As luzes atrás do palco | Marcelo Barbão | Digestivo Cultural

busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
>>> CONHEÇA OS VENCEDORES DO PRÊMIO IMPACTOS POSITIVOS 2022
>>> Espetáculo 'Figural', direçãod e Antonio Nóbrega | Sesc Bom Retiro
>>> Escritas de SI(DA) - o HIV/Aids na literatura brasileira
>>> Com Rincon Sapiência, Samanta Luz prepara quiche vegana no Sabor & Luz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Road Warrior
>>> O crime da torta de morango
>>> PT saudações
>>> Oscar Wilde, dândi imortal
>>> 30 de Novembro #digestivo10anos
>>> Uma história do Jazz
>>> Quando morre uma paixão
>>> Debate Democrata na CNN
>>> Blogo, logo existo
Mais Recentes
>>> Bhagavad Gita de Krishna pela Martin Claret (2005)
>>> Cyrano de Bergerac (capa dura) de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2002)
>>> A arte de amar de Ovídio pela L&PM Pocket (2010)
>>> A Única Coisa de Gary Keller; Jay Papasan pela Novo Século (2014)
>>> Prestígio e Personalidade de Lewis Victor pela Ediouro
>>> Maze Runner: Ordem de Extermínio de James Dashner pela V&R (2013)
>>> A Semente da Vitória de Nuno Cobra pela Senac (2002)
>>> Maze Runner: A Cura Mortal de James Dashner pela V&R (2012)
>>> Maze Runner: Prova de Fogo de James Dashner pela V&R (2011)
>>> Perto do Coração Selvagem de Clarice Lispector pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> Maze Runner: Correr ou Morrer de James Dashner pela V&R (2010)
>>> O Livro dos 5 Anéis de Miyamoto Musashi pela Madras (2005)
>>> A Resposta do Mar de Rubens Paulo Gonçalves pela Alegro (2000)
>>> Como Planejar Sua Vida! de Dernizo Pagnoncelli pela Publit (2014)
>>> Fantasmas de Antonio Carlos Neves pela Saraiva (2006)
>>> Mal-Entendido em Moscou de Simone de Beauvoir pela Folha de S.Paulo (2017)
>>> 40 Dias de Amor - Princípios de Relacionamento de Jesus de Tom Holladay pela Vida (2017)
>>> A Caçadora de Bruxos - Magia. Traição. Sacrifício. de Virginia Boecker pela Record (2016)
>>> Noite de Érico Veríssimo pela Círculo do Livro (1986)
>>> Maldosas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2010)
>>> Exercícios de Matemática - Revisão do Ensino Fundamental - Volume 1 de Álvaro Zimmermann Aranha; Manoel Benedito Rodrigues pela Policarpo (1994)
>>> Anjos Caidos e as Origens do Mal de Elizabethe Prophet pela Nova Era (2002)
>>> Ozônio: Aliado e Inimigo de Vera Lucia Duarte de Novais pela Scipione (2006)
>>> A Ultima Carta de Amor de Jojo Moyes pela Intrínseca (2016)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1993)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/10/2002
As luzes atrás do palco
Marcelo Barbão

+ de 3000 Acessos

Uma pergunta atormenta o ser humano desde o começo de sua existência. Deus existe? Ele criou o homem à sua imagem e semelhança? Há várias respostas, algumas básicas: sim, Deus existe e ele criou o homem. Ou: não, deus não existe, foi o homem que o inventou.

E se deus existe, qual deles existe de verdade? Quer dizer, nem todos os homens acreditam nos mesmos deuses, centenas de religiões convivem ao mesmo tempo (nem sempre de forma pacífica, evidentemente), milhares de deuses, criados ou criadores, transitam pelos corações e as mentes da humanidade a todo o momento. Isso se não contarmos as expressões lingüísticas como "Ai, Meu Deus", "Virgem Santíssima" e outras.

Entre idealistas e materialistas, podemos perceber que os deuses existem, seja nos céus ou nas mentes das pessoas. Mas, partindo do princípio que os deuses existem mesmo e criaram a humanidade, qual deles foi o verdadeiro autor deste evento grandioso? As respostas fáceis dos crentes, que sempre se auto-intitulam o "povo escolhido", não convencem. Afinal todos os povos pensam da mesma forma. Mesmo os que não acreditam em nenhum deus, estes também pensam que são superiores.

E não podemos esquecer que os deuses vivem por causa da adoração, dos sacrifícios e da admiração dos humanos. Sempre foi assim e sempre será. Assim, qualquer deus que vai sendo esquecido, torna-se fraco e morre. Mas será que morre? Afinal, ele pode não ser adorado, mas é lembrado. Sim, é uma questão estranha a ser pensada e também é pouco provável que cheguemos a alguma conclusão.

E estes estranhos questionamentos montam o enredo central de "Deuses Americanos", mais novo livro do inglês radicado nos EUA, Neil Gaiman. Que ficou famoso com o enredo de Sandman, onde começou a desenvolver este estilo sombrio e perturbador, misturando homens, deuses e muita criatividade.

Neste livro, a história se passa nos EUA dos dias atuais. Os imigrantes que formaram a América, não viajaram sozinhos: dentro dos corações, eles levaram seus deuses. Que hoje, décadas depois, ainda perambulam pelas cidades sujas e violentas. Na sua grande maioria, totalmente esquecidos. Vivendo de suas habilidades, físicas ou espirituais, alguns pequenos golpes e muita vontade de voltar aos tempos dourados de adoração, temor e sacrifício.

Há muito eles foram substituídos por "deuses" modernos como a tecnologia, as drogas e o mundo. Talvez os altares sejam diferentes e os sacrifícios sejam menos sangrentos, mas a "base teórica" está lá. Continua a mesma. A luta entre os dois grupos: os deuses antigos e os modernos, é o pano de fundo da história. De um lado, deuses esquecidos pelos homens que se agarram à possibilidade de sacrificar outros deuses para uma volta aos seus dias de glória. De outro, a "nova geração" preocupada em manter e expandir seu domínio.

E no meio, Shadow, um ex-presidiário que, após ter perdido a mulher num acidente de carro, encontra o misterioso senhor Wednesday que lhe oferece um emprego. Aos poucos, Shadow vai montando o quebra-cabeça deste panteão histórico, ao mesmo tempo em que vai descobrindo fatos obscuros de sua própria vida. Ao final, como se os deuses escrevessem certo por linhas tortas, é ele que vai organizar e pacificar o mundo perturbado dos deuses americanos. Mas somente de passar por uma estranha viagem, ao mesmo tempo física e espiritual, e conhecer estranhos personagens escondidos em apartamentos fétidos. E, incrivelmente, todos parecem conhecer mais da vida de Shadow do que ele próprio.

Gaiman criou uma parábola moderna, misturando elementos mitológicos, principalmente do norte europeu (é curiosos como nenhuma das religiões predominante nos dias de hoje é citada, ainda mais quando elas estão tão em evidência em vários conflitos no mundo), com um estilo de ficção científica que lembra as histórias sombrias de Chris Carter, autor de Arquivo X, apesar de "Deuses Americanos" não terminar com uma questão em aberto.

O livro teve excelente repercussão e ganhou o Hugo, principal prêmio da literatura de ficção científica nos EUA.

Para ir além

Deuses Americanos
Neil Gaiman
Conrad Editora
447 páginas


Marcelo Barbão
São Paulo, 21/10/2002


Mais Marcelo Barbão
Mais Acessadas de Marcelo Barbão em 2002
01. Viver para contar - parte 1 - 18/11/2002
02. Cuentos da Espanha - 23/9/2002
03. Tiques nervosos na ponta da língua - 25/7/2002
04. A idolatria do século XXI - 19/8/2002
05. Viver para contar - parte 2 - 2/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Roland Barthes por Roland Barthes
Roland Barthes
estação liberdade
(2003)



Bumba-meu-boi
Fernando Vilela e Stela Barbieri
Wmf Martins Fontes
(2014)



Os Músicos de Bremen
Wilhelm Karl Grimm
Martins Fontes - Selo Martins
(2000)



A força da vida
James Van Praagh
sextante
(2001)



Em busca da Fraternidade
Mario leal Bacelar
Mandarino



Sucupira - Ame-a Ou Deixe-a
Dias Gomes
Civilização Brasileira
(1983)



A Linguagem Falada Culta na Cidade de São Paulo V. 1:elocuçoes Formais
Ataliba Teixeira de Castilho, Dino Preti-org
Taq
(1986)



Viagem Mística Como Alcançar a Elevação Espiritual
Sylvia Browne
prumo
(2009)



Triple - Pocketbook
Ken Follett
Signet Book
(1980)



Deus é justo
Grigore Valeriu
idéia e ação
(2009)





busca | avançada
48334 visitas/dia
1,6 milhão/mês