Quente e aromática tradição | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dragão7 realiza última edição do Circuito de Teatro em Português
>>> Teatro para bebês, A Florestinha da Pati, integra o Circuito de Teatro em Português
>>> Buscapé cria "Vila" para celebrar Black Friday
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Farewell, Pedrinho!
>>> Baratas
>>> Dar de comer ao ódio
>>> Suspeito que estejam sempre conspirando para me fazer feliz
>>> Escrever para não morrer
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Eu também sou concretista
>>> Geraldo Vandré, 70 anos
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> Para-quedas & beijos de Erica jong pela Circulo do livro
>>> O desafio mundial de Jean-jacques servan-schreiber pela Nova fronteira
>>> A revoluçao dos covardes de David nasser pela Cruzeiro
>>> Do coração de um pastor de Kenneth w Hagin pela Graca editorial (2009)
>>> Oráculo da Grande Mãe - Acomp. 1 Livro e 60 cartas de Claudiney Prieto pela Alfabeto
>>> Tarô das Bruxas - Acompanha 78 cartas de Ellen Dugan pela Isis
>>> Mamãe e o Sentido da Vida de Irvin D. Yalom pela Agir (2010)
>>> Décima Profecia, A de James Redfield pela Fontanar (2009)
>>> Curso Completo de Tarô - Acomp. 1 livro e 78 cartas de Nei Naiff pela Alfabeto
>>> Árabe do Futuro, O de Riad Sattouf pela Intrínseca (2015)
>>> Schraiber - " O reino dos simples" de Vários autores pela Não definido
>>> Selecta homeopathica - Cura e recuperação de Vários autores pela Luz menescal (2002)
>>> Selecta homeopathica - Experimentação patogenética de Vários autores pela Luz menescal (2001)
>>> Cadernos de matéria médica - Vol. 10 Nº 1 de Vários autores pela American journal (2002)
>>> Peter Pan de James Barrie pela Ediouro (2004)
>>> Coors taste of the west de Vários autores pela Better Homes and Gardens (1981)
>>> Party book de Dorothy Marsh e Carol Brock pela Harper & Brothers (1958)
>>> The pocket book of home canning de Elizabeth Beveridge pela Pocket books (1943)
>>> Paisagens Humanas de Antonio Versiani pela Civilização brasileira (1960)
>>> Great Tales of the far west de Alex Austin pela Pyramid books (1956)
>>> The Movie Buff´s book de Ted Sennett pela A pyramid publication (1975)
>>> Hospital de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1959)
>>> Monsenhor Quixote de Graham Greene pela Record (1982)
>>> Salambô de Flaubert pela Max Limonad (1985)
>>> O vale do terror de Arthur Conan Doyle pela Ediouro
>>> A casa morta de Henry Bordeaux pela Figueirinhas (1929)
>>> Ih, esqueceram madame Freud... de Françoise Xenakis pela Rocco (1988)
>>> Platero e eu de Juan Ramón Jiménez pela Rio Gráfica (1987)
>>> The countess de Hans Habe pela A signet book (1964)
>>> Loves of the orient de Giovanni Camisso pela Belmont Book (1954)
>>> Skipping Christmas de John Grisham pela A dell book (2004)
>>> Terra Virgem El Erial de Constâncio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> Woodstock - Tomo I de Walter Scott pela H. Garnier
>>> L´Homme qui assassina de Claude Farrère pela Ernest Flammarion
>>> Camille de Alexandre Dumas pela Bantam Books (1949)
>>> Lamentai os honestos de Ed Lacy pela Ibis (1968)
>>> Conspiração nas trevas de Hartley Howard pela Livros do Brasil (1966)
>>> Próxima Viagem - Nº 62, Ano 6 de Vários autores pela Peixes (2004)
>>> Próxima Viagem - Nº 4, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 3, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 6, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 7, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 10, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 12, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 37, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2002)
>>> Próxima Viagem - Nº 22, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2001)
>>> Próxima Viagem - Nº 1, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (1999)
>>> Viaje mais por menos - Nº 12, Ano 1 de Vários autores pela Europa (2002)
>>> Viagem e turismo - Nº 4, Ano 4 de Vários autores pela Abril (1998)
>>> Viagem e turismo - Nº 2, Ano 2 de Vários autores pela Abril (1996)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/4/2001
Quente e aromática tradição
Arcano9

+ de 2100 Acessos

Pontualmente às três e meia, numa tarde cinzenta como de costume, atravessei a porta giratória e tomei o saguão de entrada de chão de granito, recepção toda de madeira escura. Porteiros de cartola entrando e saindo, homens com cachimbos lendo jornal nas poltronas à direita. Frisos de mármore em alto-relevo logo acima das portas me fizeram lembrar do Partenon do Museu britânico. Segui em frente até o salão. Atendido por um cordial maître de fraque e gravata, caminhei até minha mesa, ao lado de um abajur verde e bem próximo do colega ao piano de cauda branco. Desabotoei o paletó. Hello sir, would you like to have some tea?, surpreendeu-me a loirinha com seu uniforme tailleur/saia até o joelho, tudo azul escuro. Respondi o óbvio e ela me perguntou se eu queria o tradicional. Dessa vez, respondi apenas com a cabeça. Ainda estava meio zonzo para puxar mais conversa. Zonzo com aquela luz aveludada, aquele cheiro de conforto. Contei: quatro candelabros imensos, um em cada um dos vértices daquele salão quadrado. No centro do salão, o pianista tocando uma peça erudita, provavelmente Chopin; ao redor do pequeno palco onde trabalha o artista, sofás salmão, mesinhas ovaladas de madeira e cadeiras muito macias, forradas com tecido. Contei as mesas vagas - quatro. Quatro de um salão com umas trinta mesas que, pensava eu, estaria vazio numa terça-feira. Não me perdi longamente nos meus pensamentos, pois a loirinha me acordou com a chaleira de porcelana branca com o símbolo em S do hotel. Milk in your tea, sir? Sim, sim, eu quero tudo. Tudo. Três pratos vieram em seguida, três pratos num único porta-pratos pequeno, de prata, deixado na mesa. O prato inferior com sanduíches pequenos, de salmão, atum, ricota. O do meio com docinhos franceses e o superior com scones (um pão doce típico inglês, com passas). O chá, claro, Earl Grey. Assim é o chá da tarde no hotel Savoy, da Strand.

Londres, buscando um chavão inevitável, é uma cidade de tradições. Mas não há, talvez, tradição mais profundamente enraizada no cotidiano dos ingleses do que o chá. Por que diabos os ingleses gostam tanto de chá? O outro dia, pegando um táxi, perguntei ao motorista e ele deu uma sonora risada. "Tem a ver com nossas ex-colônias, a Índia produz um chá muito bom", explicou ele, "mas hoje as pessoas estão se esquecendo de como se deve tomar chá. Você deve colocar primeiro um pouco de água fervente no copo, para a porcelana ficar na temperatura ideal. Depois põe o saquinho, ou de preferência diretamente a erva, e joga mais água. Aí, tem que deixar descansar por cinco, seis minutos, senão você vai estar tomando só água colorida. A cor vem rápido, mas o sabor demora um pouco", explicou ele.

Desde 1658 (quando o produto começou a ser vendido em Londres, a princípio como remédio), o chá passou por várias fases por aqui. De cara, a novidade conquistou o gosto popular, mas a igreja, argumentando que o produto vinha de países pagãos, disse que ele não deveria ser consumido. Médicos, erroneamente, acharam que a bebida fazia na verdade mal para a saúde e, para piorar, o lobby dos produtores de cerveja entrou em ação, temendo que o chá tomasse o lugar das ales como a bebida do inglês no café da manhã (isso mesmo... cerveja no café da manhã!). O resultado foi que, ainda no século XVII, o rei Charles II determinou que o produto fosse sobretaxado em 119%, o que tornou o consumo de chá impossível para a maior parte da população. Só na segunda metade do século XVIII, por volta de 1780, que a situação iria mudar. Nessa época, o hábito de tomar chá passou a ser visto como uma boa alternativa para combater o alcoolismo, problema sério no país, e a sobretaxa foi extinta. Surgiram os chamados tea gardens - amplos jardins onde muitas mulheres e alguns homens se reuniam para degustar suas infusões - e, por fim, nos tempos vitorianos, ganhou força a tal cerimônia do chá da tarde. Entre 1901 e 1914, a mania havia conquistado tamanha popularidade que alguns dos hotéis mais suntuosos da capital britânica serviam três refeições na hora do chá. E mais tarde viria o jantar e a ceia...

Perdido nos meus pensamentos sobre a história do chá em Londres, não deixei escapar a bela seqüência em meus ouvidos. Smoke Gets in your Eyes. Depois, The Way you Look Tonight. Por minha conta, vi meu velho amigo Astaire sentado ao piano, sorrindo e quase chorando, pedindo desculpas para minha doce Ginger, That laugh that wrinkles you nose, qual era mesmo o filme? Requinte. Colunas de granito sustentando o salão. O chá se desfaz no céu da boca. Muitas mulheres de mais de quarenta ao meu redor, a maioria das mesas tomadas por pares de amigas. Mas há também senhores com suas gravatas e mulheres mais jovens com seus namorados. E as inevitáveis velhinhas, esplendorosas, revisitando o brilho de suas vidas, com seus lindos chapéus coloridos, andando devagar mas dando pulos de excitação. Este é um mundo de sonho. Are you all right, Sir? Sim, tudo bem, tudo muito bem.

Ir a um chá da tarde em um algum dos principais hotéis de Londres é, enfim, uma experiência inesquecível, pela qual toda pessoa deveria passar uma vez na vida. Você não precisa ser um milionário para ir ao Savoy. Nem um well-to-do para freqüentar o Ritz. Basta reservar um dinheiro, vestir seu terno e gravata ou seu vestido mais bonito e preparar os olhos, a língua, os ouvidos. Alguns lugares seguem com mais rigor a restrição à roupa, outros menos. Mas você não vai fazer o papelão de ir a um desses lugares com tênis e bermuda, né? Eu me produzi e passei duas horas como um rei no Savoy. A revista Time Out, um dos principais guias culturais de Londres, diz o seguinte: se você quer o interior mais suntuoso, deve tomar seu chá da tarde no Waldorf Meridien; se quer o melhor pianista ou os melhores docinhos, vá ao The Dorchester; o melhor serviço, ao Claridge's, e se você quer o lugar mais popular, ao The Ritz. Na dúvida, faça como eu, vá ao Savoy e transpire requinte e sofisticação.

Vinte e duas libras mais pobre, atravessei de volta o portal para o resto do planeta. Havia chovido e eu nem percebi. A Strand estava lotada. Nossa. Como o mundo pode ser um lugar muito melhor...

Para ir além

Mesas para o chá da tarde podem (e devem) ser reservadas com antecedência. O preço depende do hotel, mas não fica mais de 30 libras por pessoa. O horário também depende do hotel, mas a maioria serve o chá entre as 15h e 18h.

* Waldorf Meridien - Aldwych WC2. Perto do metrô Temple.
* The Dorchester - 54 Park Lane W1. Perto do metrô Hyde Park Corner.
* Claridge's - Brook Street W1. Perto do metrô Bond Street.
* The Ritz - Piccadilli W1. Perto do metrô Green Park.
* Hotéis cinco estrelas de Londres


Arcano9
Londres, 9/4/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Predadores humanos de Gian Danton
02. Reunião de pais, ops, de mães de Ana Elisa Ribeiro
03. Um mês depois de Julio Daio Borges
04. Mulheres fantásticas e futuristas de Carla Ceres
05. Esse Caro Objeto do Desejo de Adriane Pasa


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2001
01. Duas formas de perder a virgindade no West End - 5/3/2001
02. O que realmente importa - 17/12/2001
03. Quando road movie encontra inocência adolescente - 19/3/2001
04. Concurso de popstars mostra novo caminho na TV - 19/2/2001
05. Ler ao acaso - 19/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FORMAS DE PRAZER
MARCELO PIZANI
RECORD
R$ 12,00



REBECCA
DAPHNE DU MAURIER
VICTOR CIVITA
(1981)
R$ 24,00



CENSURA NA LEI E NA MARRA
ELOÍSA ARAGÃO
HUMANITAS
(2013)
R$ 19,99



FUNDAMENTOS DA LOGOTERAPIA. NA CLÍNICA PSIQUIÁTRICA E PSICOTERAÊUTICA (VOL. I)
ROBERTO RODRIGUE
VOZES
(1991)
R$ 38,00



EM BUSCA DA VIDA APÓS A MORTE
LESLIE FLINT
TRÊS
(1971)
R$ 20,00



QUAL É O CORPO QUE DANÇA
MILLHER JUSSARA
SUMMUS
(2018)
R$ 35,00



ADORO MÚSICA, ADORO DANÇAR
MARY HIGGINS CLARK
CÍRCULO DO LIVRO
(1991)
R$ 4,00



E AGORA SÃO CINZAS
ARNALDO ANGELI FILHO
L&PM POCKET
(2007)
R$ 15,00



O CÓDIGO DA VINCI - EDIÇÃO ESPECIAL ILUSTRADA
DAN BROWN
SEXTANTE
(2005)
R$ 40,00



COMO SER UM PIRATA
CRESSIDA COWELL
INTRÍNSECA
(2010)
R$ 12,00





busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês