O mito da auto-ajuda | Carlos E.F.Oliveira

busca | avançada
65177 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Luiz Ruffato lança novo livro e estreia em nova editora
>>> Live commerce terá show exclusivo ao vivo para festejar o Dia Nacional do Samba
>>> Um Recital para Ariano - com Antônio Nóbrega
>>> Coletiva de Arte Naïf | Galeria Jacques Ardies
>>> Cia O Grito evoca os fantasmas do teatro em nova peça
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Entre o corpo e a alma, o tempo
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Brasil pode ser um país de leitores?
>>> Claudio Galeazzi sobre a crise
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Can Google Stay Google?
>>> Breve Apresentação
>>> Star Wars
>>> As novas estantes virtuais
>>> Minha história com Philip Roth
>>> O momento do cinema latino-americano
>>> Jovens blogueiros, envelheçam
Mais Recentes
>>> Por Metodi Della Scienza Dal Rinascimento Ad Oggi de Carlo Felice Manara pela Vita Pensiero (1975)
>>> La Teoria de La Historia de Karl Marx una Defensa de Gerald A. Cohen pela Pablo Iglesias (1986)
>>> Crime na Catedral de Thomas Stearns Eliot pela Delta (1966)
>>> Infância e Modernidade - Ensaios de Filosofia e Educação (lacrado) de Martha Dangelo pela Ideias e Letras (2013)
>>> The Marine Power Plant de Lawrence B. Chapman pela Macgrawhill (1942)
>>> Science et Antiscience de Jean Lois Monneron pela Le Centurion (1981)
>>> O Brasil Francês (lacrado) de Andrea Daher pela Civilização Brasileira (2007)
>>> Ver esta Imagen Storia Dellastronomia da Talete a Keplero de John Louisdreyer pela Feltrinelli (1977)
>>> O Mundo Em Que Vivemos - História da Civilização Mundial (lacrado) de Max Savelle pela Villa Rica (1990)
>>> Cadernos de Direito da Cidade - Série II (lacrado) de Vania Aieta pela Lumen Juris (2014)
>>> Natureza e Política Em Nietzsche de Tadeu Rodrigues pela Livre Expressão (2010)
>>> Prazer, Sofrimento, Indiferença na Educação de J. P. Pourtois, Nicolo Mosconi pela Loyola (2007)
>>> Alguém Come Centopeias Gigantes? de Fabio Massari pela Ideal (2015)
>>> O Bicho Urucutum (lacrado) de Pedro Nava pela Ateliê Editorial (2003)
>>> La Conscience Expliquee de Daniel C. Dennett pela Odile Jacob (1993)
>>> Cartas a um Jovem Psicanalista de Marialzira Perestrello Tt8 pela Imago (1998)
>>> Connaissance et Intérêt de Jürgen Habermas pela Gallimard (1976)
>>> Imposto Sobre a Renda (lacrado) de Fernando Daniel de Moura Fonseca pela Fórum (2019)
>>> Malícias e Delícias (lacrado) de Tara Sivec pela Valentina (2015)
>>> Introduction Geometrique L Etude de La Relativite de Henri Marais pela Gauthier Villars (1923)
>>> O Brasileiro - a Formação da Identidade Nacional e a Questão Racial de Iara Andrade Senra pela Paco (2012)
>>> Hegels Philophy of Religion de Bernard M. Reardon pela John Hick (1977)
>>> Comentários à Nova Lei Antidrogas - Manual Prático de Jorge Vicente Silva pela Juruá (2006)
>>> Condicao Feminina e Formas de Violencia Mulheres Pobres 1890 1920 de Rachel Soihet pela Forense (1989)
>>> Idênticos de Scott Turow pela Record (2014)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 30/7/2007
Comentários
Leitores


O mito da auto-ajuda
Pilar, gostei tanto do tema, quanto da abordagem a um tema tão polêmico neste momento. Tenho percebido de parte de alguns jornalistas da área cultural uma ansiedade em dirigir o leitor, classificar as escolhas do leitor e intervir nos seus processos de escolha. O mercado editorial classifica de um jeito um determinado livro, a livraria procura a estante adequada para o produto, tal como numa gondola de supermercado e todos comungam com o engodo da definição mercadológica e ideologica de determinado livro. Penso que, depois de escrita, a obra pertence aos seus leitores, não ignoro que nem todos os que se aventurem pelas possíveis leituras de um texto estejam de todo preparado para lê-lo. Então, quem está? Uma análise academica não é o julgamento definitivo sobre nada, apesar de não se poder dizer irrelevante. Quando os livros são classificados como auto-ajuda estamos diante de um eufemismo carregado de preconceitos dos consumidores da dita alta literatura...

[Sobre "Auto-ajuda e auto-engano"]

por Carlos E.F.Oliveira
30/7/2007 às
19h00 201.29.121.47
(+) Carlos E.F.Oliveira no Digestivo...
 
Mazelas Terceiro-mundistas II
Isso sem falar do manual que foi entregue a todos os atletas da delegação americana, e advertia para os perigos das favelas, seqüestros-relâmpago e frisa que "a violência na cidade não tem hora e nem local para acontecer". A única falha do manual talvez tenha sido não alertá-los para os perigos que os policiais brasileiros representam. Como podemos reclamar? São realidades que insistimos em esconder, que fingimos ignorar, mas que não temos como negar. Se lançam um filme em que turistas vêm ao Brasil e são dopados, roubados e mutilados; se lançam manuais de sobrevivência às delegações; se policiais brasileiros representam tanto perigo quanto os bandidos, o que nos restou? Welcome to the Congo!

[Sobre "Pan-pouco-pan e nação top top"]

por Diogo Salles
http://corruptosblog.blogspot.com/
30/7/2007 às
18h48 189.33.10.57
(+) Diogo Salles no Digestivo...
 
Mazelas Terceiro-mundistas I
Pilar, voce nao é antipatriota. Voce só teve coragem de dizer a realidade. Nossas mazelas terceiro-mundistas nunca ficaram tão expostas. A decana e ultrapassada “Lei de Gérson” ganhou nova roupagem e se revigorou. Na novíssima “Lei de Oscar Schmidt”, o que vale é ganhar a todo custo. Viva o “jeitinho brasileiro”! Nosso ufanismo jeca só não foi maior porque aconteceu o desastre do Airbus da TAM, mas a falta de respeito e educação com os atletas estrangeiros beirou a obscenidade. Pelo menos o crime organizado no Rio deu uma trégua. Diante de toda aquela calmaria, havia espaço para os policiais militares darem a sua mordiscada e nossos gloriosos PMs foram formalmente acusados de extorquir dinheiro de dois turistas norte-americanos.

[Sobre "Pan-pouco-pan e nação top top"]

por Diogo Salles
http://corruptosblog.blogspot.com/
30/7/2007 às
18h47 189.33.10.57
(+) Diogo Salles no Digestivo...
 
Mais do mesmo
O problema da auto-ajuda, que vi mais claro no seu texto, é o mesmo problema da literatura em geral, como você conclui um pouco no final. A quantidade absurda de títulos, de livros. É tanta coisa ruim que o que é bom se perde ali no meio, e acaba que a auto-ajuda se tranforma num engodo em nossas vidas, pois tudo é feito para sermos felizes, ricos, amados e satisfeitos. Talvez o mais engraçado seja que a realidade passa longe da maioria dos livros de auto-ajuda. E você está certíssima, qualquer livro pode transformar a vida de uma pessoa, os livros de Caio Fernando Abreu transformaram a minha de uma maneira única. Mas é claro que também já li Paulo Coelho, Lya Luft e outros, porque para dizer que não se gosta é sempre bom ter experimentado. E adoro a Linda Godman.

[Sobre "Auto-ajuda e auto-engano"]

por Bia Cardoso
http://groselha.wordpress.com
30/7/2007 às
16h31 201.14.100.170
(+) Bia Cardoso no Digestivo...
 
Frescor na literatura infantil
Os adultos costumam subestimar as crianças e sua capacidade de compreensão e interpretação. Os adultos apenas esqueceram que no mundo da fantasia vale tudo, não só coisas boas e cor-de-rosas. É bom ver um livro de Tim Burton sendo lançado no país, ainda mais sendo um livro de poesias. Se despertar o gosto dos pequenos pela leitura já é um desafio, este o é ainda mais no campo da poesia. A Índigo é mesmo um frescor na literatura infantil, sinto nela a mesma falta de medo que há em Lygia Bojunga. Escrevem para crianças sem pensá-las exclusivamente como crianças, mas sim como leitores, que merecem boas tramas e histórias sem fingimentos.

[Sobre "Amor e dor para crianças em três passos"]

por Bia Cardoso
http://groselha.wordpress.com
30/7/2007 às
16h13 201.14.100.170
(+) Bia Cardoso no Digestivo...
 
Cada época deixa sua marca
A literatura de ficção não morreu. Pode ter se transformado. Se antes os períodos eram longos, agora são curtos. E por aí vai... Cada época deixa sua marca. Assim sempre vai haver essas afirmçaões, quando algo de novo acontecer. Preconizar a morte do velho, quando aparece o novo, é uma característica do ser humano?

[Sobre "A literatura de ficção morreu?"]

por Anna
30/7/2007 às
13h36 192.168.133.47
(+) Anna no Digestivo...
 
depois vem neguim reclamar...
Pilar, compartilho com vc minha indignacao com relacao ao pior do Brasil: o brasileiro hehe... Vaias, desrespeito, máscaras, tomei ojeriza desse pan-americano. Nao me importo de ser chamada de anti-patriota, pq ser anti-patriota é expor ao mundo (mesmo com o descaso da imprensa americana aos jogos) um brasileiro q se orgulha de atrapalhar o adversario para beneficio proprio. Entao, quem quer vir competir em nosso pais? Onde venezuelanos, americanos e qualquer adversario é tratado desrespeitosamente??? Ai', depois vem "neguim" reclamar q é maltrado no exterior... Isso fora outros questionamentos... ate postei agora um artigo (mal-feito by mylself) para um processo seletivo no Rio..seu texto me inspirou a posta-lo blog.

[Sobre "Pan-pouco-pan e nação top top"]

por Camila
http://infinitaeloquencia.blogspot.com/
30/7/2007 às
13h18 200.159.194.99
(+) Camila no Digestivo...
 
Eu comecei pelo Paulo Coelho
Eu comecei lendo o PC e acabei indo parar no Cem Anos de Solidão. Foi uma grande evolução. Os livros de auto-ajuda me ajudadaram a descobrir a literatura. Depois que li Gabo nunca mais precisei de "auto-ajuda" alguma.

[Sobre "Auto-ajuda e auto-engano"]

por Carol
http://ocaocelestial.blogspot.com
30/7/2007 às
11h32 189.12.35.10
(+) Carol no Digestivo...
 
Blogs e auto-ajuda
A internet não acabou com a escrita, mas democratizou a edição. Todos nós podemos escrever e publicar o que desejamos a um custo baixo. O que acaba ocorrendo é um mar de blogs onde cada um diz o que quer da maneira que quer. Estes textos acabam vez por outra se agrupando e tomando a forma de um volume impresso. Que talvez seja lido. Quando a auto-ajuda, apontado por João Macedo como responsável pelo assassínio da literatura, não creio ser este o caso. A literatura de auto ajuda ainda assim é literatura (sem julgamento de valor, se boa ou má). Uma literatura que reflete a realidade de nosso tempo. Há escritores sem leitores, porque todos escrevem, há psicólogos sem clientes, porque todos se auto-ajudam. Lembro-me que o primeiro romance em português foi um livro de auto ajuda: "Máximas de Virtude e Formosura", de Tereza Margarida da Silva Horta. Que talvez percebendo a possivel má recepção (especulo...), mudou o nome do livro para "Aventura de Diófanes".

[Sobre "A literatura de ficção morreu?"]

por Alvao
http://sombrasesonhos.zip.net
29/7/2007 às
11h58 201.93.249.157
(+) Alvao no Digestivo...
 
Antítese da metodologia
Ana, a prática da redação, como tudo nos direciona para um sentido de excelencia insuspeitado. A nossa formação sebastianista ou messianica aponta para uma valorização do talento em detrimento do trabalho arduo de desenvolver um pendor ou uma vocação. Alguns professores que tive primavam por me apresentar os obstáculos para a produção de textos, eram geniais ao demolir qualquer tentativa de expressão, que é o possível naquela idade, e com a frágil relação com a produção de textos. Os canones eram adorados, e aquela época se falava pouco do texto contemporaneo. Tínhamos professores avaros que eram bem sucedidos no intento de constranger a iniciação de futuros redatores. Foi então que abandonei a mão dos professores e busquei o ambiente do leitor obsessivo que consolidou por intuição e por contato com outros como eu, num estudante que poderia experimentar a produção de textos, partindo de uma relação mais aberta e independente com a literatura, então por isso lhes sou grato.

[Sobre "Dar títulos aos textos, dar nome aos bois"]

por Carlos E.F. Oliveira
29/7/2007 às
11h44 189.24.115.174
(+) Carlos E.F. Oliveira no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Novos Moradores
Francisco Azevedo
Record
(2017)



Le Vocabulaire de Saint Augustin
Christian Nadeau
Ellipses
(2001)



Eine Urwaldgöttin Darf Nicht Weinen
Konsalik
Erstausgabe
(1973)



O Que é Português Brasileiro Coleção Primeiros Passos 164
Hildo H. do Couto
Brasiliense
(1994)



Persuasão na Publicidade: 33 Técnicas Psicológicas de Convencer
Marc Andrew
Gg
(2016)



O Aprendiz
Egidio Trambaiolli Neto
Ftd
(1999)



Equador
Miguel Sousa Tavares
Nova Fronteira
(2003)



Pollyanna - Coleção o Tesouro dos Clássicos
Eleanor Porter
Ática
(2007)



Uns papéis que voam
Flavio José Cardozo
Ftd
(2003)



Mistérios Desconhecidos - Seitas Secretas
Vários Autores
Time-life Books
(1989)





busca | avançada
65177 visitas/dia
1,9 milhão/mês