Digestivo nº 480 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
28885 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Tradicional empório de São Paulo tem sua história contada em livro
>>> Banda Estralo agita férias de julho com shows em São Paulo
>>> Miami/ESPM faz bate-papo gratuito sobre portfólio
>>> Saber negro e plantas medicinais em debate no Jardim Botânico
>>> O Globo marca presença em mais uma edição da FLIP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A melhor Flip
>>> Brasil em Cannes
>>> Radiohead e sua piscina em forma de lua
>>> O bosque das almas infratoras
>>> Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I
>>> A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura
>>> A Garota do Livro: uma resenha
>>> Sarkozy e o privilégio de ser francês
>>> Noturno para os notívagos
>>> Wanda Louca Liberal
Colunistas
Últimos Posts
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
>>> 75 anos de Charlie Watts
>>> Blockchain by William Mougayar
>>> Caravana em BH
Últimos Posts
>>> Escrever vem do fundo da alma
>>> Longe demais -
>>> Opostos complementares: uma combinação excelente
>>> A corrida por trás da corrida
>>> Acordes de amor
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> Onde a onça bebe água
>>> Sonhos olímpicos nos Lençóis Maranhenses
>>> Viva o Brasil
>>> A vida passa
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O ponto final da escrita cursiva
>>> Estive na Flip. Chovia
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Voz de um passado presente
>>> Verdadeiros infiltrados: em defesa de Miami Vice
>>> Dia do Livro!
>>> Cabeça de papel
>>> Uma Srta. e um Blog
>>> Steve Jobs 1983
>>> Um estranho incidente literário
Mais Recentes
>>> Nova boblioteca integrada
>>> OS CÁTAROS E A REENCARNAÇÃO
>>> INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS- Construindo Competências e Habilidades Em Leitura
>>> Amoroso: cartas de paixão e morte
>>> A era do radioteatro: O registro da história de um gênero que emocionou o Brasil
>>> Território, sexo e prazer: olhares sobre o fenômeno da prostiuição na geografia brasileira
>>> Pacto com o Tempo
>>> Movimentos sociais, políticas sociais e questão social: elementos para uma análise da realidade no Brasil e América Latina
>>> Geografia do Estado do Rio de Janeiro: da compreensão do passado aos desafios do presente
>>> Cultura Política, Questão Social e Ditadura Militar no Brasil
>>> Trotsky e a Europa Ocidental do Entre Guerras: marxismo revolucionário, democracia burguesa e luta pela hegemonia
>>> Rio de Janeiro: Um território em mutação
>>> Revisitando o território fluminense IV
>>> Relações Internacionais - Evolução e Teorias da Ciência do Mundo
>>> Império sobre os trilhos II
>>> Império sobre os trilhos I
>>> Sociedade em Perspectiva: cultura, conflito e identidade
>>> O mundo que em mim habita
>>> Homem Peixe
>>> Direitos Humanos e Sistema de Justiça: Uma pesquisa empírica com defensores públicos e promotores de justiça no Rio de Janeiro
>>> A ESPERANÇA EM GABRIEL MARCEL-a fundamentação metafísica da esperança
>>> DE MÁQUINAS Y SERES VIVOS- Autopoiesis- La organizacion de lo vivo
>>> ESDRAS E NEEMIAS- introdução e comentário
>>> CASA DE PEDRA- POEMAS ESCOLHIDOS
>>> O MEIO DIVINO- ensaio de vida interior
>>> QUEM É JESUS?
>>> A Sociedade Aberta e Seus Inimigos Volume 1
>>> Ascensão e Queda das Grandes Potências
>>> A MANEIRA DE CUMPRIR A VISÃO- volume 3
>>> O LADO INTERNO DO CULTO NA IGREJA
>>> AS MENINAS
>>> A História Militar do Brasil
>>> CRISTO, AQUELE QUE CURA
>>> A VOLTA DO FILHO PRÓDIGO- A história de um retorno para casa
>>> Totalitarismo, o paroxismo do poder
>>> 42 SONETOS ( edição bilíngue- inglês-português)
>>> Ensaios em ANTROPOLOGIA DO PODER
>>> 1984
>>> ENTRE QUATRO PAREDES
>>> A Índia Secreta
>>> O Egito Secreto
>>> Conversaciones con Lukács
>>> Fundamentos de la sociologia del arte
>>> Sociologia del arte
>>> Noites do sertão
>>> O ANDARILHO
>>> EM CAMINHO PARA DEUS- Meditando com Marthe Robin
>>> A FILOSOFIA NA IDADE TRÁGICA DOS GREGOS
>>> REVISTA Placar Nº 1043 15/06/2016
>>> Cavaleiros Do Zodíaco - Nº 19 E 20
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 29/6/2011
Digestivo nº 480
Julio Daio Borges

+ de 4500 Acessos




Internet >>> The Shallows, by Nicholas Carr
Enquanto a MPB se digladia por causa da numeração (ou não) dos CDs, o choro pede passagem e exige que – no mínimo – todas as rotativas sejam paradas. Estamos falando dos primeiros frutos do programa Petrobrás de Música. Além do Centro Petrobrás de Referência da Música Brasileira, inaugurado em fins de maio, no Rio de Janeiro, disponibilizando 12 mil fonogramas a melômanos e ao público em geral, já estão igualmente disponíveis: o livro do pesquisador Humberto Franceschi “A Casa Edison e seu tempo” (contando a história da primeira gravadora do País), a caixa de 15 CDs “Memórias Musicais” (com as primeiras gravações realizadas em solo brasileiro) e a coleção “Princípios do Choro” (reunindo 215 obras inéditas, saídas das partituras direto para os compact discs). Essa arca perdida da música brasileira é também resultado do esforço, do empenho e do apoio da Sarapuí Produções Artísticas (leia-se Biscoito Fino), do Instituto Moreira Salles e da Acari Records. A qualidade do material e o impacto que ele ainda vai causar na musicologia, na crítica e na classe musical é coisa que não se consegue estimar ou mensurar. Qualquer avaliação, neste momento, é precipitada (quem se meter a palpitar sobre o assunto, estará cometendo algum tipo de arbitrariedade ou leviandade). O mergulho na arca, ou seja: a audição atenta de mais de 30 discos, a leitura estudada do livro de Franceschi, a análise da documentação (em 5 fartos CD-ROMs), requer meses ou mesmo anos de convívio. Por enquanto, podemos apenas nos embasbacar com a vivacidade, a riqueza e o nível dessa produção que, um dia, – acreditem se quiserem – foi música popular. Fred Figner, o imigrante tcheco, fundador da Casa Edison, entrou nesse negócio para ganhar dinheiro. Ganhou e legou à posteridade, nada mais nada menos que: Pixinguinha (e seus Oito Batutas), Luís Americano, Ratinho, Patápio Silva, o Grupo Terror dos Facões, João Pernambuco, Ernesto Nazareth, Pedro Galdino e tantos outros. Para quem não se impressiona com ancestrais gravações, há ainda as regravações (os tais “Princípios do Choro”), igualmente impressionantes, de Maurício Carrilho, Luciana Rabello e grande elenco, que resgataram a música escrita por: Henrique Alves de Mesquita, Chiquinha Gonzaga, Joaquim Antônio da Silva Callado Jr., Viriato Figueira da Silva, Luiz Borges de Araújo, Porfírio de Sá, Mário Álvares da Conceição, Pedro Galdino, Ernesto Nazareth e muitos outros. Polcas, lundus, valsas e tangos. Oxalá o princípio do século seja – mais uma vez e definitivamente – do choro. [5 Comentário(s)]
>>> The Shallows
 



Cinema >>> Abraços Partidos, de Pedro Almodóvar
Enquanto a MPB se digladia por causa da numeração (ou não) dos CDs, o choro pede passagem e exige que – no mínimo – todas as rotativas sejam paradas. Estamos falando dos primeiros frutos do programa Petrobrás de Música. Além do Centro Petrobrás de Referência da Música Brasileira, inaugurado em fins de maio, no Rio de Janeiro, disponibilizando 12 mil fonogramas a melômanos e ao público em geral, já estão igualmente disponíveis: o livro do pesquisador Humberto Franceschi “A Casa Edison e seu tempo” (contando a história da primeira gravadora do País), a caixa de 15 CDs “Memórias Musicais” (com as primeiras gravações realizadas em solo brasileiro) e a coleção “Princípios do Choro” (reunindo 215 obras inéditas, saídas das partituras direto para os compact discs). Essa arca perdida da música brasileira é também resultado do esforço, do empenho e do apoio da Sarapuí Produções Artísticas (leia-se Biscoito Fino), do Instituto Moreira Salles e da Acari Records. A qualidade do material e o impacto que ele ainda vai causar na musicologia, na crítica e na classe musical é coisa que não se consegue estimar ou mensurar. Qualquer avaliação, neste momento, é precipitada (quem se meter a palpitar sobre o assunto, estará cometendo algum tipo de arbitrariedade ou leviandade). O mergulho na arca, ou seja: a audição atenta de mais de 30 discos, a leitura estudada do livro de Franceschi, a análise da documentação (em 5 fartos CD-ROMs), requer meses ou mesmo anos de convívio. Por enquanto, podemos apenas nos embasbacar com a vivacidade, a riqueza e o nível dessa produção que, um dia, – acreditem se quiserem – foi música popular. Fred Figner, o imigrante tcheco, fundador da Casa Edison, entrou nesse negócio para ganhar dinheiro. Ganhou e legou à posteridade, nada mais nada menos que: Pixinguinha (e seus Oito Batutas), Luís Americano, Ratinho, Patápio Silva, o Grupo Terror dos Facões, João Pernambuco, Ernesto Nazareth, Pedro Galdino e tantos outros. Para quem não se impressiona com ancestrais gravações, há ainda as regravações (os tais “Princípios do Choro”), igualmente impressionantes, de Maurício Carrilho, Luciana Rabello e grande elenco, que resgataram a música escrita por: Henrique Alves de Mesquita, Chiquinha Gonzaga, Joaquim Antônio da Silva Callado Jr., Viriato Figueira da Silva, Luiz Borges de Araújo, Porfírio de Sá, Mário Álvares da Conceição, Pedro Galdino, Ernesto Nazareth e muitos outros. Polcas, lundus, valsas e tangos. Oxalá o princípio do século seja – mais uma vez e definitivamente – do choro. [1 Comentário(s)]
>>> Los Abrazos Rotos
 



Imprensa >>> O Crítico, em Exercício Findo, de Décio de Almeida Prado
Enquanto a MPB se digladia por causa da numeração (ou não) dos CDs, o choro pede passagem e exige que – no mínimo – todas as rotativas sejam paradas. Estamos falando dos primeiros frutos do programa Petrobrás de Música. Além do Centro Petrobrás de Referência da Música Brasileira, inaugurado em fins de maio, no Rio de Janeiro, disponibilizando 12 mil fonogramas a melômanos e ao público em geral, já estão igualmente disponíveis: o livro do pesquisador Humberto Franceschi “A Casa Edison e seu tempo” (contando a história da primeira gravadora do País), a caixa de 15 CDs “Memórias Musicais” (com as primeiras gravações realizadas em solo brasileiro) e a coleção “Princípios do Choro” (reunindo 215 obras inéditas, saídas das partituras direto para os compact discs). Essa arca perdida da música brasileira é também resultado do esforço, do empenho e do apoio da Sarapuí Produções Artísticas (leia-se Biscoito Fino), do Instituto Moreira Salles e da Acari Records. A qualidade do material e o impacto que ele ainda vai causar na musicologia, na crítica e na classe musical é coisa que não se consegue estimar ou mensurar. Qualquer avaliação, neste momento, é precipitada (quem se meter a palpitar sobre o assunto, estará cometendo algum tipo de arbitrariedade ou leviandade). O mergulho na arca, ou seja: a audição atenta de mais de 30 discos, a leitura estudada do livro de Franceschi, a análise da documentação (em 5 fartos CD-ROMs), requer meses ou mesmo anos de convívio. Por enquanto, podemos apenas nos embasbacar com a vivacidade, a riqueza e o nível dessa produção que, um dia, – acreditem se quiserem – foi música popular. Fred Figner, o imigrante tcheco, fundador da Casa Edison, entrou nesse negócio para ganhar dinheiro. Ganhou e legou à posteridade, nada mais nada menos que: Pixinguinha (e seus Oito Batutas), Luís Americano, Ratinho, Patápio Silva, o Grupo Terror dos Facões, João Pernambuco, Ernesto Nazareth, Pedro Galdino e tantos outros. Para quem não se impressiona com ancestrais gravações, há ainda as regravações (os tais “Princípios do Choro”), igualmente impressionantes, de Maurício Carrilho, Luciana Rabello e grande elenco, que resgataram a música escrita por: Henrique Alves de Mesquita, Chiquinha Gonzaga, Joaquim Antônio da Silva Callado Jr., Viriato Figueira da Silva, Luiz Borges de Araújo, Porfírio de Sá, Mário Álvares da Conceição, Pedro Galdino, Ernesto Nazareth e muitos outros. Polcas, lundus, valsas e tangos. Oxalá o princípio do século seja – mais uma vez e definitivamente – do choro. [1 Comentário(s)]
>>> Exercício Findo
 



Cinema >>> Inglourious Basterds, de Quentin Tarantino
Enquanto a MPB se digladia por causa da numeração (ou não) dos CDs, o choro pede passagem e exige que – no mínimo – todas as rotativas sejam paradas. Estamos falando dos primeiros frutos do programa Petrobrás de Música. Além do Centro Petrobrás de Referência da Música Brasileira, inaugurado em fins de maio, no Rio de Janeiro, disponibilizando 12 mil fonogramas a melômanos e ao público em geral, já estão igualmente disponíveis: o livro do pesquisador Humberto Franceschi “A Casa Edison e seu tempo” (contando a história da primeira gravadora do País), a caixa de 15 CDs “Memórias Musicais” (com as primeiras gravações realizadas em solo brasileiro) e a coleção “Princípios do Choro” (reunindo 215 obras inéditas, saídas das partituras direto para os compact discs). Essa arca perdida da música brasileira é também resultado do esforço, do empenho e do apoio da Sarapuí Produções Artísticas (leia-se Biscoito Fino), do Instituto Moreira Salles e da Acari Records. A qualidade do material e o impacto que ele ainda vai causar na musicologia, na crítica e na classe musical é coisa que não se consegue estimar ou mensurar. Qualquer avaliação, neste momento, é precipitada (quem se meter a palpitar sobre o assunto, estará cometendo algum tipo de arbitrariedade ou leviandade). O mergulho na arca, ou seja: a audição atenta de mais de 30 discos, a leitura estudada do livro de Franceschi, a análise da documentação (em 5 fartos CD-ROMs), requer meses ou mesmo anos de convívio. Por enquanto, podemos apenas nos embasbacar com a vivacidade, a riqueza e o nível dessa produção que, um dia, – acreditem se quiserem – foi música popular. Fred Figner, o imigrante tcheco, fundador da Casa Edison, entrou nesse negócio para ganhar dinheiro. Ganhou e legou à posteridade, nada mais nada menos que: Pixinguinha (e seus Oito Batutas), Luís Americano, Ratinho, Patápio Silva, o Grupo Terror dos Facões, João Pernambuco, Ernesto Nazareth, Pedro Galdino e tantos outros. Para quem não se impressiona com ancestrais gravações, há ainda as regravações (os tais “Princípios do Choro”), igualmente impressionantes, de Maurício Carrilho, Luciana Rabello e grande elenco, que resgataram a música escrita por: Henrique Alves de Mesquita, Chiquinha Gonzaga, Joaquim Antônio da Silva Callado Jr., Viriato Figueira da Silva, Luiz Borges de Araújo, Porfírio de Sá, Mário Álvares da Conceição, Pedro Galdino, Ernesto Nazareth e muitos outros. Polcas, lundus, valsas e tangos. Oxalá o princípio do século seja – mais uma vez e definitivamente – do choro. [7 Comentário(s)]
>>> Inglourious Basterds
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




APÓS O ANOITECER
HARUKI MURAKAMI
ALFAGUARA
(2009)



PODER E INOCÊNCIA - UMA ANÁLISE DAS FONTES DA VIOLÊNCIA
ROLLO MAY
GUANABARA
(1986)



A CONSCIÊNCIA DE ZENO
ITALO SVEVO
NOVA FRONTEIRA
(2001)
+ frete grátis



O HOMEM DE SÃO PETERSBURGO
KEN FOLLETT
BESTBOLSO
(2009)
+ frete grátis



A CAVERNA DO MEDO - DELTORA QUEST 2 VOL. 1
EMILY RODDA
FUNDAMENTO
(2006)
+ frete grátis



EVANGELISMO PIONERO
THOMAS WADE AKINS
MISSÕES NACIONAIS
(1997)
+ frete grátis



HORIZONTES DA MENTE
JOÃO NUNES MAIA E MIRAMEZ *ESPÍRITO*
FONTE VIVA
(2002)
+ frete grátis



TEMPO DE RESTAURAÇÃO- AS 3 DIMENSÕES DE JEOVÁ- RAFAH
D.A.S. MATHEUS
VIDA ABUNDANTE
(2004)
+ frete grátis



O MONGE E O EXECUTIVO. UMA HISTÓRIA SOBRE A ESSÊNCIA DA LIDERANÇA
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE
(2004)
+ frete grátis



REVISTA PÔSTER GIGANTE U2
VÁRIOS
DISCOVERY
(2006)
+ frete grátis





busca | avançada
28885 visitas/dia
1,0 milhão/mês