O gel e o capacete | Bruno Garschagen

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Noga Sklar
>>> Tempo vida poesia 2/5
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
Mais Recentes
>>> O Livro dos Sentimentos de Maria Isabel Borja e Márcio Vassallo pela Guarda-Chuva (2006)
>>> A Filosofia Rosa-Cruz de John Baines pela Artenova (1982)
>>> A Revolução Bipolar a Gênese e a Derrocada do Socialismo Soviético de Luis Fernandes pela Anita Garibaldi (2017)
>>> Educação e Crise do Trabalho de Gaudêncio Frigotto (org) pela Vozes (1998)
>>> Livro-Literatura brasileira. em dialogo com outras literaturas e outras linguagens de William Cereja pela Atual (2013)
>>> Notícias que marcam de Gustavo Carmo pela Giz (2006)
>>> Zola Amaro um soprano brasileiro para o mundo de Maria José Talavera Campos; Nicola Caringi Lima pela Ufpel (1998)
>>> Livro - Selva de batom de Candace Bushnell pela Record (2005)
>>> Discurso e Leitura de Eni Pulcinelli Orlandi pela Cortez (2001)
>>> Uma História de Ontem pelo Espírito Leone de Mônica Castrol pela ida & Consciência (2011)
>>> Livro - Quimica. volume 1- Quimica geral de Usberco Salvador pela Saraiva (2014)
>>> Gota D'Á|gua de Chico Buarque; Paulo Pontes pela Civilização Brasileira (2023)
>>> Alice no País dos Espelhos de Lewis Carroll pela Martin Claret (2009)
>>> Reuniões Mediúnicas de Therezinha Oliveira pela Allan Kardec (2005)
>>> Português Descomplicado de Carlos Pimentel pela Saraiva (2004)
>>> Livro - Filosofar com textos. temas e historia da filosofia volume unico. parte 1 de Maria Lucia de Arruda Aranha pela Moderna (2012)
>>> O Irmão Alemão de Chico Burque pela Companhia das Letras (2014)
>>> Inteligência Emocional de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Lavoura Arcaica de Raduan Nassar pela Companhia das Letras (2002)
>>> Flávia Souza Lima de Alguma Poesia - autografado pela Numa (2021)
>>> Mediações Históricas de Trabalho e Educação de Maria Ciavatta pela Lamparina (2009)
>>> O Enigma do Capital: Ponto de Vida Marxista de V. Chemiaténkov pela Progresso (1985)
>>> Jornal, História e Técnica - História da Imprensa Brasileira volume 1 de Juarez Bahia pela Mauad X (2009)
>>> The Complete Book of Motorcycles de Roger Hicks pela Tiger Books (1994)
>>> Motorcycle Classics de Grant Leonard pela Magna Books (1994)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 12/7/2002
Comentários
Leitores

O gel e o capacete
Caro Alexandre, belíssima análise sociológica pontuando as falhas dessa conparação entre executivos e guerreiros. De onde você tira essas coisas rapaz? Grande abraço.

[Sobre "Samurais de Fecaloma"]

por Bruno Garschagen
12/7/2002 às
08h18 200.176.210.119
(+) Bruno Garschagen no Digestivo...
 
e a tradução?
Alexandre, cadê a tradução desse livro??? Vc poderia fazê-la para nós, não? Realmente, quando olhamos criticamente as classes sociais - em especial a dos executivos sem vida, tediosos e estressados - vemos que a tragédia se torna uma grande comédia.

[Sobre "Samurais de Fecaloma"]

por Lucas
11/7/2002 às
10h47 200.206.218.8
(+) Lucas no Digestivo...
 
Entre tréplicas e gígaplas...
Felix, eu não disse que você era contra os índios. Disse - e essa é a minha crítica de fundo - que você é contra, genericamente, os chamados movimentos de defesa de minorias, dentre os quais os de índios. Quanto a isso, seu artigo é, como você mesmo disse, auto-explicativo. Continuo achando que chamá-los de defensores de "bantustões" é incorreto, quanto ao significado da palavra e quanto ao que representam, social e politicamente os bantustões. Mas não vou insistir quanto ao uso - claramente inadequado - desse termo./// A questão da integração dos índios à sociedade brasileira é, sim, passível de discussão, e me parece que os indigenistas mais responsáveis não preconizam a sua sobrevivência "intocada", como bichos raros. Mesmo porque se sabe que isso é impossível. Parece-me que o que importa - e sobre isso deveremos estar de acordo - é que essa transição se dê de forma a protegê-los minimamente./// Não concordo que os conceitos a que você se refere sejam "coisa de espertalhões" e por isso "mereçam ser tratados com jocosidade". Adoro o bom humor, mas dedico a esse tema a seriedade que merecem, no mesmo tom de respeito à divergência que dedico à sua mensagem./// Aliás, sendo também um pouco jocoso, poderia dizer que quanto a propaganda enganosa, e sua intenção de acionar o Procon contra os gays, isso só se justificaria da parte de um consumidor que tivesse feito uso equivocado dos mesmos... :-) /// No que se refere ao MST, não vou apresentar minha posição, já que se ela não coincidir com a sua será de "retardado mental", conforme afirmado. Não percamos nosso tempo, portanto./// Finalmente, apesar de sua retirada desta batalhe de "guerrilha eletrônica" (na qual, é bom lembrar, partiu de você o primeiro tiro), permanecerei na trincheira, à espera de outras oportunidades de praticar o bom combate de idéias. :-) Saudações.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Helion
10/7/2002 às
14h06 200.154.218.33
(+) Helion no Digestivo...
 
Cada um com a sua turma
Se exponho com clareza e sinceridade minha opinião sobre um simples programa de televisão, "tenho conceitos fechados e resolvidos" que são, segundo Mônica Waldwogel, incompatíveis com a época em que vivemos. (Mesmo que eu tenha, neste fórum, respondido e respeitado gente que não merece resposta nem respeito. Gente como, por exemplo, Daniela Brusco, que faz acusações tão absurdas quanto seus erros de português.) Se a Rita Lee, no entanto, opina sobre assuntos como economia ou religião, dos quais desconhece princípios elementares, então ela é "uma mente inquieta"? Tenha dó.
Na minha opinião, o Saia Justa é um programa banal e repetidor de clichês. E, por isso mesmo, sem graça. A maior prova disso e o nível dos defensores das apresentadoras e do programa, que, com mais precisão do que eu podia esperar, se revelaram grossos e analfabetos.
Cada um com a sua turma, Mônica. Mas eu, modestamente, prefiro a minha. Amém mesmo.
Muito obrigado a todos, pelo interesse e pelos comentários. Beijos e abraços,
Eduardo

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por Eduardo Carvalho
10/7/2002 às
15h36 200.213.203.195
(+) Eduardo Carvalho no Digestivo...
 
Respondendo à "cobrança"
Muito bem, Fina! Bravos pela lembrança do Rosa; pondero apenas que ela não muda em nada o que afirmei sobre o gongorismo do seu discurso (pelo contrário, arrisco-me a dizer que reforça: citar Rosa para dar algum peso intelectual às nossas opiniões é sempre interessante). Não sei se você quis me incluir no grupo dos "filhos de maio de 68" -mas, já que eu nasci em junho de 70 e não concordo com muitas das besteiras ditas e feitas dois anos antes, esse não é um clube de que eu me considere integrante. Quanto à sua "cobrança" ("mande-me o que você escreveu de original"), equivale a dizer que você deveria ter jogado futebol -e bem- antes de palpitar sobre o esporte. Se você dispensa essa experiência para escrever seus lugares-comuns, eu também me sinto desobrigada de lhe mandar meus "textos originais". Ademais, a colunista é você, não? Abraços da Isabel.

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Isabel
10/7/2002 às
12h49 200.221.28.204
(+) Isabel no Digestivo...
 
o anticrítico
A leitura crítica deveria ser uma leitura apaixonada da obra de arte, uma interpretação da beleza como objeto de saber.

[Sobre "Os críticos se divertem"]

por Pedro Maciel
10/7/2002 à
00h06 200.211.115.243
(+) Pedro Maciel no Digestivo...
 
Entre tréplicas e gígaplas...
Esses bantustões estão rendendo uma barbaridade... Mas, enfim, vamos a algumas questões levantadas pelo Helion. Quer o Helion que eu explique melhor um monte de coisas. Ora, o ensaio é auto-explicativo, o que eu tinha para dizer lá está escrito. Diz ainda que eu sou contra tudo: índios, negros, MST, gays, mulheres, meninos de rua, Lula-laite, Deus. Primeiramente, em relação aos índios, não sou contra eles. Pelo contrário, sou a favor de que se integrem, paulatinamente, à nossa sociedade, participando, inclusive, da política. O modo como se enfrenta a questão indígena, no meu entender, está totalmente equivocado, porque ONGs e uma meia dúzia de luminares querem congelar os nossos índios na Idade da Pedra – caso dos Ianomâmis – sem direito de acesso à civilização. A bem da verdade, os índios, com exceção dos Ianomâmis e uns outros, já participam da vida brasileira em geral, até vibram com nosso futebol pentacampeão. Ora, se todos, anos atrás, eram contra os bantustões criados na África do Sul, por que haveríamos de criar bantustões aqui, isolando nossos índios nas florestas, como animais em um zoológico? Segundamente, a outra parte do ensaio, que aborda na verdade o conceito babaca do “politicamente correto” (negros, meninos de rua, feminismo etc.) é apenas um mote que segue aos bantustões indígenas. Como envolve conceitos de novilíngua, com forte tempero marxista-gramscista, coisa de espertalhões, o assunto foi tratado com a jocosidade que merece. Pois, para mim, o que vale é o ser humano, em toda a sua integridade e transcendência. Não me interessa direitos exclusivistas desse ou daquele movimento. Antes de se falar em feminismo, negros, meninos etc., deve-se falar em humanismo. Isso é que, no final, importa. Aliás, só se fala em direitos disso, direitos daquilo, nunca são lembrados os deveres que todos deveríamos ter também. Quanto a gays, não tenho nada contra eles, desde que não me perturbem nem violem a inocência de tantos meninos e meninas, que é o que mais ocorre. Outro dia se falou bastante de pedófilo, de padre que viola menino, mas não se disse o óbvio: os pederastas, com ou sem batina – estes em número infinitamente maior, são os que mais estragos fazem em nossa sociedade. O novo Código Civil irá riscar a palavra “pederasta” de seu texto. Esse conceito babaca de “new speak” não irá resolver nada, pois uma certeza permanecerá: a pederastia não irá acabar por conta da rasura de uma palavra. Aliás, sexos existem apenas dois. Gay e sapatão fazem propaganda enganosa. Procon neles(as)! Quanto ao MST, só um retardado mental ainda não descobriu que se trata de um autêntico movimento revolucionário, criado em moldes fasicomunistas, que não se contenta apenas com terras (só no Governo FHC, o MST já recebeu o equivalente a 4 Dinamarcas), mas com TODA A TERRA DO BRASIL. Quem são os mitos que os revolucionários do MST veneram? Che Guevara (patrono do movimento), Mao Tsé-Tung, Lênin, Lamarca, Marighela. Em “Guerrilha desarmada”, disponível em Usina de Letras (www.usinadeletras.com.br), link “Ensaios”, eu faço uma análise bem detalhada sobre o que realmente existe no MST. Finalmente, aborto não é um direito de a “mulher dispor de seu corpo”. Aborto é simplesmente infanticídio. Não há a mínima diferença entre matar uma criança na Candelária – que “comoveu” um monte de gente – ou praticar um aborto – que não comove mais ninguém nesse mundo cínico e podre. Minha opinião sobre o assunto? Leia “Católicas pelo direito de matar”, também em Usina de Letras, link “Ensaios”. Enfim, que bom que “Bantustões” rendeu a reflexão de uns e outros. Mas, por absoluta falta de tempo, encerro aqui minha participação sobre os comentários de Bantustões, antes que essa “flame war” (guerrilha eletrônica), depois das inúmeras réplicas e tréplicas, me leve a kíloplas, gígaplas ou até nônaplas sem fim... Abraços a todos, Person (obrigado pela dica), Novoa, Ronaldo, Helion.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Félix Maier
9/7/2002 às
17h28 200.193.253.7
(+) Félix Maier no Digestivo...
 
Crédito pro Guimarães Rosa
Olá Isabel, O verbo 'perspicar' foi uma alusão ao Guimarães Rosa que, no seu genial Tutaméia, escreve: "Perspica-nos a inércia que soneja em cada canto do espírito, e que se refestela com os bons hábitos estadados. (...) Assenta-nos bem à modéstia achar que o novo não valerá o velho; ajusta-se à melhor prudência relegar o progresso no passado." Homo Ludens, sim, sim, é uma discussão antiga e cara aos filhos de maio de 68. Infelizmente, não estou com muito tempo pra entrar neste assunto; mas é interessante. Quanto ao lugar-comum, desculpe-me não ter alcançado toda a originalidade que seu fino-trato exige. Se puder, mande-me o que você escreveu de original sobre a copa.

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Fina Endor
9/7/2002 às
14h40 200.191.176.219
(+) Fina Endor no Digestivo...
 
Criatividade lingüística
Olá de novo, Fina. Bem, "ser marginal" é um rótulo tão confortável quanto autolisonjeiro. Ele permite que você, de seu posto de observação fantasticamente superior, lance o mesmo olhar de desprezo a "débeis mentais" e "pseudo-intelectuais" -coisa que, por si só, já a qualifica como integrante do segundo grupo (além da criatividade lingüística expressa na invenção do verbo "perspicar", que não consta de nenhum dicionário de língua portuguesa. Esse tipo de discurso gongórico, desnecessariamente rebuscado, é um dos traços distintivos dos pseudo-intelectuais). Soa simpático acreditar-se um gênio incompreendido: essa é uma das muitas modalidades do auto-engano. Advirto, porém, que você talvez não seja tão mal compreendida por aqueles que a lêem. O que acho do seu texto, com toda a sinceridade, é que, embora ele toque em pontos importantes, não se descola dos surradíssimos lugares-comuns da esquerda sobre a "alienação" futebolística. O futebol e as reações que ele suscita são coisa bem mais interessante e complexa. Sugiro aos leitores que procurem por uma coluna escrita por Hélio Schwartsman, no final de junho, no site da Folha Online. Sem deixar de lado o aspecto "alienante" do futebol, ele lembra o historiador holandês Huizinga e seu conceito de "homo ludens" -isto é, o jogo como idéia central da civilização. Na minha opinião, é uma abordagem mais rica e multifacetada do que a repetição de clichês (por mais verdade que haja neles) sobre futebol e miséria. Abraços da Isabel.

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Isabel
9/7/2002 às
12h57 200.221.28.204
(+) Isabel no Digestivo...
 
Quo vadis?
Concordo com o Toni, os donos de jornal não mandam mais nada. A barreira petista a que me referi está extamente nesses "escalões jornalísticos estrategicamente bem situados". Não comecei meu comentário com uma das belas frases do Aporelli à toa. Poucos da geração atual sabem que o Aparício Torelli, Barão de Itararé (a Batalha que não houve), comunista gaúcho, preso e torturado pela ditadura getulista várias vezes, pode ser visto como um protótipo de jornalista perseguido, em nosso País. Perseguido mas incansável. Ao ter seu espaço negado no jornal "A Manhã", servil à ditadura, fundou "A Manha" (assim mesmo, sem til, genial não?). Várias frases famosas são de sua autoria sem que as pessoas saibam, como aquela: pobre quando come galinha um dos dois está doente (na época galinha era caríssima, vejam só!). Como não sou comunista, antes pelo contrário me oponho a estes regimes opressivos admirados pelo Lula e petistas, sinto-me à vontade para citá-lo e ouso cogitar o que teria acontecido com o Aporelli se o Prestes tivesse tomado o poder. Possivelmente mais prisão e tortura. Para onde vamos?

[Sobre "Digestivo nº 88"]

por Heitor De Paola
9/7/2002 às
12h52 200.255.208.106
(+) Heitor De Paola no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Vida Simples Pensamento Elevado
A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada
The Bhaktivedanta Book
(1991)



S.
John Updike
Fawcett Crest
(1989)



Is It Painful to Think ?
David Rothenberg
Minnesota
(1993)



Livro - Plantas Medicinais / Projeto Alecrim
Dagmar Santos Roveratti
Unimarco
(1999)



Historias de Guignard (2000)
Priscila Freire
Formato
(2000)



Como Transformar Informações Em Conhecimento: Fascículo 2
Celso Antunes
Vozes
(2001)



Vida na Floresta
Monica Jakievicius
Dcl
(2001)



Antonio de Alcantara Machado e o Modernismo
Luis Toledo Machado
Jose Olympio
(1970)



Os Gregos
Judith Crosher
Melhoramentos
(1988)



Moll Flanders (1971)
Daniel Defoe
Abril
(1971)





busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês