O tremor na poesia, Fábio Weintraub | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Viva a revolução
>>> AC/DC 1977
>>> As maravilhas do mundo que não terminam
>>> Nem Aos Domingos
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Mais Recentes
>>> Los Condenados de la Tierra (Os Condenados da Terra) de Frantz Fanon pela Fondo de Cultura Econónica (2018)
>>> Les Confessions de Jean-Jacques Rousseau pela Hachete (1903)
>>> O primo Basílio de Eça de Queirós pela Abril Cultural (1979)
>>> Revue Française de Science Politique Volume XXI Numéro 3 juin 1971 de Jean Brusset, Mattei Dogan e outros pela Puf (1971)
>>> Introdução à Geografia da População de Wilbur Zelinsky pela Zahar (1974)
>>> Revista do Brasil de Antonio Candido, Celso Furtado, Julio Cortázar, Manoel Bonfim, Poty e outros pela Rioarte / Funarte (1984)
>>> Painel da Literatura em Língua Portuguesa de José de Nicola pela Scipione (2010)
>>> Crónica de una muerte anunciada de Gabriel García Márquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Marlene D de Marlene Dietrich pela Nordica (1984)
>>> Notícia de un secuestro de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Há Males Que Vêm Para Bem de Alec Guinness pela Francisco Alves (1990)
>>> Vivir para Contarla de Gabriel García Márquez pela Debolsillo (2017)
>>> Tango Solo de Anthony Quinn, Daniel Paisner pela Nova Fronteira (1995)
>>> El Coronel no Tiene Quien le Escriba de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Edicel (1979)
>>> A garota que eu quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> O inverno das fadas de Carolina Munhóz pela Casa da palavra (2012)
>>> Treinando a emoção para ser feliz de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> E se for você? de Rebecca Donovan pela Globo (2016)
>>> O guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1993)
>>> Um porto seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ouse ir Além - Coaching para Resultados Extraordinários de José Roberto Marques pela Ibc (2016)
>>> Segundo - Eu me chamo Antônio de Pedro Gabriel pela Intrínseca (2014)
>>> Doce Cuentos Peregrinos de Gabriel García Márques pela Plaza Janés (1999)
>>> A cadeira de prata - As crônicas de Nárnia de C. S. lewis pela Martins Fontes (2003)
>>> Ases nas alturas - Wild Cards de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Homens de grossa aventura. Acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro 1790-1830 de João Luís Fragoso pela Civilização Brasileira (1998)
>>> Anjos caídos de Asa Schwarz pela Planeta (2010)
>>> Um conto do destrino de Mark Helprin pela Novo Conceito (2014)
>>> O diabo e a Terra de Santa Cruz de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1986)
>>> O Antigo Regime nos trópicos de João Fragoso & Maria Fernanda Bicalho & Maria de Fátima Gouvêa. Organizadores pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Dominguinhos o Neném de Garanhuns de Antônio Vilela de Souza pela Garanhuns (2014)
>>> Viva a Vagina de Nina Brochman / Ellen Sorkken Dahl pela Pararela (2017)
>>> Grandes Pensadores em Psicologia - 10A de Rom Harré pela Roca (2009)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2015)
>>> Steve Jobs : a biografia de Walter Isaacson pela Companhia Das Letras (2011)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> Cien Años de Soledad de Gabriel Garcia Marques pela Plaza Janés (1999)
>>> O Taro Adivinhatório de Vários pela Pensamento
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2002)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> O Paraíso na Outra Esquina de Mario Vargas Llosa pela Arx (2003)
>>> A Festa da Insignificância de Milan Kundera pela Companhia das Letras (2014)
>>> História da Menina Perdida de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2017)
>>> A Lenda do Graal (Do Ponto de Vista Psicológico) de Emma Jung e Marie Louise Von Franz pela Cultrix (1991)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (1975)
>>> O Verão Sem Homens de Siri Hustvedt pela Companhia das Letras (2013)
>>> Hostória de Quem Foge e de Quem Fica de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 20/12/2016
O tremor na poesia, Fábio Weintraub
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2100 Acessos



Quem é você... ainda? Parece ser a pergunta que a poesia de Treme ainda (ed. 34), novo livro de Fábio Weintraub, parece nos fazer. Somos apenas (a duras penas) uma espécie de ferida aberta, de restos humanos que reivindicam o que sobrou de si “no moedor de mundos”.

O vocabulário da poesia de Weintraub não está fácil de digerir. Torcicolosos (se é que essa palavra existe) seus versos quebram a espinha dorsal de nossa apatia. Cancro, mênstruos, infecção, gosma, micose, sêmen, treva, feridas, merda, imolação etc. Uma violência cravada em existências para lá de encardidas roça a nossa couraça. Agride nossa carapaça, mas nos aquece... ao mesmo tempo. Abrimos nossa dor, comunhão de perdas “num país que se faz com homens e tiros”.

Não há manual de instrução para o bem-viver, ou bem-morrer, se se quiser, dana-se tudo nos poemas. A poesia de Weintraub decidiu ser dura, fria, cortante, impiedosa... Eu não vi isso nos livros anteriores do poeta.

Existe razão para se fazer poesia nos tempos de hoje? Sim, se essa poesia não é espelho do mundo, mas resposta a ele, uma ranhura na sua carcaça podre.

O organismo perece, como também nosso sentimento de humanidade. É o que expõe o poema “Táxi”. Não sabemos mais se somos rodeados por homens ou bichos, mas sua aspereza desconfortável nos agride, a nós “ratos” ou “cobaias imaculadas” incapazes de agir diante da desumanização do outro e de nós mesmos.

TÁXI

com unha grossa de tanta micose

o velho me estende a pata

quando me sento a seu lado



infecto e amável

não lembra leão algum

embora eu me sinta rato

(não quero saber do espinho

cravo na carne de espasmos)



lavar, abluir

flambar se preciso for

a pele imolada ao contato



quando a corrida acabar

dispenso toque ou troco



sou cobaia imaculada

que não tira nem redime

os fungos do mundo



Um poema atrás do outro parece conjugar a desumanidade e os traumas que se completam nos outros. Uma rede de pesca que acumula cacos de carne, sofrimentos, angústias, desespero, enfim, a existência do animal humano, não abatido totalmente, pois “treme ainda”, como sugere o título muito bem escolhido para o conjunto dos poemas.

E esse tremor é o que os poemas captam sem dourar a pílula. Os poemas falam por si. Veja-se o caso de “Ferida”, do qual reproduzo partes:

FERIDA

I

esta ferida é uma boca

com lábios tão convincentes

que me arrisco a ordenar:

parla!



ela só sabe latir.



Ferida é uma espécie de cão amestrado, que incomoda, mas que se deseja manter ao lado (resquício ainda de alguma esperança de vida?), pois ao ser levado, gera a súplica do seu dono:

II

(...)

por isso agora suplico

aos que na noite passada

levaram meu doce bicho

que por favor o devolvam

o restituam a seu dono

de seu carinho carente

feito criança com febre



No velório, no restaurante ou na padaria, seja onde for, o poeta observa a fratura instaurada no corpo humano e a poesia-bisturi de Weintraub remexe as feridas, sem se ver, no entanto, na possibilidade de curá-las. Poetas não curam, mas podem ampliar o tremor, até que sejam percebidos. A frase de Marx que diz que se você quiser saber o que é o capitalismo basta olhar o que ele faz no corpo do trabalhador aqui se afirma. Esse corpo onde “feridas vão brotar instantaneamente” povoa os poemas de Weintraub.

“Ringue” e “Game over” são poemas da violência. Em “Ringue”, as imagens são impactantes. O médico, que deveria curar, “veste as luvas do boxeur”, o “chão te beija/ sem protetor bucal”, “o feto chuta/ como a alma soca”.

“Chuva” e “Pensão” tratam do imbróglio das relações sociais e humanas em transe: no primeiro caso, “subir custa, cair/ é dois segundos”, no segundo caso, “ele bulindo com a faca/ do outro lado da cama// cortou a camisa, o braço/ e já ia enfiar no peito/ quando tomei a peixeira” (...)/ “depois vira fera/ rasgou até na minha cara/ a certidão de casamento/ pra eu não receber pensão”.



Até no ambiente microscópico, o vocabulário duro se impõe na poesia de Weintraub. É o caso do poema “Delével” onde a gosma espermática, infecunda, comparada ao frio leite dos vampiros, fenece numa quase inutilidade sobre o lençol marcado por sua nódoa fácil de apagar. Até onde sei, o primeiro poema que vejo sobre o esperma.

DELÉVEL

com odor penetrante

a pocinha de sêmen

tonteia o mosquito



rapidamente

a gosma empapa o lençol

vai nutrir os ácaros em cópula

oxidar as molas do colchão

manchar o pinho da cama

onde o moço se deitou



é bem frio o sêmen

como deve ser

o leite dos vapiros

os lábios do moço



a pocinha de sêmen

nada adoece

nada fecunda

deixa contudo uma nódoa

leve

delével



E eis que uma flor, como a flor-carniça do mal de Baudelaire, um hibisco amassado se transforma em carne abjeta, rejeitada por cachorros, desprezada pelas pombas e que, sendo apenas um despojo, “a chuva não apodrece”. No entanto, o poema se faz pintura, tal qual uma obra de Delacroix, que dramatiza e sensualiza as cores com sua “confusão de vermelhos/ raiados de branco/ qual paz ou gordura/ fechando o canal”.

A profusão de poemas “sórdidos”, a dureza dos versos, a impiedade das situações, fazem desse livro de Weintraub porta de entrada para uma fenomenologia (e não sociologia) da vida atual, onde restos humanos baqueiam por aí, sem possibilidade de gritarem sua existência (o Grito de Munch silenciado). A vida despencando, sem caixa-preta.

CAIXA-PRETA

com quase todos aqui

acontece desse jeito:

aviões sem caixa-preta

despencados em silêncio



Talvez agora estejamos vendo, com esse livro de Weintraub, o seu nascimento como um poeta completo. Não há mais volta para o escritor, que agora confronta a página branca com seus versos sem meios tons, que despeja a verdade calcinante da poesia contra a sombra dourada do discurso. Daqui para frente o poeta tornou-se aquele que não teme a revelação da poesia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/12/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
02. O que te move? de Fabio Gomes
03. Nós o Povo de Marilia Mota Silva
04. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio
05. Guilherme Carvalhal de Guilherme Carvalhal


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II) - 1/11/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÁLCULO MATEMÁTICA PARA TODOS 41- EMPACADOS NO TEMPO
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
SEGMENTO
(2014)
R$ 10,00



MARTIN MYSTÈRE 5
PAOLO MORALES
MYTHOS
(2019)
R$ 15,50



STARTERS
LISSA PRICE
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 15,00



WHATS THAT NOISE?
JADE MICHAELS
MACMILLAN
(2004)
R$ 6,00



TONICO E O SEGREDO
ANTONIETA DIAS DE MORAES
SALAMANDRA
(1980)
R$ 6,90



PRECIS D HYGIENE
P. COURMONT A. ROCHAIX
MASSON ET CIE
(1921)
R$ 87,54



CONFERÊNCIAS, DISCURSOS E PERFIS
JACINTO GUIMARÃES
IMPRENSA OFICIAL BELO HORIZON
(1961)
R$ 29,86



REVISTA MAD ESPECIAL HALLOWEEN Nº 3 - 9922
MARCO M LUPOL
MYTHOS
(2008)
R$ 17,00



DE FRENTE E PERFIL
SPENCER LUÍS MENDES
RAZÃO CULURAL
(1999)
R$ 9,80



JORNAL DE SERRA VERDE
WALDEMAR VERSIANI DOS ANJOS
ITATIAIA
(1960)
R$ 8,90





busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês