Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
30040 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme lança novo videoclipe com faixa do álbum ALUMIA
>>> Almundo traz até 40% de desconto em seu primeiro Outlet 2019
>>> Ex-Titã Paulo Miklos apresenta seu terceiro álbum no Sesc Belenzinho
>>> Companhia de Teatro Heliópolis coloca em cena as duas faces da justiça em nova montagem
>>> Cunha realiza 2ª edição do Verão na Montanha - Cunha Fest, festival de jazz e blues
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
Últimos Posts
>>> Assim eu quero a vida
>>> Um sujeito chamado Benício
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Direções da véspera (Introdução)
>>> O tempo nos ensina - frase
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Senhor do Corpo e da alma - poema
>>> Fotogenia
>>> É Natal
>>> Canções de amor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> mare
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> Do desprezo e da admiração
>>> WikiLeaks em documentário
>>> Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil
>>> Todos querem ser cool
>>> Açougueiro mesmo é o diretor
>>> O pior cego é o que vê tevê
>>> De Middangeard à Terra Média
Mais Recentes
>>> O queijo e os vermes de Carlo Ginzburg pela Companhia das Letras (Companhia de Bolso) (2006)
>>> Era dos Extremos: O breve século XX (1914-1991) de Eric Hobsbawn pela Companhia das Letras (2009)
>>> O Sol e a Sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Perdidamente de Júlio Emílio Braz pela Ftd (2000)
>>> As Armadilhas do Consumo - Acabe com o endividamento de Márcia Tolotti pela Campus / Elsevier (2007)
>>> O noivado de Bilac- com a correspondência inédita do poeta à sua noiva D.Amélia de Oliveira (raridade) de Elmo Elton pela Organiozação Simões (1954)
>>> Gramática Reflexiva: texto, semântica e interação - 3ª ed. de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2019)
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1997)
>>> TCP/IP a bíblia de Rob Scrimger pela Campus (2002)
>>> Universidade h4ck3r de Henrique Ulbrich e James pela Digerati Books (2011)
>>> Hackers expostos de Joel Scambray pela Makron (2001)
>>> Manual completo do hacker de Gorkin Starlin pela Book Express (2001)
>>> Por que os gerentes falham de John J. Mc Carthy pela Makron (1994)
>>> Inteligência emocional de Daniel Goleman pela Objetiva (2001)
>>> Economia de Paul Wonnacott pela Makron (1994)
>>> Integração: qualidade e recursos humanos para os anos 2000 de Philip B. Crosby pela Makron (1993)
>>> Empresas sem chefes de Charles C. Manz pela Makron (1996)
>>> O complexo de perfeição de Colette Dowling pela Record (1993)
>>> Primeira filosofia - Tópicos de filosofia geral de Armando Mora de Oliveira pela Brasiliense (1992)
>>> Princípios de administraçao científica de Frederick W. Taylor pela Atlas (1995)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Objetiva (1998)
>>> Hardware curso completo de Gabriel Torres pela Axcel Books (2001)
>>> Petrobrás - Administrador júnior - nível superior de José Almir Fontella Dornelles pela Vestcon (2011)
>>> Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle de Philip Kotler pela Atlas (1996)
>>> Marketing verde de Jacquelyn A. Ottman pela Makron (1994)
>>> Síndrome da Passividade: o processo de reengenharia em recursos humanos de Dirceu Moreira pela Makron (1994)
>>> Inveja nas organizações de Patrícia Amélia Tomei pela Makron (1994)
>>> As novas regras de John P. Kotter pela Makron (1997)
>>> Administração industrial e geral de Henri Fayol pela Atlas (1989)
>>> Problemas? Oba! Arevoluçãopara vocêvencer no mundo dos negócios de Roberto Shinyashiki pela Gente (2011)
>>> Como conquistar um ótimo emprego: e dar um salto importante em sua carreira profissional de Thomas A.Case pela Makron (1997)
>>> Iniciando os conceitos da qualidade total de Equipe Grifo pela Pioneira (1994)
>>> Redação empresarial - escrevendocom sucesso na era da globalização de Miriam Gold pela Makron (1999)
>>> Empregabilidade: de executivo a consultor bem-sucedido de Thomas A. Case pela Makron (1997)
>>> Pesquisa Operacional de Ermes Medeiros da Silva pela Atlas (1998)
>>> Contabilidade Introdutória + Livro de exercícios de Equipe de Professores da FEA/USP pela Atlas (1993)
>>> Princípios de Administração Financeira + Manual de Software de Lawrence J. Gitman pela Harbra (1997)
>>> Primeira filosofia - Aspectos da história da filosofia de Armando Mora de Oliveira pela Brasiliense (1992)
>>> Reinvente-se: você pode fazer melhor ainda de Claudio V. Nasajon pela Campus (2001)
>>> História da Política Exterior do Brasil de Amado Luiz Cervo Clodoaldo pela UnB (2002)
>>> Iniciação ao direito do trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (1998)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Juarez de Oliveira pela Saraiva (1995)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Cia Ed Naciona (1979)
>>> Código de proteção e defesa do consumidor de Juarez de Oliveira pela Saraiva (1994)
>>> Biotecnologia em discussão de Wilhelm Hofmeister pela Fundação Konrad Adenauer (2000)
>>> O alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1988)
>>> O Brasil e Suas Riquezas de Waldemiro Potsch pela Não Infirmado
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela Klick (2000)
>>> A revolução dos campeões de Roberto Shinyashiki pela Gente (1995)
>>> Viva com esperança de Mark Finley / Peter Landness pela Afiliada (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 10/11/2015
Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2200 Acessos


Parafraseando T. W. Adorno, as únicas obras de arte autênticas produzidas hoje são aquelas que, na sua organização interna, medem a si mesmas pela mais complexa experiência da negatividade.

É o caso do livro de poemas Ao Abrigo, de Ronald Polito, publicado pela Editora Scriptum, de Belo Horizonte.

Essa negatividade da poesia de Polito não diz respeito apenas ao poder crítico, do qual deriva sua oposição à "vida ordinária" ou ao "mundo absurdo", mas ao fato de que parece desafiar a própria ideia de "poesia" (ninguém mais acredita realmente em "cultura", diria Adorno). O que acontece é que nos seus versos, a entranha da estrutura poética esfola-se a si mesma para não deixar viva qualquer ideia de "substância positiva" na linguagem.

A negatividade intrínseca da linguagem (e Polito aprecia Beckett), como alguém que quebra a própria perna para não continuar a se submeter ao desejo de andar, (similar ao verso "andar até conseguir não chegar", do poema "No verdadeiro caminho") é o aspecto absolutamente singular de sua poesia (se assim o podemos dizer), aquilo que a torna única e que resiste a qualquer apropriação em uma categoria maior, como uma forma genérica específica de poesia já praticada em algum lugar.

Para onde quer levar essa poesia, se quiséssemos pensar a poesia sartreanamente como um "ser em situação"? No caso, o poema "O situado" indica a paralisia: "Este lugar pode levar a este lugar". Não há, portanto, para onde andar se esta poesia é como uma revolta tempestade que apenas pode girar em torno de si mesma, produzindo os estragos internos que reforçam ainda mais a sua própria força auto aniquilante. É o que fica claro no poema "Além", onde "só aqui ocorre a morte da morte", e a possibilidade de sair em movimento, o "Éden à deriva", é nocauteada pela ideia de um adentro constante, uma espécie de "o dia para sempre".

A reprodução de uma obra plástica do autor, uma escultura em grafite denominada "Casa", se relaciona diretamente com o título do livro "Ao abrigo". A casa, tornada escultura, não tem as feições comuns de uma casa. Ela eleva-se, no formato dado pelo artista, numa perspectiva de acolhimento de apenas uma pessoa, e ainda em pé, em situação, talvez, desconfortável. Esse abrigo, frágil também pela sua constituição por levíssimos grafites, sem paredes, nem nada que a decore por dentro, talvez metaforize o próprio processo da poesia negativa de Polito.


Podemos pensar que a poesia, como essa casa, vai sendo construída sob a estrutura material de uma fragilidade constante, ou risco de desabar a cada minuto, sendo essa capacidade do artista em manter em pé essa fragilidade, essa insana construção ("um trampolim na escuridão"), a própria condição de sua poética.

No poema "Desaparição", por exemplo, a ideia de abrigo é colocada entre parênteses, um sinal gráfico como rede de proteção, como as paredes da casa de grafite, e ainda mais, a sentença é cortada por outro sinal, exigindo a separação entre o que existe e o lugar: "(aqui ainda existe/ o lugar)". A imagem torna-se ainda mais forte se acolhemos o verso de "Oferenda" que fala de uma "vida na ilha de uma ilha".

Não sabemos se esse abrigo é um bunker- mais como rede de proteção que lugar confortável -, mas a ideia de estar "entre", como se dentro de uma coisa, é que leva ao "tempo que não passa mais/ todas as coisas iguais/ cobrindo o corpo com alma/ como uma droga que acalma".

A negatividade constante dos poemas, seu modus operandi de criar impossibilidades, pode ser resumido no poema "No verdadeiro caminho", que reproduzo abaixo:

Voar sem trilhos.

Apalpar através dos véus, dos vidros.

Prender-se à superfície do mundo

Desprovido de dedos, dentes, cabelos.

Andar até conseguir não chegar.

Construir um abrigo em labirinto.



Insistir no método difícil da ignorância.



Na poesia de Polito há dois elementos sempre presentes, o espaço e o corpo: o primeiro, é o lugar onde as ações se projetam, sempre num movimento incerto, interrompido ou fadado ao bloqueio; o segundo, a espécie humano-animal enclausurado em seus anseios, também interrompidos.

Um poema em prosa do livro, como "Ponto final", resume a ideia: "Qualquer movimento que fizesse, e o horizonte distante adaptava-se, indiferente, ao seu novo ponto de partida." A impossibilidade de um além ou de uma alternativa, apesar do movimento, sempre faz o horizonte ser o mesmo, numa espécie de círculo vicioso da repetição, "retorno do reprimido" ou "eterno retorno". A capa do livro, belíssimo projeto gráfico de Luciana Inhan, representa bem esse círculo dentro do círculo. Também em "O alvo móvel", a ação parece parada: "Por mais que caminhasse, estava sempre no centro absoluto do círculo do horizonte à sua volta." A insistência nessa impossibilidade da ação, aparece também em "O que se atinge": "E, uma vez você,/ movendo-se,/ também já era outro/ o horizonte."

Um poema que chama a atenção, se pensarmos na ideia de alguma experiência possível dentro do abrigo, é o amor. Mas, numa poesia da negatividade, mesmo o amor se transfigura naquilo que dá título ao poema: "Desengano", do qual reproduzo alguns versos: "Tua pele nada pode contra/ esta parede de pedra. // Voltar ao pó, que saída,/ ou antes, que cilada.// O amor, se for, vai passar, bem depois."

De dentro desse bunker-abrigo surge a ideia de um rumo de mão dupla, mas ao contrário de ser uma saída rumo a dois espaços, para a poesia de Polito o horizonte é o abismo ou o abismo é seu horizonte. O poema denominado "Mão dupla" encarna essa situação:

MÃO DUPLA

Horizonte-abismo

daqui nada é distinto

nem se emenda

daqui tudo é miúdo

não se tem a ideia de muito

nenhuma trilha ou asa

ou pausa

acordar já parece grande

o bastante

no peito uma pedra crescendo para

si

há certos animais que

sangram mais

na hora da agonia da alegria

mãos que antes são

garras que ainda

são facas

cédulas xifópagas

páginas diárias de despedaçar

luas e luas sem luz

aqui nesta paragem ou pane

para cada cédula

que dana então

de onde

abismo-horizonte.



Se o poeta resiste a tanto negativismo e por um instante cede à ideia da paz, ele sabe, no entanto, que estará ainda sim, como no poema "O que passa", no meio do redemoinho:

O QUE PASSA

Sozinho.

A caminho.

Nada nas margens.

Nem mesmo miragens.

E tudo é branco, adiante.

Não há pássaro, que cante.

Para trás ficou todo o burburinho.

Vai em paz no meio do redemoinho.



No poema "Atlas" (personagem condenado por Zeus a sustentar os céus para sempre sobre os ombros), apesar do esforço descrito "Assim, a mão/ fechada com força,/ retesando os tendões/ do antebraço que/ à flor da pele/ quase dançam ou/ vibram como/ corda", sobra-lhe também, um fragmento da beleza, "os pés/ brilhantes", metáfora final para a poesia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/11/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
02. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
03. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
04. Um parque de diversões na cabeça de Renato Alessandro dos Santos
05. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
03. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FÉ E RAZÃO NA RENASCENÇA
TALYTA CARVALHO
É REALIZAÇÕES
(2012)
R$ 30,00



MINAS DO OURO
FREI BETTO
RAACO
(2018)
R$ 20,00



O AGENTE DO VATICANO
JOSÉ EL-JAICK
ROCCO
(2007)
R$ 18,00



O AMOR DE MÍTIA & O PROCESSO DO TENENTE HELÁGUIN
IVAN BUNIN
OPERA MUNDI
(1971)
R$ 20,00



O EVANGELHO SEGUNDO JESUS CRISTO
JOSÉ SARAMAGO
COMPANHIA DE BOLSO
(2005)
R$ 6,00



A MÚSICA NO RIO DE JANEIRO NO TEMPO DE D. JOÃO VI
VASCO MARIZ
CASA DA PALAVRA
(2008)
R$ 25,00



LIBERTE-SE DA DEPRESSÃO E DO MEDO
ZAYDAN ALKIMIN
PALLAS
(1994)
R$ 10,00



ACEITAÇÃO
JEFF VANDERMEER
INTRÍNSECA
(2016)
R$ 38,00



AS REPORTAGENS DA PENÉLOPE - ANNA MUYLAERT (LITERATURA INFANTIL)
ANNA MUYLAERT
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(1997)
R$ 8,00



SEGREDOS PROFISSIONAIS - SEGREDOS DE APRESENTAÇÕES
MARTIN MANSER
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 41,00





busca | avançada
30040 visitas/dia
1,0 milhão/mês