Freud explica | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> A Arte da Guerra - Os Documentos perdidos de Sun Tzu II pela Record (1996)
>>> Competindo pelo Futuro de Gary Hamel e C K Prahald pela Campus (1995)
>>> 80 Mágicas com cartas de 80 Mágicas com cartas pela COPAg (1985)
>>> Idade do Zero de Zeh Gustavo pela Escrituras (2005)
>>> Os Três Ratos Cegos e Outras Histórias de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1979)
>>> Outra Independência o Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Evaldo Cabral de Mello pela 34 (2004)
>>> A Décima Profecia de James Redfield pela Objetiva (1996)
>>> Condutas no Paciente Grave Nº 1 e 2 de Elias Knobel pela Atheneu (1998)
>>> Na Palma da Minha Mão de Leilah Assumpção pela Globo (1998)
>>> Missão no Oriente de Luiz Puntel pela Atica (1999)
>>> Previsão e controle das fundações de Urbano Rodriguez Alonso pela Edgard Blucher (1995)
>>> A Riqueza das Nações 1 e 2 de Adam Smith pela Nova Cultural (1985)
>>> Moreninha de Joaquim Manuel de Machado pela Moderna (1993)
>>> Diário de um cucaracha de Henfil pela Record (1984)
>>> Sinais de Esperança: uma Leitura Surpreendente dos Acontecimentos Atua de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora (2008)
>>> Manual de Bioquimica de Conn Stumpf pela Edgar Blucher (1972)
>>> O Senhor March de Geraldine Brooks; Marcos Malvezzi Leal pela Ediouro (2009)
>>> Devezenquandario de Leita Rosa Cangucu de Lourenço Cazarre pela Lge (2003)
>>> Clássicos Literatura Juvenil 12 - Aventuras de Huck de Mark Twain pela Abril (1972)
>>> Naruto 58 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> Super Seek and Find Students Book & Digital Pack (volume 2) de Lucy Crichton pela Macmilian Education (2018)
>>> O jovem Torless de Robert Musil pela O globo (2009)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma - Série Bom Livro de Lima Barreto pela Ática (1989)
>>> Naruto 57 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> O Veneno da Madrugada de Gabriel García Márquez pela Sabiá (1970)
COLUNAS

Terça-feira, 19/5/2020
Freud explica
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2000 Acessos

Pareciam atletas olímpicos do salto em distância. Primeiro, veio Copérnico, com seus joelhos estralejando; mirou o sol, colocando-o no seu devido lugar, e saltou — fria e precisamente, como só um cientista de olhar telescópico poderia fazer. Da turba, algumas palmas, uns gritinhos e uma tosse aqui, outra ali, além de tímidos tapinhas nas costas pelos quais um resignado, mas feliz Copérnico, agradeceu. Darwin chegou em seguida, tropeçando na barba de onde micos leões dourados saíam sorridentes. A hipótese de fazer o sinal da cruz nem de longe passou por sua cabeça; sorriu, viu um sujeito de batina bem ao seu lado e, com o punho direito cerrado, como um Pantera Negra, gritou, àqueles ouvidos celestiais: nevermore! ― e saltou, em câmera lenta. Do outro lado, os pequenos micos pendurados na barba mafagafinho de Darwin — como num passe de mágica — trans-for-ma-ram-se em elétricos bebês berrantes, que, num átimo, foram acolhidos com espigas de milho que Freud, o próximo a saltar, atirou na direção deles. Eles agradeceram e — ploc! ploc! ploc! —, como pipoca, começaram a crescer, a sofrer, a falar pelos cotovelos, enquanto Freud ouvia tudo, dando as costas a eles, porque precisava saltar, e precisava saltar naquele momento. Saltou, e foi um salto elástico. Todos ficaram hipnotizados e intrigados: como havia saltado tão longe? Freud agradeceu e começou a explicar, a explicar, a explicar; falou de complexo disso, complexo daquilo. Ego. Id. Superego. Ninguém entendeu nada.

Copérnico deixou o papa estarrecido, quando afirmou que a Terra não ficava exatamente no centro da Capela Sistina. “Não somos o umbigo do universo, chefe”, disse, enquanto trocava a lâmpada da sala. “Somos punks da periferia” — e acendeu a luz. Darwin causou o maior reboliço, quando tirou o homem do berço, armado a ele feito lobotomia, no meio da manjedoura: “Somos animaizinhos quaisquer, a nos refestelar na lama”. E, nessa trindade, ninguém melhor do que Freud para nos fazer calar, enquanto atravessamos o labirinto, guiados pelo cordão que ele nos atira como finos fios de aranha aos quais nos agarramos. Fomos todos hibernar, inconscientemente reprimidos, lá nos fundilhos da infância, de onde Freud nos fisgou, como um peixe.



Ninguém nunca mergulhou tão fundo

Está tudo aqui em Entendendo Freud, publicado no Brasil pela LeYa. Além de toda a equipe editorial, os principais responsáveis por esta biografia ilustrada do pai da psicanálise são dois: Richard Appignanesi, que se preocupou com o roteiro, e Oscar Zarate, que pintou o sete com traços bem-humorados. “As ilustrações de Zarate são incríveis”, analisou o Washington Post, “e os textos de Appignanesi são pesquisados com esmero e apresentados com clareza”. Vai se arrepender quem, de repente, deixar de ler Entendendo Freud por julgar que uma biografia em quadrinhos não é uma forma adequada para se conhecer mais da vida e da obra de Sig. Sim, você tem razão: nada melhor do que ir à fonte; é um prazer ler o que Freud escreveu e acompanhar seu pensamento descortinando-se diante do leitor; por isso, vale a pena atravessar, de um lado a outro, ensaios que ele redigiu, como aquele que diz respeito ao conto “A Gradiva”, de Jensen. Já em relação à sua vida, boas biografias não deixam os leitores na mão. Duas delas: A vida e a obra de Sigmund Freud, de Ernest Jones, e Freud – uma vida para nosso tempo, de Peter Gay. Mas que tal Entendendo Freud, esta biografia ilustrada de Sigmund? Lemos sobre o conteúdo manifesto e o conteúdo latente dos sonhos ― se gosta de literatura, os capítulos 6 e 7 de A interpretação dos sonhos esperam por você; lemos sobre parapraxia, e nessa hora ficará com vontade de ler A psicopatologia da vida cotidiana (1901), em que Freud descreve exemplos típicos de esquecimento, coisas banais, como lapsos verbais e falhas de memória que ocorrem frequentemente em nossa vida; lemos sobre inconsciente e pré-consciente; sobre o Complexo de Édipo; a inveja do pênis e a angústia da castração; perversão, sexualidade, libido, amnésia infantil, narcisismo, instinto de morte etc. et cetera; e, claro, lá pelo fim de Entendendo Freud, sobre ego, Id e superego ― outra grande descoberta a respeito de nosso aparelho psíquico. Lendo Entendendo Freud, não fica difícil admirar o médico vienense apenas pelo que legou à humanidade, mas, também, pela resistência às mazelas que sofreu principalmente nos últimos 16 anos de vida, quando o câncer o fez passar por 33 cirurgias que não o impediram de morrer, em 23 de setembro de 1939. Foi operado pela primeira vez em 1923. “Todo o maxilar superior e o palato do lado direito foram removidos”, diz Appignanesi. “Durante os dezesseis seguintes anos de vida”, complementa, "Freud frequentemente sofreu de uma dor angustiante. Sua fala e sua audição foram afetadas e ficou difícil comer. Uma prótese (um tipo de dentadura imensa) teve de ser projetada para separar a boca da cavidade nasal”. Freud não merecia. Mas os portões do inferno já estavam abertos: em 1920, perdera Sophie, a “filha querida”, de 26 anos, e, em 1923, o “neto predileto”, que tinha apenas 4 anos e 6 meses.

Diante de uma vida tão devotada à ciência, finalizada a leitura, não fica difícil entender por que o bordão “Freud explica” aplica-se tão bem ao pai da psicanálise: ninguém nunca mergulhou tão fundo. Ao menos até aqui.

Nota do Autor

Texto publicado originalmente no site Tertúlia em 15 de março de 2013.


Conheça meu mais novo livro LADO B: música, literatura & discos de vinil).


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 19/5/2020


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Burguesinha, burguesinha, burguesinha, burguesinha de Marcelo Spalding
02. Escrita e Artes Visuais de Maurício Dias
03. O apocalipse anunciado nas estrelas de Gian Danton


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2020
01. Meu malvado favorito - 22/9/2020
02. Um grande romance para leitores de... poesia - 14/7/2020
03. Os defeitos meus - 15/12/2020
04. A redoma de vidro de Sylvia Plath - 20/10/2020
05. Contentamento descontente: Niketche e poligamia - 25/8/2020


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Viúva por um Ano
John Irving
Record
(2000)



A força eterna do amor
Robson Pinheiro
Casa dos Espíritos
(2009)



Crônicas Despaginadas (lacrado)
Eloi de Souza Garcia
Interciência
(2005)



The Astrologers Handbook
Frances Sakoian e Louis S. Acker
Perennial
(1993)



Contra o financismo
Felipe Miranda
São Paulo
(2016)



Os Sapatinhos Vermelhos
Joanne Harris
Rocco
(2007)



Gracias! 1
Maria Carmen Garcia Olivia
Sm
(2011)



A Estrada para Fornovo: a Feb, Outros Exércitos e Outras Guerras
Fernando Lourenço Fernandes
Biblioteca do Exército
(2011)



Garota Pop. Com
Carolina Estrella
Planeta Jovem
(2013)



X-men 4 - Super Heróis Premium
Marvel Comics
Abril
(2000)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês