Pão, circo e sedução | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Renato Morcatti transita entre o público e o íntimo na nova exposição “Ilê da Mona”
>>> Site WebTV publica conto de Maurício Limeira
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Em 2016, pare de dizer que você tem problemas
>>> O Direito mediocrizado
>>> Carma & darma
>>> Carlos H Lopes de chapéu novo
>>> Três paredes e meia
>>> All That Jazz
>>> A proposta libertária
>>> It’s only rock’n’roll but I like it
>>> Maurice
>>> Diversões
Mais Recentes
>>> Panorama da Literatura de Flávio Aguiar pela Nova Cultural (1988)
>>> Drácula: O vampiro da noite de Bram Stoker pela Martin Claret (2008)
>>> Arquiteto a Máscara e a Face de Paulo Bicca pela Projeto (1984)
>>> Jonas Assombro de Carlos Nejar pela Novo Século (2008)
>>> A Construção da Cidade Brasileira de Manuel C. Teixeira (Coord.) pela Livros Horizonte (2004)
>>> Ayurveda: A Ciência da Longa Vida de Dr. Edson Antônio D'angelo & Janner Rangel Côrtes pela Madras (2015)
>>> Macunaíma (o heróis sem nenhur caráter) de Mário de Andrade pela Círculo do Livro
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (1993)
>>> Relações Sociais E Serviço Social No Brasil: Esboço de Uma Interpretação Histórico-metodológica - 41ª Edição (7ª Reimpressão) de Marilda Villela Iamamoto & Raul de Carvalho pela Cortez (2018)
>>> Lima Barreto: o rebelde imprescindível de Luiz Ricardo Leitão pela Expressão Popular (2006)
>>> A Batalha das Rainhas de Jean Plaidy pela Record (1978)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo de Erico Verissimo pela Círculo do Livro
>>> O Livro de San Michele de Axel Munthe pela Círculo do Livro
>>> O Espião Que Morreu de Tédio de George Mikes pela Círculo do Livro
>>> O Santo Inquérito - Coleção Prestígio de Dias Gomes pela Ediouro (2004)
>>> Confissões Eróticas de Iris e Steven Finz pela Record (2001)
>>> Diários do Vampiro Vol 1 Origens Ddiários de Stepan de L. J. Smith - Kevin Williamson - Julie Plec pela Galera Record (2011)
>>> Peão da Rainha de Victor Canning pela Record (1969)
>>> Paris - uma Agenda de Bons Endereços de Elisabeth Vanzolini pela Ediouro (1998)
>>> Obras Incompletas - Coleção Os Pensadores - 2 Volumes de Friedrich Nietzsche pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaios Escolhidos - Coleção Os Pensadores de Bertrand Russell pela Nova Cultural (1992)
>>> Diálogos - Coleção Os Pensadores de Platão pela Nova Cultural (1991)
>>> Ensaio Acerca do Entendimento Humano de John Locke pela Nova Cultural (1991)
>>> Do Contrato Social e outros textos - Coleção Os Pensadores de Rousseau pela Nova Cultural (1991)
>>> Tratado da Correção do Intelecto e outros textos - Coleção Os Pensadores de Espinosa pela Nova Cultural (1991)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2002

Quinta-feira, 26/9/2002
Pão, circo e sedução
Adriana Baggio

+ de 4000 Acessos

A relação entre teatro e política é antiga. Desde a Grécia que estas duas atividades se entrelaçam, uma em benefício da outra. Um artigo da edição de agosto da revista Bravo!, "O novo teatro da política", de Renato Janine Ribeiro, resgata essa relação desde a Revolução Francesa. Renato mostra como o ator, advogado e político (que combinação!) Camille Desmoulins, incita o povo à tomada da Bastilha. No artigo, esse episódio serve para ilustrar os recursos dramáticos utilizados pelos políticos para conquistar seu o público: os eleitores.

A retórica política em vigor desde então deu a tônica da postura dos candidatos frente ao público. Voz impostada, clichês de ordem e gestos largos - recursos familiares à representação teatral - foram muito utilizados até as últimas eleições. No entanto, a campanha atual mostra que a forma de se comunicar com o público mudou. E aí entram os chamados marqueteiros, profissionais que são um misto de personnal stylists e conselheiros políticos, e que vêm atuando na formação da imagem e do posicionamento dos "atores" no palco do guia eleitoral e dos debates.

Assim como acontece com o teatro, a relação da política com a publicidade também é antiga. Uma das palavras que é comumente usada como sinônimo de publicidade - propaganda - é, na verdade, originariamente relacionada com a propagação de idéias políticas. A publicidade é uma ferramenta relacionada com a venda de produtos. Mas hoje o que se percebe é que os limites entre a propaganda - de idéias políticas - e a publicidade - de marcas e produtos - estão muito tênues. A campanha política para presidente da república está usando descaradamente as técnicas, os truques e as manhas da publicidade.

Os candidatos Lula, Serra, Ciro e Garotinho estão sendo trabalhados como verdadeiros produtos. No mercado da eleição majoritária, cada um deles está sendo posicionado de maneira a neutralizar os pontos fracos e chamar a atenção para os pontos fortes. Nesse contexto, os candidatos passaram a assumir um papel dentro de um espetáculo que mistura imagens, gestos, linguagem, com o objetivo final de convencer o eleitor.

É como se, nessa peça, cada ator tivesse um roteirista e um diretor particular. A partir da interdiscursividade do processo eleitoral constroem-se participações personalizadas. Assim como a publicidade, a campanha política passa a se apropriar de elementos da indústria cultural para melhor vender seu peixe. Na verdade, essa mudança de retórica é uma grande sacada. As pessoas já estão escaldadas em relação ao discurso político tradicional. Por outro lado, aprenderam a linguagem do mercado, da estratégia publicitária, e sentem-se confortáveis dentro deste novo paradigma cultural. Quer coisa melhor, então, do que falar a língua que o povo entende?

Dentro dessa perspectiva, as campanhas políticas estão posicionando os candidatos como verdadeiros produtos que disputam fatias de mercado. Continuando a analogia, todos os produtos têm praticamente os mesmos benefícios e atributos concretos: prometem empregos, por exemplo. O que muda é a proposta de cada um para que essa promessa seja cumprida. É como sabão em pó: todos prometem tirar as manchas, mas os recursos que serão utilizados para isso variam de um para o outro. E a gente pode perceber melhor esse processo nas campanhas de Serra e Lula.

A relação entre política e publicidade está tão forte que a linguagem da campanha de Serra, por exemplo, é metapublicitária. O carro-chefe das propostas do candidato - a criação de não sei quantos mil empregos - está sendo vendida através de verdadeiros filmes publicitários, nos moldes daquilo que a gente está acostumado a ver nos intervalos comerciais. O jingle é uma adaptação de um material criado originalmente para cerveja Bavária. O clip conta com a participação de artistas, pessoas famosas, enfim, um elenco digno de uma grande produção publicitária. É o cúmulo da influência da indústria cultural.

A personalidade do próprio José Serra foi toda trabalhada para a candidatura. A imagem do homem franzino, protótipo do intelectual sem grandes atributos físicos, com algo de doentio (por causa das constantes olheiras), ministro de uma pasta que exige pouca "virilidade", como a da Saúde, foi cuidadosamente transformada na de um homem corajoso. O histórico de Serra mostrado no guia eleitoral mostra um homem que lutou contra a ditadura, enfrentou a polícia, teve que fugir do país. Algo nos moldes do arquétipo do guerreiro, uma imagem simpática ao brasileiro, que ainda faz limitadas associações entre competência e aparência. E a mudança está dando tão certo que na vinheta de assinatura dos clips, quando o candidato parece ter sido pego de surpresa pela câmera, não tem como não se sentir um pouco seduzido pelo sorriso que Serra estampa.

Outro que precisou mudar da pinga para o vinho foi Lula. Só falta uma etiqueta adesiva colada no braço dizendo "agora em nova embalagem". Lula precisou neutralizar o que faltava em Serra. As marcas da virilidade que emanavam do sindicalista foram cuidadosamente apagadas. A barba foi aparada; o grisalho dos cabelos está sendo realçado para conferir distinção e experiência; o visual está sóbrio, clássico, como convém à imagem de um chefe de estado. Lula também mudou o tom e a impostação da voz. Ele agora fala suave, pausadamente, sem a retórica panfletária de outros tempos. Os cenários onde o candidato do PT aparece são ambientes profissionais, ou de convívio familiar. E vamos e venhamos, ele está muito mais charmoso.

Mas até que ponto as pessoas percebem os artifícios de sedução que estão sendo usados por um e outro? A teoria do comportamento do consumidor na publicidade mostra que nos deixamos seduzir pela promessa de satisfação de nossas necessidades, desde as mais básicas até as mais sofisticadas. Não há diferenças gritantes nas propostas dos candidatos. O pacote é mais ou menos o mesmo, como se as fórmulas para resolver os problemas do Brasil tivessem virado commodoties. Quando há a comoditização de produtos, procura-se trabalhar a marca, o aspecto subjetivo. E parece que é isso que está acontecendo na campanha política. Mais do que optar por uma ou outra forma de governo, a escolha dos candidatos se dará por critérios mais subjetivos. E aí, quem souber seduzir melhor ganha.


Adriana Baggio
Curitiba, 26/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
02. Os EEUU e o golpe de 64 de Humberto Pereira da Silva
03. FLIPS de Elisa Andrade Buzzo
04. Sobre Jobs e Da Vinci de Noah Mera
05. Dê-me liberdade e dê-me morte de Eduardo Mineo


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. Querido, eu me rendo - 2/5/2002


Mais Especial Eleições 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ensaios de Teodiceia: Sobre a Bondade de Deus, - 1ª Edição
G. W. Leibniz
Estação Liberdade
(2017)



Turismo e Planejamento Sustentável. A proteção do meio ambiente.
Doris Ruschmann
Papirus
(1999)



Os Seres e as Cores Nas Terras do do Sem-fim
José Carlos Capinan e Outros
Petrobrás
(1993)



Antropos e Psique - o Outro e Sua Subjetividade - 1ª Edição
Silas Guerreiro
Olho Dágua
(2000)



O Livro do Chá - 1ª Edição
Kakuzo Okakura
Estação Liberdade
(2008)



Teoria e Realidade - 1ª Edição - 2ª Reimpressão
Mario Bunge
Perspectiva
(2013)



Memórias de um fusca
Orígenes Lessa
Ediouro
(1972)



Formação do Brasil Contemporâneo - 1ª Edição
Caio Prado Jr.
Companhia das Letras
(2014)



Eu vi Onde Termina o Mar
Rosalie Gallo y Sanches
Ie
(2003)



Repertorio de Jurisprudencia Trabalhista - Vol. 9
Joao de Lima Teixeira Filho
Renovar
(2000)





busca | avançada
79919 visitas/dia
2,6 milhões/mês