delirante (como em Leite Derramado e Estorvo, principalmente), pratica uma espécie de literatura que concebe o real como fantasioso e o fantasioso como real. Nessa transmutação de significados, os leitores passam a confundir os dois polos das existências descritas. A velocidade da escrita/narrativa, sem muita descrição subjetiva dos fatos, ajuda a pensar o próprio correr do tempo de uma vida que se forma dentro e fora dos personagens, não sendo uma mais importante que a outra. E é essa capacidade de criar a dimensão cruzada de forças interiores e exteriores que faz de Chico um grande narrador.

O crítico literário Alcides Villaça, em artigo no Estadão sobre O irmão alemão, chamou esse tipo de literatura de "romance de imaginação autobiográfica", o que talvez traga um parentesco com a literatura de outro escritor contemporâneo: Marcelo Mirisola. De fato, nos dois escritores os aspectos pessoais da existência e os aspectos da criação literária não se separam, sendo como dois átomos trombando um no outro e, com a energia que daí deriva, é que se fertiliza a escrita que sustenta a arquitetura dos romances que criam.

Ao ler o romance de Chico Buarque sentimos que estamos sendo levados para uma espécie de parque de diversão, onde o drama não deixa de existir, mas onde o humor é quem se apresenta com mais força na constituição dos encontros e desencontros dos personagens. Não só a presença do pai, da mãe, dos amigos e do irmão namorador, como também as fantasias que o autor cria em torno do irmão alemão são colocados sempre na clave divertida de uma aventura detetivesca, misto de farsa e realidade documentada, forjando os elementos propulsores da história.

Mesmo não deixando de lado a História - a descrição da violência dos corpos sob tortura no regime militar e a invasão de privacidade, por exemplo, e até a aproximação da ditadura com o nazismo- o peso a ela atribuído tem certa leveza, talvez a de quem se libertou dos ressentimentos do passado, ou de quem a descreve a partir de uma lembrança tão distante que faz dela uma fantasia em dó menor.

O que importa de fato para Chico Buarque é sua qualidade de escritor, ou seja, a do sujeito que fabrica uma fantasia através da linguagem e para quem a linguagem é o meio mais eficaz de se aproximar do "real". E que sabe que o real, quando tornado elemento literário, merece sempre as aspas com que a literatura o adorna.

Dentro de uma clave musical, podemos dizer que o romance de Chico Buarque é uma "fantasia". E aqui recorremos ao Dicionário Grove de Música, que define "fantasia" como uma composição em que a imaginação do compositor tem precedência sobre os estilos e formas convencionais. Então, se o real se apresenta, sobre ele o autor cria uma sucessão de acontecimentos, pequenas peças livres, guiadas por estados imaginativos tão importantes quanto a reconstrução documental dos fatos. E se os documentos querem falar, poderão falar, mas sob o tom maior da inventividade do autor. Afinal, para ser uma obra literária uma narrativa precisa ir além do real e se tornar um produto da rainha das faculdades humanas, a imaginação.

E Chico Buarque, apesar do peso que sua própria história comporta dentro da História do Brasil, sempre soube nos embalar com criações que vão além do tempo datado dos fatos históricos. E este romance, O irmão alemão, que é um romance também sobre livros, mostra que grande leitor ele foi para depois se tornar o grande escritor em que tem se transformado.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/11/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior de Ricardo de Mattos
02. Garanto que você não vai gostar de Carina Destempero
03. Um gadget de veludo de Vicente Escudero
04. Pílulas II de Sol Moras
05. Pequeno contato com a civilização de Rafael Azevedo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
02. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História e Vida - as Américas
Nelson Pilettie Valentim Lazzarotto
Atica
(1995)



Keys to Investing in Common Stocks (inglês) (1990)
Barbara Apostolou, Nick Apostolou
Barrons
(1990)



El Embrujo del Oro - 5ª Ed Pocket
Adolfo Costa Du Rels
Los Amigos del Libro
(1997)



Macaco
Jeff Stone
Pavio
(2009)



Something Blue: a Novel
Emily Giffin
St Martins Griffin
(2011)



Livro - Frankenstein
Mary Shelley
Wordsworth Editions
(1993)



Livro - Alexandre e Outros Heróis
Graciliano Ramos
Record
(2006)



Poesia na Varanda
Sonia Junqueira
Autêntica
(2012)



Curso de Direito Constitucional
Celso Ribeiro Bastos
Saraiva
(1994)



Confirmando a Fe - Crisma 1
Diocese de Caxias
Paulinas
(1998)





busca | avançada
42788 visitas/dia
1,6 milhão/mês