O tremor na poesia, Fábio Weintraub | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
Mais Recentes
>>> Luna Clara & Apolo Onze de Adriana Falcão pela Salamandra (2002)
>>> A Casa Soturna de Charles Dickens pela Nova Fronteira (1986)
>>> Robinson Crusoé - Português/Inglês - Ilustrado de Daniel Defoe pela Ciranda (2017)
>>> Terrores da Noite - Quando a Noite Cai, os Morcegos Atacam de Martin Cruz Smith pela Record (1977)
>>> Códigos Eternos de Legrand pela Soler (2004)
>>> O Livro das Cortesães de Susan Griffin pela Susan Griffin (2003)
>>> O Mundo e Suas Maravilhas -A Aventura do Homem no Espaço e no Tempo de R. Argentiere pela Anchieta (1945)
>>> Escaldado em água fria de John Straley pela Globo (2002)
>>> O Oitavo Mandamento de Lawrence Sanders pela Nova Cultural (1989)
>>> Ninguém Quer Um Coração de J. M. simmel pela Círculo do Livro (1987)
>>> Leituras Indispensáveis de Aziz Ab'Sáber pela Ateliê (2008)
>>> O Enforcado de Maigtret Simenon pela Nova Fronteira (1983)
>>> De Profundis de Oscar Wilde pela Editorial Tor/ Buenos Aires (1942)
>>> El Ruiseñor y La Rosa de Oscar Wilde pela Edit. Renovacción/ B. Aires (1944)
>>> Perlas Negras - Mistica - las Voces (Pesias) de Amado Nervo pela Editorial Tor/ Buenos Aires
>>> L Tragedia de un Hombre Fuerte de Manuel Galvez pela Editorial Tor/ Buenos Aires
>>> Acampou no meio de nós para orar os mistérios da infancia de Jesus de Alvaro Barreiro,Sj pela Loyola (1995)
>>> Um Longo Lamento de Amanda Stern pela Rocco (2005)
>>> Galvez, Imperador do Acre (Sem uso) de Márcio de Souza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Marco Zero (1985)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Civilização Brasileira (1978)
>>> A Maior dádiva e o mais precioso tesouro de Edgar F.Hallock & Swllengrebel,Ph.D. pela Juerp (2000)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Brasília (1978)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Brasília (1978)
>>> Quebra Canela A engenharia Brasileira na Campanha da Itália de General Raul da Cruz Lima Junior pela Biblioteca do Exército (1982)
>>> A arte da dedução de Sherlock Holmes 2 de Vários pela Coquetel (2013)
>>> Striding Folly de Dorothy L. Sayers pela Hodder & Stoughton (1973)
>>> Camanha da Birmânia Campanhas 18 de Michael Calvert pela Renes (1978)
>>> O Vencedor de Frei Beto pela Atica (2002)
>>> Please Pass The Guilt de Rex Stout pela Fontana (1973)
>>> O Livro dos Manuais de Paulo Coelho pela Brmalls (2008)
>>> A Grande Sintese de Pietro Ubaldi pela Lake (1979)
>>> O Processo Maurizius de Jakob Wassermann pela Victor Civita (1982)
>>> Candy (o sexo nos Estados Unidos, depois dêste livro, nunca será o mesmo - Revista Life) de Terry Southern- Mason Hoffrenberg (tradução de Nelson Rodrigues) pela Eldorado (1969)
>>> Mística Cidade de Deus de Tradução e resumo por um vicentino pela Louva Deus (1971)
>>> A Velha Senhora de Georges Simenon pela Nova Cultural (1987)
>>> Economie Sociale: Les Institutions de Progrès Social (Encad) de Charles Gide pela Libr. Recueil Sirey/ Paris (2019)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Edições Loyola (1983)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Edições Loyola (1983)
>>> Eu Sei Que Vou te Amar de Arnaldo Jabor pela Record/ RJ. (1986)
>>> Miguel Strogoff - A Invasão vol 2 de Julio Verne pela Bertrand (1978)
>>> Técnica da Pintura de João Medeiros pela Cia. Edit. Americana (1972)
>>> Seja Voce Mesmo Seu Melhor Amigo: um Diálogo Com Dois Psicanalistas de Mildred Newman & Bernard Berkowitz pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> A Intertextualidade das Formas Simples: Aplicada Ao Romance a Pedra do Reino, de Ariano Suassuna de Elizabeth Marinheiro: Posfácio: Ariano Suassuna pela Rio de Janeiro (1977)
>>> Sofrer e Amar: Psicologia do Sofrimento de Agir pela Agir/ RJ. (1955)
>>> Golem, um Jogo Incontrolável - Volume 1 (Sm uso) de Lorris; Elvire e Marie- Aude Murail pela Record/ RJ. (2002)
>>> Psicoterapia Com L. S. D. e Outros Alucinógenos de Fontana (alberto E) pela Mestre Jou (1969)
>>> Os Meninos da Planície: Histórias de um Brasil Antigo de Cástor Cartelle/ Ilustr.: Sandra Bianchi pela Formato/ Belo Horizonte (2001)
>>> Bioética de Moderna pela Moderna (2001)
>>> Até Parece o Paraíso de John Cheever pela Companhia das Letras/SP. (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 20/12/2016
O tremor na poesia, Fábio Weintraub
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1600 Acessos



Quem é você... ainda? Parece ser a pergunta que a poesia de Treme ainda (ed. 34), novo livro de Fábio Weintraub, parece nos fazer. Somos apenas (a duras penas) uma espécie de ferida aberta, de restos humanos que reivindicam o que sobrou de si “no moedor de mundos”.

O vocabulário da poesia de Weintraub não está fácil de digerir. Torcicolosos (se é que essa palavra existe) seus versos quebram a espinha dorsal de nossa apatia. Cancro, mênstruos, infecção, gosma, micose, sêmen, treva, feridas, merda, imolação etc. Uma violência cravada em existências para lá de encardidas roça a nossa couraça. Agride nossa carapaça, mas nos aquece... ao mesmo tempo. Abrimos nossa dor, comunhão de perdas “num país que se faz com homens e tiros”.

Não há manual de instrução para o bem-viver, ou bem-morrer, se se quiser, dana-se tudo nos poemas. A poesia de Weintraub decidiu ser dura, fria, cortante, impiedosa... Eu não vi isso nos livros anteriores do poeta.

Existe razão para se fazer poesia nos tempos de hoje? Sim, se essa poesia não é espelho do mundo, mas resposta a ele, uma ranhura na sua carcaça podre.

O organismo perece, como também nosso sentimento de humanidade. É o que expõe o poema “Táxi”. Não sabemos mais se somos rodeados por homens ou bichos, mas sua aspereza desconfortável nos agride, a nós “ratos” ou “cobaias imaculadas” incapazes de agir diante da desumanização do outro e de nós mesmos.

TÁXI

com unha grossa de tanta micose

o velho me estende a pata

quando me sento a seu lado



infecto e amável

não lembra leão algum

embora eu me sinta rato

(não quero saber do espinho

cravo na carne de espasmos)



lavar, abluir

flambar se preciso for

a pele imolada ao contato



quando a corrida acabar

dispenso toque ou troco



sou cobaia imaculada

que não tira nem redime

os fungos do mundo



Um poema atrás do outro parece conjugar a desumanidade e os traumas que se completam nos outros. Uma rede de pesca que acumula cacos de carne, sofrimentos, angústias, desespero, enfim, a existência do animal humano, não abatido totalmente, pois “treme ainda”, como sugere o título muito bem escolhido para o conjunto dos poemas.

E esse tremor é o que os poemas captam sem dourar a pílula. Os poemas falam por si. Veja-se o caso de “Ferida”, do qual reproduzo partes:

FERIDA

I

esta ferida é uma boca

com lábios tão convincentes

que me arrisco a ordenar:

parla!



ela só sabe latir.



Ferida é uma espécie de cão amestrado, que incomoda, mas que se deseja manter ao lado (resquício ainda de alguma esperança de vida?), pois ao ser levado, gera a súplica do seu dono:

II

(...)

por isso agora suplico

aos que na noite passada

levaram meu doce bicho

que por favor o devolvam

o restituam a seu dono

de seu carinho carente

feito criança com febre



No velório, no restaurante ou na padaria, seja onde for, o poeta observa a fratura instaurada no corpo humano e a poesia-bisturi de Weintraub remexe as feridas, sem se ver, no entanto, na possibilidade de curá-las. Poetas não curam, mas podem ampliar o tremor, até que sejam percebidos. A frase de Marx que diz que se você quiser saber o que é o capitalismo basta olhar o que ele faz no corpo do trabalhador aqui se afirma. Esse corpo onde “feridas vão brotar instantaneamente” povoa os poemas de Weintraub.

“Ringue” e “Game over” são poemas da violência. Em “Ringue”, as imagens são impactantes. O médico, que deveria curar, “veste as luvas do boxeur”, o “chão te beija/ sem protetor bucal”, “o feto chuta/ como a alma soca”.

“Chuva” e “Pensão” tratam do imbróglio das relações sociais e humanas em transe: no primeiro caso, “subir custa, cair/ é dois segundos”, no segundo caso, “ele bulindo com a faca/ do outro lado da cama// cortou a camisa, o braço/ e já ia enfiar no peito/ quando tomei a peixeira” (...)/ “depois vira fera/ rasgou até na minha cara/ a certidão de casamento/ pra eu não receber pensão”.



Até no ambiente microscópico, o vocabulário duro se impõe na poesia de Weintraub. É o caso do poema “Delével” onde a gosma espermática, infecunda, comparada ao frio leite dos vampiros, fenece numa quase inutilidade sobre o lençol marcado por sua nódoa fácil de apagar. Até onde sei, o primeiro poema que vejo sobre o esperma.

DELÉVEL

com odor penetrante

a pocinha de sêmen

tonteia o mosquito



rapidamente

a gosma empapa o lençol

vai nutrir os ácaros em cópula

oxidar as molas do colchão

manchar o pinho da cama

onde o moço se deitou



é bem frio o sêmen

como deve ser

o leite dos vapiros

os lábios do moço



a pocinha de sêmen

nada adoece

nada fecunda

deixa contudo uma nódoa

leve

delével



E eis que uma flor, como a flor-carniça do mal de Baudelaire, um hibisco amassado se transforma em carne abjeta, rejeitada por cachorros, desprezada pelas pombas e que, sendo apenas um despojo, “a chuva não apodrece”. No entanto, o poema se faz pintura, tal qual uma obra de Delacroix, que dramatiza e sensualiza as cores com sua “confusão de vermelhos/ raiados de branco/ qual paz ou gordura/ fechando o canal”.

A profusão de poemas “sórdidos”, a dureza dos versos, a impiedade das situações, fazem desse livro de Weintraub porta de entrada para uma fenomenologia (e não sociologia) da vida atual, onde restos humanos baqueiam por aí, sem possibilidade de gritarem sua existência (o Grito de Munch silenciado). A vida despencando, sem caixa-preta.

CAIXA-PRETA

com quase todos aqui

acontece desse jeito:

aviões sem caixa-preta

despencados em silêncio



Talvez agora estejamos vendo, com esse livro de Weintraub, o seu nascimento como um poeta completo. Não há mais volta para o escritor, que agora confronta a página branca com seus versos sem meios tons, que despeja a verdade calcinante da poesia contra a sombra dourada do discurso. Daqui para frente o poeta tornou-se aquele que não teme a revelação da poesia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/12/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 90125: o renascimento do Yes de Diogo Salles
02. Tarantino, Quentin de Humberto Pereira da Silva
03. Vantagens da vida de solteiro de Jardel Dias Cavalcanti
04. A arqueologia secreta das coisas de Elisa Andrade Buzzo
05. Lennon engano de Guga Schultze


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CIDADANIA, POLÍTICAS PÚBLICAS E ACESSO À JUSTIÇA
HENRIQUE DOS SANTOS VASCONCELOS SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FORTALEZA VELHA - COLEÇÃO NORDESTES
RAYMUNDO NETTO
ARMAZEM DA CULTURA
(2013)
R$ 31,92



NOVO MANUAL DE REDAÇÃO
NÃO CONSTA
FOLHA DE SÃO PAULO
(1992)
R$ 4,99



D. MARIA AUGUSTA RUI BARBOSA (DOIS DEPOIMENTOS)
MEC
MEC
R$ 23,28



PACHAMAMA MISSÃO TERRA 2 AÇÕES PARA SALVAR O PLANETA
VÁRIOS AUTORES
MELHORAMENTOS
(2011)
R$ 8,00



LA PSYCHANALYSE SON IMAGE ET SON PUBLIC
SERGE MOSCOVICI (EM FRANCÊS)
UNIVERSITAIRES DE FRANCE
(1976)
R$ 80,00



PERDA E RESTAURAÇÃO DA BAHIA DE TODOS OS SANTOS (OBRA TEATRAL DO SÉCULO XVII)
JUAN ANTONIO CORREA
MEC/INL
(1961)
R$ 30,00



FATUM, SEMIÓTICA E GAMES
NIKOLAI STREISKY
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 209,00



COSMO RAMA
HUBERTO ROHDEN
MARTIN CLARET
(1990)
R$ 20,00
+ frete grátis



O USO DE ANÁFORAS POR NOMES GERAIS NO PORTUGUÊS MINEIRO E NO CEARENSE
LUANNA DE SOUSA DO NASCIMENTO OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00





busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês