Prazeres | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/4/2002
Prazeres
Adriana Baggio

+ de 4600 Acessos

A língua francesa tem duas palavras muito parecidas para descrever dois comportamentos bem diferentes em relação à comida. Gourmand é aquela pessoa que gosta de comer pelo prazer de comer, é o guloso; gourmet é o apreciador, aquele que sabe distinguir a boa cozinha, os bons vinhos. Eu adoraria ser uma gourmet, mas minha relação com a comida é muito mais empírica do que teórica. Portanto, assumo minha posição na classe dos gourmands. Aproveitando as referências ao processo de digestão do nosso site, vou liberar uma fantasia antiga: brincar de guia gastronômica. Vocês vão ficar conhecendo os melhores pratos deste país, segundo um critério muito simples e egoísta: os que eu provei e que gostei. É, literalmente, indicação boca-a-boca. Dessa seleção não participam pratos muito sofisticados, ou com aquela combinação de ingredientes que fazem a alegria das colunas de gastronomia. Vou falar de comidas bem comuns, mas deliciosas. Pelo menos para o meu gosto.

Por uma questão de organização, vou listar as dicas por ordem geográfica. Queria começar por uma deliciosa anchova grelhada em um dos muitos restaurantes à beira-mar de Bombinhas, em Santa Catarina. Não lembro o nome do lugar. Só consigo recordar que era sábado, estava nublado, caía uma garoa fina. Aquela anchova foi perfeita para o almoço tardio. Casquinha tostada, carne branca, nem seca, nem gordurosa, com um sabor defumado que fazia gemer. Maravilhosa. Deixando de lado os prazeres mais delicados e caindo na orgia, subo até a Vila da Glória, início do litoral de Santa Catarina. É um lugar paradisíaco, calmo, isolado. O acesso é difícil pela estrada de terra, ainda mais quando chove. A Vila da Glória fica às margens da baía de Guaratuba, que banha o Paraná e Santa Catarina. Na travessia da Vila até São Francisco do Sul, de ferry-boat, dá para ver os golfinhos, se eles estiverem de bom-humor. Enquanto a gente espera o ferry, a melhor coisa que tem é se esbaldar no rodízio de frutos do mar do restaurante do Zinho. Prazeres do paladar, prazeres do olhar, tudo ao mesmo tempo. É o céu.

Subimos até Curitiba. Preciso ser parcimoniosa, o que é difícil para uma gourmande. Poderia citar desde a esfiha aberta de uma biboca na Cruz Machado, lugarzinho nada nobre, até a massa com tinta de lula do Bice. Mas para ficar na média, vou começar com o Taco el Pancho. O Taco é um lugar dos mais simpáticos e agradáveis. Sobrevive há uns cinco ou seis anos ao poder destruidor do modismo curitibano. Inaugura bar, fecha bar, e ele permanece. É perfeito para ir com qualquer companhia, em qualquer clima. É bom para ir com um bando de amigas e tomar margueritas bem coloridas e ficar tontinha e falar besteira. É bom para ir em turma de amigos e tomar muitas cervejas e falar coisas inteligentes. É bom para fazer happy hour legal com o pessoal chato do trabalho. É bom para fazer esquenta antes de sair. É bom para ir quando você não tem aonde ir. É bom para ir em casal, porque quanto menos você percebe o barulho em volta mais você terá certeza se aquela é ou não sua alma gêmea. Mas o Taco é bom também porque tem uma comida deliciosa! Uma das minhas definições de prazer é tirinhas de mignon na chapa com cebolas (nem tudo é perfeito...), um potinho com cheddar, outro com molho barbecue e uma cestinha de baguete cortado em fatias. Atende pelo nome de Carnitas Santa Fé, chega chiando na mesa e de repente você vira o centro das atenções. Para provocar ainda um último suspiro, sorvete de baunilha com calda de chocolate e café. Não tem como não ser feliz depois disso.

Uma das lendas gastronômicas de Curitiba é o mineiro de botas. Não torça o nariz para a mistura de banana, goiabada, ovo, queijo, tudo flambado no conhaque. O aspecto é horrível, mas o sabor é fantástico. Você pode comer um delicioso mineiro de botas no Tortuga, depois de um jantar bem civilizado. Mas se a noite for de barbarismo, vá ao Bar Palácio, o reduto boêmio da cidade que socorre o povo da madrugada. Ou então, se você está só e já perdeu as esperanças, encare um caldinho de feijão recendendo a alho do Sucatão, no Largo da Ordem, centro histórico da cidade. Cura ressaca e qualquer sentimento de rejeição.

De Curitiba e do frio vou pular para o calor da Praia de Meaípe, no litoral do Espírito Santo, a 7 quilômetros de Guarapari. Uma das melhores coisas que já experimentei veio do Cantinho do Curuca. Seo Curuca colocou várias plaquinhas de louvor a Deus no restaurante, e parece que tem adiantado. Depois da moqueca correta, gostosa, vem a revelação: uma torta de coco maravilhosa, divina, sensacional. Para usar as palavras de um chèr ami, diria que ela "parece gélida por fora, mas é tenra e quente por dentro". Não que tenha acabado de sair do forno. É que qualquer um sente um calor suave e macio correr pelo corpo depois de provar esse doce.

Pulando para Salvador, o que tenho para falar é tão comum que nem tem graça. Mas como o critério é gosto pessoal, não posso deixar de lado o singelo acarajé. Se for no Pelourinho, melhor ainda. Se estiver escuro, e você não puder enxergar os ingredientes, nem a cor do óleo, e nem a honestidade do branco do vestido da baiana, a experiência será quase completa. Para fruir o prazer em toda a sua extensão, não tenha timidez com a pimenta. Os nefrologistas que me perdoem, mas o ardido é fundamental. O prazer que ela provoca é masoquista. Não tenha medo de ir longe demais, vale a pena. É uma mistura de felicidade e dor. A picada na língua, o fogo na garganta, a onda quente que corre pelas entranhas, tudo isso faz parte da experiência. Quando não estiver mais agüentando, tome um gole de cerveja gelada. Você vai lacrimejar, mas não vai achar ruim.

E finalmente, chegamos em João Pessoa. Apesar de ser uma cidade litorânea, a culinária típica vem do sertão. Muitas casas e restaurantes oferecem as iguarias da terra seca. Para um grande almoço, ou jantar, sugiro uma costela de carneiro no Tábua de Carne. Como acompanhamento, macaxeira frita, purê de queijo, arroz branco e feijão verde. Corte um pedaço da macaxeira, molhe no purê de queijo e coma. Na verdade, você não vai parar mais. É muito, mas muito bom. Para ser perfeito, você deve ter pedido de entrada uma fatia de queijo coalho na chapa com orégano. O queijo é branco, meio borrachudo, tostado por fora e macio por dentro. Uma delícia.

O café da manhã na capital paraibana tem que ser no Mangai. Para quem gosta da cozinha regional, é um prato cheio, literalmente. Prefiro ignorar os pratos exóticos, feitos de diversas partes de diversos animais, disponíveis no buffet desde as primeiras horas da manhã, para me concentrar no que realmente importa: pão de macaxeira. Citando mais uma vez mon chèr ami, é comovente ver as fatias de pão molhadas na manteiga de garrafa e tostando na chapa. Cada gomo de um pão dá três fatias, cada pão tem cinco gomos, e cada mordida tem muito mais calorias, colesterol e gordura que seria prudente seu médico ficar sabendo. Portanto, esqueça esses detalhes e aproveite, de preferência com café preto.

Paladares mais delicados também encontram o prazer em João Pessoa. Passeando pela orla de Tambaú, você pode optar pelo Lion, que serve deliciosos crepes. Um dos grandes momentos dessa minha vida de prazeres culinários aconteceu em uma noite relativamente fria. Minha pele, já meio crestada pelo calor dessa terra, consegue sentir arrepios provocados pelo vento que vem do mar. Considerando esse contexto, devo dizer que foi delicioso provar o crepe de camarão, catupiry e uva Itália sentada em uma mesa ao lado do forno à lenha. Um prazer diferente, delicado e aconchegante. E por falar em prazeres delicados e diferentes, não dá para deixar de mencionar o espaguete com molho de camarão e limão do Sagarana. Como uma filha meio sem graça de uma família de beldades, o espaguete passa meio despercebido entre as tantas delícias do cardápio, mas é um erro subestimá-lo. A mistura do adocicado do camarão com o ácido do limão, junto ao creme do molho, oferece um sabor criativo, inesperado, que conquista na hora. Deixo os outros pratos para os turistas.

Apesar de não estarem disponíveis em nenhum restaurante do Brasil, não posso deixa de citar as próximas dicas no meu guia gastronômico. Na casa da minha mãe tem uma polenta com molho de camarão que é tão divina quanto simples. A polenta é macia, branquinha, nem mole, nem dura. O molho é feito com aqueles camarões pequenininhos e saborosos. O contraste de cor e sabor encantam. Mas toda essa poesia acaba quando a comida chega na mesa. Ver o povo avançando para o prato não é lá muito romântico, mas deixa a cozinheira satisfeita.

Já minha nona, mãe da minha mãe, tinha uma receita que me traz as melhores lembranças: bolo de chocolate com noz moscada. Simples, muito simples, mas nunca vi ninguém fazer desse jeito. Hoje ela faz bolos de chocolate com noz moscada no céu, e imagino que os anjinhos fiquem se esbaldando. Enquanto isso, tento acertar a receita por aqui. Só não fico mais frustrada porque também tenho minha especialidade: fondue de queijo dentro do pão italiano. Imagine: um pão sem o miolo, só com a casca, recheado de queijo, lacrado e esquecido no forno por uns 40 minutos. Depois de assado, é só abrir a tampinha, pegar pedaços do miolo, molhar no queijo e... deixo para cada um imaginar os barulhos que vai fazer. Prazer é um negócio muito íntimo, e já fomos longe demais nesse texto...


Adriana Baggio
Curitiba, 11/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
03. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
04. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
05. O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim de Julio Daio Borges


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TESTES DE Q. I - PARA AUTO - AVALIAÇÃO
ALFRED W. MUNZERT
EDIOURO
(1977)
R$ 15,00



BRAZILIAN JOURNALISM RESEARCH VOLUME 3 - 2007
SBPJOR
SBPJOR
(2007)
R$ 11,00



EVANGELHO ETERNO E ORAÇÕES PRODIGIOSAS
OSVALDO POLIDORO
SÃO PAULO
(2015)
R$ 5,50



O SERDESPANTO
VICENTE FRANZ CECIM
ÍMAN EDIÇÕES
(2001)
R$ 29,70



REVOLUÇÕES CIENTÍFICAS
ISAAC EPSTEIN
ÁTICA
(1988)
R$ 10,00



LENIN ON THE REVOLUTIONARY PROLETARIAN PARTY OF A NEW TYPE
LENIN
FOREIGN LANGUAGES PRESS
(1960)
R$ 110,00



O MOVIMENTO ROMÂNTICO
ALAIN DE BOTTON
ROCCO
(1998)
R$ 20,00



TURISMO E HOSPITALIDADE NO SÉCULO XXI
A. LOCKWOOD E S. MEDLIK
MANOLE
(2003)
R$ 18,00



TERRORISTA BRASILEIRO
SAMUEL FORTE
NOVO SÉCULO
(2002)
R$ 10,00



ASPECTOS DA CRENOTERAPIA NA EUROPA E NO BRASIL - CAPA DURA - ILUSTRADO
ANTONIO DE OLIVEIRA FABRINO (AUTOGRAFADO)
IMPRENSA OFICIAL
(1950)
R$ 25,00





busca | avançada
39219 visitas/dia
1,2 milhão/mês