Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clássico de Charles Dickens retrata as misérias sociais da industrialização inglesa
>>> Clube latino-americano de Jazz por streaming terá transmissão gratuita no Brasil
>>> Fora da Casinha realizará apresentações circenses virtuais voltadas para toda família
>>> As Clês narram as vozes femininas do mundo
>>> Programa DIVERSAS estreia na Rádio USP dia 11 de março
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A melhor versão shakespeariana de Kurosawa
>>> Cultura às moscas
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Sobre A Produção Contemporânea
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Entrevista com GermanoCWB
>>> A palavra silenciosa
>>> O menino e o Homem Aranha
>>> À beira do caminho
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
Mais Recentes
>>> Pra Que Serve Matemática ? Semelhança de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Equação do 2º Grau de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Álgebra de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> O Sorriso do Lagarto de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1989)
>>> As 10 Mulheres Que Você Vai Ser Até os 35 de Alison James pela Best Seller (2009)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Martin Claret (2001)
>>> Cascata de Luz de Irene Pacheco Machado pela Recanto
>>> O Amanhã a Deus Pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2006)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Rio Gráfica
>>> Sheila Levine Está Morta e Vivendo Em Nova York de Gail Parent pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Espelho Meu de Edgar J. Hyde pela Ciranda Cultural (2010)
>>> A 2ª Morte de R a Ranieri pela Edifrater (1997)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Cem Melhoramentos Crônicas (que, na Verdade, São 129) de Mario Prata pela Planeta (2007)
>>> Pare de Sofrer de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Harmonização de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Mulheres Alteradas 1 de Maitena pela Rocco
>>> Vernon God Little de Dbc Pierre pela Record (2004)
>>> Seja Líder de Si Mesmo de Augusto Cury pela Sextante (2004)
>>> Crônicas para Gostar de Ler Volume 5 de Carlos Drummond de Andrade pela Atica
>>> As Ilusões Perdidas de Honor é de Balzac pela Victor Civita
>>> O Pequeno Príncipe 25 Edição de Antoine de Saint Exupéry pela Agir (1983)
>>> Autoridade Docente no Ensino Superior: Discussão e Encaminhamentos de Maria Lucia M. Carvalho Vasconcelos pela Intertexto (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 10/11/2015
Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2900 Acessos


Parafraseando T. W. Adorno, as únicas obras de arte autênticas produzidas hoje são aquelas que, na sua organização interna, medem a si mesmas pela mais complexa experiência da negatividade.

É o caso do livro de poemas Ao Abrigo, de Ronald Polito, publicado pela Editora Scriptum, de Belo Horizonte.

Essa negatividade da poesia de Polito não diz respeito apenas ao poder crítico, do qual deriva sua oposição à "vida ordinária" ou ao "mundo absurdo", mas ao fato de que parece desafiar a própria ideia de "poesia" (ninguém mais acredita realmente em "cultura", diria Adorno). O que acontece é que nos seus versos, a entranha da estrutura poética esfola-se a si mesma para não deixar viva qualquer ideia de "substância positiva" na linguagem.

A negatividade intrínseca da linguagem (e Polito aprecia Beckett), como alguém que quebra a própria perna para não continuar a se submeter ao desejo de andar, (similar ao verso "andar até conseguir não chegar", do poema "No verdadeiro caminho") é o aspecto absolutamente singular de sua poesia (se assim o podemos dizer), aquilo que a torna única e que resiste a qualquer apropriação em uma categoria maior, como uma forma genérica específica de poesia já praticada em algum lugar.

Para onde quer levar essa poesia, se quiséssemos pensar a poesia sartreanamente como um "ser em situação"? No caso, o poema "O situado" indica a paralisia: "Este lugar pode levar a este lugar". Não há, portanto, para onde andar se esta poesia é como uma revolta tempestade que apenas pode girar em torno de si mesma, produzindo os estragos internos que reforçam ainda mais a sua própria força auto aniquilante. É o que fica claro no poema "Além", onde "só aqui ocorre a morte da morte", e a possibilidade de sair em movimento, o "Éden à deriva", é nocauteada pela ideia de um adentro constante, uma espécie de "o dia para sempre".

A reprodução de uma obra plástica do autor, uma escultura em grafite denominada "Casa", se relaciona diretamente com o título do livro "Ao abrigo". A casa, tornada escultura, não tem as feições comuns de uma casa. Ela eleva-se, no formato dado pelo artista, numa perspectiva de acolhimento de apenas uma pessoa, e ainda em pé, em situação, talvez, desconfortável. Esse abrigo, frágil também pela sua constituição por levíssimos grafites, sem paredes, nem nada que a decore por dentro, talvez metaforize o próprio processo da poesia negativa de Polito.


Podemos pensar que a poesia, como essa casa, vai sendo construída sob a estrutura material de uma fragilidade constante, ou risco de desabar a cada minuto, sendo essa capacidade do artista em manter em pé essa fragilidade, essa insana construção ("um trampolim na escuridão"), a própria condição de sua poética.

No poema "Desaparição", por exemplo, a ideia de abrigo é colocada entre parênteses, um sinal gráfico como rede de proteção, como as paredes da casa de grafite, e ainda mais, a sentença é cortada por outro sinal, exigindo a separação entre o que existe e o lugar: "(aqui ainda existe/ o lugar)". A imagem torna-se ainda mais forte se acolhemos o verso de "Oferenda" que fala de uma "vida na ilha de uma ilha".

Não sabemos se esse abrigo é um bunker- mais como rede de proteção que lugar confortável -, mas a ideia de estar "entre", como se dentro de uma coisa, é que leva ao "tempo que não passa mais/ todas as coisas iguais/ cobrindo o corpo com alma/ como uma droga que acalma".

A negatividade constante dos poemas, seu modus operandi de criar impossibilidades, pode ser resumido no poema "No verdadeiro caminho", que reproduzo abaixo:

Voar sem trilhos.

Apalpar através dos véus, dos vidros.

Prender-se à superfície do mundo

Desprovido de dedos, dentes, cabelos.

Andar até conseguir não chegar.

Construir um abrigo em labirinto.



Insistir no método difícil da ignorância.



Na poesia de Polito há dois elementos sempre presentes, o espaço e o corpo: o primeiro, é o lugar onde as ações se projetam, sempre num movimento incerto, interrompido ou fadado ao bloqueio; o segundo, a espécie humano-animal enclausurado em seus anseios, também interrompidos.

Um poema em prosa do livro, como "Ponto final", resume a ideia: "Qualquer movimento que fizesse, e o horizonte distante adaptava-se, indiferente, ao seu novo ponto de partida." A impossibilidade de um além ou de uma alternativa, apesar do movimento, sempre faz o horizonte ser o mesmo, numa espécie de círculo vicioso da repetição, "retorno do reprimido" ou "eterno retorno". A capa do livro, belíssimo projeto gráfico de Luciana Inhan, representa bem esse círculo dentro do círculo. Também em "O alvo móvel", a ação parece parada: "Por mais que caminhasse, estava sempre no centro absoluto do círculo do horizonte à sua volta." A insistência nessa impossibilidade da ação, aparece também em "O que se atinge": "E, uma vez você,/ movendo-se,/ também já era outro/ o horizonte."

Um poema que chama a atenção, se pensarmos na ideia de alguma experiência possível dentro do abrigo, é o amor. Mas, numa poesia da negatividade, mesmo o amor se transfigura naquilo que dá título ao poema: "Desengano", do qual reproduzo alguns versos: "Tua pele nada pode contra/ esta parede de pedra. // Voltar ao pó, que saída,/ ou antes, que cilada.// O amor, se for, vai passar, bem depois."

De dentro desse bunker-abrigo surge a ideia de um rumo de mão dupla, mas ao contrário de ser uma saída rumo a dois espaços, para a poesia de Polito o horizonte é o abismo ou o abismo é seu horizonte. O poema denominado "Mão dupla" encarna essa situação:

MÃO DUPLA

Horizonte-abismo

daqui nada é distinto

nem se emenda

daqui tudo é miúdo

não se tem a ideia de muito

nenhuma trilha ou asa

ou pausa

acordar já parece grande

o bastante

no peito uma pedra crescendo para

si

há certos animais que

sangram mais

na hora da agonia da alegria

mãos que antes são

garras que ainda

são facas

cédulas xifópagas

páginas diárias de despedaçar

luas e luas sem luz

aqui nesta paragem ou pane

para cada cédula

que dana então

de onde

abismo-horizonte.



Se o poeta resiste a tanto negativismo e por um instante cede à ideia da paz, ele sabe, no entanto, que estará ainda sim, como no poema "O que passa", no meio do redemoinho:

O QUE PASSA

Sozinho.

A caminho.

Nada nas margens.

Nem mesmo miragens.

E tudo é branco, adiante.

Não há pássaro, que cante.

Para trás ficou todo o burburinho.

Vai em paz no meio do redemoinho.



No poema "Atlas" (personagem condenado por Zeus a sustentar os céus para sempre sobre os ombros), apesar do esforço descrito "Assim, a mão/ fechada com força,/ retesando os tendões/ do antebraço que/ à flor da pele/ quase dançam ou/ vibram como/ corda", sobra-lhe também, um fragmento da beleza, "os pés/ brilhantes", metáfora final para a poesia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/11/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal
02. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
03. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
04. Predadores humanos de Gian Danton
05. Margarida e Antônio, Sueli e Israel de Duanne Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
04. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Textos Medievais Portuguêses e Seus Problemas
Serafim da Silva Neto
Ministério da Saúde e Educa
(1956)
R$ 24,50



A Linha Amarela - por Onde Passa e Proximidades
Vera Voto
Prefeitura do Rio de Janeiro
(1998)
R$ 9,80



Mr. North
Thornton Wilder
Best Seller
(1985)
R$ 10,00



Contabilidade Rural
Jospe Carlos Marion
Atlas
(2009)
R$ 20,00



Mies Van der Rohe Critical Essays
Vários Autores
Moma
(1990)
R$ 100,00



Histoire de Leurope et de La France - de 1610 a 1789 - 10412
Victor Duruy
Hachette
(1892)
R$ 85,00



Repressão Penal da Greve
Christiano Falk Fragoso
Lumen Juris
(2016)
R$ 115,00



O outro lado do tabuleiro (Literatura Infanto-Juvenil)
Eliane Ganem
Record
(2000)
R$ 10,00



Atenção Plena Mindfulness - Esoterico
Mark Williams E Dany Penman
Sextante
R$ 39,00



Quantificação Em Psicologia
W. L. Hays
Herder
(1970)
R$ 5,00





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês