Marcas da escrita | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS

Terça-feira, 2/7/2002
Marcas da escrita
Bruno Garschagen

+ de 3200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Escrever sempre deixa marcas. É um turbilhão de essências, ora sulfurosas ora inodoras. Cada texto arranca um naco de existência. Aos poucos, a imagem do escritor sai de cena sem agradecer a platéia deixando impressas sem pudor suas dores ornadas de adjetivos. Cada frase denuncia a parte do corpo mutilada, o pedaço que se esvai para ampliar-se no altar das letras idôneas.

Não há recomposição física. Escreve-se, escreve-se até a extinção do corpo pela palavra. Talvez por isso, num exercício fantasioso de imaginação, Sócrates preferisse conversar a escrever. Mas sem Platão, que nunca saberemos até que ponto nos legou fielmente o pensamento de seu mestre, as idéias perderiam a batalha contra o vento. "Lolita tem fama, eu não. Eu sou um romancista obscuro, duplamente obscuro, com um nome impronunciável", declarou Vladimir Nabokov (1899-1977).

O fervor pela literatura só traz recompensas futuras. O tempo, para o escritor, resta imune ao relógio: os dias demoram semanas. Como se a mão mágica do poeta conduzisse sorrateiramente os ponteiros no sentido contrário a cada hora badalada. Blaise Cendrars (1887-1961) tinha o trabalho como uma praga, e exatamente por isso, jamais fazia dele um hábito. "Não tenho nenhum método de trabalho. Experimentei um, funcionou, mas isso não é motivo para me ater a ele pelo resto da vida. Tenho mais o que fazer na vida, além de escrever livros".

Escrever nos conduz à fina linha que abisma entre o tormento e o prazer. Não acredito em textos incapazes de violentar seu autor no momento em que são expelidos. E também não considero todos os escritores uns desgraçados, como queria Virginia Woolf (1882-1941), sob o argumento de que as pessoas sem palavras é que são felizes. O escritor é o artesão que ao final do dia calcula sem pressa as assinaturas que o formão aplica nos dedos. Ao reverso do carrasco, quem escreve não afaga a insensibilidade para tornar palatável seu ofício. É capaz de chorar sofregamente enquanto acaricia um escorpião escarlate.

Ordenar o caos das idéias é como cavalgar Valquírias. Entregar-se sabendo que quebrar o pedestal na queda é mais fácil do que forjar um muro, como fez Dylan Thomas (1914-1953), com estrofes como a de "Não entre nessa noite acolhedora com doçura". Quem escreve empunha um arco, mira e acerta às risadas a testa do tolo que sustinha a maçã.

O escritor vive num tormento, físico ou existencial. Caminha lentamente sobre a linha de arame farpado de ouro falsificado. Escrever é purgar os sofrimentos. Quem o faz, consagra a vida numa outra esfera de liberdade. Está isento, por isso, do julgamento do homem médio, e até do seu. Sua moral é de outra espécie; suas falhas de outro gênero; suas virtudes, sem família. "Se um escritor tiver que roubar a sua mãe, não hesitará: 'Ode a uma urna grega' (de John Keats, 1795-1821) vale mais do que qualquer punhado de velhas", torpedeou William Faulkner (1897-1962), para quem a única responsabilidade do escritor era para com sua arte. "Será inteiramente desapiedado se for um bom escritor. Tem um sonho. Isso o angustia tanto que ele tem que se livrar dele. Não tem paz até então. O resto vai por água abaixo: honra, orgulho, decência, segurança, felicidade, tudo, para que o livro seja escrito".

Se essas considerações hiperbólicas soam pretensiosas a um aspirante a escritor, se apresentam com mais sabor quando ditas pelos que romperam a fronteira do anonimato literário. É o que surge à leitura de "Os escritores - As históricas entrevistas da Paris Review" (Companhia das Letras, 2 volumes), mais que um livro, um sorvete de flocos com pedaços de castanha.

A turma esta toda lá: Philip Roth, Vladimir Nabokov, T. S. Eliot, William Faulkner, Blaise Cendrars, William Burroughs, Anthony Burguess, Ezra Pound, Gabriel García Márquez, Jorge Luís Borges, Christopher Isherwood, Saul Bellow, Mariane Moore, Evelyn Waugh, Kurt Vonnegut Jr., E. M. Foster, Isak Dinesen, John do Passos, W. H. Auden, Gore Vidal, Henry Miller, Isaac Bashevis Singer, William Carlos Williams, John Cheever, Jack Kerouac, Georges Simenon, Jean Cocteau, Louis-Ferdinand Céline, Bernard Malamud, Milan Kundera, Ernest Hemingway, Nadine Gordimer, Dorothy Parker. As entrevistas formam um caldeirão de confidências, depoimentos, erudição, lugares-comuns, achados, vaidades, inteligência. Tudo deliciosamente disposto ao prazer intelectual. Foram publicadas originalmente na The Paris Review, que pretendia ser a revista intelectualizada mas agradável de se ler. Era a publicação feita por e para os americanos de Paris, nos conta o jornalista Sérgio Augusto, que prefacia a coletânea pincelando a história da publicação da segunda geração perdida que se tornou famosa pelas mais importantes, vivas e reveladoras entrevistas com escritores, poetas e intelectuais desde o primeiro número naquele ano de 1953.

"Os escritores - As históricas entrevistas da Paris Review" deve ficar sempre à mão, como aqueles livrinhos da sabedoria. Para consulta diária nos trechos que lhes causarem maior satisfação. Não se trata de um manual do escritor, mas os toques que tilintam pelas páginas ampliam a compreensão desse ofício tão invejado quanto doloroso. Faulkner é irresistível como entrevistado e Ezra Pound (1885-1972) divide com T. S. Eliot (1888-1965) o prato mais denso e gorduroso do menu. Mesmo assim, estimula a resposta de Pound sobre qual conselho daria aos jovens escritores: "Que aprimorem sua curiosidade e que não tapeiem. Mas isso não é o bastante. O mero registro de dor de barriga e o mero despejar da lata de lixo não são o bastante".

Um dos grandes sofrimentos de quem escreve é conciliar os estalos de criatividade, a necessidade e o tempo dedicado a escrever. Por isso, é bom saber que, apesar de Eliot estar num degrau superior da poesia, é possível ter uma rotina semelhante à dele. "Descobri que três horas por dia é mais ou menos o que consigo fazer, em termos de criação. Posso revisar, quem sabe, mais tarde. Às vezes eu tinha vontade de continuar, mas, quando olhava a coisa no dia seguinte, o que eu escrevera depois de terminadas as três horas nunca era satisfatório. É muito melhor parar e pensar em alguma coisa completamente diferente".

Pode-se encontrar no livro desde o processo de criação de cada escritor às suas veleidades, excentricidades e incertezas absolutas. Para Saul Bellow, o romancista tem que atravessar um território muito enlameado e barulhento antes de chegar a uma conclusão pura. Em relação aos poetas, disse, está mais exposto aos detalhes da vida. Já Jorge Luis Borges (1899-1986), ponderava que o escritor deveria ser julgado pelo prazer que proporciona e pelas emoções que se obtém, não por suas idéias políticas. Mas é inegável, porém, a importância de escritores engajados como Jean-Paul Sartre (1908-1980), na formação intelectual de parte de uma geração. Também encontrarão perguntas enfadonhas e entrevistadores que sabem muito e, por isso, querem dançar sobre o túmulo do interlocutor antes do cortejo, do velório, antes até mesmo da morte. Relevem. Compensa.

"Escritores" traz contrapontos, reflexões, sandices, provocações. "De vez em quando tenho em mente um leitor anti-Roth. Penso: 'como ele vai detestar isso!'. Esse pode ser exatamente o incentivo de que preciso", confessou Philip Roth. São provocações para reflexão e debate. Ou, simplesmente, para abrir janelas.

Assim, numa espiada mais detida, pode-se confirmar: quem escreve nunca é inocente. Nem deseja absolvição.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 2/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. occupytheoffice de Lisandro Gaertner
02. Uma defesa de Juno de Giovana Breitschaft
03. Rubem Braga e eu de Rafael Lima
04. I do not want this de Daniela Castilho
05. Votos Úteis de Lisandro Gaertner


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/7/2002
08h54min
Prezado Bruno: Seu texto está muito bom, mas comete uma falha que só um fã de Yeats e de Dylan Thomas perceberia: Yeats não escreveu o verso e o poema "“Não entre nessa noite acolhedora com doçura” (Do Not Go Gentle Into That Good Night), e sim Dylan Thomas. A não ser que se trata de um poema com o mesmo título - o que acho improvável -, é bom sempre distinguir entre o grande Yeats e um de seus aprendizes. No mais, parabéns pelo texto e não desista. Abraços Martim
[Leia outros Comentários de Martim Vasques]
2/7/2002
14h23min
Caro Vasques, obrigado por descobrir minha grave falta. Claro, "Do Not Go Gentle Into That Good Night" é do inglês Dylan Thomas, do qual tenho "Dylan Thomas: Collected Poems, da Orion Publishing Co. Uma elegia fantástica ao pai doente. Minha falta, embora imperdoável, pode ser explicada: inicialmente, eu iria colocar o poema "Em Memória de W. B. Yeats", outro texto belíssimo, mas depois troquei e me perdi por falta de atenção. Obrigado pela leitura e mensagem.
[Leia outros Comentários de Bruno Garschagen]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O INCRÍVEL TESTAMENTO DE DOM AGAPITO
HÉLDER MOURA
CHIADO
(2012)
R$ 27,00



L´HOMME DE LONDRES
GEORGES SIMENON
PRESSES DE LA CITÉ
(2004)
R$ 40,00
+ frete grátis



MAYA
JOSTEIN GAARDER
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 12,00



PRODUÇÃO DE TEXTOS E USOS DA LINGUAGEM - CURSO DE REDAÇÃO
SAMIRA YOUSSEFF CAMPEDELLI E JESUS BARBOSA SOUZA
SARAIVA
(1999)
R$ 6,95



GÊMEOS NÃO SE AMAM
ROBERT LUDLUM
RECORD
(1976)
R$ 4,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE JUNHO DE 1964
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1964)
R$ 7,00



A CRIANÇA ALUCINADA
RENÉ JEAN CLOT
PAZ E TERRA
(1989)
R$ 21,82



A ARANHA, A DOR DE CABEÇA E OUTRAS MALES QUE ASSOLAM O MUNDO
FERNANDA LOPES DE ALMEIDA
ÁTICA
(2005)
R$ 8,70



BALAS DE ESTALO E CRITICA
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
R$ 5,00



THE GREEN CITY INDEX: A SUMMARY OF THE GREEN CITY INDEX RESEARCH SERIE
SIEMENS AIG
SIEMENS
(2012)
R$ 25,82





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês