Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
Mais Recentes
>>> Guia Completo Do Tricô de Denise Gianoglio pela Escala (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um luxo de Perfume de Roberto D’Angelo pela Caravana
>>> Educação Escolar das Relações Étnico-raciais de José Antônio Marçal, Silvia Maria Amorim Lima pela Intersaberes (2015)
>>> Batman - A Maldição do Caveliro Branco de Sean Murphy pela Panini Comics (2020)
>>> A Guardia Da Minha Irma de Jodi Picoult pela Verus (2011)
>>> Livro Psicologia Motivação, Liderança e Lucro A trilogia para uma empresa de sucesso de Marco Aurélio Ferreira Vianna pela Gente (1999)
>>> Heróis De Verdade: Pessoas Comuns Que Vivem Na Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Leonardo Da Vinci E Seu Supercérebro de Michael Cox pela Seguinte (2004)
>>> Ponto de Criação - Contos e Crônicas de Temáticas Livre de Alfer Medeiros pela Andross (2016)
>>> Finding Sky Die Macht Der Seelen: Roman de Joss Stirling pela Dtv Verlagsgesellschaft (2014)
>>> A Menina Que Contava Histórias de Jodi Picoult pela Verus (2015)
>>> Livro Filosofia Platão de Nova Cultural Ltda. pela Nova Cultural Ltda. (2004)
>>> Prosperity? de Ken, Maura, Michael, Piper, John, Grudem, Wayne, Mbewe, Conrad Mbugua pela Acts Kenya (2016)
>>> Introdução a psicologia de Donald Olding Hebb pela Atheneu (1971)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meridian Um romance sobre o movimento dos direitos civis e a luta das mulheres negras de Alice Walker pela José Olympio (2022)
>>> O Despertar de Snyder, Murphy pela Panini Comics
>>> Ensaios de Michel De Montaigne pela Edit 34 (2016)
>>> Livro Turismo Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Coleção Biblioteca Infantil Encyclopedia Britânica do Brasil 10 Livros do Eu + Das Cores + Animais + Formas + Palavras + Números + Animais + Tempo de Christine Timmons pela Encyclopedia Britannica do Brasil Publicações (1979)
>>> Diálogos Da Perplexidade de Bernardo Kucinski pela Fundacao Perseu Abramo (2009)
>>> Livro Literatura Brasileira O Sedutor do Sertão de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira (2020)
>>> Introducao À Leitura De Hegel de Alexandre Kojève pela Contraponto (2014)
>>> Encontrando Deus em O Senhor dos Anéis de Kurt Bruner, Jim Ware pela Bompastor (2002)
>>> O Poder Da Mente de R. Stanganelli pela Martin Claret (2006)
>>> Livro Poluição do Ar Polêmica Coleção Polêmica de Samuel Murgel Branco; Eduardo Murgel pela Moderna (2004)
COLUNAS

Terça-feira, 10/11/2015
Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
Jardel Dias Cavalcanti
+ de 4100 Acessos


Parafraseando T. W. Adorno, as únicas obras de arte autênticas produzidas hoje são aquelas que, na sua organização interna, medem a si mesmas pela mais complexa experiência da negatividade.

É o caso do livro de poemas Ao Abrigo, de Ronald Polito, publicado pela Editora Scriptum, de Belo Horizonte.

Essa negatividade da poesia de Polito não diz respeito apenas ao poder crítico, do qual deriva sua oposição à "vida ordinária" ou ao "mundo absurdo", mas ao fato de que parece desafiar a própria ideia de "poesia" (ninguém mais acredita realmente em "cultura", diria Adorno). O que acontece é que nos seus versos, a entranha da estrutura poética esfola-se a si mesma para não deixar viva qualquer ideia de "substância positiva" na linguagem.

A negatividade intrínseca da linguagem (e Polito aprecia Beckett), como alguém que quebra a própria perna para não continuar a se submeter ao desejo de andar, (similar ao verso "andar até conseguir não chegar", do poema "No verdadeiro caminho") é o aspecto absolutamente singular de sua poesia (se assim o podemos dizer), aquilo que a torna única e que resiste a qualquer apropriação em uma categoria maior, como uma forma genérica específica de poesia já praticada em algum lugar.

Para onde quer levar essa poesia, se quiséssemos pensar a poesia sartreanamente como um "ser em situação"? No caso, o poema "O situado" indica a paralisia: "Este lugar pode levar a este lugar". Não há, portanto, para onde andar se esta poesia é como uma revolta tempestade que apenas pode girar em torno de si mesma, produzindo os estragos internos que reforçam ainda mais a sua própria força auto aniquilante. É o que fica claro no poema "Além", onde "só aqui ocorre a morte da morte", e a possibilidade de sair em movimento, o "Éden à deriva", é nocauteada pela ideia de um adentro constante, uma espécie de "o dia para sempre".

A reprodução de uma obra plástica do autor, uma escultura em grafite denominada "Casa", se relaciona diretamente com o título do livro "Ao abrigo". A casa, tornada escultura, não tem as feições comuns de uma casa. Ela eleva-se, no formato dado pelo artista, numa perspectiva de acolhimento de apenas uma pessoa, e ainda em pé, em situação, talvez, desconfortável. Esse abrigo, frágil também pela sua constituição por levíssimos grafites, sem paredes, nem nada que a decore por dentro, talvez metaforize o próprio processo da poesia negativa de Polito.


Podemos pensar que a poesia, como essa casa, vai sendo construída sob a estrutura material de uma fragilidade constante, ou risco de desabar a cada minuto, sendo essa capacidade do artista em manter em pé essa fragilidade, essa insana construção ("um trampolim na escuridão"), a própria condição de sua poética.

No poema "Desaparição", por exemplo, a ideia de abrigo é colocada entre parênteses, um sinal gráfico como rede de proteção, como as paredes da casa de grafite, e ainda mais, a sentença é cortada por outro sinal, exigindo a separação entre o que existe e o lugar: "(aqui ainda existe/ o lugar)". A imagem torna-se ainda mais forte se acolhemos o verso de "Oferenda" que fala de uma "vida na ilha de uma ilha".

Não sabemos se esse abrigo é um bunker- mais como rede de proteção que lugar confortável -, mas a ideia de estar "entre", como se dentro de uma coisa, é que leva ao "tempo que não passa mais/ todas as coisas iguais/ cobrindo o corpo com alma/ como uma droga que acalma".

A negatividade constante dos poemas, seu modus operandi de criar impossibilidades, pode ser resumido no poema "No verdadeiro caminho", que reproduzo abaixo:

Voar sem trilhos.

Apalpar através dos véus, dos vidros.

Prender-se à superfície do mundo

Desprovido de dedos, dentes, cabelos.

Andar até conseguir não chegar.

Construir um abrigo em labirinto.



Insistir no método difícil da ignorância.



Na poesia de Polito há dois elementos sempre presentes, o espaço e o corpo: o primeiro, é o lugar onde as ações se projetam, sempre num movimento incerto, interrompido ou fadado ao bloqueio; o segundo, a espécie humano-animal enclausurado em seus anseios, também interrompidos.

Um poema em prosa do livro, como "Ponto final", resume a ideia: "Qualquer movimento que fizesse, e o horizonte distante adaptava-se, indiferente, ao seu novo ponto de partida." A impossibilidade de um além ou de uma alternativa, apesar do movimento, sempre faz o horizonte ser o mesmo, numa espécie de círculo vicioso da repetição, "retorno do reprimido" ou "eterno retorno". A capa do livro, belíssimo projeto gráfico de Luciana Inhan, representa bem esse círculo dentro do círculo. Também em "O alvo móvel", a ação parece parada: "Por mais que caminhasse, estava sempre no centro absoluto do círculo do horizonte à sua volta." A insistência nessa impossibilidade da ação, aparece também em "O que se atinge": "E, uma vez você,/ movendo-se,/ também já era outro/ o horizonte."

Um poema que chama a atenção, se pensarmos na ideia de alguma experiência possível dentro do abrigo, é o amor. Mas, numa poesia da negatividade, mesmo o amor se transfigura naquilo que dá título ao poema: "Desengano", do qual reproduzo alguns versos: "Tua pele nada pode contra/ esta parede de pedra. // Voltar ao pó, que saída,/ ou antes, que cilada.// O amor, se for, vai passar, bem depois."

De dentro desse bunker-abrigo surge a ideia de um rumo de mão dupla, mas ao contrário de ser uma saída rumo a dois espaços, para a poesia de Polito o horizonte é o abismo ou o abismo é seu horizonte. O poema denominado "Mão dupla" encarna essa situação:

MÃO DUPLA

Horizonte-abismo

daqui nada é distinto

nem se emenda

daqui tudo é miúdo

não se tem a ideia de muito

nenhuma trilha ou asa

ou pausa

acordar já parece grande

o bastante

no peito uma pedra crescendo para

si

há certos animais que

sangram mais

na hora da agonia da alegria

mãos que antes são

garras que ainda

são facas

cédulas xifópagas

páginas diárias de despedaçar

luas e luas sem luz

aqui nesta paragem ou pane

para cada cédula

que dana então

de onde

abismo-horizonte.



Se o poeta resiste a tanto negativismo e por um instante cede à ideia da paz, ele sabe, no entanto, que estará ainda sim, como no poema "O que passa", no meio do redemoinho:

O QUE PASSA

Sozinho.

A caminho.

Nada nas margens.

Nem mesmo miragens.

E tudo é branco, adiante.

Não há pássaro, que cante.

Para trás ficou todo o burburinho.

Vai em paz no meio do redemoinho.



No poema "Atlas" (personagem condenado por Zeus a sustentar os céus para sempre sobre os ombros), apesar do esforço descrito "Assim, a mão/ fechada com força,/ retesando os tendões/ do antebraço que/ à flor da pele/ quase dançam ou/ vibram como/ corda", sobra-lhe também, um fragmento da beleza, "os pés/ brilhantes", metáfora final para a poesia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/11/2015

Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
02. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
03. Marcelo Mirisola: entrevista - 22/9/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Aniversário da Infanta
Oscar Wilde
Folha de S. Paulo
(2018)



Livro Pedagogia Educação Emocional
Edênio Valle
Olho D Água
(2024)



Arquivo X - Sangue p- Vol. 7
Chris Carter
Caras
(1997)



Manual Prático de Conversação Português, Inglês-alemão
Carl Huber
Artesc
(1992)



Praticando Valores Prevenindo Vicios
Daise Aguiar Silva
Daise Publicações
(2014)



Quarenta Mil Anos de Arte Moderna
L. A. Mauduit
Itatiaia
(1959)



Revista Mundo Estranho Junho 2007 Edição nº 64
Abril
Abril
(2007)



A Revolução no Ensino
W Kenneth Richmond
Companhia Nacional
(1975)



Dog Soldiers a Flag For Sunrise Outerbridge Reach
Robert Stone
The Library of America
(2020)



As Grandes Obras Politicas de Maquiavel a Nossos Dias
Jean Jacques Chevallier
Agir
(1982)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês