Ser ou não Ser | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/6/2002
Ser ou não Ser
Rennata Airoldi

+ de 2000 Acessos

Nesta última semana, o teatro de São Paulo recebeu um enorme presente. Foi a passagem da companhia de Peter Brook, trazendo para cena a tragédia de William Shakespeare: "HAMLET". Peter Brook é um dos mais admirados diretores de teatro do mundo. O trabalho de sua companhia é desenvolvido desde 1970, em Paris, no Centre International de Recherche Théâtrale - CIRT (Centro Internacional de Pesquisa Teatral), no teatro Bouffes du Nord. Em sua sede na França, Brook reúne atores de diversas nacionalidades, o que possibilita um imenso intercâmbio cultural.

Falar de Peter Brook para alguém que faz parte da classe teatral é o mesmo que falar do Papa para um sacerdote. (Isso para os leitores que nunca ouviram falar em seu nome.) Mas não importa nome ou nacionalidade, o que é inquestionável aqui é a qualidade de seu trabalho. Todos que estiveram no SESC Vila Mariana assistindo a peça "HAMLET", hão de concordar comigo.

Quando pensamos em Shakespeare, ou melhor, nas suas tragédias, sempre nos vêm imagens de uma outra época e de sofrimentos sem fim. Certo? Errado. A montagem de Brook é surpreendentemente leve, irônica, inteligente e contemporânea. No palco, poucos elementos, que se transformam e se desdobram em múltiplas funções. Aqui o pouco é o suficiente. O trabalho de direção é totalmente voltado para o ator. Ele é que preenche todo o espaço e, nesse espetáculo, os atores estão brilhantes!

O principal é que o requinte e a sofisticação estão justamente na simplicidade. A princípio, pode-se pensar que essa tragédia está longe ser uma experiência atual, mas, ao assistir à montagem me pergunto: existe alguma história que envolva tanto a alma humana e que participe mais da sua vida em todos os tempos? Não. Na verdade, o problema reside somente em como dizer, como transformar e adaptar um texto para a realidade atual. E o que vi foi uma peça que trata do Homem, que se questiona, que questiona a lealdade, a existência. Ser ou não Ser! Eis a questão!

Assim, pode-se dizer que qualquer espectador, sendo ele leigo ou não, assimilaria tranqüilamente o conteúdo do espetáculo. Conhecendo ou não essa tragédia. Sem dúvida, é uma montagem totalmente acessível ao público em geral. Os atores falam, andam, sem "pompas" ou vestimentas exageradas. Tudo é bem comum e ao mesmo tempo, enfatiza o lúdico na manipulação dos objetos como tecidos, almofadas, que dispostos de diferentes formas, sugerem situações e lugares, substituindo qualquer forma de "cenário" mais grandiosa. (Que aqui, não teria a mínima função.)

A linguagem da peça é a linguagem da vida. É a essência, mais uma vez, em cena. A nova era do teatro, sem dúvida nenhuma, é a era do ator. Um trabalho minucioso e detalhista que faz com que a presença física em cena preencha o espaço; não é necessário fazer uso de uma série de "parafernálias" cênicas. Não há muletas para o ator. Não há subterfúgios. Só está presente o que realmente importa.

Há muito, em minhas colunas, venho batendo nessa mesma tecla. Às vezes, sinto que escrevo sempre a mesma coisa, mas é inevitável! Falar da necessidade ímpar da presença do ator em cena, sem "maneirismos" ou exageros, é falar na forma de traduzir a nossa arte universal. Apenas verdade e simplicidade. Como na vida! O que nos comove em, nosso cotidiano, é o mesmo que nos comove ao assistir uma peça, um filme, ao ouvir uma boa música... A essência da alma humana. O sentimento contido na obra e as sensações decorrentes dela.

Sem dúvida, durante muito tempo, a peça "HAMLET", dirigida e adaptada por Peter Brook, interpretada de maneira impecável por toda a companhia, será uma referência para os grupos, atores e diretores de São Paulo. Aos que não assistiram: na próxima oportunidade, não deixem de prestigiar o trabalho desse "Papa" do teatro contemporâneo. E não é preciso pertencer à classe teatral para prestigiar a vinda de grandes grupos e de diretores estrangeiros. Basta gostar de Teatro!

Dessa forma, não vamos deixar de aproveitar a grandiosidade desta "Megalópole Cultural", que nos permite ilustres visitas! Prestigiar as iniciativas de órgãos como o SESC, o Consulado Geral da França, a Aliança Francesa que, nesse caso, tornaram possível esse intercâmbio cultural.

E, acima de tudo, vale lembrar que "HAMLET" não é um jovem da Dinamarca, é um jovem do mundo! Não importa se é branco, japonês ou negro, como nessa montagem. A matéria do qual nosso corpo é composto é sempre a mesma. Assim, na dor e na alegria, no fundo, somos todos iguais ou, no mínimo, muito parecidos.


Rennata Airoldi
São Paulo, 19/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A nova queda da Bastilha de Gian Danton
02. O Brasil é carioca de Luiz Rebinski Junior
03. Ascensorista para o arranha-céu da literatura de Vicente Escudero
04. Festival U Can Move It de Camila Martucheli
05. As Meditações de Marcus Aurelius de Ricardo de Mattos


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Saudosismo - 10/7/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
05. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário da Corte - Crônicas do Maior Polemista da Imprensa ...
Paulo Francis
Três Estrelas
(2012)



Pato Donald N 2143
Editora Abril
Abril



Como Se Preparar para o Exame de Ordem - 11 Ambiental
Fernanda Luiza e Marcelo Hugo
Método
(2015)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 214
Pini
Pini



Devaneios Sobre a Atualidade do Capital
Clóvis de Barros Filho, Gustavo F. Dainezi
Sanskrito
(2014)



O que é psicologia
Maria Luiza S. Teles
Brasiliense
(1994)



A Profecia Celestina
James Redfield
Fontanar
(2009)



Dicionário do Antiquariato
Codex
Codex
(1968)



O Sócio
John Grisham
Rocco
(1997)



O Que São Direitos Humanos
João Ricardo W. Dornelles
Brasiliense
(2013)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês