Saia curta, liberdade longa. | Adriane Pasa | Digestivo Cultural

busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/2/2015
Saia curta, liberdade longa.
Adriane Pasa

+ de 7300 Acessos


Duas moças vendo uma vitrine em Toronto, Canadá, 1937. (Alexandra Studios)

Em maio de 2014 eu estive em Vancouver, no Canadá, passando férias. Era começo da primavera e ainda estava um pouco frio, mas o que me chamou a atenção foi o comprimento das saias e shorts de algumas moças, que andavam tranquilamente pelas ruas com suas pernas brancas de fora (quem sou eu pra falar de pernas brancas...). Comecei a prestar atenção nisso e reparei que os homens não mexiam com nenhuma mulher, por mais curta que fosse a saia. E olha que algumas chegavam a mostrar um pedacinho da bunda. As adolescentes então andavam quase peladas, mesmo no frio. Fiquei imaginando como deveria ser no verão.

Depois de uns dias, com olhar mais apurado, reparei que os homens não só não mexiam como nem sequer olhavam. Os pescoços continuavam no lugar e cada um seguia seu rumo, tranquilamente. Na verdade, lá ninguém está nem aí com o outro, acho que podem andar com uma melancia na cabeça que ninguém liga. Meu marido estava estarrecido. Ele também nunca tinha visto coisa parecida. Fiquei "cuidando" dele porque virava o pescoço em vários momentos pois as saias eram realmente curtíssimas. Eu fiquei com medo de alguma mulher se sentir invadida e chamar a polícia. Eu também olhei, mas qualquer coisa eu podia alegar que estava admirando a roupa (eu adoro moda rsrs). A gente estava mesmo perplexo com a atitude dos homens, isso chamou a nossa atenção mais que qualquer perna de fora. Pelo menos a minha.

Lá as pessoas parecem até meio assexuadas se comparadas aos brasileiros. Mas não são, obviamente. São assim porque existem leis que protegem as mulheres desde sempre. E todo mundo sabe que leis mexem com culturas e hábitos das pessoas, influenciando suas atitudes. Eu já tinha ouvido falar sobre isso, tinha visto vídeos e lido coisas em vários blogs, tenho uma grande amiga que mora em Toronto e ela também havia comentado comigo a respeito, mas uma coisa é saber e outra é ver com os próprios olhos.

Eu não tinha levado nenhuma saia curta porque estava frio pra burro, equivalente ao começo do inverno em Curitiba, cidade onde moro. Mas devia ter levado e experimentado a sensação de liberdade que é andar por aí pelas ruas sem olhares engraçadinhos, assovios, carros que andam devagar ao teu lado parecendo ter um serial killer dentro, palavras chulas e por aí vai. Curitiba é muito ruim neste aspecto. Além de aturar os caras sem noção (não é à toa que chamam essa cidade de "Rússia Brasileira"), se a gente sai de saia curta ou qualquer roupa mais justa ou decotada, tem que aguentar também os olhares reprovadores das senhorinhas conservadoras de plantão ou das esposas ciumentas. Eu costumo dizer que sair de minissaia aqui em Curitiba é como cometer um crime. Quem mora aqui e é mulher sabe do que eu estou falando. Em lugares quentes a liberdade é maior. Mas aqui, onde a gente consegue usar minissaia umas três vezes por ano e é uma cidade ultraconservadora, é um ato de coragem.

Já ouvi todo tipo de besteiras em relação a este assunto. Como por exemplo, "ah, mas que graça tem morar num lugar como o Canadá, onde não mexem com você e nem te olham?", pois eu respondo: toda a graça do planeta. Não existe nada mais sensacional para uma mulher (e para qualquer pessoa) poder ir e vir sem ser invadida, sem ter que aturar desrespeito e sem ficar com medo. Por que dá medo. As pessoas precisam entender isso. Viver num lugar onde parte da população acha que os estupros acontecem porque as mulheres "provocam" usando roupas "ousadas" é muito perigoso. Outra bobagem é quando falam "ah, mas se for um homem bonito a mulher não acha ruim...". É claro que incomoda, porque o critério não é esse. A beleza não está acima do respeito. E tudo depende do contexto. Uma coisa é andar nas ruas e ser assediada, outra é estar na balada ou em algum lugar de paquera onde existe o desejo de ser notada. É claro que se uma mulher solteira vai a um lugar para paquerar e ninguém a nota, pode ser uma frustração. Mas ela quer isso, é diferente. E pra bom entendedor, um olhar de uma mulher basta pra saber o que ela quer ou não.

Mas voltando à Vancouver, com um olhar atento, observei a atitude das mulheres em relação a este assunto, no seu comportamento corporal. É totalmente diferente do nosso. Não existe gente puxando a saia pra baixo pra disfarçar, como quem quer "corrigir" um erro, não existe subir uma escada rolante e ficar cuidando de quem está atrás, não existe aquele olhar sempre em alerta que temos que ter por aqui, pensando que um dia ou outro teremos que usar nossos golpes de Muay Thai (aliás, é uma boa ideia fazer aulas de defesa pessoal).

Enfim, é uma liberdade absurdamente deliciosa. E se alguém olha, olha discretamente e segue seu rumo, sem extrapolar nenhum limite. Eu fiquei com inveja das mulheres de lá, nesse aspecto. Pensei como seria bom se pudéssemos sair na rua com qualquer roupa que fosse, sem sermos invadidas por olhares, palavras ou até fisicamente. Óbvio que em todo lugar do mundo mulher sempre tem que se cuidar, principalmente à noite. Lá também tem estupradores e psicopatas. A diferença é que os crimes são raros e quando existem, a polícia age na hora. E a população também. Todo mundo ajuda a "caçar" o bandido, informando e espalhando os retratos falados.

Tem uma "regra" social no Canadá que é sempre manter um braço de distância da outra pessoa estranha ou colegas de trabalho. A gente anda nos ônibus e metrôs e consegue ver isso claramente. Tudo bem que lá tem bem menos gente e se fizéssemos isso no transporte público aqui teríamos que ter o triplo da frota. Mas sem comparação direta, analisando esta atitude simples, é algo muito genial. Eu, como Curitibana que sou, adorei a ideia. Não há nada mais incômodo que gente te encostando ou querendo forçar uma intimidade que não existe. Ou aqueles colegas de trabalho que cumprimentam com ~beijinho~? Qual a necessidade disso, minha gente?? É chato qualquer tipo de invasão, qualquer tipo de coisa que não pedimos ou dissemos "ok, pode fazer". Isso é uma regra da vida.

Torço muito para que um dia a gente chegue nesse patamar de respeito às mulheres e a todos os cidadãos e que as leis aqui sejam mais severas. Sei que o ser humano tem seu lado primitivo e isso nunca vai mudar, mas cada lugar pode dar uma ajudinha pra cultura evoluir. Afinal, acho que a gente está aqui nesse mundo pra isso, pra deixar de ser ogro. Também sei que roupas como a minissaia mexem muito com o imaginário masculino, o que é normal. Mas imaginação nunca foi algo proibido, além de não prejudicar ninguém. Acho que os canadenses imaginam coisas como qualquer ser humano normal, mas ninguém precisa saber o que está na mente deles, certo? Sempre que toco nesses assuntos de comparação com países de primeiro mundo, eu penso em tudo o que a gente deixaria de se preocupar e o que mudaria na vida prática do nosso cotidiano. É muita coisa que muda. É muito espaço que sobra no nosso "HD" pra pensar em coisas boas. É muita toxina de estresse que a gente deixaria de ter. É muito tempo economizado fazendo coisas bacanas, é muito lugar bonito que a gente poderia conhecer na cidade sem precisar ter um segurança por perto. É muita minissaia que poderíamos usar, a hora em que quiséssemos, de todos os tecidos, tamanhos e cores, sendo o que nós deveríamos ser desde que nascemos: livres.

A minissaia chegou no começo dos anos 60, tendo sua invenção atribuída à britânica Mary Quant, embora alguns mencionam também o francês André Courrèges. Veio como uma forma de rebeldia, de reivindicar o direito à sensualidade e questionar o que a sociedade impunha às mulheres como "decência". Depois foi adotada pelo estilista Yves Saint-Laurent e também Pierre Cardin, que usaram modelos ainda mais curtos. Combinados com sapatos de salto alto ou botas, causaram frisson. Pernas de fora pelo jeito sempre vão "causar" por aqui. Tomara que um dia a gente possa sapatear de minissaia na cara dessa sociedade. Sem sofrer assédio, claro.

" type="application/x-shockwave-flash" wmode="transparent" width="400" height="288">



Adriane Pasa
Vancouver, 23/2/2015


Mais Adriane Pasa
Mais Acessadas de Adriane Pasa
01. YouTube, lá vou eu - 5/9/2016
02. Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil - 15/2/2016
03. Quando morre uma paixão - 22/9/2014
04. Casamento atrás da porta - 3/2/2014
05. Saia curta, liberdade longa. - 23/2/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISÃO DE CONHECIMENTOS EM OFTALMOLOGIA VOL. 1
TIMOTHY VAN SCOTT SIDNEY JAY WEISS
MANOLE
(1978)
R$ 16,66



CORRESPONDÊNCIA
J. M. EÇA DE QUEIROS E J. P. OLIVEIRA MARTINS
UNICAMP
(1995)
R$ 9,90



NASCENTE DA BELEZA: HISTÓRIA, ARTE, RELIGIOSIDADE E MÚSICA NA CUL
JOSÉ EDUARDO FERREIRA SANTOS
SCORTECCI
(2013)
R$ 25,28



ATLÂNTIDA O OITAVO CONTINENTE
CHARLES BERLITZ
CIRCULO DO LIVRO
R$ 5,90



UM GATO ENTRE OS POMBOS
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA
(1977)
R$ 5,00



TERCO DE APARECIDA NA HISTORIA DE NOSSA SENHORA
MANCILIO- FERDINANDO
SANTUÁRIO
R$ 10,00



HISTÓRIA PARTE I DAS ORIGENS DO HOMEM Á CONQUISTA DO NOVO MUNDO
ALEXANDRE ALVES LETICIA FAGUNDES DE OLIVEIRA
MODERNA PLUS
(2010)
R$ 30,00



A BOCA ERA O QUE MAIS ME FASCINAVA
NADIA FUSINI
ROCCO
(1998)
R$ 21,99



SÓ OS MELHORES POEMAS COL. BREVÍSSIMA PORTUGUESA VOL. 16
ANTÓNIO NOBRE
CIVILIZAÇÃO
(1995)
R$ 13,40



NOSSO SÉCULO BRASIL 1945 1960 PARTE 1
VÁRIOS AUTORES
ABRIL CULTURAL
R$ 5,00





busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês