O Ator Compositor | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Action culturelle
>>> Google Blog
>>> A morte do jornal, pela New Yorker
>>> Mucha Mierda
>>> O trabalho camponês na América
>>> Anna Karenina, Kariênina ou a do trem
>>> Um rancho e um violão
>>> Da fatalidade do desejo
>>> 4 de Agosto #digestivo10anos
>>> I do not want this
Mais Recentes
>>> O Código da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A pergunta a varias mãos de Carlos Rodrigues brandão pela Cortez (2003)
>>> Short Cuts - Cenas da Vida de Raymond Carver pela Rocco (1994)
>>> Da Unidade Transcendente das Religiões de Frithjof Schuon, Fernando Guedes Galvão pela Martins (1953)
>>> Lilith, A Lua Negra de Roberto Sicuteri pela Paz e Terra (1985)
>>> Elementos Fundamentais Para Uma Ampliação da Arte de Curar de Rudolf Steiner e Ita Wegman pela Antroposófica (2007)
>>> Filha Mãe Avó e Puta de Gabriela Leite pela Objetiva (2009)
>>> Revenue Management Maximização de Receitas de Robert G. Cross pela Campus (1998)
>>> A Coisa Terrível que Aconteceu com Barnab Brocket de John Boyne pela Companhia das Letrinhas (2013)
>>> Os Criminosos Vieram para o Chá de Stella Carr pela Ftd (2001)
>>> A Outra Face História de Uma Garota Afegã de Deborah Ellis pela Ática (2012)
>>> Toko Ghoul nº2 de Sui Ishida pela Panini
>>> Bíblia de Aparecida para Crianças de Lois Rock pela Santuário (2010)
>>> O Sabor da Qualidade de Subir Chowdhury pela Sextante (2006)
>>> A Aprendiz de Vivianne Aventura pela Landscape (2005)
>>> Auto sugestão Consciente O Que Digo O que Faço de Emile Coué pela Ediouro
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1983)
>>> No Beco do Sabão de Odette de Barros Mott pela Atual (1985)
>>> O Diário de M. H. de Thalles Paraíso pela Talento (2016)
>>> O Principe Fantasma de Ganymédes José pela Atual (1987)
>>> Vidas de Grandes Compositores de Henry Thomaz pela Globo (1952)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Gramática: Teoria e Atividade de Maria Aparecida Paschoalin; Neusa Terezinha Spadot pela Ftd (2008)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Tarde Demais para Chorar Cedo Demais para Morrer de Edith Pendleton pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quarta-feira, 17/4/2002
O Ator Compositor
Rennata Airoldi

+ de 4000 Acessos

Introdução:

Caros leitores, hoje trago para vocês uma entrevista com o ator Matteo Bonfitto que acaba de lançar seu livro "O Ator Compositor", que é resultado de sua pesquisa de mestrado sob orientação de Jacó Guinsburg.

-Gostaria de saber, para começar, um pouco sobre a sua formação.

MB:Bom, minha formação começou na EAD ( Escola de Arte Dramática), e no final do curso, diante das possibilidades ou da falta delas, eu decidi utilizar a minha cidadania italiana e por acaso encontrei a Universidade de Bologna na Itália. Lá existia um curso chamado DAMS,( departamento de arte, música e espetáculo), onde são integradas quatro áreas: arte, filosofia, teatro e cinema. O mais interessante deste curso era a relação prática e teoria. As matéria teóricas eram dadas por professores da universidade e as práticas por profissionais convidados. Foi aí que eu tive a possibilidade de conhecer o trabalho do Yoshi Oida, que é ator do Peter Brook, atores do Odin Theatre.

-Este livro, "O Ator Compositor", é resultado de uma pesquisa. O que te levou a buscar este caminho enquanto ator?

MB:Para mim uma das maiores dificuldades na formação do ator é a quantidade de referências de técnicas de atuação. Por exemplo, eu acho que até hoje é muito comum que um ator que esteja se formando faça uma espécie de shopping; ele faz um curso de Stanislavski, um curso de Brecht, um de comédia del'arte, um de clown. Isso foi um ponto de partida, porque fica uma experiência super fragmentada e que não há como sintetizar, construir um percurso artístico a partir disto. Tudo parece desconexo, sem relação. Com tudo isso comecei a pensar porque no caso do ator não existia esse termo que é usado em todas as outras áreas que é "Composição". Existe na dança, na escultura, na pintura, no cinema e não no trabalho do ator. Enfim, a partir destes dois problemas foi que eu comecei a pesquisar e cheguei numa espécie de eixo: que é a questão da Ação Física.

-Isso que eu queria saber. Durante o seu percurso teve alguma linha que te chamou mais atenção durante a sua formação que você pudesse dizer é por aqui que eu começo a trilhar o um caminho?

MB:Na verdade este eixo foi encontrado depois de todas as experiências que eu já tinha tido até agora. Não foi uma coisa elaborada antes da prática. Eu fui percebendo que este conceito de ação física, a partir das bases que o Stanislavski constrói, podia estar presente no trabalho de outros pensadores, de outros artistas. E comecei a perceber que a questão principal da ação física que é essa conexão que existe entre a expressão exterior e processos interiores, que isso estava presente de formas diferentes em Brecht, em Barba, em Grotowski.

-Seria um ponto universal entre as coisas?

MB:A aposta desta pesquisa é afirmar que a ação física está acima das diferenças entre as práticas teatrais.

Seria como o átomo para matéria?

MB:É seria o átomo do trabalho do ator. A célula expressiva, na medida em que você conecta uma expressão exterior a um processo interior a ação física já existe a partir daí. A formalização disso é que é diferente em cada artista. Assim a questão central do livro é pensar a composição do trabalho do ator a partir da ação física enquanto conceito que foi ampliado. Mas ao mesmo tempo, esta constatação fez com que outras questões surgissem, por exemplo, qual é a diferença entre movimento, ação e gesto, que são termos super inflacionados em todos os cursos e cada um fala de um jeito e sugere uma definição diferente. E mesmo assim, a partir das onze referências que eu escrevi, dentre elas o Kabuki e a Pina Baush, dança e teatros orientais, mesmo internamente no discurso destas pessoas poderia existir um denominador comum para o que eles chamavam ação, movimento e gesto. Outra questão complicada do livro foi a questão da improvisação. Porque há milhares de cursos de improvisação e tipos diferentes. Tentar reconhecer diferentes práticas de improvisação, na verdade desde o teatro mais careta e amador, existe um nível de improvisação ali, até o teatro mais experimental e de pesquisa.

Na verdade, o livro é resultado da pesquisa de mestrado sob orientação do Jacó Guinsburg.

MB:Eu nunca esperei publicar esse material. Aconteceu a partir da formalização do resultado. O Jacó achou que era importante e que ajudaria a refletir sobre o trabalho do ator. Porque o ator acaba sempre ficando de lado, se pesquisa sobre encenação e dramaturgia mas pouco se fala sobre o trabalho do ator. É sempre um mito ou uma cobaia. Na verdade, a questão do ator compositor não substitui a sensibilidade e a subjetividade, é impossível mas eu acho que busca lidar com aspectos que são concretos. É um material objetivo de reflexão sobre o trabalho do ator.

Mesmo porque entre a reflexão a prática há uma distância muito grande.

MB:É eu vejo o ator compositor enquanto alguém que se propõe a refletir a própria prática, sem intelectualizar "a priori" a própria prática. Uma outra questão que o livro se propõe a refletir é a questão da personagem. Se você observar a dramaturgia contemporânea, vai ver que não existe mais a proposta de uma fábula, personagens que têm uma unidade psicológica, não existe referência de tempo ou espaço. Na maioria das vezes são fluxos de discursos abertos. Como traduzir cenicamente isso e que tipo de ser ficcional é esse que não é um tipo e nem indivíduo. Então comecei a pensar que para construir este ser ficcional você precisa ser um ator compositor que compõe estes seres a partir de diferentes referências teatrais. Cada momento deste ser pode exigir uma referência diferente e a ação física é o eixo.

Como você vê a questão da pesquisa para o ator no Brasil?

MB:Cada vez mais as pessoas estão se dando conta que existe um campo de saber na arte. O trabalho do ator pode ser um objeto de conhecimento. Claro que a mídia ainda faz prevalecer o banal. Mas a realidade é aquilo que insiste, existem grupos de pesquisa que estão conseguindo conquistar um espaço como o LUME, o Teatro da Vertigem, o meu grupo, ARS Teatro com direção da Beth Lopes. Aos poucos vamos ganhando um certo espaço, num certo tipo de mídia e também verbas e patrocínios. Embora ainda seja pequeno perto de um grande espetáculo comercial. O problema é que não há um mercado no Brasil e poucas pessoas se propõe a pesquisar e entender o trabalho do ator. Existe por parte da maioria dos atores uma auto- piedade, uma postura de alguém que está esperando uma oportunidade. Aqui os atores têm uma dificuldade enorme de refletir sobre o próprio trabalho, escrever sobre ele. Há ainda um preconceito em relação a necessidade da pesquisa e da formalização dela. São poucos os atores que se propõe a ser de fato pesquisadores. Tudo isso envolve muito tempo. Temos que pensar também que existem aqueles que desenvolvem uma pesquisa e os que dizem desenvolver.

A pesquisa fica difícil num contexto em que não há uma infra-estrutura física e até financeira?

MB:Eu acho que o que mais propicia o desenvolvimento de uma pesquisa é a fundamentação dela. A infra estrutura é um problema mas quanto voc6e tem uma pesquisa fundamentada, há uma certa ressonância entre as pessoas do grupo quanto as pessoas que podem oferecer condições para o desenvolvimento desta pesquisa. O que acontece é que as pesquisas são pouco fundamentadas. Isso vem desde o problema da formação que enfrentamos aqui. Na Europa, a formação exige um embasamento cultural, um conhecimento de filosofia, antropologia.

Você acha que a pesquisa é acessível ao público?

MB:Eu acho complicado, chega em determinado público, tem a ver com a formação de quem você está dialogando. É complicado quando a referência ainda é a televisão e você se propor a tentar construir uma brecha com uma forma de arte que se expressa de uma maneira diferente e que sensibilize e que exige uma outra forma de participação, não só intelectual, mas sensível e perceptível. A maioria do público ainda é muito preguiçoso e com referências culturais muito pobres. Por exemplo, eu ganhei uma bolsa e fui para Nova York, com preconceito como todas as pessoas de esquerda, mas me surpreendeu como as pessoas precisam fruir e pensar teatro. E eu achei que ia encontrar só musicais e há todos os tipos de teatro e público para todos eles. Acho que não dá também para pensar o teatro comercialmente, não dá para pensar em se atingir um público alvo. Existem muitos tipos de teatro mas alguns deles te proporcionam mais do que um entretenimento. Te proporciona uma experiência transformadora, não só política mas também sensível e perceptível.

O Matteo ator está satisfeito com o Matteo autor?

MB:Acho estranho ver meu nome numa livraria, na capa de um livro, não me penso como autor mas o grande mérito deste trabalho é ser uma reflexão que pode contribuir para pensar que a atuação é um objeto de conhecimento. Além de ser um modelo de se pensar o ator como compositor.

Quais são os próximos planos?

MB:Estou desenvolvendo uma pesquisa sobre o trabalho do ator no Teatro do Peter Brook. Em setembro vou para a Inglaterra e também vou acompanhar o trabalho do grupo em Paris. O que é muito legal é que mesmo tendo publicado um livro, saber que não termina ali, não se esgota. A atuação é um campo tão vasto, infinito porque você lida com o homem e você pensar o homem é você pensar em psicologia, ciências cognitivas, antropologia, filosofia, é um campo inesgotável. O livro não é um ponto final, estático. É uma pesquisa complementar.

- O livro é dirigido há algum público específico?

MB:Atores, artistas e pesquisadores que lidam com a questão da composição. Diretores que pudessem sentir a necessidade de refletir o trabalho do ator. Pesquisadores de estática teatral e curiosos que admirem o trabalho do ator e não entendem os mecanismos. Claro que o livro não esgota isso mas esclarece alguns pontos, repensa muitas referências.

O Ator compositor é:

MB:O cara que está disposto a antes de tudo vivenciar uma experiência no teatro para depois refletir sobre ela, mas acho que é um cara que não pode abrir mão de uma questão fundamental: o ator, por catalisar experiências humanas, é um veículo que ajuda a gente a conhecer melhor o homem.

Fale um pouco sobre as peças do grupo ARS:

MB:A gente está com um repertório de três peças: "Em Lugar algum" que foi construído a partir do texto 'Tempo de despertar" de Oliver Sachs que apresentamos num festival em Edimburgo na Escócia, "Descartes" que foi um txto adaptado pelo Fernando Bonassi e "Silêncio" de Peter Handke que ficou em cartaz em 2000 2 2001, foi para o Chile e que iremos apresentar na França no próximo semestre.

Apêndice:

O Livro :"O Ator compositor" de Matteo Bonfitto foi publicado pela editora Perspecticva e já está a venda em todas as livrarias. Aos interessados, boa leitura!


Rennata Airoldi
São Paulo, 17/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cleópatra, a rainha enigmática de Gian Danton
02. A crítica e o custo Brasil de Julio Daio Borges
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard de Bruno Garschagen


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Saudosismo - 10/7/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
05. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Que é Ideologia - Coleção Primeiros Passos
Marilena Chaui
Brasiliense
(1989)



Processo Penal para Concursos de Tecnico e Analista
Leonardo Barreto Moreira Alves
Juspodivm
(2016)



Geracao T. E. E. N. Transei e Esqueci o Nome
Marty Beckerman
Ediouro
(2005)



Liberdade Perigosa
Bradford Smith
Itatiaia
(1966)



Ciência Tecnologia Teologia
João Vieira Martins (2ª Edição)
Marques Saraiva
(2000)



Golfe - Dicas e Segredos 2ª Edição
Jaime Bernardes
Nobel (sp)
(2007)



Ruby on Rails Desenvolvimento Fácil e Rápido de Aplicação Webruby on R
Rodrigo Urubatan
Novatec
(2009)



Luzes do Passado
Leonardo Rásica
Vida & Consciência



Torture and the Twilight of Empire: From Algiers to Baghdad
Marnia Lazreg
Princeton University Press
(2008)



Investigacion de Operaciones Problemas Principios Metodologia
Elena S. Ventsel
Mir
(1983)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês