Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
Mais Recentes
>>> Luna Clara & Apolo Onze de Adriana Falcão pela Salamandra (2002)
>>> A Casa Soturna de Charles Dickens pela Nova Fronteira (1986)
>>> Robinson Crusoé - Português/Inglês - Ilustrado de Daniel Defoe pela Ciranda (2017)
>>> Terrores da Noite - Quando a Noite Cai, os Morcegos Atacam de Martin Cruz Smith pela Record (1977)
>>> Códigos Eternos de Legrand pela Soler (2004)
>>> O Livro das Cortesães de Susan Griffin pela Susan Griffin (2003)
>>> O Mundo e Suas Maravilhas -A Aventura do Homem no Espaço e no Tempo de R. Argentiere pela Anchieta (1945)
>>> Escaldado em água fria de John Straley pela Globo (2002)
>>> O Oitavo Mandamento de Lawrence Sanders pela Nova Cultural (1989)
>>> Ninguém Quer Um Coração de J. M. simmel pela Círculo do Livro (1987)
>>> Leituras Indispensáveis de Aziz Ab'Sáber pela Ateliê (2008)
>>> O Enforcado de Maigtret Simenon pela Nova Fronteira (1983)
>>> De Profundis de Oscar Wilde pela Editorial Tor/ Buenos Aires (1942)
>>> El Ruiseñor y La Rosa de Oscar Wilde pela Edit. Renovacción/ B. Aires (1944)
>>> Perlas Negras - Mistica - las Voces (Pesias) de Amado Nervo pela Editorial Tor/ Buenos Aires
>>> L Tragedia de un Hombre Fuerte de Manuel Galvez pela Editorial Tor/ Buenos Aires
>>> Acampou no meio de nós para orar os mistérios da infancia de Jesus de Alvaro Barreiro,Sj pela Loyola (1995)
>>> Um Longo Lamento de Amanda Stern pela Rocco (2005)
>>> Galvez, Imperador do Acre (Sem uso) de Márcio de Souza pela Record/ RJ. (2001)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Marco Zero (1985)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Civilização Brasileira (1978)
>>> A Maior dádiva e o mais precioso tesouro de Edgar F.Hallock & Swllengrebel,Ph.D. pela Juerp (2000)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Brasília (1978)
>>> Galvez, Imperador do Acre de Márcio de Souza pela Brasília (1978)
>>> Quebra Canela A engenharia Brasileira na Campanha da Itália de General Raul da Cruz Lima Junior pela Biblioteca do Exército (1982)
>>> A arte da dedução de Sherlock Holmes 2 de Vários pela Coquetel (2013)
>>> Striding Folly de Dorothy L. Sayers pela Hodder & Stoughton (1973)
>>> Camanha da Birmânia Campanhas 18 de Michael Calvert pela Renes (1978)
>>> O Vencedor de Frei Beto pela Atica (2002)
>>> Please Pass The Guilt de Rex Stout pela Fontana (1973)
>>> O Livro dos Manuais de Paulo Coelho pela Brmalls (2008)
>>> A Grande Sintese de Pietro Ubaldi pela Lake (1979)
>>> O Processo Maurizius de Jakob Wassermann pela Victor Civita (1982)
>>> Candy (o sexo nos Estados Unidos, depois dêste livro, nunca será o mesmo - Revista Life) de Terry Southern- Mason Hoffrenberg (tradução de Nelson Rodrigues) pela Eldorado (1969)
>>> Mística Cidade de Deus de Tradução e resumo por um vicentino pela Louva Deus (1971)
>>> A Velha Senhora de Georges Simenon pela Nova Cultural (1987)
>>> Economie Sociale: Les Institutions de Progrès Social (Encad) de Charles Gide pela Libr. Recueil Sirey/ Paris (2019)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Edições Loyola (1983)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Edições Loyola (1983)
>>> Eu Sei Que Vou te Amar de Arnaldo Jabor pela Record/ RJ. (1986)
>>> Miguel Strogoff - A Invasão vol 2 de Julio Verne pela Bertrand (1978)
>>> Técnica da Pintura de João Medeiros pela Cia. Edit. Americana (1972)
>>> Seja Voce Mesmo Seu Melhor Amigo: um Diálogo Com Dois Psicanalistas de Mildred Newman & Bernard Berkowitz pela Livr. José Olympio Edit. (1985)
>>> A Intertextualidade das Formas Simples: Aplicada Ao Romance a Pedra do Reino, de Ariano Suassuna de Elizabeth Marinheiro: Posfácio: Ariano Suassuna pela Rio de Janeiro (1977)
>>> Sofrer e Amar: Psicologia do Sofrimento de Agir pela Agir/ RJ. (1955)
>>> Golem, um Jogo Incontrolável - Volume 1 (Sm uso) de Lorris; Elvire e Marie- Aude Murail pela Record/ RJ. (2002)
>>> Psicoterapia Com L. S. D. e Outros Alucinógenos de Fontana (alberto E) pela Mestre Jou (1969)
>>> Os Meninos da Planície: Histórias de um Brasil Antigo de Cástor Cartelle/ Ilustr.: Sandra Bianchi pela Formato/ Belo Horizonte (2001)
>>> Bioética de Moderna pela Moderna (2001)
>>> Até Parece o Paraíso de John Cheever pela Companhia das Letras/SP. (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 1/8/2017
Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1900 Acessos

Estive a ver nestas férias, enquanto meus pés passavam frio, algumas séries britânicas na Netflix. Hoje, quando muitos vêm achando que o cinema parece já ter dito tudo, a televisão deu uma cambalhota, e voltando a parar em pé, como tudo que nos últimos anos vem mudando, ela acabou tirando do cinema alguma coisa, e certo é que há de parar bem essa história um dia à sétima arte, porque fermentações assim sempre trazem mudanças que, maturando, transformam leite em queijo, e enquanto à coivara criativa o cinema vai sobrevivendo, há algo de muito frescor no reino da Inglaterra; da Dinamarca, também, mas vamos nos contentar com o que vem da ilha. Paranoid, Marcella, River, Doctor Foster, Hinterland e Happy Valley dão um voto de confiança à inteligência do espectador, que, quando se dá conta, não quer deixar de ver outra série britânica. Que tal uma xícara de chá? Tea with me.

O que a gente procura em uma série? Aquele envolvimento que quando menos se percebe já não se larga mais? Um vício? Alguém nos puxando a um colar precipitado de corpos? Entretenimento? Algum aprendizado? Um pouco disso tudo, quem sabe? Quando somos fisgados, isto é, ao acontecer, há dramaturgia, ou um mergulho vertical, fundo, na alma humana, com a riqueza de detalhes que se vê num ato falho, num objeto esquecido sobre o criado-mudo que a câmera mostra quase ao acaso, numa coceira que leva a uma mordida e à solução de um crime.

O mais importante é quando o espectador imerge no drama representado, da mesma forma que aquelas plateias gregas no tempo de Sófocles entendiam o sofrimento por que Édipo passava, ao furar os olhos, levando-as a um estado de espírito que só a arte é capaz de oferecer. Vem a TV milênios depois, e o que se vê ainda é tragédia por toda parte: corpos de gente morta por asfixia, traições, adultérios, sequestros, filhos matando mães, os dez mandamentos, os sete crimes capitais e um copo de cólera tudo misturado, e quando mergulhamos mais fundo encontramos um pouco do que somos naquele dramalhão todo, e aí a TV passa a ocupar o tempo das pessoas mais do que deveria, deixando-as longe dos livros, mas, não, de uma arte dramática que, primeiro no teatro, depois no cinema e mais tarde na sala de casa, nos leva a uma experiência que, em vida, jamais teríamos, ou apetece a ideia de assaltar um banco, alvejar alguém com uma arma, levar um tiro?!



A primeira boa surpresa é Paranoid, que retrata detetives de um departamento de polícia que, ao investigar a morte de uma médica em um parque infantil, esfaqueada enquanto crianças correm ao redor, descobrem um ninho de mafagafinhos onde cabem a indústria farmacêutica e um crime internacional. Todos os olhos são para Nina, uma investigadora de 30 e poucos anos que passa por uma separação e pela descoberta de que está grávida. Tudo é muito bem conduzido pela direção, com atores que lembram gente vivendo dias ruins, como nós todos. É uma série de abordagem bastante psicológica, desossando a natureza humana, característica que se esparrama por todas as outras mencionadas aqui, o que não poderia ser diferente, quando o que mais há, nelas, é o indivíduo à mercê de seus demônios, como Marcella, outra série conduzida por uma narrativa que retrata a personagem-título, uma investigadora que busca solucionar os crimes de um serial killer, enquanto lida com o divórcio; o problema é que ela passa a ter apagões em que faz lá o que tem de fazer e dos quais, depois, não se lembra; o espectador, nesse jogo, fica sem saber se ela tem ou não culpa no cartório, algo que resulta em uma bela carta na manga dessa série, que, como River, Doctor Foster e Hinterland, está também na primeira temporada no serviço de streaming.



River é um mergulho na mente do introvertido personagem-título, que conversa sozinho, doido varrido, pensam as pessoas que o veem quando cruzam com ele, mas nós sabemos que o homem vê mesmo abantesmas, convivendo com eles. É uma série que traz o espectador bem pertinho do personagem, e há tantas camadas submersas na personalidade desse investigador, que a gente só pode acompanhar a série como se tivesse uma taça de vinho a ser sorvida nesses dias em que o frio congela lá fora e aqui dentro. Ah, a balança não pende para o sobrenatural, caso tenha pensado assim por causa dos fantasmas.



John River (considere as sugestões que o nome carrega), como toda grande personagem, tem em si mesmo o inimigo, e o passado, ou melhor, a morte de alguém de quem ele gostava muito, não o abandona, e adivinhe quem vem trazer boas novas sempre. Vê-lo rebolando o esqueleto, com os músculos de um rosto que não sorri há tempos, dançando na rua “I love to love (but my baby loves to dance)”, de Tina Charles (sempre pensei que essa canção fosse do ABBA), é dessas cenas que valem uma série inteira.



Doctor Foster é o peixe fora d’água aqui, em meio a essas séries de investigação criminal. Trata de traição, daquele dar de costas a um casamento de anos. A história envolve a gente, que fica ao lado da mulher, e o episódio final é tão surpreendente que até poderia ser inverossímil, se não fosse o ser humano a caixinha de Pandora que é; os personagens são bem construídos, e o enredo vai muito bem conduzido pela direção. É uma série que, por ser pouco conhecida e instigante, ao final, o espectador sai recompensado pela descoberta com uma pequena alegria, como aqueles 60 minutos que a gente pega de volta, no último dia do horário de verão.



Hinterland traz cemitérios celtas, assassinatos, equipes forenses e gente em migalhas. São apenas quatro episódios, com uma hora e meia de duração cada um. É sombria e mais galesa (Y Gwyll) que inglesa, misturando as duas línguas, algo que com legendas nem notamos, e o nome (hinterlândia) traz em si alguma coisa que situa o País de Gales bordejando a Inglaterra, como um perímetro distante da urbanidade de Londres e arredores, uma vez que a investigação criminal e o mistério ocorrem na roça, nos ermos vales sufocados pelo céu cinza do País de Gales.



Por fim Happy Valley, em sua segunda temporada. Mais uma vez a delegacia de polícia, mas com uma policial veterana que vai se tornando um duro osso de roer a quem não cai em sua graça, enquanto uma teia de transtornos, nela, vai acumulando fios. A mulher carrega um trauma e a cada dia tem de lidar com ele, com umas mortes escabrosas que vão pululando e com o tráfico de drogas local, tudo no interior inglês, com aqueles carros com o volante do lado errado; ah, e por causa do aparente frio eterno a roçar os ossos, sempre em desconforto, toda hora é adequada para se tomar uma xícara de chá, e como gostam de tea os personagens de Happy Valley. Até cabe um ponto de exclamação aqui.



Terminadas as férias, do lado de cá, na terra do sol onde este inverno de 2017 ainda continua a gelar a pele, uma xícara de chá não cai mal, enquanto no conforto e na proteção da casa nunca é tarde para rever algum episódio de Black Mirror, a cereja no arranha-céu das séries inglesas, com aquele retrato ácido de mal-estar da sociedade, de arrepiar os braços que nem quando a gente come um bolo de chocolate com overdose de açúcar.

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos é editor do site tertuliaonline.com.br


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 1/8/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
02. O que te move? de Fabio Gomes
03. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
04. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
05. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2017
01. A imaginação do escritor - 25/4/2017
02. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar - 3/10/2017
03. Um parque de diversões na cabeça - 30/5/2017
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? - 1/8/2017
05. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos - 4/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CIDADANIA, POLÍTICAS PÚBLICAS E ACESSO À JUSTIÇA
HENRIQUE DOS SANTOS VASCONCELOS SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FORTALEZA VELHA - COLEÇÃO NORDESTES
RAYMUNDO NETTO
ARMAZEM DA CULTURA
(2013)
R$ 31,92



NOVO MANUAL DE REDAÇÃO
NÃO CONSTA
FOLHA DE SÃO PAULO
(1992)
R$ 4,99



D. MARIA AUGUSTA RUI BARBOSA (DOIS DEPOIMENTOS)
MEC
MEC
R$ 23,28



PACHAMAMA MISSÃO TERRA 2 AÇÕES PARA SALVAR O PLANETA
VÁRIOS AUTORES
MELHORAMENTOS
(2011)
R$ 8,00



LA PSYCHANALYSE SON IMAGE ET SON PUBLIC
SERGE MOSCOVICI (EM FRANCÊS)
UNIVERSITAIRES DE FRANCE
(1976)
R$ 80,00



PERDA E RESTAURAÇÃO DA BAHIA DE TODOS OS SANTOS (OBRA TEATRAL DO SÉCULO XVII)
JUAN ANTONIO CORREA
MEC/INL
(1961)
R$ 30,00



FATUM, SEMIÓTICA E GAMES
NIKOLAI STREISKY
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 209,00



COSMO RAMA
HUBERTO ROHDEN
MARTIN CLARET
(1990)
R$ 20,00
+ frete grátis



O USO DE ANÁFORAS POR NOMES GERAIS NO PORTUGUÊS MINEIRO E NO CEARENSE
LUANNA DE SOUSA DO NASCIMENTO OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00





busca | avançada
28258 visitas/dia
890 mil/mês