Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês
Mais Recentes
>>> Sidney Rocha lança seu novo livro, A Lenda da Seca
>>> Oficina de Alegria encerra o mês das crianças com a festa Bloquinho na Praça - 27 de outubro
>>> EMP Escola de Música faz apresentação gratuita de alunos e professores
>>> Miami Ad School Rio promove curso sobre criatividade que desmistifica o padrão do que é ser criativo
>>> Exposição destaca figura feminina com a leveza da aquarela
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Por um triz
>>> Sete chaves a sete cores
>>> Feira livre
>>> Que galho vai dar
>>> Relâmpagofágico
>>> Caminhada
>>> Chama
>>> Ossos perduram
>>> Pensamentos à política
>>> A santidade do pecado em Padre António Vieira
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cuidado: Texto de Humor
>>> O Oratório de Natal, de J. S. Bach
>>> My fair opinion
>>> Hitler e outros autores
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Queijos
>>> A trilogia da vingança de Park Chan-Wook
>>> Redentor, a versão nacional e atualizada da Paixão
Mais Recentes
>>> Awakening the Buddha Within: Tibetan Wisdom for the Western World de Lama Surya Das pela Broadway Books (1998)
>>> Practicing Peace in Times of War de Pema Chodron pela Shambhala (2006)
>>> Nietzsche: O Humano Como Memoria e Como Promessa de Oswaldo Giacoia Júnior pela Vozes (2013)
>>> Nietzsche e Sião: a União de Duas Forças Ideológicas Opostas de Jacob Golomb pela Madras (2005)
>>> Mito e Música em Wagner e Nietzsche de Luiz Claudio Moniz pela Madras (2014)
>>> Ilusoes do Eu: Spinoza e Nietzsche de A Martins, H Santiago, L C Oliva pela Record (2011)
>>> Caitanya Sataka. Cem versões em glorificação de Chandramukha Swami pela Govinda (2013)
>>> The I Ching, Or, Book of Changes (bollingen Series Xix) de Ed Richard Wilhelm pela Princeton University Press (1997)
>>> A Experiência humana de Deus como experiência de graça de Inácio Luiz Rhoden pela Unisinos (2004)
>>> Origem do Ocidente. a antiguidade em Nietzsche de Alan Sampaio pela Unijuí (2008)
>>> Nietzsche Asceta de Mauro Araújo de Sousa pela Unijuí (2009)
>>> Em Busca de um Lugar ao Sol: Nietzsche e a Cultura Alema de Ivo da Silva Junior pela (vide) (2008)
>>> Wagner em Bayreuth de Friedrich Nietzsche pela Zahar (2009)
>>> Nietzsche... (dos companheiros) de Carlos Henrique Escobar pela 7 Letras (2000)
>>> Gilberto Freyre. Pensamento e Ação de Manoel Correia de Andrade (org) pela Fundação Joaquim Nabuco (1995)
>>> As Raízes do Separatismo no Brasil de Manuel Correia de Andrade pela Ufpe (1997)
>>> Ldb - 1996 Contemporanea: Contradicoes, Tensoes, Compromissos de Iria Brzezinski (Org) pela Cortez (2014)
>>> A Temática Indígena na Escola de Pedro Paulo Funari, Ana Piñon pela Contexto (2011)
>>> Arqueologia das Ciências e História dos Sistemas de Pensamento de Michel Foucault pela Forense Universitária (2013)
>>> Tristes Trópicos de Claude Lévi-strauss pela Companhia das Letras (1996)
>>> O Pensamento Selvagem de Claude Lévi-strauss pela Papirus (1990)
>>> A Doença Como Caminho de Thornwald Dethlefsen, Rudiger Dahlke pela Cultrix (2002)
>>> Introdução à Linguística Africana de Margarida Petter pela Contexto (2015)
>>> Curso De Linguística Geral de Ferdinand de Saussure pela Cultrix (2012)
>>> Bartolomeu De Las Casas de Frei Carlos Josaphat pela Paulinas (2008)
>>> O Expressionismo de Jacó Guinsburg pela Persoectiva (2002)
>>> Avaliação: novos tempos, novas práticas de Edmar Henrique Rabelo pela Vozes (1998)
>>> Dicionario Paulo Freire de Danilo Streck pela Autêntica (2008)
>>> Atualidade de Paulo Freire de João Francisco de Souza pela Cortez (2002)
>>> Conscientização de Paulo Freire pela Cortez (2016)
>>> Conversas com Igor Stravinski de Igor Stravinski pela Perspectiva (2016)
>>> Um Jato na Contramão. Buñuel no México de Eduardo Peñuela Cañizal pela Com-Arte (1991)
>>> Som-Imagem no Cinema de Luiz Adelmo F. Manzano pela Perspectiva (2010)
>>> As sombras móveis: atualidade do cinema mudo de Luiz Nazário pela da UFMG (1999)
>>> Condicao Humana, A Um Tema Para Religioes Comparadas de Robert Cummings Neville pela Paulus (2005)
>>> El vuelo magico The Magic Flight (Spanish Edition) de Mircea Eliade pela Siruela (1995)
>>> La esencia del cristianismo (Spanish Edition) de Ludwig Feuerbach pela Claridad (2006)
>>> A Construção Histórica da Literatura Umbandista de Diamantino Trindade pela do Conhecimento (2010)
>>> Três Livros de Filosofia Oculta de Henrique Cornelio Agrippa de Nesttesheim pela Madras (2016)
>>> Estética da Melancolia de Marie-Claude Lambotte pela Companhia de Freud (2000)
>>> Bem-vindo ao Deserto do Real! de Slavoj Zizek pela Boitempo (2008)
>>> 500 Anos de Educação no Brasil de Eliane M. Lopes, Luciano Faria, Cynthia G. Veiga pela Autêntica (2007)
>>> Historia da Educação Brasileira de Paulo Ghiraldelli Jr pela Cortez (2013)
>>> Avaliação da Aprendizagem: Componente do Ato Pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Hegel y el Idealismo de Wilhelm Dilthey pela Fondo de Cultura Economico (1956)
>>> Introducción a las Ciencias del Espiritu Tomo I de Guilhermo Dilthey pela Espasa Calpe (1948)
>>> Linhas Fundamentais do Pensamento de Nietzsche de Werner Stegmaier pela Vozes (2013)
>>> Antropologia Cultural de Franz Boas pela Ed Zahar (2004)
>>> Eu, Pierre Riviere, Que Degolei Minha Mae, Minha Irma E Meu Irmao de Michel Foucault pela Graal (2012)
>>> Buddhismo de A Cura Di Giovanni Filoramo pela Laterza (2011)
COLUNAS

Terça-feira, 1/8/2017
Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1600 Acessos

Estive a ver nestas férias, enquanto meus pés passavam frio, algumas séries britânicas na Netflix. Hoje, quando muitos vêm achando que o cinema parece já ter dito tudo, a televisão deu uma cambalhota, e voltando a parar em pé, como tudo que nos últimos anos vem mudando, ela acabou tirando do cinema alguma coisa, e certo é que há de parar bem essa história um dia à sétima arte, porque fermentações assim sempre trazem mudanças que, maturando, transformam leite em queijo, e enquanto à coivara criativa o cinema vai sobrevivendo, há algo de muito frescor no reino da Inglaterra; da Dinamarca, também, mas vamos nos contentar com o que vem da ilha. Paranoid, Marcella, River, Doctor Foster, Hinterland e Happy Valley dão um voto de confiança à inteligência do espectador, que, quando se dá conta, não quer deixar de ver outra série britânica. Que tal uma xícara de chá? Tea with me.

O que a gente procura em uma série? Aquele envolvimento que quando menos se percebe já não se larga mais? Um vício? Alguém nos puxando a um colar precipitado de corpos? Entretenimento? Algum aprendizado? Um pouco disso tudo, quem sabe? Quando somos fisgados, isto é, ao acontecer, há dramaturgia, ou um mergulho vertical, fundo, na alma humana, com a riqueza de detalhes que se vê num ato falho, num objeto esquecido sobre o criado-mudo que a câmera mostra quase ao acaso, numa coceira que leva a uma mordida e à solução de um crime.

O mais importante é quando o espectador imerge no drama representado, da mesma forma que aquelas plateias gregas no tempo de Sófocles entendiam o sofrimento por que Édipo passava, ao furar os olhos, levando-as a um estado de espírito que só a arte é capaz de oferecer. Vem a TV milênios depois, e o que se vê ainda é tragédia por toda parte: corpos de gente morta por asfixia, traições, adultérios, sequestros, filhos matando mães, os dez mandamentos, os sete crimes capitais e um copo de cólera tudo misturado, e quando mergulhamos mais fundo encontramos um pouco do que somos naquele dramalhão todo, e aí a TV passa a ocupar o tempo das pessoas mais do que deveria, deixando-as longe dos livros, mas, não, de uma arte dramática que, primeiro no teatro, depois no cinema e mais tarde na sala de casa, nos leva a uma experiência que, em vida, jamais teríamos, ou apetece a ideia de assaltar um banco, alvejar alguém com uma arma, levar um tiro?!



A primeira boa surpresa é Paranoid, que retrata detetives de um departamento de polícia que, ao investigar a morte de uma médica em um parque infantil, esfaqueada enquanto crianças correm ao redor, descobrem um ninho de mafagafinhos onde cabem a indústria farmacêutica e um crime internacional. Todos os olhos são para Nina, uma investigadora de 30 e poucos anos que passa por uma separação e pela descoberta de que está grávida. Tudo é muito bem conduzido pela direção, com atores que lembram gente vivendo dias ruins, como nós todos. É uma série de abordagem bastante psicológica, desossando a natureza humana, característica que se esparrama por todas as outras mencionadas aqui, o que não poderia ser diferente, quando o que mais há, nelas, é o indivíduo à mercê de seus demônios, como Marcella, outra série conduzida por uma narrativa que retrata a personagem-título, uma investigadora que busca solucionar os crimes de um serial killer, enquanto lida com o divórcio; o problema é que ela passa a ter apagões em que faz lá o que tem de fazer e dos quais, depois, não se lembra; o espectador, nesse jogo, fica sem saber se ela tem ou não culpa no cartório, algo que resulta em uma bela carta na manga dessa série, que, como River, Doctor Foster e Hinterland, está também na primeira temporada no serviço de streaming.



River é um mergulho na mente do introvertido personagem-título, que conversa sozinho, doido varrido, pensam as pessoas que o veem quando cruzam com ele, mas nós sabemos que o homem vê mesmo abantesmas, convivendo com eles. É uma série que traz o espectador bem pertinho do personagem, e há tantas camadas submersas na personalidade desse investigador, que a gente só pode acompanhar a série como se tivesse uma taça de vinho a ser sorvida nesses dias em que o frio congela lá fora e aqui dentro. Ah, a balança não pende para o sobrenatural, caso tenha pensado assim por causa dos fantasmas.



John River (considere as sugestões que o nome carrega), como toda grande personagem, tem em si mesmo o inimigo, e o passado, ou melhor, a morte de alguém de quem ele gostava muito, não o abandona, e adivinhe quem vem trazer boas novas sempre. Vê-lo rebolando o esqueleto, com os músculos de um rosto que não sorri há tempos, dançando na rua “I love to love (but my baby loves to dance)”, de Tina Charles (sempre pensei que essa canção fosse do ABBA), é dessas cenas que valem uma série inteira.



Doctor Foster é o peixe fora d’água aqui, em meio a essas séries de investigação criminal. Trata de traição, daquele dar de costas a um casamento de anos. A história envolve a gente, que fica ao lado da mulher, e o episódio final é tão surpreendente que até poderia ser inverossímil, se não fosse o ser humano a caixinha de Pandora que é; os personagens são bem construídos, e o enredo vai muito bem conduzido pela direção. É uma série que, por ser pouco conhecida e instigante, ao final, o espectador sai recompensado pela descoberta com uma pequena alegria, como aqueles 60 minutos que a gente pega de volta, no último dia do horário de verão.



Hinterland traz cemitérios celtas, assassinatos, equipes forenses e gente em migalhas. São apenas quatro episódios, com uma hora e meia de duração cada um. É sombria e mais galesa (Y Gwyll) que inglesa, misturando as duas línguas, algo que com legendas nem notamos, e o nome (hinterlândia) traz em si alguma coisa que situa o País de Gales bordejando a Inglaterra, como um perímetro distante da urbanidade de Londres e arredores, uma vez que a investigação criminal e o mistério ocorrem na roça, nos ermos vales sufocados pelo céu cinza do País de Gales.



Por fim Happy Valley, em sua segunda temporada. Mais uma vez a delegacia de polícia, mas com uma policial veterana que vai se tornando um duro osso de roer a quem não cai em sua graça, enquanto uma teia de transtornos, nela, vai acumulando fios. A mulher carrega um trauma e a cada dia tem de lidar com ele, com umas mortes escabrosas que vão pululando e com o tráfico de drogas local, tudo no interior inglês, com aqueles carros com o volante do lado errado; ah, e por causa do aparente frio eterno a roçar os ossos, sempre em desconforto, toda hora é adequada para se tomar uma xícara de chá, e como gostam de tea os personagens de Happy Valley. Até cabe um ponto de exclamação aqui.



Terminadas as férias, do lado de cá, na terra do sol onde este inverno de 2017 ainda continua a gelar a pele, uma xícara de chá não cai mal, enquanto no conforto e na proteção da casa nunca é tarde para rever algum episódio de Black Mirror, a cereja no arranha-céu das séries inglesas, com aquele retrato ácido de mal-estar da sociedade, de arrepiar os braços que nem quando a gente come um bolo de chocolate com overdose de açúcar.

Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos é editor do site tertuliaonline.com.br


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 1/8/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
02. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
04. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2017
01. A imaginação do escritor - 25/4/2017
02. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar - 3/10/2017
03. Um parque de diversões na cabeça - 30/5/2017
04. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? - 1/8/2017
05. Precisamos falar sobre Kevin - 5/12/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REVISTA DIONYSOS - Nº 22 (OS COMEDIANTES)
ORLANDO MIRANDA (ORG.)
SNT/MEC
(1975)
R$ 70,00



A DAMA DAS CAMÉLIAS - CAPA DURA
ALEXANDRE DUMAS FILHO
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 20,00



LE AVVENTURE DI PINOCCHIO
CARLO COLLODI
MARZOCCO
(1949)
R$ 79,54



IDOLATRIA PELO ESPIRITO DE ANA LEOCADIA - 15888
BENTA MARIA CROFFI
MENSAGEIROS
(1995)
R$ 10,00



ÁGUA PARA ELEFANTES
SARA GRUEN
ARQUEIRO
(2007)
R$ 9,90



DIREITO PROCESSUAL PENAL ESQUEMATIZADO
ALEXANDRE C. A. REIS E VICTOR EDUARDO R. GONÇALVES
SARAIVA
(2014)
R$ 135,00



ETNOGRAFIA E EDUCAÇÃO - RELATOS DE PESQUISA
CARMEN LÚCIA G. MATTOS / HELENA AMARAL
EDUERJ
(2010)
R$ 14,99



ESTAÇÃO TERMINAL
AUTOR BOILEAU-NARCEJAC
GLOBO
(1980)
R$ 8,99



O DRAMA DA BRETANHA
YVONNE A. PEREIRA
FEB
(1974)
R$ 20,00



SONETOS DO AMOR OBSCURO E DIVÃ DO TAMARIT
FEDERICO GARCÍA LORCA
FOLHA DE SÃO PAULO
(2012)
R$ 22,00





busca | avançada
28252 visitas/dia
851 mil/mês