Comentários de Candido Rubim Rios | Digestivo Cultural

busca | avançada
37594 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Nova edição da Bailinho terá karaokê, flash mobs, correio do amor e cartomante
>>> Hotel Andronis, na Grécia, promove festival de música e gastronomia
>>> Prêmio Sesc de Literatura anuncia os vencedores da edição de 2023
>>> Omodé: Festival Sesc de Arte e Cultura Negra para a Molecada no Sesc Bom Retiro
>>> Arranha-céus do centro de São Paulo trocam olhares com o público
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Pulp Fiction e seus traços em Cocaine Bear
>>> Rabhia: 1 romance policial moçambicano
>>> Nélio Silzantov e a pátria que (n)os pariu
>>> Palavras/Imagens: A Arte de Walter Sebastião
>>> Rita Lee Jones (1947-2023)
>>> Kafka: esse estranho
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Roberto Vinháes (2023)
>>> Something About You (Cary Brothers & Laura Jansen)
>>> Uma história do Airbnb (2023)
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
Últimos Posts
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
>>> Belém, entre a cidade política, a loja e a calçada
>>> Minha Mãe
>>> Pelé, eterno e sublime
>>> Atire a poeira
>>> A Ti
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Enquanto agonizo, de William Faulkner
>>> Do Colunista
>>> A Teoria de Tudo
>>> O criado e o mordomo: homens do patrão
>>> Michael Jackson e a Geração Thriller
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> O Código de Deus de Gregg Braden pela Cultrix (2006)
>>> O Poder de dar a volta por cima de Edgar Ueda pela Citadel Editorial (2018)
>>> 100 Graus o ponto de ebulição do sucesso de Rafa Prado pela Gente (2016)
>>> O Milagre da Manhã de Hal Elrod pela Best Seller (2018)
>>> Pense Simples de Gustavo Caetano pela Gente
>>> Tudo começa com a comida de Dallas Hartwig pela Sextante
>>> Códigos para uma vida extraordinária de Diego Araújo pela Luz da Serra
>>> Decifre seu Talento de Paulo Vieira pela Gente
>>> Produtividade para quem quer tempo de Geronimo Theml pela Gente (2016)
>>> Reinice de Jon Acuff pela Figurati
>>> Bilionários de Ricardo Geromel pela Leya
>>> Las Manos 456 de Luz Daregt Rojas Castañeda pela Sem
>>> As aventuras do marujo verde 456 de Gláucia Lemos pela Atual (2003)
>>> Eleanor e Park 456 de Rainbow Rowell pela Novo Século (2014)
>>> Como chegar ao sim com você mesmo 456 de William Ury pela Sextante (2015)
>>> Aventuras e perigos de um copo d água 456 de Julieta de Godoy Ladeira pela Atual (2009)
>>> Sempre há Tempo 456 de Eliane Macarini pela Lúmen (2018)
>>> O que você quiser 456 de Sara Fawkes pela Planeta (2013)
>>> Leonardo da Vinci 456 de Walter Isaacson pela Intrínseca (2017)
>>> Liderança Saudável 456 de Alkíndar de Oliveira pela Planeta (2007)
>>> Os grandes experimentos científicos 456 de Michel Rival pela Jorge Zahar (1997)
>>> Calabar de Chico Buarque e Ruy Guerra 456 de Chico Buarque pela Civilização Brasileira (1993)
>>> A Capital Federal 456 de Arthur Azevedo pela Martin Claret
>>> Médico de homens e de almas 456 de Taylor Caldwell pela Record
>>> A Baleia 456 de Roberto Marinho de Azevedo pela Companhia das Letras (2002)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Segunda-feira, 26/4/2010
Comentários
Candido Rubim Rios

Parece reza forte
Primeiro que o título é errado. Autoajuda? Então eu mesmo vou me ajudar. Realmente esses filósofos da vida alheia querem mesmo é um bom mercado para venda dos livros que na minha opinião é como "O Segredo", que coisa mais ridícula. Então se eu imaginar que já ocorreu... acontece mesmo. Ocorre que os pessimistas às vezes são realistas, porque as vidas das pessoas não são iguais, tem gente para tudo que é gosto, é melhor ser realista do que ser retardado. Geralmente esses livros dizem: faça isso, aquilo, que tudo muda na sua vida. Parece reza forte. Estou fora. Peço opinião às pessoas, mas resolver os meus problemas só eu que resolvo. E como diz o ditado Chinês: um problema sem solução, solucionado está.

[Sobre "Parodiando a autoajuda"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
26/4/2010 às
08h51 187.13.39.25
 
Sem leitura, não dá
Um dia uma professora de português emprestou um livro de 80 páginas a um aluno, um mês depois ela perguntou, gostou? Ele nem leu... E ela então falou: quem gosta de ler devora um livro desses em 1 ou 2 dias. Tenho uma amiga que toda semana recomenda um livro para a sua turma de ensino médio, é um sucesso; já nas escolas públicas, tenho cá minhas dúvidas. Agora, escritor que não lê, essa não dá para engolir. Conheço uma família que a criança só brinca no computador nos fins de semana, desse jeito a TV e outros aparelhos eletrônicos não atrapalham. Eu sempre aconselhei meus filhos a lerem tudo, revistas infantis, fotonovelas e depois livros. Com a leitura se constrói um homem sensível e com extremo senso crítico; sem leitura, não dá.

[Sobre "Considerações sobre a leitura"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
31/3/2010 às
17h28 187.13.95.111
 
Virados para a lua (cheia)
Resta saber o que é espírito fraco. Não saberia responder, visto ter presenciado fatos, digamos paradoxais: tem gente que nunca fez nada e de repente tudo dá certo, ao passo que outros fizeram tudo certinho como manda a sociedade e nada. Como diz o ditado, tem pessoas que nasceram com... virada para a lua - e lua cheia.

[Sobre "Luther King sobre os fracos"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
9/3/2010 às
08h35 187.13.33.164
 
Tudo passa e ultrapassa
Tudo passa e ultrapassa e quem não acompanhar as mudanças será atropelado. Quando era criança, assistia Flash Gorgon, e achava uma grande mentira, pessoas falavam com outras através de telas... e aquilo era, na época, considerado ficção. E hoje? Aquilo tudo já está sendo ultrapasado, quem tem um negócio nas mãos precisa ser arrojado e bem informado, acompanhar a evolução. Os jornais já caíram, eu mesmo leio muito pouco, tenho em casa à disposição uma feramenta mais ágil que o papel.

[Sobre "O fim do papel comparado ao fim da música"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
6/3/2010 às
18h49 187.13.70.62
 
Os lindos tempos da juventude
Realista, isso acontece com todos. Dia desses estava num banco e fiz uma pergunta a minha amiga, nisso passou uma jovem senhora, dirigiu-se a nós e me perguntou: você é Candido? Sim, meio sem graça, ela só me deixou à vontade porque tinha um sorriso, conheci você pela voz e começamos a papear e lembrar os lindos tempos de juventude, mas tudo passa e o autor contou extamente como essas coisas acontecem. Pena que a gente deixa de reconhecer muitas pessoas que fizeram parte da nossa vida, lá atrás...

[Sobre "Reconhecimento"]

por Candido Rios
http://candidorios.blogspot.com
4/3/2010 às
10h31 187.13.58.245
 
Parabéns pela lucidez
Eu não deveria escrever nada porque o texto é perfeito, me causa asco só em ouvir os nomes dessa corja. Entretanto, envio e-mail e posto em blogs de alguns políticos perguntando o que quero saber, e sabe qual é a resposta? Nenhuma, nunca me responderam. Mas agora chegou a minha vez, eles mandarão mensagem para mim e eu vou mandar todos para aquele lugar, mas lá eu vou escrever mesmo o nome do lugar. Parabéns pela lucidez do texto.

[Sobre "Preconceitos"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
28/2/2010 às
21h56 187.13.28.190
 
O saco da impunidade
Gostaria de ter sido o autor do texto. É a voz de todos que estão enjoados com a clase política. Não sabemos mais em quem acreditar e, claro, em quem votar. Por ironia, alguns anos passados, o Sérgio Cabral, pai, numa entrevista, disse: O povo está muito bem representado, na câmara tem de tudo, bandidos, homossexuais, brancos, negros, tem de tudo, portanto o povo está lá. Agora, qual é a saída? Votar em quem? E se algum honesto conseguisse entrar nesse saco, o que faria? Teria seus projetos aprovados? Duvido. Em relação ao preconceito, isso existe em todos os lugares, é triste, mas tem. Parabéns, pena que não fui eu que escrevi.

[Sobre "Preconceitos"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
13/2/2010 às
09h33 187.13.30.159
 
A cultura saiu vencedora
Lula era (e é) a esperança de parte dos brasileiros, pelo menos da camada mais necessitada do povo. No entanto, era também a esperança de um governo honesto e nesse quesito sucumbiu. Mas a camada não percebeu, o Bolsa Família mascarou. Salvou-se o penta, ainda bem. Comemorar a cidade-país que impulsiona o progresso. Os humanistas, e guias espirituais, tornaram-se mais atrativos para um povo à beira do desespero. O Roberto do PTB, quando tiraram o bolo da sua frente, dedurou quem comia com ele. Enquanto o povo, enganado, morre na fila dos hospitais, o Brasil ganha o direito de duas competições que chamam a atenção do mundo... Será que alguém pagou? Ganhamos na arte e perdemos alguns artistas, é natural, salve, salve. Mas regredimos com os BBBs da vida (alguém poderia apontar algo cultural e inteligente nisso?). Arnaldo Jabor e Diogo Mainardi, eu desconfio de influência da Globo: Francis era mais diplomático. Tudo seria melhor, se não fosse a intromissão do governo e dos poderosos. A cultura saiu vencedora.

[Sobre "Além do Mais e Outras Artes em 2000-2009"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
11/2/2010 às
09h24 187.13.39.159
 
Chatos relativos
Antes de descrever o chato, devo dizer que o elegante nunca é chato, o famoso nunca é chato. Um cara mal vestido tentando assinaturas contra a matança de ratos não conseguiu uma só, dias depois o mesmo cara, bem trajado e no mesmo lugar, fez nova tentativa, conseguiu centenas de assinaturas, viram a diferença? Não mudei o assunto, é só para dizer que em todos os seguimentos é a mesma coisa. Às vezes um escritor que não tem a quem recorrer, tem mesmo que ser chato. É extremamente fácil uma pessoa que tudo caiu de paraquedas e no colo, dar certo, aí fica achando todo mundo um chato. Vejo escritores famosos chatos, mas ninguém ousa a chamar de chato. No Brasil tem um nordestino que é um mala, passou de chato e todo mundo acha o máximo. Quem já foi chato, tem mesmo é que ajudar o chato da vez.

[Sobre "Edmund Wilson e os chatos da literatura"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
7/2/2010 às
18h56 187.13.36.95
 
A falta de labuta
Nem tanto progresso, se formos para a área social: é uma lástima, não há progesso; a saúde pública é o setor mais importante e o que vemos diariamente? O governo confunde as bolsas distribuídas com programa social, não acho que seja, tudo é dado, fomentando a falta de labuta; é um claro sinal de que a classe trabalhadora tem mesmo é que lutar de sol a sol para bancar pessoas que recebem sem ter que dar nada em troca; isso não se chama investir no social, tem outro nome, impublicável... [São Gonçalo - RJ]

[Sobre "Promoção: Deu Tilt no Progresso Científico"]

por Candido Rubim Rios
3/2/2010 às
08h39 187.13.88.75
 
Carrie, a inusitada
"Carrie, a estranha". Porque envolve o sobrenatual de uma forma inusitada, além da personagem não querer ser como era, a família (mãe) ignorá-la, bem como as colegas de escola... despertando o lado que ninguém conhecia. [São Gonçalo - RJ]

[Sobre "Promoção: O Véu"]

por Candido Rubim Rios
29/1/2010 às
09h01 187.13.22.234
 
Um olhar deprimido
Tenho a impressão de que a maioria das pessoas que leram o seu texto vão achar que você além de cética é deprimida, triste, portanto facilmente criticada pela sociedade. Eu, não. Acredito em Deus não porque as religiões dizem que ele existe, mas por um simples olhar deprimido numa noite em um hotel fazenda para céu estrelado e com uma imensa lua cheia, quando então me perguntei, triste e só: quem fez isso? A minha mente consciente ou inconsciente me respondeu, e nunca mais duvidei. Hoje me considero deísta. Falar dos nossos sentimentos fora de um divã, expô-los a quem quiser ler e ouvir é um ato de coragem e, claro, embora não seja eu cético, também concordo com tudo o que você disse. Mas pensando melhor, se ficamos enraivecidos com tantas bombas e tanta bebedeira, inclusive no natal (até parece que Jesus era alcoólatra), ficamos fora do contexto, somos logo rotulados.

[Sobre "Os melhores votos, de uma cética"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
11/1/2010 às
19h03 187.13.95.92
 
Não chorem, editoras
Não adianta choradeira, a transformação tecnológica é diária, quem não lembra das fitas de filmes? Demorou mas chegou o CD, cadê os videocassetes? Agora é para valer, as editoras estão com seus dias contados, acabou o que era doce (para elas) e vai ficar mais fácil para os novos autores brasileiros. Ler na tela é muito bom e tem proteção contra os olhos, não faz mal, já penaram numa biblioteca, de qualquer lugar, enfileirada: as telas e as pessoas lendo, pesquisando; é uma novidade que inexoravelmente temos que aceitar; e o nosso Paulo Coelho... saiu na frente. E não pensem que vai ficar nas mãos de uma empresa só, será disputado... porém mais acessível a todos, sem dizer que muito mais barato...

[Sobre "As editoras contra o Kindle"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
10/1/2010 às
11h30 187.13.16.101
 
Velhinho com muito orgulho
É impossível comparar um com outro. Falar dos tempos de ditadura lembramos logo de Vandré, Chico Buarque, Caetano e Gil, não sei o que eles fizeram a não ser música que os débeis aquartelados achavam que eram piadinhas de mal gosto e direcionadas a eles. Nunca entendi O Chico, que defendia Fidel armado e era contra a Ditadura brasileira. E Roberto, que eu nunca fui fã, nada tem com isso, ele estava em outra, vivendo outro sonho. E se falarmos das letras, Roberto também fez "piadinhas contra os enverdejados que torturavam e matavam"; talvez tenha sido mais astuto do que os que se expuseram, mas deixou sua marca, a marca de amor e paixão dos jovens namorados lembradas até hoje pelos que você chama de velhinhos. Se é assim, sou velho com muito orgulho.

[Sobre "O Rei Roberto Carlos e a Ditadura"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorio.blogspot.com
30/12/2009 às
17h54 187.13.43.19
 
É por isso que não assisto TV
O que mais me intriga são pessoas perdendo o seu tempo vendo banalidades, parece que veem só para criticar, e o que mais estarrece são algumas pessoas realmente inteligentes irem ao programa, como alguns citados. São quase todos iguais, e pior: alguns mentem para o povo; vide a reportagem de Drauzio Varella para o Fantástico (fantástico em quê mesmo?) sobre os transplantes no Brasil... Quero ver ele ou a Globo apresentar um rico na fila: não tem! Então: assistir programas de TV: já ficou bastante enjoado e é tudo manipulado.

[Sobre "Anti-Jô Soares"]

por Candido Rubim Rios
http://candidorios.blogspot.com
28/12/2009 às
07h51 187.13.0.124
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentßrios

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Varanda: o cotidiano do Carioca
Nísia Nóbrega
Rio Fundo
(1995)



Desafios do Sistema Financeiro Nacional
Alessandra Von Borowski Dodl
Campus
(2011)



Casas de Vidro - Glass Houses
Renato Anelli / Sol Camacho
Romano Guerra



Os Pensadores - Xxiii - Tratado Sobre os Pricipios do Conhecimento Hum
George Berkeley / David Hume
Abril Cultural
(1973)



A Arte de Liderar - Vivenciando Mudanças Num Mundo Globalizado
Sonia Jordão
Do Autor



A Década de 60 - Rebeldia, Constentação e Repressão Política
Maria Helena Simões Paes
Atica



A Cabala - Tradição Secreta do Ocidente - N║1
Papus
Sociedade das Ciências Antigas
(1983)



Diagnósticos de Enfermagem da Nanda. 2003-2004
Vários Autores
Artmed
(2005)



Como Se Escreve? Linguagem
Mega Letronix
Abril



/Empreenda (Quase) Sem Dinheiro
José Dornelas
Saraiva
(2009)





busca | avançada
37594 visitas/dia
1,8 milhão/mês