As cidades e as musas | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dança de Santa Cruz e arte cigana são temas das Rodas em Conversa no Teatro do Incêndio em abril
>>> Mostra gratuita reúne obras de 14 artistas em Curitiba
>>> Livro reúne contos consagrados de João Carrascoza
>>> 'Os trabalhos da mão' traz parceria entre Alfredo Bosi e Nelson Cruz
>>> Exposição Malabaristas Urbanas de Carolina Saidenberg
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
Últimos Posts
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
>>> Premissas para reflexão
>>> Sem troco
>>> Libertarias
>>> A mandioca e o canário da terra
>>> Lua nova
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Casa Arrumada
>>> Anti-Jô Soares
>>> Algo em común
>>> Pedro Paulo de Sena Madureira
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> 22 de Abril #digestivo10anos
>>> A arapuca da poesia de Ana Marques
>>> 2010 e os meus álbuns musicais
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> Los Efectos Perversos Del Petróleo
>>> Afiliadas, a Tv Que Te Vê
>>> O Ajudante de Mentiroso
>>> Toulouse Lautrec miniguia de arte
>>> Farrapos de Lembranças
>>> Next
>>> A Expansão da Memória (Uma Sátira à Informática)
>>> O Jogo de Runas
>>> Escola Gaiola
>>> Poemas Seletos
>>> De volta à cabana
>>> O Guarda noturno da literatura brasileira vida e obra de Joaquim Osório Duque Estrada
>>> Saber Viver Pessoalmente Profissionalmente Financeiramente
>>> O feitiço da ilha do pavão
>>> Folhas da Fortuna
>>> Adube sua Carreira
>>> Marketing para negocios de sucesso Volume II
>>> O que os Ricos sabem e não contam
>>> Vai Fundo! O Guru das Midias Sociais Ensina a Ganhar Dinheiro Fazendo o que Voce Gosta
>>> Os Panzers da Morte
>>> Fissurar o Capitalismo
>>> Trauma - Condutas na abordagem inicial
>>> Cristo
>>> Os segredos de o simbolo perdido
>>> Hadoop:the Definitive Guide (inglês)
>>> Dieta Ortomolecular
>>> Tratado de Medicina Física e Reabilitação de Krusen Vol 2
>>> Tratado de Medicina Física e Reabilitação de Krusen Vol 1
>>> Dor nas costas
>>> Aspectos Biomecânicos - Cadeias Musculares e Articulares- Método GDS
>>> Exame da OAB Unificado. 1ª Fase
>>> Anatomia Funcional das Cadeias Musculares
>>> Os Doze Passos e as Doze Tradições
>>> Vivendo Sóbrio
>>> Pedra Bonita - Coleção Literatura Brasileira Contemporânea
>>> Pensão Riso da Noite - Coleção Literatura Brasileira Contemporânea
>>> Olhai os Lírios do Campo - Coleção Literatura Brasileira Contemporânea
>>> As Três Irmãs / Contos
>>> Estado de Sítio / o Estrangeiro
>>> Dicionário de Milagres
>>> Minha Fama de Mau
>>> Só É Gordo Quem Quer
>>> Feliz Aniversário - o Poder dos Dias, Estrelas e Números na Sua Vida
>>> Serafim Ponte Grande - Coleção Grandes da Literatura Brasileira
>>> Macunaíma - Coleção os Grandes da Literatura Brasileira
>>> O Fio da Navalha
>>> Os Mandarins - Volume Único
>>> História de Pobres Amantes
>>> Clarissa
>>> A Bagaceira - Coleção os Grandes da Literatura Brasileira
COLUNAS

Quarta-feira, 30/8/2006
As cidades e as musas
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

As árvores frondosas cedem lugar ao amarelado do semi-árido e às árvores retorcidas pela falta d'água do solo, pela presença constante do Sol. As semprevivas aparecem para amenizar a paisagem e deixar nela umas pintas de cor. Do gado há sombra, dos pastos, nem isso. Fantasmas sentados nos cruzeiros. Às vezes meninos e suas bicicletas precárias.

Na cidade, a rota dos escravos termina em grandes construções. Às vezes em igrejas. O chão de pedras parece construído para brincar. Amarelinhas cedem espaço aos turistas. Os carros parecem desalojados. Um único semáforo parece pendurado no passado. Nem os motoristas o vêem. As meninas da cidade são diferentes das outras. Embora todas passem pelo mesmo adro, não têm os mesmos olhos. Os turistas usam roupas de nativos. Os nativos usam falares. O Banco do Brasil está escrito com Z. Discute-se se a história tombada pode ter nova ortografia. Nem mesmo as marcas sobrevivem ao patrimônio.

Diamantina parece encrustada numa pedra semi-azul. Ao redor, uma muralha, além, um portal. À noite, o cruzeiro é iluminado. Os fantasmas aparecem para os transeuntes. Os ruídos de passos são duplicados. Junto com os meus sapatos vão outros caminhantes. As janelas coloridas se ressentem dos tempos. Os beirais são justos uns nos outros. Aos pássaros resta pular. Ao meio-dia o anúncio da morte do marido de dona Maria. Dona Maria de Joana. Dona Maria de Joana de Jonas. Todos sabem quem era. Marido prestimoso, agora que morreu, presta mais ajuda ainda. Dona Maria convida para o velório. A cidade nem dá fé que é hora de almoçar. Passa o carro velho dando a notícia. Morte anunciada. O marido de dona Maria morreu. Mais um. Menos um. E todos vão almoçar.

Continuam os cheiros de feijão e lingüiça. Os pneus dos carros se ajeitam entre uma pedra lisa e outra. As lojas de pedras e semijóias aparecem como semprevivas. Vitrines coloridas sugerem histórias de garimpeiros. Lápis lázuli, ametista, ônix, quartzo rosa, turmalina, opala, madre pérola, cristal rutilado. A moça me ensina que os rutilos são chamados, popularmente, de cabelos. O anel é majestoso. As cores parecem mechas de aquarelas. Os terços são feitos em madre pérola. As jóias de coco e ouro mantêm os desenhos de séculos passados. Especialmente os brincos, que não uso. A moça se assusta: onde já se viu uma moça sem orelha furada? Pois veja, vendedora, que desgraça. Tenho cá as orelhas lisas, retas, intactas. E gosto, acredite, gosto muito delas assim. Nem brincos de coco e ouro, nem de cristal, nem de prata. Acredite. E ela me diz que isso é coisa da capital. Quem disse?

Diamantina tem febres de dia e, à noite, ela esconde seus calores. Ganhei um cachecol cor de chumbo. Isso é coisa de Ouro Preto. Diamantina, como disse o poeta, é Ouro Preto em dia de sol. Verdades. O dono da loja conta que, aos domingos, um grupo de poetas locais faz alvoroço no beco. Aproveita o comerciante para abrir a loja. E ele me diz que é tudo lindo. Conta a mãe que a filha ganhou poemas em cartazes colocados embaixo da porta. O pai, orgulhoso, conta que uma carta dava conta dos poemas: à minha musa inspiradora. Veja bem que graça tem uma filha musa. Na capital não tem dessas coisas, não é? Mal sabe ele que já fui musa. Mal sabe ele o peso que isso tem. A linda filha, Letícia, sorri delicada. Linda mesmo, merece uns poemas, e nem só de poetas locais. Musa inspiradora, ela pronuncia isso para pôr no currículo. O pôr-do-sol. Os brincos de argola bem grandes a deixam mais morena, mais importante. A prata das Gerais pende das orelhas. Musa. O pai tem orgulho da filha, da musa, dos poetas e do beco. Levei de sua loja uma flor de cristal e um anel de quartzo verde. Diz que dá sorte. Por que não tentar? Nessas coisas, tenta-se de tudo.

Contos fantasiados (em versões melhoradas)

I
Prometo acordar de bom humor
Todos os dias da minha vida,
Disse Pinochio à noiva

II
Abri os olhos
O príncipe já estava lá
E era feio
Contou Branca de Neve às amigas

III
Cinderella comeu a abóbora
Para ficar mais tempo na festa

IV
Quando o lobo soprou
A casa virou escombro
Osama nas alturas

V
O lobo comeu a avó
Porque a neta
Usava chapéu

VI
Difícil é estacionar isto
Disse Cinderella ao cocheiro
depois da meia-noite


Ana Elisa Ribeiro
Diamantina, 30/8/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A literatura infanto-juvenil que vem de longe de Marcelo Spalding
02. Dá para viajar sem fotografar? de Marta Barcellos
03. 6 pedras preciosas do rock de Diogo Salles
04. Vale ouvir de Rafael Fernandes
05. Mavericks: o cinema americano independente de Marília Almeida


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/8/2006
16h09min
Verdade mesmo, Diamantina e Tiradentes são versões de Ouro Preto com sol... muita cor e sol!
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOSSO FILHO VAI SER MÃE - WALMIR AYALA (TEATRO BRASILEIRO)
WALMIR AYALA
LETRAS E ARTES
(1965)
R$ 18,00



DIETA E EMAGRECIMENTO - GUIA DE BELEZA E BOA FORMA
NÃO CONSTA
NÃO CONSTA
R$ 8,99



A CIDADES E AS SERRAS
EÇA DE QUEIROZ
GARNIER
(2018)
R$ 15,00



MILAGRES ACONTECEM DE FATO
BRIEGE MCKENNA, HENRY LIBERSAT
LOYOLA
(1997)
R$ 6,70



CARAPEÇO - POESIAS
HERMES PIRES LEÃO
BELO HORIZONTE
(1958)
R$ 169,90



OS 50 MAIORES ERROS DA HUMANIDADE
TRAJANO LEME FILHO
AXCEL BOOKS
(2004)
R$ 38,99



INFÂNCIA
GRACILIANO RAMOS
RECORD
(1976)
R$ 8,60



ARENA CONTA TIRADENTES - AUGUSTO BOAL E GIANFRANCESCO GUARNIERI (TEATRO BRASILEIRO)
AUGUSTO BOAL E GIANFRANCESCO GUARNIERI
SAGARANA
(1967)
R$ 35,00



SIGNO Y SIGNIFICACIÓN - GONZALO ABRIL (EM ESPANHOL)
GONZALO ABRIL
PABLO DEL RÍO
(1976)
R$ 8,00



A REVOLUÇÃO FRANCESA - HISTÓRIA MUNDIAL EM QUADRINHOS
DINIZ
ESCALA EDUCACIONAL
(2008)
R$ 12,00





busca | avançada
16941 visitas/dia
829 mil/mês