Digestivo nº 480 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
42519 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Matheus Nachtergaele conversa com Liliane Reis no Estúdio Móvel
>>> Caminhos da Reportagem visita Igrejas que recebem a comunidade LGBT
>>> Em Porto Alegre, feriadão terá mateada, exposição e muitas atrações gratuitas para toda família
>>> Empresas do ABCD estarão na SEMANA DA CASA, maior evento de decoração da América Latina, em SP
>>> Kleber Albuquerque & Carlos Careqa juntos em show no Auditório Ibirapuera no dia 12/6
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ler para ficar acordado
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Nunca fomos tão vulgares
>>> Submissão, oportuno, mas não perene
>>> Tricordiano, o futebol é cardíaco
>>> Ação Social
>>> Antes que seque
>>> Etapas em combustão
>>> Antonia, de Morena Nascimento
Colunistas
Últimos Posts
>>> Adriane Pasa no Canadá
>>> Temporada 2016 do Mozarteum
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
Últimos Posts
>>> Descascando o abacaxi na Nova Inglaterra
>>> Quando nos tornamos únicos.
>>> O Jogo dos tronos na versão brasileira.
>>> Enchendo o porquinho.
>>> Ceifadores
>>> Eterna carestia
>>> Transparências
>>> E agora Jose ? Ops, Michel...
>>> Côncavo e Convexo
>>> Lúdico e Trágico
Blogueiros
Mais Recentes
>>> HQ: Estórias Gerais
>>> Submissão, oportuno, mas não perene
>>> Soundscapes
>>> Nós o Povo
>>> Nós o Povo
>>> Qual o destino da música instrumental brasileira?
>>> Superdeuses, de Grant Morrison
>>> Fuel My Fire
>>> O Mário que eu conheci
>>> BarCamp, Florianópolis - I
Mais Recentes
>>> FEIJOADA NO COPA
>>> FOLHA MOSTRA AS COPAS
>>> Zico Conta A Sua Historia
>>> O Tocador De Tuba. Chico Anísio. Humor. Piadas. Livro Novo!
>>> REVISTA PLACAR
>>> GIBI OS HEROIS RENASCEM O RETORNO SÉRIE COMPLETA COM 04 GIBIS
>>> VOLTA AO LAR- Como resgatar e defender sua criiança interior
>>> SEGUNDO AS ESCRITURAS-Estrutura fundamental do Novo Testamento
>>> AS EPÍSTOLAS DE JOÃO
>>> Trilogia Watchman Nee-O Caminho da Salvação 3,4,5
>>> AJUDA-TE PELA ANÁLISE TRANSACIONAl- a arte de viver bem com a terapia da redecisão
>>> A ONTOLOGIA ONÍRICA- confluências entre magia, filosofia, ciência e arte
>>> Vida, Paixão e Glorificação do Cordeiro de Deus- As Meditações de Anna Catharina Emmerich( 1820-1823)
>>> TERAPIA DE VIDA PASSADA-uma abordagem profunda do inconsciente
>>> NO PRINCÍPIO- GÊNESIS-1-11
>>> PSICOFISIOLOGIA
>>> Angelus Silesius- A Mediação do Nada- Não pertences ao todo se fixo e teu ser
>>> Guerrilha do Araguaia - Relato de um Combatente
>>> Orvil - Tentativas De Tomada Do Poder
>>> A Verdade Sufocada
>>> CONSOLO PARA QUEM ESTÁ DE LUTO
>>> Esboço Geral da Economia de Deus e O VIVER ADEQUADO de um HOMEM-DEUS
>>> O mesmo mar
>>> Alta fidelidade
>>> Monsieur Pain
>>> As avós
>>> Todos os homens são mentirosos
>>> Formas breves
>>> Carlota Fainberg
>>> Santa Maria do circo
>>> Os pinguins de Sr. Popper
>>> Coração hipotecado
>>> Fora de órbita
>>> A vida modo de usar
>>> Respiração artificial
>>> A caixa-preta
>>> D. Quixote (2 volumes)
>>> A divina comédia
>>> Aventuras de Alice no país das maravilhas & Através do espelho e o que Alice encontrou por lá
>>> Contos de fadas de Perrault, Grimm, Andersen e outros
>>> Bartleby, o escrivão
>>> Hamlet
>>> Último round (tomo II)
>>> Último round (tomo I)
>>> A volta ao dia em 80 mundos (tomo I)
>>> Um homem extraordinário e outras histórias
>>> Pinóquio
>>> O casamento do céu e do inferno & outros escritos (edição bilíngue)
>>> Uma temporada no inferno (edição bilíngue)
>>> Poemas escolhidos (edição bilíngue)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 29/6/2011
Digestivo nº 480
Julio Daio Borges

+ de 4500 Acessos




Internet >>> The Shallows, by Nicholas Carr
Enquanto a MPB se digladia por causa da numeração (ou não) dos CDs, o choro pede passagem e exige que – no mínimo – todas as rotativas sejam paradas. Estamos falando dos primeiros frutos do programa Petrobrás de Música. Além do Centro Petrobrás de Referência da Música Brasileira, inaugurado em fins de maio, no Rio de Janeiro, disponibilizando 12 mil fonogramas a melômanos e ao público em geral, já estão igualmente disponíveis: o livro do pesquisador Humberto Franceschi “A Casa Edison e seu tempo” (contando a história da primeira gravadora do País), a caixa de 15 CDs “Memórias Musicais” (com as primeiras gravações realizadas em solo brasileiro) e a coleção “Princípios do Choro” (reunindo 215 obras inéditas, saídas das partituras direto para os compact discs). Essa arca perdida da música brasileira é também resultado do esforço, do empenho e do apoio da Sarapuí Produções Artísticas (leia-se Biscoito Fino), do Instituto Moreira Salles e da Acari Records. A qualidade do material e o impacto que ele ainda vai causar na musicologia, na crítica e na classe musical é coisa que não se consegue estimar ou mensurar. Qualquer avaliação, neste momento, é precipitada (quem se meter a palpitar sobre o assunto, estará cometendo algum tipo de arbitrariedade ou leviandade). O mergulho na arca, ou seja: a audição atenta de mais de 30 discos, a leitura estudada do livro de Franceschi, a análise da documentação (em 5 fartos CD-ROMs), requer meses ou mesmo anos de convívio. Por enquanto, podemos apenas nos embasbacar com a vivacidade, a riqueza e o nível dessa produção que, um dia, – acreditem se quiserem – foi música popular. Fred Figner, o imigrante tcheco, fundador da Casa Edison, entrou nesse negócio para ganhar dinheiro. Ganhou e legou à posteridade, nada mais nada menos que: Pixinguinha (e seus Oito Batutas), Luís Americano, Ratinho, Patápio Silva, o Grupo Terror dos Facões, João Pernambuco, Ernesto Nazareth, Pedro Galdino e tantos outros. Para quem não se impressiona com ancestrais gravações, há ainda as regravações (os tais “Princípios do Choro”), igualmente impressionantes, de Maurício Carrilho, Luciana Rabello e grande elenco, que resgataram a música escrita por: Henrique Alves de Mesquita, Chiquinha Gonzaga, Joaquim Antônio da Silva Callado Jr., Viriato Figueira da Silva, Luiz Borges de Araújo, Porfírio de Sá, Mário Álvares da Conceição, Pedro Galdino, Ernesto Nazareth e muitos outros. Polcas, lundus, valsas e tangos. Oxalá o princípio do século seja – mais uma vez e definitivamente – do choro. [5 Comentário(s)]
>>> The Shallows
 



Cinema >>> Abraços Partidos, de Pedro Almodóvar
Enquanto a MPB se digladia por causa da numeração (ou não) dos CDs, o choro pede passagem e exige que – no mínimo – todas as rotativas sejam paradas. Estamos falando dos primeiros frutos do programa Petrobrás de Música. Além do Centro Petrobrás de Referência da Música Brasileira, inaugurado em fins de maio, no Rio de Janeiro, disponibilizando 12 mil fonogramas a melômanos e ao público em geral, já estão igualmente disponíveis: o livro do pesquisador Humberto Franceschi “A Casa Edison e seu tempo” (contando a história da primeira gravadora do País), a caixa de 15 CDs “Memórias Musicais” (com as primeiras gravações realizadas em solo brasileiro) e a coleção “Princípios do Choro” (reunindo 215 obras inéditas, saídas das partituras direto para os compact discs). Essa arca perdida da música brasileira é também resultado do esforço, do empenho e do apoio da Sarapuí Produções Artísticas (leia-se Biscoito Fino), do Instituto Moreira Salles e da Acari Records. A qualidade do material e o impacto que ele ainda vai causar na musicologia, na crítica e na classe musical é coisa que não se consegue estimar ou mensurar. Qualquer avaliação, neste momento, é precipitada (quem se meter a palpitar sobre o assunto, estará cometendo algum tipo de arbitrariedade ou leviandade). O mergulho na arca, ou seja: a audição atenta de mais de 30 discos, a leitura estudada do livro de Franceschi, a análise da documentação (em 5 fartos CD-ROMs), requer meses ou mesmo anos de convívio. Por enquanto, podemos apenas nos embasbacar com a vivacidade, a riqueza e o nível dessa produção que, um dia, – acreditem se quiserem – foi música popular. Fred Figner, o imigrante tcheco, fundador da Casa Edison, entrou nesse negócio para ganhar dinheiro. Ganhou e legou à posteridade, nada mais nada menos que: Pixinguinha (e seus Oito Batutas), Luís Americano, Ratinho, Patápio Silva, o Grupo Terror dos Facões, João Pernambuco, Ernesto Nazareth, Pedro Galdino e tantos outros. Para quem não se impressiona com ancestrais gravações, há ainda as regravações (os tais “Princípios do Choro”), igualmente impressionantes, de Maurício Carrilho, Luciana Rabello e grande elenco, que resgataram a música escrita por: Henrique Alves de Mesquita, Chiquinha Gonzaga, Joaquim Antônio da Silva Callado Jr., Viriato Figueira da Silva, Luiz Borges de Araújo, Porfírio de Sá, Mário Álvares da Conceição, Pedro Galdino, Ernesto Nazareth e muitos outros. Polcas, lundus, valsas e tangos. Oxalá o princípio do século seja – mais uma vez e definitivamente – do choro. [1 Comentário(s)]
>>> Los Abrazos Rotos
 



Imprensa >>> O Crítico, em Exercício Findo, de Décio de Almeida Prado
Enquanto a MPB se digladia por causa da numeração (ou não) dos CDs, o choro pede passagem e exige que – no mínimo – todas as rotativas sejam paradas. Estamos falando dos primeiros frutos do programa Petrobrás de Música. Além do Centro Petrobrás de Referência da Música Brasileira, inaugurado em fins de maio, no Rio de Janeiro, disponibilizando 12 mil fonogramas a melômanos e ao público em geral, já estão igualmente disponíveis: o livro do pesquisador Humberto Franceschi “A Casa Edison e seu tempo” (contando a história da primeira gravadora do País), a caixa de 15 CDs “Memórias Musicais” (com as primeiras gravações realizadas em solo brasileiro) e a coleção “Princípios do Choro” (reunindo 215 obras inéditas, saídas das partituras direto para os compact discs). Essa arca perdida da música brasileira é também resultado do esforço, do empenho e do apoio da Sarapuí Produções Artísticas (leia-se Biscoito Fino), do Instituto Moreira Salles e da Acari Records. A qualidade do material e o impacto que ele ainda vai causar na musicologia, na crítica e na classe musical é coisa que não se consegue estimar ou mensurar. Qualquer avaliação, neste momento, é precipitada (quem se meter a palpitar sobre o assunto, estará cometendo algum tipo de arbitrariedade ou leviandade). O mergulho na arca, ou seja: a audição atenta de mais de 30 discos, a leitura estudada do livro de Franceschi, a análise da documentação (em 5 fartos CD-ROMs), requer meses ou mesmo anos de convívio. Por enquanto, podemos apenas nos embasbacar com a vivacidade, a riqueza e o nível dessa produção que, um dia, – acreditem se quiserem – foi música popular. Fred Figner, o imigrante tcheco, fundador da Casa Edison, entrou nesse negócio para ganhar dinheiro. Ganhou e legou à posteridade, nada mais nada menos que: Pixinguinha (e seus Oito Batutas), Luís Americano, Ratinho, Patápio Silva, o Grupo Terror dos Facões, João Pernambuco, Ernesto Nazareth, Pedro Galdino e tantos outros. Para quem não se impressiona com ancestrais gravações, há ainda as regravações (os tais “Princípios do Choro”), igualmente impressionantes, de Maurício Carrilho, Luciana Rabello e grande elenco, que resgataram a música escrita por: Henrique Alves de Mesquita, Chiquinha Gonzaga, Joaquim Antônio da Silva Callado Jr., Viriato Figueira da Silva, Luiz Borges de Araújo, Porfírio de Sá, Mário Álvares da Conceição, Pedro Galdino, Ernesto Nazareth e muitos outros. Polcas, lundus, valsas e tangos. Oxalá o princípio do século seja – mais uma vez e definitivamente – do choro. [1 Comentário(s)]
>>> Exercício Findo
 



Cinema >>> Inglourious Basterds, de Quentin Tarantino
Enquanto a MPB se digladia por causa da numeração (ou não) dos CDs, o choro pede passagem e exige que – no mínimo – todas as rotativas sejam paradas. Estamos falando dos primeiros frutos do programa Petrobrás de Música. Além do Centro Petrobrás de Referência da Música Brasileira, inaugurado em fins de maio, no Rio de Janeiro, disponibilizando 12 mil fonogramas a melômanos e ao público em geral, já estão igualmente disponíveis: o livro do pesquisador Humberto Franceschi “A Casa Edison e seu tempo” (contando a história da primeira gravadora do País), a caixa de 15 CDs “Memórias Musicais” (com as primeiras gravações realizadas em solo brasileiro) e a coleção “Princípios do Choro” (reunindo 215 obras inéditas, saídas das partituras direto para os compact discs). Essa arca perdida da música brasileira é também resultado do esforço, do empenho e do apoio da Sarapuí Produções Artísticas (leia-se Biscoito Fino), do Instituto Moreira Salles e da Acari Records. A qualidade do material e o impacto que ele ainda vai causar na musicologia, na crítica e na classe musical é coisa que não se consegue estimar ou mensurar. Qualquer avaliação, neste momento, é precipitada (quem se meter a palpitar sobre o assunto, estará cometendo algum tipo de arbitrariedade ou leviandade). O mergulho na arca, ou seja: a audição atenta de mais de 30 discos, a leitura estudada do livro de Franceschi, a análise da documentação (em 5 fartos CD-ROMs), requer meses ou mesmo anos de convívio. Por enquanto, podemos apenas nos embasbacar com a vivacidade, a riqueza e o nível dessa produção que, um dia, – acreditem se quiserem – foi música popular. Fred Figner, o imigrante tcheco, fundador da Casa Edison, entrou nesse negócio para ganhar dinheiro. Ganhou e legou à posteridade, nada mais nada menos que: Pixinguinha (e seus Oito Batutas), Luís Americano, Ratinho, Patápio Silva, o Grupo Terror dos Facões, João Pernambuco, Ernesto Nazareth, Pedro Galdino e tantos outros. Para quem não se impressiona com ancestrais gravações, há ainda as regravações (os tais “Princípios do Choro”), igualmente impressionantes, de Maurício Carrilho, Luciana Rabello e grande elenco, que resgataram a música escrita por: Henrique Alves de Mesquita, Chiquinha Gonzaga, Joaquim Antônio da Silva Callado Jr., Viriato Figueira da Silva, Luiz Borges de Araújo, Porfírio de Sá, Mário Álvares da Conceição, Pedro Galdino, Ernesto Nazareth e muitos outros. Polcas, lundus, valsas e tangos. Oxalá o princípio do século seja – mais uma vez e definitivamente – do choro. [7 Comentário(s)]
>>> Inglourious Basterds
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRIDGET JONES: NO LIMITE DA RAZÃO
HELEN FIELDING
RECORD
(2000)



POR QUE VOCÊ NÃO QUER MAIS IR À IGREJA?
WAYNE JACOBSEN E DAVE COLEMAN
ARQUEIRO
(2009)



ENCANTOS DO RIO MADEIRA: HISTÓRIAS RIBEIRINHAS
NAIR FERREIRA GURGEL DO AMARAL
TEMÁTICA
(2014)
+ frete grátis



MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS
MANUEL ANTÔNIO DE ALMEIDA
SARAIVA
(2009)
+ frete grátis



RALLY DOS SERTÕES
TIAGO TORICELLI
NAVEGAR
(2004)
+ frete grátis



SENTIDO DE URGÊNCIA - O QUE FALTA PARA VOCÊ VENCER
JOHN P. KOTTER
BEST SELLER
(2009)
+ frete grátis



MEMÓRIAS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMPUTAÇÃO
ROBERTO DA SILVA BIGONHA
SBC
(2014)
+ frete grátis



ORDENS DO AMOR UM GUIA PARA O TRABALHO COM CONSTELAÇÕES FAMILIARES
BERT HELLINGER
CULTRIX
(2007)
+ frete grátis



MAQUIAVEL NO INFERNO
SEBASTIAN DE GRAZIA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1993)
+ frete grátis



HISTÓRIA CONCISA DO TEATRO BRASILEIRO
DÉCIO DE ALMEIDA PRADO
EDUSP/IMPRENSA OFICIAL
(1999)
+ frete grátis





busca | avançada
42519 visitas/dia
1,1 milhão/mês