O tremor na poesia, Fábio Weintraub | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Restos, por Mário Araújo
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> O que é um livro?
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
Mais Recentes
>>> O livro das grandes reportagens
>>> Deixe os homens aos seus pés
>>> Quem mexeu no meu queijo?
>>> O príncipe
>>> A mulher de trinta anos
>>> O texto Argumentativo
>>> Fernão Capelo Gaivota
>>> Tudo valeu a pena
>>> Tudo tem seu preço
>>> O poder dos quietos
>>> Despedindo-se da Terra
>>> Despertar para a vida
>>> É preciso Algo Mais
>>> Marcas da Vida
>>> Novamente Juntos
>>> Reviver por Amor
>>> Vivendo no Mundo dos Espíritos
>>> Estatística Indutiva: Teoria e Aplicação
>>> Macro e Micro Cosmos: Visão Filosófica do Taoísmo e Conceitos de Medicina Tradicional Chinesa
>>> Inside Out - Student's Book - Intermediate
>>> Inside Out - Workbook - Intermediate
>>> Le Français Est À La Mode
>>> A Cabana
>>> O vendedor de Sonhos e a Revolução dos Anônimos
>>> Marketing de Ação
>>> Na Moda
>>> Comunicação Organizacional - Gestão de Relações Públicas
>>> As mentiras que os homens contam
>>> Seja líder de si mesmo
>>> Superdicas para Falar bem em conversas e apresentações
>>> Manual de Umbanda para Chefes de Terreiros
>>> As Cartas do Caminho Sagrado - Sem as Cartas
>>> Saravá Seu Tranca Ruas
>>> Saravá Oxóce
>>> A Face Oculta da Mente - 25ª Edição
>>> As Fôrças Físicas da Mente - Tomo 2
>>> A Identidade Bourne
>>> A Missão 60 - Memórias de Um Pilôto de Guerra Brasileiro
>>> Problemas de Aprendizagem
>>> Eu Nas Entrelinhas - Extratos e Retratos de Minha Vida
>>> Os Mais Extraordinários Contos de Suspense
>>> Subsidios Para Uma Reformulação Política
>>> Pequenas Histórias, Grandes Lições - Volume 2
>>> Pequenas Histórias, Grandes Lições - Volume 1
>>> A Canção do Arrozal em Flor - Romance
>>> Tancredo Neves A Realidade e o Mito - Estudo de Sociologia Política
>>> Os Donos do Poder - Formação do Patronato Político Brasileiro - Vol. 1
>>> O Espelho Mágico - Um Fenômeno Social Chamado Corpo e Alma
>>> Ciência do Comportamento na Indústria - 1977
>>> Diálogo com a América Latina: Panorama de Uma Literatura...
COLUNAS

Terça-feira, 20/12/2016
O tremor na poesia, Fábio Weintraub
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1300 Acessos



Quem é você... ainda? Parece ser a pergunta que a poesia de Treme ainda (ed. 34), novo livro de Fábio Weintraub, parece nos fazer. Somos apenas (a duras penas) uma espécie de ferida aberta, de restos humanos que reivindicam o que sobrou de si “no moedor de mundos”.

O vocabulário da poesia de Weintraub não está fácil de digerir. Torcicolosos (se é que essa palavra existe) seus versos quebram a espinha dorsal de nossa apatia. Cancro, mênstruos, infecção, gosma, micose, sêmen, treva, feridas, merda, imolação etc. Uma violência cravada em existências para lá de encardidas roça a nossa couraça. Agride nossa carapaça, mas nos aquece... ao mesmo tempo. Abrimos nossa dor, comunhão de perdas “num país que se faz com homens e tiros”.

Não há manual de instrução para o bem-viver, ou bem-morrer, se se quiser, dana-se tudo nos poemas. A poesia de Weintraub decidiu ser dura, fria, cortante, impiedosa... Eu não vi isso nos livros anteriores do poeta.

Existe razão para se fazer poesia nos tempos de hoje? Sim, se essa poesia não é espelho do mundo, mas resposta a ele, uma ranhura na sua carcaça podre.

O organismo perece, como também nosso sentimento de humanidade. É o que expõe o poema “Táxi”. Não sabemos mais se somos rodeados por homens ou bichos, mas sua aspereza desconfortável nos agride, a nós “ratos” ou “cobaias imaculadas” incapazes de agir diante da desumanização do outro e de nós mesmos.

TÁXI

com unha grossa de tanta micose

o velho me estende a pata

quando me sento a seu lado



infecto e amável

não lembra leão algum

embora eu me sinta rato

(não quero saber do espinho

cravo na carne de espasmos)



lavar, abluir

flambar se preciso for

a pele imolada ao contato



quando a corrida acabar

dispenso toque ou troco



sou cobaia imaculada

que não tira nem redime

os fungos do mundo



Um poema atrás do outro parece conjugar a desumanidade e os traumas que se completam nos outros. Uma rede de pesca que acumula cacos de carne, sofrimentos, angústias, desespero, enfim, a existência do animal humano, não abatido totalmente, pois “treme ainda”, como sugere o título muito bem escolhido para o conjunto dos poemas.

E esse tremor é o que os poemas captam sem dourar a pílula. Os poemas falam por si. Veja-se o caso de “Ferida”, do qual reproduzo partes:

FERIDA

I

esta ferida é uma boca

com lábios tão convincentes

que me arrisco a ordenar:

parla!



ela só sabe latir.



Ferida é uma espécie de cão amestrado, que incomoda, mas que se deseja manter ao lado (resquício ainda de alguma esperança de vida?), pois ao ser levado, gera a súplica do seu dono:

II

(...)

por isso agora suplico

aos que na noite passada

levaram meu doce bicho

que por favor o devolvam

o restituam a seu dono

de seu carinho carente

feito criança com febre



No velório, no restaurante ou na padaria, seja onde for, o poeta observa a fratura instaurada no corpo humano e a poesia-bisturi de Weintraub remexe as feridas, sem se ver, no entanto, na possibilidade de curá-las. Poetas não curam, mas podem ampliar o tremor, até que sejam percebidos. A frase de Marx que diz que se você quiser saber o que é o capitalismo basta olhar o que ele faz no corpo do trabalhador aqui se afirma. Esse corpo onde “feridas vão brotar instantaneamente” povoa os poemas de Weintraub.

“Ringue” e “Game over” são poemas da violência. Em “Ringue”, as imagens são impactantes. O médico, que deveria curar, “veste as luvas do boxeur”, o “chão te beija/ sem protetor bucal”, “o feto chuta/ como a alma soca”.

“Chuva” e “Pensão” tratam do imbróglio das relações sociais e humanas em transe: no primeiro caso, “subir custa, cair/ é dois segundos”, no segundo caso, “ele bulindo com a faca/ do outro lado da cama// cortou a camisa, o braço/ e já ia enfiar no peito/ quando tomei a peixeira” (...)/ “depois vira fera/ rasgou até na minha cara/ a certidão de casamento/ pra eu não receber pensão”.



Até no ambiente microscópico, o vocabulário duro se impõe na poesia de Weintraub. É o caso do poema “Delével” onde a gosma espermática, infecunda, comparada ao frio leite dos vampiros, fenece numa quase inutilidade sobre o lençol marcado por sua nódoa fácil de apagar. Até onde sei, o primeiro poema que vejo sobre o esperma.

DELÉVEL

com odor penetrante

a pocinha de sêmen

tonteia o mosquito



rapidamente

a gosma empapa o lençol

vai nutrir os ácaros em cópula

oxidar as molas do colchão

manchar o pinho da cama

onde o moço se deitou



é bem frio o sêmen

como deve ser

o leite dos vapiros

os lábios do moço



a pocinha de sêmen

nada adoece

nada fecunda

deixa contudo uma nódoa

leve

delével



E eis que uma flor, como a flor-carniça do mal de Baudelaire, um hibisco amassado se transforma em carne abjeta, rejeitada por cachorros, desprezada pelas pombas e que, sendo apenas um despojo, “a chuva não apodrece”. No entanto, o poema se faz pintura, tal qual uma obra de Delacroix, que dramatiza e sensualiza as cores com sua “confusão de vermelhos/ raiados de branco/ qual paz ou gordura/ fechando o canal”.

A profusão de poemas “sórdidos”, a dureza dos versos, a impiedade das situações, fazem desse livro de Weintraub porta de entrada para uma fenomenologia (e não sociologia) da vida atual, onde restos humanos baqueiam por aí, sem possibilidade de gritarem sua existência (o Grito de Munch silenciado). A vida despencando, sem caixa-preta.

CAIXA-PRETA

com quase todos aqui

acontece desse jeito:

aviões sem caixa-preta

despencados em silêncio



Talvez agora estejamos vendo, com esse livro de Weintraub, o seu nascimento como um poeta completo. Não há mais volta para o escritor, que agora confronta a página branca com seus versos sem meios tons, que despeja a verdade calcinante da poesia contra a sombra dourada do discurso. Daqui para frente o poeta tornou-se aquele que não teme a revelação da poesia.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/12/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
03. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
04. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
05. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2016
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto - 9/8/2016
02. O titânico Anselm Kiefer no Centre Pompidou - 5/4/2016
03. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês - 5/7/2016
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura - 21/6/2016
05. Conto de amor tétrico ou o túmulo do amor - 1/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS PUPILAS DO SENHOR REITOR
JÚLIO DINIZ
CEDIC
(2006)
R$ 5,00



AMARELINHO
GANYMÉDES JOSÉ
MODERNA
(2004)
R$ 4,90



VIAGEM AO CENTRO DA TERRA, DE JULIO VERNE
MARIA ALICE DE A. SAMPAIO DORIA - ADAPTAÇÃO
MELHORAMENTOS
(2008)
R$ 15,90



FICÇÕES AO MAR
GEORGIO RIOS
P55
(2012)
R$ 12,00



RUAH
PADRE MARCELO ROSSI
PRINCIPIUM
(2015)
R$ 12,00



A EDUCAÇÃO ESTÉTICA - EXPERIÊNCIAS NA ESCOLA CUBANA
PABLO RENÉ ESTÉVEZ
NOVA HARMONIA
(2003)
R$ 26,00



O FEIXE E O PRISMA. UMA REVISÃO DO ESTADO NOVO
JOSÉ LUIZ WERNECK DA SILVA & ORGANIZAÇÃO
JORGE ZAHAR
(1991)
R$ 25,00



PÍPPI NOS MARES DO SUL
ASTRID LINDGREN
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(2003)
R$ 30,00



MARIGHELLA - O GUERRILHEIRO QUE INCENDIOU O MUNDO
MÁRIO MAGALHÃES
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 42,50
+ frete grátis



APRENDA SOBRE FORMAS
CLAUDINE ULLRICH (TRAD/ADAPTAÇÃO)
TODOLIVRO
(2005)
R$ 13,00





busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês