Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
>>> Eu Mataria o Presidente de Adelaide Carraro pela L.oren (1970)
>>> A Obra de Olmar Guterres da Silveira de Horácio Rolim de Freitas pela Metáfora (1996)
>>> I Survived the California Wildfires, 2018 de Lauren Tarshis pela Scholastic Books (2020)
>>> Dicionário dos animais do Brasil de Rodolpho von Ihering pela Difel (2002)
>>> Primo Altamirando e elas de Stanislaw Ponte Preta pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Elvis O Rei de Las Vegas Essencial para fãs Vol 1 de Waldenir Cecon pela Elvis Presley´s World Fan Club (2005)
>>> Mulherzinhas de Louise May Alcott pela Companhia Nacional (1973)
>>> Marketing na Odontologia: Estratégias Para o Sucesso de Marcia Nana pela Medbook (2013)
>>> Pentimento de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Vicio E Corrupção No III Reich de Rouben Frank Lucke pela Grafipar (1979)
>>> O mistério do escudo de ouro de Odette de Barros Mott pela Brasiliense (1975)
>>> Desencana Que a Vida Engana de Laís Tapajós pela Globo (1995)
>>> Os rebeldes de Mary Canon pela Nova Cultural (1981)
>>> Diário das Solteiras (Quase) Felizes de Sandra Mazotti pela SVB Edição & Arte (2006)
>>> Atraídos pelo Destino de Millie Criswell pela Harlequin (2003)
>>> O Combate do Inverno de Jean Claude Mourlevat pela Rocco (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 18/9/2018
Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1400 Acessos

Você pode ter vários motivos para ler Paris é uma festa: uma viagem que se aproxima para a Europa; conhecer a Geração Perdida; descobrir mais sobre os escritores americanos que foram morar lá; passar algumas horas agradáveis com um bom livro... Quaisquer que sejam os motivos, nenhum me parece mais apropriado do que lê-lo a fim de tomar notas sobre a arte de escrever, como se você fosse um aspirante a escritor. Vale dar uma chance ao velho Ernest, mas, se não gostar do livro, sempre há o piparote de Brás Cubas a quem quer desfazer-se das coisas que desativam a vida.

Em uma época como agora, quando as redes sociais servem de tribuna e auditório àqueles que dominam os descaminhos da escrita, os que, além de atravessar um bom livro do início ao fim, pretendem dominar técnicas de diálogos, de como escrever contos, de como lidar com outros escritores, bem, esses tendem a ser os leitores ideais de Paris é uma festa, esse pequeno romance de Hemingway, escrito em San Francisco de Paula, Cuba, em 1960, décadas depois dos acontecimentos ali narrados, mas que ao lado de um filme como ½ noite em Paris preenche o imaginário de leitores que hoje querem saber mais a respeito dos escritores expatriados que beberam, dançaram, atiraram-se no rio Sena e, em seguida, regressaram para casa, do outro lado do oceano, sem nunca abandonar a luz da cidade, até porque Paris is a moveable feast.

O autor, ou melhor, seu narrador, adverte que o romance pode ser lido como um trabalho de ficção, ou não, porque os personagens têm seus nomes verdadeiros e trata-se de fatos ocorridos com ele e com seus amigos.

Acompanhamos Hemingway morando razoavelmente bem em Paris. Ele não tem dinheiro que sobre, mas vive feliz com a esposa em um apartamento, ocasionalmente com uma chaminé entupida e sem banheiro. Tem, às vezes, por falta de dinheiro, de pular uma refeição e, por isso, quase sempre faminto, deixa referências à comida, que aparecem a todo instante diante do leitor, o que é um prazer, porque há sempre uma pequena alegria ao se ler que alguém colheu o fio de azeite de um prato com um pedacinho de pão; sem contar o vinho, consumido como a água, o suco, o refrigerante e a cerveja de nossas refeições brasileiras de cada dia. Há a sofisticação de Paris, escritores por toda parte e curiosamente, como em O sol também se levanta, nada de guerra, o que é estranho, porque essa mesma guerra anos antes havia varrido a autoestima europeia para baixo do tapete. Em vez disso, literatura. Brito Broca, nosso retratista da vida literária brasileira, se tivesse sobrevivido ao besta atropelamento do qual foi vítima, teria ficado espantado e orgulhoso com a destreza de Hemingway.

Lemos sobre a livraria de Silvia Beach, a Shakespeare and Company, onde era possível os cotovelos roçar com James Joyce, Ezra Pound, Hemingway antes da fama, e expatriados, Fitzgerald, Ford Madox Ford ― e sobre Gertrude Stein e a forma como captou aquela geração, descrevendo-a como une génération perdue. Tal sugestão ocorreu a ela depois que um velho Ford T fora maltratado numa oficina por um mecânico atabalhoado, o qual foi repreendido pelo chefe, que de graça sugeriu o bordão à perspicácia de Stein. Vemos a indelicadeza de Hemingway com Ford Madox Ford, a quem despreza, ou por outro lado sua devoção hagiográfica a Ezra Pound.

É muito prazeroso ler sobre a viagem, infelizmente malfadada, que Hemingway e Fitzgerald fizeram ao interior da França logo ao início da amizade entre ambos. O autor de O grande Gatsby não foi poupado e surge como alguém a quem um único copo de vinho era sinônimo de encrenca, tal o estágio de sua relação com o álcool... Lemos sobre a loucura de Zelda tão logo a doença passe a brilhar em seus olhos.

Por sua vez, muitos leitores podem decepcionar-se com a suposição de que todos aqueles escritores só bebiam e se divertiam. Não era bem assim. Hemingway levava a literatura ao primeiro plano de sua vida. Não bebia antes de escrever e cuidava de seus contos com devoção, algo que fez dele um mestre no gênero.

Finalmente, voltando ao início deste texto: quem gosta de literatura, de escrever contos e, com isso, vive submerso em aspirações literárias, deve seguir os passos deixados pelo autor neste livro. Terá muito a ganhar: a prosa de Hemingway, uma das pontas de lança da geração perdida, ainda continua uma festa. Como Paris.

Renato Alessandro dos Santos, 46, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia (Engenho e arte), seu mais recente livro. A ilustração é de Helton Souto. Este texto que lê aqui faz parta da obra, que pode ser adquirida pelo e-mail do autor ([email protected]).



Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 18/9/2018


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2018
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela - 13/11/2018
02. O massacre da primavera - 29/5/2018
03. Inferno em digestão - 17/10/2018
04. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia - 20/3/2018
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba - 31/7/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Human Condition Critical
Luc de Schepper
Publishing
(1993)



Atlas des Peuples Deurope Occidentale
Jean Sellier, André Sellier, Anne Le Fur
La Découverte
(2000)



A Hight Interest Rate Trap: the Making of the Brazilian Crisis
Carlos Fernando Lagrota R. Lopes
Bndes
(2003)



Cadê as Roupas do Papai Noel?
Martin Chatterton
Fundamento
(2015)



Nada a Perder 3 - do Coreto ao Tempo de Salomão: a Fé Que Transforma
Bispo Macedo
Planeta
(2014)



The Best Womens Stage Monologues of 1991
Jocelyn A. Beard
A Smith and Kraus Book
(1992)



La Argentine - Deuxiéme Edition
Odina Sturzenegger Benoist
Karthala
(2006)



Um Novo Olhar Sobre Teixeira e Sousa
Rose Fernandes
Foco
(2018)



Processo Judicial Tributário
Paulo Cesar Conrado
Gen; Método
(2014)



Rita Você-é-um-doce
Telma Guimaraes M. de Castro Andrade
Atual
(1991)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês