Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
>>> Chiaroscuro
>>> Chico Buarque falou por nós
Mais Recentes
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Almas Gemeas de Monica Buonfiglio pela Oficina Culturl Esotérica (1996)
>>> Meditações de Frei Sandro Grimani,OCD pela Letra Capital (2006)
>>> Esta Noite a Liberdade de Larry Collins e Dominique Lapierre pela Circulo do Livro (1976)
>>> Era uma vez em São Bernardo: o Discurso Sindical dos Metalúrgicos (1971-1982) de Kátia Rodrigues Paranhos pela Unicamp (2011)
>>> Ensaios Mínimos de Eustáquio Gomes pela Pontes (1987)
>>> Educação, Cultura e Ideologia em Moçambique: 1975-1985 de Brazão Mazula pela Edições Afrontamento (1995)
>>> O Brasil Tatuado e outros mundos de Tono Marques pela Rocco (1997)
>>> O dOM DOS MILAGRES de Pe.Robert DeGrantis pela Loyola (1996)
>>> Édipo Africano de Marie- Cecíle Ortigues e Edmond Ortigues pela Escuta (1989)
>>> Goya 2 todas Sua Pinturas de Pierre Cassier pela Biblioteca grafica Nogler (1981)
>>> Dom Quixote de la Mancha - Volume I de Miguel de Cervantes pela Martin Claret (2012)
>>> O Zahir coleção de Paulo Coelho pela Gold
>>> Fazendo Ecumenismo de Enrique Cambón pela Cidade Nova (1994)
>>> Il Cavaliere Inesistente de Italo Calvino pela Mondadori (1993)
>>> O Espião que Sabia de Demais de John Le Carré pela Abril Cultural (1987)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2007)
>>> As Crianças Aprendem o que Vivenciam de Doroty Law Nolte pela Sextante (2003)
>>> Cidade Eerna de Hall Caine pela Clássica (1939)
>>> Aventuras da Maleta Negra - Tradução Rachel de Queiroz de A. J. Cronin pela José Olympio (1948)
>>> O Centauro no jardim de Moacyr Scliar pela Companhia de bolso (2011)
>>> As Armas secretas de Júlio Cortázar pela Best bolso (2012)
>>> Todos os fogos de Júlio Cortázar pela Best bolso (2015)
>>> O Mapa do Amor de Ahdaf Soueif pela Ediouro (2006)
>>> As Melhores histórias de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela L&pm Pocket (2013)
>>> Memória da Casa dos Mortos de Dostoiévski pela L&pm Pocket (2009)
>>> O Velho Jazz - suas raízes e seu desenvolvimento musical de Gunther Schuller pela Cultrix (1970)
COLUNAS

Terça-feira, 10/11/2015
Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2300 Acessos


Parafraseando T. W. Adorno, as únicas obras de arte autênticas produzidas hoje são aquelas que, na sua organização interna, medem a si mesmas pela mais complexa experiência da negatividade.

É o caso do livro de poemas Ao Abrigo, de Ronald Polito, publicado pela Editora Scriptum, de Belo Horizonte.

Essa negatividade da poesia de Polito não diz respeito apenas ao poder crítico, do qual deriva sua oposição à "vida ordinária" ou ao "mundo absurdo", mas ao fato de que parece desafiar a própria ideia de "poesia" (ninguém mais acredita realmente em "cultura", diria Adorno). O que acontece é que nos seus versos, a entranha da estrutura poética esfola-se a si mesma para não deixar viva qualquer ideia de "substância positiva" na linguagem.

A negatividade intrínseca da linguagem (e Polito aprecia Beckett), como alguém que quebra a própria perna para não continuar a se submeter ao desejo de andar, (similar ao verso "andar até conseguir não chegar", do poema "No verdadeiro caminho") é o aspecto absolutamente singular de sua poesia (se assim o podemos dizer), aquilo que a torna única e que resiste a qualquer apropriação em uma categoria maior, como uma forma genérica específica de poesia já praticada em algum lugar.

Para onde quer levar essa poesia, se quiséssemos pensar a poesia sartreanamente como um "ser em situação"? No caso, o poema "O situado" indica a paralisia: "Este lugar pode levar a este lugar". Não há, portanto, para onde andar se esta poesia é como uma revolta tempestade que apenas pode girar em torno de si mesma, produzindo os estragos internos que reforçam ainda mais a sua própria força auto aniquilante. É o que fica claro no poema "Além", onde "só aqui ocorre a morte da morte", e a possibilidade de sair em movimento, o "Éden à deriva", é nocauteada pela ideia de um adentro constante, uma espécie de "o dia para sempre".

A reprodução de uma obra plástica do autor, uma escultura em grafite denominada "Casa", se relaciona diretamente com o título do livro "Ao abrigo". A casa, tornada escultura, não tem as feições comuns de uma casa. Ela eleva-se, no formato dado pelo artista, numa perspectiva de acolhimento de apenas uma pessoa, e ainda em pé, em situação, talvez, desconfortável. Esse abrigo, frágil também pela sua constituição por levíssimos grafites, sem paredes, nem nada que a decore por dentro, talvez metaforize o próprio processo da poesia negativa de Polito.


Podemos pensar que a poesia, como essa casa, vai sendo construída sob a estrutura material de uma fragilidade constante, ou risco de desabar a cada minuto, sendo essa capacidade do artista em manter em pé essa fragilidade, essa insana construção ("um trampolim na escuridão"), a própria condição de sua poética.

No poema "Desaparição", por exemplo, a ideia de abrigo é colocada entre parênteses, um sinal gráfico como rede de proteção, como as paredes da casa de grafite, e ainda mais, a sentença é cortada por outro sinal, exigindo a separação entre o que existe e o lugar: "(aqui ainda existe/ o lugar)". A imagem torna-se ainda mais forte se acolhemos o verso de "Oferenda" que fala de uma "vida na ilha de uma ilha".

Não sabemos se esse abrigo é um bunker- mais como rede de proteção que lugar confortável -, mas a ideia de estar "entre", como se dentro de uma coisa, é que leva ao "tempo que não passa mais/ todas as coisas iguais/ cobrindo o corpo com alma/ como uma droga que acalma".

A negatividade constante dos poemas, seu modus operandi de criar impossibilidades, pode ser resumido no poema "No verdadeiro caminho", que reproduzo abaixo:

Voar sem trilhos.

Apalpar através dos véus, dos vidros.

Prender-se à superfície do mundo

Desprovido de dedos, dentes, cabelos.

Andar até conseguir não chegar.

Construir um abrigo em labirinto.



Insistir no método difícil da ignorância.



Na poesia de Polito há dois elementos sempre presentes, o espaço e o corpo: o primeiro, é o lugar onde as ações se projetam, sempre num movimento incerto, interrompido ou fadado ao bloqueio; o segundo, a espécie humano-animal enclausurado em seus anseios, também interrompidos.

Um poema em prosa do livro, como "Ponto final", resume a ideia: "Qualquer movimento que fizesse, e o horizonte distante adaptava-se, indiferente, ao seu novo ponto de partida." A impossibilidade de um além ou de uma alternativa, apesar do movimento, sempre faz o horizonte ser o mesmo, numa espécie de círculo vicioso da repetição, "retorno do reprimido" ou "eterno retorno". A capa do livro, belíssimo projeto gráfico de Luciana Inhan, representa bem esse círculo dentro do círculo. Também em "O alvo móvel", a ação parece parada: "Por mais que caminhasse, estava sempre no centro absoluto do círculo do horizonte à sua volta." A insistência nessa impossibilidade da ação, aparece também em "O que se atinge": "E, uma vez você,/ movendo-se,/ também já era outro/ o horizonte."

Um poema que chama a atenção, se pensarmos na ideia de alguma experiência possível dentro do abrigo, é o amor. Mas, numa poesia da negatividade, mesmo o amor se transfigura naquilo que dá título ao poema: "Desengano", do qual reproduzo alguns versos: "Tua pele nada pode contra/ esta parede de pedra. // Voltar ao pó, que saída,/ ou antes, que cilada.// O amor, se for, vai passar, bem depois."

De dentro desse bunker-abrigo surge a ideia de um rumo de mão dupla, mas ao contrário de ser uma saída rumo a dois espaços, para a poesia de Polito o horizonte é o abismo ou o abismo é seu horizonte. O poema denominado "Mão dupla" encarna essa situação:

MÃO DUPLA

Horizonte-abismo

daqui nada é distinto

nem se emenda

daqui tudo é miúdo

não se tem a ideia de muito

nenhuma trilha ou asa

ou pausa

acordar já parece grande

o bastante

no peito uma pedra crescendo para

si

há certos animais que

sangram mais

na hora da agonia da alegria

mãos que antes são

garras que ainda

são facas

cédulas xifópagas

páginas diárias de despedaçar

luas e luas sem luz

aqui nesta paragem ou pane

para cada cédula

que dana então

de onde

abismo-horizonte.



Se o poeta resiste a tanto negativismo e por um instante cede à ideia da paz, ele sabe, no entanto, que estará ainda sim, como no poema "O que passa", no meio do redemoinho:

O QUE PASSA

Sozinho.

A caminho.

Nada nas margens.

Nem mesmo miragens.

E tudo é branco, adiante.

Não há pássaro, que cante.

Para trás ficou todo o burburinho.

Vai em paz no meio do redemoinho.



No poema "Atlas" (personagem condenado por Zeus a sustentar os céus para sempre sobre os ombros), apesar do esforço descrito "Assim, a mão/ fechada com força,/ retesando os tendões/ do antebraço que/ à flor da pele/ quase dançam ou/ vibram como/ corda", sobra-lhe também, um fragmento da beleza, "os pés/ brilhantes", metáfora final para a poesia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/11/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal
02. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry
03. Canadá, de Richard Ford de Celso A. Uequed Pitol
04. Quando amor e terra quase se confundem de Elisa Andrade Buzzo
05. Tirem as Viseiras! de Heloisa Pait


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2015
01. Daumier, um caricaturista contra o poder - 24/2/2015
02. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques - 24/11/2015
03. Eu matei Marina Abramovic (Conto) - 17/3/2015
04. Fake-Fuck-Fotos do Face - 18/8/2015
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I) - 2/6/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CAMINHOS DE MORTE E VIDA
DANIELA NEVES SANTOS
BESOUROBOX
R$ 28,00



PAIXÃO DIABÓLICA - ROMANCE OCULTISTA (2305)
DION FORTUNE
PENSAMENTO
(1988)
R$ 38,00



CASOS CLÍNICOS EM MEDICINA DE EMERGÊNCIA - 3ª ED.
EUGENE TOY, BARRY C. SIMON
ARTMED
(2014)
R$ 90,00



RESPONSABILIDADE OBJETIVA POR DANO PROCESSUAL
CRISTIANE DRUVE TAVARES FAGUNDES
LUMEN JURIS
(2015)
R$ 73,00



PHOTOGRAPHING CHILDREN (6136)
OBRA COLETIVA
TIME LIFE BOOKS
(1971)
R$ 30,00



A SABEDORIA DO CORPO
SHERWIN B. NULAND
ROCCO
(1998)
R$ 24,79
+ frete grátis



FRANZ KAFKA: UM JUDAÍSMO NA PONTE DO IMPOSSÍVEL
ENRIQUE MANDELBAUM
PERSPECTIVA
(2003)
R$ 35,00



O MASSAGISTA MÍSTICO
V. S. NAIPAUL
COMPANHIA DAS LETRAS
(2003)
R$ 22,31
+ frete grátis



O NOVO PLANO DIRETOR DO MERCADO DE CAPITAIS: ENFRENTANDO COM MATU
CARLOS ANTONIO ROCCA (ORG)
ELSEVIER
(2009)
R$ 23,82



O MISTERIOSO SR. SPINES - VOO
JASON LETHCOE
FAROL LITERÁRIO
(2012)
R$ 15,00





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês