Marcas da escrita | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
>>> Ribamar, de José Castello
>>> Whoopee
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Os Romances de Mainardi
Mais Recentes
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Guida Allo Studio Della Linguistica Storica (i) Profilo Storico... de Benvenuto Terracini pela EdizioneDell Ateneo/ Roma (1948)
>>> Curso de direito civil brasileiro 5 volume direito da família de Maria helena diniz pela Saraiva (2000)
>>> Escola, Estado e sociedade de Bárbara freitag pela Corte (1979)
>>> Las Lenguas y los Pueblos Indoeuropeos - Con Mapas En Colores de P. Kretschmer y B. Hrozný pela Madrid (1934)
>>> La Parola Quale Mezzo D Espressione de Vittorio Bertoldi pela Raffaele Pironte & Figli/ Ital (1946)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini...Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini: Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> O Abismal de Maria Helena Nóvoa pela Melhoramentos/ Bienal Nestlé (1986)
>>> Prática dos registros públicos de Ozeias J. Santos pela Fapi (2007)
>>> Fordlândia de Eduardo Sguiglia pela Iluminuras (1997)
>>> Não Verás Nenum País Como Este: Um Relato Cronlógico da Violência e do Arbítrio - A Censura, As Negociatas, a Corrupção Impune de Sebastião Pereira da Costa pela Record/ RJ. (1992)
>>> Novo Código civil explicado e aplicado ao processo 2 volumes de Wilson Gianulo pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Novo dicionário de economia de Organização; Paulo Sandroni pela Best Seller (1998)
>>> Um Velho Velhaco e Seu Neto Bundão de Lourenço Cazarré pela Atual/ Sp. (1993)
>>> A Vingança do Timão de Carlos Moraes pela Brasiliense/ SP (1982)
>>> Um Herege Vai ao Paraíso: Cosmologia de um Ex- Colono Condenado P/ Inquisição (1680-1744) de Plínio Freire Gomes pela Companhia das Letras/SP. (1997)
>>> Sociedade pós-capitalista de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
>>> Um Chute na Rotina: os Quatro Papéis Essenciais do Processo Criativo de Roger Von Oech/ Ilustr. C. Scatamacchia pela Cultura Editores Associados (1998)
>>> Um Toc na Cuca: Técnicas para quem quer Ter Mais Criatividade na Vida de Roger Von Oech/ Ilustr. C. Scatamacchia pela Cultura Ed. Associados (1990)
>>> A filosofia na obra de Machado de Assis de Miguel Reale pela Pioneira (1982)
>>> La Rose du Peuple - La poésie de Carlos Drummond de Andrade de Dionysio Toledo- Wander Mello de Miranda- Celso Libânio (orgs.) pela Ufmg (2019)
>>> Cristianismo e Espiritismo de Léon Denis pela Feb (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 2/7/2002
Marcas da escrita
Bruno Garschagen

+ de 3100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Escrever sempre deixa marcas. É um turbilhão de essências, ora sulfurosas ora inodoras. Cada texto arranca um naco de existência. Aos poucos, a imagem do escritor sai de cena sem agradecer a platéia deixando impressas sem pudor suas dores ornadas de adjetivos. Cada frase denuncia a parte do corpo mutilada, o pedaço que se esvai para ampliar-se no altar das letras idôneas.

Não há recomposição física. Escreve-se, escreve-se até a extinção do corpo pela palavra. Talvez por isso, num exercício fantasioso de imaginação, Sócrates preferisse conversar a escrever. Mas sem Platão, que nunca saberemos até que ponto nos legou fielmente o pensamento de seu mestre, as idéias perderiam a batalha contra o vento. "Lolita tem fama, eu não. Eu sou um romancista obscuro, duplamente obscuro, com um nome impronunciável", declarou Vladimir Nabokov (1899-1977).

O fervor pela literatura só traz recompensas futuras. O tempo, para o escritor, resta imune ao relógio: os dias demoram semanas. Como se a mão mágica do poeta conduzisse sorrateiramente os ponteiros no sentido contrário a cada hora badalada. Blaise Cendrars (1887-1961) tinha o trabalho como uma praga, e exatamente por isso, jamais fazia dele um hábito. "Não tenho nenhum método de trabalho. Experimentei um, funcionou, mas isso não é motivo para me ater a ele pelo resto da vida. Tenho mais o que fazer na vida, além de escrever livros".

Escrever nos conduz à fina linha que abisma entre o tormento e o prazer. Não acredito em textos incapazes de violentar seu autor no momento em que são expelidos. E também não considero todos os escritores uns desgraçados, como queria Virginia Woolf (1882-1941), sob o argumento de que as pessoas sem palavras é que são felizes. O escritor é o artesão que ao final do dia calcula sem pressa as assinaturas que o formão aplica nos dedos. Ao reverso do carrasco, quem escreve não afaga a insensibilidade para tornar palatável seu ofício. É capaz de chorar sofregamente enquanto acaricia um escorpião escarlate.

Ordenar o caos das idéias é como cavalgar Valquírias. Entregar-se sabendo que quebrar o pedestal na queda é mais fácil do que forjar um muro, como fez Dylan Thomas (1914-1953), com estrofes como a de "Não entre nessa noite acolhedora com doçura". Quem escreve empunha um arco, mira e acerta às risadas a testa do tolo que sustinha a maçã.

O escritor vive num tormento, físico ou existencial. Caminha lentamente sobre a linha de arame farpado de ouro falsificado. Escrever é purgar os sofrimentos. Quem o faz, consagra a vida numa outra esfera de liberdade. Está isento, por isso, do julgamento do homem médio, e até do seu. Sua moral é de outra espécie; suas falhas de outro gênero; suas virtudes, sem família. "Se um escritor tiver que roubar a sua mãe, não hesitará: 'Ode a uma urna grega' (de John Keats, 1795-1821) vale mais do que qualquer punhado de velhas", torpedeou William Faulkner (1897-1962), para quem a única responsabilidade do escritor era para com sua arte. "Será inteiramente desapiedado se for um bom escritor. Tem um sonho. Isso o angustia tanto que ele tem que se livrar dele. Não tem paz até então. O resto vai por água abaixo: honra, orgulho, decência, segurança, felicidade, tudo, para que o livro seja escrito".

Se essas considerações hiperbólicas soam pretensiosas a um aspirante a escritor, se apresentam com mais sabor quando ditas pelos que romperam a fronteira do anonimato literário. É o que surge à leitura de "Os escritores - As históricas entrevistas da Paris Review" (Companhia das Letras, 2 volumes), mais que um livro, um sorvete de flocos com pedaços de castanha.

A turma esta toda lá: Philip Roth, Vladimir Nabokov, T. S. Eliot, William Faulkner, Blaise Cendrars, William Burroughs, Anthony Burguess, Ezra Pound, Gabriel García Márquez, Jorge Luís Borges, Christopher Isherwood, Saul Bellow, Mariane Moore, Evelyn Waugh, Kurt Vonnegut Jr., E. M. Foster, Isak Dinesen, John do Passos, W. H. Auden, Gore Vidal, Henry Miller, Isaac Bashevis Singer, William Carlos Williams, John Cheever, Jack Kerouac, Georges Simenon, Jean Cocteau, Louis-Ferdinand Céline, Bernard Malamud, Milan Kundera, Ernest Hemingway, Nadine Gordimer, Dorothy Parker. As entrevistas formam um caldeirão de confidências, depoimentos, erudição, lugares-comuns, achados, vaidades, inteligência. Tudo deliciosamente disposto ao prazer intelectual. Foram publicadas originalmente na The Paris Review, que pretendia ser a revista intelectualizada mas agradável de se ler. Era a publicação feita por e para os americanos de Paris, nos conta o jornalista Sérgio Augusto, que prefacia a coletânea pincelando a história da publicação da segunda geração perdida que se tornou famosa pelas mais importantes, vivas e reveladoras entrevistas com escritores, poetas e intelectuais desde o primeiro número naquele ano de 1953.

"Os escritores - As históricas entrevistas da Paris Review" deve ficar sempre à mão, como aqueles livrinhos da sabedoria. Para consulta diária nos trechos que lhes causarem maior satisfação. Não se trata de um manual do escritor, mas os toques que tilintam pelas páginas ampliam a compreensão desse ofício tão invejado quanto doloroso. Faulkner é irresistível como entrevistado e Ezra Pound (1885-1972) divide com T. S. Eliot (1888-1965) o prato mais denso e gorduroso do menu. Mesmo assim, estimula a resposta de Pound sobre qual conselho daria aos jovens escritores: "Que aprimorem sua curiosidade e que não tapeiem. Mas isso não é o bastante. O mero registro de dor de barriga e o mero despejar da lata de lixo não são o bastante".

Um dos grandes sofrimentos de quem escreve é conciliar os estalos de criatividade, a necessidade e o tempo dedicado a escrever. Por isso, é bom saber que, apesar de Eliot estar num degrau superior da poesia, é possível ter uma rotina semelhante à dele. "Descobri que três horas por dia é mais ou menos o que consigo fazer, em termos de criação. Posso revisar, quem sabe, mais tarde. Às vezes eu tinha vontade de continuar, mas, quando olhava a coisa no dia seguinte, o que eu escrevera depois de terminadas as três horas nunca era satisfatório. É muito melhor parar e pensar em alguma coisa completamente diferente".

Pode-se encontrar no livro desde o processo de criação de cada escritor às suas veleidades, excentricidades e incertezas absolutas. Para Saul Bellow, o romancista tem que atravessar um território muito enlameado e barulhento antes de chegar a uma conclusão pura. Em relação aos poetas, disse, está mais exposto aos detalhes da vida. Já Jorge Luis Borges (1899-1986), ponderava que o escritor deveria ser julgado pelo prazer que proporciona e pelas emoções que se obtém, não por suas idéias políticas. Mas é inegável, porém, a importância de escritores engajados como Jean-Paul Sartre (1908-1980), na formação intelectual de parte de uma geração. Também encontrarão perguntas enfadonhas e entrevistadores que sabem muito e, por isso, querem dançar sobre o túmulo do interlocutor antes do cortejo, do velório, antes até mesmo da morte. Relevem. Compensa.

"Escritores" traz contrapontos, reflexões, sandices, provocações. "De vez em quando tenho em mente um leitor anti-Roth. Penso: 'como ele vai detestar isso!'. Esse pode ser exatamente o incentivo de que preciso", confessou Philip Roth. São provocações para reflexão e debate. Ou, simplesmente, para abrir janelas.

Assim, numa espiada mais detida, pode-se confirmar: quem escreve nunca é inocente. Nem deseja absolvição.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 2/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Wunderteam de Celso A. Uequed Pitol
02. O Jagunço degolado de Wellington Machado
03. Humor x Desamparo de Carla Ceres
04. Anos 90, lado B de Noah Mera
05. Uma defesa de Juno de Giovana Breitschaft


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/7/2002
08h54min
Prezado Bruno: Seu texto está muito bom, mas comete uma falha que só um fã de Yeats e de Dylan Thomas perceberia: Yeats não escreveu o verso e o poema "“Não entre nessa noite acolhedora com doçura” (Do Not Go Gentle Into That Good Night), e sim Dylan Thomas. A não ser que se trata de um poema com o mesmo título - o que acho improvável -, é bom sempre distinguir entre o grande Yeats e um de seus aprendizes. No mais, parabéns pelo texto e não desista. Abraços Martim
[Leia outros Comentários de Martim Vasques]
2/7/2002
14h23min
Caro Vasques, obrigado por descobrir minha grave falta. Claro, "Do Not Go Gentle Into That Good Night" é do inglês Dylan Thomas, do qual tenho "Dylan Thomas: Collected Poems, da Orion Publishing Co. Uma elegia fantástica ao pai doente. Minha falta, embora imperdoável, pode ser explicada: inicialmente, eu iria colocar o poema "Em Memória de W. B. Yeats", outro texto belíssimo, mas depois troquei e me perdi por falta de atenção. Obrigado pela leitura e mensagem.
[Leia outros Comentários de Bruno Garschagen]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ENGLISH WAY 17 8889
DIVERSOS
ABRIL
R$ 10,00



MARCEL PROUST PARA ALÉM DAS MADELEINES
MICHELLE JACOB
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



A ÁGUA E OS SERES VIVOS
MASSAO HARA
SCIPIONE
(1990)
R$ 19,90
+ frete grátis



AS MUTAÇÕES DO CINEMA NO TEMPO DO VÍDEO
MANUEL CARVALHEIRO
LIVROS HORIZONTE
(1989)
R$ 47,77



26 GRANDES MESTRES DA LITERATURA POLICIAL
ROSS PYNN
EDITORIAL IBIS
(1965)
R$ 60,00



SIPHILIS - MOLÉSTIA E TERMO - ATRAVÉS DA HISTÓRIA
AFRANIO DO AMARAL
INSTITUTO NACIONAL DO LIVRO
(1959)
R$ 39,00



EL MANIERISMO
ARNOLD HAUSER
EDICIONES GUADARRAMA
(1965)
R$ 13,30



ESTUDO AMBIENTAL DE UMA ÁREA DE MANGUEZAL NO MUNICÍPIO DE BRAGANÇA(PA)
IVAN C. DA C. BARBOSA, REGINA C. S. MÜLLER UND JOSÉ F. BERRÊDO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



A GRANDE DESCOBERTA - NOVO TESTAMENTO VIVO
CEMEAR
CEMEAR
(1994)
R$ 5,00



A VERSÃO DE BARNEY
MORDECAI RICHLER
CIA DAS LETRAS
(2008)
R$ 12,00





busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês