'Eu quero você como eu quero' | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
>>> Aulas on-line percorrem os caminhos da produção editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carnaval só ano que vem, da Orquestra Imperial
>>> Os tataravôs da filosofia
>>> Sexo, drogas e rock’n’roll
>>> Dostoiévski era um observador da alma humana
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> Nélson e Otto #Clássico
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Escritor: uma ambição
>>> O Rei Roberto Carlos e a Ditadura
>>> Uma leitura jornalística
Mais Recentes
>>> Direito Constitucional Ambiental Brasileiro e Ecocentrismo de Ana Stela Vieira Mendes Câmara pela Lumen Juris (2017)
>>> O Acesso à Justiça Internacional para Empresas Brasileiras de Rafaela Câmara Silva pela Lumen Juris (2017)
>>> Os Impactos da Proteção ao Meio Ambiente no Direito de João Luiz Nogueira Matias pela Lumen Juris (2017)
>>> Obra Completa de Oliverio Girondo pela Allca XX / Scipione Cultural
>>> Crie Peixes - as Dicas Que Você Precisa de Alzugaray pela Três (1996)
>>> O Direito e a Ciência de Giselle Marie Krepsky pela Lumen Juris (2017)
>>> O Ministério Público Sobre o Olhar do Outro de Gustavo Hermont Corrêa pela Lumen Juris (2017)
>>> Receitas para a Cura Através de Nutrientes de Phyllis A. Balch; James Balch pela Campus (1995)
>>> Filosofia de Boteco - no Reverso das Ilusões de Antônio Charles Santiago Almeida pela Moura (2019)
>>> O Que é a Inteligência? de José Fernández Tejeda, Felipe Cherubin pela Lumen Juris (2016)
>>> Lung Cancer de Paul Lorigan pela Mosby (2007)
>>> A Crise Hídrica e o Direito de Alexandre Jorge Carneiro Filho, Ana Rita Nery pela Lumen Juris (2016)
>>> A Crise Hídrica e o Direito de Alexandre Jorge Carneiro Filho, Ana Rita Nery pela Lumen Juris (2016)
>>> Combate do Irani - Amanhece o Dia 22 de Outubro de 1912 de Revista História Catarina - Ano VI Nº 44 pela Leão Baio (2012)
>>> O Menino e o Mar de Lino de Albergaria pela Saraiva (2005)
>>> Contos de Amor Novo de Edson Gabriel Garcia pela Atual (1990)
>>> A Mina de Ouro - Coleção Cachorrinho Samba de Maria José Dupré pela Atica (1989)
>>> A Escola e a Produção Textual - Práticas Interativas e Tecnológicas de Silvia M. Gasparian Colello pela Summus (2017)
>>> Conceito de Renda Para Fins Tributários e IFRS de Roberto Salles Lopes pela Lumen Juris (2017)
>>> Regimes Alimentares e Questões Agrárias de Philip Mcmichael; Sonia Midori pela Unesp (2016)
>>> O Conselho Nacional de Justiça e o Poder Judiciário Brasileiro de Maria Lírida Calou de Araújo pela Lumen Juris (2017)
>>> O Estupro - uma Perspectiva Vitimológica de Nohara Paschoal pela Lumen Juris (2017)
>>> Acesso à Justiça nos Sistemas Internacionais de Proteção de Direitos Humanos de Marcus Pinto Aguiar pela Lumen Juris (2017)
>>> Voto e Máquina Política de Eli Diniz pela Paz e Terra (1982)
>>> Afinal, Quem Sou Eu para o Direito de Débora Caroline Pereira Chaves pela Lumen Juris (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 27/3/2015
'Eu quero você como eu quero'
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2900 Acessos

Na casa onde eu cresci, fotografia era algo importante. Tudo o que a fotografia podia representar era importante. O registro dos momentos, a revelação, a formação do álbum, a organização das fotos nas páginas, a datação, a descrição do evento e, depois, o momento mágico de mostrar as fotos aos amigos, parentes e namorados. As fotos não nos chegavam avulsas, presenteadas por conhecidos. Elas eram tiradas pela minha mãe, que tinha uma câmera Olympus da qual se orgulhava.

Ter uma câmera e tirar as melhores fotos possíveis era um cuidado com o tempo: com o presente, o passado e o futuro. Não era banal. Não era apenas "bater foto". Era agir sobre a memória e o memorável. Cresci com essa noção de registro fotográfico - tenho câmera - inclusive filmadora - desde nova e é comum que eu seja a única pessoa que tem fotos do pessoal da escola, da turma da rua, etc. Hoje em dia, embora isso seja banal, as fotos são virtuais... não sei se sobreviverão ao tempo e aos softwares, ao ponto de se tornarem registros duradouros. E não que eu não torça. Eu apenas não sei.

Nos meus tempos de menina, o que nem vai tão longe, era necessário saber sobre filmes e o processo da fotografia. A palavra "revelação" diz muito sobre a espera para conhecer a foto, que não aparecia de antemão no visor. O clique do fotógrafo era único, um tiro planejado (ou não). O olhar do fotógrafo precisava ser previdente. A revelação demoraria e, depois dela, a foto seria conhecida. Não era possível selecionar previamente. A edição do álbum vinha depois, com a escolha dos registros mais bonitos, com menos olhos fechados e mais poses apresentáveis. Era o projeto da foto, a espera, a alegria ou a decepção. A cópia de presente, a colagem no álbum. Vamos ver? Um evento.

Foi assim, em grande medida, que conheci e compreendi a fotografia. De toda forma, ainda que a maioria delas fosse posada, montada e até falsa, sempre preferi a foto espontânea; o riso, a conversa, o movimento daqueles que não percebiam bem o clique, que não se viravam, obrigatoriamente, ao fotógrafo, e não se rendiam a uma alegria forçada. Mas a foto espontânea é rara, difícil, aleatória. Constrangemo-nos um pouco quando vemos a câmera. Sorrimos diferente e murchamos a barriga. Conseguir fotos espontâneas é uma arte. Que eu admiro.

Que noção temos da fotografia? Certamente, o registro e a memória estão entre os elementos que mais comumente nos interessam, mas estão, também, as ideias de compor um quadro com as melhores roupas, as melhores poses, o melhor ângulo (não é assim que dizemos?) e as cores que não temos, naturalmente. O fotógrafo trabalha com a luz, com o enquadramento, mas também com a poesia e a construção da imagem. A imagem não esta lá. Ela é montada, produzida, composta. A escolha de um modo de fotografar ajuda a construir um registro. E como nos conhecerão no futuro? Ou que representação queremos de nós?

Há alguns anos, resolvi pagar a um estúdio para que fizesse um ensaio fotográfico de minha relação com meu filho. Fiz questão de frisar que gostaria de registrar o ar que nos une no dia a dia. Não queria meu filho com as melhores roupas - as que ele quase não usa - e nem com o cabelo - que ele deixava crescer - escovado. Não queria aquele tênis novo que ele detestou. Eu queria compor um álbum do meu filho meio louro, descabelado e risonho com que lido todos os dias, pelos corredores de casa, de bermuda colorida e chinelo. Da mesma forma, eu buscava um registro dos beijos que realmente nos damos, dos abraços que trocamos e das brincadeiras que fazemos quando estamos juntos. Não na foto, mas na vida.

Pedi à fotógrafa que não me produzisse. É claro que reconheço a beleza do artifício em uma mulher, a cor, a valorização do olho, da boca, do cabelo, do ângulo. Mas eu não queria "aparecer na foto" como eu não sou, para mostrar aos outros quão bonita eu poderia ficar. Esse talvez seja um fetiche de grande parte de nós, que queremos nos parecer com "modelos". Pode ser útil, mas não era minha intenção. Eu queria um registro do meu cabelo cheio de fios brancos, da marca de expressão quando eu sorrio e dos olhos amendoados naturais. Queria meu jeans, meu All Star e meu relógio mais querido - não aquele que uso em casamentos, mas aquele de que mais gosto no dia a dia. E foi o que aconteceu. Eu e meu filho corremos, brincamos, dançamos, nos deitamos na grama, nos abraçamos e conversamos muito. Nós e a fotógrafa.

Minha preocupação era a seguinte (por mais que ela seja impossível): quando envelhecermos todos ou mesmo quando nos formos deste mundo, há de haver um registro do que realmente fomos, para que as pessoas queridas - como meu filho e meus netos - possam dizer: "eu me lembro dela deste jeitinho assim. Vejam como éramos mesmo lindos!".

Daí, depois de tanta relação com a fotografia, foi um pulo começar a pensar em aprender. Nossa relação com as imagens, mormente com as fotos, mudou tanto! Todos temos câmeras, programas de publicação, editores, quem não pode? Quem não se sente um pouco fotógrafo de vez em quando? E para que as pessoas se fotografam? Que funções as fotografias têm, nas redes sociais, por exemplo? A denúncia, a exposição, a memória, o desafio, o registro, a ostentação. Está tudo lá, só que para todos.

Enfim, fiz um curso de fotografia e investi em uma câmera melhor. Da mesma forma que demorei anos para me assumir "escritora", vou levar séculos para me chamar de "fotógrafa", em respeito aos profissionais que dominam essa arte/ciência. Mas arrisco uns cliques. E eles vão sendo elogiados, e demandados, e curtidos. E as pessoas começam a dizer que há algo de meu ali, reconhecível, inclusive. "Que imagem!", "Que sensibilidade", "Que instante!". E voltei, então, a pensar nos meus motivos.

O meu gosto, concluo, é pela espontaneidade. Não sei se é ético, mas eu gosto de zanzar pela festa sem que me notem (embora isso seja difícil com uma câmera maior) para flagrar os momentos de encontro, de papo, de riso. Eu procuro a imagem quando os atores se distraem de mim. Isso pode? Sabe lá. Nunca reclamaram. Vez em quando, dirijo as pessoas para que fiquem brincalhonas. Não parem, não olhem. Eu sou, enfim, uma cronista com uma câmera nas mãos. Sem poses, sem enquadramentos simétricos e sem sorrisos "diz xis". É mais ou menos como largar o teclado do computador e as palavras por um instante para brincar com a luz. É como aprender a escrever de novo.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 27/3/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
02. O melhor filme de 2011 de Marta Barcellos
03. O petista relutante de Rafael Rodrigues
04. Discurso sobre o Capim, de Luiz Schwarcz de Jonas Lopes
05. Um Inesquecível Presente de Quinze Andares de Rennata Airoldi


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2015
01. Para que serve a poesia? - 26/6/2015
02. A pomba gíria - 1/5/2015
03. Como ser um Medina - 16/1/2015
04. Momento ideal & conciliação - 25/9/2015
05. Leitura, curadoria e imbecilização - 11/9/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Hacker - Page Turners Level 2
Sue Leather / Julian Thomlinson
Heinle Cengage
(2014)
R$ 20,00



História Sociedade & Cidadania 7º Ano
Alfredo Boulos Júnior
Ftd
(2015)
R$ 25,00



O Melhor do Mau Humor
Ruy Castro
Companhia das Letras
(1998)
R$ 10,00



Contos e Lendas da Ilíada
Jean Martin
Wmf Martins Fontes
(2006)
R$ 29,00



Evolution of the Horse
W. D. Matthew S. H. . Chubb
American Museum Press
(1924)
R$ 68,77



Gradus Philosophique
Vários
Gf-Flammarion
(1996)
R$ 63,00



Trinta Anos de Mim Mesmo
Millôr Fernandes
Círculo do Livro
(1974)
R$ 15,00



O Registro da Hipoteca de Incorporações Imobiliárias: o fim social da lei, o princípio da boa-fé e a mitigação da finalidade do registro
Lafaiete Luiz do Nascimento
Thesaurus
(2006)
R$ 6,00



Histórias para Aquecer o Coração
Jack Canfield / M. Victor Hansen / Heather Mcnama
Sextante
(2001)
R$ 7,70



Auto da Barca do Inferno - 7ª Ed.
Gil Vicente
Ateliê
(2005)
R$ 17,41





busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês