Pão, circo e sedução | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2002

Quinta-feira, 26/9/2002
Pão, circo e sedução
Adriana Baggio

+ de 3800 Acessos

A relação entre teatro e política é antiga. Desde a Grécia que estas duas atividades se entrelaçam, uma em benefício da outra. Um artigo da edição de agosto da revista Bravo!, "O novo teatro da política", de Renato Janine Ribeiro, resgata essa relação desde a Revolução Francesa. Renato mostra como o ator, advogado e político (que combinação!) Camille Desmoulins, incita o povo à tomada da Bastilha. No artigo, esse episódio serve para ilustrar os recursos dramáticos utilizados pelos políticos para conquistar seu o público: os eleitores.

A retórica política em vigor desde então deu a tônica da postura dos candidatos frente ao público. Voz impostada, clichês de ordem e gestos largos - recursos familiares à representação teatral - foram muito utilizados até as últimas eleições. No entanto, a campanha atual mostra que a forma de se comunicar com o público mudou. E aí entram os chamados marqueteiros, profissionais que são um misto de personnal stylists e conselheiros políticos, e que vêm atuando na formação da imagem e do posicionamento dos "atores" no palco do guia eleitoral e dos debates.

Assim como acontece com o teatro, a relação da política com a publicidade também é antiga. Uma das palavras que é comumente usada como sinônimo de publicidade - propaganda - é, na verdade, originariamente relacionada com a propagação de idéias políticas. A publicidade é uma ferramenta relacionada com a venda de produtos. Mas hoje o que se percebe é que os limites entre a propaganda - de idéias políticas - e a publicidade - de marcas e produtos - estão muito tênues. A campanha política para presidente da república está usando descaradamente as técnicas, os truques e as manhas da publicidade.

Os candidatos Lula, Serra, Ciro e Garotinho estão sendo trabalhados como verdadeiros produtos. No mercado da eleição majoritária, cada um deles está sendo posicionado de maneira a neutralizar os pontos fracos e chamar a atenção para os pontos fortes. Nesse contexto, os candidatos passaram a assumir um papel dentro de um espetáculo que mistura imagens, gestos, linguagem, com o objetivo final de convencer o eleitor.

É como se, nessa peça, cada ator tivesse um roteirista e um diretor particular. A partir da interdiscursividade do processo eleitoral constroem-se participações personalizadas. Assim como a publicidade, a campanha política passa a se apropriar de elementos da indústria cultural para melhor vender seu peixe. Na verdade, essa mudança de retórica é uma grande sacada. As pessoas já estão escaldadas em relação ao discurso político tradicional. Por outro lado, aprenderam a linguagem do mercado, da estratégia publicitária, e sentem-se confortáveis dentro deste novo paradigma cultural. Quer coisa melhor, então, do que falar a língua que o povo entende?

Dentro dessa perspectiva, as campanhas políticas estão posicionando os candidatos como verdadeiros produtos que disputam fatias de mercado. Continuando a analogia, todos os produtos têm praticamente os mesmos benefícios e atributos concretos: prometem empregos, por exemplo. O que muda é a proposta de cada um para que essa promessa seja cumprida. É como sabão em pó: todos prometem tirar as manchas, mas os recursos que serão utilizados para isso variam de um para o outro. E a gente pode perceber melhor esse processo nas campanhas de Serra e Lula.

A relação entre política e publicidade está tão forte que a linguagem da campanha de Serra, por exemplo, é metapublicitária. O carro-chefe das propostas do candidato - a criação de não sei quantos mil empregos - está sendo vendida através de verdadeiros filmes publicitários, nos moldes daquilo que a gente está acostumado a ver nos intervalos comerciais. O jingle é uma adaptação de um material criado originalmente para cerveja Bavária. O clip conta com a participação de artistas, pessoas famosas, enfim, um elenco digno de uma grande produção publicitária. É o cúmulo da influência da indústria cultural.

A personalidade do próprio José Serra foi toda trabalhada para a candidatura. A imagem do homem franzino, protótipo do intelectual sem grandes atributos físicos, com algo de doentio (por causa das constantes olheiras), ministro de uma pasta que exige pouca "virilidade", como a da Saúde, foi cuidadosamente transformada na de um homem corajoso. O histórico de Serra mostrado no guia eleitoral mostra um homem que lutou contra a ditadura, enfrentou a polícia, teve que fugir do país. Algo nos moldes do arquétipo do guerreiro, uma imagem simpática ao brasileiro, que ainda faz limitadas associações entre competência e aparência. E a mudança está dando tão certo que na vinheta de assinatura dos clips, quando o candidato parece ter sido pego de surpresa pela câmera, não tem como não se sentir um pouco seduzido pelo sorriso que Serra estampa.

Outro que precisou mudar da pinga para o vinho foi Lula. Só falta uma etiqueta adesiva colada no braço dizendo "agora em nova embalagem". Lula precisou neutralizar o que faltava em Serra. As marcas da virilidade que emanavam do sindicalista foram cuidadosamente apagadas. A barba foi aparada; o grisalho dos cabelos está sendo realçado para conferir distinção e experiência; o visual está sóbrio, clássico, como convém à imagem de um chefe de estado. Lula também mudou o tom e a impostação da voz. Ele agora fala suave, pausadamente, sem a retórica panfletária de outros tempos. Os cenários onde o candidato do PT aparece são ambientes profissionais, ou de convívio familiar. E vamos e venhamos, ele está muito mais charmoso.

Mas até que ponto as pessoas percebem os artifícios de sedução que estão sendo usados por um e outro? A teoria do comportamento do consumidor na publicidade mostra que nos deixamos seduzir pela promessa de satisfação de nossas necessidades, desde as mais básicas até as mais sofisticadas. Não há diferenças gritantes nas propostas dos candidatos. O pacote é mais ou menos o mesmo, como se as fórmulas para resolver os problemas do Brasil tivessem virado commodoties. Quando há a comoditização de produtos, procura-se trabalhar a marca, o aspecto subjetivo. E parece que é isso que está acontecendo na campanha política. Mais do que optar por uma ou outra forma de governo, a escolha dos candidatos se dará por critérios mais subjetivos. E aí, quem souber seduzir melhor ganha.


Adriana Baggio
Curitiba, 26/9/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
02. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
03. Caindo as fichas do machismo de Marta Barcellos
04. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva
05. Virando as Latas: o atleta brasileiro e o esporte de Heloisa Pait


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2002
01. Todos querem ser cool - 27/6/2002
02. Menos Guerra, Mais Sexo - 31/1/2002
03. Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo! - 20/6/2002
04. Homens, cães e livros - 15/8/2002
05. No banheiro com Danuza - 28/11/2002


Mais Especial Eleições 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O PIANISTA NO BORDEL
JUAN LUIS CEBRIÁN
OBJETIVA
(2009)
R$ 20,00



OS ECONOMISTAS
LEONARD SIK
ZAHAR
(1976)
R$ 10,00



MRTYUKÃLA: HORA DA MORTE
MARIA HELENA DE BASTOS FREIRE
CCJ
(2004)
R$ 81,85



NEW YORK FLOW SYSTEMS CAN AUTOMATE YOUR CUTTING OPERATIONS
REVISTA GRAPHIC ARTS MONTHLY, Nº 7, VOL 50
TECHNICAL PUBLISHING
(1978)
R$ 31,28



TECNICAS CONSTRUTIVAS DE ARGUMENTACAO E DEBATE
GEORGE L HINDIS E RUPERT L CORTRIGHT
IBRASA
(1968)
R$ 12,00



ARTE-EDUCAÇÃO NO BRASIL - ANA MAE T. B. BARBOSA
ANA MAE T. B. BARBOSA
PERSPECTIVA
(1978)
R$ 18,00



TAMBORES E VIOLINOS - 1ª ED.
MARIA TERESA HELLMEISTER FORNACIARI
WRITERS
(2000)
R$ 5,74



THE FUTUTRE OF BRANDS
RITA CLIFTON - ESTHER MAUGHAN
NEW YORK UNIVERSITY
(2000)
R$ 90,00



ERA UMA VEZ UM PIRATA HOLANDÊS
JOSÉ MAVIAEL MONTEIRO
ÁTICA
(1995)
R$ 6,90



ATOS IMPUROS
HENRY A. GIROUX
ARTMED
(2003)
R$ 63,00





busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês